Home Marinhas de Guerra Argentinos estudam compra de dois submarinos classe ‘Ula’ da Noruega

Argentinos estudam compra de dois submarinos classe ‘Ula’ da Noruega

12016
94
Dois submarinos da classe Ula
Dois submarinos da classe Ula da Marinha Real da Noruega

Por Roberto Lopes*

A tradição de operar navios militares de grande porte, aptos a operar longe das suas bases – forjada entre as décadas de 1920 e 1970 –, parece, na Armada Argentina, definitivamente interrompida.

Depois de contratar ao estaleiro francês Naval Group quatro navios-patrulha franceses de 1.450 toneladas – mais adequados à repressão da pesca ilegal –, os almirantes argentinos estudam, agora, a aquisição de dois pequenos submarinos costeiros noruegueses classe Ula, de 1.040 toneladas (à superfície).

Há cerca de 20 dias, em conversa com parlamentares de seu país, o novo ministro da Defesa argentino, Agustín Rossi (um bom amigo dos petistas na Era Dilma Roussef), admitiu que, no intuito de remontar uma flotilha de submarinos, o governo Alberto Fernández examina o que chamou de “a possibilidade norueguesa” – além de aguardar um parecer técnico da indústria naval alemã, sobre as chances de se devolver ao mar o submarino ARA Santa Cruz classe TR-1700 (irmão gêmeo do sinistrado ARA San Juan).

Segundo apurou o Poder Naval, na mesma conversa Rossi mencionou, sem fazer maiores comentários, os entendimentos havidos entre militares da Argentina e do Brasil acerca dos submarinos Tupi e Tamoio classe Type 209/1400 (já que o Timbira e o Tapajó foram ofertados ao Peru); e o fato de o submarino Salta – um Type 209/1200 argentino com quase 47 anos de vida operativa – já não poder mais submergir…

ARA Salta, em novembro de 2008 no Rio de Janeiro – Foto: Alexandre Galante

‘Tropicalização’ – A Marinha Real da Noruega possui seis unidades classe “Ula”  construídas entre o fim da década de 1980 e os primeiros anos de 1990 – praticamente na mesma época em que a Marinha do Brasil (MB) recebeu os seus classe Tupi –, mas de características um pouco diferentes.

A construção dos submarinos classe “Ula” foi um projeto internacional. Os sistemas de combate foram fabricados na Noruega pela Kongsberg, o sonar de ataque é alemão e os sonares de flanco franceses. As seções do casco foram produzidas na Noruega e montadas na Alemanha pela Thyssen Nordseewerke. Na Alemanha, o projeto é conhecido como U-Boot-Klasse 210 ou Type 210.

Trata-se de embarcações mais manobráveis, com um comprimento de casco 2,2 m menor que o Type 209; 110 toneladas mais leve (à superfície), e calado também inferior (4,60m x 5,50 m), concebidas para se aproveitarem da recortada costa norueguesa (e, dessa forma, escaparem à detecção do inimigo).

Cientes de que os seus submarinos foram construídos para navegarem na Escandinávia, de mares muito frios (em Bergen, berço da Arma Submarina norueguesa, o mês de janeiro oferece temperaturas médias de 2º Celsius), os almirantes noruegueses providenciaram a “tropicalização” de três unidades – metade da flotilha –, o que foi feito por meio de uma ampliação significativa do sistema de refrigeração interno.

Essas melhorias permitiram que os Type 210 participassem de manobras da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) onde, segundo fontes oficiais, se saíram bastante bem – em especial nas tarefas de infiltração e coleta de informações.

Os “Ula” possuem algumas particularidades no quesito conforto, que os distinguem do estilo espartano dos submarinos germânicos, como beliches para toda a tripulação.

Submarino norueguês Utstein (KNM 302) classe Ula fotografado durante exercício com a OTAN em 2003 – Foto: US Navy

Autonomia menor – No tocante ao armamento os submarinos noruegueses estão equipados com oito tubos lançadores de 533 mm (para até 14 torpedos Atlas Elektronik DM2A3, utilizado também pela Alemanha, Turquia, Israel e possivelmente a Argentina). Mas não há notícia de que, nos últimos tempos, tenham sido adaptados para o lançamento (submarino) de mísseis antinavio.

Em contrapartida, na década de 2000 seus sistemas de combate foram atualizados com recursos de guerra eletrônica, sonares e periscópios novos – um verdadeiro salto de qualidade para os argentinos, não apenas em relação ao velho ARA Salta, mas também diante dos velhos equipamentos existentes a bordo do ARA Santa Cruz.

