quinta-feira, janeiro 27, 2022

Saab Naval

Destróier dos EUA transita novamente pelo estreito de Taiwan e China protesta

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Um navio de guerra dos EUA navegou novamente pelo sensível estreito de Taiwan no dia 22 de novembro.

A Marinha dos EUA disse que o destróier de mísseis guiados USS Milius (DDG 69) da classe “Arleigh Burke” conduziu um “trânsito de rotina no Estreito de Taiwan” através de águas internacionais de acordo com a lei internacional.

“O trânsito do navio pelo Estreito de Taiwan demonstra o compromisso dos EUA com um Indo-Pacífico livre e aberto. Os militares dos Estados Unidos voam, navegam e operam em qualquer lugar que a lei internacional permitir”, acrescentou.

A China protestou na terça-feira contra a passagem do destróier da Marinha dos EUA pelo Estreito de Taiwan, chamando-a de uma ação deliberada para minar a estabilidade na região.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que os navios de guerra dos EUA têm “flexionado os músculos e criado problemas no estreito de Taiwan repetidamente em nome da liberdade de navegação”.

“Este não é um compromisso com a liberdade e a abertura, mas uma tentativa deliberada de interromper e minar a paz e a estabilidade regional”, disse Zhao a repórteres em uma coletiva de imprensa diária.

Os navios da Marinha dos Estados Unidos transitam rotineiramente no Estreito de Taiwan, que fica em águas internacionais e é um canal principal entre o Mar da China do Sul e as águas do norte usadas pela China, Japão, Coreia do Sul e outros.

O protesto de Pequim segue a introdução de Taiwan de caças F-16V atualizados em sua força aérea para ajudar a conter a ameaça do crescente número de incursões de aviões de combate chineses no espaço aéreo ao redor da ilha.

A China reivindica a ilha autônoma de Taiwan como seu próprio território a ser anexado à força, se necessário. Os EUA têm apenas relações não oficiais com Taiwan, mas fornecem à ilha armas defensivas e são legalmente obrigados a considerar as ameaças à ilha como questões de “grave preocupação”.

Uma fragata Type 054A da PLA Navy sombreou o destróier USS Milius enquanto este atravessa o estreito de Taiwan

FONTE: Reuters / AP

- Advertisement -

47 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
47 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Heinz Guderian

E segue o baile…

Luiz Trindade

A China vai mesmo arranjar idéia com os EUA numa passagem pelo estreito…

carcara_br

Eu ia desfilar no Havaí devem ter pontos de livre passagem no meia daquelas ilhas ou não?

Rafaelsrs

Uma coisa é certa: Os EUA não iriam arrumar confusão com um AB, pra arrumar confusão séria eles passariam com uma parte considerável da 7º frota.

José

PALHAÇADA!

Os chineses estão protestando por quê?

Oras, a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM) de 1982, no qual a China assinou, fixou o limite exterior do mar territorial em 12 milhas náuticas (22 km), CARAMBA!

O estreito de Taiwan tem 180 km de largura, logo, existe espaço suficiente para qualquer navio passar sem infringir o mar territorial chinês, mesmo considerando a ilha como território deles.

Eis a delegação chinesa em 1982:

China-admitted-to-UN-1200x675.jpg
carcara_br

Vindo de quem se alinha a um país que deu uma banana pra ONU derrubando e invadindo metade dos governos do oriente médio…. sei não parece meio hipócrita….

Last edited 2 meses atrás by carcara_br
Bosco

Em nenhuma “invasão” americana submetida previamente ao CS a China vetou.

carcara_br

Pois é, espertos, sabiam que a postura unilateral e agressiva americana poderiam dar a justificativa legítima de fazerem o que fazem pra se proteger das sanhas da potencia hegemônica americana…
Trouxa é quem não se prepara….

WSilva

Os EUA invadiram o Iraque sem autorização da ONU.

O que superpotência fala nunca se escreve, até quando vocês vão ser enganados tão facilmente pela narrativa patética de valores morais, democráticos e de direitos humano? Será que vocês ainda não sacaram que o que interessa para superpotência é interesses e manter hegemonia?

Que o diga os Chagossianos que até hoje tentam voltar para sua terra natal. rs

Existe um fetiche por ignorar ou relevar erros do ocidente e agravar erros da China e Rússia.

Leonardo

Os Estados Unidos estão brincando com fogo até a hora que a China afundar um desses!

carcara_br

Bobagem todos sabem que o problema da região é o relevo marinho.

Teropode

Fale mais sobre isto , vc certamente sabe mais coisas do que a imprensa mundial , conte tudo !

carcara_br

Não posso, eles não deixam… são os chips sabe…
.
Se fizessem alguma coisa dificilmente reclamariam a autoria, certamente não vão torpedear o navio, mas as vezes coisas caem sem querer de embarcações ou pequenas ilhas artificiais são criadas pelo caminho.

Luiz Trindade

E eu lhe respondo que a China é doida por acaso?!? Vão arriscar uma guerra nuclear por causa de um navio norte-americano?!? Tu tá viajando eh?!?

