Home Incidentes navais Fragata brasileira escapa de explosão no porto de Beirute

Fragata brasileira escapa de explosão no porto de Beirute

4975
69
Fragata Independência (F44)

Por Alexandre Galante

A fragata Independência – F44 da Marinha do Brasil ficava atracada rotineiramente no cais do porto de Beirute, no Líbano, próximo do armazém que explodiu no final da tarde de ontem.

Por sorte, o navio brasileiro desatracou às 10h da manhã para mais uma missão da Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-UNIFIL) e a explosão ocorreu por volta das 18h.

O armazém continha 2.750 toneladas de nitrato de amônio (NH4NO3) que estava armazenado há seis anos.

O nitrato de amônio é um fertilizante químico e também é um componente de explosivos.

Morreram mais de 100 pessoas e mais de 4.000 ficaram feridas.

Equipes de resgate buscam nesta quarta-feira (5) mais de 100 desaparecidos, segundo a Cruz Vermelha libanesa.

Imagens de drones mostram que a explosão atingiu silos de trigo que ficavam no porto. Estimativas iniciais indicam que cerca de 85% dos grãos do país, que são majoritariamente importados, estavam armazenados nos armazéns que foram destruídos.

O governo do Líbano ordenou a prisão domiciliar de todos os funcionários do porto de Beirute, responsáveis por segurança e armazenamento desde 2014, até que sejam apuradas responsabilidades pelas duas explosões.

FONTE: G1 / Notícias ao Minuto

NOTA DO PODER NAVAL: Ouça abaixo um áudio divulgado no WhatsApp pelo CMG Mauro Seco que está a bordo da Fragata Independência na missão de Paz no Líbano – UNIFIL:

Subscribe
Notify of
guest
69 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Victor Filipe
Victor Filipe
1 mês atrás

A estrutura portuária praticamente deixou de existir…

Jabuti
Jabuti
Reply to  Victor Filipe
1 mês atrás

A edificação ao lado praticamente foi cortada ao meio também. Impressionante.

João Adaime
João Adaime
1 mês atrás

Bom o relato do capitão. Pensar que o navio teria abalroado outro dá uma mostra do que foi a onda de choque, mesmo a 13 km do local da explosão.
Lamentamos pelo povo do Líbano e desejamos força neste momento.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Na foto de antes tinha um barco no píer ao lado, na foto depois o píer e o barco já era só resta um buraco no lugar, se esse era o píer da Independência seria perda total.

alexandre
alexandre
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Equipamento velho, a gente repõem, o importante, são as vidas, que foram salvas Graças a Deus..

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  alexandre
1 mês atrás

Olá Alexandre. Você tem razão. Equipamento (velho ou novo) dá para ser reposto. Pessoas não.

PACRF
PACRF
Reply to  alexandre
1 mês atrás

De acordo. Particularmente os mais de 200 oficiais e marinheiros da Independência, que levaram anos para serem formados pela Marinha. A perda de vidas nunca pode ser relativizada, como vem acontecendo com os mais de 97 mil mortos por COVID-19 no Brasil.

ELintoor
ELintoor
Reply to  PACRF
1 mês atrás

Infelizmente, os 21 de Alcântara não tiveram a mesma sorte. Lamentável…

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Exatamente, mas me pergunto: 2mil toneladas de Nitrato de Amônia é muita coisa para passar despercebido. Esse material, segundo o mídia internacional, já estava armazenado há anos no local, portanto SUPONHO, que nao era segredo. Então: 1 – Não há um serviço de inteligência na UNIFIL ? 2 – Não houve negligência da administração portuária? 3 – A missão e razão de existência da UNIFIL não seria coibir o trânsito ilegal de armamento/explosivos naquela regiao ? 4 – Muita ironia do destino . O local de atração ser em frente ao armazém que guardava o Nitrato de Amônia, sendo a… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Caro FC. Se o material estocado era para uso como fertilizante, isso nada tem a ver com a força de paz. Por outro lado, você tem razão sobre os problemas com o armazenamento do material, tanto que explodiu tudo. Pode ter sido até mesmo um problema elétrico. Vai ser muito difícil determinar a causa da explosão.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Camaergoer
1 mês atrás

Mas o material estava estocado ali há seis anos, dizem que era material apreendido. Porque apreenderiam por tanto tempo fertilizante? Não seria material estocado apreendido como armamento?

