terça-feira, agosto 9, 2022

Saab Naval

Atech inaugura novo escritório no Rio de Janeiro com foco inicial no Programa Fragatas Classe Tamandaré

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2021  A Atech, empresa do Grupo Embraer, inaugurou um novo escritório no Rio de Janeiro (RJ), nesta segunda-feira (25), resultado de sua estratégia para potencializar a presença junto a clientes da região e acomodar as atividades da empresa em um único local, considerando os seus setores de atuação. O foco inicial de sua operação é o Programa Fragatas Classe Tamandaré. A unidade possui amplas instalações, com infraestrutura moderna e laboratórios para integração e testes de sistemas, e ambiente de treinamento.

O Programa Fragatas Classe Tamandaré tem o objetivo de construir quatro navios classe Tamandaré de última geração para a Esquadra da Marinha do Brasil. No programa, a Atech é responsável pela aquisição e desenvolvimento do Sistema de Gerenciamento de Combate e do ADL – Automatic Data Link (CMS), parceria com a Atlas, e o Sistema Integrado de Gerenciamento da Plataforma (IPMS), em parceria com a L3Harris.

A cerimônia de inauguração contou com a participação do Diretor Geral de Material da Marinha, Almirante de Esquadra José Augusto Vieira da Cunha de Menezes; do Almirante de Esquadra llques Barbosa Junior; do Diretor-Presidente da EMGEPRON; do Vice-Almirante (RM1-IM) Edesio Teixeira Lima Júnior; da presidente da Comissão Especial de Indústria Naval, de Offshore e de Petróleo e Gás, Deputada Estadual do Rio de Janeiro Célia Jordão; do Diretor-Presidente da Atech, Edson Carlos Mallaco; e do Diretor de Negócios da Atech – Defesa & Segurança, Giacomo Feres Staniscia, entre outras autoridades e convidados, como as empresa parceiras Embraer, Thyssenkrupp Marine Systems e SPE Águas Azuis.

“A inauguração do novo escritório da Atech no Rio de Janeiro é um marco relevante da empresa em sua participação no Programa Fragatas Classe Tamandaré, um dos mais importantes programas estratégicos da Marinha do Brasil. Como parte integrante da SPE Águas Azuis, estaremos prontos para suportar as demandas planejadas das próximas etapas do programa”, disse Edson Mallaco, presidente da Atech, durante o evento de inauguração.

No novo espaço serão conduzidas diversas atividades do programa, com destaque para os processos de integração e testes dos principais sistemas das novas fragatas, o CMS e IPMS.

“Aqui também acontecerá parte relevante do processo de Transferência de Tecnologia, atividade de grande importância que permitirá à Marinha dispor dos conhecimentos e ferramentas para operar e manter os sistemas do navio no futuro”, destacou o presidente da Atech.

Para esta finalidade, estão sendo instalados no novo escritório ambientes de integração e testes para o CMS (LIT – Laboratório de Integração e Testes), e IPMS (LBTF – Land Based Test Facility, em inglês), onde serão realizados testes nos simuladores dos principais equipamentos do navio junto aos seus sistemas, além de um ambiente de treinamento que utilizará ferramentas do tipo Computer Based Training System (CBTS). O escritório também possibilitará interações que acontecerão entre os times da Atech, da Marinha e dos demais parceiros envolvidos no processo de construção das fragatas.

Fragata Tamandaré

O CEO da SPE Águas Azuis, Fernando Queiroz, destacou a importância do novo escritório dentro do PFCT.

“É um prazer ver que há uma evolução forte e constante desse programa, e nós já estamos dando os primeiros passos para podermos materializar esse grande sonho de todos os brasileiros, que é ter a Fragata Tamandaré. Parabéns à equipe Atech e a todos os companheiros de trabalho que têm colocado seu esforço para transformar esse sonho em realidade”, disse Queiroz.

A praticidade e proximidade entre a Atech e a gestão do Programa Fragatas Classe Tamandaré foi enfatizada no evento pelo Diretor-Presidente da EMGEPRON, Vice-Almirante Edesio.

“A infraestrutura aqui projetada, que será também espelhada em instalações da Marinha do Brasil quando totalmente concluída, permitirá não apenas a fiscalização técnico-contratual e o acompanhamento pari passu pela EMGEPRON da qualidade e conformidade da evolução do projeto do software, mas, notadamente, possibilitará uma absorção tecnológica com maior dimensão e valor agregado para os representantes da Marinha”, destacou o Vice-Almirante durante seu discurso no evento.

Para o Diretor-Geral do Material da Marinha,  Almirante de Esquadra Cunha, a inauguração do novo escritório traduz o envolvimento cada vez maior da Atech no Programa Fragatas Classe Tamandaré. “A parceria da Atech com a Marinha do Brasil, traduzida pelo excelente relacionamento, troca conante de ideias e de conhecimento benéfico para ambas as partes, certamente contribuirá para a operação e a manutenção dos sistemas dos navios no futuro”, ressaltou o Diretor-Geral.

O Almirante Ilques também parabenizou a Atech pela inauguração do novo espaço no Rio de Janeiro.

“A vinda da Atech associa com vigor, e em projeto desafiador: a iniciativa privada, civis e militares na Defesa e Segurança do Brasil. Essa associação, irrigada com nosso esforço e inteligência, está largando as espias em mais uma navegação continuadamente invicta da Marinha de Tamandaré e, desde agora, contribuindo para o fortalecimento da dissuasão estratégica, instrumento primordial para a manutenção da paz”, disse.

