Home Indústria de Defesa Japão incorpora primeiro submarino movido a baterias de íon-lítio

Japão incorpora primeiro submarino movido a baterias de íon-lítio

5020
44

Em 5 de março de 2020, a Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF) incorporou seu 11º submarino de ataque diesel-elétrico da classe “Soryu” (SSK) em Kobe, na província de Hyogo. JS Ōryū (SS-511) se junta à Flotilha submarina 1 do JMSDF, com sede em Kure. É o primeiro submarino da classe a apresentar baterias de íons de lítio.

O JS Ōryū, décimo primeiro submarino da classe “Sōryū”, recebeu um orçamento de ¥ 64,3 bilhões/US$ 536,7 milhões no âmbito do Orçamento de Defesa do Japão para 2015.

As baterias de íons de lítio têm quase o dobro da capacidade de armazenamento elétrico das baterias tradicionais de chumbo-ácido, e não apenas as substituem nas áreas de armazenamento de baterias existentes, mas também aumentam a já grande capacidade da bateria, preenchendo também o enorme espaço (várias centenas de toneladas de deslocamento) dentro do casco anteriormente ocupado pelos motores AIP Sterling e suas células de combustível com essas novas baterias, a quantidade de baterias (mais poderosas) transportadas no geral é enorme.

Isso melhorou significativamente a autonomia subaquática e considera-se uma vantagem sobre a capacidade de recarga lenta do sistema AIP. De qualquer forma, a JMSDF acredita que as baterias de íons de lítio é o caminho a seguir e pretende testar este novo sistema e compará-lo com o sistema AIP anterior para garantir a eficácia operacional.

FONTE: Navy Recognition

44
Deixe um comentário

avatar
13 Comment threads
31 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
31 Comment authors
Wilson JuniorShinigamiRicardo Cezar Lopes FernandesCarlos Alberto SoaresADRIANO MADUREIRA Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Sinceramente eu acho perigoso baterias de íon-lítio num submarino, podem render mais, mas em compensação para pegar fogo é vou ali e volto já, e na explosão podem liberar gazes tóxicos e isso num submarino submerso seria o fim!

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Certamente os engenheiros pensaram muito nisso, convenhamos que estar em um cilindro de metal submerso com um reator nuclear tbm não parece das coisas mais seguras!

Nicolas_RS
Visitante
Nicolas_RS

Carlos Gallani

Mas reator nuclear não pega fogo do nada, ao contrario das baterias de Ion Litio, apesar de ser raro, mas acontece. Os carros da Tesla por exemplo, tiveram alguns que pegaram fogo.

E lembrar que isso é relativamente perigoso, o avião 787 teve problemas com baterias. Samsung com o Note 7. Tem também inúmeros videos de equipamentos pegando fogo/explodindo por causa das baterias, seja Iphone, Galaxy Y, Xiomi, Tablet, etc.

A proporção é minuscula, mas colocar isso dentre de um submarino, digamos que não é a opção mais inteligente.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Então, você fala em proporção. Se pegarmos apenas a percentagem daqueles aparelhos que apresentaram problemas críticos de bateria, provavelmente vamos chegar à um número pífio. Não significa que é inseguro. Existem MIL coisas à bordo de um submarino que podem apresentar falhas catastróficas. Para terem chegado nesse nível industrial para instalação dessas baterias em um submarino, imagino que o programa de teste deve ter sido bastante rigoroso, ainda mais rigoroso do que a indústria de celulares ou eletrodomésticos em geral normalmente é. Realmente não vejo problemas com isso e de qualquer maneira acho que esse submarino foi incorporado, ele deve… Read more »

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Acho que vc está no mito do avião ser perigoso quando na verdade o carro mata muito mais, cada pessoa tem pelo menos uma bateria de lítio, se somarmos notebooks, tablets, smart watchs, power banks, celulares e outros aparelhos acho que dizer que o Brasil tem 300 milhões de baterias que não são de padrão militar funcionando diariamente seria um número bem conservador!

