sexta-feira, agosto 12, 2022

Saab Naval

Começa o ‘Sea Shield 21’, exercício multinacional da OTAN na área do Mar Negro

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

É o maior e mais complexo exercício multinacional da OTAN organizado pelas Forças Navais Romenas na área do Mar Negro

Mais de 2.400 militares de oito países, 18 navios e 10 aeronaves, participam, entre 19 a 29 de março, do “Sea Shield 21”, o maior e mais complexo exercício multinacional da OTAN organizado pelas Forças Navais Romenas, no ano de 2021, na área do Mar Negro. As atividades de treinamento são lideradas pelo Comando da Frota, e as forças participantes são da Bulgária, Grécia, Holanda, Polônia, Romênia, Espanha, Estados Unidos e Turquia. O Comando Marítimo Aliado da OTAN participa com o grupo naval permanente SNMG-2 (Standing OTAN Maritime Group), que também inclui a fragata romena “Regina Maria” (Type 22 Batch 2).

O principal objetivo do exercício multinacional “Sea Shield 21” é verificar e fortalecer o nível de interoperabilidade e cooperação entre as Forças Navais Romenas e outras categorias de forças do Exército Romeno, várias estruturas sob o Ministério de Assuntos Internos e outros navios da OTAN.

Inclui todas as fases de uma operação militar naval da OTAN em resposta a uma crise geopolítica na região e visa demonstrar o compromisso constante do Exército Romeno para fortalecer a posição marítima da Aliança e desenvolver a interoperabilidade das forças em todos os ambientes de combate (marítimo, submarino, terrestre e aéreo).

A primeira edição do Exercício Multinacional “Sea Shield” teve lugar em 2015, e nos anos seguintes os seus cenários foram adaptados para responder, de forma rápida e eficiente, a todo o espectro de ameaças à segurança marítima e à estabilidade regional.

Um cruzador, um destróier, fragatas, corvetas, caça-minas, barcos lança-mísseis, um navio-patrulha e rebocadores unirão forças para realizar as planejadas sequências marítimas do exercício multinacional “Sea Shield 21”.

E a luta contra as ameaças aéreas vai ser assegurada por aeronaves F-16 “Fighting Falcon”, MiG-21 “Lancer” e IAR-330 da Força Aérea Romena, juntamente com caças “Eurofighter Typhoon” da Espanha e aeronaves de alerta aéreo antecipado dos EUA e Turquia.

Na área costeira, três destacamentos móveis de lançamento de mísseis das Forças Navais Romenas e uma bateria de mísseis costeiros das Forças Navais Polonesas atuarão em conjunto cem Capu Midia, para repelir as forças inimigas.

Os poloneses estão participando do exercício “Sea Shield 21” pela primeira vez com um sistema móvel de mísseis superfície-mar “Kongsberg”. O estabelecimento do destacamento naval conjunto romeno-polonês e a harmonização dos procedimentos operacionais para o ataque ao inimigo, de acordo com o cenário, estão planejados entre os dias 17 e 19 de março.

As sequências marítimas do “Sea Shield 21” são complementadas pelo exercício de procedimentos operacionais de proteção das vias terrestres e do porto de Constança, com a participação, em conjunto, de um destacamento de mergulhadores militares especializados no combate a artefatos explosivos improvisados ​​(EOD) com subunidades de infantaria das Forças Terrestres Romenas.

O Estado-Maior das Forças Navais tem previsto, no âmbito do “Sea Shield 21”, a avaliação do pacote naval único colocado à disposição da NATO e da UE, bem como a certificação da fragata “Regina Maria” para fazer parte do Pacote de forças de resposta da OTAN (NRF, Força de Resposta da OTAN), em 2022.

Os exercícios “Sea Shield” e “Poseidon” planejados, organizados e liderados pelas Forças Navais romenas estão incluídos no Programa Combined Joint Enhanced Training (CJET) da OTAN, um conceito complexo para o treino das forças aliadas, que foi proposto pela Romênia na Cimeira da OTAN de Varsóvia, em 2016, para reforçar as medidas de segurança no flanco sudeste europeu, bem como para garantir a continuação da presença das forças aliadas na região do Mar Negro.

