Home Indústria de Defesa Thyssenkrupp, Embraer e Atech assinam o contrato de construção dos Navios Classe...

Thyssenkrupp, Embraer e Atech assinam o contrato de construção dos Navios Classe Tamandaré da Marinha do Brasil

8031
123

Nesta quinta-feira (5/3), no Rio de Janeiro, a EMGEPRON, empresa estatal independente vinculada ao Ministério da Defesa por intermédio do Comando da Marinha do Brasil, e a Águas Azuis, empresa formada pela thyssenkrupp Marine Systems, Embraer Defesa & Segurança e Atech, assinaram o contrato para a construção dos quatro navios Classe Tamandaré de última geração, com entrega prevista entre 2025 e 2028.

A construção será realizada 100% no Brasil, em Itajaí (SC), com expectativa de taxas de conteúdo local acima de 30% para o primeiro navio e de 40% para os demais. A thyssenkrupp fornecerá a tecnologia naval de sua comprovada plataforma de construção de navios de defesa da Classe MEKO®, que já opera em 15 países. A Embraer integrará sensores e armamentos ao sistema de combate, incorporando ao programa seus 50 anos de experiência em soluções de tecnologia de sistemas e suporte em serviço.

A Atech, uma empresa do Grupo Embraer especializada em engenharia de sistemas para aplicações de Defesa, será a fornecedora do CMS (Combat Management System) e do IPMS (Integrated Platform Management System, da L3 MAPPS) e receptora de transferência de tecnologia em cooperação com a ATLAS ELEKTRONIK, subsidiária da thyssenkrupp Marine Systems que produz o CMS e sistemas de sonar.

“Somos gratos em poder participar novamente de um marco tão importante na história da defesa naval do Brasil com os navios mais avançados em sua classe. Relembramos as grandes conquistas que tivemos, desde a construção dos submarinos da Classe Tupi na década de 1980, e este é o reconhecimento da excelência tecnológica, confiabilidade e longevidade das soluções que oferecemos há quase dois séculos. O Programa Classe Tamandaré irá fortalecer nossos laços, por meio da transferência de tecnologia e da geração de empregos altamente qualificados para o país”, afirma Dr. Rolf Wirtz, CEO da thyssenkrupp Marine Systems.

“Essa parceria valida os esforços para expandir nosso portfólio de defesa e segurança além do segmento aeronáutico. Nos últimos anos, adquirimos experiência no desenvolvimento e na integração de sistemas complexos, entre outros, a fim de tornar a Embraer qualificada para atender às necessidades da Marinha do Brasil, além de fortalecer nossa posição como parceiro estratégico do Estado Brasileiro”, diz o CEO da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider.

Além da construção, o contrato inclui uma robusta transferência de tecnologia em engenharia naval para fabricação de navios militares e sistemas de gerenciamento de combate e de plataforma, bem como o apoio logístico integrado e o gerenciamento do ciclo de vida das embarcações.

O Programa Classe Tamandaré tem potencial de gerar empregos diretos e indiretos de alta qualificação. Prevê um sólido modelo de parceria nacional com habilidade comprovada de transferência de tecnologia e de qualificação de mão de obra local, o que garante o desenvolvimento de futuros projetos estratégicos de defesa no Brasil.

A aliança naval entre a thyssenkrupp Marine Systems e a Embraer Defesa & Segurança também permitirá criar bases para a exportação de produtos de defesa naval a partir do Brasil.

MEKO®: o autêntico navio para águas azuis

Os novos navios multimissão serão baseados nas soluções comprovadas de construção naval da Classe MEKO® da thyssenkrupp Marine Systems, já utilizada em 82 embarcações em operação em Marinhas de 15 países, entre eles Portugal, Grécia, Austrália, Argentina e Argélia. O conceito exclusivo MEKO® de design modular facilita a integração local e a transferência de tecnologia, ajudando a reduzir os custos de manutenção e modernização. Combinando tecnologia de ponta, inovação e capacidades robustas de combate, a Classe MEKO® é um autêntico navio-escolta para águas azuis com qualidades excepcionais de autonomia e robustez.

Sobre a Águas Azuis

Águas Azuis é uma sociedade de propósito específico estabelecida entre a thyssenkrupp Marine Systems, a Embraer Defesa & Segurança e a Atech, subsidiária da Embraer, para a construção dos quatro novos navios Classe Tamandaré, a fim de ampliar e modernizar a esquadra da Marinha do Brasil. Ela terá forte presença no país e conta com a sólida experiência das suas empresas controladoras em diversas áreas.

