Novo navio de apoio logístico da Marinha Francesa visita o Rio de Janeiro

54

Nas fotos de hoje (22/11), o novo navio de apoio logístico da Marinha Francesa BRF Jacques Chevallier, atracado na Base Naval do Rio de Janeiro (BNRJ).

Os navios da classe Jacques Chevallier são uma nova classe de navios de reabastecimento (Bâtiments Ravitailleurs de Forces – BRF) que estão sendo construídos para a Marinha Francesa. Eles são projetados para fornecer suporte logístico a grupos de batalha navais, incluindo porta-aviões e seus grupos de escolta. Estes navios são vitais para operações navais prolongadas, pois permitem que as forças em mar continuem suas missões sem a necessidade de retornar ao porto para reabastecimento.

O primeiro navio da classe completou a primeira fase dos testes no mar em janeiro de 2023 e foi formalmente entregue à Marinha Francesa em julho para continuar os testes no mar. Os navios fazem parte do programa de navios de apoio logístico da classe Vulcano.

Os BRFs da classe Jacques Chevallier podem transportar grandes quantidades de combustível, água, munição, peças de reposição e outros suprimentos essenciais para apoiar a frota. Eles estão equipados para realizar operações de reabastecimento no mar (RAS), permitindo a transferência de materiais de um navio para outro enquanto em movimento.

Os BRFs dispõem de um convés de voo e instalações para operar helicópteros. Isso amplia seu papel, possibilitando a transferência vertical de carga.

O BRF Jacques Chevallier desloca 31.000 toneladas carregado, tem comprimento de 194 m, boca de 27.4 m, e calado de 9 m. A velocidade máxima é de 20 nós e 10 nós com motores elétricos. O alcance é de 7.000 milhas náuticas a 16 nós, com autonomia de 30 dias.

Imagem gerada por computador do BRF (Bâtiment Ravitailleur de Forces) Jacques Chevallier realizando um reabastecimento em alto mar simultaneamente com a Porte-avions de nouvelle génération (PA-Ng) e uma Fragata de Defesa e Intervenção (FDI, Frégate de Défense et d ‘Intervenção)
Subscribe
Notify of
guest

54 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gabriel Oliveira Batista

2 desses na MB…

Henrique

2 desse a as Tamandaré só voltam pro porto pra fazer a revisado de meio de vida

BVR

🤣🤣🤣Pô Henrique !! Com uma batida dessas a psiquiatria do Marcílio Dias vai superlotar.

Bardini

Óbvio que os franceses só trouxeram este navio pra cá, pelo fato de que existe interesse da MB na aquisição do modelo.
.
Agora… Dois!? Se um já vai sobrar, em termos de capacidades, dois então, dentro de uma Marinha que falta muita coisa… Sem contar os custos, pois um único navio deste aí, nos custaria na casa dos U$ 450 milhões de dólares.

Heli

Porque e a mão de obra europeia é mais cara. Um similar de mesma classe e capacidades feito na Coreia ou China pode ser menos caro.

Dalton

Também, mas, não apenas isso. O navio francês primeiro esteve na costa leste dos EUA onde treinou com o USS George Washington e o HMS Prince of Wales e segundo o que foi publicado seguirá agora para à África do Sul, entrará no Índico onde fará uma visita a Ilha Reunião, território francês próxima a Madagascar e então retornará ao Mediterrâneo via Mar Vermelho.

soutoF

A MB precisa de escolta estou
torcendo pelo segundo lote de fragatas Tamandare?

Augusto José de Souza

Tem duas adicionais previstas no atual contrato e depois devem vir o segundo lote e depois os contratorpedeiros previstos nos planos da MB e o MEKO A-400 já foi até ofertado.

Salomon

Daqui a 28 anos será comprado pelo Brasil e rebatizado “Presidente Collor”

FERNANDO

Verdade, uns 28 anos no mínimo.

Angelo

Há então as embarcações de 500 t serão fusca do Itamar.