Sobre a Atech

Reconhecida como uma “System House” brasileira, a Atech sempre se pautou pela inovação com o objetivo de ajudar a transformar o país. Com uma expertise única em engenharia de sistemas e tecnologias de consciência situacional e apoio à tomada de decisão, a Atech trabalha no desenvolvimento de soluções inovadoras com aplicações nas áreas de tráfego aéreo, sistemas de comando e controle, segurança cibernética, sistemas de instrumentação e controle, sistemas embarcados, simuladores e logística. A empresa é responsável pelo desenvolvimento e modernização de todo o sistema para o gerenciamento do espaço aéreo brasileiro. Pela sua atuação, a companhia é reconhecida e foi certificada como Empresa Estratégica de Defesa pelo Ministério da Defesa do Brasil.

DIVULGAÇÃO: Rossi Comunicação

- Advertisement -

144 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
144 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Esteves

Esteves perguntou semana que passou como Estava o cronograma de reuniões sobre as Tamandarés. Chegou a resposta.

“A inauguração do novo escritório da Atech no Rio de Janeiro é um marco relevante da empresa em sua participação no Programa Fragatas Classe Tamandaré…”

De reunião em reunião e inauguração em inauguração vamos…construindo os navios?

Last edited 9 meses atrás by Esteves
Miguel Felicio

Posso estar enganado e ou ser mais um leigo dando palpite errado, mas quando se inicia a construção propriamente dita, porque até agora é assinaturas, reuniões, comissões, quitutes, bebidas e os anos passando………a China, tirando as devidas proporções e os devidos trabalhos (trabalhos mesmo) e também execuções mesmo, faz pelo menos 5/6 dessas por ano…..

Rodrigo

Deixa eu ver, a construção será feita por um estaleiro em Itajaí e o escritório é inaugurado no Rio de Janeiro. Tudo certo!

Esteves

Esteves também prefere o Rio. Belas praias, boa comida, paisagens fantásticas, gente boa.

Ainda existe o Siri da Ilha?

Last edited 9 meses atrás by Esteves
Paulo HPS

Existe sim !!!

Mario José

É isso mesmo, existe e o risoto de camarão de lá é showw..kkkk vamos com fé pessoal vai dar tudo certo..

Esteves

Mano…aquele risoto é inesquecível.

Salim

Quando a vale do rio doce era estatal tinha um prédio lotado no rio. Na pratica você tratava diretamente nas minas e portos, porem todo final ano ia uma comitiva a este prédio entregar presentes. Privatizou e a primeira providencia foi fechar este prédio, pois era inútil. Voltamos aos anos 70. Quem viveu isto sabe.

Hcosta

Neste momento nenhum país do mundo se pode comparar com a China em construção naval. Talvez a Itália seja um melhor exemplo.

Peter Nine Nine

A Itália, aquele país do sul europeu conhecido pelos seus excelentes navios, blindados, aeronaves e diversos outros produtos de defesa, de alta tecnologia e valor agregado. Não, também não pode comparar com esse.

Hcosta

Um exemplo a seguir…

Ronaldo

Boa Noite Miguel Felício,Tu não está engando não,segundo eu vi em alguns canais no YouTube e já li algumas notícias as Tamandarés só começarão a serem construídas a partir de 2023,que será feito então o primeiro corte de aço da Fragata Tamandaré

FERNANDO

risos, risos, bem a cara do Brasil.
Ação, nada.
Sabem, outro dia eu estava assistindo no you tube uma moça russa que sabe falar português e gosta da cultura brasileira, e neste vídeo específico, ela estava analisando a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial, estava indo tudo bem, quando o narrador comentou que o Brasil entrou em combate em 1944, dai ela exclamou, mas, 1 ano do final da Guerra??
Bem, típico do Brasil!

Camargoer.

Caro Fernando. O Brasil declarou guerra aos países do eixo em agosto de 1942. Como o país estava despreparado, foi preciso organizar a FEB e equipa-la. A ideia original seria organizar uma força de 100 mil tropas, mas a condição de saúde dos voluntários era tão ruim que a FEB foi organizada em 25 mil após rebaixar o nível de exigência de saúde. Felizmente, o país não sofreu agressão territorial. Então, a tropa teve que ser treinada e preparada para ser enviada para a Itália, para compor com o exército dos EUA.

Esteves

É isso. Apesar de não terem existido motivos para declarar guerra contra a Itália. Hoje tudo pode ser visualizado na internet. Naqueles anos, como saber o que, quem e como enfrentaríamos? Nossas fardas foram feitas com o mesmo ou quase o mesmo tom de verde das fardas alemãs. Não resistiram ao frio rigoroso. A alimentação foi precária…levamos arroz, feijão, carne seca, frutas. Pensavam ser possível cozinhar no campo de batalha. Talvez um churrasco de costela. Uma aventura de heróis. Treinados para uma expedição. Serviu para marcar a posição do Brasil contra o fascismo. Contra o estado policial e policialesco que…parece… Read more »

Mk48

“Nossas fardas foram feitas com o mesmo ou quase o mesmo tom de verde das fardas alemãs. ”
.
Olha… com todos os meus anos que servi a MB, essa aí é novidade.
.
Nossa marinha foi fundada seguindo usos, costumes, praticas e uniformes ingleses…..

Esteves

FEB. Exército. O mesmo tom de verde oliva das tropas alemãs. Causou confusão.

A MB patrulhou o Atlântico cá.

F7A7CD5C-31AC-4ED6-9389-83E41711F0B9.jpeg
Leandro Costa

Mk, o Esteves está correto. O ‘corte’ e coloração dos uniformes da FEB (algo que o Brasil fez questão de providenciar, já que os americanos estavam basicamente providenciando todo o resto), era muito parecido com o uniforme alemão. Isso ocasionou alguns problemas. O primeiro deles foi que em pelo menos uma ocasião, ao desembarcarem na Itália, os Italianos presentes, acreditavam se tratar de prisioneiros de guerra alemães e houveram vaias, mas isso teria sido rapidamente resolvido quando perceberam a mistura de etnias na tropa e bandeiras do Brasil. O outro problema, e o mais grave, é que houve instâncias de… Read more »

Camargoer.

