Home Indústria de Defesa Corrida naval: Marinha Indiana busca construção modular para igualar o ritmo da...

Corrida naval: Marinha Indiana busca construção modular para igualar o ritmo da China

3239
26
INS Satpura (F48) classe Shivalik

A Marinha Indiana está buscando adotar tecnologias modulares de construção para alcançar a paridade no ritmo de construção de navios com a rápida expansão da Marinha Chinesa, informou o Tribune.

A nova metodologia está sendo aplicada ao Projeto 17-A da Marinha para reforçar a força da fragatas da Marinha, um acompanhamento do Projeto 17 para a indução de navios de guerra da classe “Shivalik”. Espera-se que o primeiro navio sob o projeto seja introduzido em três anos, enquanto os seis restantes devem estar prontos em 2026-27.

A Marinha Indiana espera que o novo método de construção de navios ajude a reduzir o tempo de construção dos atuais 7-8 anos para 3-4 anos. Embora já esteja em uso nos EUA, Europa, Japão e Coreia, esta é a primeira vez que está sendo aplicado na Índia. A construção do primeiro navio começou em fevereiro de 2017.

Até agora, os navios eram construídos progressivamente sobre a estrutura, mas de acordo com o novo regime, os módulos separados podem ser construídos em diferentes locais. Isto permite o trabalho paralelo nos navios em vários locais ao mesmo tempo e os blocos podem então ser montados. Isso também ajuda a reduzir o requisito de mão de obra com automação aplicada para tornar o processo mais elegante.

Construtores de Navios no Reach Garden (GRSE) Kolkata estão trabalhando em três dos navios de guerra, enquanto a Mazagon Dock Limited (MDL), em Mumbai, está trabalhando nos outros quatro. O custo de cada navio de guerra será em torno de Rs 6.300 crore.

FONTE: swarajyamag.com

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Victor Filipe
Victor Filipe
1 ano atrás

Quem ai quer apostar que a gente vai ver uns problemas acontecendo com os Indianos por causa disso?

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

problema que eu adoraria ver por aqui se viesse junto com todo o ritmo e poderio militar deles…

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

Se seguir a pegada da força aérea deles vai ser trágico!

Sandro
Sandro
1 ano atrás

E as nossas Fragatas alguem tem noticias? Ao que parece ta tudo embargado.

Rawicz
Rawicz
Reply to  Sandro
1 ano atrás

Não temos e lemos mais nenhuma noticia sobre.

Leandro Assis
Leandro Assis
1 ano atrás

Não há dúvidas da capacidade da Índia em se tornar uma potência dos mares mas rivalizar com os chineses fica difícil. O ritmo de crescimento daquela marinha e a fabricação de embarcações com tecnologias adquiridas é algo fenomenal.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Leandro Assis
1 ano atrás

não precisa ser maior, só rivalizar.
A graça é que a Índia tem acesso de fato ao mercado internacional de armas, diferente da China, então algumas quantidades podem ser contrapostas com qualidade.

Galvão
Galvão
Reply to  Fernando Turatti
1 ano atrás

A Índia comprou o S-400 e o curioso é que esse “acesso ao mercado internacional de armas”, leia-se EUA e UK, não sofreu nenhum embargo, ao contrário da Turquia.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Galvão
1 ano atrás

Galvão, meu consagrado, tu acha que a Índia vai ter acesso a bala de prata de todo o ocdiente e aliados? Não vai. A Turquia tomou no nariz porque simplesmente não é compatível operar S-400 com F-35 para os interesses de quem tem o F-35.

Thiago Aiani
Reply to  Fernando Turatti
1 ano atrás

Se a Índia quiser ela tem acesso até A bala de ouro de todo Ocidente , está se tornando sempre mais importantes para americanos e japoneses na estratégia de contenção da China. OS EUA ja ofereceram o estatus de aliado prioritário extra OTAN e os indianos recusaram, o ano passado o Trump inseriu a Índia no sta 1 https://www.thehindu.com/business/Economy/india-third-asian-nation-to-get-sta-1-status-from-us/article24603607.ece

Paulo Siqueira
Paulo Siqueira
Reply to  Thiago Aiani
1 ano atrás

A Índia faz parte do commonwealth!Nepal,Austrália,Canadá,Nova Zelândia…todos se amarram na coroa,pois é só ela chamar e todos vão acudi-la!

