Royal Navy pode ser forçada a vender seu porta-aviões HMS ‘Prince of Wales’ devido a restrições orçamentárias

298

HMS Prince of Wales - Marcin J Photography - @MarcinJ_Photos no X

O futuro do segundo porta-aviões da Grã-Bretanha está ameaçado devido a problemas de financiamento, segundo fontes navais.

Figuras seniores se manifestaram após surgir que o Orçamento da próxima semana não incluirá um aumento significativo nos gastos com defesa.

Eles temem que o HMS Prince of Wales, que custou £3,5 bilhões para construir, possa ser desativado ou vendido por um preço baixo para uma nação amiga, mantendo-se o porta-aviões líder da frota, o HMS Queen Elizabeth.

A possível medida – denominada um ‘momento HS2’ para a Marinha Real – provavelmente seria controversa.

Mas a decisão pode ser imposta aos comandantes já em 2028 se o estado das finanças da defesa não melhorar.

Ontem à noite, uma fonte naval disse ao Mail que o cenário de pesadelo de vender um porta-aviões para poupar fundos foi discutido por membros do Grupo de Planejamento Empresarial Marítimo, que analisa considerações e estratégias futuras.

Um Merlin HM-2 do 820 NAS lançando flares ao lado do porta-aviões HMS Prince of Wales (R-09), durante o exercício Steadfast Defender 2024

Ele disse: ‘Há uma consciência no grupo de que a Marinha está lutando para manter compromissos operacionais e precisa expandir a frota o mais rápido possível.

‘O segundo porta-aviões é um ativo que é mantido em reserva e é uma peça de equipamento muito cara e raramente usada. Então, se quisermos resolver problemas de balanço, nos desfazer dela ou compartilhá-la com, digamos, um aliado da AUKUS [Austrália, Reino Unido e EUA], é uma opção.’

Ontem à noite, fontes oficiais disseram que, embora a Marinha permaneça comprometida com ambos os porta-aviões, ‘mudanças no governo e orçamentos’ podem alterar essa avaliação. Os ministros disseram à alta cúpula que eles devem ‘gastar melhor’ para convencer o Tesouro a aumentar o investimento.

A ex-secretária de defesa Penny Mordaunt realizou uma reunião de emergência com Jeremy Hunt ontem para abordar o Orçamento.

Aeronaves a bordo do HMS Prince of Wales que está no momento participando da operação Steadfast Defender 2024 com a OTAN

Ms. Mordaunt, MP por Portsmouth North – lar da maior base da Marinha Real – escreveu online: ‘Encontrei o Chanceler para reiterar o que as famílias e empresas de Portsmouth precisam ser ouvidas no Orçamento. Nosso primeiro dever é proteger nossa nação e seus interesses.’

Outro ex-secretário de defesa, Ben Wallace, disse ao Mail que o Reino Unido efetivamente vem ‘mentindo’ para a OTAN nos últimos 20 anos sobre suas capacidades.

O Comandante reformado da Marinha Real, Tom Sharpe, disse: ‘Se eu fosse cético em relação aos porta-aviões, e há muitos, estaria mirando em um deles agora mesmo.

‘Não ajuda a causa deles que, quando uma oportunidade quase perfeita para usar um porta-aviões se apresentou no Mar Vermelho, não a aproveitamos por razões políticas.

‘Devemos reconhecer a ameaça ao segundo porta-aviões, essa é a realidade desagradável; a dissuasão nuclear é a única capacidade do Reino Unido com financiamento garantido.’

Os porta-aviões foram aprovados em 2007 pelo então primeiro-ministro Gordon Brown. Como parte dos cortes de gastos, um dos porta-aviões quase foi descartado mesmo antes do início da construção. Mas os ministros descobriram que cancelá-lo seria mais caro.

O HMS Prince of Wales e o HMS Queen Elizabeth custaram juntos £7 bilhões. Hoje é amplamente aceito que o Reino Unido não será capaz de defender ou operar adequadamente esses porta-aviões de forma independente.

VÍDEO: HMS Prince of Wales em operação no Mar do Norte

O serviço tem apenas um navio de abastecimento sólido, o RFA Fort Victoria, para apoiar os porta-aviões, e ele está previsto para ser aposentado em 2028.

Os gigantes de 65.000 toneladas e seus grupos de ataque anteriormente dependiam da proteção de aliados, incluindo os Países Baixos e os EUA. Quase 700 tripulantes são necessários para operar um – um dreno na força em um momento de problemas de recrutamento e retenção.

Fontes da Marinha descreveram a possível medida como o ‘momento HS2’ do serviço – em analogia com a decisão de Rishi Sunak de cancelar parte do projeto de trem de alta velocidade entre Londres e o Norte.

Ontem à noite, o Sr. Wallace disse: ‘Nos últimos 20 anos, as Forças Armadas do Reino Unido não foram capazes de entregar à OTAN o que alegaram.

‘Ou financiamos as Forças Armadas adequadamente ou futuros primeiros-ministros precisam admitir ao público que querem que a Grã-Bretanha seja seguidora, não líder no cenário mundial.’

Um porta-voz da Marinha Real disse: ‘Essas alegações são categoricamente incorretas, estamos totalmente comprometidos em operar tanto o HMS Queen Elizabeth quanto o HMS Prince of Wales.’

Enquanto isso, o oficial mais sênior da Grã-Bretanha, o Almirante Sir Tony Radakin, 58, adiou sua aposentadoria para continuar aconselhando o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky. O Chefe do Estado-Maior da Defesa deveria se aposentar em novembro de 2024.

FONTE: ww.dailymail.co.uk

Subscribe
Notify of
guest

298 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Renato de Mello Machado

Não precisamos disso.

Marcos Silva

Fale por vc,porque a MB….

Julio reis

O oficialato quer mais mordomia, regalias …

Aviation

Concordo com vc! Nossa necessidade hoje é Escoltas, Patrulhas e um Navio Tanque. Num futuro quem sabe um novo Porta Aviões;

Aviation

Os caras gostam de negativar a resposta do outro rsrsrs, mas será que nunca estudaram matemática? como vou gastar mais do que posso? rsrsrsr

Querer, todo mundo quer um P. Av,o problema é condições de manter.

