Navio-Aeródromo Multipropósito ‘Atlântico’ segue para o Rio Grande do Sul levando material de ajuda humanitária

89

O Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM) Atlântico – A140 partiu hoje do Rio de Janeiro (RJ) com destino ao Rio Grande do Sul (RS) para apoiar as vítimas da inundação provocada pelas fortes chuvas naquele estado.

Além do NAM Atlântico, o Navio de Apoio Oceânico Mearim, o Navio-Patrulha Oceânico Amazonas, o Navio-Patrulha Babitonga e a Fragata Defensora estão se deslocando para o local, levando água potável, alimentos, material de higiene pessoal e limpeza, roupas e outras doações para apoiar a população do Rio Grande do Sul.

O NAM Atlântico  está transportando duas estações móveis para tratamento de água, capazes de produzir um total de 20 mil litros de água potável por hora, para ajudar a suprir parte da demanda das cidades que sofrem com a escassez desde o rompimento das barragens.

O maior navio de guerra da Marinha do Brasil também está transportando viaturas, embarcações, Fuzileiros Navais, equipes de saúde formadas por médicos e enfermeiros da Força. O NAM Atlântico possui, ainda, um dos maiores complexos médicos entre os navios da Marinha, e pode funcionar como hospital de campanha.

FOTOS: Edson de Lima Lucas

SAIBA MAIS:

A história do Porta-Helicópteros HMS Ocean na Royal Navy, agora NAM Atlântico na Marinha do Brasil

Subscribe
Notify of
guest

89 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vovozao

08.05.24 – quarta-feira, bnoite, São atitudes como essas que engrandece as FFAA’S, são os sentinelas da nação; entretanto, nos momentos difíceis ajudam os seus concidadãos

Burgos

Boa noite Vovozão;
A triste notícia que vem mais chuva pro RS em algum na pontos da região com queda de granizo e deve chover de 50 mm/ 100mm e a temperatura vai cair depois dessa tempestade.
As FFAAS vão trabalhar bastante na região pelo visto.👀😔🙏
S.O.S/RS
Fonte: INMET

Moriah

Se o bahia fosse, contribuiria ainda mais no desembarque dos clanfs

Joao

Acho q ele está em manutenção

Camargoer.

creio que sim. Isso foi comentado em uma outra matéria anterior a esta sobre a catástrofe no RS.

Andrigo

Informações de onde o navio vai ficar, vai ficar ao largo da costa do RS, vai adentrar a lagoa dos patos?

Fernando "Nunão" De Martini

Em matéria anterior, a MB informou Rio Grande.

Last edited 2 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Santamariense

Segundo o comandante do 5° Distrito Naval, o Atlântico não pode operar na Lagoa dos Patos.

Adriano

Por que de tanta demora? A mobilização do governo federal está sendo uma VERGONHA , a sociedade civil e os governos estaduais estão salvando vidas a dias.

Carlos Pietro

Discordo em parte do seu comentário. A mobilização de todas as esferas do governo foi rápida, o que demorou muito foi o envio do Atlântico. Este navio já deveria estar no RS na semana passada. Muito demora da MB.

messias

devia ter partido vazio mesmo né, sem doações, enfermeiros, remedios…só sair igual cavalo galopando….

Guarivaldo

Vergonha é estar indo com doações, a gente paga imposto só pra bancar a vida boa dos políticos?

Camargoer.

Caro. Em 2011, ocorreu uma das maiores catástrofes naturais no Japão. Ainda que o país tenha um sistema excelente de defesa civil, toda a população se mobilizou para doações. Curiosamente, no início desse ano, ocorreu um acidente no aeroporto de Narita entre um avião comercial e um avião da Guarda Costeira do Japão, o qual levava, veja vocẽ, ajuda humanitária para um terremoto que tinha acontecido há poucos dias… Desde que o mundo se tornou civilizado, é comum e necessário o apoio da população civil para doações de roupas, itens de higiene e até alimentos para as pessoas atingidas pela… Read more »

Guarivaldo

Caro, faltou falar que no Japão os políticos abriram mão de parte do salário durante o ocorrido. O primeiro ministro abriu mão do salário completo. Ajudas e doações ocorrem sim e são necessárias, mas para esse tempo todo de resposta o próprio governo já deveria ter garantido que o navio estaria cheio dos mantimentos necessários ao invés de encher apenas de doações.
Que coisa. Fico constrangido com alguém passando pano pra uma situação dessas

Camargoer.

