Navio-patrulha de 500 toneladas deverá entrar para o orçamento 2024 – haverá versão de contramedidas de minagem

194

NPa 500 BR - Emgepron

Emenda da CREDN para construção do primeiro navio foi aprovada no valor de 250 milhões de reais, e menciona um total de 8 navios a serem construídos por 2,8 bilhões de reais, sendo 3 deles destinados a contramedidas de minagem – porém, valor total do programa de navios-patrulha de 500 toneladas informado no Plano Plurianual (PPA) é de 5,26 bilhões

Em nota divulgada no final da tarde de quarta-feira, 22 de novembro, a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) informou a aprovação de emendas ao Projeto de Lei Orçamentária Anual para 2024 (PLOA/2024) relacionadas às Forças Armadas e ao Itamaraty. Confira na reprodução da nota, ao final, um resumo das emendas que foram aprovadas, com destaque (importante para a discussão aqui no Poder Naval) para a emenda que inclui no orçamento do ano que vem a construção do primeiro navio-patrulha de 500 toneladas, do agora chamado projeto NPa500MB, por um valor de 250 milhões de reais.

A emenda faz referência também ao PRONAPA (Programa de Obtenção de Navios-Patrulha) para mencionar os planos para obtenção de 8 navios, num valor estimado total de 2,8 bilhões de reais, sendo três de versão para contramedidas de minagem (a nota da CREDN troca a palavra “de” por “e”, em provável erro de digitação).

Na chamada “conta de padaria” em que se divide 2,8 bilhões por 8, cada navio sairia por cerca de 350 milhões de reais, 100 a mais que o valor unitário informado na emenda para o primeiro navio. Vale dizer que em entrevista recente ao jornal Estadão o comandante da Marinha informou que cada navio-patrulha de 500 toneladas tem custo estimado de 250 milhões de reais, o que combina com o valor da emenda. No caso de custarem 250 milhões de reais cada um, esses 2,8 bilhões permitiriam construir cerca de 11 navios. Evidentemente, há que se levar em conta o custo maior individual dos três que seriam da versão de contramedidas de minagem, mas, ainda assim, há alguma discrepância a ser analisada conforme informações surjam em novas apurações.

NPa 500BR

Esse valor global de 2,8 bilhões para o PRONAPA também contrasta com o total que está informado na última edição do PPA – Plano Plurianual 2024-27 (encaminhada ao Congresso em agosto deste ano) que traz o custo total de 5,26 bilhões de reais para o programa específico dos navios-patrulha de 500 toneladas, num período de tempo que extrapola o próprio PPA, indo até 2035.

Este último valor seria suficiente, dividindo-se o total de 5,26 bilhões pelo custo unitário possível de 250 milhões de reais (referentes à primeira unidade da emenda da CREDN e também revelado pelo comandante da Marinha), para cerca de 21 navios. Isso grosso modo, deixamos claro.

No mesmo PPA, há também em separado (em página reservada a programas da Emgepron) a rubrica para a construção do primeiro navio da classe por um custo total de 239 milhões de reais, o que não destoa da estimativa de 250 milhões de reais do comandante da Marinha nem do valor da emenda encaminhada pela CREDN. É mencionado também que esse primeiro navio seria construído no Rio de Janeiro.

Obviamente, como se tratam de planos, emendas e programas em plena fase de elaboração e aprovação, diferenças podem ser esperadas até que se consolidem os detalhes. Mas todo esse resumo mostrado até aqui, assim como as informações publicadas ontem pela CREDN, servem para dar aos leitores uma ideia geral do desenvolvimento dos fatos.

Confira, logo abaixo, reprodução de trecho da página 78 do anexo VII do PPA, referente ao programa dos navios-patrulha de 500 toneladas, reprodução de trecho da página 24 do anexo VIII referente ao primeiro da classe e, logo a seguir, o texto da nota da CREDN divulgado nesta última quarta-feira.

Custos totais do programa dos navios-patrulha de 500 toneladas no anexo VII do Plano Plurianual 2024-27
Custo de um navios-patrulha de 500 toneladas no anexo VIII do Plano Plurianual 2024-27

CREDN aprova emendas ao PLOA/2024, destinadas às Forças Armadas e ao Itamaraty – Com o apoio de governistas e oposição, Comissão aprova quatro emendas ao Projeto de Lei Orçamentária Anual para 2024 (PLOA/2024), destinadas a garantir recursos para projetos estratégicos das Forças Armadas e para a assistência aos brasileiros no exterior.

22/11/2023 17h50
Assessoria de Imprensa CREDN

CREDN aprova emendas ao PLOA/2024, destinadas às Forças Armadas e ao Itamaraty
Brasília – Quatro emendas à Lei Orçamentária Anual para 2024 foram aprovadas nesta quarta-feira, 22, pela Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN). As propostas atenderam demandas apresentadas pelas Marinha, Exército e Aeronáutica e também pelo Itamaraty. Governo e oposição fecharam um acordo e a votação se deu em bloco.

Para a construção de navios-patrulha de 500 toneladas, foi aprovada emenda no valor de R$ 250 milhões. O programa prevê a construção, em estaleiros nacionais, de oito navios-patrulha de 500 toneladas, sendo três deles configurados como navios de contramedidas e (sic) minagem. Todos no âmbito do Programa de Obtenção de Navios-Patrulha (PRONAPA).

