O secretário da Marinha dos EUA diz que é imperativo atualizar a frota para acompanhar a China, mas a realidade é que a América não tem capacidade para fazê-lo

Por Gabriel Honrada

Os EUA aparentemente não conseguem igualar a crescente capacidade de construção naval da China, à medida que os líderes da Marinha dos EUA se envolvem em um jogo de culpa em vez de abordar falhas e má administração do passado.

A CNN informou este mês que o secretário da Marinha dos EUA, Carlos Del Toro, disse que os EUA não podem igualar a China em termos de número de frotas, uma admissão que pode ter implicações significativas para o equilíbrio de poder da região do Pacífico.

No National Press Club em Washington, DC, Del Toro disse que a China agora tem uma frota maior e a está desdobrando globalmente, tornando imperativo que os EUA atualizem sua frota em resposta.

De acordo com o relatório do Poder Militar da China de novembro de 2022 do Pentágono, a Marinha do Exército de Libertação Popular da China (PLAN) é a maior marinha do mundo, com 340 navios em 2022. A Marinha dos EUA, em comparação, tinha apenas 280 navios.

Del Toro disse que a China possui 13 estaleiros navais, sendo que uma dessas instalações tem mais capacidade do que todos os sete estaleiros navais dos EUA juntos. Ele também destacou os problemas em encontrar mão de obra qualificada para os programas de construção naval dos EUA.

Um relatório do Serviço de Pesquisa do Congresso dos EUA de dezembro de 2022 afirma que cortes orçamentários e outras questões resultaram em demissões de trabalhadores de estaleiros cujas habilidades especializadas não podem ser fácil e prontamente substituídas.

A China optou por aplicar sua estratégia de fusão civil-militar ao seu programa de construção naval para aumentar a produtividade

Em seu discurso, Del Toro também disse que a China não enfrenta as mesmas restrições, regulamentos e pressões econômicas que perseguem os construtores navais dos EUA enquanto acusa a China de usar “trabalho escravo” em seu programa de construção naval naval, sem fornecer evidências corroborantes.

No entanto, o especialista em política de defesa Blake Herzinger disse que os comentários de Del Toro eram típicos da resposta da liderança da Marinha dos EUA ao programa de construção naval ascendente da China, que ele disse que tende a criticar a China em vez de reconhecer as falhas dos EUA, informou a CNN.

Em um relatório do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) de dezembro de 2018, o think tank com sede em Washington disse que os EUA se concentraram na expansão da construção naval em vez de integrar as operações civis e militares de construção naval.

Essa filosofia, observa o relatório, se deve às diferentes exigências da construção naval civil e militar, com a consolidação afetando potencialmente a produtividade e a eficiência de ambas.

No entanto, em um artigo de outubro de 2021 para a Política Externa, Alexander Wooley observa que os problemas da construção naval dos EUA podem ser atribuídos ao “dividendo da paz” pós-Guerra Fria, que resultou na indústria privada de construção naval fazendo lobby com sucesso no governo Clinton para assumir a engenharia e trabalho de design tradicionalmente feito pela Marinha dos EUA.

Destróieres em construção na Dalian Shipbuilding Industry Company

No final dos anos 1900, observa Wooley, a Marinha dos EUA posteriormente buscou economia de custos reduzindo a arquitetura naval interna e a equipe de engenharia em 75%, de 1.200 para cerca de 300.

Wooley também observa que a falta de novas instalações de construção naval deixou os navios de guerra dos EUA ficando mais tempo nos estaleiros para reparos, dando pouco incentivo para os estaleiros investirem no aumento da capacidade de produção e, assim, resultando na perda de trabalhadores qualificados, know-how técnico e subcontratados.

Em contraste, a China optou por aplicar sua estratégia de fusão civil-militar ao seu programa de construção naval para aumentar a produtividade.

Essa estratégia traz várias outras vantagens, incluindo economia de custos, tempo de desenvolvimento e ciclos de produção reduzidos, melhor qualidade do equipamento militar e produção mais eficiente em geral, além de permitir que as indústrias militares aproveitem os avanços da tecnologia civil, observa Richard Blitzinger em um relatório de janeiro de 2021 para o S Rajaratnam School of International Studies (RSIS) em Singapura.

A abordagem também se baseia na cultura estratégica centralizada e de cima para baixo da China, permitindo que ela desloque rapidamente a atenção, o capital e os recursos para setores estratégicos, como a construção naval.

Dalian e o estaleiro ao fundo
Dalian e seu estaleiro ao fundo

De acordo com o Manual de Estatísticas de Comércio e Desenvolvimento da Conferência das Nações Unidas de 2022, a China construiu 44,2% da frota mercante mundial no ano passado, seguida pela Coreia do Sul com 32,4% e Japão com 17,6%. Em contraste, os dados mostram que os EUA construíram apenas 0,053% da frota mercante total do mundo em 2022.

Khanna observa que a construção simultânea de navios de guerra e navios civis na China nos mesmos estaleiros permitiu que sua indústria de construção naval operasse em capacidade, independentemente das crises econômicas, aplicando técnicas de produção em massa para navios civis à construção naval, aplicando tecnologias civis avançadas em navios de guerra, mantendo o aumento capacidade de produção para construção naval e contornar as sanções que visam seus programas de modernização militar.