Caro G. Explica isso de passar o pano que fiquei sem entender… aliás, vocẽ fez alguma doação? Eu fiz.

Last edited 2 meses atrás by Camargoer.
Gabriel

Fique tranquilo, vc não é obrigado a doar nada !

José de Souza

…no melhor estilo do Governo Anterior, incompetência, bravatas e falácias.

Alexandre

Falta de critério em sua análise!

Leonardo Cardeal

Concordo plenamente. Demorou demais pra essa embarcação ir pra lá….

Pedro

Você está levando em conta a autorização do MD, uma as esferas do governo, em autorizar o uso desse navio e o tempo que leva para embarcar material, insumos e pessoal para uma operação dessas?

Alexandre

Vergonhosa é sua intenção!

Rafael

Imagino que o Atlântico e o Bahia (e suas guarnições) operem com algum sistema de revezamento e prontidão para atender demandas como essa.
Ainda bem que temos os dois. Sem o Atlântico, nesse momento não teríamos nenhum meio disponível com capacidade semelhante.

Last edited 2 meses atrás by Rafael
Luciano

Qual a comemoração? A embarcação suspende uma semana após o início aa “guerra”? Os equipamentos das FAA deveriam ser os primeiros a chegar, hoje um jipeiro estava indignado com uma viatura blindada que não estava resgatando ninguém, enquanto veículos civis estavam cheios de resgatados. Helicópteros privados estavam de prontidão no dia seguinte a inundação, me lembrei do incompetência do Pazuello na gestão da saúde. Gosto da área militar, mas nunca vou passar pano para incompetência.

Joao

O efetivo do EB operando no local é maior do que todo o exército australiano.
Ao mesmo tempo, a mesma quantidade de brigadas do exército francês e português juntos está atuando na fronteira.
Outro efetivo do exército português, está operando em 3 operações diferentes na Amazônia…

É muito pouca prontidão….

RPiletti

Agora não é o momento adequado para criticar A ou B, mas depois que a situação normalizar alguns pontos precisarão de melhorias. O Luciano citou algo corriqueiro aqui no RS, a precariedade do EB.

Camargoer.

O EB tem uma situação precária desde a Guerra do Paraguai… na II Guerra, a FEB precisou de material dos EUA (inclusive uniformes e comida). Foram enviados 25 mil tropas após os critérios de saúde serem reduzidos.. uma grande parte dos voluntários foi dispensada por problemas odontológicos…

até no golpe de 64, o EB estava despreparado e foi preciso providenciar uma reserva de emergência dos EUA para o caso da situação evoluir para uma guera.

Leandro Costa

Só uma pequena correção Camargo. O Brasil se prontificou à providenciar os uniformes da 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária, mas errou feio. Nossos uniformes eram parecidos com o dos Alemães e não eram próprios para o frio intenso que encontramos na Itália. Os próprios Brasileiros trataram de usar os serviços de costureiras locais e modificaram bastante os uniformes, bem como utilizaram algumas peças de vestuário de uniformes americanos. Então há uma grande salada de uniformes nos nossos soldados na Itália.

Em relação à comida, enviamos parte dela para lá também. As ‘rações’ entretanto, eram americanas. Comida de rancho era Brasileira.

Camargoer.

Olá Leandro, Obrigado pelos esclarecimentos sobre a FEB.