Bruno malgor

O atual governo fez com que as emendas parlamentares fossem de 13 BI para 47 bi , aí sempre tem um que diz que não temos dinheiro kskskksksks não temos é vontade política porque dinheiro para comprar fazer e manter e ainda ampliar temos de sobra, tá lá no orçamento secreto , enquanto nós repetimos a desculpa que nos dão vamos aceitar uma marinha cada vez más fraca e atrasada tecnológica.

leonidas

Dinheiro temos e muito.
Mas é usado para manter nosso ancien regime com a nata do poder publico de todas as esferas e dos amigos deles…

Heli

Temo pela saúde mental de quem torce para que a MB tenha um navio desses, por tais razoes: Navio caríssimo de operar. Onde o Brasil quer projetar poder? No Caribe? na costa ocidental da África? Implica necessariamente na compra de um avião VTOL, e hoje o único a venda é o F-35B, que é caríssimo de comprar e operar. E duvido que os EUA venderiam para o Brasil. Rafale, F-18 e Gripen Naval não teriam como pousar e instalar sistema de pouso por cabos custaria um absurdo (se é que seria viável) Teremos num médio prazo apenas 4 escoltas (quem… Read more »

Kleberson Ney Amaral

O Brasil com o tamanho de nossa costa e inúmeros aeroportos espalhados pelo litoral não precisa de porta aviões para garantir nossa soberania! Não temos pretensões de projetar poder em outros continentes!

Augusto José de Souza

Concordo,precisamos de navios o suficiente para resguardar a nossa soberania marítima e nossa influência como potência latino americana,precisamos ampliar os projetos em andamento com mais lotes das fragatas Tamandaré,submarinos Riachuelo e investir em bastante navios patrulha de 500 toneladas para todos os distritos navais.

Marcelo Nunes Caetano

Concordo plenamente Sr.

Mateus mota

Concordo plenamente, precisamos é de uma força aérea,mais equipada e sistema de mísseis antiaereos,mais baratos e manutenção muito mais em conta e produção nacional.

Zorann

Nem se a MB quisesse. Este deve ir para a Austrália. Certeza…

E nem precisam mudar o nome.

Talvez fazer uma parceria para operação conjunta, ou cede-lo para que a Australia sustente sua operação

Jodreski

Amém! Pq se vier pra cá vai virar a rainha do cais.

Augusto José de Souza

Austrália eterna colônia britânica e agora dos EUA também.

Mr.White

A Australia não está conseguindo operar nem os 2 porta helicopteros que comprou

Moriah

Olha só, a votação dessa afirmação está quase empatada

franklin

tolice dizer que nao precisamos de uma forca nuclear. Aarea nuclear deve ser pensada no caso de grande tragedias com atualmente no sul do Brasil. quando Lula , em 2018, comprou o porta helicoptero Atlantico, oficiais dentro da marinha dizia que era um elefante branco e agora e vital para o socorro no Rio Grande do Sul.

Fernando "Nunão" De Martini

“quando Lula , em 2018, comprou o porta helicoptero Atlantico”

Franklin, o navio foi adquirido e recebido no governo Temer.

carvalho2008

Mas Galante!!!!??

Quer intoxicar o povo anti-Nae e matar do coração!!!!??

RZRZRZRZRZ

Alexandre Galante

Hahahahah, não tenho culpa 🙂

F-5

Qual o nome que daremos a ele?? Kkkk

Alexandre Galante

Dom Pedro I

Moriah

Dom João II. Ops! Esse é outro “navio aeródromo”

Augusto

Perfeito!!

Alex Tiago

Vamos de Minas Gerais deu mais sorte.

Vitor Botafogo

Dom Pedro II seria mais interessante. Ele inclusive foi o unico monarca das Americas agraciado como Cavaleiro da ordem de Garter (Mais alta condecoração no UK) pela Rainha Victoria

Rogério Amaral Silva

Concordo com a homenagem ao maior Chefe de Estado da história do Brasil.

helbfell

Já que vai ser a rainha do cais…Maria Joaquina…rs

Brandão

“Rei Pelé”

Marcos Silva

Quem é esse?

Emmanuel

Já teve o Minas Gerais e São Paulo. Agora será Rio de janeiro.

Rafael

NAe Garanhuns – A13
E não estou sendo irônico.

Camargoer.

Pois…. é curioso que tenham pulado do A12 para A140…

NEMOrevoltado

É para enganar potenciais inimigos; irão imaginar que temos muitos outros NAes, cento e vinte e oito para ser mais preciso!

Coisa da MB!

Last edited 4 meses atrás by NEMOrevoltado
Careca

Não é mais um navio aeródromo e sim um de tripla função porisso 3 digitos

Eduardo leite Almeida

Só por está coincidência, Lula topa investir e o PT assina em Baixo. Hora da MB de saber fazer Politica e MKT. Vai ser uma baita venda de Oportunidade

Itamar Silva

Tem que ser nome de estado. Nome de cidade como essa só serve para bicicletas!

Matheus

Jesus, RJ não.
Que seja um estado que tenha o minimo de dignidade, como Pernambuco.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Vai depender da origem do comandante da Marinha à época do comisionamento…

Diego klein da Luz

Amazonia

Heinz

nemmm, RJ significa tudo que deu errado no Brasil, colocaria Dom Pedro

Ruas

EDITADO:
COMENTÁRIO BLOQUEADO DEVIDO AO USO DE MÚLTIPLOS NOMES DE USUÁRIO.

Last edited 4 meses atrás by Ruas
Black White

E o primeiro nuclear poderia ser o Amazonas

Zorann

Este nome dá azar. Nada que não seja o crime, funciona no RJ

Satyricon

Garanhuns

Salomon

“A-14 Nae Presidente Collor”.

José de Souza

Afunda em dez minutos na Baía de Guanabara…

Aviation

Poseidon

carvalho2008

Pô…então enterra de vez e tira do forno a materia do novo Nae Stobar que os Turcos anunciaram…..rzrzrzr

Tallguiese

Lá vai o caiafa ter que dar explicação na live kkkkk

Jadson S. Cabral

Kkkkkkkkk

Santamariense

Tem, sim. Golpes consecutivos…quer nos nocautear…hehehehehe

Nilo

O Galante fez cara de durão, demorou, mas não resistiu, agora pode colocar a culpa nele rsrsrsr blá blá blá

Marcelo

Opa, aí sim, esse é de patrão!