Ainda assim, o programa de construção naval da China tem sua parcela de desafios. Por exemplo, em um artigo de 2015, Andrew Erickson observa que a China ainda depende de fontes estrangeiras para navios de superfície e propulsão submarina.

Um artigo de junho de 2021 da Deutsche Welle relata que os motores do fabricante alemão Motoren und Turbinen-Union (MTU) são usados nos destróieres Luyang III e submarinos da classe Song da China, com Pequim capaz de escapar das sanções da UE devido às aplicações de uso duplo dos motores.

Mais cinco destróieres Type 0522D em construção em setembro de 2022

Além disso, Erickson também diz que a China ainda tem dificuldade em produzir sensores sofisticados. Nesse sentido, em setembro de 2021, um tribunal dos EUA condenou um cidadão chinês por contrabandear hidrofones americanos que poderiam ser usados para guerra antissubmarina para os militares chineses.

Erickson também observa que a adesão aos padrões de controle de qualidade pode ser uma fraqueza no programa de construção naval da China devido a uma ênfase cultural nas relações pessoais e no pragmatismo, que ele argumenta que pode resultar em problemas no cumprimento de padrões rígidos em comparação com os construtores navais ocidentais.

Ele também aponta que a cultura estratégica centralizada e de cima para baixo da China pode resultar em ineficiências burocráticas e ineficácia.

Erickson também aponta que a força de trabalho da construção naval da China permanece relativamente pouco educada, resultando na capacidade da China de construir um grande número de navios grandes e pequenos não complexos.

É uma deficiência que ele diz que a China está abordando por meio de parcerias entre estaleiros e da criação de escolas técnicas para aumentar a capacidade de sua força de trabalho na construção naval.

Novos navios para a PLA Navy: SSBN Type 094A, destróier Type 055 e porta-helicópteros Type 075, em abril de 2021

FONTE: Asia Times

Subscribe
Notify of
guest

116 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Diego Tarses Cardoso

Caramba, a China tem pelo menos 13 vezes a capacidade de construção americana.

Dalton

O texto menciona que 1 dos 13 estaleiros chineses equivaleria a 7 estaleiros americanos
mas não quer dizer que os outros 12 sejam tão ou mais capazes principalmente quando
um dos estaleiros americanos é responsável pela construção e modernização de meia vida de NAes de propulsão nuclear.

Zorann

Se a China produz 44% da frota mercante mundial anualmente, contra 0,5% dos EUA…. fica claro que a capacidade construtiva chinesa é seguramente algumas vezes a americana, pra dizer o mínimo.

glasquis7

Não necessariamente.

Construção Naval mercante é diferente de Construção naval bélica. Tome por exemplo o próprio Brasil, uma indústria naval mercante gigantesca frente aos seus vizinhos mas, não assim com a construção naval militar.

Rudi PY3TO

Dalton , vejo falar muito na capacidade de construção chinesa , mas…não vejo falar em tripulação…principalmente Oficiais para esse navios , isso também leva tempo para formar né?

Luís Henrique

A marinha chinesa é a 2a maior do mundo em quantidade de marinheiros. São mais de 300 mil enquanto que a americana possui 350 mil.
Então acho que marinheiros treinados não deve ser um problema para eles.

Rudi PY3TO

Agradeço Pela resposta L. Henrique , eles devem ter Academia Naval de respeito por lá….´è que eu nunca tinha houvido falar nesta parte….só não entendo a negativação de uma pergunta, mas….Agradeço a todos mesmo assim!

Comte. Nogueira

Lá na China, são feitos testes de aptidão nos estudantes desde os 6 ou 7 anos… E conforme os resultados, as crianças já são direcionadas para serem engenheiros, mestres de kung fu, médicos, atletas ou marinheiros. Quando concluem o ensino médio, já estão formados para seguirem suas funções…

Miguel

Lá quase não tem gente pra virar tripulante

DOUGLAS TARGINO

Lamenta? Os caras ficam fazendo navios, submarinos de quátrilhões de dólares e o outro lado faz o “mesmo” navio com no máximo metade do valor e com poder tão quão igual aos americanos. E isso os projetos bilionários que não saem do lugar, como aqueles navios estranhos que foram bilhões jogados no lixo e encostados depois de menos de uma década… O problema ai, não são os Chineses, mas sim os EUA que não sabem usar o seu dinheiro! E outra fator, na China não “existe” corrução como nos EUA, pois lá é tudo deles, é tudo do governo, ou… Read more »

Luis Carlos

E o pior é que gastam trilhões em coisas que não funcionam direito .
O resultado está aí.

Celmo Vieira

O que interessa é o lucro do cartel de corporações do complexo industrial-militar dos EUA.

Cartel que financia ambas facções partidárias do regime dos EUA…

Gugs

EUA mais corrupto que a China foi ótimo!
Sugiro fazer uma entrevista para alto cargo comercial em empresa Chinesa e ouvir o que eles esperam de vc.