Olá Leandro. Sou seu fã. Parabéns

Leandro Costa

Obrigado Camargoer. É recíproco, professor.

Salim

Estes sim são exemplo. Contra a incompetência reinante, mostraram o valor de nosso combatente.

Camargoer.

Olá Esteves. Alguns colegas aqui na trilogia defenderam teses e dissertações sobre a FEB. Aprendi muito. Uma das coisas que é preciso esclarecer foi que havia uma divisão no EB entre os “febianos” e os que ficaram no Brasil. A maioria dos oficiais que foram para a Itália eram voluntários oriundos do CPOR, ao contrário dos oficiais de carreira que ficaram no Brasil. Quando a tropa retornou, os oficiais de carreira e o alto comando decidira, extinguir a FEB e espalhar os oficiais e sargentos com experiência em combate. Isso fez o EB perder toda a experiência de combate real.… Read more »

Esteves

Getúlio via golpe até no espelho. Bem…os 18 do Forte.

Camargoer.

Olá Esteves. A biografia do Getúlio escrita pelo Lira Neto (em três volumes) é muito boa. Vale a pena mesmo. Aprendi muito. Mudou meu ponto de vista em muitas coisas;

Esteves

Sabe a história do agente duplo? Quer um espião, contrata um espião. Ele vai fazer leva e traz, mas é um profissional.

Getulio tinha medo. Ovo que nasce no ninho tem passarinho que sabe voar.

Agnelo

Camargoer
Boa tarde
Isso não é bem verdade, sobre os efetivos.
De Cap pra cima, todos eram de carreira. Nos tenentes, a proporção maior de temporario era coerente, pela grande demanda de tenentes. E mesmo assim, não era uma proporção tão maior.
O “espalha” dos FEBianos pelo Brasil não foi decisão do Alto Comando, mas de Getúlio, q tinha “medo” da força da FEB, retornando coesa, tendo vencido uma ditadura como a dele.
Sds

Esteves

Deu certo. Foram rejuntarem em 64. Quase 20 anos depois.

Adriano Luchiari

Aliás,1964 só não ocorreu em 1954 porque Getúlio de matou…

Last edited 9 meses atrás by Adriano Luchiari
Camargoer.

Olá Agnelo. Lembro claramente de um colega que defendeu um mestrado sobre a FEB há alguns anos e disponibilizou o seu trabalho para nós. Tivemos um longo debate sobre o como foi a volta dos “febianos” e sobre a decisão do comando do EB. Vargas apenas chancelou a decisão do comando do EB. Assim que tiver uma folguinha, vou procurar o título da dissertação e colocar o link aqui. Como na época eu li várias dissertações e teses sobre a FEB (porque a discussão foi muito legal) eu preciso fazer uma busca e até uma releitura.

Esteves

Boa.

Salim

Desculpe, pela sua teoria obtusa, quem suportava as forças armadas era o Getulio e náo o contrario. Se o comando das forças armadas honrasse seus combatentes Getulio náo ia fazer nada. O risco era perder a mamata nas tetas do governo como ocorre hoje.

Salim

Caro Camargoer, esta foi a paga aos nossos heróis executada por uma ditadura militar do Getulio. Quando teremos um pais justo!?!? Estão levando pais a um confronto idiota, alegando sabotagem ao potencial brasileiro no agronegócio. Infelizmente nos mesmos nos prejudicamos, todo mundo evoluindo e nos perpetuando complexo vira lata. Tem mais festa que trabalho nesta mamata de 4 corvetas, imagina se fossem barcos maiores. Napa500 e opvs mostram nossa capacidade de náo fazer e prejudicar quem faz. O inimigo e interno, só muda o nome da latinha, o conteúdo e o mesmo.

Salim

Disse tudo, Heróis com H maiúsculo. Foram esquecidos , talvez por inveja e muitos passaram dificuldades. Outros paises respeitam seus combatentes, reconhecendo sua bravura em defender a pátria. Aqui a canalha aboletada no comando tem medo deles, suportada pela esquerda incompetente e pendurada na maquina do estado ( embora hoje os militares se aproveitam e muito do cabidao governo).

Rinaldo Nery

¨Estado policial e policialesco¨. Você está se referindo ao STF, não? A PM e a Civil tem dado dura em você?

marcus

Quando as forças armadas, estiveram preparadas para alguma coisa dentro da área de atuação?

Camargoer.

Olá Marcus. O país passou por dois grande desafios em sua história de conflitos. A Guerra do Paraguai e a Segunda Guerra. Em ambos, estava despreparado.

Salim

O ano muda, mais a situação e quase a mesma. Náo temos forca naval guerra ( o que tem infelizmente são quase sucatas em idade e armamentos , e um afronte a estas naves que nos anos 80 e 90 eram bem capazes ). Náo temos grupamento aéreo capaz em qtdade e qualidade. Alguma coisa melhorou, porem , em virtude dos valores gastos em defesa somos um exemplo pífio. Gasolina a 3,30 na Argentina, assim caminha a mediocridade. Vão eleger novamente os lesa pátria, de esquerda ou direita.

Hcosta


A entrada do Brasil na 2GM

Leandro Costa

Acompanho esse canal desde que começaram. 🙂

Hcosta

Só faltam 2 anos e 2 meses para acabar!

Leandro Costa

Fernando, então ela realmente desconhece não apenas a história da participação Brasileira na Segunda Guerra Mundial, como desconhece, principalmente, o contexto dessa participação, o que é muito importante.

Ricardo Taer

Bem de acordo com nosso Brasil! Kkkk. Conheço esse canal, ela é muito boa!

