USS Mississippi (SSN-782)

Por Franz A. Neeracher

Depois das matérias sobre o status atual da frota dos porta-aviões e dos navios de assalto anfíbio da US Navy, chegou a hora de um terceiro artigo, desta vez sobre a frota dos submarinos nucleares de ataque (SSN).

Como nas materias anteriores, não iremos entrar em detalhes técnicos ou históricos, pois sobre isso muito já foi escrito e debatido.

Não é fácil obter informações atualizadas, por ser algo considerado como informação classificada, mas mesmo assim dá para se ter uma ideia das atividades da “força invisível”.

Considerada, pela maioria dos experts, como a maior e melhor força de submarinos no mundo devido aos seus deslocamentos por todos os mares e oceanos, mas também pelo alto nível do material e dos seus tripulantes, a força de SSN está passando por vários problemas:

  • Número considerado baixo de submarinos para uma demanda crescente.
  • Custos cada vez mais altos.
  • Falta de pessoal qualificado nos estaleiros.
  • Falta de vagas nos estaleiros, tanto da USN como privados, para trabalhos de manutenção.
  • Número baixo de novos submarinos para repor os “Los Angeles” que estão chegando ao fim da sua vida útil.
USS Chicago (SSN 721)

O que está sendo feito para solucionar ou atenuar todos esses problemas?

  • Ampliação e modernização dos estaleiros da Marinha dos EUA.
  • Extensão da vida útil de alguns dos SSN da classe “Los Angeles”
  • Aumentando as encomendas de novos SSN de 1 para 2 anuais.
  • Bônus de retenção para tripulantes qualificados.

No momento a frota de SSN conta com 49 unidades e 17 encontram-se em construção ou foram encomendados.

USS Vermont (SSN-792) atracado na Base de Submarinos da Ilha da Madeira no Complexo Naval de Itaguaí, no Rio de Janeiro, em dezembro de 2020

 

