sexta-feira, dezembro 3, 2021

Saab Naval

GUERRA FRIA: À caça de submarinos russos com sensores eletrônicos no Atlântico

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Por Richard Halloran – especial para The New York Times

NORFOLK, Va., 30 de novembro de 1979 – Os caçadores de submarinos americanos o chamam de Crazy Ivan;

Ele é o capitão de um submarino russo que navega calmamente e, de repente, coloca seu navio submerso em uma guinada, após a outra, virando à esquerda e à direita, mergulhando e subindo, acelerando e diminuindo a velocidade.

Então, tão repentinamente quanto, Crazy Ivan coloca seu navio de volta no rumo e segue em frente por mais algumas horas antes de passar pelo mesmo exercício novamente.

Em um jogo de caçador e caça que atravessa o Oceano Atlântico, os caçadores de submarinos americanos não aprenderam o nome verdadeiro de Ivan. Dizem que nem sabem o número de seu submarino porque, como disse um oficial daqui, “ele nunca aparece para nos mostrar”.

Mas eles o conhecem. O trabalho deles, formalmente conhecido como guerra antissubmarino, ou ASW, é encontrá-lo, rastreá-lo, executar exercícios práticos para destruí-lo e alimentar de volta cada fragmento de informação que eles possam coletar para que os analistas aqui e em Washington possam estudá-lo.

Os especialistas em guerra antissubmarino do Comando da Frota do Atlântico contam aqui a história de Crazy Ivan ao descrever o jogo de gato e rato que constantemente tenta rastrear os submarinos soviéticos.

Crazy Ivan é o capitão de um dos 60 submarinos de ataque que a União Soviética envia para percorrer o Atlântico.

Lá eles mantêm vigilância sobre os navios mercantes que trafegam nas rotas comerciais entre a América do Norte e a Europa e o Oriente Médio, praticando ataques para afundá-los.

Outros camaradas de Ivan comandam 40 submarinos carregando mísseis balísticos com ogivas nucleares voltados para cidades, indústrias e bases militares americanas.

A caça desses submarinos consome 24 horas por dia para as forças americanas de guerra anti-submarino, que são reforçadas por forças menores do Canadá, Grã-Bretanha, Holanda e Noruega. A coordenação dessa vigilância está a cargo da Força-Tarefa 24, unidade da Frota Atlântica americana que tem sede aqui.

O braço principal da Força-Tarefa 24 consiste em 12 esquadrões de aeronaves P-3 Orion, a versão militar do turboélice Lockheed Electra que é equipado com sensores eletrônicos manuseados por uma tripulação de 12 pessoas que podem voar até 17 horas a 60 metros acima do mar.

Além disso, os submarinos americanos abarrotados de sensores costumam ser chamados pela Força-Tarefa 24 para caçar submarinos russos.

Quando a aeronave Orion faz contato com um submarino russo, ela passa por manobras de guerra para rastreá-lo e pegá-lo, mas dentro de regras de combate que proíbem assédio ou ação que possa ser considerada hostil.

A informação mais extensa que os aviões e navios antissubmarinos coletam é acústica. “Cada submarino tem sua própria ‘assinatura’, porque não há duas peças de maquinaria que soem exatamente iguais”, explicou um oficial aqui. Uma lâmina de hélice lascada faz um som diferente. Cada gerador tem seu próprio zumbido. Uma bomba emite um ruído característico de dispositivos eletrônicos sensíveis.

Dados alimentados em computadores

Esses bits de informação são ouvidos, gravados e transmitidos de volta aqui, onde os analistas acústicos os estudam e os colocam em computadores.

Quando eles decidem que têm uma impressão sobre um determinado submarino soviético, as publicações que o descrevem e as fitas com seus sons de identificação são enviadas para a frota. Quando um contato de submarino é feito, os especialistas em guerra antissubmarino passam as fitas em seus computadores a bordo para encontrar uma correspondência.

Foi assim que identificaram o Crazy Ivan, que obviamente não é louco, apenas diferente.