Jadson S. Cabral

Qual foi a moça mesmo? Pq eu sigo umas duas russinhas lindas. Agora, acho que merece uma correçãozinha pq o Brasil entrou em combate antes afundando U-bots no atlântico com os famosos catalinas

Last edited 9 meses atrás by Jadson S. Cabral
marcus

Tanto rebuliço só para construir 4 unidades dessas Corvetas bombadas. Se fossem construídas na Alemanha, em dois anos todas estariam prontas.

Terlpode

Mas super faturamento em solo alemão da cadeia , aqui da vinhos e caviar ….. melhor não arriscar e montar o LEGO aqui mesmo …os concursados e os eleitos agradecem e ficam mais confortáveis !

MMerlin

Esteves. Estive no Estaleiro Brasil Sul trinta dias atrás. Tenho alguns clientes na região que são fornecedores do mesmo. Já tinha estado no estaleiro um ano atrás e, para minha infeliz surpresa, tudo continuava igual. Questionei um gerente do local sobre o motivo de ainda não estarem preparando o parque para construção das Tamandarés. A respostas foi: Porque, para nós, este projeto continua no papel. Não houve nenhum sinal da MB que vale o início de obras e preparo do ambiente. Não vou julgar a velocidade da execução do projeto de construção das embarcações, mas que foi triste ver a… Read more »

Esteves

Pois é. Sempre procuro novidades nas mídias regionais para tentar descobrir se alguma atividade referente as Tamandarés, aparece. Nada. Silêncio. Tenho vontade de ligar lá e perguntar. Aqui no PN disseram que seriam necessários 2 anos para capacitar o estaleiro. Contratar mão de obra, treinar mão de obra, selecionar fornecedores, preparar os canteiros e o chão de fábrica, cotar aço, construir linhas logísticas, enviar gente pra Alemanha, receber gente da Alemanha, contratar segurança e seguros, tem as providências próprias de estaleiros, diques… Os preços da energia, dos transportes, dos fretes, dos combustíveis…sobem toda semana. Durante a apresentação do PROSUB aqui… Read more »

Marcelo Baptista

Esteves, pelo que entendi ate agora, a TKS esta reformando (Modernizando) o Estaleiro.
E segundo a reportagem abaixo, começam efetivamente a construi-los em abril.
Só não sei o quanto isto esta colado no cronograma.

Construção de navios da Marinha em Itajaí já tem data para começar | Dagmara Spautz | NSC Total

marcus

Para a sorte da MB, todos os anos tem o mês de Abril. Será mais um projeto que se arrastará por muito tempo.

Luís Henrique

Eu gostaria muito de saber se a MB já definiu a quantidade de mísseis das Fragatas Tamandaré. Pelo que foi divulgado e pelas fotos, serão somente 4 MANSUP e 12 Sea Ceptor.
Gostaria muito que a MB alterasse para 8 MANSUP e 32 Sea Ceptor, que é um poder de fogo muito mais compatível para um navio do porte de Fragata.
Alguém sabe informar se isto já foi definido? e qual o número de mísseis??

Esteves

Penso que mesmo que digam hoje, falamos de um navio que será incorporado em 2026/27. Serão 4 anos para a primeira. Até lá…

https://www.naval.com.br/blog/2019/03/31/exclusivo-as-razoes-que-levaram-a-escolha-da-meko-no-programa-tamandare/

Nilo

Enquanto isso Posto Ipiranga chama Ministro da Ciência e Tecnologia Marcos Pontes de “astronauta burro” rsrsrs.
Projeto Tamandaré o caixão da contrução de navios de superfície.

Camargoer.

Olá Nilo. O código de ética do funcionalismo público civil federal (decerto 1171 de 1994) diz que é dever do funcionário público “prejudicar deliberadamente a reputação de outros servidores ou de cidadãos que deles dependam” (item b do parágrafo XV da seção III).

Luiz Guilherme Di Calaça

*é vedado

Camargoer.

Olá Luiz. Obrigado pela correção. Sim. Faltou o verbo “vedado”

Nilo

? Esteves disse “porque não fechamos com os italianos”
Esteves porque um oficial foi comer chucrute no navio alemão em serviço no Líbano e se apaixonou. Não tem planejamento estratégico voltado Indústria Naval brasileira. Em 2011 existia uma iniciativa de Eduardo Campos Pernambuco de atrair a Fincantieri em uma época que a italiana estava sensível e com disposição.
Demos prioridade a indústria naval alemã.

Esteves

Está tudo em um pacote. Como a Ficantieri foi enfiar-se nos EUA e na China? Oa melhores negócios de design italiano foram para a China. O maior fabricante de bicicletas, a Giant na China, produz bicis italianas na China. A mesma linha de produção de bicis de transporte e esportivas tem outra linha para bicis de estrada de alto valor…coisa de 15/20 mil euros. Os italianos reclamam que copiamos as coisas deles. Lembra do sujeito que fez uma réplica de uma Ferrari no interior de SP? Foi parar na justiça. O juiz mandou destruir. Outro juiz mandou a Ferrari na… Read more »

Gabriel BR

O código de ética do funcionalismo público civil federal (decerto 1171 de 1994) diz que é dever do funcionário público “prejudicar deliberadamente a reputação de outros servidores ou de cidadãos que deles dependam” (item b do parágrafo XV da seção III).”

Isso explica muita coisa…rsrsrsrsrs

Camargoer.

Olá Gabriel. O editor é um fanfarrão. Já passei muita vergonha com as brincadeiras que ele faz. Um dia acaba em divórcio. Riso

Esteves

Ok. Mas ele não mentiu.

Nilo

Rsrsrs verdade, será mais um chucrute que teremos de engoli. Um brinde a verdade do Oficial e vamos fazer pândega dos xingling.

Esteves

Ele é muito burro. Não sei como chegou a astronauta.

Camargoer.

