Home Indústria de Defesa Marinha dos EUA aceita o destróier USS Zumwalt

Marinha dos EUA aceita o destróier USS Zumwalt

5667
76
DDG 1000 USS Zumwalt visto ao lado de seu navio irmão USS Mansoor
DDG 1000 USS Zumwalt visto ao lado de seu navio irmão USS Mansoor

SAN DIEGO – A Marinha dos EUA aceitou a entrega do USS Zumwalt (DDG 1000), o navio líder da próxima geração de combatentes de superfície multimissão da US Navy, em 24 de abril.

Após essa entrega, o navio fará a transição da Ativação de Sistemas de Combate para a próxima fase de testes de desenvolvimento e integração no mar.

Este evento marca um ponto importante na abordagem de entrega dupla para o USS Zumwalt, que alcançou a entrega do Hull Mechanical & Electrical da Bath Iron Works da construtora naval General Dynamics em maio de 2016. A Raytheon Integrated Defense Systems foi a contratada principal da ativação do Sistema de Combate Zumwalt e líder de integração para navios da classe em Bath, Maine e San Diego.

“A entrega é um marco importante para a Marinha, pois o DDG 1000 continua com testes mais avançados no mar do sistema de combate Zumwalt”, disse o capitão Kevin Smith, gerente de Escritório Executivo do Programa de Navios DDG 1000. “A equipe de teste de combate, composta pelos navegadores do DDG 1000, engenheiros da Raytheon e pessoal de atividades da Marinha, trabalhou diligentemente para preparar o USS Zumwalt para testes mais complexos e multimissão no mar. Estou animado para começar a demonstrar o desempenho deste navio incrível.”

Com a entrega, USS Zumwalt se junta à força de batalha da Frota do Pacífico dos EUA e permanece designado para o Surface Development Squadron One. Além dos testes no mar do sistema de combate Zumwalt, o DDG 1000 também funcionará como um facilitador essencial na aceleração de novos recursos de combate e no rápido desenvolvimento e validação de táticas, técnicas e procedimentos operacionais.

O design “tumblehome” penetrante do navio de 610 pés (186 metros) fornece uma ampla variedade de avanços. Empregando um IPS (Integrated Power System) inovador e altamente resistente, o DDG 1000 tem a capacidade de distribuir 1000 volts de corrente contínua por toda a embarcação, permitindo maior capacidade de energia para vários requisitos operacionais. Além disso, o formato da superestrutura e o arranjo de suas antenas reduzem significativamente a seção transversal do radar, tornando o navio menos visível aos radares inimigos.

“Todos os dias o navio está no mar, os oficiais e a tripulação aprendem mais sobre sua capacidade e podem informar imediatamente o desenvolvimento contínuo de táticas, técnicas e procedimentos para não apenas integrar o Zumwalt à frota, mas também para melhorar o entendimento das operações da Marinha com um destruidor furtivo”, observou o capitão Andrew Carlson, o comandante do USS Zumwalt. “Depois de navegar mais de 15.000 milhas e 100 dias no mar em 2019, estamos absolutamente ansiosos por testes e validação no mar mais agressivos dos sistemas de combate, levando à conquista da capacidade operacional inicial”.

O USS Zumwalt é o primeiro navio dos destróieres da classe Zumwalt. O USS Michael Monsoor (DDG 1001) tem base em San Diego e seus sistemas de combate estão sendo ativados. O terceiro e último navio da classe, o futuro USS Lyndon B. Johnson (DDG 1002), está em construção no estaleiro da BIW em Bath, Maine.

Como uma das maiores organizações de aquisições do Departamento de Defesa, a PEO Ships é responsável pela execução do desenvolvimento e aquisição de todos os destróieres, navios anfíbios, navios especiais de missão e apoio e embarcações especiais de guerra.

 

FONTE: US Navy

Subscribe
Notify of
guest
76 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
EduardoSP
EduardoSP
2 meses atrás

Depois de 12 anos e bilhões e bilhões , bilhões de dólares gasto, recebem um navio com canhões (AGS) sem munição compatível (LRLAP), que atende apenas um pedaço dos requerimentos iniciais e cuja função primária deixou de ser relevante.

Nesse período a marinha do exército popular da china deixou de ser uma marinha de água marrons e passou a ser uma marinha de águas azuis, se preparando para desafiar a US Navy no pacífico oeste.