Sobre a diferença entre custos de produção: de algum lugar tem que vir o dinheiro dos salários, plano de saúde e condição dignas dos funcionários do estaleiro americano. Tenta comparar com os da China e veja se é isto que vc quer como sociedade.

Celmo Vieira

O EUA é um dos países mais corruptos e desonestos do mundo.

Mas isso não vai sair na AP. Reuters, BBC, CNN, G1, etcs…

Rafael

Na china tem corrupção sim! Só que o governo chines não tolera corrupção caso for descoberto, a pena é a setença de morte, muitos Generais e politicos foram mortos por causa da corrupção e desvio de dinheiro.

Maurício.

“muitos Generais e politicos foram mortos por causa da corrupção e desvio de dinheiro.”

Se essa moda pegasse aqui no Brasil, faltaria caixões…

rafael

o Ultimo general Chines que eu vi em um site, ele foi morto por corrupção, porque estava desviando dinheiro que ia ser usado na tecnologia da catapulta elétrico magnética, eu vi isso em uma materia por ai na net, não consigo achar.

Augusto

E capaz de mesmo no caixão o povo daqui continuaria votando neles.

Lá com todos os seus problemas e um pais serio e que almeja o topo. Aqui nos preocupações e quem ganhou o campeonato brasileiro ou o desfile de carnaval.

Heinz

Se essa moda pega aqui no Brasil, já teríamos que ter outra eleição para presidente, e congresso, creio que uns 98% dali não seriam mais vistos.
Isso sem contar nos governos estaduais e municipais..

Alexandre Sousa

Aqui o STJ anulou um processo com droga e tudo porque um policial atendeu o celular do supeito atraindo outro supeito que tinha a posse da droga. Usar de astucia com criminosos deve ser crime garantindo ainda mais a inpunidade.

Bor

Igual ao Brasil. Kkkk

Alan Santos

Nisso eu invejo o PC Chinês .

Inimigo público

Os chineses escravos ganham melhor que os brasileiros que são “livres”. Durma com essa.

Allan Lemos

Mas de acordo com os fanboys dos EUA, é tudo um plano para conseguir mais orçamento e tudo que vem da China “solta pecinha”.

Mas enfim, isso é muito significativo, vale lembrar que um dos fatores que fizeram com que Cartago fosse suplantada pelos romanos como potência dominante no Mediterrâneo foi justamente a perda do domínio naval.

Se não mudar, os EUA seguirão o mesmo caminho e terão o mesmo destino.

Wellington R. Soares

Verdade Allan. Como tudo na vida, o mundo dá muitas voltas. Na história sempre houve alternância entre super potências e dessa vez não será diferente.

A China via superar os EUA em economia (isso se já não passou), poder militar e influência.

Agora é aguardar como será essa alternância de poder, pois o que a história nos mostra quase sempre foi na pancadaria rsrr….

sub urbano

Realmente é um paralelo plausível. Privatização é uma desgraça desde antes de existir kkk. Vou mais além, ainda na mesma linha. Cartago tinha uma força armada “terceirizada” com grande quantidade de mercenários (tinha até general grego contratado, alguns mto bons como Xantipo). A propria segunda guerra punica foi um empreendimento quasi privado da família Barca. Roma, pelo contrário, subiu impostos para fazer a esquadra q venceu os cartagineses e deu início ao “mare nostrum”. Detalhe q os navios eram cópias melhoradas dos navios cartagineses, mto parecido com oq a China faz hoje.

Augusto

Forças armadas privadas nunca foram um bom negocio, os romanos também pagaram um preço amargo séculos depois de usarem forças mercenárias em grandes quantidades em seus exércitos. Um detalhe que fez bastante diferença nos primeiros combates navais entre os Cartagineses e o romanos, foi a criação do Corvus, que era um sistema que permitia os navios romanos abordarem mais facilmente os navios cartagineses. Como a infantaria romana era superior que a cartaginesa, isso garantiu varias vitorias para os romanos. O problema do Corvus e que ele deixava as quinquerremes muito instáveis, principalmente em condições de clima muito adversas. Os romanos… Read more »

Um Simples Brasileiro

Ao invês de se lamentar, deviam trabalhar para retomar a posição.

MrBlack

Mesmo que quisessem não conseguiriam, pois os sistemas economicos e politicos são muito diferentes, a burocracia Americana é impeditiva, por isso um porta aviões lá leva uma decada para ser construido e custa 14 bilhões de dolares.

Jodreski

Acho que o pessoal pega muito pesado em relação às criticas! Os EUA fizeram no passado que era sensato fazer, após a queda da União Soviética não havia pq manter aquele ritmo de produção, até pq o dinheiro necessário para tal poderia ser aplicado em outros setores americanos. E o $ não é infinito, até mesmo para eles. Aconteceu que ninguém previa lá trás que a China fosse crescer o tanto que cresceu, mérito dos Chineses. O fato da economia ser globalizada trouxe diversas vantagens aos ianques porém nem tudo é flores, a demanda naval civil associada aos preços chineses… Read more »

Celmo Vieira

Os EUA ficaram cegos pelo fanatismo supremacista e excepcionalista de seu regime. Ponto.