Olá Esteves. Creio que o astronauta tem a mente no mundo da Lua. riso. Agora falando sério. Em 2018 eu apontei o erro que era indicar alguém sem transito na comunidade científica ou sem transito no parlamento para o MCT. O Brasil já teve excelente ministros de MCT desde Sarney que eram ou políticos profissionais ou pesquisadores engajados. Alguns eram ambos. Pontes nunca esteve envolvido com pesquisas e também nunca esteve envolvido com o parlamento.

Esteves

Ele parece que está sempre no espaço. Vago.

Camargoer.

Olá Esteves. Quando Pontes foi nomeado, comentei aqui que temia a falta de interlocução de Pontes com a comunidade científica e sua falta de experiência política. Após três anos, os fatos mostram que eu estava certo em temer.

Bosco

Camargoer, Você é uma figura respeitada aqui na Trilogia mas tem hora que você não se importa em passar vergonha. Cara… dar ressonância a fala de ministro que chamou o outro de burro, feio ou mijão? Tenha dó! Depois eles devem ter ido beber uns chopes e a mídia se prestando a fazer esse desserviço e esse papel ridículo. Se bem que do atual “jornalismo” não é surpresa já que podemos esperar qualquer porcaria. E você batendo palma! Tenha dó Camargoer. Se cobre mais meu caro. Em relação ao Marcos Pontes “nunca esteve envolvido com pesquisas”… ah! Para! O Brasil… Read more »

Johan

Acrescento que estou vendo gente que nunca trabalhou ( com quase 40 anos nas costas) e sempre viveu de bolsa de pesquisa ter que trabalhar em campo.
Ademais, os ministros “profissionais” de antes levaram o Brasil a ser uma potência científica…sqn.
Ainda me lembro da cobertura jornalística do Pontes na NASA, o cara contribuiu ativamente sem falar que foi piloto de testes na FAB o que não é para qualquer um.
Bom vê de volta comentários como o seu por aqui.

Bosco

Como a mídia faz um escarcéu da fala do ministro que chamou outro de bobo e feio para com isso ver se emplaca mais uma narrativa, tentando pregar mais um preguinho no caixão do Presidente, ai querem que a gente dê crédito a essa mesma mídia com suas narrativas de que o Bolsonaro é o maior criminoso desde Barrabás e mais corrupto que aquele outro mais honesto que Jesus. Ah! Tenha dó! Se a mídia não se respeita serei eu a fazê-lo? A grande mídia atualmente e sabe-se há quanto tempo já deixou claro que não tem a mínima pretensão… Read more »

Nilo

Concordo a mídias faz escarcéu. Me faz lembrar de um pai (amigo meu) desesperado, porque o filho andava frequentando um blog alemão em que o cara prega que o Hitler era um ativista ambiental, amante dos animais um vegetariano, que não era contra as outras raças apenas achava que cada povo em seu lugar, Alemanha para alemães e África para africanos…., que era amante da liberdade para os povos e que valorizava a pátria e dela se orgulham como deve ser com todos os povos e que do ventre de uma alemã só deve ser gerado um filho de um… Read more »

Last edited 9 meses atrás by Nilo
Camargoer.

Caro Bosco. Creio ser desnecessário esperar aparecer um político mais corrupto que Barrabás para ser condenado. Basta que tenha cometido um crime apenas para ser processado e condenado. No caso do atual presidente, ele já cometeu crimes de responsabilidade definidos no Art.85 da CF88 (isso sem falar nas reiteradas mentiras que se tornaram banais como na história de Pedro e o Lobo).

Camargoer.

Caro Bosco. O rogado pelas palavras e pelo carinho. Acho que ainda faço parte do baixo clero aqui na trilogia. Pontes tem sido um ministro muito fraco. Ele não tem interlocução com a comunidade científica, não tem trânsito no parlamento e não tem influência no gabinete da presidência. Em quase três anos, o MCT perdeu verbas e foi incapaz de fazer o mais simples, que seria lançar os editais universais. Sobre Guedes ofender outros servidores, apenas apontei que ele viola o código de ética do serviço público. Há uma diferença entre criticar e ofender. Acompanho o MCT desde Collor. Pontes… Read more »

Bosco

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_ministros_da_Ci%C3%AAncia,_Tecnologia_e_Inova%C3%A7%C3%A3o_do_Brasil
Tá fácil aí. Cite a grande contribuição científica desses caras aí e depois a gente conversa sobre o péssimo currículo do Marcos Pontes que o Lula mandou pro espaço.

Esteves

Bosco, Isso aí que você coloca é a mesma coisa que dizer se todos os que passaram não contribuíram, qual a diferença do tata atual? O cara pegou uma goiaba. Bem…todo mundo que sentou lá também pegou. O sujeito roubou. Bem…todos os que passaram por lá também. O sindico é uma anta. Legal…os outros que passaram também. A pasta tem sido ocupada para dar emprego a gente como o Kassab que divertiu-se com o acidente da estação do Metrô no bairro de Pinheiros em SP. -— O cara tá no motel dando uma e…afunda na merda do rio. Essa história… Read more »

Camargoer.

Olá Bosco. Você colocou a lista de todos os ministros que passaram pelo MCT. Alguns era cientistas e outros eram políticos. José Goldenberg foi reitor da USP. O Sergio Rezende também era um pesquisador. Outros são políticos. Em todos os casos (inclusive o Kassab), foram ministros com interlocução com o congresso, onde são decididas verbas e outras coisas. Goldemberg e Rezende também tinha interlocução com o Congresso. Além disso, todos tinha interlocução com a comunidade científica. Pontes não tem nenhuma das duas interlocuções. Ele nem conversa com a comunidade científica nem com os congressistas.

Nilo

Cite o bar, suspeito que seja o mesmo da negociação da vacina.

