sábado, maio 28, 2022

Saab Naval

GA-ASI conclui demonstrações marítimas europeias com o drone MQ-9B SeaGuardian

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A série de voos de 5 semanas com SeaGuardian inclui vários feitos inéditos da indústria

A General Atomics Aeronautical Systems Inc. (GA-ASI) concluiu uma série de demonstrações de voo que apresentavam um MQ-9B SeaGuardian® Remotely Piloted Aircraft (RPA) em parceria com a Royal Air Force (RAF). A série de demonstrações começou em 25 de agosto e terminou com a conclusão do Exercício Joint Warrior do Reino Unido em 30 de setembro.

“O apoio da RAF foi fundamental para o sucesso de nossas demonstrações”, disse o vice-presidente de Desenvolvimento Estratégico Internacional da GA-ASI, Robert Schoeffling. “Nossa parceria nos permitiu alcançar uma série de novidades no setor, pois apresentamos nossa RPA inovadora para oficiais militares de 16 países.”

Os voos mostraram as muitas capacidades operacionais do MQ-9B, incluindo a avançada inteligência marítima, vigilância e reconhecimento (ISR), sistema de detecção e prevenção (DAAS), autonomia líder da indústria e interoperabilidade com parceiros da OTAN. Durante o Joint Warrior, uma demonstração de Manned-Unmanned Teaming (MUM-T) ocorreu usando o SeaGuardian e um P-8 da RAF, mostrando a capacidade do SeaGuardian de complementar e apoiar as tarefas de Guerra Antissubmarino (ASW), que incluíam rastreamento, monitoramento e comunicação de sonoboias.

As demonstrações foram inicialmente baseadas na RAF Waddington antes de se mudarem para a RAF Lossiemouth para apoiar o Joint Warrior. Enquanto estava baseado na RAF Waddington, um voo viu o SeaGuardian voar para a Base Aérea de Leeuwarden, levando a RPA para o espaço aéreo da Holanda e provando uma transição perfeita entre as regiões de tráfego aéreo nacional, enquanto testava os procedimentos operacionais do espaço aéreo.

Esta demonstração de vários dias, que ocorreu em 1º de setembro, exibiu as capacidades de vigilância marítima do SeaGuardian em apoio aos aliados internacionais. A Real Força Aérea da Holanda encomendou quatro RPA MQ-9A e espera-se que a primeiro seja entregue a Leeuwarden ainda este ano. O SeaGuardian retornou à RAF Waddington na conclusão do evento.

Esse importante evento foi seguido pelo primeiro voo doméstico ponto a ponto aprovado pela Autoridade de Aviação Civil (CAA) do Reino Unido de uma aeronave não tripulada usando a estrutura aérea do Reino Unido, quando o SeaGuardian voou de Lincolnshire, Inglaterra para Moray, Escócia, em 12 de setembro. O voo foi controlado pelo NATS, o provedor de serviços de navegação aérea civil do Reino Unido.

“O MQ-9B é a primeira RPA a ter permissão para voar tão extensivamente no espaço aéreo controlado pelo Reino Unido”, disse Mark Watson, chefe de integração de serviços de gerenciamento de tráfego de sistemas de aeronaves não tripuladas (UTM) para a NATS. “Isso nos move muito em direção à notificação no mesmo dia para privilégios de apresentar e voar ’como uma plataforma com capacidade para Condições Meteorológicas por Instrumento (IMC).”

Um grande conjunto de artefatos de aeronavegabilidade foi revisado pela Autoridade de Aeronavegabilidade Civil do Reino Unido, que aprovou o MQ-9B para operações em espaço aéreo não segregado e não controlado pela primeira vez, com base no conjunto de tecnologias de desconflito do espaço aéreo e extensa documentação fornecida no Caso de Segurança.

O SeaGuardian é a versão marítima do MQ-9B SkyGuardian®. Como cliente de lançamento, a RAF encomendou 16 aeronaves em sua configuração, que eles batizaram de sistemas RPA Protector RG Mk1. O Protector é um derivado do SkyGuardian, apresentando uma série de modificações do cliente.

