segunda-feira, agosto 15, 2022

Saab Naval

Em 1994, visita da fragata ‘Niterói’ ao porto de Walvis Bay marcou o início da cooperação Brasil-Namíbia

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

‘Um navio de guerra é o melhor embaixador’ – Oliver Cromwell

A foto de abertura mostra a fragata Niterói – F40 visitando o porto de Walvis Bay na Namíbia, em 2 de março de 1994. Era a primeira vez que o país africano recebia a visita de um navio de guerra depois de 15 anos.

Com a visita foi criado um acordo de cooperação entre a Marinha do Brasil e a da Namíbia que começou com uma parceria na formação de pessoal, nos mais diversos níveis, totalizando cerca de 466 vagas utilizadas, sendo 48 para oficiais e 418 para praças.

A cooperação também abrangeu a realização de um Estágio Inicial para 145 marinheiros, em navios subordinados ao Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sudeste, com a duração de 24 semanas.

Graças à cooperação técnica com a Marinha da Namíbia, em 28 de setembro de 1997 foi publicada a carta náutica “3931 – Approach to Walvis Bay”, contendo o plano do porto de Walvis Bay, na Namíbia, construída a partir de levantamento hidrográfico realizado pelo NHi “Sirius” da Marinha do Brasil. Foi realizada também a consultoria nos trabalhos do estabelecimento do limite exterior da plataforma continental daquele país, contemplando a aquisição de dados, o processamento, a confecção de relatório e a preparação do pessoal para apresentação da proposta à Comissão de Limites da ONU.

Em 2001, foi assinado um acordo entre os dois Governos para uma Cooperação Naval, em que a Marinha do Brasil se propôs a fornecer à Namíbia:

  • assistência na organização, no âmbito naval da República da Namíbia, de um Serviço de Patrulha Marítima;
  • embarcações capazes de satisfazer às necessidades navais; e
  • assistência no planejamento e desenvolvimento de uma infraestrutura apropriada à atracação e suporte logístico para tais embarcações.

Em 25 de junho de 2004, a Marinha do Brasil transferiu para a Marinha da Namíbia a ex-Corveta Purus (V23) da classe “Imperial Marinheiro”, que foi rebatizada como Corveta Lt Gen Dimo Hamaambo (C11).

Em 15 de junho de 2004, foi assinado um acordo para fornecimento de um Navio-Patrulha de 200 toneladas da classe “Grajaú” e de duas Lanchas-Patrulha para a Marinha da Namíbia.

O Navio-Patrulha Brendan Simbwaye (P11) da classe Grajaú foi incorporado a Marinha da Namíbia no dia 16 de janeiro de 2009 em cerimônia no estaleiro INACE, onde foi construído, com a presença de altas autoridades de ambos os países.

A Marinha do Brasil também forneceu vagas para o pessoal da Namíbia na Escola Naval, no Curso de Aperfeiçoamento para Oficiais em Hidrografia e no Curso de Formação de Oficiais, no Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW).

A Marinha do Brasil também prestou assessoria na criação do Corpo de Fuzileiros Navais da Namíbia.

- Advertisement -

43 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

43 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Enzo Magno Donato Vernille

Cooperação que está aí até hoje com a recente visita do 4 meses NPaOc Amazonas à Namíbia

Enzo Magno Donato Vernille

Edit: Com a recente visita do NPaOc Amazonas à Namíbia quatro meses atrás

Queops Freitas

E eu estava lá, infelizmente não fomos autorizados a descer e conhecer a cidade.

horatio nelson zhirinovsky

isso sim é o q temos q fazer,manter presença na africa…pena q não temos marinha pra isso…o ideal era ter uma base naval lá

Rafael Gustavo de Oliveira

Excelente observação Enzo….amigos algumas dúvidas que sempre tive….por exemplo a missão no Líbano, a Marinha enviou corveta e fragata (era o que tinha).
Esse tipo de missão não poderia ter sido cumprida por um OPV? caso sim, dependendo da missão acredito que boa parte das missões sejam de baixo risco e mostrar a bandeira não necessariamente precisa de uma embarcação de grande custo operacional e estas poderiam ser melhores preservadas, aumentando assim a operacionalidade das escoltas, pois estas seriam exclusivamente dedicadas para “operações de guerra”.

Cabe um OPV de maior capacidade na marinha brasileira?

Rafael, no caso da UNIFIL, a Marinha do Brasil cumpria o papel de líder da força-tarefa, e os navios enviados eram capitâneas da mesma. Acho difícil que isso pudesse ser cumprido por um OPV.

