quinta-feira, janeiro 27, 2022

Saab Naval

Submarinos movidos a energia nuclear para a Austrália? Talvez não tão rápido

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

O plano da Austrália de construir submarinos com a ajuda dos EUA e do Reino Unido enfrenta grandes obstáculos. Os apoiadores dizem que podem ser superados. Os críticos dizem que pode ser demais

Por Chris Buckley

SYDNEY, Austrália – Quando a Austrália fez seu anúncio de toque de trombeta de que construiria submarinos nucleares com a ajuda dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, os três aliados disseram que passariam os próximos 18 meses resolvendo os detalhes de uma colaboração de segurança que o presidente Biden comemorou como “histórico”.

Agora, um mês após o início do cronograma, os parceiros estão silenciosamente enfrentando as imensas complexidades da proposta. Até mesmo os apoiadores dizem que os obstáculos são formidáveis. Os céticos dizem que eles podem ser intransponíveis.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, apresentou uma visão ambiciosa, dizendo que pelo menos oito submarinos de propulsão nuclear usando tecnologia americana ou britânica serão construídos na Austrália e entrarão na água a partir do final da década de 2030, substituindo seu esquadrão de seis envelhecidos submarinos movidos a motores diesel.

Para executar o plano, a Austrália deve fazer grandes avanços. Possui uma base industrial limitada e construiu seu último submarino há mais de 20 anos. Ela produz alguns graduados em engenharia nuclear a cada ano. Seus gastos com pesquisas científicas como parcela da economia ficaram aquém da média das economias ricas. Seus dois últimos planos para construir submarinos desmoronaram antes que qualquer um fosse construído.

“É um caminho perigoso que estamos trilhando”, disse Rex Patrick, um membro independente do Senado da Austrália que serviu como submarinista na Marinha Australiana por uma década. “O que está em jogo é a segurança nacional.”

Cada país tem interesse na parceria. Para a Austrália, os submarinos com propulsão nuclear oferecem um meio poderoso de conter o crescente alcance naval da China e uma saída de emergência de um acordo vacilante com uma empresa francesa para construir submarinos a diesel. Para o governo Biden, o plano demonstra apoio a um aliado sitiado e mostra que significa negócios na luta contra o poder chinês. E para a Grã-Bretanha, o plano poderia fortalecer sua posição internacional e indústria militar após a revolta do Brexit.

Mas o Cubo de Rubik de complicações interligadas que permeiam a iniciativa pode retardar a entrega dos submarinos – ou, dizem os críticos, dividir todo o esforço – deixando uma lacuna perigosa nas defesas da Austrália e questionando a capacidade da parceria de cumprir suas promessas de segurança.

“Não acho que este seja um negócio fechado de qualquer maneira, desenho ou forma”, disse Marcus Hellyer, um especialista em política naval do Australian Strategic Policy Institute. “Às vezes usamos o termo ‘construção de uma nação’ levianamente, mas isso será uma tarefa de toda a nação.”

Submarinos australianos da classe Collins de propulsão convencional

As autoridades americanas já passaram centenas de horas em conversações com seus colegas australianos e não têm ilusões sobre as complexidades, disseram as autoridades envolvidas. O Sr. Morrison “disse que este é um programa de alto risco; ele foi sincero quando o anunciou”, disse Greg Moriarty, secretário do Departamento de Defesa australiano, a um comitê do Senado esta semana.

O fracasso ou atrasos graves iriam se espalhar além da Austrália. O governo Biden apostou na credibilidade americana na construção das forças armadas da Austrália como parte de uma política de “dissuasão integrada” que unirá os Estados Unidos mais perto de seus aliados na oposição à China.

Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, por sua vez, enfrentam obstáculos para expandir a produção de submarinos e suas peças de alta precisão para a Austrália e para desviar mão de obra especializada para a Austrália do Sul, onde, disse Morrison, os submarinos serão montados. Washington e Londres têm cronogramas pesados ​​para construir submarinos para suas próprias marinhas, incluindo embarcações pesadas para transportar mísseis nucleares.