O PRONAPA contempla um projeto nacional, com índice de conteúdo local superior a 50%. Em andamento, o programa prevê a construção dos navios de 2023 a 2037, com custo estimado em R$ 2,8 bilhões, com a entrega de uma unidade em 2025, um em 2027, dois entre 2028 e 2030. Os navios de contramedidas deverão ser entregues entre 2031 e 2037.

Exército

A CREDN aprovou, para o Exército, emenda de R$ 232.5 milhões, prioritariamente para ações de defesa civil contra catástrofes. O apoio do Exército aos estados e municípios atingidos por catástrofes naturais é recorrente. Apenas em 2022, a força atuou em 21 operações de apoio à defesa civil. Até julho deste ano, já foram nove. Os recursos serão alocados para 18 unidades de Engenharia do Exército em 18 estados, reunindo capacidades para atuar nas 27 unidades da federação.

Aeronáutica

Também nesta quarta-feira, 22, dando prosseguimento a uma tradição já consolidada, foi aprovada emenda no valor de R$ 267 milhões para o Projeto KC-390 – Millennium, que já coloca o Brasil como protagonista entre os fabricantes de equipamentos de defesa do mundo, viabilizando as exportações de um produto de alto valor agregado.

Estima-se que, em 20 anos, o impacto dessa aeronave na balança comercial brasileira será de US$ 22 bilhões. Fabricado pela EMBRAER, a aeronave fortalece a Base Industrial de Defesa (BID).

Itamaraty

Foi aprovada, ainda, emenda no valor de R$ 30 milhões para o Ministério das Relações Exteriores subsidiar programas de reforço da segurança dos servidores do Serviço Exterior Brasileiro lotados fora do país, especialmente em zonas de conflitos armados e regiões com elevados índices de violência.

A rede diplomática brasileira conta com 224 postos, a maior parte dos quais (58%) localizada em regiões violentas. De acordo com o MRE, estima-se que há no mundo cerca de 36 zonas de conflitos e os recursos, uma vez alocados, serão investidos na aquisição de carros blindados, telefones satelitais e câmeras de segurança, entre outros, para as embaixadas e consulados brasileiros.

As emendas aprovadas serão encaminhadas à Comissão Mista de Orçamentos (CMO), que analisará a proposta encaminhada pelo Executivo, as emendas parlamentares e de comissões. Constitucionalmente, a peça orçamentária deve ser aprovada até 22 de dezembro.

LEIA TAMBÉM:

https://www.forte.jor.br/2023/11/23/governo-sinaliza-apoio-a-pec-da-oposicao-que-eleva-orcamento-da-defesa-a-2-do-pib/

Subscribe
Notify of
guest

194 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
soutoF

Boa tarde amigo Nunão a verba para o PAC defesa contempla
11 navios que seram construidos ate 2027 e a verba do planoplurianual vai construir quantos navios patrulha 500 BR?

Camargoer.

O PAC está alinhado com o PPA. Ambos cobrem os gastos no período de 2024~2027. Será preciso um novo PPA para o período de 2028~2031, já sob a responsabilidade do próprio presidente que for eleito em 2026.

Marcelo

Que bom que esse projeto foi aprovado,é melhor do que nada.
Melhor pinga do que secar.

Júnior

Somos a nação do futuro…trilhando um caminho longo e cheio de desafios…temos um povo alegre, trabalhador e forte! Nos falta somente uma classe política mais barata e nacionalista, nosso potencial é avassalador!

Cristiano GR

Falta, à grande parte dos brasileiros, mais preocupação com a política e os atos de quem governa, nos 3 poderes, do que com a escalação da seleção de futebol ou se o Brasil vai pra Copa. Falta mais preocupação com as coisas que realmente importam e ditam os rumos da vida de todos do que com a fantasia de carnaval, o carro alegórico, a cervejinha ou a novela. Temos que fazer as coisas que gostamos,sim, se divertir, praticar esportes, encontrar os amigos, beber e rir à toa, mas sem nunca esquecer que em Brasília tem uma cambada de vigaristas querendo… Read more »

Zigg

Já se tem alguma ideia de como será esse navio de contra medidas de minagem?

Pelo visto vai usar o mesmo casco dos demais patrulhas.

Se for, isso não é um padrão do que é construído em outras marinhas para tal finalidade.

FERNANDO

11 + 8 = 19 navios.
Tabom
Será que é assim?

Camargoer.

Creio que a conta é outra. Seriam 11 NaPa500. Como serão construídas 3 navios de minagem, mais caros, as 11 serão agora 8, das quais 5 serão NaPa500 para substituir navios mais antigos ou menores e 3 navios especializados em contramedidas/minagem.

O total das verbas será o mesmo, mas os navios de contramedidas serão mas caros. Assim, o total de navios será menor.

soutoF

Boa tarde amigo Camargo estou confuso ototal de navios de 500 ton.
serão quantos até 2031?

Camargoer.