As empresas integrantes têm um sólido e longo histórico de relacionamento, além de forte presença em diversos países. Líder da parceria naval Águas Azuis, a thyssenkrupp Marine Systems, empresa do Grupo thyssenkrupp, é um dos fornecedores líderes mundiais de sistemas para submarinos e embarcações de superfície naval, bem como tecnologias de segurança marítima com histórico secular de construção naval. A Embraer Defesa & Segurança, unidade de negócio da Embraer, está presente em mais de 60 países e é líder na indústria aeroespacial e de defesa na América Latina.

A Atech, subsidiária da Embraer, desenvolve soluções inovadoras para controle de tráfego aéreo, sistemas de comando e controle, segurança cibernética, sistemas de instrumentação e controle, sistemas embarcados, simuladores e logística. Também atua em outros projetos estratégicos da Marinha do Brasil, como o LABGENE (laboratório de geração de energia nuclear), para o qual desenvolve sistemas de Controle e Proteção e o sistema tático de missões de combate para o H225M/H-XBR SUPER COUGAR da Marinha do Brasil.

DIVULGAÇÃO: thyssenkrupp América do Sul / Embraer

Subscribe
Notify of
guest
123 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Augusto
Augusto
5 meses atrás

E o famosos radar? Inglês, Alemão ou Francês?
Espero tenham escolhido o melhor que era o TRS-4D

Doug385
Reply to  Augusto
5 meses atrás

Também sou a favor do TRS-4D por ser AESA, mas acho que vai de Artisan mesmo.

Doug385
Reply to  Doug385
5 meses atrás

O radar da Thales também é AESA e o Artisan a ser instalado nas Type 26 também será de varredura eletrônica.

Gabriel BR
Gabriel BR
5 meses atrás

As configurações de tecnologia embarcada permanecem as mesmas do inicio?

Valdenei Neves
Valdenei Neves
5 meses atrás

O que vem de OffSet alguém sabe????

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Valdenei Neves
5 meses atrás

No inicio do programa CCT dizia-se que oOffSet seria a modernização da corveta barroso que receberia muitos dos equipamentos, sensores e armamentos iguais as da Tamandarés;

Só desejaria ver que esse numero de fragatas possa chega entre 08 a 12 unidades, o que permitiria botar a MB no patamar que já teve anteriormente.

Mas na real, existem pessoas aqui mais capacitadas para falar sobre esses assuntos da Marinha do Brasil.

737-800RJ
737-800RJ
5 meses atrás

O futuro da Marinha está sendo construído em Itaboraí, Itajaí e é isso aí. Que venham mais Tamandarés e Riachuelos! Brasil!

737-800RJ
737-800RJ
Reply to  737-800RJ
5 meses atrás

Ops
Itaguaí
🙂

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  737-800RJ
5 meses atrás

Itaguaí, ao sul da cidade do Rio de Janeiro
Itaboraí é pro Norte.

Wendel P de Carvalho
Wendel P de Carvalho
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Correção meu caro,fica na região metropolitana à 35km do Rio.😊

Felipe
Felipe
Reply to  737-800RJ
5 meses atrás

Itajai Santa Catarina estaleiro Oceana próximo ao Porto

JOAO
JOAO
Reply to  737-800RJ
5 meses atrás

Interessante, cada navio possui uma tripulação de 136 cabeça! Inclua uma tripulação extra para cada navio. O total será de 1088 homens. A MB tem mais ou menos 300 dentistas!!! Kkkk

Elcimar
Elcimar
Reply to  JOAO
5 meses atrás

de onde vem essa sua tripulação extra ?
e vai embarcar os seus 300 dentistas é ?
de onde vc tira tanta informação “construtiva” ?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  737-800RJ
5 meses atrás

É… quando eu li Itaboraí eu fiquei razoavelmente confuso hehehehe. Deve ser algum marinheiro indo naquela igreja na frente da praça mandando uma reza braba para que os navios sejam construídos com sucesso, no prazo, no orçamento e que encomendem mais. 😉

GILBERT
Reply to  737-800RJ
5 meses atrás

R Itararé é no interior de São Paulo, rsrs

Kommander
Kommander
5 meses atrás

4 anos pra construir uma fragata…
Ai ai, nem tudo é perfeito mesmo.

Guilherme Poggio
Reply to  Kommander
5 meses atrás

O programa FFG(X) da Marinha dos Estados Unidos prevê a construção de uma fragata em quatro anos também.

https://www.naval.com.br/blog/2020/02/12/programa-ffgx-us-navy-deve-divulgar-vencedor-ate-o-meio-do-ano/

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
Reply to  Guilherme Poggio
5 meses atrás

Mas pra que eles teriam pressa? Já possuem trocentas Arleigh Burke fora as que já estão em construção… Vc só esqueceu desse pequeno detalhe.