O fato mais importante: o advento dos Type 210 serviria à retomada da formação de submarinistas argentinos, e reforçaria a capacidade defensiva da Armada vizinha bem perto de seu litoral.

Os Type 210 possuem autonomia de 5.000 milhas náuticas (9.300 km) a 8 nós (15 km/h) de velocidade; em contrapartida, os Type 209 possuem quase o dobro – cerca de 10.000 milhas náuticas –, e capacidade de operar por até 50 dias sem precisar voltar reabastecer.

Entenda-se, por essa grande diferença a maior capacidade dos Type 209 de transportar mais combustível, água potável e víveres.


*É jornalista graduado em Gestão e Planejamento de Defesa pelo Centro de Estudos de Defesa Hemisférica da Universidade de Defesa Nacional dos EUA. Especialista em diplomacia e assuntos militares da América do Sul. Autor de uma dezena de livros, entre eles “O código das profundezas”, sobre a atuação dos submarinos argentinos na Guerra das Malvinas e “As Garras do Cisne”, sobre os planos de reequipamento da Marinha do Brasil após a descoberta do Pré-Sal.

94
Deixe um comentário

avatar
29 Comment threads
65 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
55 Comment authors
WagnerrochaSequimDinizKemen Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Jorge Augusto
Visitante
Jorge Augusto

Eu só acredito… VENDO!!!

Santos, Silvio. 1992.

Ricardo Barbosa
Visitante
Ricardo Barbosa

São relativamente modernizados e estão bem cuidados. Se ocorrer será uma excelente aquisição para a Argentina. Para treinamento, e perto da praia tão somente.

JT8D
Visitante
JT8D

Seria o submarino ideal para manter o adestramento das tripulações. É barato de operar e moderno. Mas eu duvido que comprem qualquer coisa nos próximos anos. No hay plata.

João Carlos
Visitante
João Carlos

Ni plata ni interes …. A argentina quebrou… ninguem ainda se ligou no fato?

Gil
Visitante
Gil

Quero ver dizer isso ai la no ZM, sem levar ban kkk.

JT8D
Visitante
JT8D

Eles nem ligam mais. Os hermanos são gente boa

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Que eles precisam todos sabem, mas a bronca é se eles vão conseguir pagar!

Marcos10
Visitante
Marcos10

Falta a grana para comprar.
Financiamento? Para depois os argentinos chamarem o credor de abutre?

Ozawa
Visitante
Ozawa

Sinceramente torço para que se concretize essa aquisição. Espero que atenda, a um só tempo, as mínimas necessidades navais e as máximas disponibilidades financeiras da Armada Argentina. Houvesse a grandeza política necessária ao Brasil, a visão estratégica e a sinceridade na dita aversão à “ideologia” – quando na verdade existe com sinal contrário e valor absoluto muito superior a anterior, o que a torna mais destrutiva e repulsiva aos interesses da política externa nacional – seria o momento oportuno de estender as mãos aos nossos permanentes vizinhos “de porta”, não só por razões estratégicas mas por interesses econômicos. Teríamos os… Read more »

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

A questão é mais financeira que ideológica, tanto o governo argentino quanto o brasileiro estão conversando, quando há necessidade, com mais facilidade e pragmatismo que se esperava por conta da ideologia, mas o governo argentino esta quebrado e o risco de calote é grande. Se fosse só por ideologia os argentinos poderiam comprar ou arrendar submarinos russos ou chineses novos ou usados, mas o que pesa é o lado financeiro mesmo.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Fábio. Acho que fui um dos primeiros a sugerir a cessão de submarnos IKL da MB para a Argentina (o Nunão depois esclareceu que o pessoal mais informado do PN sabia das conversas da MB com os argentinos, mas não tinham autorização para divulgar). Claro que esses IKL da MB são caros (o Roberto Lopes mencionou em outra postagem algo entre US$ 150 e US$ 200 milhões). A Argentina também está passando por uma crise econômica, mas há também o problema das divisas. O comercio exterior é feito em moeda estrangeira. A Argentina tem um enorme comércio com o… Read more »

Torama
Visitante
Torama

Tava indo bem até citar o Guedes e o Cavallo… Paulo Guedes é 1000x mais capaz do que aquele picareta, o “guido mantega” do Menen.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Torama. Claro que a sugestão para demitir o Guedes e dar o cargo ao Cavalo é apenas uma piada. A diferença entre os três é que o Guedes tem um doutorado da Univ. Chicago, o Cavalo tem um de Harvard e o Guido tem um da USP.