Sim. Ainda há muita incerteza. O PPA (plano plurianual) cobre o intervalo de 2024~2027. No primeiro ano de mandato, o governo precisa enviar um plano de quatro anos. Este plano é um norteador. A cada ano, o governo deve submeter um projeto de lei orçamentária, que define os gastos para o próximo ano. Muitos programas de governo, sejam militares ou civis, podem durar mais que quatro anos. Alguns duram 10 anos. Outros duram 20 ou 30 anos. No caso nos NaPa500, o programa vai até 2035. Portanto, ele será abordado em pelo menos 3 PPA (2024~2027, 2028~2031, 2032~2035). O programa… Read more »

FERNANDO

Bem, melhor do que nada né.

Camargoer.

Creio que é um grande avanço. Talvez estes novos NaPa500 irão substituir algumas Grajaú menores, mas que são relativamente novas, que poderiam ser transferias para patrulha fluvial.

As Bracuís são mais velhas, mas nem tão velhas para serem retiradas de serviço agora.

Camargoer.

Olá Nunão. Entendi.

As Bracuís também já estão indo para 40 anos, ainda que sejam maiores e talvez mais fortes, mas estão chegando ao limite também.

J.Neto

Sempre ouço essa estoria de troncos , nasci e moro na amazônia,sempre viajei de barco e devo confesar que nunca nem ouvi falar em acidente com tronco nos principais rios, pode ser em furos,mas lá os Grajaus nao passariam, aqui tem engate em banco de areia, mas tronco é lenda as arvores maiores ficam em terra firme ,bem longe das margens, excessão miriti ,mas mesmo assim não ficam perambulando nos rios, nunca vi num jornal local: tal navio afunfou pq bateu num tronco no meio do rio…

Fernando XO

Prezados Neto e Nunão, na época da cheia, os rios ficam bem “sujos”, camalote pra todo lado e, frequentemente, acompanhado de troncos… nas demais épocas, a questão é realmente pedra e banco… assim sendo, não acredito que um NPa seja afundando por um tronco (muito embora eu tenha a experiência de ter realizado um SAR quando uma embarcação local fez água pelo impacto de um tronco e ficou semi submersa próximo à margem)… o maior problema é outro… um tronco pode danificar ou mesmo arrancar a porta do leme (por isso mesmo, os NPaFu classe Roraima tem um cabo de… Read more »

Burgos

Vamos Patrulhar !!!🙏👏

Leonardo Cardeal

Seremos uma marinha de navios de patrulha, e ainda assim insuficiente….

Bosco

Tem quantos silos de lançamento de Tomahawks e SM-3?

Burgos

Calma aí Bosco;
Uma coisa de cada vez !!!
Vc não acha que eu queria também um Patrulhão cheio de Silos/Lançadores como eu vi lá na Europa nas outras Marinhas!!!
Esse aí é outro projeto futuro 💪🇧🇷⚓️

Last edited 7 meses atrás by Burgos
Bosco

Rsss

ChinEs

Será que vamos exportar para Angola ?

Camargoer.

Não sei. Vocẽ tem alguma informação sobre esta negociação?

Esteves

Falavam que Plutão era planeta.

Camargoer.

No início do Século XX se falava que o Universo era estático e do tamanho da Via Lactea.

Tomcat4,5

Sacaneando a sacanagem alheia Nunão !!!hauhauhauhauhau

Carlos Campos

infelizmente não tem nenhum 🙁

Groosp

Usaremos Kalibr porque estamos no Eixo do Mal.

Enzo Magno Donato Vernille

Faltou pedir tubos de torpedo
Esse pessoal também pede por isso

Esteves

O nome era Alta Ansiedade. Mel Brooks fez filme. Hoje é depressão, bipolaridade, TDAH. Não conseguem esperar para saber quais e quantos. Precisam saber antes de acontecer para opinar…imaginando que amanhã terá certa relevância.

Década de 2030.

Ontem Tava pensando em um poema sobre. Deixei de lado.

Souto

Nunao ou Camargo até 2027 teremos quantos navios patrulha incorporados na MB?

Santamariense

Tu já perguntou isso não sei quantas vezes em vários tópicos … e todas a vezes te foi respondido mais ou menos da mesma maneira que o Nunão te respondeu. Então, calma! Espera as coisas acontecerem, espera informações sa Emgepron ou da MB.

Bardini

É simplesmente inadmissível que um projeto de patrulha mequetrefe como este aí, nos custe na casa dos R$ 250 milhões de reais a unidade.

Leandro Costa

Se forem mesmo construídos no RJ, esse preço está até baixo. Vai faltar dinheiro.

Bardini

Tudo atrasa e fica mais caro. É regra. . Mas esse custo aí não tem como ser uma questão puramente de custo Brasil, por exmplo. Não cabe… . Pôh… R$ 250 milhões de reais por um NPa desses aí, é um absurdo. Estamos na casa dos U$ 50 milhões de dólares a unidade. Se fossem U$ 40 milhões dólares, ainda seria muito caro. . Na Fraça – onde não se é lá muito barato de se construir – compraram 06 Patrouilleur Outre-Mer (POM), que é muito mais navio que um NPa 500t, contando com mais do que o dobro da… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Bardini
Um Simples Brasileiro

Esse navio spanhol é impressionante.