Agora, se fosse apenas um navio dentro da força-tarefa liderada por outro país, creio que sim.

Carlos Rogério Freire

Eu estava embarcado no F40 nessa comissão, muitos anos de vida, na época era Cabo DT. Rogério, hoje na reserva SO DT Rogério.

João Adaime

Ainda existe algum acordo de cooperação entre Brasil e Namíbia? Não apenas militar, mas também na área civil? Além de preparar a marinha da Namíbia, a MB fez todo o levantamento e mapeamento hidrográfico da costa daquele país. A China, embora negue, está concorrendo com o Brasil pela influência na Namíbia, não só no aspecto militar, mas também no econômico. Uma das maiores minas de urânio do mundo é explorada por uma empresa chinesa. Militarmente falando, a China vendeu um grande navio, o Elephant, sem juros e vários aviões. O interessante é que estes equipamentos tem todos seus controles e… Read more »

Thiago A.

“Enfim, não temos mais bala na agulha pra concorrer com quem quer que seja.”

Eu não tenho essa convicção. Pelo contrário, acredito que se tivéssemos uma indústria com produtos aptos para satisfazer a demanda deles( NPaOC) e uma maior atenção e atuação por parte do governo federal, poderíamos conseguir sim . O laços criados ao longo desses anos, o histórico de cooperação, a confiança e a proximidade humana e geográfica teriam nos auxiliado .

BNDES tá aí para fazer o que?

E nosso interesse manter e preservar essa cooperação e não apenas por retorno econômico, os benefícios vão além.

João Adaime

Caro Thiago A. Concordo. Mas não devemos ficar apenas no campo militar.Aliás, o Brasil ajudou a Namíbia sem a preocupação de retorno econômico. Mas infelizmente os chineses chegaram com tudo. E não só na Namíbia, mas em toda a África. Eles investem ou financiam em vários setores, como agricultura, infraestrutura, saúde, energia, educação, tecnologia e comércio. Como se diz, países não têm amigos, apenas interesses. E como concorrer quando a China investiu mais de US$ 3 bilhões, abrindo mais de 40 empresas que faturam US$ 4,6 bilhões por ano e empregam mais de 6 mil namibianos? E nem estou falando… Read more »

Thiago A.

Nesse quesito realmente fica difícil competir.
Abs

Fernando Vidal

Poisé quebraram quase todas as grandes construtoras brasileiras… E quando o BNDES financiava obras nesses países, ou oferecia linhas de crédito com juros e prazos vantajosos diziam em coro que era corrupção ou negócios duvidosos com alto grau de risco… Agora estos ficando de fora daquilo que dizem ser o renascimento africano. Não só a Namíbia… Angola tem crescido a ritmo Chinês com minério de ferro, carvão, petróleo e diamantes a rodo…

João Adaime

Caro Fernando Nem só a Namíbia e Angola. No ano 2000 foi criado o Fórum de Cooperação China-África (Focac) abrangendo praticamente todos os países da África subsaariana. Um dos pontos principais da postura chinesa é que ela não se importa com a situação interna de cada país. Países tidos como párias pelo Ocidente e que viram empresas ocidentais indo embora por pressão dos seus países, foram logo ocupados por empresas chinesas, a maioria estatais. Quanto às nossas construtoras quebrarem, não vou entrar no mérito. Apenas lembro que foram os próprios donos destas empresas que confessaram os crimes. E mais que… Read more »

Last edited 1 mês atrás by João Adaime
Fernando Vidal

Faltou decisão política na sequência. O governo atual se opôs as parcerias Sul-Sul e só enxergavam o governo Thrump. Agora até estão mudando de opinião com uma maior aproximação dos BRICS. Outro problema nesse caso foi o repasse da Corveta Purus demasiada antiga, com mais de 50 anos de uso que acabou queimando o filme da Marinha, pois logo após o repasse já começou a dar problemas, nesse aspecto a MB deveria ter entregue algo melhor como um patrulha da classe Bracuí, ou um rebocador por exemplos.

Thiago A.

Parabéns Galante, muito bacana essa matéria! É um feito que merece ser divulgado e parabenizado. Essa è a MB que queremos, essa è a MB que o Brasil merece.

Recentemente, na matéria sobre a fragata União e a operação Guinex II, tinha destacado esse belo exemplo de cooperação e proatividade da MB.

