Home Indústria de Defesa Royal Navy recebe quarto OPV classe ‘River’ Batch 2

Royal Navy recebe quarto OPV classe ‘River’ Batch 2

3142
24

O quarto OPV (Offshore Patrol Vessel) classe “River” Batch 2, HMS Tamar (P233), foi formalmente entregue pela BAE Systems e aceito pela Royal Navy.

O HMS Tamar foi aceito pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, atingindo outro marco importante no programa de navios de patrulha offshore (OPV) do Reino Unido. O documento de aceitação foi assinado em Govan, na Escócia, significando a entrega oficial do navio ao MoD do Reino Unido.

O HMS Tamar é o quarto OPV classe “River” Batch 2 a ser aceito pelo MoD do Reino Unido desde o corte do aço no primeiro da classe, HMS Forth, em outubro de 2014.

“Estou extremamente orgulhoso de como trabalhamos juntos com a RoyalNavy, MoD e fornecedores para tornar esse marco uma realidade. Continuaremos a apoiar a tripulação do navio à medida que eles embarcam para realizar treinamento vital antes de sua partida”, disse David Shepherd, Diretor do Programa OPV.

O HMS Tamar desempenhará um papel estrategicamente importante na proteção dos interesses do Reino Unido no mar.

OPV classe River Batch 2

FONTE: BAE Systems

24
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
16 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
Douglas Falcãorui mendesFernando VieiraAdsonFabio Mayer Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcelo
Visitante
Marcelo

Voa amazonas!!!!

Rgf
Visitante

Quem navegou num desses sabe o quão são valiosos. Aguenta mar 10.

Vovozao
Visitante
Vovozao

25/02/2020 – terça-feira, btarde – somente a titulo de informação…… Wave ruler….nao esta sendo utilizado, sendo assim encontra-se inoperante (na naftalina ), e, antes houve alguma sondagem da RN, em relação ao interesse da MB, este assunto evoluiu……ou morreu???? Um navio muito importante para nossa armada.

Mário SAE
Visitante
Mário SAE

Vovozão, por enquanto morreu. O comando da Marinha declinou da oferta da BAE Systems.
Por hora vamos nos concentrar em terminar os dois navios patrulha Classe Macaé. Uma coisa de cada vez.

Leandro 27
Visitante
Leandro 27

Mário SAE, bom dia. A proposta do Wave Ruler foi declinada pelo comando da MB?

Leandro 27
Visitante
Leandro 27

Acredito que a negativa da MB seja exclusivamente por motivos financeiros, enquanto nossos Deputados e Senadores não compreenderem que as Forças de Defesa precisam ser um Projeto de Estado e não de um ou outro Governo continuaremos a ler este tipo de notícias.

Adson
Visitante
Adson

Acho que vc está confundindo com a oferta dos River 1.

Leandro 27
Visitante
Leandro 27

Boa tarde Adson, na vdd eu também estou na dúvida sobre a resposta do Mário SAE se ele falou sobre o Wave Ruler ou os Classe River 1, por isso fiz a pergunta. A pergunta do Vovozão foi sobre o Wave Ruler.

rui mendes
Visitante
rui mendes

Oferta da Bae Systems???!!! A Royal Navy não quer vender o navio, por isso é claro que não houve oferta nenhuma, ou melhor, foi ao contrário, a marinha brasileira mostrou interesse no navio, mas a RN não quer perder esse navio e não se mostrou interessada em vender, pelo menos para já.

Esteves
Visitante
Esteves

Se fiz a conversão correta, custarão em torno de 250 milhões de dólares cada uma. O estaleiro administra uma carteira de encomendas em várias etapas de construção com 6 projetos e 19 navios.

Há atrasos. Mas não estão ociosos. E parecem modernos.

Esteves
Visitante
Esteves

Ops, o comentário é do outro post.

Rgf
Visitante

A marinha do Brasil erra ao não comprar mais desses da classe Amazona modernizados.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Rgf
Temos o direito e as plantas de projeto para fazer cópias das Amazonas, no Brasil. Não exercemos porque temos a pretensão de querer fazer nave melhor. No fim não se faz é nada. Esse projeto, aprimorado, cairia como uma luva na MB. Abço.

