Home Indústria de Defesa Poder Naval entrevista Stefan Jock, da fabricante alemã de radares Hensoldt

Poder Naval entrevista Stefan Jock, da fabricante alemã de radares Hensoldt

2272
21
Stefan Jock, vice-presidente de vendas de Radar-IFF e Link de Dados da Hensoldt
Stefan Jock, Head of Domain Sales da Hensoldt

Head of Domain Sales da empresa alemã fala sobre os equipamentos, tecnologia e perspectivas de mercado

Por Alexandre Galante

PODER NAVALCaro Stefan, você poderia começar falando sobre sua educação/formação e quanto tempo você trabalhou na indústria de radar em Hensoldt?

Stefan Jock – Estudei matemática e engenharia de comunicação na Universidade de Karlsruhe e comecei minha carreira industrial em 1997 como um engenheiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Guerra Eletrônica (EW) encarregado de algoritmos para aplicações de inteligência. Desde 2004, tenho estado no negócio de radar e tenho trabalhado em vários projetos e funções de gestão de programas com foco na OTAN, Ásia-Pacífico, Oriente Médio e os EUA.

PN Antes de fazer parte da Airbus DS, qual era a relação da Hensoldt com a Airbus?

Stefan Jock – Apesar de ter apenas dois anos no mercado, A Hensoldt tem uma grande história. O nome da empresa, HENSOLDT, vem de Moritz Carl Hensoldt, um pioneiro alemão de óptica e mecânica de precisão no século XIX. Com base nas conquistas de renomados predecessores como Telefunken, Dornier, Kelvin Hughes, Siemens Sicherungstechnik e Carl Zeiss Optronics, a empresa tem uma herança na tecnologia europeia que remonta a mais de 200 anos.

Há dois anos, a Airbus vendeu seu negócio de eletrônica de defesa para a empresa de investimento global KKR, mantendo uma quota de 25,1%, a fim de garantir uma separação suave das operações de negócios. Em setembro de 2018 esta separação foi concluída e as restantes ações foram compradas da Airbus. Desde então, a HENSOLDT vem abordando os mercados globais de sensores como uma empresa totalmente independente. Esta independência permitiu-nos concentrar-nos na nossa área de especialização, criando novas soluções e permitindo-nos dar um maior enfoque aos nossos clientes. A Hensoldt já abriu 5 hubs em todo o mundo, aproximando-nos dos nossos clientes e permitindo-nos compreender melhor as culturas locais e entregar as soluções necessárias com maior rapidez.

No entanto, a Hensoldt nunca perdeu a conexão com a Airbus e continua a ser um grande fornecedor para vários grandes programas, onde a Airbus desempenha um papel significativo (por exemplo, o radar para o Eurofighter).

A Hensoldt tem uma grande história

PNQual é o papel da área de radar, IFF e link de dados na empresa no que se refere ao posicionamento da empresa como “a casa do sensor”?

Stefan Jock – A HENSOLDT fornece soluções de sensores em aplicações aéreas, marítimas e terrestres para forças armadas e autoridades de segurança em todo o mundo. Estes incluem a proteção de infraestruturas críticas, defesa aérea, autoproteção aérea, inteligência de sinal e links de dados, bem como imagens térmicas e segmentação Optronic. Além disso, nosso portfólio compreende equipamentos de aviônicos de missão, como computadores, dispositivos de planejamento de missão e sistemas de conscientização situacional para helicópteros.

A família de radar Hensoldt é muito grande e variada. Temos radares navais, como o TRS-4D, radares Sharpeye; terrestre como o TRML-4D e radar passivo, e, finalmente, temos também radares aéreos como o nosso PrecISR.

Além dos radares primários, temos radares secundários como os nossos sistemas IFF que são utilizados na OTAN. Há pouco, lançamos um IFF com a tecnologia AESA. A mesma tecnologia usada em radares primários como TRS-4D, TRMLD e PrecISR.