Um Simples Brasileiro

#Espanhol.

Santamariense

A resposta para teus questionamentos é bem simples e tem 6 letras: Brasil …

J.Neto

Será que eles já partem do princípio que o orçamento projetado não será cumprido e inflacionam o valor estimado para que se forem construidos um número menor, os custos fiquem cobertos? Difícil um programa ter continuidade com as diversas mudanças e cortes para se adequar a economia sempre imprevisível…

Camargoer.

Não. O PPA é uma estimativa. O valor do orçamento é definido anualmente. O valor em reais depende da estimativa do câmbio futuro. Ainda que seja possível fazer uma projeção para dois ou trẽs anos, existe muita incerteza. É preciso saber qual a inflação prevista para o período e qual seria a cotação do dolar. Quanto mais longo o período, mais incerto é o valor. Por isso, o orçamento é reavaliado anualmente. Em 2020, o câmbio chegou a R$ 6,00. Hoje está R$ 4,90, uma redução de 15%. Se o índice de nacionalização é de 50%, isso significa uma variação… Read more »

Rafael

Lembrando que ainda nessa semana sai o plano de investimentos da Petrobras.
Lá vamos nos “reativar a indústria naval” pela terceira ou quarta vez em 15 anos.
Vamos voltar a construir petroleiros com erros graves de construção para poder ter o orgulho de dizer que foram feitos aqui…

jairo

Se não aparecer chicago-boy pra acabar com os programas em troca de superávit primário é capaz de não ser necessário “reativar” mais.

Sds,

Jairo

Allan Lemos

Não vamos cortar gastos, vamos continuar com a mentalidade de que o Estado consegue fabricar dinheiro sempre que quiser. Vai dar certo sim, confia.

Last edited 7 meses atrás by Allan Lemos
Camargoer.

Olá Allan. Uma coisa de cada vez. Deficit público não é problema nem causa de inflação. O Japão tem sucessivos déficits, acumulando uma dívida maior que 250% do PIB, sem que isso tenha quebrado o país ou causado inflação. Não há relação de causa efeito entre a dívida pública com inflação. A inflação tem várias causas. Por exemplo, quando a indústria atingiu o teto da capacidade de produção. Sem que seja possível importar para atender a demanda, os preços vão subir. Outro ponto de estrangulamento que causa inflação é quando a economia atinge o pleno emprego, e o setor de… Read more »

Allan Lemos

Comparação sem sentido, o Japão tem uma economia totalmente diferente da do Brasil. A ideia de que o estado deve ser o motor da economia é totalmente obsoleta e não deu certo em lugar nenhum do mundo. Nenhum dos fatores que você citou é ou foi a causa da inflação no Brasil, que no nosso caso é causada pela diminuição da atividade econômica causa por ações de cunho populista que amarram os setores da economia, principalmente o agro, aliado ao descontrole das contas públicas e a insegurança jurídica(que diminuem a confiança dos investidores internacionais. Incrível como em pleno século 21… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Allan Lemos
Camargoer.

Caro. Claro que faz sentido. Se existe uma relação de causa-efeito, ela ocorre de modo universal. Se uma relação de caysa-efeito é condicionada, isso mostra que existem outras variáveis principais. Ou existe uma relação de causa-efeito ou não existe. Não há uma terceira opção. Lógica aristotélica. Todo investimento é uma dúvida. Por isso o motor do crescimento econômico, seja no capitalismo ou no socialismo, é o crédito. É preciso separar a dívida feita para investimento da dívida feita para custeio. No Brasil, por exemplo, a lei determina que o custeio só pode ser custeado por receita fiscal. Isso não se… Read more »

jairo

Bom dia Allan. Primeiramente obrigado pela aula Camargoer. Há um excelente livro do André Lara Resende sobre esse tema. Allan, É incrível que tanto a academia como a mídia brasileira continuam com esses dogmas estúpidos. Essa idéia de demonizar iniciativas estatais não colam mais nem em Wall Street e muito menos nos mais recentes papers publicados por gente séria nas universidades de lá. Só servem na periferia econômica do mundo como o Brasil que há anos vem sendo desindustrializado e perdendo massa salarial. A indústria TRIlhonária de defesa dos EUA é a maior prova da ação estatal na economia ´real.… Read more »

Rafael

O problema é insistir no erro.
Não adianta construir petroleiros de 200 mil toneladas no Brasil sem investir em mão de obra qualificada e principalmente em ensino técnico para fazer isso.
Vamos continuar contratando soldadores que passaram a vida inteira soldando portão de garagem e que antes só viram um navio pela televisão.
Vamos pagar bilhões por navios que deveriam navegar 30 anos e talvez não aguentem a metade disso.

jairo

Olá Rafael.
Justamente.
Não são os navios o grande premio em uma política industrial séria.
O grande prêmio são justamente as escolas técnicas e os soldadores que não mais, necessariamente, soldarão apenas portões.
O Bandeirante e a Embraer não eram necessariamente competitivos na década de 50/60 e São José dos Campos era uma cidade rural. E hoje?

