quinta-feira, junho 30, 2022

Saab Naval

Turquia lança primeira corveta MILGEM para o Paquistão

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A primeira corveta da classe MILGEM para a Marinha do Paquistão, PNS Babur, foi lançada no Estaleiro Naval de Istambul (INSY) no domingo (15).

“Cerimônia de lançamento do 1º navio da classe MILGEM para PN realizada no Estaleiro Naval de Istambul. O presidente do Paquistão, Dr. Arif Alvi, e o presidente da Turquia, Tayyip Erdoğan, honraram a cerimônia como convidados principais”, anunciou a Marinha do Paquistão em 14 de agosto.

Os navios da classe MILGEM “Ada” serão empregados em uma variedade de missões, incluindo reconhecimento, vigilância, alerta antecipado, guerra antissubmarino, guerra antissuperfície, superfície-ar e operações anfíbias. Eles virão equipados com recursos stealth, armas de 5ª geração e sensores, incluindo sistema de mísseis desenvolvidos localmente.

O Paquistão assinou um contrato para a aquisição de quatro navios da classe “Ada” com a Military Factory and Shipyard Corporation (ASFAT A.Ş.) em julho de 2018. A Marinha do Paquistão receberá seu primeiro MILGEM em 2023-2024, enquanto os outros três navios chegarão em 2025.

As entregas de todas as corvetas com as quais Turquia e Paquistão assinaram acordo em 2018 serão concluídas até 2025, confirmou Erdoğan na cerimônia.

O estaleiro Karachi & Engineering Works (KS&EW) está construindo os dois últimos dos quatro navios, enquanto o INSY é responsável pelos dois primeiros navios. O quarto navio de guerra será projetado em conjunto pelo Complexo de Tecnologias Marítimas do Paquistão (MTC) e será a primeira fragata projetada e construída localmente.

VÍDEO DA CLASSE MILGEM

- Advertisement -

47 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
47 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Dilbert_SC

Quem dera ver uma notícia dessas, mas ao invés ser ser a Turquia, fosse o Brasil exportando Fragatas, Escoltas e outros meios de superfície.

Flávio

Essas corvertas junto das Type 54 vão dar uma capacidade interessante a marinha do Paquistão.
Embora a marinha da Índia seja superior, em uma briga concerteza ela vai perder alguns dentes..

Willber Rodrigues

Ok, mas qual a lista de “dentes” e sensores” desses navios?

Antoniokings

Afirmo e reafirmo.
A Turquia tem a mais avançada e diversificada indústria militar da região.

Antoniokings

Comentário perfeito.
Para variar.

SDS

Hcosta

Depende, o que considera a região?
Por pouco não faz fronteira com a Rússia…
E se for a região do Mediterrâneo tem alguns países a ter em conta.

Antoniokings

Turquia é café pequeno para os russos.

Thiago

Não é não, se a região citada for o Mediterrâneo não preciso nem falar , se for o oriente médio temos Israel, que possui uma indústria muito desenvolvida, focada na produção de componentes e eletrônica avançada, não por nada é referência em vários rankings a nível global de pesquisa avançada e startups de TI , cibersegurança, genética, robótica…etc Israel é um dos países que mais dedicam recursos em P&D, um dos com maior concentração de empregados em P&D – 140 a cada 10 mil habitantes . Não estou desmerecendo a Turquia , que está fazendo um ótimo trabalho, mas ainda… Read more »

Antoniokings

Prezado.

Já se foi o tempo em que Israel desenvolvia parte significativa de seu arsenal.
Agora, claramente, voltou ao fornecimento ocidental, mormente americano.
A Turquia está lançando armas de todos os tipos em todos os campos aéreos, navais e terrestres.
Começou, inclusive, a desenvolver seu avião stealth, o que é impossível para Israel.

Hcosta

Comparar Israel com a Turquia?
A Turquia começou agora a desenvolver os seus próprios sistemas, não por vontade própria. Israel já o faz há muito tempo.
Israel é um dos maiores exportadores de armamento.

Impossível para Israel? Só não fazem porque é inviável. Mas tecnologia para o fazerem eles têm.
Quer uma lista de material Israelita?

André Macedo

A Turquia não teve os americanos socando dinheiro por lá…

Carlos Campos

Israel tem capacidade de fazer avião stelth, inclusive o J16 foi fruto dos israelenses, que talvez tenham passada ainda mais tecnologia para a China, mas a Turquia vai passar Israel, é questão de tempo, em questão de drone já passou, em radares já tem seu primeiro de GaN, ainda vão desenvolver um sistema SAM, que ainda não tem um de medio e longo alcance 100% local, coisa que Israel já tem, entre outras coisas.