USS LOS ANGELES CLASS
NOME Nr BASE NOTAS
USS Chicago SSN 721 Bremerton/WA Inativo, iniciou o longo processo de retirada de serviço.
USS Key West SSN 722 Bremerton/WA Visitou San Diego esta semana. Será retirado do serviço ativo em breve.
USS Helena SSN 725 Norfolk/VA No momento encontra-se em um período de manutenção no Norfolk Naval Shipyard em Portsmouth/VA.
USS Newport News SSN 750 Groton/CT Participou de uma longa comissão a Europa em 2022, visitou Rota, Faslane e Tromso. Encontra-se em fase de treinamento.
 IMPROVED VERSION
USS San Juan SSN 751 Groton/CT Acabou de retornar de uma comissão a Europa. Visitou Rota, Gibraltar e Limassol. Esta foi provavelmente a sua última comissão.
USS Pasadena SSN 752 Norfolk/VA No momento encontra-se em um período avançado de treinamento.
USS Albany SSN 753 Norfolk/VA Visitou a Base Naval da Ilha da Madeira em Itaguaí em setembro de 2022. De volta aos EUA passou por um período de manutenção e agora está em fase inicial de treinamento.
USS Topeka SSN 754 Pearl Harbor/HI Partiu em maio para uma longa comissão no Pacífico. Tendo visitado Yokosuka na semana passada. Provavelmente esta é a sua última comissão. Previsto de dar baixo em 2024.
USS Scranton SSN 756 San Diego/CA No momento encontra-se em um período de treinamento.
USS Alexandria SSN 757 San Diego/CA Acabou de sair de um período de manutenção. No momento em testes de mar. Deverá entrar numa fase de treinamento em breve.
USS Asheville SSN 758 Guam/GU Participou de uma curta comissão durante a qual visitou Sasebo. No momento encontra-se na sua base.
USS Jefferson City SSN 759 Guam/GU Encontra-se num curto período de manutenção na sua base.
USS Annapolis SSN 760 Guam/GU Em comissão no Pacífico. Visitou Yokosuka em maio.
USS Springfield SSN 761 Guam/GU Participou de uma curta comissão durante a qual visitou Busan. No momento encontra-se na sua base.
USS Columbus SSN 762 Newport News/VA Previamente baseado no PAC, foi transferido para o ATL para uma longo período de manutenção e reabastecimento do reator nuclear. Depois de vários atrasos, o “Columbus” encontra-se no estaleiro da Huntigton Ingalls Industries.
USS Santa Fe SSN 763 San Diego/CA Partiu no início deste mês para uma longa comissão no Pacífico. Visitou Pearl Harbor em meados de junho.
USS Boise SSN 764 Newport News/VA Depois de incríveis seis anos esperando uma vaga nos estaleiros para um longo período de manutenção e reabastecimento do reator nuclear, finalmente os trabalhos foram iniciados no estaleiro da Huntigton Ingalls Industries.
USS Montpelier SSN 765 Norfolk/VA Também passando por um período de manutenção e reabastecimento do reator nuclear. Os trabalhos estão sendo feitos no Norfolk Naval Shipyard em Portsmouth/VA.
USS Charlotte SSN 766 Pearl Harbor/HI No momento encontra-se em um período avançado de treinamento.
USS Hampton SSN 767 San Diego/CA Em comissão no Pacífico desde Dezembro. Visitou Okinawa e Yokosuka. Deve voltar brevemente para a sua base.
USS Hartford SSN 768 Groton/CT Também passando por um período de manutenção e reabastecimento do reator nuclear. Os trabalhos estão sendo realizados no estaleiro da General Dynamics Electric Boat em Groton/CT
USS Toledo SSN 769 Norfolk/VA Também passando por um período de manutenção e reabastecimento do reator nuclear. Os trabalhos estão sendo feitos no Norfolk Naval Shipyard em Portsmouth/VA.
USS Tucson SSN 770 Pearl Harbor/HI Encontra-se num curto período de manutenção na sua base.
USS Columbia SSN 771 Pearl Harbor/HI Voltou para a sua base no dia 12 de junho depois de uma comissão de 7 meses no Pacífico. Visitou Guam, Singapura e Yokosuka.
USS Greeneville SSN 772 Portsmouth/NH Previamente baseado no PAC, foi transferido para o ATL para uma longo período de manutenção e reabastecimento do reator nuclear. Os trabalhos estão sendo realizados no Portsmouth Naval Shipyard em Kittery/ME.
USS Cheyenne SSN 773 Portsmouth/NH Previamente baseado no PAC, foi transferido para o ATL para uma longo período de manutenção e reabastecimento do reator nuclear. Os trabalhos estão sendo realizados no Portsmouth Naval Shipyard em Kittery/ME.
USS SEAWOLF CLASS
NOME Nr Base NOTAS
USS Seawolf SSN 21 Bangor/WA No momento encontra-se em um período de treinamento. Tendo visitado San Diego recentemente.
USS Connecticut SSN 22 Bangor/WA Depois do acidente em outubro de 2021, encontra-se em reparos no Puget Sound Naval Shipyard em Bremerton/WA. Os trabalhos durarão mais uns 2 anos.
USS Jimmy Carter SSN 23 Bangor/WA No momento encontra-se em um período de treinamento. Tendo visitado San Diego recentemente.
USS VIRGINIA CLASS
NOME Nr Base NOTAS
BLOCK I
USS Virginia SSN 774 Groton/CT Passou por um longo período de 5 anos em manutenção no  Portsmouth Naval Shipyard em Kittery/ME. Depois de vários testes de mar, o “Virginia” encontra-se em período incial de treinamento. Visitou recentemente Mayport e Ft. Lauderdale.
USS Texas SSN 775 Portsmouth/NH Encontra-se num longo período de manutenção no Portsmouth Naval Shipyard em Kittery/ME.
USS Hawaii SSN776 Pearl Harbor/HI No momento encontra-se em um período de treinamento.
USS North Carolina SSN 777 Pearl Harbor/HI No momento encontra-se em um período avançado de treinamento.
BLOCK II
USS New Hampshire SSN 778 Norfolk/VA Encontra-se num curto período de manutenção na sua base.
USS New Mexico SSN 779 Norfolk/VA Voltou em maio de uma longa comissão a Europa. No momento encontra-se na sua base para um período de manutenção e descanso.
USS Missouri SSN 780 Pearl Harbor/HI No momento encontra-se em um período avançado de treinamento. Devendo partir em breve para uma longa comissão.
USS California SSN 781 Groton/CT No momento encontra-se em um período avançado de treinamento.
USS Mississippi SSN 782 Pearl Harbor/HI Voltou em abril de uma longa comissão no Pacífico. No momento encontra-se na sua base para um período de manutenção e descanso.
USS Minnesota SSN 783 Pearl Harbor/HI Encontra-se num curto período de manutenção na sua base.
BLOCK III
USS North Dakota SSN 784 Groton/CT Encontra-se num longo período de manutenção no Portsmouth Naval Shipyard em Kittery/ME.
USS John Warner SSN 785 Norfolk/VA No momento encontra-se em um período de manutenção no Norfolk Naval Shipyard em Portsmouth/VA.
USS Illinois SSN 786 Pearl Harbor/HI Em comissão no Pacífico desde janeiro. Visitou Guam e Sasebo. Deve voltar brevemente para a sua base.
USS Washington SSN 787 Norfolk/VA Partiu no início de junho para uma comissão a Europa. Visitou Tromsö meados do mês.
USS Colorado SSN 788 Groton/CT No momento encontra-se em um período avançado de treinamento. Visitou recentemente Port Canaveral e Ft. Lauderdale.
USS Indiana SSN 789 Groton/CT No momento encontra-se em um período avançado de treinamento. Visitou recentemente Port Canaveral,  Ft. Lauderdale e Mayport.
USS South Dakota SSN 790 Groton/CT No momento encontra-se em um período de treinamento. Visitou recentemente Norfolk.
USS Delaware SSN 791 Groton/CT Partiu em fevereiro para a sua primeira longa comissão. Visitou Tromsö e Ilhas Faroe.
BLOCK IV
USS Vermont SSN 792 Groton/CT Passou por um período de manutenção no estaleiro da General Dynamics Electric Boat em Groton/CT. Passou por um período de teste de mar. Previsto de mudar de base para Pearl Harbor.
USS Oregon SSN 793 Groton/CT Visitou recentemente Earle/NJ. Em breve iniciará uma fase de manutenção no estaleiro da General Dynamics Electric Boat em Groton/CT.
USS Montana SSN 794 Norfolk/VA No momento encontra-se em um período de manutenção no Norfolk Naval Shipyard em Portsmouth/VA.
Subscribe
Notify of
guest

