sexta-feira, outubro 15, 2021

Saab Naval

Incorporado o INS Karanj, terceiro submarino feito na Índia com base no projeto Scorpène

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Em 10 de março de 2021, o INS Karanj, terceiro submarino da classe P75 Kalvari, foi comissionado pelas mãos do ex-Chefe do Estado-Maior Naval Almirante VS Shekhawat, PVSM, AVSM, VrC (Ref.), na presença do Chefe do Estado-Maior Naval Almirante Karambir Singh, FOC-in-C (Oeste) VAdm R Hari Kumar, CWP & A VAdm Sandeep Naithani, CMD MDL VAdm Narayan Prasad (Ref.) e vários outros dignitários.

O INS Karanj foi totalmente construído pelo estaleiro indiano Mazagon Dock Shipbuilders Limited (MDL) com base no design francês Scorpene®.

Após uma série de eventos notáveis ​​em meio a uma situação sanitária desafiadora ao redor do mundo, como o lançamento do Vagir (o quinto submarino) em novembro de 2020, o comissionamento do INS Karanj ocorreu em 10 de março de 2021.

O evento destaca o sucesso do programa de construção de submarinos autóctones do Governo da Índia. Este submarino foi totalmente construído pela Mazagon Dock Shipbuilders Limited (MDL) com apoio externo limitado, aproveitando a transferência de tecnologia bem-sucedida do Naval Group durante a construção e os testes dos dois primeiros submarinos. Esta série de seis unidades foi dotada de vários equipamentos, construídos na Índia por Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs) industriais qualificadas e altamente treinadas, que formam a base sólida do ecossistema de construção de submarinos da Índia.

“O Naval Group tem muito orgulho de fazer parte do programa P75 Kalvari, o primeiro de seu tipo, para fornecer submarinos totalmente ‘Made in India’ para a Marinha Indiana. Este programa é um elemento importante da autonomia estratégica de que goza a parceria indo-francesa e da autonomia estratégica, desenvolvida ao longo das últimas décadas. O comissionamento do INS Karanj, em meio aos desafios da Covid-19, representa marcos industriais únicos e ilustra a Aatmanirbharta (autossuficiência) da Marinha Indiana e da indústria de defesa naval. Estou ansioso para estabelecer parcerias maiores e mais significativas com a indústria indiana que ajudarão na sustentabilidade de nossa cadeia de suprimentos global e participação industrial, ao mesmo tempo que nos permite fazer parte da história de sucesso da economia e da comunidade indiana”, mencionou Pierre-Eric Pommellet, CEO e Presidente do Naval Group.

O aumento das competências que a indústria e o estaleiro indianos alcançaram durante a última década é muito inspirador. Este conhecimento precioso e de alto valor e conjuntos de habilidades construídos em torno do programa precisam ser preservados, nutridos e melhorados com contratos em andamento/futuros para que os indianos.
A indústria de defesa naval pode atender perfeitamente a produtos militares de natureza semelhante ou avançada para a Índia e também para o mundo.

O SCORPENE®, um submarino moderno, de alto desempenho e furtivo

O Scorpene® é um submarino de propulsão convencional de 2.000 toneladas projetado e desenvolvido pelo Naval Group para todos os tipos de missão, como guerra contra navios de superfície, guerra antissubmarino, ataques de longo alcance, operações especiais ou coleta de inteligência. Extremamente furtivo e rápido, possui um nível de automação operacional que permite um número limitado de tripulantes, o que reduz significativamente seus custos operacionais. A sua vantagem de combate destaca-se pelo fato de possuir 6 tubos de lançamento para 18 armas (torpedos, mísseis, minas).

Com 14 submarinos vendidos internacionalmente pelo Naval Group, o Scorpene® é um produto de referência essencial na área de submarinos de ataque convencionais (SSK) para Marinhas de todo o mundo. O produto é facilmente adaptado para melhorias solicitadas por qualquer cliente naval. A melhoria progressiva através de projetistas dedicados e experientes do Naval Group garante avanços contínuos e integrações de tecnologia moderna.

Sobre o Naval Group

O Naval Group é o líder europeu na defesa naval. O Naval Group usa seu extraordinário know-how, recursos industriais únicos e capacidade para organizar parcerias estratégicas inovadoras para atender às necessidades de seus clientes. Como integrador de sistemas e contratado principal, o grupo projeta, produz e dá suporte a submarinos e navios de superfície. Também presta serviços para estaleiros e bases navais. Atento à responsabilidade social corporativa, o Naval Group adere ao Pacto Global das Nações Unidas. O grupo registra receitas de 3,3 bilhões de euros e tem uma força de trabalho de 15.798 (dados de 2020).

