Home Indústria de Defesa Naval Group inicia a construção da primeira fragata FDI para a Marinha...

Naval Group inicia a construção da primeira fragata FDI para a Marinha Francesa

5075
35

A cerimônia de corte de aço da primeira fragata de defesa e intervenção (FDI) ocorreu no estaleiro do Naval Group de Lorient. A cerimônia foi conduzida na presença da Ministra das Forças Armadas, Florence Parly, do Chefe da Direção de Armamento da França (DGA), do Délégué général pour l’Armement, Joël Barre, do Chefe do Estado-Maior da Marinha Francesa Christophe Prazuck, do Chefe da marinha helênica Nikolaos Tsounis, muitas autoridades francesas e delegações estrangeiras, além do CEO do Grupo Naval, Hervé Guillou. O primeiro da classe será entregue em 2023 e faz parte de uma série de cinco navios.

Sylvain Perrier, diretor do Naval Group do programa FDI, declarou durante o evento: “Hoje, após a conclusão bem-sucedida das fases iniciais de estudos e desenvolvimento, estamos orgulhosos de alcançar esse primeiro marco industrial. Esta cerimônia é a primeira deste grande programa para o qual a DGA ficará encarregada da administração de contratos principais em benefício da Marinha Francesa. Graças a esse programa, o Naval Group também continuará desenvolvendo sua exposição internacional. Esse programa aumentará para quinze o número de fragatas de primeiro escalão da Marinha Francesa, conforme planejado no plano de gastos militares da França (LPM). Conseguimos manter nosso compromisso graças ao modelo de trabalho colaborativo que adotamos com nosso cliente e à mobilização de atores estatais e industriais.”

Uma fragata digital multimissão de 4.500 toneladas

A FDI é um navio de alto mar com um deslocamento da classe de 4.500 toneladas,  multimissão e resistente, capaz de operar, sozinha ou dentro de uma força naval, em todos os tipos de guerra: anti-superfície, antiaérea, antissubmarina e permite a projeção de forças especiais.

Fortemente armada (mísseis anti-superfície Exocet MM40 B3C, mísseis antiaéreos Aster 15/30, torpedos antissubmarinos MU90, artilharia), A FDI pode embarcar simultaneamente um helicóptero e um veículo aéreo não tripulado (UAV). Ela também pode receber um destacamento das Forças Especiais com seus dois barcos de comando.

A FDI será a primeira fragata francesa protegida nativamente contra ameaças cibernéticas, com um Data Center que acomodará grande parte dos aplicativos do navio. A FDI introduz o conceito de um sistema dedicado à guerra de ameaças assimétricas, distinto da sala de operações. Localizado atrás do passadiço, liderará uma guerra assimétrica contra ameaças aéreas e de superfície, como mini-UAVs ou barcos armados. A FDI que reúne o melhor da tecnologia francesa em uma plataforma compacta. Ela é uma fragata poderosa e inovadora, projetada para enfrentar ameaças em evolução.

O design e a produção da FDI se baseiam na experiência do programa FREMM: o Naval Group se beneficia do feedback operacional dado pela Marinha Francesa.

Números chave:

Deslocamento: classe de 4.500 toneladas
Comprimento: 122 metros
Boca: 18 metros
Máx. velocidade: 27 nós
Autonomia: 45 dias
Acomodação: 125 tripulantes + 28

Uma colaboração industrial em larga escala que mobiliza particularmente o estaleiro do Naval Group de Lorient

Cinco fragatas de defesa e intervenção (FDI) foram encomendadas em abril de 2017 pela Direção Geral de Armamento (DGA) em benefício da Marinha Francesa.

A construção do primeiro da classe representa cerca de um milhão de horas de trabalho para as equipes do estaleiro de Lorient do Naval Group. Além disso, contribui para o desenvolvimento econômico de seus fornecedores e subcontratados, para o emprego local em Lorient, mas também para os outras instalações do Naval Group que trouxeram seu conhecimento específico ao programa. Os estudos de concepção e desenvolvimento também representam cerca de um milhão de horas de trabalho para toda a série.