Vai vendo…

Flamenguista
Flamenguista
Reply to  EduardoSP
2 meses atrás

E pra piorar, devido a reduçao da quantidade, o custo de desenvolvimento por navio ficou gigante.

Dalton
Dalton
Reply to  EduardoSP
2 meses atrás

A marinha chinesa não era uma “marinha de água marrons” 12 anos atrás, em 2008 já era de “águas azuis”, mesmo não tendo ainda um NAe. . Em 2008 já existiam submarinos de propulsão nuclear de ataque de segunda geração como o “093” e pelo menos dois submarinos com mísseis intercontinentais, um “092” e um “094” entre outros exemplos, apenas a marinha chinesa ficou maior e melhor. . O “problema” com a classe “Zumwalt” é tentar entender o que se passava na cabeça da US Navy mais de 12 anos atrás, já que os estudos e o contrato para à… Read more »

Peter nine-nine
Peter nine-nine
Reply to  EduardoSP
2 meses atrás

O falhanço do projecto, não é consequência dele mesmo, mas antes de opções que se decidiram tomar, em preferência de métodos, meios e tecnologias já existentes ou mais convencionais.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  EduardoSP
2 meses atrás

Pode ter certeza que o canhão ali é o de menos, é a arma mais fraca que tem.

Dalton
Dalton
Reply to  SmokingSnake 🐍
2 meses atrás

De qualquer forma os canhões teriam pouca utilidade mesmo que houvesse munição barata e essa munição no fim desapontou porque ficou abaixo do alcance inicialmente imaginado. . Os 80 silos verticais de mísseis agora serão em sua maioria preenchidos por mísseis anti navios, como o “Tomahawk V” capaz também de atingir alvos em terra e o SM-6 para uso contra alvos aéreos e navais. . Se pelo menos 8 dos 80 silos forem usados para o ESSM-Block II dos quais 4 podem ser acondicionados em um único silo, se terá 32 deles mais 72 outros mísseis totalizando 104 para pronto… Read more »

Pedrog
Pedrog
Reply to  Dalton
2 meses atrás

O SM-6 ja foi desenvolvido para o Zumwalt? Ate então tinha lido que o ESSM e SM-2 em versões específicas tinhas sido testadas nesse DDG.

Dalton
Dalton
Reply to  Pedrog
2 meses atrás

Pedro…a US Navy não tinha alternativa a não ser tornar os “Zumwalts” em navios multi propósitos com uma pendência para
guerra de superfície, então começou à avaliação do “Tomahawk V”
que poderá atingir alvos em terra e navais e do “SM-6” que também pode ser utilizado contra alvos navais.
.

Maus
Maus
Reply to  EduardoSP
2 meses atrás

Quando a China parar de copiar e tiver o mínimo de controle de qualidade eu levo ela a sério

ALISON L C SILVA
Reply to  Maus
2 meses atrás

Grande oportunidade de ficar calado sem falar asneira perdida por vc…

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
Reply to  Maus
2 meses atrás

O Type 055 é cópia de quem, pode me informar “jênio”?

PACRF
PACRF
2 meses atrás

Parece que saíram de um filme de ficção científica. Ainda não vi nada parecido em termos de design.

Dalton
Dalton
2 meses atrás

O dia 24 de abril também viu mais um “Arleigh Burke IIA” ser aceito, o futuro USS Delbert Black DDG 119 que será integrado à Frota do Atlântico.
.
O segundo da classe “Zumwalt” o USS Michael Monsoor, que igualmente foi comissionado precocemente, já passou por testes de mar depois de mais de um ano sofrendo correções
e melhorias e em breve será reintegrado à Frota do Pacífico.

Jagderband#44
Jagderband#44
Reply to  Dalton
2 meses atrás

O fight III vai incorporar que tipos de tecnolgias, relativamente aos IIA?

Jagderband#44
Jagderband#44
Reply to  Jagderband#44
2 meses atrás

*tecnologias

Dalton
Dalton
Reply to  Jagderband#44
2 meses atrás

Oi Jagder… a principal novidade do “F III” é o AN/SPY-6 muito mais capaz
que o AN/SPY-1 que é o radar componente chave do sistema de combate “Aegis” que da mesma forma como ocorre nos “IIA” será visível na forma de 4 grandes painéis colocados ao redor da superestrutura dianteira apenas serão um pouco maiores. O ideal seria que esses painéis fossem ainda maiores e mais sensíveis, mas, foi o que se conseguiu instalar em navios do tamanho de um “Arleigh Burke”.