“Foi empolgante ver a coordenação entre o GA-ASI e nossa equipe da RAF”, disse o capitão do Grupo RAF Shaun Gee, Diretor de Programas Aéreos ISTAR (RPAS e TacISR) e Programa SRO Shadow. “Foi ótimo ver em primeira mão os recursos revolucionários da RPA que encomendamos para o Protector. A capacidade da aeronave de se integrar ao espaço aéreo europeu é fundamental para a RAF, bem como para nossos aliados internacionais.”

Os voos culminaram com a participação da RPA no exercício Joint Warrior liderado pelo Reino Unido, que mostrou como as capacidades marítimas do MQ-9B podem ser integradas a outros ativos aéreos, marítimos e terrestres. Uma audiência internacional observou a capacidade marítima da RPA, que inclui um radar de busca de superfície multimodo com modo de imagem de Radar de Abertura Sintética Inversa (ISAR), um receptor de Sistema de Identificação Automática (AIS), Medidas de Apoio Eletrônico (ESM) junto com câmeras ópticas e infravermelhas para vídeo de alta definição e full-motion. Como resultado de uma visita da liderança da Força de Fronteira do Reino Unido, durante a qual eles observaram as capacidades do sistema, um voo de demonstração de Ajuda Militar às Autoridades Civis (MACA) foi realizado sobre o Canal da Mancha.

Em apoio às Demonstrações Marítimas Europeias, a GA-ASI fez parceria com a SES, fornecedora líder de serviços de comunicações globais por satélite (SATCOM) que opera a única constelação de satélites multi-órbita do mundo em Órbita Geoestacionária (GEO) e Órbita Terrestre Média (MEO), e oferecendo uma combinação única de cobertura global e alto desempenho. Para as demonstrações, a GA-ASI aproveitou a conectividade GEO da SES em banda Ku, bem como o alcance de retorno da banda X fornecido por meio do satélite GovSat-1.

O GovSat-1, que é exclusivamente dedicado para uso governamental e oferece recursos multi-missão seguros, é operado como uma joint venture público-privada entre o Governo de Luxemburgo e a SES. O serviço SATCOM habilitou o MQ-9 a operar com segurança com um datalink de alta capacidade, permitindo a transmissão em tempo real dos dados do sensor da aeronave e do centro de operações usando um link SATCOM, incluindo taxas de dados de até 70 Mbps em alcance de retorno seguro.

“Com nossos serviços globais de conectividade por satélite, a SES tem apoiado as necessidades críticas da GA-ASI e de seus clientes governamentais por quase duas décadas, e estamos muito satisfeitos em participar deste esforço de demonstração como parte de nosso relacionamento de longa data com a General Atomics”, disse Will Tong, vice-presidente de iniciativas governamentais estratégicas e chefe do mercado Aero ISR da SES Networks. “À medida que as necessidades de nossos clientes evoluem e exigem serviços cada vez mais seguros, flexíveis e de alto desempenho para troca de dados em tempo real e alcance de retorno, estamos felizes em alavancar nossas capacidades existentes e inovar ainda mais com os sistemas de alta capacidade de próxima geração, como O3b mPOWER , permitindo a soberania da rede e aplicativos em escala de nuvem que os governos estão procurando.”

FONTE: General Atomics

- Advertisement -

26 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Leandro Costa

Precisamos de algo assim para ontem.

Jadson Cabral

Com alguma coisa em torno de um dúzia a MB estaria bem servida, viu? Diminuiria até a quantidade necessária de navios patrulha. Legal que a Stella Tecnologia tem proposta de um UAV aparentemente desse porte, ou semelhante. É claro que ainda estamos bem longe de chegar nessa maturidade, mas é algo que pode ser feito. Não é uma teologia tão complexa assim. E mesmo esses, que são caros, mas não chegam a ser tão caros assim a ponto de ser impeditivo, seria uma boa pedida. Uma força enxuta de navios patrulha, algo em torno de 12, e mais uns 12… Read more »

Hcosta

Funções diferentes.
Se não tiveres navios no mar os drones não servem para nada.
É como ter câmaras nas ruas e não ter polícias.