Sds,

Thrash Metal

Fora que a velocidade na construção é impressionante…outro patamá
*obs: contêm ironia

“Em andamento, o programa prevê a construção dos navios de 2023 a 2037, com custo estimado em R$ 2,8 bilhões, com a entrega de uma unidade em 2025, um em 2027, dois entre 2028 e 2030.
Os navios de contramedidas deverão ser entregues entre 2031 e 2037.”

Heinz

É claro que o partido vai levar alguns milhões né.

AVISO DOS EDITORES:

5 – Não use o espaço de comentários como palanque para proselitismo político

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Augusto José de Souza

Essas com contramedidas de minas já irão substituir a classe Aratu em Salvador?

Augusto José de Souza

Mas devem ir para Salvador para substituir os que deram baixa e aos poucos vindo mais para substituir os demais e também junto os patrulhas convencionais para o grupamento do leste?

Zorann

Este é o navio que deve ser construído sempre! Sempre estar comissionando 1 navio desse a cada ano/ a cada dois anos. Uma cadencia boa, que permite substituir as embarcações que forem dando baixa.

Coisa simples de fazer, que terá sua versão de contramedidas de minagem e que poderia ter sua versão fluvial.

Quando se fala de incentivar a indústria de defesa, num país onde pouco sobra para aquisições, é isto que precisamos: um navio simples, com várias possibilidades, que pode ser produzido continuamente.

Allan Lemos

Esse navio é de projeto nacional ou é baseado em algum estrangeiro como os Macaé?

Camargoer.

Projeto nacional derivado da Macaé

Camargoer.

Olá Nunão. Obrigado. A sua explicação ficou show.

Luciano

Pena que 60 % desse valor vai pro caixa 2 …. Isso é Brasil, porque será que aprovaram tão rápido …. Ainda mais com o rombo do atual governo só aumentando……

Antonio Cançado

Sério que vão mesmo jogar dinheiro público fora com essas porcarias?
Na boa, já viram as da marinha grega, que têm o exato mesmo deslocamento?

Souto

Boa noite Nunao o pac defesa prevê a construção de 11 navios patrulha 500 ton. Até 2037 ?não sei se estarei vivo em 2037.

Esteves

Acho que o Nunão deve responder. Pergunta pra ele porque Nunão e não Nusim.

Esteves

Você demorou para responder.

Se o Souto fosse marinheiro tinha perdido o embarque. Fosse metalúrgico tinha perdido um dedo. Se o Souto for ciclista vira prego que é assim que chamavam os lentos e não sei se ainda chamam.

Sem prejuízo da tua argumentação.

Esteves

Vamos fazer uma enquete. Quem concordar com você sobre eu atrapalhar o site pode fazer um sinal?

Souto

Obrigado amigo Nunao .o importante é que teremos novos patrulha 500 ton. Ate 2030.

Enzo Magno Donato Vernille

Mais uma vez Eu vejo alguém (terceira vez essa semana) mencionar os classe Roussen sem a Pessoa saber que eles são “Fast attack craft” e que não tem autonomia nem condições de fazer patrulhamento
O desejo de ver mísseis num navio que não necessita deles é tão grande que eles ate ficam meio cegos.

Gabriel BR

penso que por esse valor unitário construirão 2 ou 3 por ano.

J.Neto

O 4° DN tém grajaú navegando em rio

adriano Madureira

três?! Sinceramente, esses números da nossa defesa são medíocres… Certamente esses três irão substituir os “tiozões” alemães que já estão na marca do penalti e que tem que defender esse enorme litoral e cuja base só tem uma na Bahia. Tudo é ridículo, é como o NSS Felinto Perry (K-11),que era um único navio de socorro submarino a serviço da nossa gloriosa Marinha do Brasil, para uma grande costa de mais de 7.000km de extensão. Veio até a memória oque Caiafa disse em uma das suas lives, onde os militares americanos ficaram surpresos ao saber que havia somente quatro blackhawks a… Read more »

Rinaldo Nery

Acho que o 7°/8° GAV tem mais de 4 H-60…

Santamariense

O EB tem 4 HM-2 (H-60) no 4⁰ BAvEx* e a FAB tem 6 H-60 no 7⁰/8⁰ GAV, ambos em Manaus.
*Além dos 4 HM-2, o 4⁰ BAvEx tem 9 HM-1A Pantera e 6 HM-4 Jaguar.

Felipe

Em Belém temos um destacamento de helis do EB com 2 Jaguar , e que ano que vem deverá receber mais 2 helicopteros. Também em Belém a MB opera 3 helis.

Leonardo Cardeal

Quem conta comigo que esse projeto vai para no meio do caminho, sem construírem 5 já vai ser glorioso
..

1.