Renato

Com cheirinho de novo ainda, é só trocar óleo, pneu e pastilha de freio que roda uns 40 anos de boa.. rsrs

Marcos Silva

Aí MB! Esse é semi-novo!
NAe de bacana.

Sulamericano

E pelo visto a Royal Navy vai vender o ‘Prince of Wales’ abaixo da tabela Fipe.
Pode comprar MB!

Agora só falta o NA vir com os “acessórios” (leia-se os F-35B) para o alto almirantado da nossa MB serem felizes.

Moriah

Não, Gripen naval ao lado do Atobá naval

Last edited 4 meses atrás by Moriah
Rodolfo

Só VTOL desse porta aviões… F35B ou Harrier.

carvalho2008

Boa rzrzrzrz!!! abaixo da tabela FIPE!!!!! rzrzrzrz…..o problema é a gasolina azul….

F-5

Tabela FIPE!!!! Kkkkkk

F-5

FIPErando que ele não vem….kkk

Marcos Silva

Se não for pacote completo nem quero! kkk

Faver

Sim tem de sair abaixo do valor de tabela, porque parece que tem graves problemas no encaixe da hélice e no eixo de transmissão. O comprador que arrume.

Kelbi

Então tá ótimo…será um lindo enfeite na Baía de Guanabara.

Leonardo

Será que pega o a140 na Fipe eo restante em 60 vezes ?

Rafael

O restante em emissões do Tesouro Nacional…

Augusto José de Souza

Precisa vir com escoltas,se vier T-23 e T-45 juntos ótimo.

Oscar Rodiger

Iria faltar lustra móveis e flanela para a penteadeira de porto kkk

Augusto José de Souza

Seria o ideal já vir com escoltas disponíveis,T-23,T-45 ou navios da França e Itália e de quebra a MB ampliar seus projetos em andamento como mais fragatas Tamandaré e submarinos Riachuelo e outros meios navais como MEKO A-300 e corvetas Gowind,porque sem escoltas sem chance de operar um navio desse.

Diego Tarses Cardoso

Rapaz, esse vindo para nós seria um sonho, mesmo que só para fazer cerimônias.

Funcionário da Petrobras

Desnecessário.
Dinheiro do contribuinte jogado fora.

Bruno malgor

O dinheiro do contribuinte sempre será jogado fora ! Então que seja em um brinquedo destes kskskksks
https://youtube.com/shorts/UD_mJ84RoTM?si=vAUDjCtaofR7uPEU

João Fernando

É serio. Precisamos de uma matéria completa sobre ele. Vistas em corte, capacidades, propulsão, seria uma compra que duraria 40 anos, já que é zero. Segue a linha do Ocean, uma excelente compra, já com o pacote de manutenção integrado ao produto. Veja, não estou propondo nada. Apenas prepara o espírito e o coração.

Rodolfo

Essa embarcaçao foi projetada para aeronaves VTOL. O custo de operação do F35A já está demasiado elevado pra padrões da FAB, então operar F35B com a complicaçao da turbina de VTOL fica ainda mais caro. Daí a resposta é que não da pra MB operar esse porta aviões, a nao ser que decidissem por Harriers de 2a mao. O US Marine Corps aposentou varios, seria barato adquirir mas um aviao bem inferior ao F35. No fim seria muito dinheiro jogado fora que seria melhor aproveitado em outras areas. Mais importante construir as tamandares e comprar outros navios de superficie de… Read more »

Mr.White

Interessante que a Marinha Real Britanica já teve estudos para transforma-lo em um Catobar, para o Brasil seria um sonho, comprar o navio e adapta-lo para Catobar, o know how que ganhariamos no processo seria gigantesco, alem de que poderiamos operar até 65 Gripens Navais nele.

Ferreras

Se isso de fato ocorrer provavelmente irá para a Austrália.

Black White

Não vai, a Australia já adquiriu dois LHD novos para suprir a frota até 2040, estão tendo dificuldade de manter as embarcações em atividade.

Augusto José de Souza

Austrália deu um puta tiro no pé quando cancelou o contrato dos submarinos com a França,vai ficar sem nada só presa nas asinhas dos EUA e Reino Unido e ainda sem ninguém entender preferiu o Hércules do que o nosso cargueiro sucesso no mercado internacional o KC-390. Uma colônia mesmo.

rommelqe

Concordo.

Nilo

Será que houve passarinho inglês cantando? A provocação do Presidente ao comandante da MB está tão fresquinha, que nem deu tempo dos motores desta belezura esfriar.

Moriah

O passarinho Cameron voou do G20 até o A140, cantou a bola em off pro almirantado, voou até BSB e assinou com bico de pena… O executivo sentado, só observando, fez a pergunta de milhão ao cmd… Este, não incrédulo, só respondeu o que o interlocutor sugeriu…

Dalton

Falando de opiniões de “comandantes reformados” um Almirante turco reformado também sugeriu a compra do NAe “São Paulo” então é preciso saber até que ponto a Royal Navy estaria comprometida com tal ideia.
.
E quem compraria ? Não consigo pensar realisticamente em nenhum comprador com capacidade orçamentária e de pessoal para sustentar tal navio mais à compra de F-35Bs.

Hcosta

Japão e Coreia

E, sonhando com uma maior cooperação Europeia, a operação por vários países. Espanha e Itália com os F-35B e a tripulação de outros países…

Neto

Austrália e Canadá, talvez.
.
Sério, por compra de oportunidade para MB, faz sentido.
.
Financeiramente, vai ser um grande problema.

Hcosta

Lembrando que um dos objetivos da viagem do QE ao Pacífico era demonstrar o navio à Coreia e Japão. Provavelmente era para construção local mas nesta situação, hipotética, a venda direta passa a ser uma opção viável…

Rodolfo

Pouco provavel Canada.

Australia ja operou carriers no passado e passar o Prince of Wales pra Royal Australian Navy dentro do programa
Aukus seria logico… nem precisaria mudar o nome da embarcação.