Quando a gente pensa na coragem e fibra dos soldados brasileiros, que além de enfrentarem os alemão, bem equipados e com enorme experiência de combate, tiveram que se virar com as dificuldades internas do EB.

Quando visite o memorial, ai no RIo de Janeiro, chorei muito ao ver as idades, nomes e pensar no que eles enfrentaram. Heróis.

Leandro Costa

Camargo, tem um livro muito bom do Campiani sobre o assunto, o “Sujos, Barbados e Fatigados” (se não me engano a ordem é essa) que faz um estudo mais detalhado sobre o tema. Eu recomendo muito.

Nosso pessoal enfrentava dificuldades de tudo quanto é jeito, inclusive na retaguarda, tanto a retaguarda na Itália, quanto no Brasil. Você acredita que nosso pessoal deixou de receber condecorações outorgadas pelo V Exército simplesmente porque aqui no Brasil os altos escalões do EB recusaram sob a justificativa de que nossos soldados ‘já tinham condecorações demais’?

Camargoer.

Rapaz… Eu devia duvidar, mas lembro de você contar sobre a decisão do EB de desmobilizar a FEB e espalhar os sargentos com experiência de combate para preservar a carreira dos oficiais que ficaram no Brasil..

Acho vice já havia comentado deste livro. Obrigado por ornar isso…

A FEB é um assunto extremamente importante e nos ensina muito sobre o certo e o errado. Vale de novo…

Leandro Costa

Camargo, a FEB foi desmobilizada ainda na Itália, mas isso foi coisa do Getúlio. Ao invés de formar um núcleo do EB, moderno com todas as novas práticas, sem contar a experiência em combate e usá-los para replicar essa cultura, Getúlio temia que eles simplesmente o tirassem do poder (o que aconteceu, mas por outros) e o alto comando do EB não impôs barreira alguma à isso.

A maioria saiu do desfile da Vitória após o desembarque com passagens de volta para suas cidades natal. Fora outros fatores bem relevantes. Foi brabo mesmo.

Camargoer.

Olá Leandro.. ainda que o tema saia da matéria (riso), é um tema muito bom. Até porque, o suicidio de Hitler ocorreu em 30 de abrirl.. e a gente nem comentou nada aqui. Acho que já teve uma discussão aqui na trilogia, há bastante tempo, sobre essa questão da FEB. Lembro que chegamos a discutir que Vargas apenas fez o que o alto comando do EB pediu. Na biografia de Vargas escrita por Lira Neto, fica claro que falta evidência para esta versão que Vargas temia a FEB. Fico com a impressão que é o contrário… o comando do EB… Read more »

Leandro Costa

Eu concordo. E sabe que a pulga, aquela mesma que fica atrás da orelha, vai acabar se fazer sentir eventualmente e demandar uma releitura do material que eu tenho à respeito hehehehe Infelizmente a maior parte do material existente é muito fruto ou de experiência pessoais daqueles que estavam na FEB, e portanto longe dos bastidores aqui no Brasil e apenas tinham notícias de segunda mão das tomadas de decisão, ou mesmo relatos jornalísticos que nem sempre tem aquela ótica do Historiador. Há também aqueles trabalhos que são influenciados para um lado ou outro dependendo da política nacional do momento… Read more »

Camargoer.

Riso… verdade. Eu já encomendei o livro na Amazon… logo logo chega aqui em casa. Sobre o Vargas, imagino que já tenha lido os livros do Lira Neto sobre ela. Quem ainda não leu, vale a pena. Lembro de uma entrevista com o André Araújo (tem gente que não gostava dela… eu tive uma enorme admiração) comentando sobre o convite para que a FEB ficasse como tropa de ocupação na Aústria, mas o alto comando do EB declinou. Vargas tinha o hábito de evitar confrontos… ele tinha uma estratégia de acomodação política. Ele dizia que quanto tinha um problema, bastava… Read more »