Esteves

Eita vontade de voar. Marinha é do mar ou do ar?

Last edited 7 meses atrás by Esteves
Jadson Cabral

Eu não disse que os drones devem substituir os navios. Eu disse que a presença deles diminui a quantidade necessária de meios para patrulhar uma região. Disse e repito, eu prefiro 1000x ter dezenas de plataformas como essas, onde pelo menos uns 8 estão o tempo inteiro voando a patrulhando os oceanos + mais alguns navios patrulha para esclarecer qualquer alerta dado pelos drones, do que ter apenas navios.
Para observação os drones são muito mais eficientes, pois estão no céu, cobrem uma área muito maior e são mais rápidos.

Carlos Campos

pessoal parece que não sabe interpretar texto, claramente vc disse que se complementam, ainda geram resultados maximizados.

Last edited 7 meses atrás by Carlos Campos
Hcosta

Como disse funções diferentes mas complementares. Mas, mais uma vez, se tiveres poucos navios patrulha pode não valer a pena ter muitos drones. Um drone deteta alguma coisa e se não tiveres um navio que possa atuar, por estar longe ou outro motivo, o resultado é o mesmo, ou seja, impunidade. É preciso intervenção direta.
Consciência operacional é essencial mas antes disso vem a operacionalidade básica.

Carvalho2008

Entao use dirigiveis com radar, mesma persistencia de navios por 7 dias, velocidade de cruzeiro de helicopteros e pode baixar RIBS

Hcosta

O problema não é detetar, é intercetar.

Mas os dirigíveis tem velocidade de Heli e pode baixar RIBS?
Acho que é uma boa ideia a dos dirigíveis mas não tripulados e com radar. Lento e a médias altitudes.
Tem também os aviões anfíbios, até tem uma nova versão do C-130.
Mas não me parece que nenhum deles vá substituir um navio patrulha.

Leandro Costa

Acho apenas que aeronaves assim otimizam os recursos e aumentam a eficiência da operação de Patrulha Naval. Acredito que tendo mesmo uma frota adequada de navios patrulha e ARP’s como essa, podemos otimizar e até economizar bastante em relação à recursos financeiros no final das contas. Tanto em relação à combustível, tempo de mar de embarcações, tripulações, etc. Uma coisa não substitui a outra, claro, mas torna sua operação bem mais eficiente, mesmo que ainda optemos por operar aeronaves tripuladas em conjunto com essas durante um bom tempo ainda. Eu realmente gostaria de ver aeronaves assim sendo projetadas e construídas… Read more »

Heinz Guderian

Caro Leandro, você está corretíssimo, uns 20 destes, e estaríamos muito bem servidos.

TeoB

Esse tipo de capacidade seria muito bem vinda a MB, baixo custo boa autonomia talvez uma versão nacional de drone seria viável, começar primeiro com vigilância de superfície e depois evoluir conforme vai se ganhando conhecimento…. se o programa for levado a sério dentro de uma decada ou um pouco mias podemos ter até drones de ataque ASuW e ASW

Jadson Cabral

Rapaz, a Stella já tem uma proposta de um UAV de grande porte bem semelhante a esse aí. Na verdade o desenho é praticamente uma cópia do Predator. Se a MB levar a sério, nós conseguimos faz isso bem antes de 10 anos. Os caras da Stella estão tirando dinheiro do próprio bolso pra desenvolver esses sistemas. Já têm três propostas de UAV em categorias diferentes e que podem atentar perfeitamente aos 3 ramos das forças armadas, sendo que um deles, o Atobá, até protótipo voando já tem. Se as forças armadas não levarem essa empresa a sério, se não… Read more »

Fernando Veiria

Você conhece a história da Engesa né?