Fernando Vidal

A Turquia sempre teve uma boa relação eM parcerias com a indústria Israelense. Acredito que utilizem muitos componentes israelenses, assim com a Índia também faz isso. Aliás nós também poderíamos fazer…. Mas aí na hora de escolher um sistema de mísseis AA de médio alcance para as nossas Fragatas preferimos comprar dos europeus ao invés de Israelense ou Sul-africano?. Os quais por exemplo jamais venderiam para um cliente que viesse a se interessar num navio Made in Brazil, como por exemplo uma Argentina ou Angola…. Enfim… Coisas da MB…

Hcosta

E quais são os sistemas?
No texto falam em sistemas de misseis desenvolvidos localmente: Desenvolvidos na Turquia ou no Paquistão?
Não sei se 250 milhões já incluem todos os sistemas.

WSilva

A Índia deve estar odiando tudo isso. rs

Mas temos que tirar o chapéu para o Paquistão, o soft power dos caras está pau a pau com China e Rússia ali no oriente médio.

HLopes

Voce deve estar confundindo soft power com outra coisa qualquer. O soft power do Paquistão é praticamente zero.

WSilva

Não é amigo, o Paquistão é muito influente no oriente médio, somente atrás de Russia e China. No oriente médio, ninguém gosta da Índia.

Antoniokings

Não bastasse a China, ainda tem o Paquistão se reforçando.

WSilva

Pois é amigo.

É claro que o potencial da Índia é enorme se bem gerenciado, mas hoje para mim o Paquistão é muito foda do que a Índia.

Antoniokings

Como eu afirmei aqui.
A Índia está encaixotada entre inimigos.
O único que ainda pode algum papo para ela é Bangladesh, que mesmo assim possui excelentes relações com os chineses.
E para piorar, o Afeganistão, que apesar não possuir fronteiras com ela, era próximo e mantinha uma presença militar americana que era ‘hostil’ aos inimigos da Índia.

WSilva

A Índia se torna ”inimigo” uma vez que se inclina muito para os EUA, deixando a sua política de neutralidade de lado, me parece um movimento arriscado e desesperado.

Não vai demorar muito para a Russia dar um ultimate na Índia uma vez que o governo americano já começa a pressionar o governo Modi para parar de comprar s-400 da Russia.

J R

Ultimato? A Índia é praticamente o maior comprador da Russia, depende deles para manter a maior parte de seus aviões, o que esta acontecendo é uma diversificação dos materiais, mas a Índia der uma banana pra Russia, essa tem mais a perder que os indianos.

WSilva

A Índia quer exclusividade da Russia e pelo que andei lendo, a Russia não quer transferir certas tecnologias que a Índia tem exigido em troca de continuar suas compras com a Russia, isso está chateando o governo Modi que começa a cair nas garras de Washington.

De qualquer forma, a Índia perde demais ao fugir da sua política de neutralidade

Adriano Madureira

LINDAÇO ! E que inveja…

Last edited 10 meses atrás by Alexandre Galante
Yuri Dogkove

Inveja do bem! kkkkk

Michel

É um lindo navio de guerra! Belo, moderno e poderoso.
Enquanto isso nos mares do Sul da América defendidos e patrulhados por certo país…

Esteves

“As entregas de todas as corvetas com as quais Turquia e Paquistão assinaram acordo em 2018 serão concluídas até 2025, confirmou Erdoğan na cerimônia.”

Metade do preço das Tamandarés. E metade do prazo também.

Hcosta

Vão construir dois navios na Turquia e dois na Paquistão. Isso ajuda nos custos e nos prazos. O esquema de construção totalmente feito no Brasil não dá muita margem de manobra nos prazos.

Esteves

O esquema que fizemos aqui foi assinar a construção de navios com um estaleiro alemão. Ao som de Wagner.

Por metade do preço e por metade do prazo eles colocarão 4 navios de combate no mar.

Ponto.

Hcosta

Mas não acha que adaptar um estaleiro demora tempo? E isto sem falar nas cadeias de abastecimento.
Na Turquia já tinham a linha de produção a funcionar e enquanto constroem as duas primeiras estão a preparar a construção no Paquistão.
Se optassem por fazerem uma ou duas no exterior, certamente demoraria menos tempo. Como foi o caso das Niterói.
E o preço não sei se inclui os sistemas.

Last edited 10 meses atrás by Hcosta
Esteves

O mundo virou para 1 mundo de resultado. Quem faz e tem e quem conta história.

O Brasil tem muita historinha. Doutor Fernando à parte.

Jodreski

vc está errado, esquema de construção aqui dá muita margem para prazo, para aumentar o prazo, até pq a MB só tem dinheiro a conta gota e nunca sabe ao certo quantas gotas consegue pingar//ano (devido a má gestão do seu orçamento).