Kommander
Kommander
Reply to  Guilherme Poggio
5 meses atrás

Guilherme
A diferença é que a Marinha dos EUA tem navios de sobra, enquanto a MB tem mais gente em terra do que marinheiro no mar e com uma costa totalmente desguarnecida. São situações totalmente diferentes e você sabe muito melhor que eu disso.
A gente não precisa de navios pra hoje, a gente precisa de navios pra ontem!

Minuteman
Minuteman
Reply to  Kommander
5 meses atrás

Atualmente é tudo mais demorado, não importa se é a gente ou Reino Unido. Poggio mostrou isso acima.

O problema é que a maioria é imediatista e não entende como funcionam os prazos de programas de defesa como estes.

Doug385
Reply to  Minuteman
5 meses atrás

Tem gente que acha que construir navio é como construir carro.

Guilherme Poggio
Reply to  Minuteman
5 meses atrás

Isso mesmo, Minuteman. São coisas distintas. Apenas como comparação, recentemente visitei o SS American Victory. Entre o batimento de quilha e o lançamento foram 55 dias! Mas era um período de guerra e todo o esforço industrial norte-americano estava voltado para isso.

Minuteman
Minuteman
Reply to  Guilherme Poggio
5 meses atrás

Com certeza! Agora estamos em “paz”, e não precisa ser tudo rápido demais.

Jef2019
Jef2019
Reply to  Minuteman
5 meses atrás

Concordo plenamente…o problema não é a demora na construção e sim na decisão

Marcos
Marcos
5 meses atrás

Pensei que teríamos um furo de reportagem com os detalhes da configuração final dos navios. No próprio site da Marinha temos o mesmo navio com dois radares diferentes.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Marcos
5 meses atrás

Vamos a ver e nem ela sabe… 🙄

SN-10 Álvaro Alberto
SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

A modernização da nossa Marinha do Brasil com todo vapor em 2020-2030 , da uma satisfação ver tudo isso acontecendo, claro sempre queremos mais , mas a Marinha do Futuro tá começando a surgir . Bem-vinda Classe Tamandaré!

Minuteman
Minuteman
Reply to  SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

Mais bem-vindas ainda serão as MEKO A400 de 7 mil toneladas. Aí sim poderemos descer pro play.

Rgf
Rgf
Reply to  Minuteman
5 meses atrás

A classe Tamandaré é uma Meko A200 É está de bom tamanho. O Negócio é ter sistemas bons e fabricarmos pelo menos 12 para a MB. Junta os Submarinos e já dá pra fazer um prejuízo em quem se intrometer em nossas águas.

PauloOsk
PauloOsk
Reply to  Minuteman
5 meses atrás

Sera que elas vem mesmo?

Minuteman
Minuteman
Reply to  PauloOsk
5 meses atrás

Bem provável, ainda mais que as Tamandaré e as MEKO A400 tem 80% de comunalidade entre projetos. É ótimo pra logística da MB, e põe fim ao sonho do almirantado em operar navios de mais de 7 mil toneladas.

Paulo José Ferreira de Lima
Reply to  SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

2010 foi um dia desses.

Eder Reis
Reply to  SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

Sim! mas são poucas embarcações seriam necessários 40 fragatas 20 contratorpedeiros 100 submarinos 50 corvetas para ser uma marinha para o tamanho do Brasil.

Flanker
Flanker
Reply to  Eder Reis
5 meses atrás

Meu Deus……

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Eder Reis
5 meses atrás

Qual a base para esses números ? Vamos passar a peitar a marinha chinesa lá no mar da China ?

Mano Jô
Mano Jô
Reply to  Eder Reis
5 meses atrás

E manter isso daí tudo, faz como?

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  Eder Reis
5 meses atrás

Analise com calma, uma força não é feita só de equipamentos, temos a tripulação em atividade, a tripulação extra, temos a equipe de terra (manutenção), temos a logística, tanto de manutenção quanto de armas, temos o staff de comando, provavelmente dever muitas outras coisas que estou esquecendo de listar.
Um vaso não se resume a apenas ele e sua tripulação.
Temos gente para suprir isto?
Precisamos disto agora?
Precisamos disto a médio prazo?
Quais são as nossas contingências, agora, 5 anos, 10 anos?

Fabio Mayer
Fabio Mayer
Reply to  Eder Reis
5 meses atrás

Faltou vc listar 5 porta-aviões, 10 porta-helicopteros, 20 navios de desembarque de tropas e um corpo de fuzileiros navais com 15 mil tropas!!! Brasil, ame-o ou deixe-o!!!

