FREMM Virginio Fasan (F591)

A fragata italiana Virginio Fasan da Marinha Italiana interveio para proteger um cargueiro sob ataque Houthi e abateu um drone

No final desta manhã (ontem, 29 de abril), a fragata Virginio Fasan da Marinha Italiana, envolvida na proteção próxima de um navio mercante europeu, como parte da Operação EUNAVFOR ASPIDES, abateu um drone no Mar Vermelho, perto do Estreito de Bab El Mandeb. O drone, com características semelhantes às já utilizadas em ataques Houthi anteriores, estava a cerca de 5 quilômetros da embarcação italiana, na direção do navio mercante escoltado.

Ataques complexos com mísseis e drones já haviam ocorrido durante a manhã (29 de abril), sendo frustrados graças às manobras evasivas realizadas pelo navio mercante seguindo as instruções da tripulação da fragata Fasan. Um míssil explodiu na água nas proximidades do navio escoltado, causando apenas danos superficiais menores.

A fragata Fasan e o navio mercante protegido continuam (no mesmo dia) sua rota para o sul conforme planejado, para sair do Mar Vermelho. Atualmente na área para garantir a liberdade de navegação e a segurança das rotas comerciais, a fragata Virginio Fasan substituiu o destróier Caio Duilio como a plataforma sede do comando da Força de EUNAVFOR ASPIDES, a operação de segurança marítima da União Europeia para a proteção da liberdade de navegação nas áreas do Mar Vermelho e Golfo de Áden.

FONTE: Ministério da Defesa da Itália

Subscribe
Notify of
guest

30 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Moriah

Essa torre “Darth” da Freem italiana é muito estranha…

Leonardo

Por mais contratos navais com a Itália por favor! Essa que eu quero ver na MB.

Moriah

Parece que o próximo pode vir do Reino Unido…

737-800RJ

Duas FREMM italianas foram oferecidas ao Brasil em 2019, mas não tínhamos dinheiro.
Na minha muito humilde opinião a MB deveria ter feito um grande esforço conjunto numa negociação governo a governo para melhorar as condições de pagamento. É o tipo de oportunidade que não aparece sempre! Hoje teríamos 2 FREMM e estaríamos aguardando com tranquilidade as 4 Tamandarés…

https://www.naval.com.br/blog/2019/01/30/italia-oferece-fragatas-fremm-ao-brasil/

Leonardo
PauloOsk

Sera que algum dia veremos uma escolta top dessas na MB? Haha

Mercenário

Um navio com esse deslocamento e apenas 16 mísseis, deve ter utilizado um dos seus bons canhões para abater o drone.

rui mendes

16 mísseis Aster 30, onde cabem 64 mísseis Camm ou Mica/ER.
Depois além dis mísseis sam, tem os antu-navio otomat com +180km range e quase a ser substituídos pelos Otomat/evolved com mais de 350km range e capacidade de ataque a terra.
Também têm o melhor sistema de ataque a submarinos do mundo e um conjunto de sistemas de defesa contra mísseis anti-navio e torpedos do melhor.

Leonardo

Será que daria pra trocar o vls pelo do Camm?

No One

Acho que tudo é possível , a classe oferece espaço e versatilidade de sobra, mas o ponto é : seria realmente desejável trocar os lançadores Sylver ( A-50 ) ou MK41 por uma solução tão básica feita especificamente para o CAMM ( um missil mais eeconômico feito para engajar a maioria das ameaças, mas pouco eficaz contra ameaças de alto desempenho, manobraveis e supersônicas ) como fez a RN ? Perder a flexibilidade e a possibilidade de utilizar mísseis bem mais capazes ? Ainda maís quando você conta com canhões excelentes para a defesa de ponto… Só lembrando, praticamente todas… Read more »

No One

Esses são os Sylver A-50 :

comment image

No One

comment image

No One

comment image

No One

comment image

No One

Já esses aqui, são os lançadores básicos do CAMM: A diferença é abissal, os Sylvers são lançadores muito mais complexos, que necessita de estruturas mais pesadas e robustas, canais de exaustão para os gases dos mísseis que são lançados a quente, são maiores e mais profundos e cada celula pode acomodar mísseis de vários tipos, maiores e de desempenho superior. O lançador individual do CAMM é algo muito simples. Então quando alguém vem com esse papo furado de ” ah, mas tem só 16 vls ” … Sim e quais são esses vls? se você tem 32 “vls” básicos que… Read more »

No One

Se for para trocar o Sylver que seja pelo MK41 … Ou, em alternativa, adicionar mais dois conjuntos de 8 como previa o projeto desde o começo.