Esteves

“Mas esse custo aí não tem como ser uma questão puramente de custo Brasil, por exmplo. Não cabe… . Pôh… R$ 250 milhões de reais por um NPa desses aí, é um absurdo. Estamos na casa dos U$ 50 milhões de dólares a unidade. Se fossem U$ 40 milhões dólares, ainda seria muito caro. . Na Fraça – onde não se é lá muito barato de se construir – compraram 06 Patrouilleur Outre-Mer (POM).” O motivo principal além de carga tributária é o ciclo de surtos. Quando o estaleiro não recebe encomendas de forma contínua perde mão de obra, capacidade,… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Esteves
Bardini

O INACE foi contratado em 2006 para entregar dois NPa classe Macaé para a MB, com algo na faixa dos 60% de índice de nacionalização. Qual o valor unitário? Vou arredondar para cima: R$ 50 milhões de reais. Corrige pra gente esse valor no tempo, só pra ver… Deu algo próximo dos propalados R$ 250 milhões de reais? . Em 2006 os custos que o Brasil impôs em sua indústria, eram tão diferentes dos atuais? . Em 2006 o Brasil era uma potência naval e o INACE era tão capaz quanto um moderno estaleiro europeu, recheado de “máquinas maiores”? Não… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Bardini
Esteves

Isso que tu argumenta não afeta meu raciocínio. Vide SIATT. Empresa precisa de faturamento constante. Negócio precisa de fazedor de grana chamado Pedido. Eu não sei dizer a conta que fizeram nesses 50 milhões ou nesses 250 milhões. Pega um estaleiro europeu que fornece para as marinhas deles e compara com o Inace. A ICN Teve que encomendar a montagem de uma prensa para produzir o Riachuelo. Não havia capital e capacitação. Estaleiros europeus competem. Estaleiros indianos competem. Estaleiros públicos e privados nos EUA, competem. É assim que se forma o preço. O Brasil é o país. Um dia lá… Read more »

Bardini

“Pega um estaleiro europeu que fornece para as marinhas deles e compara com o Inace.” . Pois eu disse:  Socarenam, que foi quem forneceu alguns dos NPa citados. E nós temos estaleiros muito mais capazes que este aí. Não temos apenas o INACE no Brasil. . “A ICN Teve que encomendar a montagem de uma prensa para produzir o Riachuelo. Não havia capital e capacitação.” . Tá… E daí? É necessário uma prensa com capacidade de conformar chapas de grande espessura, na construção de um NPa 500t? Não. E mesmo que fosse, a presa já existe e está dentro de… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Bardini
Esteves

Bardini, Isso não é da minha conta. Qual a influência exercida ou qual o poder de reflexão que esses blogs de Defesa mostram? Nada. O PN é um negócio e tem seus objetivos entre eles aproximar as instituições do cidadão. Lembro de um comentário dos editores sobre a MB vez ou outra passar por aqui. E? Eu citei a prensa da ICN e a mesa em Itajaí como necessidades para enfrentar encomendas. Os estaleiros não Estavam capacitados porque os estaleiros vivem de momentos. Nenhum estaleiro investirá na renovação do capital instalado sem uma carteira de pedidos. Eu não afirmei que… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Esteves
Alex Barreto Cypriano

Olha, não li o PLOA 2024 pois tem mais de 3300 páginas, mas acho que vi, en passant, pra MB ou EmGeProN, verbas destinadas à aquisição de mesas de oxicorte ou torno cnc, não lembro bem. O Esteves parece estar informado dessas compras.

Esteves

Tarefas para o Esteves?

Esteves

Se. Se o estaleiro Estivesse capilar…torno, corte/dobra de chaparia não estariam no edital.

Além de pagar para construir precisa pagar pela construção. Bacana.

Alex Barreto Cypriano

Fui olhar o valor do Oceana antes da venda pra TKMS. Em terreno, edifício e equipamentos, uns 500 milhões de reais. Em patrimônio total, mais de 3 bilhões de Reais. Imagine a TKMS investindo 3 bilhões de reais pra faturar (não é lucrar) sobre 5 bilhões (o montante do que concerne ao estaleiro)?…

Last edited 7 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Esteves

23 bilhões incluindo operação e manutenção com óleos e graças…ops, graxa.

Não lembro de matérias sobre quanto a TKMS pagou pelo Oceana. Uma conta foi capitalizar uma estatal e garantir receitas financeiras e econômicas. Outra conta é entender o longo prazo.

Qual é a parte do estaleiro e qual a parte da Emgepron Banco nesse negócio?

Alex Barreto Cypriano

O preço/custo do Oceana não foi divulgado por cláusula contratual, diz-se. Mas sempre tem os relatórios patrimoniais/financeiros em PDF por aí…

Alex Barreto Cypriano

Caro Esteves, dê uma olhada nas páginas 38 (onde se diz o que a TKMS teria comprado e por quanto) e 43 (onde se especificam os componentes do patrimônio do Oceana, em 31 Dez 2019, SMJ porque não sou contador, rsrs) deste relatório:
https://api.mziq.com/mzfilemanager/v2/d/258e9858-910c-44c9-93fe-f3579a7a05af/42af83be-5489-41e7-a1bc-46c0e3eb4e76?origin=1

Esteves

Negócio quebrado. Contratos com a Petrobrás e bancos. Vários empréstimos. De dezembro 2019 a setembro 2020 quando venderam os ativos para a TKMS, o endividamento do negócio aumentou em 1 bilhão e 100 milhões. Por que?

A dívida de 4,7 bilhões Estava garantida por aplicações de 112 mil. A TKMS comprou o que? Quais ativos?

Esteves

Tu tem colete? Tá novo? Segura 7,62?