Leandro Costa

Seria mais provável o contrário, então. De que o alto comando do EB desmobilizou e desmanchou a FEB, e Vargas não impôs barreiras como uma solução política à uma possível controvérsia. Não acho que fosse impossível dado a terrível performance dos altos escalões das FFAA aqui no Brasil durante a Guerra, inclusive na questão de envio de recompletamento para o 1º GAvCa, suprimentos, etc. E algo completamente nada à ver, mas preciso comentar. Eu compro na Amazon desde 1999. Nunca tive problemas. Comprei um livro no início do mês (Desert Storm, da linda ‘Air Campaign’ da Osprey) e chegou envolto… Read more »

Leonardo Cardeal

A lentidão da disponibilização dos meios é mais uma vez questionável….. vai chegar Sábado lá. Inadmissível isso.

Camargoer.

Leo. O coordenador das ações é o governo do Estado. Tudo tem que ser decidido junto. Seria um erro dizer que o governo do Estado está sendo lento… Assim. Como é um erro achar que o governo federal o estaria… As coisas são feitas em função da avaliação da gravidade e da necessidade, cuja coordenação é da Defesa Civil….

Eia diferente e o governo federal decretasse uma intervenção no Estado

RPiletti

Camargoer, a negativa federal para a ajuda do Uruguai mostra que nem sempre o governo do RS é quem tem a última palavra.

Jagder#44

No rosto não.

Camargoer.

Caro… então, pelo que li hoje, o Uruguai ofereceu, entre várias coisas, o uso de uma aeronaves de asas fixas. Considerando que o aeroporto de Porto Alegre está alagado e que as forças armadas já informaram que a Base Aérea de Canoas estar operando em nível máximo, o MD respondeu ao governo do Uruguai que no atual cenário da catástrofe, o avião é desnecessário, mas existe um helicóptero das forças armadas do Uruguai que está operando nos resgates. Então… a última palavra é das equipes que estão atuando. São elas que determinam o que precisa, de como devem atuar. Tudo… Read more »

RPiletti

Camargo, Pelotas, Caxias do Sul, Santa Maria e outros comportam o C-130.
Entendo que na ânsia de ajudar alguns se atrapalham e emitem informações desnecessárias, entretanto se o motivo era a falta de pistas, não é verídico que não há outros pontos que poderiam ser utilizados.

Camargoer.

Tá difícil… o avião poderia pousar em um trecho de rodovia também… sei lá… pousa onde estiver seco… descarrega tudo, decola e vai embora… dai a FAB manda os Caracal lá para recolher seja lá o que for e levar seja para onde.

Brilhante.

Um plano de logística digno de um catástrofe ou de uma pandemia. Nestes momentos de crise humanitária vemos o melhor das pessoas.

Marcos

A Força Aérea Uruguaia (FAU) foi a primeira Força estrangeira a colaborar com o Rio Grande do Sul, apenas 72 horas após a declaração da grave emergência climática na região, destacando um helicóptero Bell 212 nas tarefas de resgate e tendo organizado, no Na madrugada de sábado, durante o voo de um Hércules KC-130H  transportando barcos Zodiac e drones Martrice 300, o governo brasileiro, sem muitas explicações, evitou autorizar o plano de voo da FAU por quase quatro dias. Ao meio-dia de ontem, em Brasília, o representante do governo do Rio Grande do Sul na capital federal, Henrique Pires, participou de sessão da Comissão de Direitos… Read more »

José de Souza

Notícia falsa, já desmentida. Não caia em fake news irresponsáveis e politiqueiras.

Pedro

“Helicópteros privados estavam de prontidão no dia seguinte a inundação”(…) Legal. Então o comandante de um navio deve, por conta própria e sem a autorização do MD que é o responsável em determinar o uso de meios das FA, largar do cais e ir pra área de um desastre/catástrofe, de acordo com essa sua afirmação? A demora, sem eu estar passando pano, se dá pela logística para aprestar um meio desses com o que realmente se precisa levar para dar o apoio a quem precisa. Além de que tem-se que ter alimentação para a tripulação, combustível para o navio e… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Pedro
Guarivaldo

“Então o comandante de um navio deve, por conta própria e sem a autorização do MD que é o responsável em determinar o uso de meios das FA, largar do cais e ir pra área de um desastre/catástrofe, de acordo com essa sua afirmação?”