O resultado, depois de 3 décadas dos costumazes Crimes de Guerra e Contra a Humanidade, em série do seu regime em tenta impor uma “Pax Americana” estamos vendo agora.

Neto

Parte deste dinheiro, diga-se, foi aplicado na…. China, para baratear alguns processo produtivos.
.
O $$ que edificou a china de hoje, veio de algum lugar ^^’.
.
E tudo bem, faz parte.
.
A questão é como tornar nosso mercado interno, sua necessidade, um vetor para produção industrial mercante?
.
Há vontade política?
.
Uma marinha mercante de cabotagem, não precisaria de alta tonelagem, e geraria empregos e até pode diminuir o preço de nossa logística.
.
Falta estudos de viabilidade? Vontade política?

Carvalho2008

Mestre Neto….tanto disse e tanto falo…agua mole em pedra dura….

aí está o que sempre falo….

Jagderband#44

Enquanto a China não tiver regulamentações trabalhistas, sociais, ambientais e etc, como o ocidente tem, a China será a locomotiva industrial do mundo.
Qualquer item fabricado na China custa menos que no ocidente.
Na China não há preocupação com qual partido ou qual político assumirá tal cadeira, e só esse fato já é positivo para eles.
Acho difícil os EUA recuperarem esta posição.

Renato

Engraçado que sempre vejo artistas, ONGs, jornalistas pressionando empresas e governos a tomarem atitudes contra paises que “supostamente ” teriam cometido algum abuso aos direitos humanos ou ambiental , mas contra a China ninguém se pronuncia, não há protestos ou retaliações.

Jefferson Ferreira

É justamente o que o jagderband disse

Carvalho2008

protestos independente da natureza, nunca ocorrem contra a fonte do dinheiro que lhe financia…..

Marcelo Baptista

Pronunciar, se pronunciam (ONU, OMC, GreenPeace, estes correm até o risco de serem afundados), mas como a China é uma ditadura (O pessoal te esquecendo deste pequeno detalhe), eles, o governo Chinês, ignora se vier do exterior e reprime se vier do interior. Diferente de uma democracia (Sim, com um monte de falhas), eles, o governo dos EUA, devem satisfação aos seus cidadãos.
Não sei vcs, mas eu ainda prefiro a segunda opção.

Coronel James Braddock

Nossos irmãos americanos poderiam fazer uma ampla parceria na produção de navios, submarinos.
Com a total união de produção de unidades, poderiamos alavancar a produção naval de ambos paises.

Destacando-se também a produção de torpedos e misseis anti navios.

Poderíamos realizar uma parceria de uma ou duas bases navais americanas no Brasil.

Jagderband#44

Tá de brincadeira né?
Eles nos conhecem, sabem como somos.
Acha mesmo que vão fazer parceira com um país com mentalidade +estado, com viés de esquerda e governado eternamente por corruptos?

Fernando

E tambem os conhecemos, sabemos como são. Quem voce acha que vai ficar com o construido? Que vão dividir conosco?? kkkkkkk

Jagderband#44

Com certeza Fernando.
Deveríamos incentivar nossa indústria, mas para isso esse país tem que ser refundado.

Jodreski

Aliás se tem um programa americano que merece ser criticado é o LCS, esse sim foi uma fornalha de dólares do contribuinte. Provavelmente eles fizeram algum workshop com a MB no intuito de aprender como transformar milhões de dólares em ineficiência.

Wellington R. Soares

Quando você se encontra em uma posição confortável, é natural um relaxamento e até mesmo algumas “viagens na maionese” rsrr…

Acredito que os EUA relaxaram imaginando que não poderiam ser superados e isso era um fato quase incontestável a 10 anos atrás !

A China vai no quieto e não para a fabricação, seja de corvetas, patrulhas, fragatas, etc….

Muito difícil os EUA conseguirem alcançar o ritmo naval dos Chineses.

Celmo Vieira

Foi mais um programa perfeito para o cartel privado do complexo industrial-militar dos EUA. Ponto.

Last edited 11 meses atrás by Celmo Vieira
IvanF

E se… a MB que fez um workshop com a USN pra aprender como transformar milhões (ou até bilhões!) de dólares em ineficiência? kkkkkkk

Inhotep

País com objetivos e sem frescura, parabéns a China. 👏👏🇨🇳

Luis Carlos

A NOM chegou!
Finalmente!

Jagderband#44

NOM tem direitos trabalhista, NOM tem culpa ambiental, NOM tem divergência política (paredão em quem pensa diferente), NOM tem dinheiro para centenas de milhões de pessoas.

Luis Carlos

A China está fazendo valer todo o seu poder e todas suas potencialidades para assunção e consolidação do maior centro de poder mundial .
E eu vivi para assistir a isso.

Jagderband#44

Calma kings, a balança ainda não mudou, embora esteja prestes a mudar.
Você tem que viver mais uns 35 anos.
Vai se cuidando ok, nada de comer comida do RU e fumar um.

ednardo curisco

Os EUA sempre primaram por ter ‘muito’ e ‘melhor’. A conta não fecha.