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Olá Jugger. De fato, a versão de que era material apreendido está circulando na internet desde ontem, mas isso pode ter sido problemas alfandegários, por exemplo. Considero a quantidade muito grande para considerar que tinha destino a fabricação clandestina de explosivos. Apenas como comparação, o terrorista e supremacista americano usou 2 ton no atendado em Oklahoma. Contudo, isso é chutologia minha. A gente precisaria confirmar se o material foi de fato apreendido e por qual razão. Como o nitrato de amônio praticamente não tem prazo de validade, é possível estoca-lo por anos sem qualquer problema.

Analista da Receita Federal
Analista da Receita Federal
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Sim, e talvez aí o Hezbollah tenha visto uma oportunidade, de manter esse material legalmente estocado , mas …..de extremos interesse deles, visto que dizem na imprensa internacional que eles controlam algumas áreas do Porto.

carcara_br
carcara_br
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Não sei, mas que a explosão inicial se assemelhou bastante a de um armazém de munições isso não tenho dúvida. Talvez fosse o galpão dos materiais perigosos, vai saber…

Analista da Receita Federal
Analista da Receita Federal
Reply to  Camaergoer
1 mês atrás

Camargo, seu comentário foi impecável, como sempre, mas me reservo o direito de achar que foi, no mínimo, omissão da UNIFIL e do Governo do Libano, pois o mesmo material pode e é usado na fabricação de explosivos.

Ainda mais, a F44 atracava na frente desse armazém!!!!

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Analista da Receita Federal
1 mês atrás

Olá ARF. Concordo com você que a autoridade portuária falhou, tanto que ocorreu a explosão. Será necessário entender o que aconteceu antes, o que causou o primeiro incêndio, inclusive de quem teria sido a responsabilidade. A história da “fábrica de fogos de artifício” é estranha porque ninguém consegue autorização para instalar uma fabrica destas em uma região portuária. Acho que o nó de investigação está em saber o que causou o primeiro incêndio. Em São Paulo praticamente todos os grandes incêndios começaram com problemas na rede elétrica (Andraus, Joelma, Cesp). Lembro de uma explosão em um tanque de etanol da… Read more »

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Até agora as notícias são de quem o fertilizante teria sido apreendido porque estaria indo para algum país africano ou a Síria. E pra quem não sabe, fertilizantes nitrogenados são controlados pq tbm servem como explosivos, como todos vimos nesse triste fato. Aliás, quadrilhas aqui no Brasil roubam esse material para explodir caixas eletrônicos. Agora, o Líbano é um país em frangalhos, está em crise política e econômica há décadas. Não é muito difícil imaginar que houvesse negligencia no armazenamento de qualquer coisa em qualquer lugar. Se isso acontecesse no Brasil eu não ficaria surpreso, imagina no Líbano… A UNIFIL… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Jadson Cabral
1 mês atrás

Olá Jadson. As quadrilhas usam dinamite mesmo, desviada de canteiros de obras e minas. São dezenas de unidades usadas em cada explosão. Basta desviar uma por vez sem que isso afete o resultado final da explosão. Por outro lado, são terroristas domésticos como o supremacista que explodiu o edifício em Oklahoma em 1995 que causam maior receio. A informação que o fertilizante iria para a Síria ou para a África mostra que essa informação é mais um chute do que fato apurado (dá a impressão que uma “fonte” de alguma agência de inteligência vazou uma informação furada). De qualquer modo,… Read more »

Caio
Caio
1 mês atrás

É muita displicência deixar um produto desse nível de perigo estocado em plena área urbana, mesmo um país pequeno como o Líbano, deve ter algum canto para guardar esse tipo de coisa..

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Deu na CNN-Brasil que o governo Brasileiro já está pensando em se retirar da missão de paz no Líbano…

Devem ter ficado assustados.

Davi
Davi
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Se não estou enganado a decisão de deixar a UNIFIL já havia sido tomada ano passado. Muito antes dessa explosão.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Davi
1 mês atrás

Olá Davi. Acho que essa decisão foi tomada em out/2019. Contudo, em virtude do estado de calamidade, pode ser que a participação brasileira tenha continuidade. O Brasil também estava reduzindo o contingente no Haiti quando ocorreu o grande terremoto, prolongando a participação brasileira naquela missão de paz.