Esta área é crítica para a Hensoldt devido à qualidade dos produtos que utilizamos, o tipo de clientes (como Alemanha, EUA, Itália e vários outros países da OTAN) e a diversidade de utilização que têm diante de ameaças simétricas e assimétricas.

TRS-4D rotativo

PNQuais são as principais diferenças entre os radares TRS-3D e o TRS-4D, além da tecnologia baseada no nitreto de gálio (GaN)?

Stefan Jock – Como uma empresa tecnológica de defesa, estamos sempre trabalhando para oferecer a melhor solução para nossos clientes. É claro que o TRS-3D é um excelente radar e ainda é usado por muitos navios no mundo.

No entanto, o TRS-4D com a mais recente tecnologia AESA é um avanço que tem uma série de diferenças e vantagens.

Com o aumento do desempenho do uso da tecnologia AESA baseada em transmissores e receptores (T/R) de semicondutores de nitreto de gálio, este radar oferece benefícios significativos de potência, eficiência e confiabilidade em comparação com radares baseados em arsenieto de gálio (GaAs) e módulos T/R utilizados até agora em radares multifuncionais. Portanto, nosso TRS-4D melhora o tempo de resposta e acerto da probabilidade de detecção, mesmo em um ambiente complexo, com uma alta densidade de alvos e envolvendo ameaças altamente ágeis e assimétricas.

Inserindo um pouco mais de detalhe, o radar TRS-4D AESA não só fornece direção, alcance e elevação (3D), mas também a análise aprofundada do doppler do alvo e outras características durante esse tempo prolongado-no-alvo (a 4ª dimensão) em cada varredura única. O resultado é uma detecção aérea e superfície muito superior, de rastreamento e desempenho de classificação quando comparado aos radares 3D e 2D. O radar TRS-4D conduz simultaneamente uma busca tridimensional do volume do espaço aéreo e da área de superfície do mar em torno do navio. Ele detecta automaticamente os contatos no ar e na superfície para criar dados de rastreamento que são enviados para o sistema de gerenciamento de combate do navio ou console de radar.

Por outro lado, o radar TRS-3D multimodo usa uma antena phased array em multimodo 3D para detecção simultânea e rastreamento de alvos múltiplos e emprega estabilização eletrônica para neutralizar o movimento de rolamento dos navios operando em águas costeiras agitadas, com modos operacionais específicos para proteção contra mísseis de antinavio roça-ondas (sea skimming) e helicópteros de ataque. A antena de radar é composta de uma matriz planar phased array de feixe estreito de 16 ou 32 linhas de 46 irradiadores cada. Devido a seu peso mais baixo comparado a uma antena de AESA pode ser instalado em navios e em barcos menores.

Radar TRS-3D

PNTanto as Marinhas dos EUA e da Alemanha usam seus radares TRS-3D como o TRS-4D. A Marinha dos EUA está satisfeita com os radares instalados nos Littoral Combat Ships (LCS)?

Stefan Jock – O TRS-4D foi escolhido por várias marinhas do mundo, de países do Oriente Médio, EUA, Alemanha e Chile (o primeiro país da América Latina a ter esta tecnologia utilizada pela OTAN para as suas fragatas e corvetas). Com tecnologia avançada projetada para missões prolongadas, o TRS-4D oferece vigilância sem precedentes para a guerra antiaérea (AAW) e combate à superfície (ASuW), e também é adequado para missões de combate à pirataria, humanitária e de busca e resgate (SAR).

O radar de vigilância marítima TRS-4D consiste em 2 versões, o TRS-4D rotativo e o TRS-4D com painéis fixos. Na Alemanha, a Hensoldt forneceu os painéis fixos TRS-4D/NR (não-rotativos) para as 4 novas fragatas da classe F125 da Marinha Alemã. Da mesma forma, já temos a Alemanha como cliente por vários anos. Recorde-se que o primeiro lote de corvetas K130 foi equipado com o radar Hensoldt TRS-3D. Para o segundo lote de cinco corvetas K130 a Marinha Alemã já selecionou o TRS-4D em sua versão rotativa.