Renan
Visitante
Renan

O Brasil precisa de alguma coisa semelhante um navio de patrulha Oceânica com capacidade de operar com helicóptero e drones, além de ter como lançar e recuperar pequeno submarinos robótico capaz de vasculhar o leito oceânico. Algo que esteja entre as 1600 a 2400 toneladas de deslocamento. Com armamentos básico. Radar 3d, Canhão BOFORS 40 Mk4, Metralhadoras FN HERSTAL SEA DEFENER 12.7 mm, um lançador duplo de torpedo ( mansup), ExLS 3 células. Tendo uma capacidade de atingir 40 nós, e de permanecer 35 dias no mar. Umas 40 unidades destas e teríamos a capacidade de vigiar grande parte de… Read more »

Mário SAE
Visitante
Mário SAE

Renan, seria muito bom ter quarenta navios como os que descreveu acima, mas isso aí está mais para uma Corveta que para um patrulha oceânico.

Renan
Visitante
Renan

É que nossa corverta virou mini fragata, então fui influênciado

Fabio Mayer
Visitante
Fabio Mayer

Num desses planos de reequipamento que eu li nos ultimos anos, a MB citava adquirir uns 12 a 15 navios de patrulha oceânica assim, mais uns 25/30 NaPaOcs da classe Macaé. Ficamos com os 3 OPV(s) da classe Amazonas e 4 Macaés, duas ainda por terminar…

Luiz Floriano Alves
Visitante

Uns 12 Macaé já era um começo. Temo que a ultima das 12 fique pronta quando as primeiras estiverem no fim da vida útil. Se bem que essas Macaé com dotação de um Manpad AA e ATGM naval/RPG genérico. fica equipada para atividades de guarda costa.

Fabio Mayer
Visitante
Fabio Mayer

Com uns 12 OPV(s) e 12 Macaés, o Brasil já teria uma patrulha efetiva e constante sobre seus mares territoriais… e talvez, diminuiria a necessidade de corvetas e fragatas.

Fernando Vieira
Visitante

Esses dias por questões de trabalho estive no interior do Pará e me desloquei por lancha no Rio Tapajós. Enquanto estava nessa lancha fiquei pensando nos cenários hipotéticos de guerra na Amazônia e que meios a Marinha poderia utilizar ali: Seria possível um navio de porte de um desses OPVs ser construído como um combatente fluvial? Algo como uma mini corveta para operação em rios. Com otimização na defesa antiárea poderia proteger tropas e objetivos importantes nossos de um inimigo em um cenário em que a nossa superioridade aérea ainda não foi estabelecida. Esse navio receberia também mísseis para atacar… Read more »

rui mendes
Visitante
rui mendes

A Marinha Romena têm navios de guerra para a guerra nos rios, são excelentes navios, de construção própria e muito bem armados, defendem o estuário do Danúbio e estão baseados lá, existem até barcos casa para os marinheiros Romenos.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Fernando Vieira
Pense no pesadelo estratégico de defender um alvo destes no meio de um rio. É o legitimo “Setings Duck”, ou o pato na lagoa só esperando levar chumbo.Nos rios temos que ter barcos muito velozes e com blindagem média para projeteis de armas portáteis.E grande poder de fogo. No Mekpng os combates provaram isso. O tempo das canhoneiras já se foi a muito tempo. Servem ainda como navio de apoio a operações de assistência social e base flutuiaante para tropas de fuzileiros.

Douglas Falcão
Visitante
Douglas Falcão

Interessante, anos atrás entrei em uma polêmica com um dos editores sobre o uso de armamento de cano de calibres maiores (40 mm ou acima) em barcos patrulha da MB voltados para missão de guarda costeira. Analisando a experiência norte americana, da guarda costeira, eu defendi o uso de armas de calibre menor, de 25mm/30mm e com possibilidade de maior cadencia de fogo, apesar do alcance efetivo ser menor. Os ingleses, neste barco de patrulha oceânica, seguem esse entendimento. Calibres de maior diâmetro e de alcance maior (um canhão de 40mm pode ser efetivo a 10 km) não são adequados… Read more »

Luiz Floriano Alves
Visitante

Douglas Falcão
Vejo a aplicação de drones armados como solução mais viável, técnica e militarmente falando. Um drone arnado com missil Hellfire pode causar danos severos no inimigo a uma distancia inimaginável para artilharia de tubo embarcada em NAPO..Abço.