Diego
Diego
2 meses atrás

“o DDG 1000 tem a capacidade de distribuir 1000 volts de corrente contínua por toda a embarcação” Ele é um navio de energia para possíveis novas armas. Armas revolucionárias que os EUA ja tem e que só vão aparecer se necessário for. O curioso é que EUA investe pesado em defesa tem muita coisa convencional nova escondida, mas não previu uma pandemia que arruinaria sua economia. O que demonstra uma carência na área de ciências biológicas em contrapartida com as áreas das ciências exatas.

atlante
atlante
Reply to  Diego
2 meses atrás

1000V de corrente continua…parece que este navio foi projetado par receber railguns e dispositivos emissoras de alta energia (laser de infravermelho e microondas).
Sei não, este navio pode ter grandes funções no futuro.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  atlante
2 meses atrás

Certamente, atlante. Esse navio servirá de plataforma para o que virá nas próximas décadas. O pessoal tenta desmerecer usando o custo absurdo, mas esquece que os EUA estão sempre pensando a frente.

José Carlos David
José Carlos David
Reply to  Jadson Cabral
2 meses atrás

É um navio futurista e em breve todos estarão querendo copiar.

ANGELO CHAVES
ANGELO CHAVES
Reply to  Jadson Cabral
2 meses atrás

E o dinheiro é deles, fazem o que achar melhor…

Sagaz
Sagaz
Reply to  Diego
2 meses atrás

Então… Tensão por si só não é uma informação relevante, é necessário saber a potência, lembrando o ensino médio P = V * i. Por exemplo, você pode fazer um teste de isolamento ligando um conversor numa tomada 127Vca de uns 10A e jogar 10kVcc em um circuito para testes..

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Diego
2 meses atrás

Carência na área de ciências biológicas? O CDC é de longe o maior centro de pesquisas biológicas do mundo. Os EUA são de longe o país que mais investe nesse tipo de pesquisa tbm.

sub urbano
sub urbano
Reply to  Jadson Cabral
2 meses atrás

A estrutura do CDC invejaria os comissariados soviéticos em termos de burocracia. Devem ter copiado alguma repartição pública de Brasilia… Os USA mesmo com um pib de 20 trilhões de dólares não fizeram nenhuma vacina contra o corona. A que eles vão testar é de uma empresa espanhola que compraram.

PACRF
PACRF
Reply to  Diego
2 meses atrás

No que tange ao coronavírus, o que aconteceu foi consequência do negacionismo do Trump em relação às advertências da OMS. O coronavírus vai matar em poucos meses mais pessoas do que os soldados mortos no Vietnã em 20 anos de guerra, que foi de aproximadamente 58.000.

Salim
Salim
Reply to  PACRF
2 meses atrás

Amanha bate NR soldados mortos mais 10 anos Vietnam, mundialmente vai bater guerra Síria. E tem uns malucos sem noção achando que e gripezinha.

Esteves
Esteves
Reply to  Salim
2 meses atrás

Pois é.

Quando eles estavam no governo fizeram isso.

comment image?quality=70&strip=info&w=1170&h=928

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Esteves
2 meses atrás

Só observando você justificar os erros do governo atual, por que fizeram muita cagad@ nos governos passados. Para mim o erro é que não temos uma liderança de verdade no país, e sim um adolescente com sérios problemas de autoestima, que quer sempre se aparecer e “mitar”, apesar de ter 70 anos de idade. Quando tínhamos 2 casos apenas no país o presidente deveria ter tomado a frente das coisas, pois era esperado que os casos explodiriam, chamando governadores e prefeitos e estabelecido as medidas em conjunto. Não, o presidente ficou na mídia dizendo que era “gripezinha talkei”, enquanto governadores… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
2 meses atrás

Esse navio é considerado um dos maiores fiascos da indústria militar americana.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Até ele degladiar-se com outros 4 ou 5 de afundar todos eles, saindo intacto da batalha.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Eduardo
2 meses atrás

Em 2075 D.C.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Em 2075 mesmo, Kings. Este navio foi feito pensando-se na guerra do futuro. Não esqueça que os EUA já desenvolvem armas de alta energia como lasers há muito tempo e estão na frente de qualquer outro nesse quesito.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Jadson Cabral
2 meses atrás

Em 2075 os navios estarão voando, meu caro.