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

I L U D I D O!

Ricardo Pinto
Ricardo Pinto
Reply to  SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

Lembro que falaram exatamente isto no lançamento das Niteroi em 1979, no programa do Amaral Neto na Globo, e vejo a coisa acontecer exatamente da mesma forma, so que agora tudo se produz aqui, e rezo para o mesmo problema que aconteceu la na época não aconteça aqui, E a falta de continuidade, ai vão lançam as 4 e a porra para por mais 30 anos…

Alper Barico
Alper Barico
Reply to  SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

Vcs são muito inocentes…acreditar que entregarão um só navio em tempo ???…papai Noel não existe !!!

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
5 meses atrás

E quanto aos sistemas, ainda não divulgaram quais serão ?? Pelo texto o sonar de casco será Atlas, em dettimento ao sonar KingClip da Thales, parcialmente nacionalizado.

O canhão principal será um Leonardo 76 mm e sobre o hangar um Bofors 40 mm….mas e o restante como radar, lançadores de torpedos, VLS, etc ?

Aim For The Top
Aim For The Top
Reply to  Roberto Bozzo
5 meses atrás

Não vai ser mais os bofors mk4 e sim o RWS da Rheinmetall.

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Aim For The Top
5 meses atrás

Você não está fazendo confusão ? O RWS é uma estação remota comparável ao sistema Corced, que eu acho que deveria ter sido adotado; o Bofors é 40 mm e utilizando munição 3P é muito bom na função CIWS. São equipamentos diferentes para usos diferentes.

Mano Jô
Mano Jô
Reply to  Roberto Bozzo
5 meses atrás

Acho que ele está certo.

Segundo o vídeo que a Embraer postou no Facebook, a Bofors mk4 saiu e parece que entrou uma 20mm (não tenho certeza do calibre).
comment image

Minuteman
Minuteman
Reply to  Mano Jô
5 meses atrás

Deve ser esse:
https://imgur.com/9gSIfz3

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Mano Jô
5 meses atrás

Entrou o caracal também…. em 1:17….

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Roberto Bozzo
5 meses atrás

Se o vídeo estiver correto, realmente não terá o 40 mm sobre o hangar; acho um erro deixar a defesa aproximada apenas com o 76 mm e os Sea Ceptor, mas a MB deve ter tido seus motivos. No mesmo vídeo deixa a entender que serão dois lançadores quádruplos de MSS, o que acho melhor do que apenas os dois duplos. É preferível ter e não pr cisar do que precisar é não ter. O radar parece ser o TRS mesmo, o sonar já foi falado que será o Atlas e não o KingClip….as informações vão saindo aos poucos, é… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Roberto Bozzo
5 meses atrás

Bozzo, reveja o vídeo.
Mostra claramente somente 2 lançadores Duplos de mísseis anti-navio. Ou seja, pelo vídeo nada mudou em termos de mísseis.
4 MANSUP / Exocet e 12 Sea Ceptor em lançadores tipo Cogumelo.

O que pode ter mudado é o canhão 40 mm e o radar.

Mano Jô
Mano Jô
Reply to  Roberto Bozzo
5 meses atrás

Rapaz, eu estou assistindo o vídeo novamente e estou vendo dois lançadores duplos mesmo.

Viu esse quádruplo onde?

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Mano Jô
5 meses atrás

Realmente, erro meu…serão apenas dois lançadores duplos de MSS…. é que sou tiozinho, perto dos 50 e já não enxergo bem ainda mais no celular…hehehehehe desculpem o erro.

Tutu
Reply to  Mano Jô
5 meses atrás

As vezes desejamos tanto uma coisa que ela simplesmente aparece…

Ferreras
Ferreras
5 meses atrás

Que os prazos de pagamento e construção sejam cumpridos!

Vovozao
Vovozao
5 meses atrás

05/03/2020 – quinta-feira, btarde, espero que tudo corra dentro da normalidade e, que em 2024 consigamos ter a 1a. ja operacional………. pois ……sera um verdadeiro caos, pois… ficaremos com menos de 3 fragatas/corvetas para vigiar toda a nossa Amazonia Azul.
Aproveitando a postagem: corre um boato que a nossa marinha estaria interessada nas 4 fragatas da classe Brandemburgo da marinha alemã??? Alguem sabe alguma coisa????

Vovozao
Vovozao
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

……Brandenburgo…

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

Quando se fala que a MB desprezava as F122 eu comentei que seria mais futuro esperar para as F123 e F124 pois as F122 tem uma idade próxima das FCN… Sobre as F123 elas tem porte e configuração semelhante a CT… Embora seja CODAG

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

São fabricantes diferentes, né?