Sobre o Naval Group India

O Naval Group India é uma subsidiária 100% detida pelo Naval Group, com sede em Paris, França. Estabelecido em setembro de 2008 como DCNS Índia, tem sua presença sentida em 2 grandes cidades: Mumbai e Nova Delhi. O principal objetivo do Naval Group India seria apoiar a localização por meio de atividades ‘Make in India’ para equipamentos dos submarinos Scorpene®, para desenvolver o ecossistema de defesa indiano, bem como desenvolver serviços de projeto na Índia com talentosos engenheiros indianos. O esforço do Naval Group India é ser um visionário e aumentar seu envolvimento na capacitação de mais e mais indústrias, criando um ecossistema robusto que possa atender às diversas necessidades de defesa do país.

DIVULGAÇÃO: Naval Group

- Advertisement -

44 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
44 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Caio

Reclamam porque temos um litoral muito maior do que o da índia, e uma frota igual a de Bangladesh, se não for mais fraca para o combate, baba ovo.

Last edited 7 meses atrás by Caio
Vovozao

10/03/21 – quarta-feira, btarde, Caio, MK48 so esta defendendo o grupo dele, ja que ele é da MB, então não aceita criticas, quando criticam MB, ele fica zangado, esquecendo que vivemos num regime democratico, onde é permitido criticas, desde que nao ajam ofensas. SDS.

Teropode

São caras de pau , corporativistas babacas .

Mauricio Pacheco

E vocês ¨reclamões” babacas? Não tiveram competência para ingressar na MB, vivem para criticar!

Wilson Look

Muitos comentários que eu leio aqui, quando criticam a MB, ou outra das FAs brasileiras, as vezes, ao meu ver, trazem um tom muito mais voltado ao insulto a instituição ou a alguns de seus integrantes, do que uma crítica propriamente dita.

Uma crítica verdadeira, sempre traz em seu conteúdo uma dica de algo que está errado e que deve mudar, e esse algo normalmente é algo que ainda não foi visto, mesmo estando bem na frente do nariz.

Esteves

O Insulto. 2018.

O incidente (ver o filme) gera um xingamento, que evolui para uma humilhação, que cresce até chegar aos tribunais…que ganha a mídia, que incita o povo, que convoca o presidente.

Impressionante.

José Luiz

Realmente tem muitos comentários indignos de serem lidos. Mas hoje com a internet o pessoal tem informação básica de como estão as frotas e tecnologias militares no mundo e isso gera frustação e aí vem as críticas. Admirável o patriotismo, disciplina e apreço pelas tradições navais da nossa gloriosa Marinha mas isto não substituí a quantidade de meios e a tecnologia no estado da arte em todas as faces do poder naval. Parabéns Mk 48 por sua vocação e serviço.

Mondelo

mk48, mas o que adianta termos um ótimo nível de adestramento se nossas forças seriam dizimadas contra qualquer potencia militar (me desculpe a sinceridade mas eu duvido muito que temos adestramento suficiente para combater numa guerra moderna). Existem forças armadas de países que possuem um orçamento menor que o nosso e possuem forças no estado de arte muito superiores as nossas. Respeito muito a sua profissão, mas temos o direito de cobrar de vocês militares que cumpram a sua missão com eficácia, que é proteger o pais. E a grande verdade e que nossas forças militares não estão preparados para… Read more »

Wilson Look

Por curiosidade resolvi pesquisar a diferença entre o litoral brasileiro e o indiano, o tamanho deles não é muito grande assim, pelo que eu li.

De acordo com o CIA World FactBook, a Índia tem 7 mil Km de litoral enquanto o Brasil tem 7.491Km, a grande diferença está na ZEE em que a brasileira chega a ser, atualmente, quase que o dobro da indiana.(a brasileira tem em torno de 4.5 milhões de Km², enquanto que a indiana fica entorno de 2.3 milhões Km²).

Marcelo Baptista

Wilson, só lembrando que também conta quem são os vizinhos. Quais vizinhos nós, hoje ou a médio prazo (5 anos) podem nos causar algum problema?
Obvio que o tamanho do litoral e de nossa ZEE nos obrigam a termos muita responsabilidade, mas provavelmente a Índia tem muito mais preocupações que nós.