45 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Andrade

Cara, imagine o custo de manter isso tudo, e estamos somente falando dos SSN!!! A maioria em manutenção e treinamento de retorno. Isso dá uma idéia do que é manter uma frota de SSN. Mesmo que pequena, a Marinha deve estar estudando isso. Imaginem 3 SubNuc, sendo que um fica no mar e os outros 2 em manutenção? Haja orçamento!!!

Maximus

Excelente matéria Franz! É de causar uma leve inveja (inveja santa) como contrapor uma força de ataque desse nivel? Querendo ou não os EUA ainda serao a maior potência militar do planeta por alguns bons anos.
Enquanto em isso em terras tupiniquins, quantos subs operacionais temos hoje?
Saludos!

Esteves

Bom esclarecer esse ponto. Em tempos de guerra quem tem 3 ou 6 vai com o que tem.

Marcelo Andrade

Sim, obrigado , verdade!!! Mas é impressionante o custo de se manter tudo isso. Valeu!!

Jadson Cabral

Se a MB escolher ter navio de superfície mais lento pq navio com turbina a gás é mais caro… o que esperar do custo de operação de um submarino nuclear? E uma frota?

Esteves

O que esperar saberemos quando chegar a hora. Se a hora chegar.

Rodolfo

O programa australiano vai começar com 3 (possível 5) Virginias e depois para o SSN-AUKUS baseado em projeto britânico. A expectativa inicial é de 250 bi mas já se fala em mais de 360 bi entre aquisição, treinamento e manutenção na duração do programa.

Rodolfo

Dólares americanos, esqueci desse detalhe.

Esteves

O Virgínia não deve passar de 4 bilhões de dólares custo de aquisição para a Marinha norte-americana. 30 anos de operação podem custar o preço de aquisição para manter…depende das operações.

O programa não deve superar o ex acordo com a França. Em torno de 60 bilhões de euros ou dólares. Talvez 70.

É muito dinheiro mesmo para a Austrália.