Jagder#44

“Presidenta Dilma”, que tal?

Camargoer.

Caro. A legislação brasileira só permite homenagear pessoas falecidas. Do período democrático, Itamar e Tancredo podem ser homenageados. Dos militares, todos (Figueiredo, Geisel, Medici, Costa e Silva, Castelo Branco) e tem os anteriores ao golpe eleitos democraticamente, Goulart, Quadros, JK, Getúlio, Dutra… dai vem a república velha e antes, Pedro II e Pedro I.

Last edited 4 meses atrás by Camargoer.
Jagd

Presumo que ela não estará viva daqui há 28 anos.

Fernando "Nunão" De Martini

E que tal vocês mudarem de assunto antes que a discussão descambe para a disputa política?

Jagd

Perfeito.

Camargoer.

Nixon nunca foi homenageado pela USNavy

Last edited 4 meses atrás by Camargoer.
Fernando Vieira

Será que um dia teremos o USS Donald Trump?

EduardoSP

Navios construídos a partir de um projeto conjunto França/Itália. Na Itália foi denominado Vulcano e a encomenda é de dois navios para a Marinha Italiana.

Mercenário

Salvo engano, é um projeto italiano, que os franceses optaram por comprar.

FERNANDO

Nem 1 ou dois.
Bonito demais para a MB!
Nois gostamos de OPALA.

Alecss

Os italianos sempre tiveram um design impecável. Sabem construir navios bonitos. Sou descendente de italianos e vejo esse país como outro Brasil com os mesmos problemas que um dia poderia dar certo.

FERNANDO

Brincadeiras a parte.
É duro ser bonito né.
Deus fez todos nós bonitos, mas, não ricos!
Vejam a MB, é bonita, mas, não rica!
Por isso a única coisa que podem fazer, é tirar selfie e babar no casco do BRF Jacques Chevallier.
Dureza!!!

Jardel

Impressiona a diferença de tamanho entre o navio francês e o nosso no ângulo da foto.

Dalton

O navio francês desloca mais que os 3 navios brasileiros na foto combinados, “Bahia” Almirante Gastão Motta” e “Purus” .

Santamariense

As diferenças entre os dois navios não é grande.

Jacques Chevallier:
Comprimento: 194 m
Boca: 27,4 m
Calado: 9 m
Deslocamento: 31.000 ton

Atlântico:
Comprimento: 203 m
Boca: 35 m
Calado: 6,5 m
Deslocamento: 21.500 ton

Dalton

Ele referiu-se aos navios atracados próximos, não ao Atlântico que fica atracado
no AMRJ.

Santamariense

Ah, desculpe. Ele usou o termo no singular (navio), por isso pensei que se referia ao Atlântico e nas fotos desse tópico aparecem vários navios da MB.

Augusto José de Souza

Está aí uma boa opção para a MB construir em Itaguaí junto a mais scorpenes. A naval group tem excelentes opções como corvetas e navios anti Minas para a MB.

Mercenário

Tenho dúvida se esse não é Fincantieri. Se não me engano, o projeto é italiano.

Naval Group ele não é.

naval762

Quando fizerem 30 anos de uso continuo a marinha vai comprar um, igual ao São Paulo.

Augusto José de Souza

Me referi a construir um modelo nesses moldes com transferência de tecnologia dos franceses como foi os Riachuelo e assim pode vir outros meios navais,expandindo o estaleiro em Itaguaí.

Fernando Vieira

Só que o projeto desse navio é italiano, a França só comprou o navio. Se quiser construir sob licença tem que contactar a turma da pizza, não a do queijo.

Augusto José de Souza

Melhor ainda,a Itália é uma parceira enorme do Brasil na área militar,AMX-A1,Guarani,Guaicurus e Centauro 2 são exemplos disso,já poderíamos expandir para a área naval também.