Outro interessado talvez seja a Índia a depender de autorização de venda do F35B, que muito provavelmente seria aprovada pelos americanos.

Rodolfo

A Coreia do Sul tem que se defender do seu vizinho do norte, porta aviões é desnecessário. O Japao ja esta convertendo o Izumo e o Kaga pra operar F35B.
Acho que Australia faria mais sentido, e dentro do programa Aukus aumentaria a capacidade da aliança no pacífico contra a China.

Hcosta

https://en.wikipedia.org/wiki/CVX-class_aircraft_carrier

e a planearem usar o F-35B nos seus navios anfíbios, algo semelhante ao que o Japão está a fazer.
https://en.wikipedia.org/wiki/Dokdo-class_amphibious_assault_ship

Austrália ou faz grandes alterações nos seus planos ou duvido muito que tenha capacidade, em termos financeiros e recursos humanos, para operar um PA (e navios de apoio, F-35, etc…) e tudo o que está planeado.
Mesmo sem PA, duvido muito que consigam…

Nilo

A questão que coloco como primeiro opção “a venda” como forma de recuperação de caixa as outras opções dada pelo jornal, o desmanche, um sacrilégio que a sociedade inglesa não aceitaria, a de compartilhamento com EUA, não ocorre, talvez Canada ou Austrália, mas não resolve a questão do cx..
Passarinho andou cantando, presidente jogando alpiste….rsrsr

Last edited 4 meses atrás by Nilo
Neto

Rapaz, eu liguei a pergunta do presidente com essa info.
.
seria possível?

Nilo

Taí meu caro uma resposta de milhões ou bilhão de euros a menos dos 3.5bi, os veteranos marinheiros aqui comentando sabem das probabilidades melhor que eu rsrsrs.
Junto uma pinta de interesses políticos, a com já foi dito em ocasião não distante: O preço torna ” um negócio imperdível”

Last edited 4 meses atrás by Nilo
FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Japão, Coreia do Sul, Australiam Canadá e até mesmo, Índia, aliás, apostaria minhas fichas na Índia!

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

França, Alemanha, Espanha também teriam boas chances…

Jadson S. Cabral

França? Pra operar o que?

Rodolfo

França nao tem aeronave VTOL e jamais comprariam o F35B. E dentro da doutrina da Marine Nationale, é importante manter interoperabilidade com a US Navy e seus Carriers.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Mas a França é muito mais ativa no mundo hoje, que a própria Inglaterra… e mais que isso, ela tem condições técnicas de adaptar o porta aviões. E nunca ninguem disse na França que não poderia adquirir F-35, espeialmente numa configuração que não há para o Rafale.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Sem contar que é nítida a necessidade de segurança europeia, eu duvido que a Europa abra mão de um porta-aviões, com a Rússia lhe ameaçando…

Jose Luiz esposito
MMerlin

“Não consigo pensar realisticamente em nenhum comprador…”

Ah, mas aí depende do sonho dos sonhadores…
Uma combinação de vontade, falta de noção, ego, influência e nostalgia (de outra época) poderia infelizmente trazer essa embarcação para cá.

rommelqe

Concordo caro DALTON. Se nem o UK consegue sustenta-lo, quem poderia? A mais provável seria a Australia, mas mesmo assim deve ter toda a sua economia voltada para os subnuc etc. Outra remotissima hipótese seria a Italia (que ja fabrica e opera F35)

JAC

Espero que os megalomaniacos da Marinha nem pensem nesta possibilidades, porque seria um desastre. Custo altissimo de operar um PA destes, muito provavelmente vem com um bom numero de problemas para resolver. Sem falar que vai ter que operar F-35B com STOVL, que vai ser mais caro para manter e operar ainda.

Moriah

Conversão como o Minas Gerais no passado.

JAC

MB nao teve capacidade e dinheiro para arrumar a caldeira do Sao Paulo, quem dira modificacao mais profunda para STOVL para STOBAR. Lembro que RN estudou esta opcao para poder operar F-35C, porem desistiu. Entao, so vai encarrecer mais o processo de ter este navio na MB. Novamente, problema que mal temos alguns meios de superficie, ter um PA so vai piorar a questao.

Carvalho2008

Bom, para stobar ele só pré isa instalar o máquinario dos cabos de parada….seria curioso saber se os Britânicos concretaram o ralo do apartamento novo ou se aquela história de conversão é verdade….os cabos diante das catapultas são infinitamente mais simples….mas, vai que fizeram a cabine do comandante no lugar,….aí não dá….não dá para mudar rzrzrzr

Hcosta

se for uma catapulta/cabos de parada convencional onde vão produzir o vapor?
A catapulta/parada eletromagnética do sucessor do Charles de Gaulle foi, de memória, mil milhões?

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Custaria basicamente, TODO o orçamento de manutenção da Marinha…. kkkkk teríamos um p… porta-aviões, mas ficaríamos até sem navio de patrulha fluvial!!!

rommelqe

Entendo caro FABIO, que nem o total do atual orçamento destinado à MB seria suficiente. Veja que só o treinamento da nova tripulação, com enormes custos devido a adapta~la a um meio tão complexo (mais do que um sub com propulsão nuclear..) ja seria uma tremenda dificuldade. Como fazer o alinhamento do eixo/helice? Imagina quanto custaria contratar no exterior este “servicinho”. E aqui? Uma doca nova e demais instalaçoes custaria pelo menos uma nova Itaguai….

Wagner Figueiredo

Eu pensei..vcs pensaram..a MB pensou e sonhou..e agora?!?! 😁😋🤭

Gilmar Leal

Agora rezar para a MB acordar desse pesadelo. Não é navio para para nós. Não temos nem como manter as velharias ou arrumar verbas para as novas aquisições.

Last edited 4 meses atrás by Gilmar Leal
Rodolfo

Depois do fiasco que foi afundar o Sao Paulo, deveria ser proibido mencionar porta aviões na MB sob risco de perda de patente.