De todo modo, dá para negociar com o governo alemão um pacotão onde:

– ver estado de conservação destas 4
– já fazer um contratão de 20 anos para comprar estas 4 usadas e mais umas 2 A100 e mais 4 A200

mas o dólar, a economia e o PIB vão atrapalhar. além desta mania agora de querer fabricar tudo aqui.

A depender do caso, sai mais barato fazer lá fora e dar uma ‘bolsa’ para a galera dos tais milhares de empregos gerados ficar em casa.

EricWolff
EricWolff
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

Se reparar no texto, já evoluiu para 2025…lamentavel

Tutu
Reply to  EricWolff
5 meses atrás

Eric, atenção ao texto.

Xerem
Xerem
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

Vovozao sim e verdade

Dalton
Dalton
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

O que foi divulgado é que as 4 F-123 deverão ser retiradas de serviço gradualmente entre 2025/2026 e 2030/2031 e terão portanto entre 32 e 35 anos de vida, algo que a princípio não interessa à marinha brasileira.
.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
5 meses atrás

Agora é receber a primeira embarcação junto com uma encomenda de mais duas unidades.

JOAO
JOAO
5 meses atrás

A minha esperança era que fossem 6 unidades.

Minuteman
Minuteman
Reply to  JOAO
5 meses atrás

Mas aqui mesmo no site já saiu matéria recente dizendo que o Brasil já dá como certa a 5ª fragata, e óbvio que mais pra frente poderá ver uma 6ª.

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  JOAO
5 meses atrás

Com o PIB publicado e o dólar que amou ficar onde está vai ser mais complicado cada vez mais novas encomendas.

Mauro
Mauro
Reply to  ednardo curisco
5 meses atrás

Te atualizando:

O PIB do quarto trimestre de 2019 está girando em torno de 2,5% ao ano, então hoje, e é isso que importa, o PIB já está nessa base de 2,5 anualizado pra frente.

Não deves também entender muito de câmbio, pois o câmbio alto gera mais exportação, atrai turismo, mais investimentos, no geral o câmbio alto atrai mais dólares à economia do país e superavit em conta corrente, o efeito colateral é que pode influenciar na inflação, mas prefiro muito mais um câmbio alto do que baixo.

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Mauro
5 meses atrás

quase tudo é atrelado a dólar. do combustível ao pãozinho. dos remédios a roupas. contração de empréstimos também.

e dólar alto começou a ser bom para o governo de 6 meses para cá,né?

Camargoer
Reply to  Mauro
5 meses atrás

Caro Maduro. Consultei o IBGE agora e o valor do PIB do quarto trimestre de 2019 foi 1,7%. A última vez que o PIB trimestral superou 2% foi no quarto trimestre de 2017, depois caiu para 1,5% e depois 1%. Geralmente o PIB do quarto trimestre e maior que do resto do ano devido o Natal e os empregos temporários. Isso também aparece nas séries históricas do IBGE que são facilmente consultadas. Como sua avaliação foi feita com números errados, sua conclusão ficou prejudicada. Talvez seja adequado você reavaliar usando os dados corretos do IBGE.

Maus
Maus
Reply to  JOAO
5 meses atrás

Como as reformas aprovadas pode adicionar 1 na frente desse 6.

Camargoer
Reply to  Maus
5 meses atrás

Caro Mais. A reforma trabalhista aumentou oa taxa de informalidade, reduzindo a arrecadação e a contribuição para a previdência, aumentando a necessidade do governo cobrir os desembolsos previdenciários com recursos do Tesouro. Com a redução da atividade industrial que aumentou a taxa de ociosidade do setor industrial aumentando o desemprego, isso também impactou reduzindo a contribuição previdenciária, pressionando mais o tesouro. Com a reforma previdenciária, ocorreu um aumento da contribuição dos empregados, reduzindo o consumo e reduzindo a arrecadação, mas esse aumento da contribuição individual está menor do que a queda da arrecadação previdenciária. Portanto, o tesouro tem que fazer… Read more »

Ten.Bruno
Ten.Bruno
5 meses atrás

Excelente Navio, pena não ter como canhão principal o Vulcano de 127mm, no mais esta perfeito.

Bardini
Bardini
5 meses atrás

Rheinmetall MLG 27 nas Tamandarés?

Ou será que vamos de mais Torres de 30mm da MSI?

Façam suas apostas…

FighterBR
FighterBR
5 meses atrás

Na primeira imagem aparenta não ser o Bofors 40mm.

