Home Marinhas de Guerra US Navy: Exercício de mísseis Griffin 2019

US Navy: Exercício de mísseis Griffin 2019

3657
11

Golfo Arábico – Os navios de patrulha costeira da Marinha dos EUA e os barcos de patrulha da Guarda Costeira dos EUA realizaram um teste anual do sistema de mísseis guiados MK-60 Griffin no Golfo Arábico, de 10 a 14 de dezembro.

O exercício anual foi realizado com o Griffin Missile System (GMS) aprimorado para testar a interoperabilidade dos navios, o emprego das táticas de armas e as novas atualizações do sistema.

“Este sistema aprimora a capacidade de combate em nossas 10 embarcações de patrulha, prontas para trabalhar com parceiros regionais e responder a ameaças; capazes de manobrar e atacar à distância”, disse o vice-almirante Jim Malloy, comandante do comando central das forças navais dos EUA, 5ª Frota dos EUA.

O exercício contou com a participação dos navios de patrulha costeira das Forward Deployed Naval Forces, USS Sirocco (PC 6), USS Tempest (PC 2), USS Squall (PC 7), USS Squall (PC 7), USS Hurricane (PC 3), USS Whirlwind (PC 11) e os barcos de patrulha classe “Island” USCGC Adak (WPB-1333), USCGC Aquidneck (WPB-1309) e USCGC Baranof (WPB-1318).

Os navios também realizaram exercícios de tiro real com suas metralhadoras Mark 38 de 25 mm e outras tripulações fizeram manutenção de armas para manter a proficiência do operador e testar novas atualizações de equipamentos para futuras missões.

USS Sirocco (PC 6)
Estação remota MK-38 com metralhadora de 25 mm

“Os dados coletados a partir do exercício deste ano ajudarão a melhorar o GMS para proporcionar maior letalidade entre os navios das FDNF”, disse o comandante. Ronald Jenkins, comandante do Sirocco. “Cada navio participante pode aplicar as lições aprendidas para aprimorar táticas e procedimentos individuais para aumentar a precisão no emprego de armas”.

Ansiosos por integrar e demonstrar o GMS atualizado nos sistemas de seus navios, cada comandante ficou impressionado com suas capacidades e o desempenho da tripulação durante o exercício.

“O Exercício de Fogo deste ano (FIREX) foi uma excelente oportunidade para as tripulações testarem nossas habilidades e as capacidades de um de nossos principais sistemas de armas”, disse o capitão de corveta Dale Tourtelotte do USS Hurricane. “Foi emocionante ver minha equipe e os vários especialistas técnicos se unirem e executarem o FIREX com sucesso”.

A área de operações da 5ª Frota dos EUA abrange cerca de 2,5 milhões de milhas quadradas de área no mar e inclui o Golfo Árabe, Golfo de Omã, Mar Vermelho e partes do Oceano Índico. A extensão é composta por 20 países e inclui três pontos críticos de estrangulamento no Estreito de Ormuz, no Canal de Suez e no Estreito de Bab al Mandeb, na ponta sul do Iêmen.

“Este exercício atende a um requisito validado de ultrapassar e derrotar decisivamente as ameaças de pequenas embarcações à distância”, disse o vice-almirante Malloy.

FONTE: Comando Central das Forças Navais dos EUA

11
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
8 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Diogo de AraujoCristiano de Aquino CamposFarroupilhaRommelqeGelson Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bosco
Visitante
Bosco

Esse míssil provê o poder destrutivo de um canhão de 76 ou 57 mm a uma pequena embarcação que não os têm.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Apesar de alguns acharem que barcos pequenos não deveriam ter mísseis é interessante que eles tenham, as lanchas de ataques iranianas com mísseis são sempre uma fonte de preocupação, na Segunda Guerra as Lanchas Torpedeiras mostraram o seu valor tanto no teatro europeu quanto no asiático, barcos pequenos, rápidos e bem armados podem ser útil na hora do aperto.

Rommelqe
Visitante

A família Kennedy teve até um presidente , entre outros motivos claro, por terem servido em lancha torpedeira !

Bosco
Visitante
Bosco

Fábio,
Uma listinha com alguns dos mísseis que têm sido adaptados para uso em pequenas embarcações:
Hellfire
Hellfire Longbow
Griffin
Javelin
Spike ER
Spike NLOS
Brimstone
LMM
Ataka
MMP

Bosco
Visitante
Bosco

Pra lista ficar mais completinha, ainda podemos citar os foguetes guiados APKWS, DAGR, LOGIR, etc.
Há também mísseis antiaéreos navais com capacidade contra alvos na superfície: RAM, Mistral, etc.

Diogo de Araujo
Visitante

Que informação bacana Bosco, que bom q voltou!

Vinicius Momesso
Visitante

Só uma duvida: Quantos disparos de mísseis são efetuados pela MB por ano em treinamentos?

Gelson
Visitante
Gelson

Eu imagino que a resposta à esta pergunta seja classificada como confidencial, para não dizer vergonhosa!
Sempre esperando por dias melhores…

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Equivalente a marinha americana e todas as outras do mundo.
Ou seja, fará treinamento de disparos de acordo com seus programas de treinamento e disponibilidade de equipamento e orçamento.
Nem mais nem menos do que o estritamente necessário e possível.

Importante além de aprender a disparar corretamente é treinar prontidão mas com o dedo longe do gatilho.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

No Brasil, só se dispara munição antes dela perder a validade, que no caso dos misseis é coisa de 5 anos.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Parece o nosso FOG que foi criado pela AVIBRAS más nunca comprado pelas forças armadas. E isso tem mais de 20 anos.