Para quem quer patrulhar o mundo inteiro é mais importante às vezes abrir mão de uns 3 AEGIS para ter em seu lugar umas 15 fragatas ou corvetas.

Não dá para ter sempre topo de linha em tudo.

Dalton

A ideia de diminuir o número de grandes combatentes e aumentar o número de pequenos buscando um maior equilíbrio entre os tipos tem duas décadas ou mais daí o “LCS” que é basicamente uma corveta/fragata leve que foi pensado para um cenário diferente necessitando uma gradual adaptação e a primeira verdadeira fragata sucessora da classe Oliver Perry encontra-se em construção.
.
Devido às grandes distâncias que separam os EUA de possíveis adversários é necessário
ter navios “grandes” e mesmo as futuras fragatas baseadas na FREMM italiana serão
maiores que estas.

ednardo curisco

Mestre!!!! Honra ser respondido por ti!

E esta é uma baita vantagem da China. Ela não quer ser a policia do mundo. Ela quer cuidar de sua zona imediata de interesse.

Os EUA vão ter de correr para tirar o atraso

ednardo curisco

já chegou o doido do ‘negativo’

Dalton

Não sirvo mais nem como “mestre sala”, mas, o que muitos não querem entender é que os EUA especificamente a US Navy ficaram sem rumo depois do fim da guerra fria e não foi apenas uma questão de corte de orçamento e sim do que fazer com ele e poderia ter sido pior ! . Em um livro que tenho por exemplo o último NAe da classe Nimitz o USS George H W Bush deveria ter sido bem diferente otimizado para operar mais próximo de litorais e ser rapidamente reconfigurado para ajuda humanitária ! . No fim ele e a… Read more »

Marcelo Baptista

Dalton, eu lembro que quando a URSS caiu, a maior parte da minha geração achou realmente que tínhamos entrado em uma nova era.
A Economia Globalizada evitaria guerras, pois estas causariam problemas econômicos a todos, e portanto todos as evitariam.
Algo como a historia do poço de merda no inferno, todos pedindo para não fazer marola.
Ao longo destes 30 anos, a realidade mostra que, e bem, tem sempre um gordão pulando no poço.

Otto Lima

A propósito, no auge da Guerra Fria, o Almirante Zumwalt teve uma ideia parecida. Seu legado foi o NAeL espanhol Principe de Asturias e as fragatas OHP.

ednardo curisco

Quando analisamos as frotas dá para ver que a China tem dezenas de meios de menor capacidade, equivalentes a fragatas ou corvetas. E isto é sábio. Para que um super cruzador para patrulhar zona costeira ou áreas de baixa ameaça? famoso mix Hi-Low.

Celmo Vieira

O regime dos EUA sempre foi baseado em genocídio, roubo e saque de países.

Essa era está acabando. Logo, é inexorável a decadência de seu regime criminal.

Nei

Você tem razão sim, mas o que China fará?

Estamos ferrados de qualquer forma!

Marcelo Baptista

vixi, então estamos trocando “seis” por “meia dúzia”.

Otto Lima

Há mais de 50 anos, o almirante da USN Elmo Zumwalt disse algo assim e propôs o conceito de “alto e baixo”. O “alto” era as grandes embarcações de superfície (supercarriers, cruzadores e contratorpedeiros) e os submarinos nucleares. O “baixo” era navios menores e mais baratos, para vigilância de áreas marítimas, como o navio de controle marítimo (sigla em inglês: SCS), que era essencialmente um NAeL voltado para ASW, como o nosso Minas Gerais, e a fragata de patrulha (sigla em inglês: PF). O SCS não vingou na USN, mas deu origem ao NAeL espanhol Principe de Asturias. Já a… Read more »

ednardo curisco

Penso até menos ‘capazes’ mesmo. Mais em conta. Porque a marinha dos EUA precisa sim de quantidade

Gilson Elano

A meu ver, a maior causa dessa assunção chinesa, estar mais ligada aos descaso com direitos sociais, políticos e trabalhistas. Essas situações requerem muito dinheiro investido.

Celmo Vieira

A questão é muitíssimo simples: o complexo industrial-militar chinês é estatal e serve aos Interesses Nacionais e Soberania chineses.

O dos EUA é um cartel privado a serviço do lucro da oligarquia dos EUA. Ponto.

As FAs dos EUA não passam dos mercenários oficiais dessa oligarquia.

Esteves

Essa imagem do estaleiro ao fundo diz muito. Cidades verticalizadas. “A abordagem também se baseia na cultura estratégica centralizada e de cima para baixo da China, permitindo que ela desloque rapidamente a atenção, o capital e os recursos para setores estratégicos, como a construção naval.” Não é assim que funciona a economia norte-americana. As empresas norte-americanas fornecem entre si difundindo o conceito de horizontalidade. Aqui no BR chamamos de BID ou BDL. Negócios em torno de negócios. Como a Embraer e o Vale de São José dos Campos. Cadeias de fornecimento. A Chery quando construiu a fábrica em Jacareí acreditou… Read more »

Nilo

Um exemplo no parque industrial bélico do Brasil de processo industrial verticalizado: Avibras.