Da mesma forma, contando com produtos de primeiro nível a Marinha dos EUA selecionou o nosso TRS-4D para o seu programa de LCS classe “Freedom”. Como na Alemanha, as primeiras unidades saíram com o radar TRS-3D, conhecido nos EUA como o AN/APS-75. A empresa já entregou cinco radares TRS-4D para os navios LCS 17, LCS 19, LCS 21, LCS 23 e LCS 25.

A entrega dos radares TRS-4D para ambas as Marinhas confirma o sucesso que a empresa está conseguindo na Europa e também nos EUA. Finalmente, a Marinha Chilena escolheu, em fevereiro 2017, o radar TRS-4D em sua versão rotativa como parte de um programa de modernização para suas três fragatas Type 23, Almirante Cochrane, Almirante Condell e Almirante Lynch.

LCS classe Freedom com radar TRS-3D
O radar TRS-4D foi incluído no projeto de modernização das fragatas Type 23 do Chile
Corveta K130
Corveta K130 com radar TRS-3D no alto do mastro principal

PNEm termos do mercado de radar para navios, qual é o maior mercado de radar para Hensoldt e como a empresa vê a América do Sul?

Stefan Jock – Naturalmente um dos pilares principais no que diz respeito ao mercado de radar naval para Hensoldt é, obviamente, o seu mercado doméstico, Alemanha. Mas a empresa também é forte em fornecer radares para fragatas e navios menores na Europa, Ásia-Pacífico e os EUA. Devido à boa reputação de seus radares navais, a Hensoldt foi recentemente capaz de ganhar uma parcela de mercado no Oriente Médio e, particularmente, na América Latina, que a Hensoldt considera como um pilar importante para suas futuras atividades navais, que não será limitado a radares somente.

Na América do Sul há uma grande necessidade de renovação e aquisição de novos radares, tanto terrestres como aéreos e navais. Em relação aos radares navais da região, podemos ver na Colômbia o projeto PES (Plataforma Estratégica de Superfície), o Brasil com o projeto Tamandare e países como Chile e Peru com estudos para a aquisição de radares.

PNQuais as vantagens que a Hensoldt oferece em relação aos equipamentos dos concorrentes?

Stefan Jock – Em primeiro lugar, a nossa tecnologia já foi testada e aprovada por várias forças armadas líderes e pertencentes à OTAN. Cerca de 70 radares TRS-4D foram encomendados até à data em todo o mundo, mais de 25 são instalados, aceitos e em operação. Em nosso conhecimento, nenhum outro radar de escala média 3D AESA pode vangloriar-se deste livro de encomendas!

Além disso, o conceito único do TRS-4D multi-feixe e de processamento de Doppler asseguram o desempenho confiável de todas as tarefas operacionais em uma taxa elevada de atualização. O alto desempenho do radar é em grande parte devido ao grande número de módulos transmissores/receptores (T/R) da antena, que são feitos a partir de materiais especiais com capacidade de RF. Além disso, a maior confiabilidade que nosso sistema oferece, uma vez que cada módulo opera de forma independente, portanto, uma falha em um módulo único não terá efeito significativo sobre o desempenho geral do sistema.

Graças à coordenação precisa de todos os elementos da antena na faixa de C (faixa G na OTAN) e dos modos de processamento especiais do sinal, o radar podem fornecer a informação extremamente exata do alvo (melhor definição angular e exatidão angular), assim garantindo antecipadamente a atribuição de armas precisa (estabilidade de rastreamento, melhor precisão de direcionamento para orientação e detecção de mísseis).

Eu poderia nomear uma série de vantagens desta tecnologia, mas o importante é que a nova geração do TRS-4D abre uma nova dimensão para as missões marítimas. O TRS-4D é superior aos radares médios 3D navais atuais e é proposto como o radar multifunção preliminar para a aplicação naval de exigência da escala média.