Os navios militares aliados vão atracar no porto de Constança, entre os dias 17 e 19 de março, para uma escala para restaurar a capacidade de combate e para a preparação dos últimos detalhes organizacionais.

Fragata romena Regina Maria – F222

- Advertisement -

17 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
angelo bigalli

Vão esbarrar nos sub russos….vão tirar tinta…..

Willber Rodrigues

Na segunda foto…impressão minha, ou a fragata romena tem algum “parentesco” com a Rademaker?

Willber Rodrigues

Pode dizer quais as principais diferenças entre Batch 1 e 2?

Willber Rodrigues

Muito obrigado

Flanker

Observe que as Type 22 Batch 1 e 2 não possuem canhão na proa. A fragata romena em questão, Regina Maria F222, apesar de ser Batch 2, teve um canhão Oto Melara 76 mm instalado posteriormente, o mesmo acontecendo com o outro navio dessa classe também adquirido pela Romênia, batizado de Regele Ferdinand F221.

Kemen

Essa fragata romena adquiridas da R. N.não dispõe atualmente de misseis, apenas canhões e torpedos. Para que serviriam numa T. Force da OTAN?

Dalton

Pelo menos um helicóptero também é embarcado, mas, da mesma forma que as “Oliver Perry” da US Navy tiveram o lançador de mísseis retirado, responsável pelo lançamento de mísseis SM-1 e Harpoon e no lugar instalado um canhão de 25 mm, o que mais importa é a presença, comprometimento e integração.

Flanker

Os lançadores de Exocet não estão presentes. Não sei se a Romênia opera esses mísseis. Quanto aos Sea Wolf, em lançadores conteiráveis, que eram o padrão dessas fragatas, devem ter sido retirados devido à obsolescência desse armamento. Acho que na MB esse míssil tb já está inoperante.

Willber Rodrigues

A primeira coisa que percebi logo de cara foi a falta dos lançadores de mísseis na proa, igual a Rademaker

Kemen

Willber, além do casco maior e algumas modificações estruturais, foi introduzido o sistema de comando computadorizado CACS-1 em vez do CAAIS, o sonar passivo rebocado 2031Z, sistemas de guerra eletrônica mais sofisticados para detecção de comunicações e outras modificações que podem ser observadas abaixo.
comment image

Last edited 1 ano atrás by Kemen
Rene Dos Reis

Olha a Romênia no meio do enrosco conta a Rússia novamente se não me engano também invadiram a Rússia na segunda guerra ,confirma?

Willber Rodrigues

Sim, a Romenia ( governada por Antonescu ) se juntou a Alemanha na Operação Barbarossa

Dalton

A URSS invadiu duas províncias romenas primeiro o que levou o país a uma aliança com à Alemanha, ou seja, de forma similar a “valente” Finlândia, acreditou-se que nazistas seriam um pouco pmelhores que comunistas.
.
Finda a guerra, a Romenia tornou-se parte do Pacto de Varsóvia, mas, sempre foi um tanto quanto independente e continuou flertando com o ocidente até que com a dissolução da URSS, pediu e finalmente foi aceita como membro da OTAN em 2004 o que não agradou muito os russos.

Azor

Qual seria a reação dos USA se houvesse manobras russas no Caribe ?

Dalton

Apenas iria monitorar o “exercício”, mas, simplesmente não há motivos para a Rússia enviar alguns de seus poucos combatentes de superfície, tão necessários em outros locais, apoiados por navios auxiliares para tentar intimidar os EUA e/ ou apoiar Cuba e/ ou Venezuela e/ou promover operações de liberdade de navegação, já que os EUA não plantaram “ilhas artificiais” no Caribe em área disputada por outras nações. . O Mar Mediterrâneo, onde agora encontra-se o USS Dwight Eisenhower e o Mar Negro, são regiões mais importantes porque concentram um grande número de países, muitos dos quais sentem-se intimidados pela Rússia e/ou já… Read more »

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Representante da Argentina vem ao Brasil pedir apoio na luta pela soberania das Ilhas Malvinas

O secretário para Malvinas, Antártica e Atlântico Sul do governo da Argentina, Guillermo Carmona, virá ao Brasil na próxima...
Parceiro

- Advertisement -