Wilson Look

Eu concordo, as realidades são muito diferentes.

Abordei apenas os tamanhos dos litorais e ZEE, pois esses são o ponto do comentário que me deu curiosidade de ver o quão maior é o litoral brasileiro frente ao indiano.

Rudi PY3TO

Pesquise então sobre ISRAEL , tamanho do litoral, tamanho da Israel Navy!

Wilson Look

Pesquise também as diferenças nas relações com os vizinhos que Israel e Brasil tem.

Só por curiosidade o País com o maior litoral é o Canadá, com mais de 200 mil Km, e eles estão bem longe de ter a maior marinha do mundo.
As relações internacionais e as ambições dos países tem um peso muito maior na elaboração de como será uma marinha do que o tamanho do litoral.

Caio

As nossas instituições precisa se mostrar respeitosas, POIS CUSTAM MUITO. Daqui a pouco vai querer que se abaixe a cabeça para juízes e políticos porque são instituições consagradas.
Não concordo com ofensas, mas com cobranças sem nenhuma dúvida, só assim elas irão funcionar na mesma proporção dos seus gastos.

Last edited 7 meses atrás by Caio
Mauricio Pacheco

O ¨lacrador” nem se deu ao trabalho de pesquisar o tamanho do litoral dos dois países, já foi logo comentando!
Logo abaixo, aqui nos comentários tem informação pra você!

Camargoer

Olá MK48.
Os Scorpenes indianos são convencionais sem AIP.

Esteves

Salve Professor,

Ja ia perguntar sobre vossa ausência. Bom lê-lo novamente.

Camargoer

Olá Esteves. Um grande abraço. Estamos bem… espero que você e todos os amigos da trilogia também estejam bem. Acho que o isolamento sobrecarrega o emocional e o físico.. tudo que parecia ser simples de ser feito se torna mais difícil.. mas torcendo para que todos possam ser vacinados o mais breve possível. Com saudade das boas conversas aqui no PN.

Camargoer

Olá MK48.
Obrigado. Sinto muita falta dos amigos aqui do PN.

Esteves

O retorno é importantíssimo. O ex voltou e…agora todos, todos mesmo querem a vacina. Só que não tem.

Não é do tempo do prezado o seriado a Ilha dos Birutas.

Quanto a nossa MB..também não tem navio.

Segue o enterro.

camargoer

Ola Esteves. Vou evitar o debate para preservar a sanidade.

Mondelo

Caramba o nível de comentários aqui na trilogia está caindo muito.

Acompanho a trilogia desde 2007, bons tempos com comentários técnicos onde poucas vezes os comentaristas fugiam do tópico. Comentários políticos eram quase mínimos.

Agora a cada tópico, sempre tem algum babaca que tenta levar a discussão para nível politico.

Até onde eu sei, o tema desse blog e sobre defesa, se o pessoal que ficar discutindo politica por não procura um blog com esse tipo de tema?

Antigamente aqui quando algum comentarista tentava desviar o foco do debate era reprendido pelos editores. Principalmente quando era algum comentário politico.

Flamenguista

Boa…Os Srs poderiam me dizer se os Scorpenes indianos tem aquela seção à mais, tal qual os SBR?

Camargoer

Olá Flamenguista.
Os Scorpenes indianos não tem nenhuma seção adicional. Eles têm propulsão convencional. A ideia de aproveitar uma seção adicional para ampliar o conforto da tripulação foi uma inovação da MB.

camargoer

Olá Mk48. Obrigado pelo comentário. Muito bom.

A C

Talvez fosse interessante um intercambio entre as marinhas brasileira e indiana no quesito Scorpene para troca de experiencias, licoes aprendidas, etc.Tanto na fase de projeto quando posterior operacao.

Thiago A.

E continuam no contexto do IBSAMAR , que foi adiado por conta da pandemia. Infelizmente o Brasil/MB , que eu saiba, enviou nessas ocasiões no máximo um OPV ou uma Corveta( sim sempre ela, a guerreira incansável). Um tanto ridículo para uma Marinha que deveria espelhar as ambições da maior econômia do da AL, do hemisfério sul e “leader”( muitas aspas nisso) sul-americano. Pouco crível como interlocutor e potência regional.

Pablo

Só um lembrete:
Fechem a escotilha

Teropode

Para os Scorpenes do Brasil a fica é : Não façam festinhas regradas a destilados e leite condensado dentro do sub , já afundaram um assim , além de terem queimado uma base de pesquisa na Antarctica .