Carlos
Carlos
Reply to  FighterBR
5 meses atrás

Eu Vi um Silo Com mais de 8 unidades !
Será que ouviram o pessoal Aqui do NAVAL ?
TOP

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Carlos
5 meses atrás

12 unidades tipo cogumelo.
Ou seja, nada mudou.
Pelo vídeo serão somente 12 mísseis Sea Ceptor.

Tutu
5 meses atrás

É pelo g
Jeito o radar realmente vai ser o TRS-4D, porém perderam o bofors MK4.

Tutu
Reply to  Tutu
5 meses atrás

Tudo bugou aqui, rsrs

Vou reescrever o comentário.
É, pelo vídeo da Embraer o radar vai ser o TRS-4D, porém realmente perderam o MK4.

Augusto
Augusto
Reply to  Tutu
5 meses atrás

Qual vídeo?? Pode por o link??

Marcelo
Marcelo
Reply to  Augusto
5 meses atrás

https://youtu.be/aRmPiu_wS9s

mas nao sei se da para considerar a configuracao desse video como final

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Marcelo
5 meses atrás

Arre égua!!
Parece propaganda da Hyundai!

Roberto Medeiros
Roberto Medeiros
Reply to  Marcelo
5 meses atrás

Pelo vídeo eu näo sei se é uma fragata ou a Enterprise q a MB vai receber…
Até um UH15 apareceu como Helicóptero.orgânico…

Bardini
Bardini
5 meses atrás

. Pontos do vídeo: . – O Radar é o TRS-4D – Radar DT parece ser o Thales STIR (que parece sem Alça EO) – Aparentemente, 02 alças eletro-ópticas ATENA (substituindo o MIRADOR) – H225M no convoo. Será que cabe no hangar? Parece ser um Hangar bem grande… – Sai o Bofors Mk4, entra uma MLG 27. Mesma munição e canhão empregado nos Gripens. – 02 reaparos OTO Melara HITROLE de 12,7mm – Apenas 12 mísseis Sea Ceptor – Aparentemente, tiraram do projeto a Rampa para operar um RHIB. – O que é um conceito de sobrevivência de duas ilhas,… Read more »

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Bardini
5 meses atrás

“Aparentemente, tiraram do projeto a Rampa para operar um RHIB.”

Em 1:43 do vídeo aparecem 4 containers abaixo do Heli deck, acho que só não mostram no vídeo, mas deve ter a rampa.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Bardini
5 meses atrás

o MLG27 pode ser usado como CIWS contra misseis anti navio sea skimming subsonicos?

SN-10 Álvaro Alberto
SN-10 Álvaro Alberto
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Se uma ilha for atiginda a outra pode continuar operando grande parte dos sistemas do navio .

2Hard4U
2Hard4U
Reply to  Bardini
4 meses atrás

– O que é um conceito de sobrevivência de duas ilhas, nesse navio???

Bardini, trata-se de um conceito de redundância com relação aos sistemas de combate do navio, estes são montados em locais separados e independentes entre si, o que possibilita um aumento de sua capacidade de sobrevivência, permitindo que este mantenha-se em atividade ainda que uma das ilhas (CICCs) tenha sido danificada ou incapacitada por ação inimiga.

FighterBR
FighterBR
5 meses atrás

É, no vídeo da Embraer aparece os lançadores cogumelo. Compraram uma adaptação britânica.

Marcelo
Marcelo
Reply to  FighterBR
5 meses atrás

Nao sei se da para considerar a configuracao desse video como final

Jhon
Jhon
5 meses atrás

Até receber a primeira Tamandaré e estar operacional , vai ter alguma fragata operativa na MB?

EricWolff
EricWolff
Reply to  Jhon
5 meses atrás

Difícil responder…

Luiz Floriano Alves
Reply to  EricWolff
5 meses atrás

Perder o Bofors 40 mm. foi um grande ganho. Tem quem ache a munição 3P a quinta-essencia da guerra AA. Acho um recurso fraco para manter em linha uma arma que foi concebida para outras ameaças em outros cenários, lá na decada de trinta. A função AA é mais do míssil do que outro sistema. O Sea Sceptor pode ser melhorado. Até 25 Km. estás bem no nosso TO previsível.

Mercenario
Mercenario
Reply to  Luiz Floriano Alves
5 meses atrás

Tem certeza que está falando do Bofors Mk4? Não parece…

Partindo das suas premissas, deveríamos substituir o Oto 76mm também, afinal a munição Vulcano ainda não está disponível nesse calibre, apenas no 127mm.

