Um cais naval concebido para acolher submarinos e navios de guerra que está sendo construído no Bangladesh com a ajuda da China destacou os esforços do país do Sul da Ásia para aumentar as suas capacidades marítimas, bem como o aprofundamento da influência militar de Pequim numa região há muito considerada o quintal da Índia.

Em março, uma imagem de satélite de uma doca seca foi divulgada na plataforma de mídia social X por Damien Symon, pesquisador da rede global de pesquisa de inteligência The Intel Lab.

“Este esforço reforçado de cooperação em defesa por parte da China ajuda Pequim a solidificar a sua presença e influência na região”, escreveu ele.

Analistas dizem que é pouco provável que a Índia esteja “excessivamente preocupada” neste momento, uma vez que a instalação reflete principalmente o desejo do Bangladesh de fortalecer as suas ambições navais, mas alertam que Nova Deli deve estar atenta a uma crescente presença chinesa.

Além de uma maior influência, a China poderia obter uma nova base para os seus submarinos na Baía de Bengala a partir dos seus laços de defesa mais estreitos com o Bangladesh, especulou a imprensa indiana no mês passado, citando a fotografia de satélite.

Troy Lee-Brown, pesquisador do Instituto de Defesa e Segurança da Universidade da Austrália Ocidental, disse que a marinha de Bangladesh estava construindo a doca seca na nova base submarina Sheikh Hasina em Cox’s Bazar.

A instalação de 1,21 bilhões de dólares, inaugurada pela primeira-ministra do Bangladesh, Sheikh Hasina, em Março do ano passado, numa cerimônia com a presença de autoridades chinesas, estava a ser construída com “assistência considerável” de Pequim, disse ele.

Hasina disse na inauguração que a base fortaleceria a “capacidade de proteger a sua fronteira marítima” do Bangladesh. Será capaz de acolher seis submarinos e oito navios de guerra ao mesmo tempo, informou o The Dhaka Tribune no ano passado, permitindo “o movimento seguro e rápido dos submarinos em caso de emergência”.

Os dois submarinos que Bangladesh comprou da China por US$ 205 milhões em 2016 também deverão receber manutenção na base.

Nilanthi Samaranayake, acadêmico visitante dos programas do grupo de reflexão do Instituto da Paz dos Estados Unidos para o Sul da Ásia, disse que Bangladesh vem adquirindo recursos navais acessíveis da China desde a década de 1980.

“Dhaka procurou expandir a sua marinha” e esperava complementar os dois submarinos chineses que opera atualmente, disse ela.

Bangladesh aspirava desenvolver seu alcance naval na Baía de Bengala “e potencialmente além”, disse David Brewster, pesquisador sênior do Colégio de Segurança Nacional da Universidade Nacional Australiana, especializado em segurança marítima do Oceano Índico e do Indo-Pacífico.

Em 14 de novembro de 2016, a Marinha de Bangladesh recebeu oficialmente dois submarinos diesel-elétricos (SSKs) Tipo 035G em uma cerimônia realizada no Estaleiro Liaonan em Dalian, China.

“A aquisição de uma potente capacidade submarina pela marinha de Bangladesh provavelmente levará muitos anos”, disse ele.

“[Este] é apenas um passo no desenvolvimento do Bangladesh como uma potência regional significativa que poderá desempenhar um papel cada vez mais valioso na segurança do Oceano Índico.”

Acrescentando que este objetivo de longo prazo deve ser bem-vindo, Brewster disse que não houve indicações de que o governo de Hasina tivesse “qualquer intenção de permitir que a marinha chinesa utilizasse esta instalação”.

As preocupações da Índia

Deli tradicionalmente vê a região do Oceano Índico como a sua esfera de influência, mas a China aumentou a sua presença ali nos últimos anos. Pequim assinou um acordo de segurança com as Maldivas em março e enviou uma delegação militar que visitou a nação insular, bem como o Sri Lanka e o Nepal.

Navios de investigação chineses foram avistados perto da costa da Índia duas vezes este ano, suscitando preocupações de que Pequim possa estar realizando coleta de informações militares no quintal do país. A China disse que os navios estavam realizando pesquisas no fundo do oceano por razões científicas pacíficas.

A Índia provavelmente “não estava muito preocupada” com a construção de uma nova instalação naval no Bangladesh, dados os fortes laços de segurança e defesa dos dois países, disse Lee-Brown – citando recentes exercícios e treinos militares conjuntos, e programas de assistência humanitária e de ajuda em catástrofes.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Bangladesh, Hasan Mahmud, disse em Fevereiro que Dhaka continuará a comprar equipamento de defesa à Índia, incluindo uma doca flutuante, um navio logístico e um navio-tanque para a sua marinha.

Delhi teria alguma preocupação sobre o possível futuro acesso chinês à base Troy Lee-Brown, pesquisador de segurança.

“Mas Deli teria alguma preocupação sobre o possível futuro acesso chinês à base” para a manutenção dos seus navios de guerra e submarinos “na estratégica Baía de Bengala”, disse Lee-Brown.

A Baía de Bengala, uma das rotas marítimas mais movimentadas do mundo, atravessada anualmente por mais de 40.000 navios, serve como uma porta de entrada marítima crucial entre o Oriente e o Ocidente.

Observando a “clara vantagem naval de Deli no Oceano Índico sobre a China”, Lee-Brown disse que Pequim precisa de operar na região sob “consideráveis restrições logísticas, particularmente em tempos de tensões elevadas”.

“Se a marinha chinesa obtiver acesso a bases como a nova base submarina Sheikh Hasina em Cox’s Bazar para sustentação e manutenção dos seus barcos, isso corrói ligeiramente a enorme vantagem geográfica da Índia no Oceano Índico”, disse ele.

