Em 22/1, os militares dos Estados Unidos e do Reino Unido, sob a direção dos seus respectivos governos e com o apoio da Austrália, do Bahrein, do Canadá e dos Países Baixos, conduziram uma etapa adicional de ataques proporcionais e necessários contra 8 alvos Houthi no Iêmen em resposta a os ataques contínuos dos Houthis contra a navegação internacional e comercial, bem como contra navios de guerra que transitam no Mar Vermelho.

Estes ataques de precisão destinam-se a perturbar e degradar as capacidades que os Houthis usam para ameaçar o comércio global e as vidas de marinheiros inocentes, e são uma resposta a uma série de ações Houthi ilegais, perigosas e desestabilizadoras desde os ataques da nossa coligação em 11 de Janeiro. incluindo mísseis balísticos antinavio e ataques de sistemas aéreos não tripulados que atingiram dois navios mercantes de propriedade dos EUA.

O ataque de ontem teve como alvo específico um local de armazenamento subterrâneo Houthi e locais associados às capacidades de mísseis e vigilância aérea dos Houthis.

Os agora mais de trinta ataques dos Houthis a navios internacionais e comerciais desde meados de Novembro constituem um desafio internacional. Reconhecendo o amplo consenso da comunidade internacional, agimos novamente como parte de uma coligação de países com ideias semelhantes, empenhados em defender a ordem baseada em regras, proteger a liberdade de navegação e comércio internacional e responsabilizar os Houthis pelos seus ataques ilegais e injustificáveis. sobre marinheiros e navegação comercial.

O nosso objetivo continua a ser o de acalmar as tensões e restaurar a estabilidade no Mar Vermelho, mas reiteremos o nosso aviso à liderança Houthi: não hesitaremos em defender vidas e o livre fluxo do comércio numa das vias navegáveis mais críticas do mundo face de ameaças contínuas.

VÍDEO: Decolagem de aeronaves para o novo ataque contra os Houthis

FONTE: www.defense.gov

Subscribe
Notify of
guest

25 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ten Murphy

Aumentar a aposta contra os EUA acreditando que eles irão diminuir a ajuda à Ucrânia ou a Israel é arriscado para a Rússia, Irã e China. Essa estratégia pode sim diminuir o esforço de guerra americano como também pode colocar os holofotes onde eles nem olhavam. Se os americanos resolverem dobrar a aposta e gastar ainda mais dólares apoiando seus aliados em todas essas frentes de guerra o tiro de seus inimigos sairia pela culatra. Em vez da ajuda ianque diminuir, aumentaria. E com esse aumento os proxies usados por russos, iranianos e chineses seriam muito prejudicados, teriam estoques destruídos,… Read more »

Ten Murphy

Traço um paralelo com o estado mais rico da União. O atual governador labuta pelo estibordo. Uma de suas bandeiras é a segurança pública. Os criminosos organizados reagiram aumentando suas atividades nos primeiros meses do ano passado. Os que labutam publicamente pelo bombordo também aumentaram suas atividades. O resultado foi uma maior percepção da violência pela maioria da população. Via de regra a maioria se informa pela grande mídia e reproduz o que vê e lê sem verificar ou comparar. Mas acontece que a percepção da violência nem sempre reflete a realidade. A criminalidade diminuiu ano passado ao analisarmos o… Read more »

Ten Murphy

Além do livro e documentário citados no comentário anterior, nos quais Putin declara sua visão de mundo e sua estratégia global, posto aqui uma declaração recente de Alexander Dugin. O livro tem para baixar gratuitamente em sites de compartilhamento. O documentário tinha legendado na maior plataforma de compartilhamento de vídeos do nosso país. É uma viagem interessante pela mente dele, tenha falado a verdade, mentido ou feito propaganda como já alegaram aqui certa vez. De toda forma declarações como essas servem para entender como ele deseja ser entendido. Somando às suas palavras as ações tomadas na vida real podemos tecer… Read more »

Victor Carvalho

Ótimos comentários Ten! Concordo totalmente com a existência dessas cinco frentes. Agora é esperar para ver como vão se desenrolar essas zonas de tensão, e como o ocidente vai reagir às apostas da “esfera oriental”. Acredito que as eleições americanas vão cravar uma postura mais concreta da OTAN sobre essas zonas de tensão. Não creio que os europeus sozinhos dobrem a aposta sem apoio dos EUA. O nível de satisfação geral dos europeus está caindo, e já existem movimentos para retomada de relações com russos, embora isso não vá acontecer tão cedo, rsrs. Com todas essas movimentações de peças, fico… Read more »

Bosco

Pensar que tudo isso que está acontecendo no mundo é por conta do jogador de damas do Kremlin que de tanto ouvir os puxa-sacos (incluindo os russófilos tupiniquins) meteu os pés pelas mãos e inventou de por fogo no parquinho para não parecer ser o migué que é.