Andre

Apesar dos baba-dàn, eles jamais farão algo assim.

Paulo

Chora mais..

Fernando Vieira

É do jogo. EUA vão continuar passando com destróieres ali, a China vai continuar a reclamar e nada vai acontecer. Da mesma forma que a China vai ficar passando com navios no mar do Japão. No máximo fica esse joguinho de ameaças da China. Se a China realmente quiser um conflito armado contra os EUA a pior forma de começar ele seria afundando um desses navios. A retaliação americana seria pesada. Se for pra começar uma guerra com os EUA melhor o primeiro golpe ser muito bem dado. Esses navios passando ali vão continuar, Taiwan se sente protegida, a China… Read more »

marcus

Acredito que a retaliação americana, não seria com armas convencionais.

Rogerio

Se entrar nuclear, o mundo já era, não vai sobrar ngm conta a história, não sei parte na america do Sul sobreviver um parte

Roberto Matos Viveiros

Tipo Pearl Harbor ,Duvido.😜

Andre

lembra do resultado né?

Carlos Roberto Valle Bastos

A reação ianque a china vai ser tão pesada quanto a reação dada aos iranianos quando este lançaram dezenas de mísseis a suas bases ilegais no Iraque ! ( Nada ) ou será a mesma quando a Rússia tomou a Criméia !

Bruno Vinícius

Sim, afundar um navio dos EUA e tomar um pedaço da Ucrânia (que não faz parte da OTAN) é exatamente a mesma coisa, pode confiar.

Murilo Henrique Ribeiro

Né, até porquê na década de 40 o Japão arrebentou com pearl harbor e não deu nada. Confia china, afunda lá o destroier rapidão pra gente ver um negócio.

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro

A China cujos caças invadem todos os dias a Adiz de Taiwan está reclamando do que?
Manda um porta aviões Tio Sam, que um Arleigh Burke tá é pouco.

Teropode

Mas invadir Adiz não é problema , a Adiz de Taiwan cobre área do litoral chinês , Adiz não representam zonas territoriais legais , ela é uma formalidade , segue o enterro ….

Dalton

Apesar dos seus 25 anos de idade o USS Milius foi um dos poucos Arleigh Burkes do grupo de 28 unidades sem hangares para helicópteros que teve seu sistema Aegis
atualizado para o que há de melhor atualmente e encontra-se baseado no Japão seja para
escoltar o NAe baseado lá ou para missões independentes atuando também contra mísseis balísticos de alcance intermediário.

Fernando Vieira

Mestre, uma coisa que sempre pensei sobre esses Burkes sem hangares é: Que motivos levou alguém a propor, projetar, aprovar e construir navios desse porte sem aeronaves orgânicas? Qual foi o contexto na época? Não consigo pensar em algo, visto que mesmo as Niteroi mais antigas e menores já tinham essa capacidade.

Dalton

Boa pergunta Fernando. Os 28 Burkes sem hangares foram concebidos em uma época onde havia um grande número de unidades capazes de operar 2 helicópteros do porte de um “Sea Hawk”, como os então 27 Ticonderogas, 31 Spruances e um número ainda maior de Oliver Perrys eo número de helicópteros é limitado também. . O que a US Navy buscava era um navio mais especializado na guerra aérea para substituir classes mais antigas e que não encarecesse ainda mais o programa com a adição de hangares e infraestrutura para helicópteros como a Charles Adams cujas unidades foram incorporadas na década… Read more »

Alex Barreto Cypriano

Ainda aguardo uma exposição da real capacidade de rastrear e identificar alvos por satélites, não somente militares. Meros satélites civis conseguem imagens muito apreciáveis não apenas no espectro visível da luz mas também em frequências de radar ou infravermelho. Ok, não serve pra vetorar um míssil mas é uma camada valiosa do sistema de vigilância marítimo de qualquer nação apta ao jogo. Com o advento de inteligência artificial e conexão de dados, a vigilância dos vasos em superfície deve ser diuturna e constante, tornando toda força tarefa um segredo escancarado e seu objetivo uma obviedade infantil. Certamente essa capacidade tá… Read more »

Hcosta

Podem detetar misseis, principalmente os balísticos, com os infravermelhos, fontes térmicas.

Giovani

Mais cedo ou mais tarde a China invadirá Taiwan e os americanos irão fazer NADA ! A China prefere não usar a força para reanexar a ilha, já poderiam ter feito a muito tempo mas é melhor seguir o caminho feito com Hong Kong e Macau. Os Estados Unidos já disseram que reconhecem apenas uma China e sequer reconhecem taiwan (Formosa) como um país soberano. Se não me engano nem a ONU reconhece Taiwan como país soberano. Não sou a favor de uma invasão chinesa a ilha, mas a política americana é hipócrita em sua essência, o que aconteceria se… Read more »

João Adaime

Prezado Giovani Macau era reconhecido pela China como soberano e de ocupação perpétua por Portugal. Porém o povo de maioria chinesa começou a se revoltar, pedindo a passagem do território para a China. Os dois países chegaram a um acordo e no dia 20 de dezembro de 1999 Macau passou a integrar a China. Quanto a Hong kong, um acordo entre China e Grã Bretanha cedeu aos britânicos o território por 99 anos. Ao final deste prazo, em primeiro de julho de 1997, HK passou a pertencer novamente à China. Já no que diz respeito a Taiwan, não há acordo… Read more »

WSilva

”Quanto a Hong kong, um acordo entre China e Grã Bretanha cedeu aos britânicos o território por 99 anos.”

