O NPa e as LP da Namíbia em serviço

Depois de construídos pelo estaleiro INACE e entregues pelo Brasil à Marinha da Namíbia, essas embarcações antes tão comentadas estão agora em plena vida operativa, como mostram essas fotos de autoria do Capitão Hilmar Snorrason, Comandante do Navio-Escola Saebjorg, da Associação de Busca e Salvamento da Islândia, feitas em Walvis Bay.

Na primeira foto, as LP Terrace Bay (HPB 20) e Möwe Bay (HPB 21), atracadas em Walvis Bay em 19 de outubro de 2011. Essas embarcações foram incorporadas no dia 3 de novembro de 2011 e são da mesma classe da nossa “Marlim” (classe “Meattini” na Itália).

Na segunda e na terceira fotos, o NPa Brendan Simbwaye (P 11), que pertence à mesma classe dos nossos “Grajaú”, de projeto da Vosper Singapore e construídos no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, no INACE e no estaleiro Peeneweft, na Alemanha.

Na última foto, apenas para completar, temos um quarto navio, que foi transferido pela Marinha do Brasil dentro do mesmo pacote, a Corveta Lt Gen Dimo Hamaambo (C 11), ex-Purus (V 23), feita em 26 de outubro de 2011.

Notar a presença de um segundo radar da marca Furuno na Brendan Simbwaye e o brasão de armas dos navios, que tem como inspiração os usados pelos navios da Marinha do Brasil, apenas com a substituição da Coroa Naval pelo Gavião-do-Mar, que é parte do Brasão de Armas da República da Namíbia.

6 Comentários para “O NPa e as LP da Namíbia em serviço”

  1. jacubao 28 de dezembro de 2011 at 16:15 #

    Minha nossa, a ex corveta Purus está um lixo, mas como diz o ditado, “cavalo dado não se olha os dentes”…

  2. MO 28 de dezembro de 2011 at 16:31 #

    Lixo ??

    Não entendi , pq jacuba ??

  3. GUPPY 28 de dezembro de 2011 at 19:11 #

    Achei que a marinha da Namíbia seguiria a tradição da brasileira e usaria o indicativo “V11″ para a Corveta Lt Gen Dimo Hamaambo e não “C11″, geralmente usado para Cruzador (vide Barroso-C11 e Tamandaré C-12), isso considerando que a marinha brasileira teve importância na formação da marinha da Namíbia.
    E “HPB” ?

  4. MO 28 de dezembro de 2011 at 19:38 #

    possibilidades / conjequituramneto / supunhenhetamento

    C = corvette

    HPB = High (endurance) Patrol Boat (aogra High ??)

    Meu namibiense namimbico ta meio enferrujado

  5. GUPPY 28 de dezembro de 2011 at 22:00 #

    Beleza, MO.

    Quanto ao comentário do Jacubão, acho que a comparação com a apresentação da nossa “Caboclo” em verdes mares (post recente aqui no PN com o título: “Corveta da Marinha do Brasil atraca em Maceió”), foi imediata. “Tá pegando” para o mestre da “C11″ ou está faltando MRs a bordo.

    Abraços

  6. jacubao 29 de dezembro de 2011 at 16:00 #

    É exatamente isso que pensei GUPPY. O estado de conservação da ex Purus está um “lixo”, e mesmo sendo un naviodos anos 50, poderia estar em melhores condições.
    O mestre da C11 deveria levar uma surra de gato morto.

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Israel encomenda patrulheiro ‘sob medida’ derivado da corveta alemã MEKO 100

TKMS MEKO OPV

Em uma rara demonstração de flexibilidade, o grupo alemão Thyssen Krupp Marine Systems (TKMS) aceitou fabricar para a Marinha de […]

DGMM reúne almirantes para discutir orçamento e planos de contingência

F Bosísio (F 48)

  O diretor geral de Material da Marinha, almirante Luiz Guilherme Sá de Gusmão, reúne sua equipe de almirantes esta […]

Precisamos, para já, de 4 (bons) navios usados

maestrale

  Roberto Lopes Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa e autor do livro “As Garras do Cisne” Parece […]

Navio-veleiro Cisne Branco aberto à visitação em Santos neste final de semana

Cisne Branco (2)

A Capitania dos Portos de São Paulo informou em nota à imprensa que o navio-veleiro Cisne Branco da Marinha do […]

Marinha peruana estuda três opções para renovar sua força de superfície

DE_LA_PENNE__5____a

  Não é só a Esquadra brasileira que necessita equacionar a renovação de sua força de superfície em um cenário […]