TRS-4D com painéis fixos

PN A Hensoldt vai continuar a desenvolver radares com antenas rotativas? As fragatas F125 da Alemanha usam o radar fixo de 4 painéis. Por que o radar rotativo foi desenvolvido?

Stefan Jock – A Marinha Alemã fornece um exemplo muito bom sobre o uso e as ideias por trás dos conceitos TRS-4D: o F125 é um grande maior combatente de superfície, tem um grande deslocamento e é projetado para a missão de múltiplos propósitos, exigindo um longo período de tempo no mar. O TRS-4D com o conceito BIT sofisticado, alta MTBCF e a alta redundância é perfeitamente adequado para este fim, permitindo todos os tipos de missões e uma atualização posterior dos sistemas de armas.

As corvetas alemãs K130, no entanto, tendo um comprimento de cerca de 90m, exigem um radar menor, e aqui a substituição do antecessor TRS-3D com o TRS-4D permitiu um upgrade fácil e agora um conceito de família com a formação de comunalidades e peças de reposição permite reduzir significativamente os custos do ciclo de vida. O emprego de canhão, míssil de autodefesa (como o Sea Captor ou RAM) é possível para o TRS-4D, bem como a detecção de periscópio, busca e rastreamento.

Fragata F125 Baden-Württemberg, equipada com o radar TRS-4D de painéis fixos

PNComo é a integração dos radares Hensoldt a diferentes sistemas de gestão de combate? Existem pré-requisitos para facilitar essa integração?

Stefan Jock – Os radares Hensoldt já foram integrados a muitos sistemas de gestão de combate e armas diferentes com os principais integradores no mundo inteiro nas mais diversas plataformas. Assim, a versatilidade na integração é comprovada. Além disso, nossos radares usam protocolos de interface padrão, de modo que a integração com muitos sistemas diferentes é possível.

PNOs radares Hensoldt podem ser facilmente integrados em embarcações mais antigas em programas de modernização?

Stefan Jock – Sim, em princípio eles podem. Um estudo da embarcação e de seu sistema a bordo seria primeiramente feito pela Hensoldt e por seu cliente para executar a viabilidade de integrar um radar novo.

21
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
16 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
14 Comment authors
carcara_brFighterBRRenatoPeter nine nineindia-mike Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

Foram eles que a pouco tempo atrás disseram ter detectado o caça f-35?

Lucas Ribeiro
Visitante
Lucas Ribeiro

Eu não achei nenhum depoimento oficial da empresa.
Más que esta tecnología é de ponta, não tenho dúvida.
So fico com inveja dos chilenos que tem o radar TRS-4D , os Iff modo 5 e nos aqui no Brasil estamos comprando radar antigo pras fragatas da Tamandaré

ALEX TIAGO
Visitante

Antigo???acredito que seja a última versão a versão que vai equipar as tipo 26 se for realmente os mesmos como ser a antigo acredacredito que seja a nova versão.

FighterBR
Visitante
FighterBR

Pois é Lucas. TRS-4D é muito superior ao Artisan.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Olha acredito que apesar de termos o repasse de tecnologia para montar no Brasil o Artisan, seria melhor comprar um radar de GaN, e a Hensoldt seria uma boa opção, muita inveja pelo fato de os Chilenos já terem um radar tão moderno na sua marinha. se o Trump ajudasse comprar um versão menor do SPY 6

Bosco
Visitante
Bosco

Nem a corveta K130 e nem a fragata F125 possuem radar de controle de tiro para os canhões de 76 e 127 mm. No mínimo, curioso.

Lucas
Visitante
Lucas

Oí Bosco. Talvez vc saiba explicar melhor que eu. Mas você está falando Olha So: o TRS4D tem a capacidade de “Surface gun fire control with splash detection”
Se puder explicar mais sobre este tema agradeceria. Obrigado!!