Mauricio Pacheco

Comentário infeliz!
Vai comer seu capim agora, vai!

Pablo

Sempre aparece um vira lata pra defender os gringo a falar mak do Brasil.
Brasileiro sendo brasileiro

Rudi PY3TO

02 submarinos (teve outro a alguns anos atras)

Nostra

No , but they all will be fitted with DRDO AIP during MLU.

Nostra

On 8 March DRDO announced that it has successfully completed the trial of the landbased AIP prototype.

EwBT0fiWgAIzq6J.jpeg
Nostra

DRDO Fuel cell based AIP.

Will be installed in
1. 6 P75 scorpene submarines during MLU.
2. 6 P75I submarines during construction.

EwBT0faXEAAbccj.jpeg
Last edited 7 meses atrás by Nostra
Nostra

3 serving admirals in an event is too much admirals ?

1 retired admiral is guest of honour.

1 retired admiral is CEO of the shipyard.

Last edited 7 meses atrás by Nostra
Esteves

. O Naval Group India é uma subsidiária 100% detida pelo Naval Group, com sede em Paris, França. Estabelecido em setembro de 2008 como DCNS Índia…

O mesmo ano do nosso contrato. Parece que os franceses Estavam bastante ativos naqueles anos.

. O esforço do Naval Group India é ser um visionário e aumentar seu envolvimento na capacitação de mais e mais indústrias, criando um ecossistema robusto que possa atender às diversas necessidades de defesa do país.

Parece também que fizeram um acordo mais abrangente que o nosso.

Funcionario da Comlurb

“Parece também que fizeram um acordo mais abrangente que o nosso.”

Tem como provar isso, ou é só copy paste de textos da internet, como de seu costume ?

Last edited 7 meses atrás by Funcionario da Comlurb
Thiago A.

Olá prezado Mk, antes de tudo distancio-me de qualquer insulto/ofensa a você como forista e como servidor da MB. Sua vocação e serviço são dignos de louvor e respeito, inclusive quando ainda garoto era meu sonho vestir a farda de marinheiro na MMI, mas vida me reservou outros percursos. Dito isso, as reclamações ou cobranças são legítimas e cabíveis pois a MB é uma NOSSA instituição ( militares e civis) não faria sentido cobrar algo da Marinha indiana que não nos pertence.
Abs

Willber Rodrigues

Se tá cheio de almirantes indianos no evento DELES, isso é problema DELES. Afinal, ninguem aqui ( com exceção do Nostra… ) paga impostos pra sustentar a Marinha Indiana. Mas nós pagamos ( e muito, e caro ) impostos pra sustentar a MB. Então, se ofensas gratuitas não ajudam em nada ( além de serem desrespeitosos e contraproducentes ), as críticas são válidas SIM. Afinal, somos NÓS, os pagadores de impostos, é que sustentamos a MB. Sei que vocês, milicos, não tem muito costume de respeitarem o dinheiro do contribuinte, e se acham uma classe acima do bem e do… Read more »

filipe

O Scorpene é um sucesso de vendas , um feito extraordinário de engenharia militar da França, vimos os espanhois abandonando o consórcio na tentativa de criarem o S-80A , parece que se deram mal, a Malásia, o Brasil, a Índia e o Chile foram todos convencidos pela Naval Group e pelo seu produto, o bom de tudo é a transferência de tecnologias, e a integração das industrias nacionais ao seu produto, a Austrália arriscou mais e jogou mais pesado na classe Barracuda Convencional, talvez devesse optar pelo Scorpene , seria mais económico.

filipe

Parece que o Barracuda Convencional extrapolou todo o orçamento, segundo muitas fontes , o orçamento dobrou, são 12 embarcações muito caras de manter e operar ao longo do seu ciclo de vida útil, o facto de ser um derivado directo de um submarino nuclear tornou o projecto mais complexo de ser executado… O Brasil comprou um projecto de submarino convencional e baseou o casco do submarino nuclear no projecto convencional , a Austrália fez o inverso.

Last edited 7 meses atrás by filipe
Fabio Araujo
Luís Fernando Curvo

Quando se dará a incorporação dos nossos subs ? Alguém sabe dizer em que pé estão???

- Publicidade -

Últimas Notícias

Japão lança o ‘Hakugei’, segundo submarino classe Taigei

O Japão lançou ao mar o segundo de uma nova classe de submarinos diesel-elétricos. O novo submarino, que foi batizado...
- Advertisement -