Esteves

Nilo,

Olha os comentários. Essa gente tá irritando o Esteves. Muito mesmo.

A China é surpreendente.

Esteves

Será que o ex salva a Avibras?

Será?

Nilo

A prioridade de ex é arrumar a casa da moeda rsrsrs
Vitalizar o crescimento nestes primeiros dois anos.

Marcelo Soares

Parabéns pelas palavras 👏👏👏👏

Esteves

Se o Ocidente desejar competir com a China terá que mudar. O Ocidente pode seguir como vai, fornecendo à China. Ou o Ocidente pode mudar se desejar mudar para competir. Voltamos aos direitos trabalhistas. Direitos constitucionais, direitos de benefícios, direitos de estatutos. Estabilidades, promoções na inatividade, salários dos inativos maiores que os salários dos ativos, isonomias. Maldita competição entre capital e trabalho. Remunerar quanto vale o trabalho tem um peso X 2 no Brasil. Paga 10, gasta 20. Somente em impostos estaduais, as empresas brasileiras devem mais de 1 trilhão de reais. A Chocolates PAN…aquela dos cigarrinhos de chocolate finalmente… Read more »

Augusto

Perfeito comentário Esteves! Tem que reduzir imposto, Focar mais em que é produtivo e tornar o setor industrial pais competitivo. Pena e que o ex está fazendo justamente o contrario.

Macgaren

Ainda bem que não aplicaram a mesma estratégia no brasil, parceria militar/civil se caísse na mão de um pazuello, demoraria decadas para algo.

Rafael

É a mesma coisa aqui o que acontece no EUA, é estaleiro civil e militar que faz os navios e submarino.

Maurício.

Esse tipo de matéria, quando mostra que um país superou outro em determinado setor, costuma machucar o lado torcedor de muitos… Grande coisa se a China ou os EUA estão na frente um do outro em determinadas áreas, são duas potências com nukes, onde nunca vão se enfrentar diretamente em uma guerra, o pessoal parece que esquece que EUA e Rússia ficaram nessa ladainha chamada guerra fria por mais de quarenta anos e o máximo que aconteceu foram guerras de procuração com países buchas de canhão.

Chaosnat

Até para fazer as guerras de procuração se o país tiver uma marinha forte é uma vantagem, como a história da guerra fria nos mostra.

Augusto

E verdade Maurício, o problema e que tem alguns malucos lá na Casa Branca que estão começando a considerar viável uma confrontação com a China por causa de Taiwan. Os dias de hoje podem ser comparados com os dias mais nebulosos da guerra fria.

Um exemplo disso e a crise dos misseis em 63, naquela época, ambos os lados foram sensatos em tentar buscar uma solução para crise, coisa que não estamos vendo no atual momento, pelo contrario, os dois lados estão aumentando cada vez mais suas apostas.

Gabriel BR

A capacidade industrial chinesa é uma coisa colossal , nada no mundo chega perto da capacidade de produção dos caras. A China é para a Industria o que o Brasil é para o Agro.

EduardoSP

Os EUA abandonaram a indústria pesada, de relativamente baixa tecnologia e intensivas em mão-de-obra.
Mandaram todas para outros países e se especializaram em serviços eletrônica e tecnologia da informação.
A mesma coisa fez a Inglaterra.
Isso tem certos inconvenientes, como os apontados na matéria. Eles podem recuperar o terreno com alguma facilidade, no sentido de que tem tecnologia e recursos para isso, mas leva tempo e vai custar caro.

Luis Carlos

O problema é que os outros países que receberam essas indústrias de baixa tecnologia se desenvolveram e agora produzem produtos de alta tecnologia.
Ou seja, o Ocidente se ferrou.

paulo lahr

Corrupção. Tudo eh super faturado nos EUA. De parafuso a salario do CEO. Esse eh o custo.

Manus Ferrum

Em Hainan, a China possue um estaleiro cavernoso para p&d e construção de submarinos nucleares.

Pedro

A imprensa esconde da população, isto é desinformarm o fato que na China a mão de obra é escrava . Ou o cara trabalha ou vai preso. Digo isso pq passei nos campos de produção de alho há 6 anos ,a diária de 1 trabalhador de 6 as 6 hs da tarde era 5 reais. Comunismo só é bom ,para os q governam

Carvalho2008

certamente existe trabalho escravo e ainda em grande quantidade lá….mas aqui parece que a Salton teve alguma coisa assim, a Zara…bem, até os EUA tem com imigrantes, tal como o amigo demonstra com a produção de alho ….atenção especial que de fato a China tem de fato um grande problema ainda a resolver entre as duas chinas internas…a urbana é a rural…mas, não se pode também deixar de assinalar que a renda média chinesa é muito maior que a Brasileira….que as cidades estão lotadas de cópias do Empire States e as ruas deixaram as bikes e lotaram de cópias lindíssimas… Read more »

Luis Carlos

Só que os ‘escravos’ chineses já estão ganhando bem mais que os livres nacionais.
É isso é um feito excepcional para um país com 1,4 bilhão de habitantes.