Diogo de Araujo
Visitante

O lítio é simplesmente o metal mais oxidável que existe, o primeiro na fila de reatividade, e ele o faz violentamente é só ver na internet “reatividade dos metais da família 1 e 2A em água” o negócio é feio com pequenos pedacinhos. Nunca gerará uma grande explosão mas como dito acima no sub seria catastrófico.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Você esqueceu que os torpedos, misseis e cargas de profundidade também são perigosos dentro do submarino.

fabio
Visitante
fabio

Os engenheiros do Boing 737 Max .. tb penaram bastante

Zorann
Visitante
Zorann

para pegar fogo algum erro deve ser cometido na carga ou descarga da bateria, causando aquecimento excessivo. Se vc tiver um sistema que monitore e controle estes fatores, não há risco.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Submarinos já foram perdidos por causa de problemas com baterias antes (Kursk, USS Scorpion [Provavelmente]). Em que pese que foram baterias de torpedos, mas de qualquer maneira, submarinos não pararam de usar (até porque não poderiam parar de usar) baterias. Existe um eterno trabalho de pesquisadores da academia e indústria para tornar essas baterias mais seguras, então tenho certeza que fizeram seu dever de casa, mas obviamente ainda deve ter um longo período de testes para esse submarino.

Sagaz
Visitante
Sagaz

Tudo funciona bem nas condições estipuladas em projeto e com a adequada manutenção. Fato é que alguém sempre paga pelo desenvolvimento e escala de algo, por exemplo, quem compra carro elétrico hoje está pagando por esse desenvolvimento/risco, que a cada ano tem sido menor.

John Paul Jones
Visitante
John Paul Jones

Para mim é o futuro …..

Uma enorme capacidade de discrição a um preço aceitável, muito mais barato que o SNBR.

Essas baterias de LiOH para Submarinos estão sendo desenvolvidas a mais de 20 anos, ou seja estão prontas e seguras, eu torço para dar certo !!!

Zorann
Visitante
Zorann

O futuro são as baterias de polímeros de lítio (Li-Po). São pelo menos 20% mais leves que as Li-Ion convencionais, maior capacidade de carga e podem fornecer maior corrente. Deve ser o próximo passo

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Onde assino ?

EdcarlosPrudente
Visitante
EdcarlosPrudente

O problema com essas baterias é o uso enquanto carregando, podendo ocasionar aquecimento e possível sobrecarga na fonte. Se a fonte e a bateria estiverem contidas no mesmo invólucro poderá causar maior sobrecarga e o aquecimento.

Felipe Alberto
Visitante
Felipe Alberto

Tem matéria aqui no PN sobre essas dificuldades técnicas

Teropode
Visitante

Os acidentes com as baterias de celulares basicamente foram causadas por erros de manuseio e por falhas dos carregadores , ja as baterias do 787 s9greram acidente devido ao mal condicionamento dos cabos , os carros da Tesla idem .

Ferreras
Visitante
Ferreras

Pode ser uma quebra de paradigma interessante! Tem seus riscos mas estar dentro de um ambiente cheio de Diesel ou energia q nuclear também é

Glasquis7
Visitante

Será que estamos rumando pro fim dos sistemas de propulsão nuclear?

Marcelo Danton
Visitante
Marcelo Danton

Hybrido será o melhor arranjo.

Glasquis7
Visitante

Sem dúvida mas os custos de se ter uma propulsão hibrida serão proibitivos pra alguns países, assim como a propulsão nuclear, que apresenta uma enormidade de restrições, entre elas, o desenvolvimento próprio pois ninguém entrega esse “segredo”.

Tal vez estejamos vendo o início de uma nova era na propulsão de frotas silenciosas.

Oséias
Visitante
Oséias

Não. Nenhum país com subs nucleares planeja deixar de usá-los. E países que não tem estão trabalhando pra ter.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Não

Gilson Elano
Visitante
Gilson Elano

Acho que a MB deveria acompanhar essa pesquisa, o mais próximo possível. E caso venha um sexto submarino de fabricação nacional, a MB deveria testar essa variação, já que uma provável sexta unidade, só viria no início da década de 30.

Luiz Floriano Alves
Visitante

O problema dos acidentes com baterias de litio ion já foram equacionadas no Japão e mais alguns países. O problema central é o desenvolvimento de dendritos na estrutura da bateria. É uma alteração cristalina que cria ramificações de maior condutibilidade, dentro da bateria, provocando como se fossem curtos circuitos internos. A solução encontrada foi dispor de malhas internas de grafeno, que são bons condutores e não permitem a formação dos dendritos. Isso muito simplificadamente, claro. Mas o medo de ocorrer queima de baterias como aconteceu nos Boeings 777, não existe nestas novas baterias. Mas, as vantagens dessa solução levam a… Read more »

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Concordo Gilson!

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Alguém tem algum dado para ajudar na avaliação da notícia? Algo como alcance com as novas baterias ou aumento do tempo submerso em comparação com as antigas, ou com o sistema AIP utilizado pelos japoneses.

