terça-feira, março 2, 2021

Saab Naval

Por trás da história de Vermont, novo ‘navio de papel’ de World of Warships

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Vermont
Vermont

Entenda como o encouraçado de mais 70 mil toneladas, que nunca de fato ‘existiu’, foi recriado no game de combate naval da Wargaming; aproveite também o bônus gratuito para novos jogadores, incluindo o navio brasileiro Almirante Abreu

Nas atualizações mais recentes de World of Warships, jogo de combate naval online e gratuito da Wargaming, foi anunciada a inclusão de uma nova sub-ramificação para a frota de navios de guerra dos EUA. Dentre os quatro encouraçados que chegam ao jogo, o Vermont, de nível X, é um poderoso navio de guerra com mais 70 mil toneladas e velocidade modesta, munido de canhões de 457 mm em sua bateria principal.

O novo encouraçado é inspirado nos famosos estudos de projeto de “navios de guerra máximos”, encomendados pelo senador Benjamin Tillman e preparados na época da Primeira Guerra Mundial, entre 1916 e 1917, pela Marinha norte-americana.

O curioso dessa história é que Tillman estava impaciente com os pedidos da Marinha por navios de guerra maiores a cada ano, bem como com o hábito da Marinha de construir navios de guerra significativamente maiores do que o autorizado pelo Congresso.

Tillman instruiu, portanto, que a Marinha projetasse “navios de guerra máximos”, os maiores que eles poderiam usar. Os únicos limites para o tamanho potencial de um encouraçado eram as dimensões do Canal do Panamá (305m × 34m), então os “navios de guerra máximos” apresentavam 297m × 33m.

Embora se assemelhe ao projeto do Tillman IV-2, o Vermont não corresponde exatamente a nenhum dos projetos históricos, sendo considerado um navio de papel no game. Ele está disponível para todos os jogadores pesquisarem desde a atualização 0.9.11, bem como os navios Kansas, de nível VIII, e Minnesota, de nível IX.

Navios de papel em World of Warships

World of Warships apresenta mais 350 navios de guerra, quantidade quase quatro vezes maior do que na época em que o jogo foi lançado. Todos eles são recriados com extrema precisão, modelados com base em desenhos de engenharia reais e máxima atenção aos detalhes tecnológicos.

Quando um navio é escolhido para ser inserido no jogo, mesmo que não tenha sido realmente construído — chamado de navio de papel, por existir apenas em registros —, o processo de desenvolvimento é tão ou até mesmo mais complexo do que um navio que, de fato, foi criado no mundo real.

Neste caso, a pesquisa por documentos históricos e um extenso processo de criação, com várias etapas, são fundamentais para a fiel representação de navios em modelos 3D. Entenda como este processo funciona:

1. Coleta e processamento de informações

Em World of Warships, quando os desenvolvedores decidem qual navio será incluído na frota disponível para jogar, o primeiro passo é reunir a maior quantidade de informações necessárias:

  • Coletar toda documentação disponível sobre o navio em questão, incluindo plantas e esboços de design, além de fotos e outros materiais;
  • Em caso de documentos incompletos, a equipe busca “restaurar” os dados do navio pouco a pouco por meio de outras fontes, como documentação de navios do mesmo tipo, período histórico e o país de construção;
  • A mesma abordagem é adotada para reunir materiais sobre os equipamentos do navio, que também são inseridos no jogo, como armamento, usina de propulsão, sistemas de mira, guindastes, barras de carga e outras tecnologias que possam ter sido previstas na embarcação;
  • Todos os dados obtidos são agrupados e cruzados com os de outros navios do mesmo tipo. Daí vem a base para elaboração de um projeto de rascunho em 3D.

2. Agrupamento das características principais

Os desenvolvedores chegam agora ao estágio inicial da modelagem do navio, quando agrupam seus principais equipamentos, projetam todos os níveis de plataforma e verificam conformidade entre todos estes itens:

  • Acomodação do equipamento principal a bordo do navio (plantas de propulsão principal e auxiliar, seções de armamento e de armazenamento de munições, layout da couraça, hangares de aeronaves, catapultas, botes salva-vidas e outros).
  • Esboço das plantas para os conveses, porões, superestruturas e para o perfil interno do navio;
  • Cálculo de cargas de massa e verificação da correspondência entre o peso dos equipamentos e o deslocamento da couraça na água.