“O sucesso seria tremendo para a Austrália e os EUA, assumindo o acesso aberto às instalações de cada um e o que isso significa para dissuadir a China”, disse Brent Sadler, um ex-oficial da Marinha dos EUA que é membro sênior da Heritage Foundation. “O fracasso seria duplamente prejudicial – uma aliança que não pode cumprir, perda de capacidade submarina por um aliado de confiança e uma virada para o isolacionismo por parte da Austrália.”

A Austrália espera uma reversão da sorte depois de mais de uma década de desventuras em seus esforços de modernização de submarinos. O plano de submarinos a diesel de projeto francês que Morrison abandonou sucedeu um acordo para submarinos de projeto japonês defendido por um predecessor.

“Nenhum primeiro-ministro australiano comissionou um submarino que realmente foi construído”, escreveu Greg Sheridan, colunista do jornal The Australian, em um artigo recente crítico ao plano de Morrison.

A última proposta da Austrália contém muitas armadilhas potenciais.

Submarino nuclear de ataque da classe Virginia

Ela poderia recorrer aos Estados Unidos para ajudar a construir algo como seu submarino de ataque da classe “Virginia”. (Esses submarinos são movidos a energia nuclear, permitindo que viajem mais rápido e permaneçam debaixo d’água por muito mais tempo do que os a diesel, mas não carregam mísseis nucleares.)

Mas os dois estaleiros americanos que fabricam submarinos nucleares, assim como seus fornecedores, estão se esforçando para atender aos pedidos da Marinha dos EUA. Os estaleiros concluem cerca de dois submarinos da classe “Virginia” por ano para a Marinha e estão se preparando para construir submarinos da classe “Columbia”, embarcações de 21.000 toneladas que carregam mísseis nucleares como uma dissuasão móvel – uma prioridade para qualquer administração.

Um relatório para o Comitê de Serviços Armados do Senado no mês passado advertiu que a “base industrial de construção naval nuclear continua a lutar para apoiar o aumento da demanda” de encomendas dos EUA. Esse relatório foi preparado tarde demais para levar em consideração a proposta australiana.

“Eles estão trabalhando com 95-98% na Virginia e na Columbia”, disse Richard V. Spencer, secretário da Marinha na administração Trump, sobre os dois estaleiros de submarinos americanos. Ele apoia o plano da Austrália e disse que seu caminho preferido nos primeiros submarinos era galvanizar fornecedores especializados para enviar peças, ou seções inteiras dos submarinos, para montar na Austrália.

“Vamos todos estar perfeitamente cientes e com os olhos bem abertos de que o programa nuclear é um grande consumidor de recursos e de tempo, e é isso mesmo”, disse ele em uma entrevista por telefone.

Submarino classe Astute
Submarino classe Astute

Outros especialistas disseram que a Austrália deveria escolher o submarino britânico da classe “Astute”, que é mais barato e usa uma tripulação menor do que os grandes submarinos americanos. O chefe da força-tarefa de submarinos nucleares da Austrália, vice-almirante Jonathan Mead, disse esta semana que sua equipe estava considerando “projetos em produção” maduros da Grã-Bretanha, bem como dos Estados Unidos.

“Isso diminui o risco do programa”, disse ele durante uma audiência do comitê do Senado.

Mas os submarinos da Grã-Bretanha saíram de forma relativamente lenta de sua linha de produção e, muitas vezes, atrasados. A fabricante de submarinos britânica, BAE Systems, também está ocupada construindo submarinos “Dreadnought” para transportar a dissuasão nuclear do país.

“A capacidade sobressalente é muito limitada”, escreveu Trevor Taylor, pesquisador professor em administração de defesa do Royal United Services Institute, um instituto de pesquisa, por e-mail. “O Reino Unido não pode se dar ao luxo de atrasar seu programa Dreadnought a fim de desviar esforços para a Austrália”.