Claro que não, mas o cenário já era de guerra. O MD já deveria era estar ciente para essa mobilização o quanto antes.

Alexandre

Numa guerra o que mais existe é planejamento e coordenação! Muitos falam em cenário de guerra como se tal afirmação justificasse ações que sem planejamento e coordenação podem se tornar um problema em vez de ajuda!

Luciano

Pedro, se fossemos atacados por um país hostil hoje, a marinha levaria uma semana para estar pronta? Não estou colocando a culpa no capitão da embarcação, mas em toda cadeia de comando, principalmente dos seus respectivos chefes, presidente, ministro e comandante da força.

RPiletti

A informação é que a autorização para o envio do Atlântico foi dada em 01/05.
Luciano, os erros vem de antes disto. O investimento em prevenção é pífio, se é que existe. A construção das 3 usinas, 14 de Julho (rompeu parcialmente), Monte Claro e Castro Alves não haviam sido autorizadas no início dos estudos para implantação no Rio das Antas, após um tempo novos estudos permitiram a construção, isto tem uns 20 anos… Na situação atual, elas são só mais um ponto que precisa de atenção, porém em setembro de 23 muita coisa errada ficou oculta nessas usinas.

Rafael

E nas usinas do Rio Jacuí também. A última delas antes de chegar ao Guaíba (Dona Francisca), atingiu a vazão decamilenar (tempo de recorrência estimado para ocorrer uma vez a cada dez mil anos) durante o pico da cheia na semana passada.
10.600.000 litros de água por segundo!

Last edited 2 meses atrás by Rafael
Camargoer.

Luciano… existem duas situações limites. 1) a escalada de uma crise diplomática, na qual etapa de agravamento é acompanhada por um tipo de mobilização, até chegar a uma situação crítica na qual uma das partes tomará uma iniciativa militar. Então neste caso, a MB irá se preparar para o combate. Este é o cenário mais provável. 2) um ataque surpresa, parecido ao ataque dos japoneses em Pearl Habour, dos alemãos contra a URSS ou da Argentina contra as Malvinas… nos trẽs, a inteligência militar fracassou, visto que existiam indícios da preparação dos agressores. Neste caso, se um país agressor fizer… Read more »

Rinaldo Nery

Nenhum país do mundo é atacado de surpresa sem uma crise anterior. Até no caso de Pearl Harbor havia, e os norte americanos não se prepararam.

Camargoer.

Pois é … A gente sempre tenta explicar isso… Mas precisa sempre reforçar.

José de Souza

Guerreiros de video game, tomando todinho e comendo danoninho.

José de Souza

O Brasil ser atacadao sem aviso prévio, atrito, escalada, negociações diplomáticas e sem quaisquer indícios de guerra ou conflito armado?? Nem em Pearl Harbor!

Alexandre

Se um país atacasse o Brasil hoje, o Brasil já saberia semanas, meses antes!

Camargoer.

Isso dependeria da capacidade do Itamaraty, da Abin e da inteligẽncia militar trabalhar juntos, mas isso é outra discussão.

Teoricamente, o sistema de informação do Estado deveria ser capaz de monitorar as situações de crise, elaborar cenários e, junto com as forças armadas e do Itamaraty, elaborar planos para respostas adequadas, tanto em nível militar quanto diplomático.

Marcos

Ajuda humanitária nesse momento só pode ser transportado por navio militar ou qualquer cargueiro civil poderia fazer esse transporte?