Willber Rodrigues

1°, matérias sobre o PR e o cmdt. da MB conversando sobre ter NaE. Depois, a Itália aposentando o Giuseppe Garibaldi. E agora, a RN, supostamente, tendo que vender o Prince of Waller, vendendo o almoço pra comprar a janta. Os editores tão querendo matar alguem do coração, só observo isso… Agora falando sério, se ele realmente for a venda, duas coisas: 1- sua compra será disputado a tapa, imagino que Turquia e Austrália vão disputá-lo na foice; 2- se a venda do HMS Ocean foi polêmica por lá, por ser ainda novo e ter passado por manutenção e modernização… Read more »

Leonardo

Já estou ansioso para a matéria de amanhã

Willber Rodrigues

Meu medo é que amanhã a China informe que seus estaleiros vão fazer um Liaoning “tipo exportação”….

Carvalho2008

Mestre Wilbur, duvido que vendam a Turquia mesmo que ela se disponha….a Turquia é ovelha negra da OTAN que fica oscilando….vai que um dia a OTAN que luta contra um CVF…

José de Souza

“Prince of Wallet”! 😀

Kornet

Aqui seria”O Honestus” Príncipe de Garanhuns.

Moriah

Quando ele chegar à Santos, a travessia da balsa vai parar por 2 horas, mas dessa vez não xingarei. 😀

Bardini

Daily Mail… Quem não conhece, compra.
.
E logo em seguida: https://www.telegraph.co.uk/news/2024/02/29/hms-prince-of-wales-will-not-be-sold-says-navy/#:~:text=Sources%20reportedly%20told%20MailOnline%20that,These%20claims%20are%20categorically%20incorrect.
.
De tudo o que acompanho, se a Royal Navy for cortar alguma coisa, por conta de dificuldade orçamentária, o que ela vai cortar são os meios anfíbios, tanto os atuais quanto os futuros, que ainda estão na fase de entender e definir o que vão ser estes meios.
.
“O segundo porta-aviões é um ativo que é mantido em reserva e é uma peça de equipamento muito cara e raramente usada”
.
O Prince of Wales sendo raramente usado, nesta semana:
comment image

Last edited 4 meses atrás by Bardini
Neto

Para os britânicos operacionalmente não faz sentido abrir mão do segundo PA. Ao menos duas vezes ter dois já oportunizou a RNavy estar presente em seus compromissos.
.
Sendo um navio não nuclear, faz sentido ter dois, pelo porte e despesas. Se fosse nuclear como o francês, faria sentido se segurar em um.

Bardini

O que faz muito sentido, é lançar uma opinião de que os gastos com o MoD devem ser elevados ao patamar de 3,00% de PIB, chamando atenção para seu argumento político ao dizer que caso a proposta não seja aceita, vão ter de vender um dos Porta Aviões…

Neto

Se foi um militar fazendo movimento político foi um movimento Burro. Parlamento de lá pode ser mais profissional com o tema militar, mas é uma estrutura civil. Algum político pode abraçar a causa de abrir mão de um. Um tiro no pé.
.
Importante leitura, Bardini.

Carvalho2008

Para mim que sou pobre…faz sentido ter um ou dois….mas numa guerra…fã, sentido quase nenhum…..quantos dias de atrito no mano a mano dura um Nae?? Hoje em dia, acho que ele vai imediatamente ganhar tudo….ou imediatamente perder tudo…5 dias de vida….por isto que falo dos Nae descartáveis….imagina a França….só tem 1…se atingido, tem de todo mundo voltar para casa….não é uma questão de poder fazer um Nae completo….é uma questão de quantos estarão operacionais depois de 5 dias de pau puro…

Neto

Esse recorte é relevante.
.
O 25 de mayo sobreviveu e fez nada de relevante para a Argentina na guerra pelas Falklands.
.
Valeu Carvalho!

Carvalho2008

Hummm fotinha que dá para fazer piada sem graça hein….4 escoltas…1 Nae e dois petroleiros…..bichinho entorna hein.. bebe mesmo…

H.Saito

Eu te disse! Eu te disse!

Paulo Sollo

Uma vergonha inenarrável. O Royal Navy vem se desintegrando a longa data e o processo atingiu tal ponto crítico e irreversível que já não dá mais para esconder. “Outro ex-secretário de defesa, Ben Wallace, disse ao Mail que o Reino Unido efetivamente vem ‘mentindo’ para a OTAN nos últimos 20 anos sobre suas capacidades.” Já cortaram 70% das aquisições do f-35 B e dezenas de helicópteros e as notícias sobre falta de verbas, falta de pessoal, navios velhos que só vivem quebrando e navios novos que….só vivem quebrando… se tornaram rotina a anos. As únicas coisas que a RN mantém… Read more »

Moriah

Temos que ver financeiramente o que há Além da Toca do Coelho em Oz. Afinal, AUKUS e frota de 26 escoltas tem que ter um bom fundo de reserva…

Bardini

Não cortaram uma única unidade dos 48 F-35B que foram contratados. . A aquisição de um novo tranche, está sendo discutida e em vias de ser implementada. . O interesse em seguir o planejamento de longo prazo, que é o de ter 138 aeronaves, foi reafirmado recentemente no parlamento. Se vai se cumprir, só o tempo dirá, já que é um plano de longo prazo. . Sobre helicópteros, eles estão no meio de um processo de seleção de um novo helicóptero de médio porte, que pode somar mais de 4 dezenas de aeronaves para substituir assim os Pumas, que chegaram… Read more »

Last edited 4 meses atrás by Bardini
Paulo Sollo

Você vai ter que elaborar mais sua passassão de pano. “máquinas e equipamentos podem quebrar” Sem dúvidas. Porém qualquer pessoa com o mínimo de discernimento vê, inclusive porque são os próprios britânicos que tem dito a tempos, que estas quebras não se situam no que se pode considerar aceitável, e são derivadas de manutenções precárias, falta de verbas e de falhas críticas e incorrigíveis nos projetos. Se você quer usar outro termo, compras de novos f-35 estão “suspensas” por tempo indeterminado. Mas sejamos realistas e sem firulas. Como eles de fato não tem grana: “essa é a realidade desagradável; a… Read more »

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Mas… pense bem: o Reino Unido mantém-se como um dos países com um sistema público, gratuito e universal de saúde mais competente e abrangente, o IDH do país continua alto, a educação continua de qualidade, etc… é um Estado de bem estar social na concepção de von Bismarck. Digo isso porque acabou sendo uma escolha: militar ou social. Eles escolheram o social…

Carvalho2008

Escolheram o mal resolvido…o CVF saiu torto….nestas dimensoes, no mínimo stobar…

José de Souza

E escolheram certo, depois dos traumas de duas guerras mundiais em sequencia, e milhares e milhares de mortos, mutilados, aleijados, famílias destruídas além de quinze anos de racionamento pós guerra. Se tornaram uma potência social e financeira, deixando o imperialismo com os ianques.

