A Rússia lançou minas marítimas no Mar Negro que podem interferir nas exportações de grãos ucranianos, anunciou a Casa Branca na quarta-feira.

As novas minas podem ser usadas para justificar futuros ataques contra navios civis e culpar a Ucrânia, disse o Conselho de Segurança Nacional (NSC) em comunicado ao USNI News.

“Além desse esforço coordenado no Mar Negro, já observamos que a Rússia alvejou os portos de exportação de grãos da Ucrânia em Odesa com mísseis e drones em 18 e 19 de julho, resultando na destruição de infraestrutura agrícola e 60.000 toneladas de grãos”, diz o texto da declaração.

Dois dias depois que a Rússia desistiu de um acordo para a Ucrânia enviar grãos através do Mar Negro, o Kremlin declarou que todos os navios de carga que viajam para os portos ucranianos potencialmente transportam carga militar em apoio a Kiev.

“Em conexão com a cessação do funcionamento da Iniciativa de Grãos do Mar Negro e o fechamento do corredor humanitário marítimo, a partir das 00h00, horário de Moscou, em 20 de julho de 2023, todos os navios que navegam nas águas do Mar Negro para os portos ucranianos serão considerados como potenciais transportadores de carga militar”, diz uma mensagem que o Ministério da Defesa emitiu na plataforma de mensagens sociais Telegram.

“Assim, os países de tais navios serão considerados envolvidos no conflito ucraniano ao lado do regime de Kiev.”

O Conselho de Segurança Nacional disse no comunicado que acredita que a Rússia pode ter como alvo os navios civis em ataques futuros, além do recente bombardeio em Odessa que atingiu o abastecimento de grãos.

De acordo com a lei internacional, a declaração permite que as forças russas embarquem e revistem navios suspeitos de transportar armas, disse James Kraska, especialista em direito marítimo e um dos autores do Newport Manual of the Law of Naval Warfare, ao USNI News na quarta-feira.

“A Rússia tem o direito de fazer isso sob a lei de visita e busca”, disse ele.
“Eles têm o direito de visitar os navios e abordá-los para ver se há alguma arma a bordo.”

No entanto, se os navios tiverem bandeira ucraniana, eles podem ser capturados como prêmio de guerra.

“Isso não os torna alvos”, disse Kraska.

Como parte do acordo de grãos negociado pela Turquia e as Nações Unidas, que expirou quando a Rússia se retirou na segunda-feira, Moscou tinha o direito de inspecionar os navios que se dirigiam à Ucrânia, disse Sal Mercogliano, professor associado da Universidade Campbell.

A preocupação é se a Rússia decidir atacar navios indo ou vindos da Ucrânia, disse Mercogliano.

“O que você está vendo é uma escalada no Mar Negro, e o medo é que, se a Rússia atingir navios que navegam para a Ucrânia, o que impedirá a Ucrânia de atingir navios que partem da Rússia?” ele disse. “E então você tem uma guerra comercial de pleno direito entre a Ucrânia e a Rússia, visando navios de países do terceiro mundo em grande parte neutros, navegando transportando alimentos, combustível e fertilizantes.”

Há uma chance de que haja escoltas armadas para proteger os navios mercantes, mas a questão é quem as forneceria, disse Mercogliano. A Turquia fechou o Estreito de Bósforo para qualquer navio de guerra de fora do Mar Negro de entrar no Mar Negro.

A Turquia poderia fornecer uma escolta armada, assim como a Romênia e a Bulgária como nações do Mar Negro. A OTAN também poderia fornecer apoio em terra ou colocar equipes a bordo dos navios, disse ele.

“A questão é quanto uma nação gostaria de se envolver? Você sabe, acabamos de desdobrar um destróier e F-35 e F-16 para proteger os navios mercantes que saem do Estreito de Ormuz por ataques iranianos”, disse Mercogliano. “No entanto, parece que não faremos o mesmo com os navios no Mar Negro.”

Além disso, o MOD russo declarou certas seções do Mar Negro perigosas para a navegação.

“Foram emitidos avisos informativos correspondentes sobre a retirada das garantias de segurança aos navegantes, de acordo com o procedimento estabelecido”, lê-se na mensagem do Ministério da Defesa.

A nova declaração segue o término de um acordo que permitiu que os grãos deixassem a Ucrânia. Moscou disse que a Rússia não recebeu concessões como parte do acordo. Isso incluiu reconectar um banco russo ao sistema SWIFT internacional, concluir um oleoduto de amônia e permitir que navios russos atracassem em portos internacionais.

Até 10% dos grãos do mundo são produzidos na Ucrânia. O país serve como cesta de pão para grande parte do Oriente Médio e Norte da África.

FONTE: USNI News

Subscribe
Notify of
guest

28 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nilo

“um destróier e F-35 e F-16 para proteger os navios mercantes que saem do Estreito de Ormuz por ataques iranianos”, disse Mercogliano. “No entanto, parece que não faremos o mesmo com os navios no Mar Negro.””
Até o momento cabe a mídia ocidental atacar a Rússia culpando pela morte e inanição dos africanos efetivamente disso os europeus conhecem bem.

Last edited 11 meses atrás by Nilo
Camargoer.