Gil
Visitante
Gil

NAZI – partido nacional SOCIALISTA DOS TRABALHADORES alemaes, se isso nao e de esquerda, nao sei o que seria.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Se vocês querem mesmo discutir esse tema de “nazismo de esquerda”, que não tem absolutamente nada a ver com esta matéria, tem meia dúzia de matérias a esse respeito lá no site das Forças Terrestres.

https://www.forte.jor.br/?s=Nazismo

Escolham uma delas e discutam seus pontos de vista o quanto quiserem, mas não aqui nesta matéria.

Fernando Vieira
Visitante

Obrigado.
Por isso que da trilogia o Naval é meu preferido. Essas discussões lixo raramente chegam aqui e quando chegam são devidamente refutadas.

Émerson Gabriel
Visitante
Émerson Gabriel

Nunão, esse problema ocorre aqui na trilogia com frequência, saem dos assuntos relacionados aos posts para discutir política, já vi debate sobre ” carros chineses ” em post sobre caças chineses. O assunto aqui é navio e o que menso falam é de navio

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Nunão. Peço desculpas. A minha intenção era apenas de contextualizar o Ernesto Araújo. Algo como aquela frase do Barão de Itararé.. “de onde menos se espera é de lá que nada sai”. O Ernesto tem outras frases

Wilson Lobe Junior
Visitante
Wilson Lobe Junior

Então o PSL também é de esquerda.

Gil
Visitante
Gil

Como Nunão falou, esse tema não procede aqui, porém faço um adendo sem me extender no tema. Não tem a mesma conotação, social que socialista (ainda que a origem seja a mesma) e se ademais de socialista é dos trabalhadores. Camargoer pediu desculpas e eu sigo pelo mesmo caminho, e digo que o tema para mim está encerrado, bola pra frente. Sobre o tema dos submarinos: Pode que seja impressão minha, porém parece que os argentinos estão mais felizes com a ideia de pegar os submarinos noruegos em vez dos brasileiros, mesmo os primeiros sendo menores que os nossos IKLs.… Read more »

Gil
Visitante
Gil

Digo, por questões de modernidade.

Otto Lima
Visitante

Por essa lógica bisonha, a Coreia do Norte é uma democracia, pois o nome oficial do país é República DEMOCRÁTICA Popular da Coreia.

Sequim
Visitante
Sequim

O nazismo era chamado de nacional socialismo em oposição ao marxismo, que é de caráter internacionalista . Logo o nazismo é uma resposta ao socialismo soviético. Quem explicou essa diferença foi o próprio Hitler, em uma entrevista à um jornalista americano na década de 1930. Há documentários na internet. Informe-se antes de falar bobagens olavistas.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Sequim,
Já foi solicitado pra fazerem essa discussão em matéria apropriada, que definitivamente não é esta.
Reforço o pedido.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Sem dúvida a Argentina é um parceiro importante, mas existe um planejamento de construção de uma ferrovia ligando um porto brasileiro de Santos há um porto peruano, inclusive os chineses estão interessados em investir, tem um estudo que seria a interligação só passando pelo Brasil e pelo Peru e tem outro que passaria na Bolívia antes de chegar no Peru, seria uma porta de entrada do Brasil no Pacífico e do Peru no Atlântico, e muitos produtos de outros países poderiam usar esta ferrovia, por isso o interesse dos chineses, para levar produtos do Atlântico para o Pacífico e vice-versa… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Quando os marinheiros apresentam razões de doutores explicando o que temos mostram a Argentina como no mínimo estrategicamente arriscada. Um provável possível inimigo. Por que deveríamos vender submarinos ao vizinho quando mostramos estudos afirmando que o vizinho pode apresentar ameaças? O comércio que a Argentina tem com o Brasil é essa tolice que transferiu montadoras para lá. O mercado aqui é 4 X maior mas fábricas estão lá. Claro. A tributação e o fisco são mais competitivos lá. Aqui tem os governadores e o apetite dos governadores. Então transfere do México, carimba a NF na Argentina e vice-versa. Mercosul. Tem… Read more »

PauloOsk
Visitante
PauloOsk

Ainda bem que nao vao vender pra Argentina.. o Peru tambem eh uma nacao amiga, e com certeza vao pagar.