Fábio de Souza Bezerra
Reply to  Davi
1 mês atrás

correto, povo fazendo comentarios que desinforma.

Analista da Receita Federal
Analista da Receita Federal
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Pois é. São militares. Escolheram uma profissão onde ficam expostos ao perigo. Ganham adicionais de salário por conta disso. Neste caso ganham em dólares. Agora, quando a chapa esquenta, ficam assustados ????? Vergonha nacional.

Murder Nova
Murder Nova
Reply to  Analista da Receita Federal
1 mês atrás

Senhor Adriano, você é maluco? Já não foi dito que a decisão de sair da missão ocorreu ano passado?

Last edited 1 mês atrás by Murder Nova
Gabriel Farias
Reply to  Analista da Receita Federal
1 mês atrás

A decisão do Brasil de se retirar da UNIFIL foi tomada desde outubro/2019, até onde li em outro fórum foi tomada por pedido de Israel, pois a força brasileira tem monitorado as operações israelenses na região (no Líbano ou em rota para a Síria), e Israel não quer repetir o incidente do USS Liberty em 1967, quando na guerra entre Israel e Egito um caça israelense atingiu acidentalmente o navio americano.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Gabriel Farias
1 mês atrás

Não foi acidente nenhum o ataque ao USS Liberty. Tanto que você nunca vai ver oficiais ou marinheiros da USN usando a bandeira de Israel na lapela de seus uniformes, por mais aliados que sejam.

Salim
Salim
Reply to  Gabriel Farias
1 mês atrás

Decisão basicamente por escassez meios. Niterois bico do corvo e só tem Barroso operacional que vai ficar sem PMG pra segurar rojão.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Analista da Receita Federal
1 mês atrás

Vocês se esforçam pra falar tanta besteira, não é possível

Fábio de Souza Bezerra
Reply to  Analista da Receita Federal
1 mês atrás

ta precisando tomar um medicamento!
totalmente equivocado esse comentário.

Audax
Audax
Reply to  Analista da Receita Federal
1 mês atrás

Vergonha é ser analista da receita no Brasil

Sebastião Francisco da Silva
Sebastião Francisco da Silva
Reply to  Analista da Receita Federal
1 mês atrás

A Marinha do Brasil têm que fazer audiometria em todos tripulantes da fragata para verificar se não sofreram trauma acústico e não ficaram com perda bilateral neurosenssorial.
Até hoje tenho zumbido forte no ouvido adquirido na Marinha e a Marinha não deu suporte nenhum dando meu licenciamento do SAM.
Ainda mandou procurar tratamento na USP.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Analista da Receita Federal
1 mês atrás

Melhor ter vergonha de fazer julgamentos precipitados sem se informar…

Salim
Salim
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

A F44 sera ultimo navio MB na unifil, já esta acertado a um bom tempo. Terá mudança comando unifil e Brasil esta pleiteando manter o comando, porem sem navio .

Salim
Salim
Reply to  Salim
1 mês atrás

Pleito e mais ou menos o que ocorre aqui Marinha de guerra sem navio. Náo aguentei rsss

carcara_br
carcara_br
1 mês atrás

Todo o galpão se transformou numa enorme cratera, o celeiro parece esmagado e deslocado dá ´pra perceber a quantidade de energia envolvida, tudo muito impressionante.

JuggerBR
JuggerBR
1 mês atrás

OS silos acabaram por amortecer a explosão, ao menos do lado da cidade onde eles estavam, já para os outros lados o deslocamento de ar foi liberado integralmente.

Junior
Junior
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

O que salvou o pessoal daquela fragata de Bangladesh foi justamente esses silos, a fragatas deles estava ancorada justamente na direção atrás dos silos

Renato B.
Renato B.
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Se pensarmos em termos de localização foi menos pior isso estar no porto, pois parte da energia foi para o mar. Imagine o estrago desse incêndio no meio da cidade? Agora foi uma gestão de risco pobre deixar um armazém desse tamanho numa área urbana, isso devia ter sido afastado da cidade há tempos.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
1 mês atrás

Uma fragata construída no Rio de Janeiro tem bônus de malandragem: sabe não estar no lugar errado e hora errada.
Piadas à parte, a perda dessa fragata e sua tripulação seriam de um valor inestimável para o nosso país. Estamos falando de brasileiros treinados e em missão, além de uma das pouquíssimas belonaves nossas em reais condições de combate.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

“Explosão massiva”… duas palavras que resumem tudo.