Last edited 9 meses atrás by Nilo
marcus

O nome desse bar deve ser AlibaBar, onde os ladrões do dinheiro publico fazem as reuniões.

Esteves

Um inútil. Se houveram outros antes dele também inúteis como ele são todos inúteis.

Nilo

Ou seja o Pontes é um segundo PI um burro. É um enxugador de gelo.

Carlos

Ele foi fazer o que a Blue Origin faz…

Mk48

O termo turista espacial seria mais apropriado.

Bosco

As naves espaciais não são operadas manualmente. Todos lá são “passageiros”.
O Marcos Pontes foi na ISS e ficou lá por alguns dias onde realizou experimentos como todos os que lá estavam. Para isso ele teve treinamento como qualquer um e estava apto a realizar inclusive operações que possibilitariam a salvaguarda da estação ou o retorno em segurança caso desse diarreia ou morte súbita nos outros “passageiros”.

Mk48

Oi Bosco. . Sempre fui aficcionado pelos programas espaciais, desde criança . Leio muito ainda hoje sobre o tema. . Sei como funcionam as “naves espaciais”. . Também sei como e para que astronautas, cosmonautas e agora, os taikonautas treinam. . O nosso Marcos Pontes passou uma semaninha apenas na ISS. Quais foram os experimentos feitos por ele enquanto esteve lá ?. Quanto o Brasil pagou para ele ficar 1 semana lá ? Qual foi o retorno disso além de tirar fotos e plantar um pezinho de feijão ? . Portanto o Sr. Marcos Pontes foi sim um turista na… Read more »

Esteves

“Passados mais 10 segundos, a espaçonave se separou do propulsor, e Shepard sentiu por alguns momentos como era a sensação de gravidade zero. Depois de cerca de três minutos no voo, ele assumiu o controle manual da espaçonave e notou que ela era surpreendentemente fácil de manusear. Durante a missão, o astronauta realizou observações visuais da Terra e tirou algumas fotos do Oceano Atlântico; então, depois de cinco minutos de voo, a Freedom 7 alcançou o ponto mais alto de sua trajetória, iniciando sua descida para a Terra.”



Peter Nine Nine

Esteves, quatro anos não chegarão para incorporar a primeira, talvez daqui a quatro anos esteja em fase avançada de construção, esteticamente pronta mas ainda com trabalhos a fazer, isto a ser positivo.

Esteves

Disseram 4 anos para a primeira. Se começarem em 22 vão até 26 construindo. Em 2027 poderiam incorporar.

Sinceramente? Com os 10 bilhões desvalorizando 20% ao ano? Com os custos que temos no Brasil?

Duas. Talvez 2. Para chegarem nos anos 2030.

Desanimador.

Esteves

Todo contrato tem seus segredos.

Camargoer.

Caro Luis. Creio que o Galante (ou no Nunão, não lembro mais) comentou que o número de míisseis antinavio podem ser modificados em caso de necessidade. Eles irão operar 4 mísseis porque é o suficiente para período de paz.

737-800RJ

Esses 12 casulos do CAMM poderão levar 12, 24, 36 ou até 48 mísseis (configuração quad-pack), dependendo da configuração dos canisters que a MB escolher.
Notícia interessante de 2018:

https://www.naval.com.br/blog/2018/04/05/mbda-conclui-testes-com-camm-no-lancador-exls-de-3-celulas/

Bosco

737, Temo que você esteja equivocado. O lançador que parece será instalado na classe Tamandaré comporta apenas 12 células individuais. Os dois sistemas que comportam o quad-pack por célula são o Mk-41 e o Sylver VLS e nenhum desses foi selecionado. Também acho pouco apenas 12 mísseis, principalmente se não for possível recarregar os tubos em pleno mar. E a menos que eu esteja enganado isso ainda não é possível. Quanto aos 4 SSMs provavelmente haja espaço para mais 4 caso seja necessário . Preferiria também um míssil de maior alcance , na faixa de 200 km, o que poderia… Read more »

Camargoer.

Olá Bosco. Pelo que lembro, a FCT possuirá um hangar e um helicóptero orgânico, talvez um SeaHawk que teria capacidade de levar um oi dois mísseis. Seriam mísseis Pinguim? Geralmente, o helicóptero pode ser recarregado no navio. Quanto tempo levaria para armar um helicóptero?

Bosco

Sinceramente não sei. Tomara que seja um SeaHawk. Os indianos integraram o NSM nele que dá um alcance de uns 200 km mais uns 250 do helicóptero.
O Penguin não está mais sendo fabricado.

Camargoer.

Olá Bosco. Então, este míssil antinavio da MB seria o SM39 mesmo?

Esteves

É isso.

Hcosta

O VLS é exclusivo do Sea Ceptor? Pode receber outros misseis?
E são 4 misseis por silo, ou seja, 48?
Mas presumo, por ser MEKO, possam trocar por um MK 41 ou equivalente.
Se não for possível é uma grande limitação…

Allan Lemos

Vai depender do VLS que escolherem. O Sylver usado nas Type 45 pode lançar vários tipos de mísseis, já se for um mais antigo, como os da Type 23, cujo nome eu não sei, acho que não porque pela aparência, o diâmetro dele é pequeno. A Lockheed estava desenvolvendo um para o Sea Ceptor com 3 células, específico para navios que não conseguem suportar o Mk41, cada uma pode lançar 4 Sea Ceptors, mas também pode lançar mísseis de maiores diâmetros. Não sei se já definiram qual VLS as Tamandarês terão, mas acho improvável que a MB o use com… Read more »

Bosco

Hcosta,
Esse lançador da Tamandaré é exclusive do Sea Ceptor e não tem como haver mais de um míssil por célula. São só 12 mesmo.
Eu comentei acima mas ficou retido.