Bruno Vinícius

Leonardo, não haveria necessidade de se fazer essa troca. A MBDA já ofereceu o CAMM para o uso com o silo Sylver (seria possível carregar cada célula com 4 mísseis CAMM, por isso do colega ter dito que em 16 células cabem 64 CAMM/CAMM-ER)

No One

Exatamente, e até agora foi mais que suficiente esses ” bons canhões ” , já os outros que não contam com esses ótimos canhões ( em combinação dupla ou até tripla ) tiveram que gastar pelo menos um milhão de dólares contra ameaças de baixo perfil…

Mercenário

Eu sabia que você vinha chorar pelas apenas 16 células vls em um navio de mais de 6000 tons….

Os números de PK que citou acima você tem a fonte? Em caso positivo, favor compartilhar.

Esses bons canhões servem contra drones próximos e talvez mísseis de cruzeiro. Para ameaças mais complexas a fragata vai ter que gastar seus caríssimos e poucos Aster, que são bem mais caros que outros mísseis que atenderiam a missão (a depender da ameaça, é óbvio).

Em tempo, um dos Burkes já abateu drone com o canhão também, vale lembrar.

No One

Quem mostra insatisfação com a configuração do navio é você, a MM aparenta estar satisfeita com as suas FREMM, em ambas configurações, algo que não pode-se dizer da RN com as suas Type 23. Não existe motivo para tanta indignação ou espanto, se você deseja uma fragata com 32 VLS ( vls de verdade não simples “canisters” basicoes feitos para acomodar unicamente um míssil , como fez a RN para economizar sobre o MK41, ) , lhe apresento as FREMM DA – LORRAINE e ALSACE da MN : 32 vls, 4 sylver A-50. Existem configurações de FREMM para todos gostos,… Read more »

Last edited 2 meses atrás by No One
Mercenário

Esta não é a FREMM italiana, objeto da matéria e da crítica … mas acho que você sabe. Não entendi a lógica de citar a Type 23, que é uma especialista em ASW com design da década de 80. Quanto às diferenças entre o Aster 30 e o CAMM eu as conheço, dentro das informações que são públicas, faltou você citar a fonte sobre o PK. Quem disse que o CAMM é pouco eficaz contra ameaças supersônicas? Ou você possui uma fonte, ou é uma suposição. E quem lhe garante que a FREMM italiana não possui um mix entre Aster… Read more »

No One

“Os números de PK que citou acima você tem a fonte? Em caso positivo, favor compartilhar.”

Ok, quando você me explicar as principais diferenças entre o ASTER 30 e o CAMM e vou procurar os links…
Abs

marcelo

16 células VLS não significa 16 mísseis, navio Fasan está bem armado não se preocupe. A artilharia naval nas fragatas da classe Bergamini é a melhor do mundo com a possibilidade de usar munição vulcano que em termos de precisão e alcance é incomparável! O Aster 30, Aster Block 1 e os próximos mísseis Block 1 NT são os melhores mísseis antiaéreos da Europa, custos de qualidade !! Um navio deve ser versátil para estar pronto, porque você nunca sabe qual missão vai cumprir!

Carlos

Mais uma estupidez da UE que devem pensar que são polícias do mundo, bastaria uma ação de proibir a atracagem de qualquer navio que passe pelo estreito de Babe El Mandeb apenas por um simples fato, que é a Maersk, maior companhia marítima da UE, que proibiu o transito dos seus navios pelo estreito em causa e para que haja concorrência justa, só aceitaria navios que fizessem a rota do Cabo, haverá quem argumente com o aumento dos fretes, e que é um fato, mas porque poderá ser mais barato produzir na UE em vez de importar da Ásia e… Read more »

rui mendes

BRICS????
E democráticos???
Boa piada.

Leonardo

A questão é que Europa e Estados Unidos estão brincando de marinheiros nessa área. Já era pra ter tido uma coalizão mais eficiente no Iêmen pra caçar esses Houthis e seus mísseis. Estão esperando uma tragédia maior eu acho. É tudo medo do Irã?

Carlos

Uma coalização sim mas não com EUA e UE, porque não são policias do mundo

Burgos

Impressão minha ou diminuiu os ataques de drones/ mísseis/foguetes dos Houthis contra navios mercantes no canal que eles dizem ser inimigos (obstrução do livre comércio entre Países).
A coalizão reclamou dos gastos para defender a livre navegação na região, mas parece que eles também vem apresentando o mesmo tipo de problema (estoque baixo e grana curta para aquisição).
Velho ditado:”Pau que dá em Francisco, também bate no Chico” 🤔😏

Zé Rato

Os países ocidentais pretendem continuar os próximos anos a gastar biliões nestas operações de proteção à navegação, enquanto as fábricas no Irão vão continuar a produzir tranquilamente milhares de mísseis e drones para fornecer os Houthis e outros grupos rebeldes ou terroristas, sem serem incomodadas? É que não faz sentido! Mas no atual estado de decadência do Ocidente, quase tudo deixou de fazer sentido.

Fabio

Abateram com os canhões oto melara ?