Olá Nilo. A produção de trigo na Ucrãnia vem caindo ano a ano. Em 2022 foi de 20 milhões de toneladas, uma queda de 48% em relação à produção de 2021. Em 2023 deve ser ainda menor (cerca de 15 milhões). A produção mundial em 2022 foi de 782 milhões de toneladas, portanto a Ucrânia é responde por 2,5% da produção mundial. Apenas a China produziu 137 milhões de toneladas em 2022. Para comparaçao, a Russia produziu 80 milhões de ton de trigo em 2022. Até o Brasil, que produz pouco trigo (por questões climáticas) teve uma safra de 9,5… Read more »

Oliveira

Poxa vida, danificar uma ponte para fazer propaganda saiu caro demais….

deadeye

Assim, na questão de propaganda destruir silos e armazéns de estocagem de grãos não pega bem.

Oliveira

Os caras não estão ligando muito para isso não, estão descendo o porrete.

Maurício.

Uma dúvida, essas minas que ficam boiando, como a da foto da matéria, não seria fácil da tripulação dos navios de avistá-las?

Fernando "Nunão" De Martini

Maurício, a foto é só para efeito ilustrativo. A maioria das minas se posiciona de forma menos visível.

Ainda assim, mesmo para minas flutuantes o tamanho, distância e diversos outros fatores não ajudam muito a visualização por uma tripulação mercante não treinada nem equipada pra isso, e a capacidade de manobra e reação rápida de um navio mercante com mais de 200m de comprimento pode não ser suficiente.

Maurício.

Obrigado pela resposta Nunão, e outra, eu achei que seria “fácil” a visualização baseado na foto da matéria, só que a mesma só foca na mina e de perto, e por tripulação civil como você disse, seria muito mais difícil a visualização, mais os outros fatores que você mencionou.

Renato de Mello Machado

Demorou até.

Rodrigo

Mais.um crime russo..tá gabaritando para o tribunal de haia…

Valdi

Não é crime da Rússia e sim falta de respeito ao acordo com a Rússia desde o princípio , o os EUA e a Otan acha que tão enfrentando Iraque, Síria… ainda tá dando sorte dele ainda não ter mandado uma bomba tática na Ucrânia.

Sturmgewehrstgde

Não é sorte, é MEDO.
Os russos sabem que se mandarem uma bomba tática na Ucrânia em poucas horas a OTAN acaba com todos os soldados russos.
Se bobear o Putin leva uma bomba na cabeça dentro do Kremlin.

Vitor

Sabe de nada…

leonidas

Como alguém adulto consegue pensar nisso, sem também conceber a resposta dos russos. Impressionante…

MGNVS

E a Russia, com 4.900 armas nucleares, vai ficar quietinha esperando a OTAN/EUA atacarem ela? Certeza que a Russia nao vai fazer nada? Porque será que os EUA ate hoje, nunca atacaram diretamente a Rússia? Porque os EUA sabem que iniciar uma guerra com a Russia levará a destruição dos dois países, com a diferença que, a Russia aguenta as perdas humanas, a sociedade americana não, vide a Guerra do Vietnã. No Vietnã, quando começaram a voltar para casa, muitos americanos mortos embalados em sacos pretos, a sociedade americana se mobilizou e a guerra acabou. A Russia aguenta a perdas… Read more »

leonidas

Não pergunta pois se ele não conseguiu antever isso, muito possivelmente não o fará agora…

Flick

Acho que o medo maior está em Washington.
Não seria nenhum pouco fantasioso dizer que os EUA correm o risco de receber uma saraivada de Sarmats antes mesmo dos velhos Minuteman decolar.

Last edited 11 meses atrás by Flick
Gilmar Leal

“um destróier e F-35 e F-16 para proteger os navios mercantes que saem do Estreito de Ormuz por ataques iranianos”, disse Mercogliano. “No entanto, parece que não faremos o mesmo com os navios no Mar Negro.”

Mostrar os dentes para o Irã é fácil. Mostrar os dentes para Russia, China ou outro cachorro grande…

Sturmgewehrstgde

Mas esse cachorro russo parece que perdeu os dentes.
Se tão levando um pau dos ucranianos, imagina o pau que vão levar dos americanos.

Flick

Mas quem tá dizendo que a Russia tá levando um pau, a mídia ocidental?
Ah tá, os caras sabem mesmo do que falam.

Sergio Machado

Inicia-se o cerco ao próximo alvo: Odessa.

Felipe

Fonte Casa Branca é pior que Sputnik

Daniel Ricardo Alves

Aparentemente, os russos estão seguindo todos os protocolos e estão atacando a economia ucraniana também. E o pior é que o ocidente nem pode reclamar, já que foram eles que começaram com as sanções . . .

Sturmgewehrstgde

Só que quem começou a guerra foi a Rússia.
E quem está pedindo arrego é a Rússia.

Flick

Arrego?
Ah, não tenta enrolar a gente não!

Vitor

Matéria os donos do mundo .

Marcelo Grego

É claro que o motivo não é a fome na África e sim os custos para a Europa!
E como a Ucrânia pagará as armas enviada?

Antonio

Esse argumento de que os cereais da Ucrânia servem para alimentar África e Ásia é conversa para “boi dormir ^. Se não a Polónia, Hungria e outros países nao proibiriam a entada de cereais Ucranianos nos seus países. O trigo e outros cereais eram exportados para os paises europeus e alguns desenvolvidos. Prova disso foi a destruição de mais de 100 toneladas de cereais que iam para China. Usam África e Asia apenas para manipulação e instrumentalização das pessoas.