Marcos
Marcos
5 meses atrás

Eu não consigo acreditar que em vez de montar um navio com lançadores verticais modernos, a marinha optou pelo sistema de lançamento GWS (12 míseros mísseis por navio). Além disso, perdeu o canhão Bofors 40 mm que foi substituído por um canhão de 20 mm

Apenas 4 lançadores de mísseis navais… e o pior, vão usar o poderoso MANSUP que tem um alcance de 70 km e não consegue acertar um alvo estático.

Arthur
Arthur
5 meses atrás

Pelo que vi até agora, haverá dispositivos laterais para lançamento de Exocet/Mansup (mar-mar) e células de lançamento vertical para mísseis antiaéreos (mar-ar), correto?
Não seria interessante aproveitar algumas instalações de lançamento vertical para algum armamento mar-terra?

juscelino
juscelino
5 meses atrás

Essas ilustrações ficaram horríveis. Até parece que o navio encolheu. Lembra a corveta V-19 “Caboclo”.

Renan
Renan
5 meses atrás

Aleluia

Que tudo de certo e que cumpra o contrato a risca entregando todo o escopo e dentro do prazo

Vitor
Vitor
5 meses atrás

Qual vai ser o Helicoptero organico dessas fragatas? Seahawk?
O UH-15B vai poder operar nele?

A Marinha esta adquirindo Exocet Block 3 tambem?

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Vitor
5 meses atrás

No vídeo aparece UH-15A mais um espaço “extra”…

ALEX TIAGO
Reply to  Vitor
5 meses atrás

Saiu a alguns anos que a marinha tinha adquirido um lote de exocet block3 se concluiu a aquisição eu não sei. Mas foi noticiado.

JACUBÃO
JACUBÃO
5 meses atrás

Maravilha.
Mas até 2025 quais escoltas se farão ao mar para patrulhar a extensa amazônia azul?
Será contratada alguma Marinha Renegada?
Provavelmente, com apenas 2 escoltas em condições de navegar com alguma segurança!
Tenho dúvidas se a Armada Brasileira já está no fundo do poço? Ou ainda pode piorar mais em curtíssimo prazo?
Há outra coisa, Esquadra ???
Nem no papel mais…
Quiçá uma pequena Flotilha?
Nossa Senhora dos Navegantes, Rogai por nós!!!!!

Paulotd
Paulotd
Reply to  JACUBÃO
5 meses atrás

Qual canhão será adotado no lugar no bofors Mk4? Oelikon 20mm acho muito fraco, tem que ser pelo menos o 30mm

Marcelo
Marcelo
Reply to  JACUBÃO
5 meses atrás

O estaleiro Oceana fará seleção de trabalhadores que comporão primeiro grupo que irá para Alemanha passar por treinamento.

Alper Barico
Alper Barico
5 meses atrás

Que absurdo de preço é esse ???
R$ 2,275 bilhões por uma fragata de porte médio é o mesmo que dar um soco na cara do brasileiro.
Com essa grana toda dava pra comprar um porta aviões inglês…pior de tudo é que ninguém fala nada.
Nesse preço já tem todo tipo de propina com certeza…a Alemanha, Itália e a França fariam esses navios por muito menos.
Se eu sou o presidente desse país, acabaria com essa farra do boi (digo dos navios ).

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  Alper Barico
5 meses atrás

Vc leu corretamente a noticia?

Alper Barico
Alper Barico
Reply to  Alper Barico
5 meses atrás

Vcs estão por fora, comentam o que não conhecem…sempre foi assim, falam em construir e demoram 10 anos para entregar um navio….vejam a Tamandaré, quantos anos acham que ela demorou para estar na ativa ???

2Hard4U
2Hard4U
Reply to  Alper Barico
4 meses atrás

Comprar PA inglês por USD 500 milhões ou USD 2 Bi se considerar o custo total do projeto? Não, o PA classe QE inglês custou 3,1 Bi de Libras cada, ou seja. aproximadamente 3,4 Bi de Euros por navio. Informe-se sobre os custos atuais das fragatas propostas aos EUA e Austrália, e as construídas pela França, Itália e Alemanha. Apesar de serem vasos mais pesados do que as Tamandarés, dará para você uma ideia de correlação entre elas. A proposta vencedora foi a da Thyssenkrupp que é alemã, e que segundo você, seria um dos países que “fariam esses navios… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
5 meses atrás

Mas que p##… Ainda sem informação sólida quanto às especificações de armamento, sensores e apetrechos que irão equipar, defenitivamente, as embarcações? Está difícil para eles, entender o que o “povo” quer saber.