Ten Murphy

“Para quem só sabe usar martelo, todo problema é um prego” ou “Se a única ferramenta que você tem é um martelo, é tentador tratar tudo como se fosse um prego”. Abraham Maslow.

Fabricio Lustosa

Há quantos anos a Arábia Saudita bombardeia o Iêmen e faz incursões terrestres? E para quem pensa “mas não tem comparação entre AS e EUA/RU !!!”, digo que em pouco tempo esses pessoal do deserto vai dar um jeito de reerguer o que foi bombardeado e vai continuar operando. “O nosso objetivo continua a ser o de acalmar as tensões e restaurar a estabilidade no Mar Vermelho” meu deus….lembrei na hora do ovo da serpente que os EUA criou no Iraque e que está vivíssimo até hj chamado Estado Islâmico.

Ten Murphy

E qual a opção? O que você sugere? Desviar os navios e perder milhões e talvez bilhões? Não desviá-los e ter civis inocentes morrendo e mercadoria de terceiros destruída?

O objetivo de todo o mundo é o de acalmar as tensões e restaurar a estabilidade no Mar Vermelho. A questão é como fazer isso sem gastar muito dinheiro e sem perdas humanas.

Por isso repito: qual opção existe que estrategistas e políticos de vários países não estão enxergando?

leonidas

Os americanos e o ocidente de forma geral não tem escolha a não ser retaliar.
O porém nesta história toda é que a ousadia deles tem nome e endereço: Aiatolá Kamenei e Irã.
É lá que esta a cabeça dessa hidra composta por Houthis, Hezbollah e Hamas…

Carlos Crispim

Verdade, e eu diria que tudo que está acontecendo é muito bom para os EUA e Israel, eles não estão em guerra formal contra o Irã, nem o Iemen, mas ao mesmo tempo estão atacando alvos dentro desses países, sem estar em guerra, e ninguém está reclamando, olha que maravilha, vão aproveitar e fazer uma limpeza.

Nilo

Magricelos tinhosos como tinha digo anteriormente, recente artigo no G1 corrobora: de um movimento de uma minoria de muçulmanos xiitas do norte do Iêmen, conseguiu arregimentar milhares de combatentes, montar arsenal de drones e misseis balisticos, transformou uma mílica rural em um dos principais grupos armados da região depois de vencerem a poderosa Arábia Saudita. Em raro pronunciamento transmitido no dia 18 deste mes, o comandante dos Houthis disse que os ataques continuarão e que é uma “grande honra travar confrontos diretos com os Estados Unidos”. Afirmou ainda que “a posição americana não nos assusta, não nos afeta ou nos perturba”.

Ten Murphy

“a posição americana não nos assusta, não nos afeta ou nos perturba” O Hamas pensava igual até 07/10 do ano passado. É lamentável que a população apoie essas ideias tanto por miopia em relação às implicações das decisões desses líderes quanto pela incapacidade física de seguir em outra direção. Tanto no processo quanto no resultado a população é tanto massa de manobra quanto as maiores vítimas. Quem tem fé que ore. Quem não tem que mantenha a esperança. E ambos, se puderem ajudar a desescalar, que ajudem. Afinal, “A paz queremos com fervor, A guerra só nos causa dor.” E isso vale para todo ser… Read more »

Fabricio Lustosa

1- O Hamas não se rendeu, ainda luta e causa grandes baixas no exército de Israel mesmo estando em desvantagem abissal em todos os aspectos. 2- O que causa estranheza, um misto de fascínio e revolta em vcs é ver que existem povos no mundo que não se ajoelham, não se dobram perante à força bruta de países ocidentais que exercem pleno controle aqui na América Latina. Mandam e desmandam desde sempre e vcs exigem que isso continue assim. 3- O Iêmen e todos os que lutam por esse povo, tem todas as justificativas de reagir e lutar contra esses… Read more »

Vinícius Momesso

Ontem um erro de cálculo(friend fire) ceifou a vida de 21 soldados israelenses.