HMS Astute em corte
HMS Astute em corte (clique na imagem para ampliar)

Para agravar as complicações, a Grã-Bretanha retirou de produção gradualmente o reator PWR2 que alimenta o Astute, depois que os funcionários concordaram que o modelo “não seria aceitável daqui para a frente”, disse um relatório de auditoria em 2018. O Astute não foi projetado para receber o reator de próxima geração, e esse problema pode dificultar a retomada da construção do submarino para a Austrália, disseram Taylor e outros especialistas.

O sucessor do Astute da Grã-Bretanha ainda está na prancheta; o governo disse no mês passado que gastaria três anos no trabalho de design para ele. Um oficial da Marinha do Ministério da Defesa britânico disse que o novo submarino planejado poderia se encaixar bem no cronograma da Austrália. Vários especialistas não tinham tanta certeza.

“Esperar pela próxima geração do submarino de ataque do Reino Unido ou dos EUA significaria uma lacuna de capacidade estendida” para a Austrália, escreveu Taylor em uma avaliação.

O desafio não termina na construção dos submarinos. Salvaguardas para proteger marinheiros e populações e cumprir as obrigações de não proliferação exigirão um grande acúmulo de experiência em segurança nuclear da Austrália.

Residentes em algumas partes de Barrow-in-Furness, a cidade de 67.000 habitantes que abriga o estaleiro britânico de construção de submarinos, recebem comprimidos de iodo como precaução contra possíveis vazamentos quando os reatores são testados. O estaleiro Osborne no sul da Austrália, onde Morrison quer construir os submarinos nucleares, fica próximo a Adelaide, uma cidade de 1,4 milhão de habitantes.

A Austrália opera um pequeno reator nuclear. Seu único programa universitário dedicado à engenharia nuclear produz cerca de cinco graduados a cada ano, disse Edward Obbard, o líder do programa na Universidade de New South Wales em Sydney. A Austrália precisaria de muitos milhares a mais de pessoas com treinamento nuclear e experiência se quiser os submarinos, disse ele.

“A produção tem que começar agora”, disse ele.

Submarino Virginia em contrução

FONTE: New York Times

- Advertisement -

29 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
29 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Moriah

Itaguaí deve se preocupar? “Residentes em algumas partes de Barrow-in-Furness, a cidade de 67.000 habitantes que abriga o estaleiro britânico de construção de submarinos, recebem comprimidos de iodo como precaução contra possíveis vazamentos quando os reatores são testados.”. É aquilo, não basta apenas querer, tem que ter um universo de coisas para operar.

Jorge Augusto

Mas o estaleiro da BAE Systems onde os submarinos nucleares ficam em Barrow-in-Furness fica praticamente dentro da cidade.

Sem brincadeira, o estaleiro fica literalmente no centro da cidade do lado de um shopping!

Sem falar no estaleiro Rosyth, que fica do lado da área residencial da cidade de mesmo nome e abriga todos os submarinos nucleares antigos do Reino Unido em estado de abandono.

Já em Itaguaí o estaleiro fica até que bem isolado.

É claro que distância pode facilmente ser coberta por uma nuvem radiológica, mas pequenos incidentes não seriam capazes de contaminar regiões civis com facilidade em Itaguaí.

Henrique

“Itaguaí deve se preocupar? “
.
não pelos próximos ~6 anos… talvez durante a construção do reator do Álvaro Alberto isso seja feito como parte do plano de segurança/contingencia.
.
.
agora… quem mora perto das usinas de angra dos reis recebe esse tipo de coisa?

marcus mendes

Existem vazamentos de radiação em Angra? Com certeza esse é monitorado diuturnamente.

Carlos Crispim

Sim, é normal o descarte de água radioativa, mas diluída no mar fica com doses mínimas, tudo monitorado e controlado, é operação normal de uma usina do tipo PWR e não causa danos so meio-ambiente.

Rafaelsrs

Tenho tio materno que trabalhou em Angra e você está falando besteiras! A água do secundário não sai contaminada de maneira nenhuma, se fosse assim você acha que os pais deixariam seus filhos tomarem banho na Vila Residencial da Praia Brava, que fica a menos de 2km em linha reta do muro de contenção de Itaorna? O muro de contenção é visível da praia cara.
Por favor não propague besteiras assim, pessoas como você deveriam ser proibidas de utilizar o whatsapp e internet.