Jagderband#44
Jagderband#44
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Tuas opiniões são sempre técnicas e baseadas na prática. Parabéns.

Esteves
Esteves
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Não. Não é um fiasco.

Sendo um projeto dos anos 2000 com execução nos anos 2010 e incorporação nos anos 2020…são 20 anos para aceitar um programa inovador.

Sim. Irá romper.

Muito bom para um programa sem precedentes na construção naval.

nonato
nonato
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Enviado chinês no foro detected…
Mission: exaltar as glórias do exército popular e falar mal dos ianques…

Zé naval da Paraíba
Zé naval da Paraíba
2 meses atrás

Consigo imaginar as vaias da torcida e os xingamentos no alambrado.

Gil U
Gil U
2 meses atrás

Pelas fotos não consigo identificar um sistema CIWS instalado, sera que ele tem?

Paulotd
Paulotd
Reply to  Gil U
2 meses atrás

Saiu a preço de incríveis 23 bi de trumps as três unidades. Inacreditável. Dava para levar 23 fragatas pesadas Fremm (1bilhao cada), ou 12 unidades de Arleigh Burke flight III com sistema Aegis (2 bi cada).

E ainda saiu devendo em capacidades. Péssimo negócio

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Paulotd
2 meses atrás

Você certamente deve ter mais qualificação que os almirantes da USNAVY pra pra poder dizer isso, né Paulotd?

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Jadson Cabral
2 meses atrás

Então quer dizer que se um almirante disser que um projeto naval foi um sucesso – mesmo ele não sendo, o almirante pela sua qualificação está certo? Se for isso mesmo o que você está dizendo, eu realmente não sabia que na Terra habitava anjos. O mais engraçado disso tudo é que nossos almirantes recebem várias críticas de projetos que não obtiveram sucesso ou mesmo pelo estado deplorável da MB, mas na USN nenhum almirante erra, são seres inerrável. Sabem aquela pintura artística do Destino Manifesto em que mostra a mulher angelical no centro do quadro, pois então, são os… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Matheus Santiago
2 meses atrás

Nossos almirante são criticados em razão da ausência de resultados.

Aqui.

Qual projeto de qual Almirante foi adiante? Qual inovação? Qual construção naval ruptiva? Aonde investimos em ciência e tecnologia? Quais e quantas são nossas patentes navais?

A inovação tem seu preço. Eles tem dinheiro para pagar.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Paulotd
2 meses atrás

La vem aquele pensamento de linha de produção. Investe 10 produz 10. Investe 20 tem q produzir 20 !
Mas e as tecnologias aprendidas ? Como quantificar/valorar isso ? Os americanos, e quem mais quer ser líder em algo, são o que são a décadas, por causa disso. Inovação… pesquisa e desenvolvimento… tecnologia !

Señor batata
Señor batata
Reply to  Gil U
2 meses atrás

Tudo bem Gil? Eu havia lido no quora q a defesa se baseia apenas em mísseis (sparrow por ex).
Espero ter ajudado.

Señor batata
Señor batata
Reply to  Señor batata
2 meses atrás

Lendo outros comentários tb lembrei q no futuro ele pode receber armas de energia dirigida para defesa de projéteis tb.

Gil U
Gil U
Reply to  Señor batata
2 meses atrás

Tudo bom. Valeu pela informação, imaginei algo na linha do que você escreveu abaixo, no futuro, talvez bem próximo, armas de energia para sua defesa, aliás, essa capacidade toda que este navio tem para produção de energia não é mesmo a toa.

Carlos Campos
Carlos Campos
2 meses atrás

Eu acho que esse navio apesar de ter saído caro ainda valeu a pena. Pois com ele os EUA vão poder testar várias armas como a Rail Gun e outras armas lasers. Radarea ainda mais poderosos. Ele no futuro pode ser tão importante quando um porta aviões. Ele ajudará a manter os EUA como a principal potência naval no mundo nas próximas décadas

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Carlos Campos
2 meses atrás

Esse navio tem o mesmo problema do F-22, está muito a frente do seu tempo, é um exercício que vai se desdobrar no futuro para um conceito de escala, hoje dólar por dólar vale mais a penas investir no AB mas não é esse o caso!