Dário Mattos

Vamos aos numeros; EUA 11 Porta aviões Nucleares.
China 2, ou 3 porta aviões propulsão tradicional.
Discutão aí as manchetes da imprensa canhota a vontade……kkkkkkkkkk
Haaaa a tecnologia de lançamento americana tá indo de pressão para eletromagnética, a chinesa é de rampa como a russa………..

Carvalho2008

11 espalhados no mundo, é muito diferente de 6 da China na praia da China….

Dalton

Quem garante que os “6” provavelmente incluindo os dois primeiros com “rampa” ao menos na próxima década permanecerão na “praia da China” ? Pode ser que a China também necessite enviar seus navios com apoio aéreo para mares distantes e é aí talvez que os EUA possam aproveitar-se de uma maior vulnerabilidade já que tais navios poderão estar ao alcance por exemplo dos novos bombardeiros B-21. . Ou nada acontecerá, como por exemplo quando um solitário NAe da US Navy perambula pelo Mar da China Meridional ao alcance de mísseis e bombardeiros baseados em terra chineses, já que uma guerra… Read more »

Dalton

Antes fossem, para os EUA, 11 “espalhados pelo mundo”. A realidade é 2 em missão 2 na fase de sustentação quando recém retornaram de um desdobramento mas permanecem certificados e 2 em treinamento. . Há “apenas” 9 Alas Aéreas já que 2 NAes estão sempre passando por longos períodos de manutenção/modernização embora uma décima Ala Aérea na teoria até pudesse ser formada com maior apoio de aviões dos fuzileiros navais e depletando esquadrões de reposição, mas, isso teria um efeito adverso mesmo a curto prazo. . Os NAes não devem ser vistos como “balas de prata” e sim como parte… Read more »

carvalho2008

Mestre Dalton, eu sei que o amigo não gosta…mas tem mais algumas balas de prata na cartucheira americana….aqueles 9 LHAs na hora do pega pra capá, se tornarão Nae de escolta / auxiliares….dá para colocar entre 12 a 20 F-35B em cada um…

Carlos

“Discutão” é pra matar!

Adriano Madureira

Enquanto isso, temos um estaleiro privado que poderia ser usado para de algum modo beneficiar nossa Marinha, mas acredito que esteja sendo subaproveitado …

comment image

comment image

comment image

Poderia quem sabe ser útil até na construção de uma classe de navio-tanque para a MB…
será que é algo tão complexo construir um navio similar?!

comment image

comment image

comment image

Last edited 11 meses atrás by Adriano Madureira
sub urbano

Esse estaleiro, o Atlantico Sul, foi construido com dinheiro publico (nao vou dizer em qual governo) e privatizado depois (tbm nao vou dizer qual é o outro governo). Ja produziu petroleiros gigantes suezmax, muito maiores q um porta aviões americano, construir um tanqueiro para a MB seria tarefa facil pra ele. Mas a elite do atraso não poderia aceitar um Brasil com industrias. Privatizaram (nao vou dizer em qual governo kkk), e agora o maior estaleiro do hemisferio sul do planeta faz manutenção de navios velhos.

Adriano madureira

O Brasil com carência de navios dessa classe em nossa MB, navios que poderiam ser fabricados aqui, ao invés de adquirir navios ingleses ou de outra nação…

Assim como outros tipos de navio de porte considerável.

Mas bom mesmo é comprar equipamentos importados.

Esteves

“O A.P. Moller – Maersk Group tem atividades numa ampla variedade de setores de negócio, principalmente nos setores dos transportes e energia. Tem sido o maior operador e fornecedor de porta-contentores e navios em todo o mundo desde 1996.“ “A.P. Moller – Maersk Group está sediado na Dinamarca com filiais e escritórios em mais de 135 países em todo o mundo e cerca de 108.000 empregados.“ Esse é o atual controlador e proprietário do Estaleiro Atlântico Sul em Pernambuco desde 2022. O Atlântico Sul Estava em recuperação judicial. Sendo uma empresa privada não pode “ser usado”. Como qualquer indústria, o… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Esteves
Miguel

Ja era…o motor da história é irreversível ….

FERNANDO

ishi
e quando eu penso na situação do Brasil…………………….
O states tem 7 estaleiros bons.
Nós, não temos nenhummmmmmmm

Gabriel BR

Temos sim !
Só que em outros nichos

guilardo

Temos sim Fernando. O Atlântico Sul é o maior estaleiro do hemisfério Sul e parece que já saiu da RJ. Agora, independente de quem o controle, conforme explanou o Esteves, o governo não sabe aproveitá-lo. Prefere gastar uma fábula ” comprando transferência de tecnologia” que não irá utilizar nunca, a construir grandes navios para a Marinha naquele complexo naval. Nossa síndrome de vira lata não acaba, só aumenta. Lembro-me de quando a China e a Índia vinham ao Brasil para aprender a fazer foguetes. Nem preciso dizer mais nada. Caminhamos sem parar no sentido anti-horário, estamos dando a volta ao… Read more »

Alison

China está fabricando muitos navios de guerra pra dominar países pequenos em sua volta que ela sempre teve interesse principalmente Taiwan, e com isso os Estados Unidos com menos navios não poderá ajudar Taiwan cercada de navios chineses.