Last edited 5 meses atrás by Vinícius Momesso
Ten Murphy

1 . “a posição americana não nos assusta, não nos afeta ou nos perturba” O Hamas pensava igual até 07/10 do ano passado.  “O Hamas não se rendeu, ainda luta e causa grandes baixas no exército de Israel mesmo estando em desvantagem abissal em todos os aspectos.” Eu não disse que ele se rendeu, eu disse que independente de quem ganhar ou quem perder, ninguém vai ganhar nem perder, vai todo mundo perder. Porque a infra-estrutura no norte da palestina está destruída, os civis palestinos e muitos militantes estão afetados (mortos, feridos ou deslocados) e perturbados. Caso ocorra uma intervenção militar… Read more »

Fabricio Lustosa

Tergiversação é a palavra-chave nessa longa e tropicante resposta. Esse esforço ribaldo e suado que vc faz para parecer neutro nos comentários tropeça em si mesmo: “Quem defende atacar civis é terrorista, criminoso de guerra e perde o direito moral de julgar as ações dos países que julga ter como inimigos.“. Tem muitos aqui que falaram várias vezes de forma bem clara que civis são alvos legítimos, evidentemente no caso do que os israelenses fizeram e estão a fazer com os palestinos. E, rindo, eu tenho uma “leve” suspeita que esse trecho seu não se aplica no caso de Israel… Read more »

Ten Murphy

“Tergiversação é a palavra-chave nessa longa e tropicante resposta.” Opinião tua. Desconstruir falácias leva mais tempo que responder um argumento isento de falácias. Como a maior parte do que você fala é falacioso minha resposta naturalmente fica maior porque preciso não apenas responder o que foi dito como também demonstrar como você parte de falsas premissas e desemboca em falácias formais e informais. Seu subterfúgio funciona com a maioria dos interlocutores, que ou não percebem ou não tem paciência ou tempo para responder, mas não comigo. “Esse esforço ribaldo” Outra falácia tua. Me acusa de fraude mas nunca demonstra. Eu… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Ten Murphy
Nilo

Excepcional ponto de vista divergentes tanto do Murphy quanto do Lustosa que nos lança a reflexão sobre o tema, com atenção especial a referência ao artigo do Dugin, quando menciona o sobre Guiana (mas conhecida como Guiana Inglesa, não por mere acaso). Existe reflexo, acontecimentos que já mudam o as atuações hegemonica anglo-saxônica, em virtude deste movimento multipolar que se expalha pelos continentes. Quanto ao custo, em artigo do Poder Naval a resposta: “Um míssil de US$ 2 milhões contra um drone de US$ 2.000: Pentágono preocupado com o custo dos ataques Houthi”.Os EUA já pede ajuda da China para… Read more »

Nilo

Segundo Foreign Policy em artigo recente: Biden considera a retira das tropas americanas da também da Síria  manutenção de uma missão que considera desnecessária, negociações estão sendo realizadas.

rui mendes

Qual era o poder infinitivamente superior ao Romano???

Fabricio Lustosa

Quando Roma ainda era uma monarquia e no início da república, lutou guerras sozinha contra coalizões de vizinhos hostis e em 390ac foi derrotada pelos gauleses e a própria cidade de Roma foi saqueada. Não diria que os gauleses eram um poder “infinitamente” superior mas definitivamente eram bem superiores militarmente quando estavam unidos sob o rei gaulês Breno que literalmente humilhou os romanos. Séculos depois eram os romanos derrotando, massacrando e dominando as tribos gaulesas. Contra Pirro de Épiro em 279ac igualmente os romanos foram derrotados no campo de batalha por um poder militar bem superior, mas não desistiram. Enfim,… Read more »

rui mendes

Dúvida desfeita.
Referias-te ao inicio, no caminho para o grande império Romano e eu pensava já nos tempos do império.

leonidas

Senta a mão mesmo! rs
Mas ainda acho que se a marretada não for no Irã eles ainda irão continuar.
Afinal só estão fazendo isso a mando de Teerã…

Maurício.

“Afinal só estão fazendo isso a mando de Teerã…”

Cada país possuí seus capachos, os EUA tem vários, e um deles é a Arábia Saudita, que ficou praticamente uma década em guerra com o Iêmen, e as potências nunca se importaram. Mas, parece que as armas do Irã realmente funcionam, bem diferente do que diziam os “entendidos” pela internet a fora…

Maurício.

Agora vai!