André Souza

Primeiramente, parabéns Galante, sempre com conteudos de qualidade. Gostaria de saber a opinião de vocês referente as relações Diplomáticas e Militares entre Brasil e o oeste da África, é um fator interessante para manter um “escudo” contra uma possível concorrência não só Chinesa mas de outros países na região do Atlântico Sul ? Pensando a longo prazo e com a presença Britânica nas ilhas Malvinas/Falkelands, podemos esperar um ambiente mais hostíl em nossa região com uma presença maior dos ingleses ou até mesmo da OTAN e uma presença militar Chinesa apoiando uma possivel reenvindicação Argentina para com as ilhas ?… Read more »

Rogerio Schneider

Cooperação ? Isto foi parte da diplomacia petista de criar laços com países africanos que não possuem poder de compra algum, enquanto esnobava os Estados Unidos, que realmente fazem a diferença na nossa balança comercial de exportação. A Namíbia serviu para o partido governante abrir mais uma frente de butim dos cofres públicos brasileiros. Quanto ao mais, li o artigo acima e não consegui qualquer coisa que o Brasil tenha recebido em troca.

Mgtow

Putz!
Tava demorando chegar esse tipo de aloprado aqui nos comentários. Bicho sai desses canais de conspiracao,pegue um livro de geopolítica vá estudar . O bom mesmo é agora o Brasil sendo uma cadelinha dos interesses dos EUA ao invés de projetar poder e influência em outro país? Vai te catar rapaz

Fernando "Nunão" De Martini

Mgtow,

É perfeitamente possível debater sem chamar o outro comentarista de aloprado ou mandar se catar. Não há qualquer ataque pessoal no comentário do Rogerio, então por que você o ataca de forma pessoal?

Ele pode estar bem equivocado, mas você perde qualquer razão fazendo ataques pessoais.

Ajude a manter o blog limpo, como se fosse o chão da sua casa. Não é difícil.

Thiago A.

Não tá limpo não, Nunão. Tava limpo, até alguém começar com esse fla-flu politico que sempre gera uma bola de neve . É revoltante que o próprio povo brasileiro não consiga enxergar seus méritos e um grande feito da MB. Preferem denegrir porque “o gol ” segundo eles não foi feito pelo time deles, sendo que “o time” deles deveria ser o Brasil ! Dá raiva dessas atitudes míopes…

Last edited 1 mês atrás by Thiago A.
Fernando "Nunão" De Martini

Thiago,

Manter o blog ou a casa limpos é questão de rever hábitos.

Pra quê chamar o sujeito de “sem noção” e “alienado”? Qual será o resultado? A velha bola de neve de ofensas. Eu discordei totalmente do que ele escreveu, mas optei por não fazer ataque pessoal nem xingar.

Fernando

Nunão, e por que começar este papo de butim de cofres publicos brasileiros? A posição politica do rapaz nao me interessa em nada, somente a verdade e o bom senso deveriam imperar.

Fernando "Nunão" De Martini

Fernando,

Eu apenas debati com outros comentaristas sobre o porquê de atacarem pessoalmente o cara.

Quanto ao conteúdo, rebati com fatos pra mostrar que ele está errado. Simples.

Last edited 1 mês atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini

Rogerio, A costa da África é área natural da geopolítica brasileira, e isso vem desde muito antes dos governos petistas, com todas as ressalvas que se possa fazer à política externa entre 2003 e 2014 (teve pontos positivos também). Pra não recuar tempo demais e discutir questões seculares, houve grande esforço de estreitar relações com vários países africanos (e não só da costa atlântica) nos anos 1960-80, e a ponta de lança foram contratos de vendas de equipamento militar: viaturas Cascavel, Urutu, jipes, minas, armas portáteis, munições diversas, foguetes e até jatos Xavante. E na esteira foram as empreiteiras. Longo… Read more »

GUPPY

Nunão, o país africano que comprou aviões Xavante, foi o Togo?
Obrigado.

Fernando "Nunão" De Martini

Foi sim

Thiago A.

Tinha que aparecer o sem noção e alienado pela política arruinando um excelente momento para parabenizar um grande feito da MARINHA. Confere as datas no texto e vê se bate com o teu papo aí … Prestígio, influência, soft-power, apoio e respaldo nas organizações internacionais ou para eventuais iniciativas lideradas pelo Brasil… Significam alguma coisa para você ? Siglas como ZPCAS ou CPLP te dizem algo ? Cooperação e promoção de uma área pacífica e colaborativa? Não? Capacidade de penetração e captação de informações de primeira mão sem ser pegos com as calças arriadas, pode ser útil ? Se posicionar… Read more »

RPiletti

Em 94 o governo não era PT. Não sou adepto deles, mas não concordo com desinformação.