Paulo Sollo

Amigo você totalmente equivocado. O estado de bem estar social Bismarckiano é privatista. Prevê que só terá acesso à saude e educação públicas quem pagar por isto O modelo de bem estar social do uk é o Beveridgiano, que prevê que os cidadãos terão direito à saude pública e educação, dentre outros, sem a necessidade de pagar por isto. Como exemplo, a previdência social no Brasil é Bismarckiana porque é necessária a contribuição. Já a, saúde e educação públicas no Brasil sso Beveridgianas porque não é necessária contribuição para, qualquer cidadão ter direito. E sobre a situação social no UK,… Read more »

Last edited 4 meses atrás by Paulo Sollo
Eduardo Gomes

Boa noite, gostaria de concordar inteiramente com sua frase, inclusive aplica-se perfeitamente a outras marinhas, por exemplo: O único porta-aviões russo, o porta-aviões pesado Almirante Kuznetsov está em reparos desde 2017. O retorno do navio ao mar era esperado para o início de 2024, mas esse prazo foi adiado para o fim do próximo ano devido a “ajuste nos planos” de recuperação da embarcação. “O Caos existe, está ocorrendo dentro da Marinha da Russia e não foi provocado por nenhum agente externo, mas pela incompetência deles.” Como eles de fato não tem grana: “essa é a realidade desagradável; a dissuasão… Read more »

Nilo

Ben Wallace: ” acrescentou que o Reino Unido não tem contribuído para a OTAN como prometido nos últimos 20 anos.”
Essa até o Trump ouviu.

Carvalho2008

Olha…este negócio do F35B ainda vai dar ruim….o Modelo C ninguém vê….com o B pode ser um review dos Harriers….muito bom, caro, mas não dura como um F18 SH… e já vimos alguns Nae virando porta helicópteros por falta dele após algumas décadas….solução de avião sem contingência…ou é este ou nada…vi a Live do Galante com o Salles…está alternativa Stovl complica o mundo do deles….não co segue fazer Cross deck como os Franceses….Rafale pousa lá e SH pousa ka….na emergência…

Bardini

Não dura tanto quanto um Super Hornet? A Boeing está para fechar a linha de produção do Super Hornet ano que vem… F-35B já tem pedido que lhe garante a produção durante a década de 30. . Um F-35B pode transformar um Porta Helicópteros em um NAe Ligeiro. Um Porta Helicópteros sem F-35B, tem muita útilidade como Porta Helicópteros. . Eles não fazem cross-deck com os franceses, mas podem fazer com os americanos (USMC) e com os italianos. Vão poder fazer com os japoneses e ainda mais adiante, poderá se abrir uma nova possibilidade, a depender dos espanhóis. Isso sem… Read more »

Last edited 4 meses atrás by Bardini
rommelqe

Caro BARDINI: como usual, otimas colocações. Obrigado pelo link escelente. Realmente a hipótese Japão seria a mais provável.

carvalho2008

Mestre bardini, não digo que não exitem vantagens e muitas num F35B, mas atenção que todas elas tambem se aplicam e aplicaram iguaizinhas, ipsis literis ao harrier e Harrier sumiu….teve Nae que virou Porta Helicoptero tamanha a dependencia de um unico avião….tema mais pedidos de F35B do que Harrier? Tem sim….mas não no volume esperado….olha o tempo para os britanicos terem o que queriam ter…..ate agora, so uma fração…F35B sera mais longevo que Harrier eu não duvida….mas quem faz as contas….faz para 50 anos….40 anos….

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

O Reino Unido deu um tiro no pé ao sair da União Européia, o fato é este. E correu para a AUKUS, que cedo ou tarde amenizará a situação criada pelo Brexit, mas isso demanda tempo, nao se constroem blocos comerciais de um dia para o outro.

José de Souza

Isso é verdade, caíram nas fake news manipuladas pela extrema direita e estão dando com os burros n´água. A AUKUS não terá o impacto que a UE tinha.

Bruno Vinícius

Concordo que o Brexit foi um tiro no pé. Porém, o AUKUS não é um bloco comercial, é um acordo de segurança.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

É um bloco comercial também, embora sua informação estja correta: começou como um bloco de segurança. Evolui para o comércio, porque a China fecha as portas para os EUA em muitos lugares, e nada mais lógico que o comércio entre nações de mesma origem colonial.

Mercenário

Só o Paulo acreditou no potencial da matéria do Daily Mail, que na verdade é só uma maneira dos oficiais pedirem mais recursos por lá.

E ainda espalhou desinformação: não há corte na aquisição de F-35B.

BraZil

Seria a Austrália favorita para comprar? ou O Chile?

Fighter_BR

Chile!? 🤣🤣🤣

BraZil

Oi Fighter. Outro colega citou sabiamente: Coréia, Japão ou IÍndia. não acredito em Japão e índia, ambos por já terem seus porta aviões autóctones Mas eu incluo a Coréia do Sul em minhas possibilidades. Quanto ao Chile, citei-o por ser uma nação oceânica, organizada, de marinha muito profissional e que não sofrerá pressões de vizinhos caso adquira uma máquina dessas. fator que a Coréia enfrentaria e lhe é desfavorável. Assim como a Austrália enfrentaria, mas a considero a grande favorita. E claro que os Chilenos teriam que botar muita grana, para vê-lo pronto e operacional com escoltas e aeronaves, mas… Read more »

Willber Rodrigues

Índia já tem seu próprio programa de NaE’s, baseado no Vikramaditya.
Japão, lançou dia desses aquele “cruzador”, que se parece mais com um porta-helicópteros.
Coréia, acho que não tem ligar pra NaE no T.O deles, mas se a oferta for boa, eles ficarão tentados.
O Chile vai olhar pra isso com água na boca, mas não vão comprar, eles são racionais.
Provavelmente seria vendido a Austrália, junto com o “pacote AUKUS”.