Émerson Gabriel
Visitante
Émerson Gabriel

E no caso do Peru, eles serão vendidos. Argentina não teria condições do operar

JT8D
Visitante
JT8D

Mas de onde surgiu a informação que o Brasil não tem mais interesse em vender os IKLs para os argentinos? Eu não li isso em lugar nenhum. Apesar do apoio explicito de Bolsonaro ao Macri (já que antes disso Fernandez apoiou abertamente a oposição no Brasil) as relações com a Argentina não mudaram absolutamente nada. Se os IKLs não forem para a Argentina será por incapacidade deles de pagarem, como tem acontecido com praticamente tudo que eles demonstram interesse. Assim, por favor, coloque uma fonte para embasar o que você disse, do contrário seu comentário não passará de fake news,… Read more »

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

A informação é que a negociação com o Peru esta mais adiantadas e se fecharmos com os peruanos vai ser mais por questões econômicas que por questões políticas.

Ozawa
Visitante
Ozawa

JT8D, você não quer “fonte” alguma para concordar comigo, mas se for realmente necessário, eu concluí minha tese a partir da(s) mesma(s) fonte(s) que você assevera que “se os IKLs não forem para a Argentina será por incapacidade deles de pagarem como tem acontecido com praticamente tudo que eles demonstram interesse.”

JT8D
Visitante
JT8D

Caro Ozawa, em geral gosto muito dos seus comentários. Esse, em particular, eu achei infeliz, pelo motivo que já expus. Vida que segue

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

A venda de armamentos nunca é apenas uma questão econômica.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Se já é uma ideia ruim só vender bons submarinos, doá-los como almeja faz tudo o provavelmente ainda mais tenebroso.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Fernando. Ao invés de vender, faz leasing. Faz um acordo para os argentinos custearem o PMG no AMRJ usando fornecedores brasileiros e usar os submarinos por empréstimo (coloca uma opção de compra depois de 10 anos). A pior opção é deixa-los parados no dique, no armazém ou no pier.

Claudio Moraes
Visitante

Se os argentinos não tem condições de pagar, então não vende horas, pra que insiste nisso. Vende pra quem tem dinheiro e capacidade de manter, rendendo dinheiro pra marinha. Melhor isso do que deixar lá, e provável que nem manutenção direito la vai ter. É uma falta de respeito, um absurdo completo o que fizeram com as famílias das vítimas do ARA San Ruan, defesa é coisa séria e manter equipamentos em bom estado idem. Não estou criticando os argentinos, só estou dizendo que é melhor vender pra quem pode manter. No momento não vejo a armada argentina com condições… Read more »

gari
Visitante
gari

discordo, acho saudável vender ou fazer leasing para os argentinos, a crise vai passar em algum momento e isso pode abrir oportunidades depois, até de scorpenes quem sabe? troca em trigo, ouro ou fica no prego.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Parece que toda vez alguém precisa explicar isso, mas vamos lá: O governo não é dono de “trigo, ouro etc”, logo, pra pagar nessas “moedas” ele precisaria comprar, o que daria na mesma que literalmente pagar pelo bem, ou expropriar tais bens… Não existe fórmula mágica pra comprar equipamentos de centenas de milhões de dólares. O país está total e absolutamente quebrado, não consegue de maneira alguma reverter o quadro em que se meteram já há décadas e, honestamente, não tem a menor chance de comprarem qualquer submarino decente. Aliás, sequer conseguiriam comprar um “indecente” daqueles mini-submarinos do oriente médio.… Read more »

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Fernando. De modo algum alguém afirmou que o governo argentino possui trigo estocado para ser trocado por submarinos (ou talvez tenha, Vargas comprou uma frota de caças com algodão), mas é muito mais fácil para qualquer governo negociar em moeda local que em moeda estrangeira. De qualquer modo, viabilizar é um problema da equipe técnica.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Claudio. O problema da Argentina são divisas para financiar o comércio exterior (o FMI é uma instituição proposta por Keynes para impedir o colapso do comércio exterior em caso de crise cambial. Se a crise cambial prejudicar o comércio, irá faltar divisas para saldar a dívida, que vai agravar a crise cambial que vai travar o comércio). Uma das vantagens do comércio Brasil-Argentina é a existência de uma câmara de compensação em moeda local. As exportações brasileiras para a Argentina são pagas em pesos pelo comprador e depositadas em reais para o vendedor. O contrário também vale. A Argentina é… Read more »