Nilo

É de interesse (nosso) estratégico para o Brasil das Forças Armadas prinipalmente a MB no Atlantico Sul manter e promover as boas relações com a Namibia, infelizmente não temos recursos para financiar, afora os problemas que tivemos na construção de navio patrulha.

Nostra

Off topic

First testfire of DRDO VL SRSAM from Indian Navy ship

VL SRSAM is primarily meant for taking down supersonic+ sea skimming anti ship missiles among other tasks

FWAxEJ8VUAAv3rh.jpeg
Nostra

VL SRSAM is a variant of Astra Mk1 BVRAAM

Possibly a land based version of VL SRSAM mounted on a HMV will be developed for close in defence against aerial targets

FWAxEuCUcAA2Utv.jpeg
Carvalho2008

Ideias e conceitos que inclusive podem se auto financiar: A) A exemplos do surgimento dos centros mundiais de formação aérea, criar um centro de formação naval e mercante no Brasil; B) Adotar um modelo de NapaOc Escola e implementar umas 6 unidades C) Instituir convênios com países africanos e ofertas algumas bolsas nesta academia D) Prever no programa o uso em portos e Costa Africana E) Manter linha de Napa e NapaOc com comunalidade com os Naescolas acima listados como emprego no Brasil e potenciais clientes e influenciadores africanos acima formados. Auxiliar a formar oficiais africanos é o mesmo que… Read more »

João Adaime

Prezado Carvalho 2008
Tua ideia é bótima (boa + ótima), mas temo que o mundo todo já tenha perdido a África abaixo do Saara para os chineses. Eles terão ali um suprimento inesgotável de minérios, comida, hidrocarbonetos, mão de obra barata e mercado para seus produtos.
Abraço.
PS: Seria mais barato para nós olhar com mais atenção para a América Latina. Aqui acho que ainda dá tempo.

Carvalho2008

Nunca é tarde….alguns são de língua portuguesa e sim a China tem o dinheiro mas não a simpatia africana….as empresas brasileiras na África empregam africanos…mas as chinesa…levam chineses…eles ficam P da vida com isto…

João Adaime

Agora você tocou num ponto importante. A China está promovendo uma migração do seu povo para a África. Como são melhor preparados, tomam o lugar dos nativos. Mas a China também emprega muitos africanos. Eu te deixo uma pergunta. O que vale mais para quem precisa sobreviver? Um sorriso dado por um brasileiro ou um punhado de euros trazido por um chinês? Nos últimos 10 anos a China investiu US$ 75 bilhões no continente. Considerando apenas dois países de língua portuguesa, foram financiados 130 projetos em Moçambique e 91 em Angola. No geral, os campeões em receber projetos financiados com… Read more »

Carvalho2008

Posteriormente, tentaram vender as INHAUMA E Barroso aos Africanos, mas ainda não era o que desejavam no momento….era um pouco cara…

groosp

Nunca havia notado que ela tinha dois lançadores de SeaCat.

groosp

Achava que era um só.

Gerson Luiz Penna Bastos

Maravilha de lembrança!
Eu era o médico de bordo- CT-Md

fabio mayer

Salvo engano, a Namíbia recebeu uma corveta desativada da Marinha do Brasil, a “Purus” e encomendou um navio, e ambos foram os primeiros navios de sua marinha, que até então só operava lanchas de patrulha e meios limitados. Porém, eu fico me perguntando porque o Brasil não dá continuidade aos bons programas de parcerias. Poderia manter treinamentos e compartilhamento de doutrinas com a cessão (onerosa) de outros equipamentos, alguns desativados aqui, que poderiam ter uma sobrevida útil em um país que, como a Namíbia, ainda está se estruturando em todas as áreas. A timidez diplomática, aliada à constante discussão sobre… Read more »

Enzo Magno Donato Vernille

Bem
O INACE eu sei que produziu navios pra Namíbia
Lanchas de patrulha
E um navio patrulha no estilo da classe Grajaú

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Estônia e Finlândia integrarão sistemas de mísseis antinavio costeiros

A Finlândia e a Estônia integrarão sua defesa antinavio costeira, o que permitirá aos países fechar o Golfo da...
Parceiro

- Advertisement -