Jadson Cabral

Conheço. E é justamente por essas e outras o meu receio. Mas eu acho que nesse caso as histórias são um pouco diferentes. A Engesa deu um passo muito grande e na época errada. A Stella não está dando um passo tão grande assim e o cenário, ao meu ver, é muito favorável. Segundo o que falam algumas fontes o comando da MB estira interessado da versão menor de UAV deles, o Albatroz, que está em fase de prototipagem e foi pensado justamente para ser operado no Atlântico. Aliás, a empresa já está em contado com a MB para fazer… Read more »

Carvalho2008

Sem dúvida é a caminho

Nao somente o projeto de monitoramento da Amazonia Azul como também todo e qualquer navio de 40 mil ton, 20 mil ton, 6 mil, 3 mil ou 500 ton devem ter um convés plenamente adaptado a operação de UAVs coerentes com sua dimensão e missão.

Jadson Cabral

Embora eu seja um entusiasta e queira muito ver esse tipo de sistema operando na MB, eu faço minhas as palavras do Zeus. Sabem por que a Marinha Brasileira não vai operar sistema semelhante? Porque tal sistema não requer muitos militares para a sua operação, porque aí eles teriam de enxugar a folha. Pra que automação? Vamos trocar 12 pessoas girando manivelas e apertando botões por apenas uma de olho em uma tela???

Esteves
Mk48

Está Sim.
.
A função inicial do Esquadrão é desenvolver a Doutrina operacional desses drones.

Jadson Cabral

Do mesmo jeito que o esquadrão VF-1 existe para manter uma doutrina inútil com aviões obsoletos e em quantidade ridícula… mas eu sei o que tem em grande quantidade no esquadrão. Gente.
Desenvolver doutrina só faz sentido se você for criar uma força com capacidade operacional relevante e se for operar vários equipamentos. Eu espero mesmo que não fiquem apenas nesse sistema com essa desculpa de que estão criando doutrina.

Carlos Campos

Quando eu falei que a marinha devia adiquirir navios de patrulha, mas que não precisa ser dezenas e dezenas que um drone vale por mais de um navio, teve gente que quis me ridizularizar, taí agora, EUA, China, Austrália, India todos vão em breve estar usando drones para patrulhar seus mares, um drone percorre uma área maior que um navio, enxerga mais longe, assim conseguia guiar um navio para deter um navio intruso, ou guiar helicoptero para tomar de assalto um navio, até passar as coordenadas para um ataque com mísseis, ajuda na guerra antisubmarino, serve para repassar por meio… Read more »

Esteves

A Marinha pode operar meios voadores orgânicos.

Operando VANTS à partir dos meios de superfície (?), o próximo passo é transmitir a informação aos navios.

Cadê os navios?

Carlos Campos

poderia usar bases em terra mesmo, pq dinheiro para PA não tem. os navios existem, são poucos mas estão lá. VANT não exclui Navio e vice versa.

Rafael Gustavo de Oliveira

Eu sempre defendi que os distritos navais na costa precisariam maximizar suas capacidades aéreas (alguns nem tem EsqdHU subordinados), por mim criaria esquadrões mistos (aviões, helicópteros e principalmente drones como esse), passaria a responsabilidade da vigilância marítima da FAB para a MB de uma vez.
Nessa grande mudança algumas bases aéreas da fab seriam cedidas a marinha e (talvez realocadas para fronteira) algo como isso da ilustração….dá para fazer?….acredito que até dá…mas vai gerar muito mimimi

Novas_Bases.png
Jadson Cabral

A FAB sem base aérea no nordeste? Pode isso?

Rafael g. de oliveira

Exatamente…..dividiria o país ao meio em areas de responsabilidade…..fronteira fab…costa marinha.
Um distrito naval ficaria com um grupamento aereo e um grupamento de patrulha naval subordinado

eu disse que era inovador

- Publicidade -
Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

EUA pretendem restringir a China moldando seu entorno, diz Blinken

O secretário de Estado dos EUA deu um vislumbre da estratégia confidencial do presidente Biden sobre a China, na...
- Advertisement -