Carvalho2008

Korea está com. Projeto próprio de Nae híbrido

Rodolfo

Sim, apostaria na Australia dentro do AUKUS e fortaleceria a aliança no pacifico. Com uma frota de sub nucleares podendo fazer escolta, faz sentido acrescentar um PA na frota da Royal Australian Navy, nem precisariam mudar o nome da embarcação.

carvalho2008

A coreia seria a melhor candidata…

Faver

Não são os navios desta classe que apresentaram uma série de problemas?

Faver

Parece que é no eixo de transmissão de transmissão dos motores. Problema grave estrutural que não teve indicação de correção. Aí, coloca a venda e diz que falta dinheiro….

Carvalho2008

Uma coisa chamou atenção

Na Live do Gala te e o Salles, foi comentado que o empenamento do eixo do São Paulo foi causado por tempo excessivo parado….se fofoca ou maldade não sei, mas parece ser o mesmo problema deste aí….

Marcelo Baptista

sim, isto pode ocorrer. um eixo muito longo com poucos pontos de apoio (mancais) precisa ser girado em tempos regulares para não ceder ao próprio peso. De forma bem simplificada.

Last edited 4 meses atrás by Marcelo Baptista
rommelqe

Sim. E ha casos em que há necessidade de manter velocidades muito baixas (5 ou 10 rpm) com o eixo aquecido (para contornar deformaçõers assimétricas possivelmente plasticas)

carvalho2008

vixe…brincadeira que dois navios capitais tenham comprometimento por conta disto….que preju….

FERNANDO

Olha analisando criticamente.
Temos que ver que é um PA novo dentro do que a MB espera.
Claro tem um montão de outros problemas a resolver, mas, sabemos que não serão resolvidos.
Então, pq, não sonhar.

Marcos Silva

Exatamente! A MB quer,já disse isso antes.
Os especialistas de internet podem espernear à vontade.

Rodolfo

Eu acho que ninguém vai espernear, só rir da inteligência do almirantado se tomarem essa decisão extremamente inteligente que vai enterrar de vez a frota. Espero que essa embarcação junto com o Alvaro Alberto, as duas unicas que estarão ativas na MB no ano 2045 visto as retricoes orçamentarias e ao elevado custo de manutenção das duas, deem Conta de proteger toda a Amazonia Azul…

Fernando Vieira

A matéria diz para os países da AUKUS. Só tem três países aí: A Inglaterra que está supostamente vendendo o navio. Os EUA que não precisam dele pois possuem NAes muio maiores e capazes e desse tamanho eles tem a classe Wasp. Sobrou a Austrália, de frente para o novo inimigo deles, a China. Esse navio deve ir pra lá. Seria bacana na Marinha do Brasil? Seria, eu iria madrugar lá no Píer Mauá quando ele abrisse para visitação. Mas de onde sairia o dinheiro pra manter esse navio? Pior, para comprar e operar os F-35B e seus armamentos? Aí… Read more »

Black White

Não vejo possibilidade da Australia adquirir um desses, adquiriram recentemente dois LHD justamente para suprir essa carencia até 2040, e não estão dando conta de mante-los operacionais, talvez se fosse a 10 anos atras a Australia teria total interesse, hoje acho muito remoto.

Mr.White

Se isso fosse a 10 anos atrás, concordaria, hj não. A Australia acabou de receber 2 LHDs novos, e mal está conseguindo mante-los operacionais, a Australia não seria um cliente em potencial.

LucianoSR71

Como já disse há algum tempo, esse nome não trás bons fluidos: o Couraçado HMS Prince of Wales, oficialmente dado como operacional em 31/03/1941, foi afundado pelos japoneses em 10/12/1941, ou seja c/ menos de 9 meses de vida operacional. Esse agora vai resistir mais quanto tempo aos torpedos orçamentários?
Meus candidatos a ficarem c/ ele: Austrália, Coreia, Japão e talvez até mesmo a Índia.

José de Souza

E se tem uma coisa que navio tem que ter é boa relação com os fluidos…

Moriah

Para o grupo de batalha do PA, 4 arrowhead 140 by cameron finance

Rodrigo LD

Se a Inglaterra não consegue operar, imagina o Brasil….será a marinha de um único porta-aviões, porque matará todos os demais projetos e meios. Não vai sobrar verba para mais nada. Só o que não faltará é pessoal para tripular, nesse quesito estamos bem. Comprar um Mustang baratinho, pra sair chamando a atenção, eu também quero, mas como vou manter os gastos depois???

Bruno Vinícius

Não teríamos dinheiro o bastante nem para comprar a ala aérea. Mesmo se a MB subutilizasse o Prince of Wales, estamos falando de uns 28 F35 (24+4), algo beirando os 6 bilhões de dólares.

Last edited 4 meses atrás by Bruno Vinícius
Jadson S. Cabral

A MB não precisaria, necessariamente, comprar F-35B agora. Lembre-se que trocaram a designação do Atlântico para operar drones. Esse aí poderia operar uma quantidade bem maior de drones e de maior capacidade, além de helicópteros. F-35B poderia vir daqui uns 10 ou 15 anos, quem sabe

Last edited 4 meses atrás by Jadson S. Cabral
Black White

Seria interessante uma adaptação a um STOBAR, utilizando do Sea Gripen, precisaria de uma adaptação no conves, mas seria viavel, pois o Sea Gripen teria uma razão de empuxo/peso até superior aos Mig-29.

Bruno Vinícius

Com o gasto que teríamos com a conversão + o desenvolvimento da versão naval do Gripen + a aquisição das aeronaves não acredito que o valor final seria muito diferente da aquisição de F-35s. E pela diferença (considerável) de capacidades, a opção pelo Lightining faria mais sentido.

Mas, de novo, não há espaço orçamentário na MB para nenhuma das duas opções.