Índices industriais:

  • Uma concepção 100% digital – zero planos em papel
  • 1 milhão de horas de trabalho de produção para cada unidade da série no estaleiro de Lorient do Naval Group
  • 1 milhão de horas de concepção e desenvolvimento para o programa
  • 400 subcontratados
  • 20 km de tubos e 300 km de cabos para cada FDI

Muitas oportunidades de exportação

A futura fragata tem como alvo o segmento de navios de tonelagem intermediária, para o qual existe uma demanda internacional. Graças à sua modularidade, o navio pode ser configurado para cumprir diversas missões, dependendo das necessidades expressas. Assim, por um lado, a corveta Gowind de 2.500 toneladas, por outro, a FREMM de 6.000 toneladas e agora a FDI, o Naval Group propõe uma oferta completa para navios militares fortemente armados.

Uma carta de intenções foi assinada em 10 de outubro de 2019 pelo ministro da Defesa grego, Nicolaos Panagiotopoulos e pela ministra das Forças Armadas da França, Florence Parly. Este anúncio está alinhado com a cooperação estratégica entre os dois países e permitirá um diálogo próximo, a fim de trazer a melhor resposta às necessidades da Marinha Helênica.

Sobre o Naval Group

O Naval Group é o líder europeu em defesa naval. Como uma empresa internacional de alta tecnologia, o Naval Group utiliza seu extraordinário know-how, recursos industriais exclusivos e capacidade de organizar parcerias estratégicas inovadoras para atender às exigências de seus clientes. O grupo projeta, constrói e suporta submarinos e navios de superfície. Também fornece serviços para estaleiros e bases navais. Além disso, o grupo oferece uma ampla gama de soluções de energia renovável marinha. Atento à responsabilidade social corporativa, o Naval Group é membro do Pacto Global das Nações Unidas. O grupo registra receita de € 3,6 bilhões e possui uma força de trabalho de 14.860 pessoas (dados de 2018).

www.naval-group.com

DIVULGAÇÃO: Naval Group

35
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
23 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
Adriano MadureiraFernando "Nunão" De MartiniCamargoertassiosrui mendesmendes Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ozawa
Visitante
Ozawa

Paranavalizando Marcel Dassault, para um navio navegar bem precisa ser bonito, e se não for, que ao menos tenha a mais bela tecnologia embarcada para compensar a ausência de lastro na estética …

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Exato e na Moskva Ozawa e convenhamos, em matéria de beleza a Dassault dá show!!!

Delfim
Visitante
Delfim

Não esquecendo das 4 dimensões que um armamento deve ter, segundo Dassault.

Emerson
Visitante
Emerson

Enquanto isso no Brasil, daqui uns 50 anos começaremos a lançar ao mar às Corvetas Tamandaré 😜.

JSilva
Visitante
JSilva

Acredito que as Fragatas Tamandaré só demorarão tanto porque serão construídas aqui. É claro que construindo aqui boa parte do investimento volta em impostos mas considerando a grave incompatibilidade entre as baixas previstas para o início da década e a entrada em serviço das Tamandaré, a MB precisaria contratar pelo menos metade do primeiro lote com construção direta no estaleiro alemão, talvez fosse possível ganhar dois anos com essa decisão. Como a MB escolheu uma fragata leve a tendência é que forme toda sua espinha dorsal em cima desses navios, num universo ideal de 12 navios (3 lotes) construir os… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Eu inverteria, o primeiro lote fora e os dois seguintes feitos no Brasil.

JSilva
Visitante
JSilva

Na verdade o que quis dizer é que os dois primeiros navios do primeiro lote serem construídos fora, o restante do primeiro e e eventuais futuros lotes sendo construídos aqui.
A ideia seria ter pelo menos dois navios sendo entregue por volta de 2022 para suprir as baixas programadas entre 2020 a 2022.

Wellington Rossi Kramer
Visitante

Daqui a 50 anos teremos os chatos também.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Navio bonitão, ein?
Curioso que só os franceses é que estão utilizando esse modelo de proa…

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Ops, esquecí da proa do Zumwalt.

Sandro
Visitante
Sandro

Navio bonito e poderoso, a começar pelo canhão de 127mm show!

Mercenário
Visitante
Mercenário

A versão francesa não vai ter 127mm (será o 76mm), nem as 32 células VLS (serão 16). Não terá CIWS.