Esteves

Transporte até o bote do Esteves faz. O A140 Atlântico é um navio construído à partir de projeto civil para atender e cumprir missões humanitárias. Virou porta-helicopteros mas a vocação é multimissao.

https://forcaaerea.com.br/o-complexo-medico-do-navio-aerodromo-multiproposito-atlantico/

Last edited 2 meses atrás by Esteves
Camargoer.

Depende do que se pretende fazer. O A140 tem uma plataforma para posto e apoio de helicópteros, além de dispor de instalações hospitalares… Além disso tem espaço para carga…

Dudu

Parece que a ficção virou realidade: Waterwrorld, o segredo das águas, saiu das telas de cinema e se materializou no Rio Grande do Sul.

Que situação…Mas é isso: Superação e solidariedade estão no nosso sangue. Tenho certeza que daqui pro Natal, o RS vai estar novinho em folha, quase..e tudo vai voltar ao normal.

Fé em Deus e muito trabalho!

Rafael

Nesse ano tudo indica que teremos La Niña a partir do segundo semestre.
Ainda que seja paradoxal, risco de seca no Sul e possibilidade de enchentes no Norte e Nordeste, dependendo da intensidade do fenômeno.
Torço para que quem depende do clima para sobreviver no campo não seja ainda mais castigado quando estiver reconstruindo o que perdeu.

Last edited 2 meses atrás by Rafael
Marcos

Nessas situações a gente fica vendo a falta que faz um força federal de pronta resposta a situações catastroficas nacionais.
Deveria existir uma força com capacidades mistas do tipo medicas, defesa civil, logistica, bombeiros. Uma força capaz de entregar uma resposta rápida ( no mesmo dia do inicio do evento ), com poder de coordenar toda a resposta e sendo a principal entidade nessa resposta. Uma força que possua meios próprios civis para responder a essas demandas.

Camargoer.

Então… Uma orca desta tipo ficaria maior parte do tempo parada… A ideia da força federal constituída pelo pessoal das PM estaduais e chamada segundo a necessidade faz mais sentido.

José de Souza

Mas já “tem”. Os BM locais, os dos estados vizinhos e as FFAAs. O problema é que a ESCALA do que aconteceu lá é muito grande!

Orivaldo

Ainda mais em um País que todo ano tem Desgraças. O problema é que temos pouca memória e muita corrupção. Que fim deu Brumadinho ? Não deu nada

Eliakim

Eu não sou um grande admirador das forças, mas acho que no caso do NAM Atlântico o pessoal exagera.. A Lagoa dos Patos, salvo engano, não suporta um navio de calado igual o NAM Atlântico, tanto é que ele vai ficar em Pelotas. O Guaíba, menos ainda (a profundidade média é de 3m…). Assim, considerando que as catástrofes começaram LONGE da costa (Centro/Serra – Porto Alegre), não faz sentido sair correndo da base com esse navio que, repito, não tem condições de chegar perto. Precisávamos de barcos de pequeno calado e helicóptero, o que foi fornecido (não sei quais quantidades,… Read more »

José de Souza

Vai pra Rio Grande, está na matéria anterior e em um comentário acima.

RODES

vão bater cabeça igual o exercito?

muitos vídeos e áudios de relatos de bateção de cabeça, falta de empenho e etc do exercito la no RS

vergonhoso

Talisson

Existem sim alguns caso de erros de procedimento e acidentes, mas no geral o pessoal ta la e ajudando. Quando fizer um friozão do caramba, boa parte dos voluntarios vai abandonar. Mas os militares e os policiais vão estar la, mesmo com suas próprias casas inundadas. Conheço o caso de militar da FAB que não ve a esposa gravida há alguns dias. E moram em região que ja ta alagada. Vários dos EV e soldados engajados moram nessas vilas alagadas e perderam tudo ou quase tudo. O motorista se que acidentou com a 5 Ton provavelmente é um caso desse… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Talisson
curisco

galera pensa que um navio desses é um carrinho de mão que é empurrar e sair com ele.

entre a decisão de partir e ele sair do canto, mesmo em situação crítica, leva dias.