R_cordeiro
Visitante
R_cordeiro

Mestre Ozawa disserta como se los hermanos tivessem o dinheiro e estivessem somente procurando o melhor no mercado. Pero, no hay plata! A armada adoraria operar subs pesados, fragatas, destroiers e até naves estelares sejam elas brasileiras ou marcianas, e também é óbvio que a armada brasileira, através de seu governo, adoraria vender coisas aos hermanos, independente de ser vermelhos ou verdes. Porém, como certamente tem conhecimento, nossos vizinhos atravessam uma situação de emergência financeira nacional e mesmo os “ula” não seram comprados, por força desta lei aprovada em congresso, quem sabe em 2021 ou 2022 se os congelamentos e… Read more »

Luciano
Visitante
Luciano

Perfeito, Ozawa, infelizmente estamos mais limitados ainda em horizontes.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Luciano. O horizonte é uma limitação terraplanista. Um “globalista” (finalmente entendi o que significa o termo globalista usado por tanta gente) sabe que o planeta é uma superfície fechada.

Marcos Paulo
Visitante
Marcos Paulo

Até tu Ozawa? Lamentável sua análise, esta sim carregada de ideologia….nada se compara a destruição que a “ideologia” anterior causou ao país…segue o jogo…

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Marcos. A cada dois ou três meses tenho a oportunidade de colocar os dados do comércio Brasil-Argentina, da câmara de compensação, da ideia de oferecer um pacote logístico (inclusive fornecendo as baterias que já são homologadas para o IKL). Enquanto isso, o Itamaraty e o MPI (ministério do posto ipiranga) fazem declarações contrárias ao Mercosul e o presidente brasileiro não comparece na posse do presidente argentino. O assustador é que se a análise é comercial, a economia brasileira está perdendo oportunidades. Se a análise é diplomática, as relações Brasil-Argentina estão sendo prejudicadas. Se a análise é ideológica, o governo… Read more »

Claudio Moraes
Visitante

Eu penso que, o mercosul deve sim ser mantido, é um bloco que permitiu ainda que não da forma como foi planejado inicialmente, uma integração entre os países. Abaixou os ânimos belicosos estericos e sem sentido que existiam por parte de ambas as nações, e quando falo isso, essa esteria belicosa, mais pelo lado do país vizinho, do que do nosso, pois nunca foi e nem será da natureza do brasileiro ser um povo beligerante, pois somos pacíficos por natureza, basta ver o monte de povos oriundos de todas as partes do planeta que aqui convivem ainda que com as… Read more »

sub urbano
Visitante
sub urbano

Parabéns pela lucidez, Osawa. O tempo é senhor da razão e em um futuro próximo este governo será devidamente classificado em seu lugar de direito: no lixo da história. Criticar esses caras é um compromisso histórico.

Adhemar Moreira
Visitante

Comentário perfeito!

C. César
Visitante
C. César

Acho que é outro governo que irá para o lixo da história, junto com seus apoiadores canhotos. Mas antes estão indo para a cadeia, junto com alguns de seus apoiadores também.

Teropode
Visitante

Me desidratei chorando de emoção lendo este texto equivocado em cubo.

Mameluco do Sertão
Visitante
Mameluco do Sertão

Observando aqui as alternativas colocadas como viáveis para que os dois Submarinos Tupis da MB possam ir para Argentina, colocando no pacote um ajuste na balança econômica, a manutenção dos submarinos no Brasil, deixar vinculado em contrato baterias brasileiras, etc. Entretanto, observo que, como outros colegas já citou, os hermanos estão quebrados, não pagam nada, há histórico recente que suspenderam o pagamento da dívida, inclusive quando a atual vice presidente hermana, a viúva porcina, era a Presidente ou Presidenta (como queiram). De filantrópia, nosso país pagou de Playboy emergente nas últimas décadas, dinheiro nosso jogado pelo cano, para financiar e… Read more »

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Colega. Nenhum dos argumentos sobre a suposta falta de crédito da Argentina explica como foi possível a compra de novas patrulhas oceânicas francesas.

Ozawa
Visitante
Ozawa

Prezado Camargoer, bingo. E a matéria dos OPVs se conecta a partir do rodapé desse post.