Alex Barreto Cypriano

Kkkk, não sou contador, não entendo nada disso aí não senhor…

Esteves

Você pode concentrar-se nos relatórios da KPMG. Um negócio que fazia negócio com um cliente: Petrobrás. E com bancos, obviamente.

No contrato de venda dos ativos para o alemão deve haver uma iluminação maior.

Bispo

R$250 mi a unidade – Rá pegadinha do malandro.

“tatuíra que toma sol , vira ensopado de gaivota” 🙃

Fabio Araujo

Qual a previsão do primeiro ser concluído? E qual será a previsão do ritmo de entrega dos navios?

Esteves

Fala sério.

Uma turma lê e não entende. Pergunta. Outra turma lê o título e pergunta o que está escrito. Pergunta. Outra turma não lê nada e já bota pergunta. Outra turma pergunta sobre o que não está escrito.

O PN devia fazer matéria com respostas. Bota uma resposta como titulo e já vai respondendo.

Lá em Minas dizem…uai so!

Souto

Amigo Nunao em 2027 teremos novo presidente ai minha esperança e que acrescente mais 4 ou 6 navios patrulha BR 500.

Davi

Atualmente, na América Latina, há algum país que pode fazer frente à MB? Chile talvez? México?

Felipe Morais

Uma pergunta: E aquela ideia de usar uma pequena parte do Fundo da Marinha Mercante para construir algumas patrulhas? Não vingou? Como o Bardini comentou. Caro cada unidade hein? Esse é o tipo de Navio que deveria ser mesmo de produção nacional. Caso o custo não fosse tão exorbitante. Difícil é a previsão de 08 navios, sendo que deles, pelo visto, 05 serão, de fato, patrulhas. Isso ai era pra ser navio barato, com entrega de, pelo menos, um por ano, até se atingir o número desejável. Por isso a pergunta sobre o Fundo da Marinha Mercante, que poderia ajudar… Read more »

Esteves

O nome diz. Fundo da Marinha Mercante. Ponto.

Felipe M.

Você vive de pedir “paciência com o Esteves”, mas não se ajuda.
Se o nome fosse Fundo da Marinha Brasileira, eu não estaria fazendo a pergunta, pois seria algo regular, ordinário.
A fiz, justamente pq surgiu a “ideia” de uma solução irregular/extraordinária, de usar uma pequena parte do FMM para financiar navios da MB.
Pelo tempo que comenta suas besteiras aqui, creio que você já soubesse disso, mas sua necessidade de dar aquela aparecida falou mais alto.
Melhor se dedicar aos seus textinhos navais e compartilhar com o leitor de Shakespeare no ZAP.

Esteves

Respondo com educação. Lamento teu desprezo por Shakespeare. Essa história da MB receber um % do FMM não avançou. E você sabe que não avançou porque simplesmente…não aconteceu. Da uma lida nas matérias da MM para compreender a disposição e a conveniência disso. Deixo de publicar links acreditando na tua capacidade de ler, compreender, formar opinião, debater e…deixar de surfar na onda alheia.

Felipe M.

Eu não desprezo Shakespeare ou qualquer outro congênere. Só não entendendo a necessidade de querer pagar de intelectual incluindo frases supostamente apresentadas por intelectuais em contextos e discussões que não têm relação. Quanto ao restante do seu texto, se eu soubesse, não teria perguntado. E surfar em que onda alheia? Tá falando sobre o que? Existe uma onda alheia? Supostamente eu estaria defendendo essa onda alheia e surge você, o advogado contrário a onda alheia? É isso? Aparentemente sua confusão de ideias ao escrever tbm está presente na sua capacidade de compreender. Se não sabia a resposta pra pergunta que… Read more »

Esteves

Quem merece o elogio Shakespeareano é o Alex. Eu não cito o que desconheço. Também não copio supostas frases de intelectuais. Paciência comigo? Tirou de onde? A minha confusão de ideias representa meu desconforto com aquilo que está pronto. E porque fizeram. Quando tu tiver teu negócio e junto o poder de moderar, pode fazer o que quiser. O Comandante incomoda? Esteves também? Os Sobrinhos do Comandante? Pois é. Quem pensa também grita. Por que a MM e seus lobistas deveriam concordar em ceder % para a Marinha de Guerra se lá os problemas são semelhantes? Encomendas, preços, estaleiros, prazos,… Read more »

Felipe M.

Ok. Hoje é sem palco.
Boa noite.

Alex Barreto Cypriano

Não se avilte em afetar desdém, Felipe: quando abrirmos uma turma no zapp a gente te chama.

Esteves

De chato basta o Esteves.

Felipe M.

Fechou!

J.Neto

Tá caro ein….

Esteves

Pois é, Neto.

Qual a nossa referência?

Alex Barreto Cypriano

Referência de preço? Assim: o custo de aquisição por tonelada leve de um Burke é 2,5 vezes maior que o custo de um LHD Wasp e 17 vezes o de um navio de cruzeiro. Este custo Burke está batendo em 270 mil dólares a tonelada leve (1 milhão e 333 mil reais por light ship ton). Um bote patrulha não tem as capacidades de um Burke, precisa de radar de navegação e 2D, alça eletroótica, antenas de comunicação, canhão, coisa simples. Assim, se você colocar um custo de aquisição equivalente ao de um Wasp, dá uns 215 milhões de reais.… Read more »

Esteves

Você está comparando o custo de construção lá. Qual nossa referência de preço posto nos estaleiros no Brasil?