Além disso, gosto é gosto. Acho horrível o design.

rui mendesmendes
Visitante
rui mendesmendes

Não é verdade, mostra algo onde afirmam isso. Pelo contrário a versão francesa será a mais poderosa.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Em breve estaremos discutindo o Prosuper

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Acho muito bonito esse design dos novos navios, parece uma navalha flutuante. Algum expert pode me dizer os benefícios deste design que vemos na classe Líder da Rússia, Zumwalt dos EUA e nesta classe da matéria?

Enes
Visitante
Enes

Maior penetração hidrodinâmica.

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Desculpem a pergunta fora de contexto, mas alguém sabe o que os FN tão fazendo aqui na região de Itajaí ? Ontem vi dois caminhões na beira de uma colina (Penha) exatamente onde foi um dos pontos mais movimentados da Dragão de 1988, em outros anos eu tbm ja tinha visto alguns fuçando por alí também, essa região é estratégica ?

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Que navio lindo viu, magnífico .

Sandro
Visitante
Sandro

Navio lindo e bem armado um verdadeiro show, a começar pelo canhão de 127mm… Nota 10!

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Muito lindo o navio, não tenho duvida de que é bom, mas depois do que o Macron fez eu quero mais é distância dos Franceses.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Comprei um Chablis Grand Cru e estou pouco me lixando para a treta do Lacron com Bozo. Fosse eu chefe de estado comprava um SAMP/T, Rapidfire e mais Scorpenes.

Única coisa francesa que eu não compro é Peugeot e Citroen…

Raphael
Visitante
Raphael

Comprei um Aurora e um Peugeot usado 😲

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Rafael. Tenho um Citroen C3 feito no Brasil.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Eu e minha mulher tivemos uma Xsara Picasso por 10 anos e foi um ótimo carro sob todos os aspectos, incluindo algumas viagens longas para o Sul e Centro-Oeste, com direito a encarar terra e lama numa das viagens.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Por mim vc compra o que quiser dos franceses, torra tua grana inteira nem me importo e não me interessa. por mim poderia comprar um Peugeot, Renault, Citroen e Bugatti.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Como é, tua raivinha dos fazedores de queijo é somente por causa do Bozo? Poxa, [email protected] desconsideração com um povo tão culto.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Minha raiva dos fazedores de Queijo não leva em consideração o Bonoro, leva em consideração a Soberania do Brasil, que por várias vezes a região específica da Amazônia foi alvo de interesse internacional em internacionalizá-la…. desculpa cortar seu barato achando que eu era gado do Bonoro…. acho os franceses bons lá no país deles, os produtos são bons, mas armas para as FA eu quero bem longe.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Por que tanta preocupação com a Amazônia? Ou por acaso você é desses que acredita na baboseira de que a Amazônia é nossa? A Amazônia é de quem pagar mais por ela, não é dos brasileiros, eu não derramaria um pingo de sangue para protegê-la, nem deixaria que meus filhos o fizessem.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

A Amazônia mais do que Brasileira ela é de quem mora aqui, como eu, nasci no interior da selva em uma cidade pequena, então tenho uma certa liação com a região, ligação afetiva, por mim eles podem vir aqui e abrir empresas, fazer pesquisa, eles compram nossos produtos e nós os deles e vivemos em paz….. agora ganancia em matar pessoas que vão acabar sendo meus parentes e que serão afetadas negativamente não me agrada em nada

Delfim
Visitante
Delfim

Nunca ouviu falar em problemas das Kombosas, ou do preço de revisão dos motores Atar dos Mirage F-103.

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

Então a culpa do preço da revisão dos motores era dos franceses?! A família de motores ATAR foi projetada entre 1946 e 1960, numa época em que o desempenho era mais importante que o custo e, particularmente, o custo de manutenção. O auto preço se devia a necessidade de que algumas peças do motor tinham que ser novamente fabricadas. À medida que as quantidades de peças fabricadas diminuíam, os preços das peças novamente fabricadas teriam que subir. Pode se dizer e até comparar como muitos carros de luxo que hoje não existem mais peças no mercado e muitos recorrem a… Read more »

Eduardo maia
Visitante
Eduardo maia

Correção : o nome do programa é “Frégates de taille intermédiaire (FTI)” e não FDI

Bardini
Visitante
Bardini

Mudaram isso.
Agora é “Frégate de Défense et d’Intervention”

Davi Silva
Visitante
Davi Silva
tassios
Visitante
tassios

N falou o preço