Rui Mendes

O navio é baseado na classe Vulcano da Itália, mas com bastantes diferenças e foi construído em França, por uma empresa Francesa, o navio não foi comprado pela França aos Italianos, mas sim o seu projecto, por onde foi baseado este navio e os seus 3 irmãos em produção.
.

Mercenário

Rui,

Não sei se foi confirmado o quarto navio. Por enquanto três contratados.

E os italianos 2, com opção para mais 2.

Marcelo Queiroz

A marinha francesa veio ao BRASIL mostrar seu novo brinquedo, quando estiver velho eles passarão para o BRASIL, vieram só para deixar os marujos com vontade, kkkkkkkkkkkk.

Last edited 5 meses atrás by Marcelo Queiroz
Mauricio Arrifano

Boa Noite, essa classe ou tipo de navio viajam com alguma escolta devido sua importância logistica para outros meios navais?

Fernando "Nunão" De Martini

Em operações reais de guerra sim.
Não é o caso numa visita a marinha de país amigo.

Burgos

Não obrigado !!!
Vamos de Wave Inglês mesmo, mais barato !!!😏
E tem pouco tempo de uso e atende os requisitos da MB.
Isso daí não é pro nosso bico não 👀

Augusto José de Souza

Classe WAVE é enorme,da para a MB pegar os dois modelos.

Utama

Quantos são necessários para alimentar 5 escoltas na próxima década?

Heli

O Gastão Motta ficou nanico perto dele

Augusto José de Souza

O Gastão Motta está navegando ou só depois da revitalização e modernização?

Alex Barreto Cypriano

Motta x Chevallier:
comment image

Cristiano GR

Vejo sempre aqui nos comentários, muitos lamentos e deboches da situação da MB e das demais Forças. Batendo de frente com isso, o que mais se mostra como obstáculo, hoje, para que o Brasil tenha forças de defesa bem equipadas, e treinadas, é a corrupção em primeiro lugar e o alto custo do funcionalismo público e segundo. Não os militares, mas os civis. O Brasil é um país muito caro de manter para quem realmete trabalha e produz, seja patrão ou empregado, que não são concursados, não mamam no Estado e são cobrados constantemente por resultados. Muitos aqui vão saltar… Read more »

Brazilian Sailor

Pois é, atracado no mesmo cais onde os brilhantes engenheiros navais disseram em 2018 que o Atlântico não poderia atracar por conta do peso de 20.000 toneladas e tamanho de 203 metros, o navio francês tem 33.000 tons e 197m…

Dalton

Ouvi dizer que o motivo do “Atlântico”, “São Paulo”, Minas Gerais”, etc , atracarem no AMRJ é que existe uma melhor infraestrutura para atender navios maiores e mais complexos não apenas impossibilidade de atracar na BNRJ.

dretor

Caraca o G23 fica parecendo um brinquedo perto do navio frances. Precisavamos de um igual a este da frança, no minimo. Ja passou da hora do Brasil fazer expedições navais diplomaticas a india e a china.

Augusto José de Souza

Ou com a própria França com transferência de tecnologia para construir esses navios em Itaguaí junto a mais meios oferecidos por eles como corvetas Classe Gowind,fragatas Belharra para complementar as Tamandaré e mais submarinos Riachuelo.

Fabio Araujo

Estamos precisando para ontem de navios desses tipos. Vai rolar alguma compra de oportunidade?

Alecss

Essa parceira Italo-francesa entre as empresas Naval Group e Fincantieri deu muito certo. Várias classes se navios lançadas em uma total sinergia entra as marinhas do dois países. Penso que seria algo a se pensar no almirantado da MB para futuros projetos. Quem sabe para um futuro Porta-Aviões. Poderiam até chamar os japoneses e australianos, São projetos que ainda estão na prancheta. Um conjunto de nações diluiria os custos.

GFC_RJ

Um deles acabou de suspender e sair da baía.
Por ignorância, não consigo colar a foto dele suspendendo.

Augusto José de Souza

Eu fotografei esse navio ontem da ponte rio Niterói. Gostaria de mandar também