Mauro S.
Mauro S.
Reply to  Carlos Gallani
2 meses atrás

Ok. Mas se o desdobramento em escala do F-22 foi o F-35, melhor botar as barbas de molho com esse barcão aí.

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
2 meses atrás

Que bicho feio, parece um ferro de passar roupa … Bom, com disse em outro lugar, ” Boniteza “, não põe mesa. O que vale é o resultado final em um combate e em que estado o navio sai de um combate …

Afonso
Afonso
Reply to  Alexandre Cardoso
2 meses atrás

Colocando a discussão técnica de lado, ele realmente é bem feinho. Se colocar um logo da Arno, da para vender no mercado. kkkk

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Alexandre Cardoso
2 meses atrás

Eu já acho bonito!

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Demorou muito, ficou muito caro, mas é um navio bonito. Creio que o desenvolvimento dele pode ser comparado com o do F35, mas é o custo da inovação, inovar do zero custa caro e leva tempo, mas no final as inovações conseguidas vão baratear os sucessores!

2Hard4U
2Hard4U
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Não haverá nada além das duas unidades prontas e uma em construção.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  2Hard4U
2 meses atrás

Mas as tecnologias desenvolvidas vão ser usadas nos novos projetos que estão saindo do papel ou que vão sair do papel.

nonato
nonato
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Quais tecnologias?
Porque railgun, laser pode ser colocado em qualquer navio.
Desde que tenha o tamanho necessário.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  nonato
2 meses atrás

Na verdade não é tão fácil assim não Nonato. Railgun e Armas de Energia Dirigida tem um consumo de energia extremamente intensivo e os sistemas de navios como os Destroyers Arleigh Burke já consomem uma quantidade absurda de energia como por exemplo o AN/SPY-6 que sera empregado nos apenas nos modelos Flight III do navio sendo que tiveram que desenvolver uma versão menor e menos capaz para os Flight IIA. Geração de energia em um navio é um problema serio se o navio não for adaptado para uma geração de energia maior ou já desenvolvido com isso em mente a… Read more »

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Belíssimo navio. E grande, muito maior do que aparenta na foto.

Corcel
2 meses atrás

Eu acho esse navio esquisitamente bonito,pena que não vingou.Ainda!

filipe
filipe
2 meses atrás

Esse navio é muito Lindo, muito imponente… A China que se cuide… Os Zumwalts estão ai, bastam dois deles bem posicionados para derrotar toda a Armada Russo-Chinesa no Pacifico, tem até armas de lazer, canhões de artilharia com balas são milionárias, é um navio como nunca se viu na historia naval… Depois dos Zumwalts e dos CVN Fords estamos esperando os SSBN Columbia.

Vilela
Reply to  filipe
2 meses atrás

2 deles para o que? Deve ter sido erro do corretor só pode…

Marcelo R
Marcelo R
2 meses atrás

Pelo dinheiro de uma nação gasto para construir somente um…, que só navega…. Deveria voar…. Deveria ser uma astronave e se deslocar por Dobra espacial… E a US NAVY encerrando as suas atividades como uma força tradicional como todos conhecemos hoje….e ficando na historia. Nos próximos anos devera ser repensado tudo isso ai… Os custos foram pro espaço e a economia foi pro inferno…

willhorv
willhorv
2 meses atrás

É uma arma ou conjunto de possibilidades a frente de seu tempo. Quando vi as primeiras qualificações, pensei em ser os substitutos aos Ticonderoga.
Mas depois ficou claro em ser um recurso plus que uma marinha pode dispor, cumprindo a missão de desenvolver e testar novas opções de tudo que a USNavy precisa, e se necessário, atuar na linha de frente como diferencial na esquadra.

Luiz Floriano Alves
Reply to  willhorv
2 meses atrás

Belo pacote de tecnologias. Só acho que colocaram muitos ovos no mesmo ninho. Com o valor gasto poderiam investir em meios mais atuais e poderosos, como satélites militares e submarinos furtivos. Mas, almirantes são os mesmos em todo o mundo. Querem um barco para singrar os sete mares.

Esteves
Esteves
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 meses atrás

Por isso são Almirantes.

Pra fazer mais do mesmo bastaria um capitão.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
2 meses atrás

Vai ser alocado na frota do pacífico, os chineses não tem nada parecido, o que deve provocar um desequilíbrio momentâneo a favor dos EUA na região, como também uma corrida dos chineses para construir algo parecido, ou então, uma arma para neutralizá-lo.