Os franceses celebraram um contrato onde a primeira embarcação, de um total de 04 (quatro), foi projetada e entregue com recursos próprios, sem um grão sequer de trigo argentino … O primeiro OPV foi praticamente um Offshore a Perder de Vista …

Mas o que sabe o corpo técnico gerencial da Naval Group e o corpo diplomático francês perante a vertente econômica, política e estratégica atualmente dominante no cenário brasileiro? Com tristes reflexos em seus fóruns de discussão da matéria …

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Osawa. As quatro OPV custarão Eu$319 milhões, Elas serão financiadas por dois bancos franceses (Crédit Agricole Corporate & Investment e Natixis) e um Banco Santander espanhol por meio da agência de exportação francesa (ECA) (ver “Financial Support from France for € 319 Million to Improve Maritime Surveillance and Control”). Como diria a Rainha Vermellha para o mensageiro “Cortem a Cabeça”.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Camargoer e Ozawa, Só um adendo: é preciso checar o tempo em que esse contrato e financiamento dos navios-patrulha oceânicos franceses ficou em gestação, negociações, taxas que a Argentina está pagando, garantias etc. E também o quanto do orçamento e da possibilidade de endividamento em programas para a Armada Argentina (ARA) ele irá comprometer para ter uma ideia se haverá sobra para outros programas, como seria o caso numa possível venda de IKL209 do Brasil para a Argentina. Ainda que seja muito válido o contraponto à cantinela “os argentinos estão quebrados e não conseguem comprar nada”, isolar um caso para… Read more »

Ozawa
Visitante
Ozawa

Nunão, Sem embargo do seu pertinente contraponto ao nosso contraponto, ressalvo firmemente que não houve conclusão alguma das posições minoritárias para inferir que “a porteira abriu para mais e mais compras de equipamentos militares pelo país [Argentina]”. Não há, portanto, porque ter cautela com uma conclusão dessa ordem que não ocorreu da nossa parte. A oportuna ilustração do caso francês pelo Camargoer, e por mim acompanhada, teve o condão, sim, de firmar posição contrária “à cantinela de que os argentinos estão quebrados e não conseguem comprar nada.” Essa, sim, foi uma conclusão majoritária. O episódio dos Super Etendart agora por você… Read more »

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Nunão. Concordo que um contrato de financiamento é negociado por anos e o fato da Argentina conseguir um financiamento externo para adquiri navio militares deve ser compreendido em seu contexto. Acho que o ponto importante que dizer que a “Argentina está quebrada” é um argumento inconsistente. O fato da Argentina ter assinado um financiamento também é diferente de dizer que ela tem capacidade financeira para obter outros financiamento. Minha tese é que havendo um acordo político entre os governos, caberá aos técnicos viabilizar uma solução.

Mameluco do Sertão
Visitante
Mameluco do Sertão

Não podemos comparar a saúde financeira, a economia, o desenvolvimento industrial e tecnológico, o papel de player global e as capacidades de “diplomacia” no campo Militar e de Inteligência, etc., da França com a do Brasil.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Grande Ozawa… Seus comentários são valiosos estavam fazendo falta… Agora em resposta ao segundo e penúltimo paragrafo é incrível a velocidade que os apoiadores do atual governo em fazer uma critica. Só no post do Ozawa, muito bem escrito e argumentado diga de passagem, foram 114 marcações negativas. Nem sequer se dão o esforço de ler e compreender. Basta realizar uma critica à esse governo que automaticamente vem um exame de apoiadores marca negativamente. É triste de se ver um país que já teve uma massa tão grande de mentes críticas hoje ter se transformado num monte de zumbis sem… Read more »

Ozawa
Visitante
Ozawa

Prezado Luiz, ao tempo em que agradeço a gentileza das palavras, importa dizer que as negativações fazem parte do sistema democrático, tanto quanto as positivações Nada obstante, retornam, a toda evidência no status quo presente, saudosistas do regime de exceção no Brasil, que não entendem em toda a plenitude o constitucionalismo com sua liberdade de imprensa ou de expressão. Quanto aquela, tentam pautar, mesmo veladamente, o assunto que se conforme com seu pensamento, e quanto a esta, se valem não raro do escárnio retórico banal. Assim posto, a nossa preocupação deve ser quanto ao livre acesso às opiniões contramajoritárias nos… Read more »

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Prezado Ozawa, muito nos honra sua participação culta neste blog. Eu espero que nunca falte suas considerações de modo a enriquecer nosso modo de compreensão dos fatos apresentados, mesmo daqueles que ainda se incomodando dedicam um tempo para ler e ainda sem querer tem a oportunidade de enriquecer seu conhecimento.
Um grande abraço e até a próxima.

Ozawa
Visitante
Ozawa

Grande abraço, Luiz Trindade.