A competição sem fim entre os caçadores e os caçados é uma corrida entre tecnologia e recursos. Oficiais navais de alto escalão aqui dizem que os Estados Unidos estiveram à frente no início e mal conseguiram manter a liderança. Mas eles dizem que estão atrás no segundo, com os russos aumentando a diferença.

Aqueles que dirigem o esforço antissubmarino afirmam que não têm aviões, navios, tripulação aérea ou pessoal de apoio em terra suficientes, ou combustível para acompanhar a rápida expansão da força de submarinos soviéticos que coloca 15 novos navios no mar todos os anos.

Assim, dizem, eles não podem saber onde cada submarino russo está o tempo todo. Os satélites os contam nos portos do norte. Dispositivos de escuta ancorados no fundo do oceano e aviões voando logo acima da superfície os contam conforme se movem para o Atlântico.

Mas, uma vez que estão no Atlântico, há oceano demais para rastreá-los. Para atenuar isso, no entanto, está o registro que os oficiais de submarinos americanos construíram, seu conhecimento das capacidades de cada submarino russo e sua estimativa das missões submarinas soviéticas.

“Podemos não saber onde eles estão o tempo todo”, disse um oficial aqui. “Mas achamos que sabemos onde ir para procurá-los.”

Submarino nuclear de ataque da classe Victor III da Marinha Russa

- Advertisement -

12 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Julio

Acho q vi a manobra Crazy Ivan, no filme Caçada ao Outubro Vermelho.

BK117

“Ponte, sonar! Rodamoinho!”
Seja na segunda guerra, na guerra fria ou nos tempos atuais, a guerra submarina consegue ser completamente fascinante!
Será que nossos P3 costumam encontrar bisbilhoteiros pelas aguas tupiniquins?

Joli Le Chat

Isso me lembrou daquele navio Yantar. Será que usaram os P3 para monitorar o navio russo?

Roberto Sarge

caríssimo, rsrsrsrsrs, “Ponte” não………………mas “Passadiço”………….

BK117

Obrigado pela correção, caro amigo!

Mas me refiro ao “Caçada ao Outubro Vermelho”

O rapaz do sonar, ao detectar uma manobra “Crazy Ivan”, grita:
Conn, sonar! Crazy Ivan!

E na versão brasileira foi dublado como:
Ponte, sonar! Rodamoinho!

A tradução tem vários errinhos desses, que em alguns momentos até confunde, mas tá valendo…

Aliás, alguém sabe se na época os brasileiros ou portugueses se referiam à Crazy Ivan como Rodamoinho ou se foi coisa da tradução mesmo?

Murder Nova

Parece que a tradução correta é “mainha, óia o redemunho!” 😜

Mk48

Sem dúvidas que em 1979 o sistema SOSUS estava atuante e dava aos EUA um bom handicap em relação aos submarinos soviéticos que adentravam o Atlântico. Na verdade o SOSUS estava presente também no Pacífico, numa época em que haviam dezenas de SSKs e alguns SSNs e SSBNs soviéticos em ação. . Nesta época a estratégia da USN consistia em FTs Hunter Killers , composta de 5 ou 6 destroyeres , nucleados em um PA , e este com diversos aviões e helis dedicados a guerra ASW. . Localizar um submarino no meio do oceano é tarefa muito dificil e… Read more »

Adriano Madureira

Uma vez os soviéticos enviaram o navio espião Yuri Gagarin aqui para a costa do RN monitorar a barreira do inferno…

Fábio CDC

Fascinante! Eu sou de Natal também e não sabia disso.

Roberto Sarge

no texto, a frase…..” Crazy Ivan coloca seu navio de volta no curso…”, corrijam para ” Crazy Ivan coloca seu navio de volta no RUMO…” ….SÓ uma sugestão de acerto de linguajar naval……..

Alexandre Galante

Obrigado, Sarge!

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

Rússia envia lançadores de mísseis antinavio para perto das Ilhas Curilas reivindicadas pelo Japão

MOSCOU (AP) - Os militares russos desdobraram sistemas de mísseis de defesa costeira para as Ilhas Curilas, uma cadeia...
- Advertisement -