Observador
1 mês atrás

Tudo indica que o que causou esta tragédia foi uma tremenda displicência por parte dos que tinham responsabilidade de cuidar deste estoque de nitrato de amônio.
Seis anos estocado é um bom tempo e se não houver uma atenção ininterrupta com averiguações recorrentes, as possibilidades de acidentes vão se tornando cada vez mais agudas.
Infelizmente só depois de tragédias como esta novas medidas de segurança passam a ser adotadas por parte de muitos países mais displicentes.

Welington S.
Welington S.
1 mês atrás

O Líbano passa por um problema econômico fora de série. Chega o COVID-19, faz com que a economia do país tenha mais problemas e, agora, esse trágico acidente onde vidas foram perdidas. Embora se bate tanto na tecla de que foi um acidente, eu não acredito piamente que tenha sido isso mesmo. Motivo?

Siga a thread e tirem suas próprias conclusões: https://twitter.com/DomDasThreads/status/1290781929244176385

Camargoer
Reply to  Welington S.
1 mês atrás

Caro Wellington. Geralmente, grupos terroristas assumem os atentados para ganhar relevância política e até ampliar sua rede de capitação de recursos. Nenhum grupo assumiu ou tentou assumir a explosão. Outra alternativa seria uma ati de terrorismo de estado, mas seria necessário um alvo militar. A explicação mais simples parece ser a mais provável. Apenas para comparação, o acidente de Bopal na Índia e a explosão de Vila Socco em Cubatão causaram muito mais vítimas civis do que está explosão.

Observador
Reply to  Welington S.
1 mês atrás

Em nenhuma das várias filmagens feitas de diversos ângulos se observa algum objeto como um míssil ou bomba atingindo o galpão.
Se Israel fosse atacar este depósito de nitrato de amônio, o mais lógico seria que o fizessem na escuridão da noite, e não em plena luz do dia com milhares de pessoas de todo o mundo circulando pela região.

Montar teorias da conspiração é muito fácil. Basta juntar os elementos convenientes para dar uma suposta lógica sustentável ao que se quer fazer crer.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Observador
1 mês atrás

Tudo começou no depósito de fogos de artifício, aparentemente, ali bastava um fósforo aceso pra fazer estragos. A explosão secundária pareceu uma bomba atômica, mas só deve ter sido tão violenta porque os fogos de artifício atingiram a temperatura de ignição do nitrato. Se pensar bem, é o mesmo processo de uma bomba atômica, onde um estágio inicial somente ativa a explosão secundária, a que realmente faz o estrago.

Observador
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Coisa de malucos manter um depósito de fogos de artificio ao lado do depósito de nitrato.

Salim
Salim
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Olha imagem antes explosão, aquilo náo era fogo artificio náo, parece paiol munição. Líbano quebrado vai trazer um navio inteiro fogos artificio na Civis. Difícil engolir .

Salim
Salim
Reply to  Salim
1 mês atrás

Onde tem civis substituir Covid.

JORENE
JORENE
Reply to  Salim
1 mês atrás

Tem filmagem que mostra o que parece ser um míssil atingindo o local e provocando a terrivel explosão. Tem palestra do primeiro ministro israelense mostrando depósitos secretos do Hezzbolah no porto. O local da explosão é um deles. Não estou dizendo que foi um míssil que atingiu um depósito de armas (com nitrato de amônia, produto necessario para construção de bombas), mas tem que se considerar essa possibilidade.

Salim
Salim
Reply to  JORENE
1 mês atrás

Se fosse míssil já estariam em guerra, Irá iria insuflar hisbolah . Isto com certeza não foi, pode ser sabotagem ou até atentado entre eles. Minha opinião foi acidente de manuseio/imperícia.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Welington S.
1 mês atrás

Wellington, tem um ditado que diz “Nunca atribua à malícia o que pode ser adequadamente explicado pela estupidez”.

Dod
Dod
1 mês atrás

Felizmente nossa tripulação está bem.Alguém sabe quais os navios que fazem parte da força tarefa no Líbano ?