Bosco

Hcosta,
Esse lançador da Tamandaré é exclusive do Sea Ceptor e não tem como haver mais de um míssil por célula. São só 12 mesmo.
Eu comentei acima mas ficou retido.

Last edited 9 meses atrás by joseboscojr
Hcosta

Grande limitação…

Bosco

Como diria o saudoso Mussum: “concordis”.

Bosco

O lançador é o GWS 35:comment image

Bosco

As células são inclinadas para no caso do míssil ser lançado (a frio) e o motor não ignitar o míssil cair no mar.

Allan Lemos

Acho que não, pelo menos nas imagens divulgadas, o VLS da Tamandaré não parecer esse dai.

Adriano Madureira

Só em sonho a MB poria 32 Cea Ceptors em cada fragata, para eles é melhor ser uma fragata subarmada mesmo..

Flávio

Espero que depois que as primeiras fragatas forem construídas o programa não seja abandonado e a tecnologia perdida.
Afinal, infelizmente o Brasil não tem um bom historico com transferência de tecnologia.

Zorann

É lógico que a tecnologia será perdida. Isto é o que fazemos de melhor…. é até rotina já.

Rafael Costa

Devemos é claro apoiar um produto nacional, mas acho que o Mansup deixará as Fragatas Tamandaré a desejar. Quatro mísseis com um alcance de 70 km, dentinhos muito pequenos no meu olhar de leigo.

Camargoer.

Olá Rafael. Creio que o Galante (ou Nunão) comentou que é possível ampliar o número de mísseis, mas que no atual momento não faz sentido colocar muitos mísseis na FCT. Em caso de combate, isso pode ser mudado.

Esteves

É isso.

Hcosta

Mais importante do que a quantidade de misseis anti navio é ter a capacidade de embarcar um helicóptero. O que aumenta a área de atuação, quer seja na deteção como no ataque.

Ricardo Rosa Firmino

Na boa entrega da primeira para 2026/27..esquece essa data..até acabar todas as cerimônias, workshops, inauguração de escritórios, etc etc etc….até descobrirem que o objetivo é construir os navios..essa data foi pro ralo..

marcus

Defendo a compra de prateleira. Se fosse assim esses convescotes, não existiriam.
A construção seria extremamente rapida.

Camargoer.

Caro Marcus. A construção local geralmente resulta em níveis de nacionalização entre 40~60% dependendo do porte, modelo e emprego do navio. Este grau de nacionalização envolve contratação de pessoal, de serviços e de bens no Brasil, que são pagos em reais. Isso tem duas vantagens. A primeira é o impacto positivo no PIB porque os recursos pagos como salários irão gerar atividade econômica indireta (compra de supermercado, mercadorias, serviços, impostos, etc) e as encomendas de serviços e produtos irão criar empregos indiretos. Além disso, pagamentos em reais não afetam a balança de pagamentos/comercial, o que poupa divisas (que devem ser… Read more »

Up The Irons

Pessoal, dessa vez a MB deve ser poupada de críticas. O que ela tem a ver com a abertura de um escritório de uma empresa privada?
A empresa pode abrir e fechar escritórios a hora que quiser e não há relação com o andamento do cronograma das Tamandarés.

Last edited 9 meses atrás by Up The Irons
Esteves

É que…quando publicam sobre o esforço de outros contam construção, lançamento, incorporação. Quando escrevem sobre navios de outros dizem que os prazos da contratação até o lançamento são bem mais curtos que os nossos.

Ai fica assim…

“Hoje finalmente vai ter reunião…conversação, conversação, conversação de paz..”

Foxtrot

Aí ai.
A relevância do inútil !
Está igual as matérias sobre o Gripe Sueco (Gripen).

Rodrigo

Fico me questionando se os temas “Segurança da nação” e “Soberania nacional”, são realmente tratados com seriedade ou são apenas usados como palanque politico (se engana que acha que só existe a politica partidária) e dar origem a boas fotos. É a nova forma de “pão e circo”. Prefiro a abordagem Chinesa, a fotos que são divulgadas são de equipamentos sendo lançados ou entregues.

Caio

Quando se confere o tempo entre assinatura de contrato e entrega dos navios da DCNS e ao Egito, a raiva sobe; fora Damen e indonésia, Baesystems e Oma e China eArgélia.
Por aqui o negócio preza pelas formalidades mil, e pragmatismo zero.

Hcosta

No caso do Egito eram navios que já estavam prontos e ao serviço.
Se querem construção local tem de aceitar que vai demorar muito mais tempo.

Esteves

10 de abril de 2017. Dez anos para o primeiro navio.

Camargoer.

Olá Esteves. A gente precisa avaliar com cuidado estes prazos. Uma coisa é o período de fabricação do navio. Outro é o período de elaboração do projeto executivo (cada caso é um caso) e o período de licitação. Eu até acho que 3,5 anos para a construção de um navio de 3.7 mil ton tem muita folga, mas acredito que mais importante neste programa é conseguir manter uma cadência de produção de longo prazo. talvez a partir da quinta unidade, seja possível fazer uma cadência de um navio a cada dois anos, ao invés de anual.

Esteves

10 de abril de 2017 chamaram. O desejo começou em 2007.

Camargoer.

Olá Esteves. Exato. Se marcarmos as datas seguindo cada etapa, fica até mais grave a morosidade do processo como um todo. Contudo, tenho a impressão que a construção em si dos navios estará dentro de um intervalo razoável (3,5 anos)

Esteves

Vamos julgar após entregarem.

Um sábio disse que papel gosta de escritas.

Camargoer.

Olá Esteves. Concordo. A gente pode discutir propostas ou discutir ações. São mutuamente excludentes.

Hcosta

Não é para esfregar sal na ferida mas…

A type 26

Esteves

O homem é um ser fenomenal. Do nada constrói um navio maravilhoso.