Esteves

The Guardian da Austrália. Dólares australianos.

Matéria confusa.

Burgos

É público e notório que o atual Governo investe mais em “Progressismo” do que em Segurança Nacional de seu País !!!
É sabido também que o “Reinado” dos EUA com seu poderio distribuído mundo afora está acabando.
Vai ser futuramente um País como qualquer outro (Atendo-se de Patrulhar suas águas Jurisdicionais).
O fato será esse futuramente.

Last edited 11 meses atrás by Burgos
Fábio

_______

EDITADO. MANTENHA O RESPEITO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Ciclope

Acho mais provável, eles se tornarem uma Inglaterra ou França. Sem o poder de outrora, más não tão fracos, como a segunda super-potência.

Marcio H Moreira

Pelo que vi , só dois até agora serão retirados.
Desculpe minha ignorâmcia.
Não seria um pouco alarmista tudo isso?

Esteves

Franz A. Neeracher,

Muito bom. Obrigado.

Esteves

Pressões sociais. Demandas políticas. Tem sido assim no Ocidente. Orçamentos comprometidos com e por coalizões de oportunidade para sustentar elites. Na América não é diferente. A pandemia contribuiu para elevar a despesa social e consequentemente afetar as despesas com Defesa e Segurança. Não se obstou gastarem bilhões em hospitais temporários…muitos imaginários. O fator China ainda que não tenha surpreendido o Ocidente, pegou os países ocidentais despreparados para reagir prontamente ao desafio tanto chinês quanto russo na Europa. Custos de construção naval elevados em decorrência das inovações tecnológicas e dos investimentos em P&D que tem um período mais longo de amortização.… Read more »

Dalton

Muito bom Franz, só faria um reparo onde você escreveu provavelmente sem querer
.

  • “Aumentar as encomendas de novos SSN de 1 para 2 anuais”.

.
Faz mais de 10 anos que 2 estão sendo encomendados anualmente, nem todo ano se está podendo entregar 2, aí é outra coisa, então deduzo que você quis dizer aumentar a encomenda de 2 para 3 que tem sido motivo de muito debate.

Dalton

Estão ocorrendo algumas poucas noticias boas também, mas, depois de décadas
concentrados no “terrorismo” leva-se algum tempo para se adaptar às novas realidades e à ajuda à Ucrânia no fim enfraquece a Rússia, sendo que não ajudar poderia significar uma desmoralização dos EUA perante aliados e potenciais aliados
então não é tão simples.

gordo

“Custos cada vez mais altos.”
A marinha dos EUA vai acabar se rendendo aos submarinos convencionais, evoluíram muito em termos de desempenho e tem custos bem menores. A China, hoje principal oponente, mantém uma grande frota convencional para uma dissuasão em suas águas e os nucleares para viagens mais longas.

Dalton

Não é o que está previsto pois já se está em estudos um sucessor nuclear da classe Virgínia sem falar que por enquanto até à Austrália poderá vir a ter até 8 SSNs sendo 3 classe Virginia, dois de segunda mão com outros 20 anos de serviço restantes e um terceiro que especula-se poderá ser novo todos entregues na próxima década com outros 5 de outro modelo a serem entregues subsequentemente. . Os EUA não precisam de submarinos convencionais para “suas águas” como a China precisa e que irá ampliar significativamente o número deles também, provavelmente com o tempo equilibrando… Read more »

Esteves

Os EUA não sofrem contestações em “suas águas”.

Last edited 11 meses atrás by Esteves
Cansado

Muitos subs com problemas, vai ser um festival de gambiarra, uma pena para essa que já foi uma grande Marinha.
Temos que ter muito orgulho. Nesse aspecto a nossa Marinha é imbatível, consegue manter navios antigos operando bem por mais tempo que qualquer outra.

Esteves

Tu tá cansado.

Fernando "Nunão" De Martini

Melhor ignorar…
Ou, pelo menos, não contrariar.

Santamariense

Hehehehehehehe…..essa foi ótima. Agora, conta aquela do papagaio.

Esteves

Passou um bando de maritacas. De manhã. Uma turma. Elas não apareciam não sei por qual motivo. Com o frio elas, as maritacas, resolveram voar passando bem pertinho da janela.