GFC_RJ
Visitante
GFC_RJ

Caro Osawa,

Provavelmente não somos tão alinhados nas gregas ideologia política, mas e daí? Bem acima disto, concordamos nas belíssimas latinas democracia e república.

Grande abraço e segue meu like.

Ozawa
Visitante
Ozawa

Grande abraço, GFC_RJ.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Ozawa. Nadando contra a corrente só para exercitar.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Ozawa. Acho que só o pessoal mais velho ainda lembra de “Pro dia nascer feliz”.

Melkor
Visitante
Melkor

Então aquela conversa de não aceitarem os nossos IKL 1400 por serem muito pequenos era puro papo furado.

Jardel
Visitante
Jardel

“Quem desdenha quer comprar”

Fabiano Martins
Visitante
Fabiano Martins

Ou baixar o preço kkkkk.

Mameluco do Sertão
Visitante
Mameluco do Sertão

Segue o jogo…

Acredito que não estamos precisando vender por qualquer moedinhas nossos submergiveis.

Silvano
Visitante
Silvano

Quando souberem que não são de graça e que devem pagar por eles, como teriam que pagar pelos nossos 209, então vão como sempre dar alguma desculpa de que não serve pra eles.

O problema dos argentinos é esse, quando descobrem quanto custa e que devem pagar.

Fico feliz pelo fato do Brasil estar negociando com o Peru a venda dos 209 excedentes.

Tem gente viajando e destilando seu ranço ideológico completamente falido aqui.

João Souza
Visitante
João Souza

Acho que a Argentina tem muito a ganhar mudando para a operação de embarcações menores. Para

Samuca cobre
Visitante
Samuca cobre

Se a Argentina vai comprar, se não vai comprar… problema deles!!! Mudando um pouco esse blá blá blá, belíssimas fotos da matéria!!! Parabéns!!!

Bardini
Visitante
Bardini

Uma matéria que combina em 100% com essa:
.
https://www.naval.com.br/blog/2015/03/01/marinha-argentina-planeja-ter-navio-de-assalto-anfibio-de-15-000-toneladas/
.
Resumo: zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz…

João Carlos
Visitante
João Carlos

Argentina interessada… ate aí… isso é a mesma coisa que nada, eles nao tem dinheiro e o governo atual nao tem interesse algum. Isto é fato, a notícia é boato, nada além disso.
Alguem lembra da fragata coreana? Ou dos subs brasileiros já estavam vendidos? Pura boataria… a Argentina esta falida e agora com um governo ainda pior… Acabou! A Argentina acabou!

Renan
Visitante
Renan

Eu duvido

ALEXANDRE
Visitante

Argentina é uma piada ja não conseguia comprar antes,agora com os socialistas no poder…

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Ok, a Argentina está no direito deles de tentarem fazer o melhor negócio pra eles. Mas os noruegueses sabem que “no hay plata” na Argentina? É igual todas as várias matérias no P.A. falando que a Argentina está “estudando” vários modelos de caças pra adquirir… Sou da opinião de que a Argentina só vai voltar a se armarem quando fizerem um “bem bolado” com os chineses, em troca de commodities ou concessões em obras. E pra quem diz que produto chinês “solta pecinha”, qualquer coisa que eles comprarem dos chineses, será melhor do que qualquer coisa que eles tenham agora.

Carvalho2008
Visitante
Carvalho2008

Se houver uma escalada de conflitos globais, quem ira financiar o rearmamento argentino será a China.

Ja falei disto ha 3 anos e muitos duvidaram.

Agora, governo populista voltou lá, a direita e esquerda então se engalfinhando na america do sul, venezuela ainda está aí, Bolivia passara por mais um teste em maio, o oriente médio aumentou de temperatura, a Russia aumentou sua posição , a China fincou mais o pé, Turquia entra em jogo proprio desequilibrando o que ja era desequilibrado na Siria e Libia

Então? Acham difícil mesmo???

Esteves
Visitante
Esteves

Novos tempos. Novas alianças. Rupturas. Perdas. Novidades. Justiça. Revelações e traições.

Assim será esse e os próximos anos.

Diogo de Araujo
Visitante

tá aí um povo que estuda muito, não sei pq foram tão mal no PISA

Mauricio R.
Visitante

Se essa classe de submarinos tem planos de mergulho em X, o que são essas peças verticais paralelas, entre os planos de mergulho e a a escotilha na popa????
Elas aparecem melhor destacadas nas fotos 5, 7 e 12.