Bosco
Visitante
Bosco

Lucas, A versão com painéis fixos até poderia mas o curioso é que os radares em questão operam na banda C (bandas G e H pela classificação da NATO). Essa frequência não é adequado para controle de tiro de canhão. Os radares de CT para canhão operam nas bandas K, Ku e até X. Lembrando que radares operam nas bandas K, Ku, X, C, S, L, UHF, VHF e HF. Essa última para radares OTH. A banda C tem melhor propagação na atmosfera mas por ter maior comprimento de onda tem menor resolução. A menos é claro que tenham desenvolvido… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Uma curiosidade sobre a terminologia das bandas de radar: http://www.navweaps.com/index_tech/tech-046.php

india-mike
Visitante
india-mike

Bosco, realmente está acontecendo um movimento curioso em relação à ausência dos radares DT. As novas type31 ‘arrowhead’ da RN por exemplo terão um canhão de 57mm e 2 de 40mm (teoricamente todos habilitados pra função CIWS) mas nenhum radar específico para controlá-los, apenas o radar principal da Thales NS110 (alguns especulam o NS200 com tecnologia GaN) — esse último detalhe tb contraria os reports anteriores de que a T31 herdariam os ‘antigos’ Artisan das T23. Aliás, vc tb acha que a MB deveria abandonar o Artisan por ser mecânico e pular para um radar GaN (ou no mínimo um… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

India-mike
Nem os LCS têm radar DT para o canhão de 57 mm.
O pessoal tá confiando só no alça optrônica, que ao meu ver não funciona contra mísseis.
Em relação à MB eu acho que o Arisan tá de bom tamanho para a classe Tamandaré. Sem dúvida ter o “estado da arte” é interessante mas tem considerações de custo, etc.
Já para futuras fragatas aí sim podemos dar um pulo mais ousado.

Bosco
Visitante
Bosco

Arisan = Artisan

india-mike
Visitante
india-mike

Valeu Bosco. Concordo que pro momento o Artisan basta, mas como a chegada de uma próxima geração de escoltas (e radares) será no mínimo daqui a 20 anos (seja numa atualização de meia vida das Tamandarés ou no advento de uma nova classe), acho q seria interessante estar no estado da arte, até para permitir que esses navios sejam militarmente relevantes por mais tempo.

Bosco
Visitante
Bosco

Essa confiança na alça optrônica somente sem dúvida tem a ver com economia de custos e na confiança depositada nos sistemas de mísseis antimísseis , o que de certo modo faz o radar DT uma redundância. Aí no processo o canhão fica relegado a defender o navio somente de ameaças de baixa intensidade.
O que ao meu ver é uma pena já que esses canhões (57 e 76 mm) são ainda muito eficientes na defesa antimíssil e constituiria mais uma barreira na defesa do navio.

Marcos
Visitante
Marcos

Rastreou o F-35 com transponder ligado e com um equipamento que aumenta o RCS para não dar BO com o controle aéreo do evento.

Piada

Marcelo
Visitante
Marcelo

Marcos, os F-35 não quiseram voar até que o radar pasivo da Hensoldt foi desligado e desmontado na feira.
Jogada inteligente dos alemães terem ido pra um lugar perto. Vc acha que a a empresa que fabricou os F-35 vão falar “é mesmo, eles me detectaram?”

Renato
Visitante
Renato

Exatamente Marcelo,
A Hendsolt colocou sua unidade móvel de radar numa fazenda vizinha ao aeroporto onde acontecia o show.aéreo para não chamar a atenção.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Marcos, pese embora seja verdade o que diz, não foram esses os dados que a empresa utilizou, ou seja, excluiram essa assinatura pelo que pude compreender. Resultando numa detecção passiva eventualmente viável.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Não é piada, bem provável que conseguissem rastrear os F-35, agora convence a lockheed fazer o teste e perder alguns bilhões em vendas e esforço de marketing.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Ótima entrevista, muito interessante tirou várias dúvidas.