3. Elaboração da couraça

Com os equipamentos principais e plataformas preparadas, agora a equipe se concentra na concepção da couraça do navio, que é projetada levando em consideração tudo que está dentro dela e, novamente, com base nos documentos históricos obtidos:

• Desenvolvimento de acordo com o protótipo disponível;

• Em caso de ausência de materiais ou se o navio não chegou à fase de conclusão na realidade, os desenvolvedores se baseiam em navios do mesmo tipo e da mesma nação, dimensionando o projeto para corresponder às especificações técnicas levantadas;

• Situações extremas demandam o desenvolvimento do zero, em um processo de descobrimento das características da carenagem do navio, deslocamento na água, posição do centro de flutuação e outros parâmetros hidrostáticos.

4. Implantação de equipamentos auxiliares

Por fim, demais equipamentos relacionados ao navio são ordenados nas plataformas modeladas. Com isso, a equipe se atenta a quaisquer interseções, sobreposições ou blocos que afetem a organização dos itens.

Depois disso, World of Warships recebe um navio que atende às expectativas dos desenvolvedores em dois sentidos: jogabilidade e correspondência aos fatos históricos reais.

Navio brasileiro de graça para novos jogadores

Cruzador Almirante Abreu
Cruzador Almirante Abreu

A Wargaming está oferecendo aos novos jogadores um código gratuito com bônus exclusivos no World of Warships, incluindo o cruzador Almirante Abreu, primeiro navio brasileiro do jogo. Veja abaixo todo o conteúdo disponibilizado pelo código:

  • Navio brasileiro Almirante Abreu e sua camuflagem permanente Ordem e Progresso
  • 20 camuflagens brasileiras
  • 500 Dobrões e 1,000,000 Créditos no jogo
  • 3 dias de conta Premium

Para resgatar estas recompensas, basta acessar este link, selecionar a opção “Tem código de convite?”, inserir o código “ESTRONDO” (sem aspas) e finalizar a criação da conta Wargaming.

DIVULGAÇÃO: theogames

- Advertisement -

11 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Saldanha da Gama

O problema é o canhão com 40s de reload….

2Hard4U

Tanto o Kansas como o Minnesota possuem armas pesadas de 406mm, porém com uma recarga de 40s aliada a sua baixa velocidade de apenas 23 nós, tornam-se presas relativamente fáceis.
Utilizei o meu Scharnhorst B alemão que possui armas bem menores de 283 mm complementadas por torpedos, porém com uma taxa de recarga de 20s e velocidade máxima de 30 nós contra um Kansas, e num curto espaço de tempo completamente demoli o navio inimigo que sequer podia tentar fugir devido a sua baixa velocidade.
O Vermont possui 4 x 3 457mm porém com as mesmas limitações dos seus predecessores.

eduardo40

Um belo battleship, assim como muitos não teve a oportunidade de ser construido.

willhorv

É para combate a distância, suportar dano pesado e eliminar qualquer ataque aéreo. Se os jogadores fizerem uma divisão com um cruzador de escolta, fica difícil vencer deles.
Ahh…queria o Abreu também…mas jogo a mais de 5 anos….podiam liberar uma missão dedicada brazuca né!? Fica a dica! Hehehe

Last edited 2 meses atrás by willhorv
João

Dentro do jogo a defesa aérea e quase inútil, mesmo a defesa em bloco com vários navios juntos,já que esta foi nerfada, os CVs são muito overpower. Recomendo assistir o vídeo “The fun police” do youtuber “The Mighty Jingles”, que ele fala sobre o assunto.

Mahan

USS Vermont, sub nuclear, visitará o Brasil?

Dalton

Sim, e fazia um tempo que o Estado de Vermont andava esquecido pela US Navy desde que foi comissionado um encouraçado pré dreadnought , desmantelado ainda relativamente jovem após a I Guerra de acordo com o Tratado de Washington. . Então em 2014 foi anunciado que um submarino da classe Virgínia ostentaria o nome do Estado novamente sendo comissionado em abril último e que terá que retornar ao estaleiro ano que vem para alguns meses de ajustes, obrigatório para todo navio e submarino novo da US Navy. . Por conta do Tratado de 1922, os EUA cancelaram 6 grandes encouraçados… Read more »

CVN76

Chegou hoje na nova base de submarinos da Ilha da Madeira onde ficará por 10 dias!

Moriah

Foi coincidência?

Ricardo

Pena que ainda falta muito pro legend chegar nesse nível.

jonas123

Enquanto não houver Porta-aviões, podemos navegar tranquilos. Quando eles aparecerem…

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Londres teme que submarinos russos ‘super silenciosos’ operem em águas britânicas

Segundo o The Telegraph, novos submarinos russos supostamente representam uma ameaça à segurança britânica, rastreando a frota da Grã-Bretanha,...
- Advertisement -
- Advertisement -