Ozawa
Ozawa
5 meses atrás

Que a Marinha levante as mãos aos céus por essas 4 fragatas-leves e se dê por satisfeita, ao menos nesse decênio, diante da recorrência de “pibinhos” nacionais mesmo com o advento da panacéia retórica das “reformas”. Agora, até mesmo a crise argentina é usada como subterfúgio para o pífio PIB brasileiro de 2019, quando, há sete meses, a soberba ideológica de Guedes perguntava retoricamente: “Desde quando o Brasil precisou da Argentina para crescer?” Em que pese ter defendido recentemente a hipótese de 2 unidades adicionais de “Tamandarés”, hoje, tal aditivo parece impossível, improvável – e indefensável – num país chafurdado… Read more »

Vovozao
Vovozao
Reply to  Ozawa
5 meses atrás

06/03/2020, sexta-feira, bdia…..Ozawa….existem interesses maiores…..seremos sempre uma colonia agricola…..se houver crescimento industrial…..quem ira fornecer produtos agricola
…….Africa????…..nao tem condcoes…entao vamos tornar o Brasil…..nossa fazenda…..pagamos barato….nao precisam de instrução…..nao precisamos investir muito na educação…so uns poucos privilegiados passam pelo funil….e…alcançam um melhor status….e…..é vida que segue… saudações.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Ozawa
5 meses atrás

Ozawa, focar no crescimento do PIB de 1,1% é ver só o topo do iceberg. Mergulhe nas profundezas do PIB e verá que o PIB cresceu 1,1% mesmo com a queda dos investimentos públicos. Ou seja, os investimentos privados foram maiores que 1,1% o que demonstra uma maior confiança das empresas e pessoas na nossa economia. Com investimentos públicos pesados é relativamente fácil fazer o país crescer 7,5%. O problema é que uma hora a conta chega e, sem dinheiro para quitá-la, você comete fraudes, não consegue mais manter os investimentos, as empresas perdem a confiança e o PIB cai… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Rafael Oliveira
5 meses atrás

Existem Estados e Estados, Nações e Nações, Economias e Economias, Ciências e Ciências.; mas uma coisa é certa: se o Estado não consegue investir, apesar de haurir quase metade do PIB, engrenou-se o ponto morto e se reza pro declive não acabar num aclive ou precipício…

Esteves
Esteves
Reply to  Alex Barreto Cypriano
5 meses atrás

“Essa é a Constituição Cidadã. O dinheiro pertence ao povo”.

Camargoer
Reply to  Alex Barreto Cypriano
5 meses atrás

Alex. O Estado faz dois tipos de contribuição ao PIB. O primeiro são as compras publicas, os salários dos servidores e transferências sociais (incluindo os aportes do tesouro ao sistema previdenciario e os créditos agrícolas principalmente a agricultura familiar). O outro são investimentos (construção de pontes, estradas, casas populares, saneamento, etc). Se o Estado não faz esses investimentos, o setor privado também não fará porque são investimentos de baixo retorno financeiro. Se dessem alto retorno, o Estado não precisaria fazer os investimentos).. As compras publicas são ainda mais graves. Se o Estado não fizer suas compras, nenhuma empresa aumentará as… Read more »

Camargoer
Reply to  Rafael Oliveira
5 meses atrás

Caro Rafael. Investimento privado acontece quando existe perspectiva de consumo com o setor industrial no seu limite de capacidade. Segundo a FIESP, o setor industrial está com uma capacidade ociosa de 30%. Portanto, seria necessário o consumo crescer a taxas muito maiores do que 1% ao ano para chegar em uma situação de investimento para aumentar a produção. Com essa taxa anual será preciso uma década para chegar aí nível de 2015, que foi o pico econômico, e portanto seria o momento em que a indústria chegaria perto da sua capacidade máxima de produção, o que demandaria novos investimentos. Em… Read more »

Almir
Almir
5 meses atrás

Alguém tem ideia do motivo da MB ter escolhido apenas 2 lançadores duplos de mísseis anti-navio? As La Fayette, que possuem deslocamento próximo das Tamandarés, e as novas corvetas Classe Doha do Qatar levam 8 mísseis.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Almir
5 meses atrás

Os projetos estão andando e isso é que importa.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Almir
5 meses atrás

Há espaço para mais lançadores se for decidido depois.

Marcos Campos
Marcos Campos
5 meses atrás

estão fazendo histeria no desenho conceitual da EMBRAER…..o navio sera a MEKO A200, com um tapinha no visual pra disfarçar.

forummw
forummw
5 meses atrás

Fravetas Tamanduá!

qual é, afinal, a configuração final de sensores e armamentos dessas escoltas?

Paulotd
Paulotd
5 meses atrás

Opa 1,1%