Marcelo Baptista

Esteves, eles pagam quanto de impostos? O trabalhador Paquistanês ou Turco ganha quanto? O que me dói, não é a Turquia fazer mais barato e no Prazo! É saber, que perdemos o bonde da história, que poderíamos ser fornecedores de equipamentos de media tecnologia a preços extremamente convidativos. Mas, preferimos ser fornecedores de commodities! Nada contra commodities, mas precisamos de mais industrias para absorver a massa trabalhadora, e a medida que a indústria se moderniza precisamos de menos pessoas para produzir, e por consequência precisamos de mais industrias, e a espiral sobe, ou deveria subir, se tivéssemos lideranças. Me lembra… Read more »

Esteves

“O salário mínimo líquido individual será estabelecido em 2.826 liras turcas mensais (US$377), aumento significativo em relação ao índice anterior de 2.324 liras (US$310). O valor bruto, sem deduções como previdência ou impostos, chegará a 3.578 liras mensais (US$477,3). Para casais com três filhos, a remuneração mínima será de 3.013,70 liras turcas mensais (US$403)” Quanto pagam de salários ou de impostos é proporcional à carga tributária do país aonde vivem. Não preferimos fornecer matéria prima. Nós vendemos commodities porque isso é o que temos para vender. Carnes, minérios, oleosos, grãos, etanol que ninguém mais quer, comida. Não é pouca coisa.… Read more »

Esteves

Não são somente preços e custos. É a vontade de fazer.

Tem povo que nasceu pra fazer. Tem povo que não.

O engenheiro que virou suco, faliu.

Marcelo Baptista

Ou seja, concordamos, vc elaborou a resposta. obrigado

Pedro Bó

Paquistão e Turquia juntos…

Isso me dá calafrios!

Leonardo M.

Já viu a bandeira dos países?
São iguais apenas com cores diferentes

Fernando Vidal

Ver uma notícia dessas na dá até uma tristeza. Por que o Brasil não consegue fazer o mesmo…. E me faz pensar que tem alguma coisa errada na Marinha. Afinal, nos construimos acho que duas das Fragatas Niterói aqui no Brasil na década de 80, depois construimos sob licença as classes Inhaúma, depois as melhoramos com a corveta Barroso. Modernizamos as Niterói e desenvolvemos ao longo desse tempo uma série de tecnologias e tales. Por que agora de repente desaprendemos a fazer e precisamos de uma empresa alemã no meio do negócio para construir essas Corvetas vitaminadas das Tamandarés? Era… Read more »

Esteves

Almirante Karam disse. Ou disseram o que o Almirante Karam disse: -— Navio bom é alemão ou italiano. Os italianos ficaram fora do BAFO e naqueles anos, apesar da insistência do governo de PE, não Estávamos muito próximos deles. Na verdade também não Estávamos próximos dos alemães também. Vide Angra. Mas alemão trás boas recordações. Esquisito em país pobre é a Marinha do país pobre metida na construção naval. Abrindo e mantendo estatal. Pode ser dona do projeto, pode decidir o que quer na vida…mas os anos 1930 e 1970, anos de surtos construtivos, já não fazem mais história. Os… Read more »

João Adaime

Caro Esteves Permita-me explicar qual a vantagem da estatal sobre a empresa privada, aproveitando que você citou a estatal da prefeitura para explorar linha de ônibus. Os empresários são meros aproveitadores, que buscam o lucro de qualquer jeito, explorando os pobres trabalhadores, tendo-os em pequeno número, com salários de fome e jornadas estafantes. Por outro lado, as estatais preocupam-se em ter funcionários em bom número, bem remunerados (principalmente no primeiro escalão) e com jornadas de trabalho que lhes permitam desfrutar o que a vida tem de melhor. Alem de muitos outros benefícios indiretos. Como pode ver, uma estatal combate o… Read more »

Esteves

Esteves trabalhou em empresa privatizada. Privatizada haviam, ainda, resquícios. A empresa trabalhava no regime de caixa. Como os governos. Tem grana, paga. Não tem grana, não paga. Vendida novamente, quem comprou mudou o regime contábil para Regime de Competência. Como os bancos. Tem orçamento e nada acontece fora do orçamento. Vida planejada. Cortaram carros, cotas, viagens, passeios, cursos, almoços, rarara, brindes, festas, eventos, concursos e rarara novamente. A vida passou a ser meta e resultado. A empresa informava as regras, as metas, os índices. Depois acabaram com o PPR. Ninguém morreu. Na empresa privada o dinheiro tem dono. Na empresa… Read more »

João Adaime

Muito bom este teu depoimento. Espero que os que ainda defendem estatais prestem atenção de como era e como ficou. Vide Embraer e Vale, só para citar dois exemplos.

Adriano Madureira

comment image
comment image:large
comment image

Last edited 10 meses atrás by Adriano Madureira
Adriano Madureira

comment image

Yuri Dogkove

Que navio lindo!

Yuri Dogkove

Se seguir o cronograma o Paquistão receberá o quarto navio em 2025… Agora a pergunta de 1 milhão: Quando o Brasil receberá a quarta Tamandaré?

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Navios da Marinha serão abertos para visitação neste fim de semana em Vitória (ES)

Serão diversas embarcações e cerca de 1.700 militares atuando durante operação da Marinha do Brasil Quem tem vontade de conhecer...
- Advertisement -