Astolfo Junior

Pesquisando um pouco vi que a area que serão distribuidas as pilulas de iodo é de ”não menos que 500 metros da doca”. Existem multiplas ”camadas” de proteção e as pilulas de iodo são para um caso extremo de uma explosão apenas, pois até em caso de derretimento do reator, o que é o mais comum em acidentes, o material radioativo ficaria contido.
Fonte: https://cumbria.gov.uk/emergencyplanning/supportingpages/bae.asp

parabellum

Isto é protocolo. Angra também dispõe de comprimidos de iodo e um plano de evacuação bem elaborado. Seria errado se não tivesse nada disso.

parabellum

Enquanto isso um país sul americano desenvolve tecnologia autóctone no projeto e construção de sub nuc. como assim? Apesar dos óbices o bloqueios internacionais os descendentes de índios colocarão na água um submarino nuclear para espanto do resto do mundo civilizado. Parabéns àquele que tirou as amarras de nosso corpo de engenheiros.Pátria armada Brasil!

João Vitor

Quem tirou essas amarras? Fiquei curioso. Pois o projeto tem mais de 40 anos…

Last edited 2 meses atrás by João Vitor
João Adaime

Se o problema é achar um estaleiro com disponibilidade de construir submarinos, vamos avisar aos interessados que aqui no Brasil logo um estaleiro com experiência em construção de submarinos estará com capacidade ociosa. Alugamos, arrendamos, construímos, enfim, fazemos qualquer negócio.

Jadson S. Cabral

Aí o início da construção SNBR vai ser empurrado pro próximo século

Welington S.

Complicado, mas, quantos projetos já não foram empurrados pra frente? Se tiver que acontecer (espero que não), acontecerá. Agora, se acontece deles procurarem o Brasil, acho que essa oportunidade não pode ser descartada. O caixa ($) ficará cheio.

Last edited 2 meses atrás by Welington S.
Nostra

Off topic

Lead ship of the indigenous Project 15B Stealth Guided Missile destroyer INS Vishakhapatnam handed over to Indian navy on 28th this month

FC9bj3iVQAEXfQb.jpeg
Nostra

Project 15B 7300 ton displacement Stealth Guided Missile Destroyer class comprises of 4 ships, all ships to be delivered by 2025

Each ship costs approximately 1.2 billion dollars

FC9b5aZUcAAoMj9.jpeg
Last edited 2 meses atrás by Nostra
Bardini

Will it be equiped with Varunastra torpedoes?
The LW08 isn’t a little bit outdated for a new ship?

Last edited 2 meses atrás by Bardini
Nostra

Yes Varunastra heavyweight torpedo is standard equipment on all Indian navy destroyers

LW08 was included because its replacement was not ready, this is the last class of ship to have this radar and new ships eg P17A will have new secondary radars

Pic released last week of Varunastra heavyweight torpedo being fired off a IN destroyer

14455767_fcrkmgcvuagj8rg_jpeg_jpega8c961dd57f6edec1c896c06ddb40062.jpeg
Nostra

Pic of DRDO anti-torpedo torpedo (ATT) under development

It is one of the 5 new torpedos currently under different stages of development and testing by DRDO for a total of 7 different types of torpedos including a supercavitating torpedo

FCslLo_XsAQPGBZ.jpeg
Zeus

A realidade: simplesmente não dá! Como eles mesmo expõem, nenhum dos envolvidos têm as condições e não há como implementá-las nem a médio prazo! É um sonho que extrapola as possibilidades atuais. É uma aposta para um futuro distante, talvez muito distante. EUA e UK lutando com seus próprios percalços, limitações e atrasos. Onde as demandas da Austrália se encaixarão nisto? Seria melhor escolher o Astute, mas para o UK, seria melhor a Austrália esperar seu novo projeto de sub nuc ficar pronto e aguardar na fila de espera, longa espera. Até lá a China lança uns 80 subs nucleares.… Read more »