Esteves

Taiwan pertence. Taiwan faz parte da China.

O “problema” é que os EUA fazem negócios com Taiwan como se Taiwan não fizesse parte da China. Isso irrita os chineses continentais.

Taiwan também faz negócios com o mundo todo, incluindo o Brasil, como se a China não existisse.

Irritantes.

Esteves

“certamente existe trabalho escravo e ainda em grande quantidade lá….mas aqui parece que a Salton teve alguma coisa assim, a Zara…bem, até os EUA tem com imigrantes”. Verdade. O trabalho sem direitos, com promessas rasas de remuneração que nunca é paga, o trabalho na base da serventia, faz parte da relação do homem com o trabalho. Em Milão há. Em São Paulo há e sempre existiu nas regiões de costura como Bom Retiro, Brás, Ponte Pequena, Mercado, Santana, Itaim. Frequentemente libertam bolivianos escravizados em SP. Na França encontraram imigrantes e migrantes em condições pré históricas. No México. Nos EUA. Na… Read more »

carvalho2008

Gilgamesh…o resultado da união dos deuses com a filha do homem…..o primeiro astronauta da terra….

Esteves

Dizem que Gilgamesh foi um tormento.

Manus Ferrum

Eloquente e certíssimo.

Nonato

A preocupação de Obama e Biden é liberar maconha, defender bandidos e fazer meninos usarem banheiros femininos.
Essa é a prioridade dos “democratas” americanos.

Last edited 11 meses atrás by Nonato
Esteves

“O Brasil com carência de navios dessa classe em nossa MB, navios que poderiam ser fabricados aqui, ao invés de adquirir navios ingleses ou de outra nação… Assim como outros tipos de navio de porte considerável. Mas bom mesmo é comprar equipamentos importados.” Um bom historiador que já foi editor no PN contou os surtos construtivos navais no Brasil. Assim como nosso comportamento é influenciado por meios externos e pelo ambiente, também a construção naval foi e é influenciada por estados de guerras, períodos de avanço industrial, ameaças próximas como o afundamento dos nossos navios mercantes por UBoats, alargamento dos… Read more »

Nilo

Bem apropriado o termo “surto”.
São os surto dos Subs IKLs.
São os surtos das fragatas.
São os surtos dos Subs Riachuelo.
Os surtos dos porta aviões……
É a gloriosa marinha brasileira surtando de décadas em décadas.

Esteves

Nilo,

Essa sanção do Guarani…será que chega nas Tamandarés?

Nilo

Não. O estado das atuais fragatas são críticas.
Infelizmente a MB não tem histórico de mudança radical de.postura de gerenciar projeto industrial, de produção nacional, até mesmo de um patrulha oceânico, de um planejamento estratégico a longo prazo, tudo fica a sabor da maré, uma hora orçamento, outra o legislativo, outra….,
Fica aí o exemplo do Iran, China…, mais aqui o exemplo vira piada entre nós, nisso somos bons rsrsrsr fazer piada.

Andromeda1016

Os gringos estão se mexendo para reagir ao crescimento da marinha naval chinesa. Existem rumores de que podem encomendar navios de guerra aos estaleiros sul coreanos conforme faz parecer a visita de almirante da marinha norte americana aos estaleiros sul coreanos agora em fevereiro. Existe lei nos EUA que obriga a fabricação de navios de guerra em território gringo, sendo assim ou modificam essa lei ou levam os estaleiros coreanos para lá. Pessoalmente acho que a segunda opção é a mais provável de ocorrer se navios forem encomendados aos estaleiros sul coreanos, ou então vão tentar algum tipo de transferência… Read more »

Jose Carvalho

Tudo o que a China faz é consequência EXCLUSIVA do capitalismo besta em que vivemos e que de capitalismo não tem nada. é um financialismo. Centros de pesquisa e agencias de Estado coordenam e apontam questões onde a sociedade precisa se acertar, questões como direitos dos trabalhadores e preservação ambiental. Aí vem os grupos financeiros, que num anseio absurdamente contrario a todas as regras do capitalismo e também contrário a lógica matemática, decidem “dar a volta” às limitações impostas pelas necessidades do planeta e da sociedade em que vivemos e fazem um lobby fortíssimo para que essas “voltas” não sejam… Read more »

josebaldo

Sobre o tema “trabalho escravo” ou o “análogo” é muito fácil entender que,ao contrário das democracias o de isso é proibido e punido, mas autocracias não o é. E inclusive muitas empresas com sede em países democráticos utilizam dessa mão de obra.

soldado imperial

O título da matéria seria a Coreia do sul com 32% da construção naval do mundo, ficando com o segundo lugar. Para um país com apenas 50 milhões de habitantes e menor que o Estado de Pernambuco. Isto sim é um feito extraordinário.