Elas gritam. E como gritam. São verdes. Papagaio tinha na gaiola. Dois. Um morreu o outro não. O que morreu chamava Léo.

— Safaaaaaado. Safaaaaaado.

Era isso que Léo, o papagaio que morreu, gritava quando Esteves entrava pela porta.

carvalho2008

rzrzrzr….o papagaio aprendeu com alguem a xingar assim…..

agora o povo quer saber:

  • Safado! ou
  • Saafaaadoooo!

???
que que este papagaio andou escutando……

Marcelo

Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Não adianta ter muitos equipamentos, sem ter pessoal treinado para cada tipo de necessidade militar. No final da 2a. Guerra, a Alemanha tinha muitos aviões e não tinha pilotos para conduzi-los. Quanto a China, apesar de seu grande desenvolvimento e muito material militar, tem que se levar em conta, que são amadores em combate, já que não participaram de nenhuma grande guerra. Treino é treino, jogo é jogo!

Marcelo Andrade

Tb acho!!!!

Esteves

Um. Aprestamento ligado a quantidade mal aprestada mostra orçamento comprometido. Dois. Tripulações capazes em quantidade reduzida também mostra problema no orçamento. Se a carreira fosse atraente haveria mais interesse e gente disposta. Três. A China é a China e não precisa comparar a China com outra Marinha porque a China não combateu recentemente. A Guerra Segunda acabou em 1945. Em breve serão 80 anos. Piloto de Moto GP faz 5 horas de simulado por dia. Por fim, tá cá um acontecimento recente no qual houveram incertezas sobre a qualidade do treinamento e do nível de coragem dos marinheiros que podem… Read more »

Marcelo Andrade

Poder ser, quantidade não quer dizer qualidade no quesito operacionalidade e experiência, mas já é fato que a Navy não tem mais a liberdade de ir onde quer!!

Sblogniev

São esses caras que mandam no Pacífico. Nada que boia por lá está a salvo.

Santamariense

Só citando os submarinos, assunto do tópico, os chineses não precisam de manutenção? Eles tem 100% de disponibilidade 24/7? Eles são diferentes de todo o resto do mundo?

Fernando

Mudando um pouco o core da discussão: Entendo que o passar do tempo, o uso e a defesagem tecnologica influem terrivelmente na operação dos classe Tupi. Entretanto, nao seria interessante (ou viável) mantermos os Tupi operando na região Norte (tipo uma 2a esquadra) e os Scorpene com base no RJ? Isso não expandiria consideravelmente a nossa capacidade de patrulha e dissuasão? Entendo que os Tupi ainda são uma boa arma com eficiencia comprovada.

Dalton

Esse era o plano original, aumentar o número de submarinos, revitalizando os Tupis e
acrescentando os Riachuelos, mas, definitivamente, não é mais faz tempo, começando com colocar o “Timbira” e o “Tapajó” na reserva que chegaram a ser oferecidos para venda cuja revitalização seria paga pelo comprador, mas, que não deu em nada.
.
Já o “Tamoio” que teve a revitalização iniciada, especula-se não será concluída e com a vida útil do “Tupi” chegando ao fim, definitivamente não compensando estender a vida dele para além dos 35/36 anos, restará apenas o “Tikuna” com gás para chegar até 2030.

Esteves

A América investe, historicamente, 3% do PIB em P&D. Desse total 1% é P&D do governo. Metade desse 1% é Defesa. Acho que isso da até 5 bilhões de dólares por ano. O Brasil investe 30 milhões de reais por ano em P&D de Defesa. Nossos pesquisadores financiados pelo CAPES estão preferindo devolver o dinheiro das bolsas X voltar ao Brasil. A qualidade da vida nas sociedades desenvolvidas foi comentada aqui anos atrás como motivos&consequências dos investimentos parcos e infrutíferos nossos. Parte dos capistas (não sei dizer quanto) não retorna ao país da MC Pipoquinha. Hoje um capista pós doutor… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Esteves
Fernando "Nunão" De Martini

Dalton mencionou; desistimos de manter o S31 Tamoio um navio de 40 anos.

O submarino Tamoio foi incorporado em 1995. Ainda faltam 12 anos pra chegar aos 40.

Esteves

Isso. Cadê os óculos do Esteves?