Galvão
Galvão
Reply to  Fernando Turatti
1 ano atrás

Fernando, é certo que a India não faz parte da cadeia de fornecedores do F-35, como a Turquia, mas como o colega Thiago Aiani comentou aí abaixo, a India hoje em dia é aliada próxima dos EUA e se não me engano no ano passado ou no início deste ano, os dois países fecharam parcerias e transferência de tecnologia nuclear, entre outras. Acho que neste caso o que mais pesou para os EUA não terem imposto nenhum embargo a India é o fato de que possuem um inimigo em comum, a China.

Alison Lene
Alison Lene
Reply to  Fernando Turatti
1 ano atrás

Vou nem rir… vai que é doença…

Leandro Assis
Leandro Assis
Reply to  Fernando Turatti
1 ano atrás

Meu amigo, não concordo com o seu comentário em que afirma que quantidades podem ser contrapostas com qualidade pois a China vem se esforçando e colhendo os frutos desses esforços no que diz respeito não só a quantidade mas também em qualidade. E nada como ter sua própria indústria de defesa a todo vapor ao invés de ter que comprar de outras potências

Gustavo
Gustavo
1 ano atrás

Missão quase que impossível ein!

Raduga
Raduga
1 ano atrás

Quem tem inimigos tem medo!!!

Atirador 33
Atirador 33
1 ano atrás

Igualar ou acompanhar o crescimento do poder naval chinês é impossível, mas a política Indiana está correta em rivalizar, não vejo a índia indo buscar o conflito, é mais provável os chineses indo para cima dos indianos, ai a casa dos chineses poderiam cair.

Abs

Kemen
Kemen
1 ano atrás

A India não tem como acompanhar o ritmo da China nem no mar e muito menos no ar. A propósito o navio iraniano vai ser liberado, consequentemente o Irã liberará o navio britanico, como comentei anteriormente os entendimentos diplomaticos seguiram em paralelo, e ao que tudo indica o Irã garantiu que seu navio não iria e nem vai abastecer a Siria. Acho que a Grã Bretanha não vai cair numa outra confusão do Trump tão cedo. A informação se refere ao “governo de Gibraltar” sera que a Grã Bretanha menciona o governo de Gibraltar, buscando relegar a outro essa furada?

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Tudo o que faz da China grande, faz também da Índia. O ritmo de crescimento indiano inclusive é maior, só começaram a pegar ritmo depois.
É questão de tempo para de fato acompanharem a China.

Thiago Aiani
Reply to  Fernando Turatti
1 ano atrás

Sinceramente não penso sejam a mesma coisa, a Índia tem com certeza um grande potencial e nichos de excelência, mesmo assim contínua muito mais instável com rachaduras socio-econômicas gravíssimas e uma população no seu complexo manipulável e pouco instruída. Não são muitos velhas noticias que reportavam que o whatsapp lá foi protagonista de verdadeiras tragédias e as fake News geraram psicose e histeria em vilarejos onde e a população massacrou freiras e cristãos; também sao frequente fenômenos gravíssimos de estupros coletivos, misoginia, feminicidio, taxas de desigualdade miséria e instrução de um país subdesenvolvido. Não penso seja possível comparar a ordem… Read more »

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Thiago Aiani
1 ano atrás

A China tenta massacrar os movimentos separatistas enquanto só faz causar ainda mais a ira de suas minorias que, como tudo lá, são gigantescas. O problemas da Índia ao invés de indicarem de fato um limitante, são pelo contrário o motivo pelo qual eles pegarão a China no futuro em desenvolvimento: eles são uma democracia. A liberdade gera mais benefícios que malefícios no longo prazo. A população pouco instruída foi justamente o que fez da China a China: mão de obra barata, que paulatinamente vai se tornando mais instruída e melhorando o nível de vida. A Índia não tem nem… Read more »

Demara
Demara
1 ano atrás

Alguma compra de oportunidade pra MB?

Caio
Caio
1 ano atrás

Demorou hein Índia, e ainda terão as correções. Os chineses estão muito a frente e impõe uma força ameaçadora.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

A China chegou lá, agora parece que vai crescer mais fraca cerca de 6 por cento ao ano se não houver crise, a índia por se bem pobre ainda pode crescer muito, e do jeito que está tem forças armadas enormes e bem equipadas até, imagina daqui a alguns anos.

Pedro
Pedro
1 ano atrás

É por ali que possivelmente vai eclodir uma guerra nuclear infelizmente, só não sabemos se irá envolver o mundo todo, ou apenas de 3 a 4 nações.

Chen
Chen
Reply to  Pedro
1 ano atrás

Evidente que o mundo . O ciclo está fechando. Está era termina em guerra e morte. 2/3 da população mundo desaparecem. O Brasil será refúgio de vários povos e as tragédias serão menores por aqui.