Tem inúmeros itens a serem testados, carregar tudo que é suprimento, planejar missões, por gente dentro…

Markus

E o também acham que é um carro, que faz uma viagem dessas em “rapidinho”.

Talisson

Alguém sabe o indicativo dele no Marine Traffic?

Markus

É isso que procuras -> IMO 9079456

Talisson

Grato!

Markus

Boa noite.
Alguém sabe dizer onde esse navio estava antes de ser “convocado” para vir ajudar o RS? Estava em outro porto que não o do RJ ou estava em alto mar?

Jefferson B

Envio do navio atrasou demais, algo midiatico nessa altura da tragédia. As forças armadas estão sendo humilhadas nessa tragédia do RS, despreparo assustador.
Qualquer gaúcho sente e concorda com a minha fala.
Falta preparo das Forças armadas, tudo muito sucateado e extremamente mal gerido.

DANIEL ALVES E SILVA

Lendo os comentários, penso: – Temos pessoas com pensamento crítico no Brasil? Temos uma das maiores cargas tributárias do planeta. Pagamos impostos no nível de países como a Suíça, Noruega… E temos serviços no nível de países Africanos. O envio do navio é o mínimo, como militar deixa contar um caso. Estava no Haiti no terremoto. Estávamos perdidos, sem recursos. De repente chega a Marinha Americana. Passamos vergonha. No Sul a mesma coisa. Os Helicópteros das Forças Armadas aterrados e dos empresários voando. A desculpa? Condições climáticas. Este país cansa. Quando deixei o EB era Precursor Paraquedista, indo para a… Read more »

Camargoer.

Olá Daniel. A carga tributária no Brasil é 33%, incluindo a contribuição previdenciáiia, que corresponde a uma substancila fração dela. A média da OCDE é 34%. As democracias escandinavas (Dinamarca, Finlãncia e Suécia), consideradas os países com melhor democracia, possuem uma carga tributária maior que 40% O problema da questão fiscal no Brasil é que ela historicamente é sobre a produção e consumo. Desde a colónia e império, a maior receita tributária era o impostos alfandegário, mais simples de cobrar e fiscalizar…. em funçao da concentração de renda, sempre foi difícil instituir impostos sobre a renda… Este modelo ainda vigora..… Read more »

DANIEL ALVES E SILVA

Sou militar, hoje na PM. Uma dica não misture carga tributária relacionada ao PIB 33% arredondando, com carga tributária real em produtos e serviços é salutar, ultrapassa 40%, minha esposa tem uma microempresa. Outra dica, não é ouvir falar ou algo do gênero. Ontem vi o vídeo de BM do RS dizendo porque não colocaram jet-ski na água por exemplo. Por que? Iria danificar. Sabe cara, este negócio de defender ineficiência por ideologia complica. Sou Militar a vida toda, não é de ouvir falar. Aqui vejo somente sonhos de embarcação A ou B. Não vejo realidade. E se os helicópteros… Read more »

Camargoer.

Caro. Então… a razão da carga tributária pelo PIB é um valor definido tecnicamente cuja metologia tem um amparo estatístico. Estes dados são publicados por diferentes instituições, como IBGE, Ipea, etc. A cargar tributária inclui também as contribuições previdenciárias obrigatórias. Para evitar confusão, as instituições que fazem este calculo também explicam a metodologia. Agora, é um erro estatístico achar que a experiência individual tem significância estatística. Não tem. Vocẽ é militar, eu sou cientista, sua esposa é microempresaria, minha vizinha é médica e meu cunhado é aposentado. Isso nada tem a ver com o debate. Se ue precisar dizer que… Read more »