Maus
Maus
Reply to  Karl Bonfim
2 meses atrás

“momentâneo”? O EUA ainda tem mais lançadores no pacífico do que qualquer país. Frontalmente ele é invisível para radares, o melhor meio para neutraliza-ló é um submarino, mas ele é tão silencioso quanto um submarino da classe Los Angeles.

Esteves
Esteves
2 meses atrás

“ ODDG 1000 tem a capacidade de distribuir 1000 volts de corrente contínua por toda a embarcação, permitindo maior capacidade de energia…”

O que isso significa?

Encontrei que o Titanic tinha capacidade de gerar e distribuir 100 volts de corrente contínua.

Será que esse navio Zumwalt, teoricamente, tem 10 vezes a capacidade de distribuir corrente contínua X o Titanic?

willhorv
willhorv
Reply to  Esteves
2 meses atrás

Não sei se a comparação seria esta para elucidar o contexto, mas acredito que a afirmação, se refira a uma belonave que possui a capacidade de gerar energia, e operar a plena capacidade, sem perder desempenho em qualquer módulo….seja de operação, navegação, vigilância, contra medidas, defesa, ataque….inclusive de um futuro próximo com armas de energia direcionada….como raiul gun ou lasers por exemplo.
Já imaginou disparar uma arma de ponta e arriar a casa de máquinas e o navio ficar a deriva!? Não pode né!

nonato
nonato
2 meses atrás

Acho que poderiam aproveitar o embalo e fazer uma versão menor e mais barata.
Quem sabe na casa dos 2 a 3 bilhões de dólares, encomendaria uns 20, com pelo menos uns 100 mísseis cada.
De repente especializados tipo navegariam em grupos de 3. Um especializado em defesa antiaérea, outro defesa Antinavio.
Porque fica difícil levar tudo num navio só.

Luiz Floriano Alves
Reply to  nonato
2 meses atrás

Triste ver a tecnologia progredindo a alta velocidade e nossos projetos andando a paso de lesma. Continuamos a comprar projetos, armas navais, máquinas e cascos, a preços caríssimos. Como consolação temos as T.T que de nada se aproveita. vide planos das River.

Dalton
Dalton
Reply to  nonato
2 meses atrás

Não há mais “embalo” a construção dos “Zumwalts” foi definitivamente cancelada e os “Arleigh Burkes” continuam sendo fabricados, pelo menos outros 20 já estão garantidos e em breve se iniciará a construção de ao menos por enquanto, 20 fragatas, que complementarão os “LCSs” para guerra de superfície e anti submarina.
.
Se o dinheiro permitir espera-se para a década seguinte um combatente que finalmente substitua a classe “Ticonderoga” que poderá aproveitar-se da experiência com a classe “Zumwalt”.

Kemen
Kemen
2 meses atrás

Tudo na antiga terra dos Sioux é grande, 14.000 tn. para um destroyer, bastante desproporcional causado pelo armamento e aeronaves que carrega. A tripulação de 132 deixa dúvidas sobre o nivel de automação. O estranho é que mal se veem antenas ou se conhecem realmente detalhes dos sistemas eletrônicos (Top secret ?), sonar, etc. Esta muiiiitoo bem armado como se pode ver/ler nas Web´s. Sera que tem boa proteção contra submarinos? Visualmente impresionou bastante desde o inicio, é um programa muito inovador.

Dalton
Dalton
Reply to  Kemen
2 meses atrás

A tripulação de “132” sofreu um ligeiro aumento, segundo o site da US Navy e outros ela é de 147 mais o destacamento aéreo de 28 pessoas, ainda uma boa diminuição de pessoal que consequentemente trará um impacto positivo nos custos projetados para 40 anos de serviço. . Grande parte desse deslocamento de “14.000 tn” se deve aos 2 canhões e respectivos paióis e um convés de voo e hangar maiores que nos “Arleigh Burkes II A” e os “Zumwalts” deverão ser proficientes em guerra de superfície com Tomahawk V e SM-6, anti aérea, com ESSM e SM-6e 2, e… Read more »

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
2 meses atrás

A US Navy foi obrigada a esse presente de grego! Era isso ou carimbar o atestado de fiasco desse navio.