Kemen
Visitante
Kemen

Eu acredito que apesar do custo, essas baterias podem se tornar o futuro dos próximos submarinos que não optarem por sistemas AIP, não tem o tempo de submersão disponibilizado pelos AIP hoje, porém podem ter 3 vezes mais tempo de submersão que os submarinos com baterias tradiucionais, isso na fase atual, no futuro poderia até aumentar, e se consideramos o ganho em peso sobre as baterias de chumbo-ácido pode se tornar um bom atrativo nos projetos. A segurança no uso dessas baterias podera ou não serem comprovadas com o tempo e o tempo significa avanços tecnologicos.

Marcelo Danton
Visitante
Marcelo Danton

Vai ser MUIITO mais silencioso, eficiente e mortal do que qualquer nuclear atual. Com dez desses submarinos mais a notória doutrina naval japonesa…a china pode colocar diariamente vários TYPE no mar…o Japão só vai ter de produzir muitos torpedos.
Mesma coisa com a Russia. Sem doutrina colocada em prática são somente patos em remanso. Numa guerra convencional esses dois tomam um pau feio nos primeiros meses. Ai vão apelar para o nuclear. Novamente vão tomar um pau feio e TODOS nós (ocidente) sairemos gravemente feridos.

Luiz Floriano Alves
Visitante

A grande vantagem destes sistemas sobre os AIP é o silencio. AIP consiste num conjunto que inclui máquinas rotativas que geram ruido. No sistema Stirling (Suécia) se consegue menos ruído eis que as máquinas tem menor potência. Mas isso acarreta uma desvantagem muito grande. Já os sistemas que operam co tanques de oxigênio (Russia) tem que conviver com um perigo muito grande de explosões.

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Não me parece que Submarinos com o AIP sejam ruídosos por obrigação. A vantagem do AIP , é que permite a submersão da arma Submarina por 45 dias seguidos, no caso do U-214 por exemplo. Agora em relação ao motores diesel, podem levar amortecedores afim de deminuir as vibrações drásticamente e além de poder levar absorventes de ruído (algum parecido com esponja desde que não sejam inflamável)em algumas partes da plataforma.

Oséias
Visitante
Oséias

Ideia sem nexo nenhum. Nuclear é incomparável.

Marcelo Danton
Visitante
Marcelo Danton

kkkkk muito fácil identificar os BadRobot russos… 9-1=8 Tens uns 10-12 robozinhos saudosos da URSS. E vai aumentar..só jogar a isca.

Everson
Visitante

Queria saber qual é o melhor, se é o scorpene brasileiro ou esse submarino japonês ?

Munhoz
Visitante
Munhoz

O japones é melhor !

Luiz Floriano Alves
Visitante

Para quem não aceitou os argumentos passo um trecho de recente artigo publicado nos EU. All diesel-powered submarines use batteries to travel silently underwater. The batteries are charged by the diesel engine, which needs oxygen to run. This in turn requires the submarine to surface, or at the very least snorkel, which exposes the periscope, an air intake, and an exhaust port above the surface of the water. Although small, these bits of equipment can be detected by radars, bringing unwanted attention from enemy anti-submarine ships and planes. Some modern submarines use an air independent propulsion system instead of regular… Read more »

Shinigami
Visitante
Shinigami

O japonês atinge profundidade máxima quase duas vezes maior que o Scorpene, ele é maior que o Scorpene, ele tem maior alcance que o Scorpene ele custa menos que um Scorpene…

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Eita, jura?

Guacamole
Visitante
Guacamole

Isso já é um salto em tecnologia de baterias para submarinos hoje, imagina quando o Doutor Goodenough finalmente conseguir criar as baterias de vidro que estão logo alio na frente.
Vai fazer as baterias de lítio ficarem obsoletas do dia pra noite e as de chumbo-ácido virarem tecnologia pré-histórica.

Vai dar uma nova vida para submarinos diesel-elétricos.

ADRIANO MADUREIRA
Visitante
ADRIANO MADUREIRA

Será que no futuro haverá navios de guerra elétricos? Já há projetos sobre tais maquinas?

Luiz Floriano Alves
Visitante

I submarino é elétrico. sem baterias ele não existe n forma convencional. O todo elétrico é possível para um raio de ação limitado. Os grandes torpedos de hoje são elétricos.

Ricardo Cezar Lopes Fernandes
Visitante
Ricardo Cezar Lopes Fernandes

Será que existe a possibilidade dos próximos submarinos da classe Riachuelo incorporarem essa inovação?

Wilson Junior
Visitante
Wilson Junior

Alguma notícia da aceitação do Riachelo?

Wilson Junior
Visitante
Wilson Junior

Alguma notícia da aceitação/incorporação do Riachuelo?