DANIEL ALVES E SILVA

Com todo respeito, sabe o que aprendi em todos os meus anos como militar? Vocês só aprendem que deficiência logística e estrutural matam e causam tragédias, quando são vítimas dela. Enquanto isto distorcem, querem arrumar desculpas para situações difíceis mas que o “estado” tem a obrigação de resolver. Quando comprar algo, veja quanto destina realmente para o estado. Depois veja o que recebe de retorno. Se para você esta bom? Perfeito. Mas esta madrugada fiz um socorro, levei a pessoa para um PS. Quem esta na ponta sabe que está tudo errado. No RS a sociedade conseguiu se mobilizar por… Read more »

Alexandre

Não houve alegação de que os helicópteros não podiam operar pelas condições climáticas. Isso foi comentário de quem não sabe o que está falando ou pura má-fé.
Os dois H-60 Blackhawk do 5⁰/8⁰ que se deslocaram da BASM para Canoas chegaram dia 30/04 e têm capacidade de emprego de OVN. Estão operando dia e noite.
Agora, são 2 de 6 aeronaves. E os outros 4? Estavam indisponíveis aguardando recursos para manutenção.
O que faz helicóptero voar não é a física. É dinheiro!
Os empresários não precisam do governo para liberar recursos para combustível e manutenção.

Daniel Teixeira

Alexandre e Camargoer, Infelizmente, boa parte das opiniões são baseadas no “eu vi”, “eu acho”, “eu ouvi dizer”, não tendo nada a ver com ciência, com estudo, etc. A experiência do cidadão foi ver norte-americanos e pensar: passamos vergonha. Ninguém teve a óbvia ideia de que norte-americanos investem o maior orçamento mundial em “defesa”, participando de parte significativa dos conflitos bélicos dos séculos XX e XXI. Fala-se de impostos se se importar com a lógica tributária brasileira e sua relação com a matriz econômica, comparando alhos com bugalhos. Não se vê qualquer crítica ao modelo agroexportador brasileiro que gera pouco… Read more »

Camargoer.

Daniel. Concordo com vocẽ que qualquer ideia baseada na experiência pessoal não tem significância estatística. Repito isso há anos. Dados estatísticos demandam um determinado critério. Felizmente, tenho este cuidado para separar minhas opiniões e análises dos dados publicados por entidades reconhecidas, artigos científicos e livros escritos por bons autores. Os dados sobre a OCDE estão disponíveis e a história de como o sistema tributário brasileiro foi estruturado também é fácil de encontrar. Recomendo o livro do Caldeira “A história da riqueza no Brasil”, além do livro do Piketii “O capital no Sec XXI”. O Ipea tem ótimos estudos sobre o… Read more »

DANIEL ALVES E SILVA

Bom, eu assisti um Militar dizendo que devido ao mau tempo não podia decolar em uma entrevista. Ele devia estar mentindo. Mas se a União não consegue dar manutenção… Engraçado, não falta dinheiro para outros gastos desnecessários… Experiência pessoal vale mais que qualquer pesquisa! Quando sai do EB para a PM do meu estado, tomei um choque de realidade. Nos últimos 30 anos de cortes constantes de verbas de custeio não incomodaram os Generais. O importante meu caro, é a manter status. Uma guarda em forma, um Taifeiro e outras benesses são muito mais necessários. Conhecer o país onde vive… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

“eu assisti um Militar dizendo que devido ao mau tempo não podia decolar em uma entrevista.” Se foi a mesma entrevista que eu vi, até onde chequei foi algo específico de um dia, de uma hora, de um local, de uma rota e de um destino; Helicópteros do EB vindos de SP que fizeram uma parada de reabastecimento em Criciúma (SC) num dia específico de tempo muiton ruim da semana passada e que não puderam seguir para o destino por circunstâncias também específicas (condições no destino e na rota). E isso se resolveu logo depois, assim que melhorou a condição… Read more »

DANIEL ALVES E SILVA

As pessoas que arrumam desculpas para erros, problemas estruturais e logísticos, só enxergam a realidade quando são vítimas dela.

Fabio

E partiu a todo o valor a 20km/h.

Last edited 2 meses atrás by Fabio