A humanidade venceu vários desafios…mas a construção naval é formidável. Quando Estivermos viajando entre as estrelas, entre os planetas, vamos levar esse conhecimento.

O conhecimento de vencermos desafios.

Terlpode

Espero que até lá não tenham humanos morrendo de fome ou por falta de um atendimento médico mínimo , aí sim será fenomenal e admirável ( nem menciono o suicídio ambiental ) . Este eh o desafio que realmente importa , importando mais para quem neste momento sofre pelo abandono dos estados .

Mk48

Espero que você se cure dessa disfunção cerebral e comece a postar algob wue faça sentido.
.
Boa sorte.

Adriano Madureira

“Quando Estivermos viajando entre as estrelas, entre os planetas, vamos levar esse conhecimento”.

Vai demorar um “tempinho” mas irá acontecer… Mas isso é planos de super- potência, países que não tem seriedade como o nosso, não tem capacidade nem para fazer um componente para a ISS, quanto mais viajar nas estrelas…

Antonio Palhares

E ficamos aqui falando mal dos “comunistas” chineses. Da ditadura russa. Dos barbudos fanáticos do Irã etc. Todos países comprometidos com seriedade na defesa de seus interesses e segurança. Com todo nosso território. População, tamanho da economia, mercado interno, riquezas minerais, agro negócio, biodiversidade. Mar territorial, plataforma continental. Ficamos brincando de defesa achando que teremos “amigos” na hora do vamos ver.

Caio

No nosso caso muuuito mais tempo.

Yuri Dogkove

Nossa! É tanto escritório hein? Escritório pra cá, escritório pra lá, e pelo andar da carruagem a primeira quilha das Tamandaré só estará pronta lá em 2030…

Esteves

Otimista.

Teropode

O pessoal malha o Marcos , mas aqui fica uma pergunta : Qual ministro possui autonomia para trabalhar neste governo “estranho” onde o líder vomita que a vacina tem relação com a AIDS , este cara consegue queimar até a reputação de ?JESUS?, kkkkkkk, não eh necessário exercer a desonestidade intelectual , atingindo pessoas honradas , apenas para meter mais um prego no caixão do boquirroto .

Esteves

Olha…o Bosco tem razão quando compara o MP com o GK. São dois estranhos no ninho. Não tem jeito pra coisa. Com ou sem autonomia qual seria ou qual foi o conteúdo que esses caras mostraram para ocupar um cargo de ministro? Qual é a articulação política dessa gente? Qual é qualquer articulação dessa gente que está ocupando ministérios além da comparação sobre quem Estava antes, quem roubou depois, quem compara com quem. Conteúdo? Ciência e Tecnologia. O que é que saiu desse ministério desde o AM que afirmava…afirmava que a Apple ia transferir conhecimento e tecnologia em uma fabriqueta… Read more »

Camargoer.

Ola Esteves. Eu suspeito que a nomeação de Kassab para o MCT tinha outro objetivo. É preciso lembrar que na época ocorreu a fusão do MCT com o MinComunicações. O Brasil havia lançado há pouco tempo o satélite geoestacionário cuja operação era divida entre o MinDefesa e o MCT. Com a fusão do MCT ao MinComunicação, Uma das primeiras coisas feitas por Kassab foi abrir o processo de privatização da operação civil do satélite geoestácionário. Com a fusão do MCT ao MinCom, Kassab ficou com o controle da operação do satélite e com o controle sobre as concessões das empresas… Read more »

Esteves

Esse sujeito…mostrou tudo que ele é no acidente do Metrô.

Camargoer.

Olá Esteves. Exato. A piada idiota sobre o motel. Bom humor é sinal de inteligência, mas é sempre constrangedor quando gente ignorante tenta fazer piadinha envolvendo sexo.

EduardoSP

Espero que o dinheiro que o Tesouro transferiu para a Emgepron esteja aplicado com cobertura cambial. Senão, com essa demora toda e esse câmbio dos infernos, adeus 4 Tamandarés.

Johan

Por determinação de lei é aplicado no TD.

Hermes

Creio que a MB precise complementar a esquadra com ao menos duas unidades com uma classe de fragata de maior poder de fogo — com mísseis de área — e tonelagem. Ou seja, precisamos de alguma compra de oportunidade ou mesmo novas fragatas construídas no exterior.

Camargoer.

Olá Hermes. De fato, a MB precisa de mais navios e talvez alguns com maior deslocamento, mas neste momento o mais adequado será confirmar as duas opções de FCT adicionais, contratando 6 navios ao invés de 4. Considerando o investimento no estaleiro, o projeto e no pessoal, considerando o grau de nacionalização significa gastos em reais ao invés de moeda estrangeira, considerando que os gastos com mão de obra e em equipamentos nacionais significa elevação do PIB, é preciso priorizar a construção local. Não faz sentido algum pensar em compras de oportunidade de navios usados ou simples importação de navios… Read more »

Hermes

Concordo com você que devemos priorizar a construção de meios localmente. Porém, nesse caso em questão, envolve um trade off pertinente: abrir mão de construir localmente para obter meios com maior poder de dissuasão em médio prazo. Ressalta-se que seria apenas dois navios, que colocaria o Brasil em um novo patamar, além de inserir a MB em uma doutrina que ela nunca adentrou na historia. Pelo que se gasta em defesa no Brasil, isso não deveria ser bem um problema e não atrapalharia em nada o desenvolvimento da nossa própria indústria. Trata-se apenas de sermos realista, se não estamos dispostos… Read more »

Desc

Como por aqui é tudo demorado

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

USS Vella Gulf se torna o primeiro de cinco cruzadores da classe Ticonderoga a serem desativados este ano

Quase 29 anos atrás, o USS Vella Gulf (CG-72) estava nas águas ao redor de Norfolk, Virgínia, esperando para...
Parceiro