Alexandre Esteves
Visitante
Alexandre Esteves

Confirmando-se o negócio, a ARA será uma “Marinha de Águas Marrons” – ao menos, voltará a ser uma Marinha.

Lobo
Visitante

Sera que interessa a Argentina a noticia da Janes.com? The Republic of Korea Navy (RoKN) has decommissioned two Ulsan-class frigates, and a Pohang-class corvette. The decommissioned frigates are Masan (955) and Gyeongbuk (956), while the corvette is Suncheon (767). All three warships were retired in a decommissioning ceremony on 24 December, according to an official RoKN statement forwarded to Jane’s. Masan and Gyeongbuk were commissioned in July 1985, and May 1986, respectively, while Suncheon entered service in June 1989. The vessels have been retired as South Korea anticipates the delivery of two more Daegu (FFX-II)-class guided-missile frigates, Gyeongnam and Seoul… Read more »

Zorann
Visitante
Zorann

Às vezes é melhor dar passos atrás do que dar um passo maior que a perna (tipo, oque estamos cansados de fazer).

Não há vergonha nenhuma em tornar-se Guarda Costeira. É melhor assim do que tentar ser Marinha e não conseguir ser sequer Guarda Costeira

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Fiquem com os dois do Brasil.

Paguem com trigo preços pré acordados.

Passa a régua.

Esteves
Visitante
Esteves

Dinheiro eles têm. Ainda não pagaram o FMI.

Fabio Mayer
Visitante
Fabio Mayer

Se a Argentina for uma democracia, pouco importa ela se aliar militar e economicamente à China. O problema é justamente este: a Venezuela é uma ditadura alinhada com China e Rússia, e que usa os armamentos não para agressão externa, mas para manter o regime à força. Nada indica (pelo menos por enquanto) que a esquerda argentina vá tentar solapar as instituições para eternizar-se no poder. A Argentina, apesar da esquerda no poder, não é a Venezuela. Por outro lado, notem: a esquerda chilena adquiriu F-16 dos EUA e da Bélgica, escoltas da Inglaterra, Super Tucanos do Brasil, etc… de… Read more »

Kemen
Visitante
Kemen

Tres coisas possiveis da parte dos “hermanos, pero no mucho”.
1- Criam uma p… onda sobre a compra dos ULA e tentam abaixar o preço dos nossos usados.
.
2- Criam uma p. onda que os ULA são os melhores e mais poderosos submarinos usados no mundo, se deliciam com essas informações por um ano, e depois não compram por… nenhuma.
.
3- Desistem da compra dizendo que estão aguardando un novo e mais moderno submarino, que estara disponível nos proximos anos e não divulgam para manter segredo.
.
Caso nenhum desses possiveis desenlaces ocorra, sera de impresionar a quem conhece como são as coisas por lá.

Diniz
Visitante
Diniz

CLARO que não vão comprar NADA, não têm dinheiro PRA NADA e não é de hoje. TODO MUNDO SABE DISSO. E a tendência é de a econimia argentina piorar MUITO nos próximos anos… A realidade é que o povo argentino INSISTE em não apertar o cinto e fazer a lição de casa, seja lá qual governo entre. Esse povo acredita que existe almoço grátis, não tem jeito. Mas fico imaginando um grupelho em cada um dos ramos das forças armadas argentinas que ficam viajando mundo afora, fazendo esses “estudos” de comprar algum equipamento usado. Viajam para lugares bacanas, ficam em… Read more »

rocha
Visitante
rocha

Ha meu ver trocariamos os dois subs restantes por alguns Pampas novos,assim teriamos novos aviões para treinamento da marinha e fab e ajudariamos os Hermanos em sua industria aero. Veja sempre queremos que nossos vizinhos comprem nossos navios,aviões e tanques.Mas criticamos logo quando eles tentam fazer o mesmo.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Desculpe, mas…
Pra que diabos o Brasil iria adquirir Pampas ( e em troca de 2 submarinos, o que é pior ), se o nosso Super Tucano é superior ao Pampa em todos os requisitos?

rocha
Visitante
rocha

O tucano é um turboélice,não são iguais, A marinha precisa de aviões para manter seu braço aereo. Se os tucanos fossem suficientes ela ja os teria em seu inventário.Melhor do que mandar os subs pra sucatas por merrecas.

Wagner
Visitante
Wagner

O Peru comprando os subs, poderiam entrar no projeto do sub nuclear, agora a pergunta que não quer calar, quem quer ver o Peru entrar?