Alexandre Cardoso

O pior, para a Austrália, é que realmente parece que ela caiu em uma armadilha para roubar o contrato dos franceses às custas da segurança da Austrália, apesar que o próprio contrato deles com os franceses estava com os seus percalços, custos … Mas enfim, a aparência disso é que talvez nenhuma dessas vias ( EUA, UK X França ) no final acabaria / acabará sendo uma boa saída para a Austrália, incrementar sua defesa. Mas enfim, é só palpite meu, baseado em tudo o que já foi noticiado tanto aqui como em outros meios …

sub urbano

Esse programa é só mais uma das recentes lambanças da diplomacia americana. A Australia não ter capacidade de se defender só prova que eles não merecem o enorme territorio que estão sentados em cima. China tem muitas pessoas, uma ilha gigante e em grande parte desabitada viria a calhar.

Carlos

Kkkkkkkkkkk
Pooh tá orgulhoso

images (3).jpeg
Nick

O caminho dos australianos deveria ser como o brasileiro, mas é claro não tããooooo lentoo. Mas mesmo sendo “rápido” seria algo de 20 anos. A alternativa é bem clara: Os EUA ou a Inglaterra repassarem 3 ou 4 subs nucleares prontos, e preparar a estrutura da Australia para montar sob licença + 4 subs. Isso deve abreviar em uns 10 anos a entrada em serviço dos subs. Menos tempo que isso acredito ser impossível (ou muito dependente da manutenção sendo feita no exterior, por exemplo).

[]’s

Mk48

Intetessante.
.
Quer dizer que mesmo contando com toda a transferencia de tecnologia e conhecimento ainda assim levará décadas ?
.
Ué ?! 🤔
.
Pelo que leio aqui da parte de alguns, havia entendido que só o Brasil, tendo que desenvolver sozinho toda a parte nuclear do sub, levasse décadas.
.
Que interessante, hein ?!
.
😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂

Marcelo Martins

A reportagem mostra os imensos desafios, seja em capacitação de pessoal e dispêndio de verbas, de países que já tem uma indústria nuclear instalada, no caso os Estados Unidos e a Inglaterra, e os desafios gigantescos que a Austrália terá pela frente para ter os seus SSNs. A reportagem também permite entender o esforço enorme que o Brasil está empreendendo para ter o seu submarino nuclear. Treinar especialistas, desenvolver equipamentos e procedimentos, tudo do zero! Será uma vitória importante quando esse submarino entrar em operação. O que me preocupa é que todo esse esforço não se perca, e que possamos… Read more »

Peter Nine Nine

A classe collins, baseada em submarino sueco, viu o ultimo navio a ser construído em 2003 se não estou em erro, e eles já lhe chamam envelhecidos ª- ª .
Usados, sim, mas envelhecidos é um exagero, querem eles dizer que os U214 da Marinha Portuguesa também estarão envelhecidos dentro de… que, oito anos ª_ ª .
A Austrália, para já, tem um problema solucionável, que é substituir os seus subs daqui a cerca de 10 anos. Eventual obsoletismo da atual frota, será mais pelos seus conhecidos defeitos de projeto, do que por estarem envelhecidos.

Heli

Em outras palavras: a Austrália tomou um “boa noite Cinderela” dos bons. Os classe Collins chegarão em 2030 no osso. E todos sabem que 2030 é uma estimativa otimista.
PS, parabéns ao Poder Naval pela matéria.

Aluizio Pestana

Prezados, vejo uma oportunidade para a Nuclep oferecer serviços de construção dos cascos já que temos parte da mão de obra ficando ociosa pelo término das seções do Angostura e atraso do Alvaro Alberto.

Caio Túlio

nuclep? kkkkkkkkkkkkkkkkk

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

Construção da primeira fragata classe ‘Tamandaré’ deve começar em setembro

Em 20 de janeiro, na parte da manhã, como parte da Operação “ASPIRANTEX/2022”, o Comandante de Operações Navais, Almirante...
- Advertisement -