Mr.White

O custo operacional entre o Gripen e o F-35B seria o fator decisivo, é um custo de hora/voo imensamente maior para o F-35B, a versão VTOL é justamente a mais cara. Os Britanicos fizeram um estudo para adaptar o navio em um CATOBAR, mas por questões de custo, não deram prosseguimento. Mas para um país que tem interesse de ganhar know how tambem na fabricação de Navios Aerodromos, seria uma empreitada interessante.

Augusto José de Souza

Eita!!!! Foi só ressuscitar o assunto porta aviões no Brasil que do nada vem dois prestes a aposentar,sai fora,que a marinha invista em ampliar os meios navais e não pegue outra bomba torradora de dinheiro como foi o São Paulo e esse claramente é mais uma furada.

Fabio Araujo

Pena que dificilmente teremos dinheiro para comprar, mas se tivesse grana e todas as autorizações seria uma boa compra, principalmente se fosse de “porteira fechada”!

Carlos Eduardo Oliveira

NAe Almirante Saraiva Ribeiro?
Será?

Guacamole

Esse eu sei que a MB não pega de jeito nenhum por causa do ski jump.
Duvido a MB comprar algo sem catobar.

Hertz

Enquanto isso, no Notícias do Brasil:

Marinha do Brasil pode ser forçada a vender a Marinha do Brasil devido a restrições orçamentárias.

BK117

Ê Royal Navy, quem te viu, quem te vê, ein? Interessante que os armamentos de defesa dele são basicamente idênticos ao do então Ocean. Quase um Atlântico depois do whey protein rsrsrs Definitivamente não é porta-aviões pra quem tem pouca escolta. Novamente, tento me manter com os pés no chão e questionar se temos bala na agulha pra comprar e operar um trambolho desses. Pelo jeito é um belo rumor essa venda, mas mesmo que a questão do “vender abaixo do preço” seja real, duvido que seria barato o suficiente pra uma marinha que não sabe de onde vai tirar… Read more »

Dagor Dagorath

Os dois navios da classe Queen Elizabeth saíram por quase 8 bilhões de libras. Considerando isso, mesmo usado, o Prince of Wales provavelmente sairia por uma fortuna. Se a MB viesse a adquirir o mesmo, outros programas navais fatalmente acabariam afetados.

rfeng

Não queremos.

KKce

Mão do pessoal da MB chega a coçar

Bruno

Duvido Anglo-Saxão vender uma beleza dessa para algum país americano, ainda mais sendo integrante dos BRICS. Agora se fosse uma lata velha seria outra conversa…provavelmente vai pra algum irmão deles, aposto Austrália.

Helio Eduardo

Não é questão de ser sul americano, BRICS ou não…. Trata-se de um navio novo e muito, muito caro de comprar, equipar para funcionar e de manter.
Se for vendido, será para um aliado de primeiríssima ordem, tipo Australia.

Black White

O problema é que a Australia não tem interesse e nem orçamento para isso, pois acabou de adquirir dois LHD novos que são parte da modernização da frota até 2040, se fosse a 15 anos atras, seria possivel, hoje, muito improvavel. Existem pouquissimos países com grana para adquirir um desses, o Brasil seja talvez o unico.

Black White

Alias, o Reino Unido vendeu o HMS Ocean justamente ao Brasil, mesmo sendo um porta helicopteros um pouco mais antigo, estava longe de estar obsoleto, entrou em operação em 2000.

Rodolfo

Ate venderiam, mas eletronica mais sensivel e sistemas de defesa anti aerea seriam removidos. Depois acabaria operando Harriers produzidos a 4 decadas. Seria transformado de
uma nau do seculo 21 num dinossauro flutuante.

Leonardo

Fico pensando se não daria pra operar um possível, futuro, hipotético, Sea gripen num navio desse já que ele consegue decolar em pistas curtas, mesmo que não totalmente carregado, apesar que o ski jump+vento poderia ajudar.(instalando um aparelho de parada é claro)

Rodolfo

Russos e chineses so operam caças bireator de skijump, com capacidade de carga refuzida. Nao ia dar certo pro Gripen N

Leonardo

A Índia irá usar o Tejas… Tem que ver a relação empuxo x peso já que o gripen é bem mais leve que os caças russos, e foi pensado para decolar em pistas curtas

carvalho2008

Mestre Rodolfo, Normalmente muitos confunde ou aliteram indevidamente o stobar a uma capacidade de peso reduzida….pois é questão é…reduzida para qual missão? se for defesa, então não…a capacidade é full Se for ataque, sim. Existe alguma depreciação sobre o total, mas este total tambem depende da configuração da missão. Ou seja, uma fração maior ou menor delas, sendo em que algumas, pode ser que sequer exista. Explico de forma facil: querosene pesa 0,88 Kg/litro 1 missil terá seu peso maior que a massa de seu tamanho em querosene 1 bomba pesa mais que um missil ar ar Em defesa aerea,… Read more »

teno

oi nois aqui traveis…..teno!!
entao amiguinhos e muito lindio mas …, não vai acontecer porque não tem como rolar o jabaculé.
o partido criminoso esta então bay.
hipoteticamente poderia reconstruir os (sea harrier) atualizados e coloca-los sairiam mais em conta.

Emmanuel

Esperou o contato.
O contato veio…

Caravaggio

Olha o próximo porta-aviões da Marinha do Brasil aí, gente…

BraZil

Uma outra questão a ser analisada é o tipo de dispositivo de lançamento,o qual nunca operamos. Com o sistema catobar, no qual já temos pilotos treinados e alguma experiência, eu seria menos pessimista…e definitivamente, não quero PA na MB.

Akhinos

Se esse troço for vendido e a Marinha falar que quer o Lula compra ele no ato. Galera ainda não entendeu que ele tá doido para agradar os militares. Ele deu essa semana mesmo entrevista falando que tem um grande desejo de se aproximar dos militares gente. Isso ai se for pro mercadão das almas não tem nem Austrália da vida que vai ser capaz de superar o lance brasileiro. E a Inglaterra históricamente vem em nós brasileiros primeiramente qdo quer vender alguma embarcação. Eu não sei pq seria diferente dessa vez, e temos o James Cameron essa semana que… Read more »