Acordo? Cedeu?
Você aprendeu história onde? em algum porão na Inglaterra?

Eu vou deixar bem claro para vocês, Hong Kong é território chinês há mais de 2 mil e durante um pequeno tempo foi INVADIDO pela Inglaterra.

João Adaime

Caro WSilva
Para que toda esta agressividade? Estude a História da China e de Hong Kong que você verá sobre este acordo. Se foi imposto ou voluntário, claro que foi imposto, mas foi assinado e reconhecido. Tanto que a China o respeitou durante todos os 99 anos.
Abraço

WSilva

O ocidente arrumou palavras bonitinhas para dizer coerção e invasão e você caiu como patinho. Eu vou invadir sua casa, colocar você e tua família de refém e vou lhe obrigar a assinar um ”acordo” no qual sua casa pertence a mim por 100 anos e depois vou sair dizer por aí que temos um acordo e que você cedeu sua casa para mim. rs Você terá que cumprir esse ”acordo” pois se não vou colocar mais gente da sua família de refém e vou ainda te sancionar com ajuda dos meus amiguinhos então além de perder tua casa tu… Read more »

Andre

Hong Kong foi cedida pelos chineses aos ingleses no sec XIX. Veja bem: cedido, não invadido. O lugar onde vc está estudando história talvez tenha alterado os fatos para que caibam melhor em alguma fantasia.

WSilva

Não amigo, você foi enganado pelas palavras bonitinhas que o ocidente inventou para dizer coerção e invasão, pega mal falar que os imperialistas ocidentais usavam coerção e invadiam territórios, tá ligado?
HK foi INVADIDO, não cedido.

Se ainda não souber a diferença, me permita fazer mesmo que o Império britânico fez com HK com a sua casa e família, aí tu vai entender a diferença brutal dos dois verbos. rs

Andre

Acho que agora entendi. Invasão foi o que a Rússia fez com a província chinesa de Yongmingcheng e ao contrário do malvadão império britânico que, assim como estava previsto no contrato de cessão do pântano desabitado que se tornou hong kong, que devolveu a área, a Rússia jamais considerou a possibilidade de retornar toda a província invadida. Acertei agora?

Hcosta

Na ONU é difícil ser reconhecida já que a China pode vetar. E os EUA não reconhecem como forma de a manter independente, parece um paradoxo, mas não é. Por enquanto são várias décadas de coexistência e é melhor não dar motivos à China para elevar o conflito para um nível mais perigoso.
Mas duvido que os EUA não façam nada em caso de guerra. E podem causar muito dano à China sem ser preciso envolverem-se diretamente.

Antonio Palhares

Até o chegar o dia que um comandante chinês avisa para o comandante americano.
Plá fola agola.

Carlos Roberto Valle Bastos

Estes ianques genocídas colonialista imperialista destruidores de nações pobres e fracas, só usam a força em cachorro morto ! Países vassalos como Brasil usam juízes e militares picaretas para dar golpe ! Mas a china o buraco é profundo e quando o bicho pegar vai deixar formosa sozinha como nada fez na Criméia !

Marcos Costa

Se china e estados unidos resolverem medir forças militares de forma real será atravez de duas outras nações , pois estas super potências nunca se encaram numa guerra franca entre eles , sempre utilizam países governos estão com suas população polarizadas em suas ideologias políticas , o Brasil sim corre o risco de entrar nesta com uma Venezuela , Argentina ou Colômbia se não se cuidar e tbm a Índia e Paquistão , seria a solução em reduzir a população mundial .. as pessoas que não se cuidem não e deixem de ficar se digladiando em opiniões ideológicas .

Last edited 2 meses atrás by Marcos Costa
Guilherme Simas

Os problemas entre China e Taiwan tiveram origem na revolução Comunista de 1949. O impasse entre as duas está no fato de a China comunista considerar Taiwan apenas uma província rebelde, não admitindo a sua independência, aceita pelos outros países.

Reinere Soares

Águas internacionais, e pronto.

Mohamed nasser

Só para esclarecer, os EUA perto da china virou criança , americano tem o perfil de falar uma coisa e fazer outra acorda pessoal , outra coisa não estou defendendo ninguém .

Andre

imagine se estivesse….

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

Construção da primeira fragata classe ‘Tamandaré’ deve começar em setembro

Em 20 de janeiro, na parte da manhã, como parte da Operação “ASPIRANTEX/2022”, o Comandante de Operações Navais, Almirante...
- Advertisement -