Renato B.
Renato B.
1 mês atrás

Realmente triste e lamentável, imagino que todos os bombeiros combatendo o fogo morreram.

Há precedentes da explosão desse material. Isso ocorreu em Tianjin na china, em 2015, onde explodiram 800 toneladas e no Texas, em 1947, quando explodiram 2200 toneladas, foi o maior acidente industrial da história dos EUA.

Paulotd
Paulotd
Reply to  Renato B.
1 mês atrás

Essa fragata pode ter escapado dessa,mas com seus 50 anos de idade corre sério risco de afundar no meio do caminho pro Brasil, fora o risco de tétano prós tripulantes, embora isso tenha sobrando na MB

Souto.
Souto.
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Falando em fragata alguem sabe quando a fragata Defensora
volta a navegar?:

Paulotd
Paulotd
Reply to  Souto.
1 mês atrás

É toda de alumínio, então daria uma grana boa pros carroceiros, reciclagem.. Não precisaria nem pagar auxílio emergencial

Last edited 1 mês atrás by Paulotd
Nilson
Nilson
Reply to  Souto.
1 mês atrás

Bem lembrado, Souto.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Renato B.
1 mês atrás

Estava no início das chamas, ao menos é o que aparenta pela coluna de fumaça inicial. Mas enquanto informações oficiais não vêem, tudo é especulação/achismo.

ednardo curisco
ednardo curisco
1 mês atrás

Líbano é um país pequeno e muito endividado e maltratado com tantas guerras. Não sei a capacidade deles de seguir todas as normas de segurança ou de áreas seguras de estocagem.

Fui olhar no Google Earth e os caras têm praticamente 100% do litoral ocupado por alguma zona urbana

Tadashi
Tadashi
1 mês atrás

Em um hipotético cenário da fragata estar atracada, quais seriam os danos? Ela chegaria a “deitar” no mar devido à superestrutura ou afundaria? Certamente o pessoal de serviço na tolda teria morrido junto com os curiosos de folga. As fotos mostram 2 mercantes próximos q parecem ter se soltado.

Teropode
1 mês atrás

Acharam o depósito secreto dos caras , 6 anos para decidirem oque fazer com um carregamento considerado ilegal , desconfiavam do destino da carga , bom : assim disseram né !

João Bosco
João Bosco
1 mês atrás

Esssa história está muito mal contada… tem coelho nesse mato. E dos Grandes.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  João Bosco
1 mês atrás

Caro João. Pode até ter canguru, mas uma explosão de nitrato de amônio é algo mais comum do que seria pegar fogo em um armazém de açúcar (como ocorreu há alguns anos em Santos). Nos últimos anos soubemos de incêndios em submarinos nucleares, porta-helicópteros em construção e construídos. Eu diria que é mais suspeito um incêndio em um submarino nuclear atracado do que em um armazém geral.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Camaergoer
1 mês atrás

Uma gestão de risco ruim e muito azar me parece mais provável.

Camaergoer
Camaergoer
1 mês atrás

Olá Colegas. Aos fatos. O navio “Rhosus” levava a carga de 2,7 mil toneladas de nitrato de amônio exportado pela Georgia para Moçambique apresentou problemas quando se dirigia dos Dardanelos para Suez e 2013. Por segurança, a carga foi descarregada e estocada no porto sob a guarda das autoridades judiciárias do Líbano. As autoridades portuárias solicitaram diversas vezes que a justiça liberasse a carga para Moçambique ou que pudesse ser reexportada para outro país, mas não tiveram resposta. As autoridades portuárias sabiam do risco de explosão (mas foram incapazes de avaliar a extensão da explosão) e foram incapazes de obter… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Camaergoer
1 mês atrás

Olá Colegas. Essa é a foto do navio Rhosus, que teve problemas durante a viagem e foi abandonado pelo proprietário no Líbano em 2013. Como o proprietário foi á falência, o navio ficou no porto com a carga de nitrato de amônio até que o poder judiciário libanês determinou que a carga fosse transferida em 2014 para o armazém no porto, onde ficou estocada até a explosão.

aaaa1.jpg
Renato B.
Renato B.
Reply to  Camaergoer
1 mês atrás

Faz sentido.