Embora os estudiosos de segurança chineses tenham falado sobre uma futura frota chinesa no Oceano Índico, “ainda não surgiu nenhuma”, segundo Prashant Hosur Suhas, professor de relações internacionais na Universidade Clarkson, nos EUA; e Christopher K. Colley, professor de estudos de segurança internacional do US Air War College, em artigo publicado pela plataforma de estratégia, defesa e relações exteriores War on the Rocks em 7 de maio.

“Qualquer armada chinesa na região teria de lidar com a tirania da geografia, que proporciona à Índia uma vantagem em casa”, disseram.

Os emergentes grupos de batalha de porta-aviões da China “ainda não estavam prontos para confrontos com adversários capazes e provavelmente estarão a pelo menos uma década de serem capazes de conduzir missões de combate eficazes”, disseram.

Samaranayake, do Instituto de Paz dos Estados Unidos, disse que a Índia já tinha uma “consciência robusta” das atividades marítimas na Baía de Bengala através de ativos como o seu comando naval oriental em Visakhapatnam, no estado de Andhra Pradesh, e o posto militar conjunto nas ilhas Andaman e Nicobar.

“A administração do [primeiro-ministro indiano] Narendra Modi continuará a defender ativamente os interesses de segurança da Índia no Golfo de Bengala, ao mesmo tempo que aproveita a relação que cultivou com a administração Sheikh Hasina ao longo da última década”, disse ela.

FONTE: South China Morning Post

Subscribe
Notify of
guest

21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
No One

Já faz tempo que a India assumiu uma atitude muito mais assertiva e consciente do perigo chinês.

Assim como os EUA, os indianos entenderam que o tabuleiro principal, com as jogadas decisivas, será o mar , justamente por isso está adquirindo sempre mais uma abordagem marítima. A sua posição e alguns territórios que ela controla, permitem a Índia de ter um rol proeminente.

Nesse sentido é bom lembrar as Ilhas Andamao e Nicobar.

Last edited 1 mês atrás by No One
No One

comment image?w=848

Uma posição extremamente feliz para monitorar e controlar o movimento tanto mercante como militar entre os oceanos Índico e Pacífico. Situada bem no portal do estreito de Malaca.

No One

É importante também considerar a nova postura indiana, bem mais ousada e menos passiva. Ingressou no Quad juntandose aos EUA, Austrália e Japão. Entrou no mercado militar com um movimento nada neutral ou passivo, armando países que sofrem a intimidação e ingerência chinesas. É o caso das Filipinas que acabaram de receber o primeiro lote dos mísseis antinavio Brahmos. Algo bem certeiro e específico que justamente vai a tocar os interesses e projeção chinesas no mar do sul da China.

https://www.thehindu.com/news/national/india-delivers-first-batch-of-brahmos-to-philippines/article68084161.ece

No One

comment image.webp

No One

comment image

No One

comment image

No One

Sem esquecer que a Índia está trabalhando ativamente em uma própria “estratégia” pra conter o cerco e a expansão chinês. Em resposta ao chamado colar de pérolas chinês a índia começou a trabalhar na estratégia conhecida como “Colar de Diamantes”. que visa enfeitar o pescoço da china com uma ação de contra-cerco , expandindo as suas bases navais e melhorando as relações com países geograficamente bem posicionados para estrangular a RPC.

RSmith

..é… a China esta cercada… melhor tomar muito cuidado!

Joanderson

A Índia pode msm exportar o Brahmos sem autorização da Rússia ?

Fabricio Lustosa

Interessante como quando é contra a China aí sim considera-se o “quintal” de um outro país. Quanto além do que da a entender o artigo, aos torcedores do ocidente: podem por a barba de molho que os indianos tem seus próprios objetivos e já deixaram claro diversas vezes que não vão aceitar qualquer tipo de imposição do ocidente.

RODES

“aos torcedores do ocidente”

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

vc torce para quem? os marcianos?

Fabricio Lustosa

Torço pelo Brasil.

NBS

Isso! Compreendo. O problema é uma costumeira vassalagem rastaquera, muito comum nas terras de Pindorama.
É parte da evolução que devemos penar para avançar.

Orivaldo

Ainda bem que a China só quer paz prosperidade e muito amor com seus vizinhos

RSmith

Pois é Orivaldo…. problema é justamente esse amor da China…

Marcelo

Pode ir se acostumando,quem começou com varios portos pelo mundo foi os americanos,russos e agora é a vez dos chineses .
Esses portos chineses é uma realidade e nao terá mais volta,pode ir se acostumando.
Poderio naval chineses pelo mundo protegendo o interesse comercial e politico chines.

ChinEs

A China ocupando o Paquistão e o Bangladesh feicha a INDIA, incrivelmente complicado.

Claudio

Os torcedores do ocidente, podem ir se acostumando! Pois, a China já domina o mundo e o poderio militar e global Americano já acabou! Passou! Tudo passa!

Aéreo

Não me recordo do autor da frase, dita no contexto da relação entre os EUA e a China, para com países subdesenvolvidos, mas ela diz o seguinte:

“Enquanto os EUA vêm com uma palestra sobre a importância de abertura de mercados e privatizações, a China vem com um aeroporto”

Tal parábola, explica bem a estratégia chinesa para com as republiquetas sul americanas, africanas e asiáticas.

Rodrigo Maçolla

Bom a politica da China é aumentar sua presença e influência no mundo todo não ?

“Os emergentes grupos de batalha de porta-aviões da China “ainda não estavam prontos para confrontos com adversários capazes e provavelmente estarão a pelo menos uma década de serem capazes de conduzir missões de combate eficazes”, disseram”.

Um conselho: “O tempo passa India”

Last edited 1 mês atrás by Rodrigo Maçolla