Alex Barreto Cypriano

rsrsrs, aí não sei…

Alex Barreto Cypriano

Os números não batem (e estão caríssimos os botes…) e ninguém explica o porquê. Não se apresenta um cronograma de emprenho de verbas contra produtos esperados – como controlar o que o dinheiro estará comprando? É que nenhum dos concernidos está interessado nisso. Quando quebrar de vez, devolvem pros civis, de novo.

Last edited 7 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Esteves

Alex, Tu pode comparar por histórico. Nesse caso não existe. Comparar pelo preço de estaleiro na Europa mostra pouco. A carga fiscal, custos com materiais, fornecedores, custo do capital…? A Ford foi embora. Deixando as trapalhadas que costumeiramente faziam aqui, porque para uns da certo e para outros não? O preço do aço é muito volátil. Vão debater esses custos? Em uma licitação como das Tamandares quem garante que a shortlist mostrou preço competitivo ou ajuste entre os estaleiros? A empresa que venceu já recebe com aumento…e 2 bilhões são um bom aumento. Se os 2 bilhões Estivessem na proposta… Read more »

Alex Barreto Cypriano

E não sabemos por quê aumentou. sabemos que a EmGeProN lucrou líquidos (descontados impostos, contribuições e distribuição de dividendos), desde a capitalização até dezembro de 2022, uns 900 milhões de reais. Em 2022 lucrou líquido 500 milhões… como pode se a quantia aplicada deve ter reduzido pelos pagamentos feitos?

Esteves

Esses demonstrativos da Emgepron…uma hora preciso ler com calma e tranquilidade.

Alex Barreto Cypriano

Aqui, em notinha recente da EmGeProN à matéria que dizia haver um rombo de mais de 3 bilhões na empresa (a investigar, viu?):
comment image

Souto

Boa tarde amigo Nunao o custo dos navios caça minas é maior que o custo de navio patrulha BR 500?

Camargoer.

Sim.

Esteves

Olá, Professor Camargo. Tudo bem?

Camargoer.

Difícil…

Alex Barreto Cypriano

Será que o pessoal é tão burro que não sabe diferenciar pagamentos devidos (embora não publicamente expostos e explicados por um cronograma de pagamento pareado com descrição de produtos adquiridos) de rombo ou prejuízo no exercício? Estorinha estranha…

Alex Barreto Cypriano

A propósito, Nunão, tem como saber em quê a EmGeProN aplica os recursos capitalizados e qual a perspectiva de lucro bruto e líquido total até o fim dos pagamentos relativos ao programa de construção?

Camargoer.

Olá Alex. Eu acho difícil prever quais serão os rendimentos futuros das aplicações da Engeprom. Isso depende muito das taxas de juros vigentes. Há um trecho no relatório da empresa que comenta o impacto das taxas de juros sobre o resultado financeiro da empresa. Outro ponto que precisa ser considerado é que com os sucessivos pagamentos que serão realizados até a entrega da F203, o capital aplicado será reduzido ano após ano, reduzindo o ganho financeiro. Então, seria preciso fazer uma estimativa da Selic nos próximos 5~6 anos além de projeção dos pagamentos das FCT. Fazendo uma aproximação muito simplista… Read more »

Esteves

A Emgepron não tem 10 bilhões aplicados. A projeção do ganho financeiro deduzindo os desembolsos do contrato está prevista no relatório do TCU.

Camargoer.

Eu sei. Expliquei que era uma estimativa muito simplista.

Entrou por uma porta e saiu pela outra. Que puder, que faça outra.

Alex Barreto Cypriano

Oi, mestre Camargoer. Acho que poderia ser até algo mais, pois os lucros anteriores serão reinvestidos, e o prazo de investimento faz toda diferença no rendimento e nos descontos de IRPJ (quanto menor o prazo de investimento, maior é a alíquota do imposto). A totalização da capitalização se deu em 2019 (2,65 bi em 2018, 9 bi em 2019), certo? Já em 2020 haveriam retornos financeiros sobre o total e que poderiam ser reinvestidos. De lá pra cá já se passaram 3 anos de investimentos totalizando, a 10% ao ano, de 3 a 3,3 bilhões a mais além dos 10,5… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Camargoer.

A conta não é difícil, mas é trabalhosa. Só fiz um primeiro chute. vai depender também da taxa de juros nos próximos anos.

De qualquer modo, qualquer conta que for feita vai resultar em um dinheirão.

Chama a atenção o absurdo que são as taxas de juros. Nenhuma empresa vai investir em ampliação de fábricas, obras de infraestrutura ou qualquer outra coisa…. os juros pagos pelos títulos são maiores e mais rápidos que investir na produção.

as baixas taxas de crescimento do PIB são decorrentes, em parte, destas taxas de juros elevadas. São praticamente 7% acima da inflação.

vai vendo.

Alex Barreto Cypriano

Segundo o Credit Suisse, o Brasil tem de 2 a 3 vezes o valor do PIB aplicado em ativos financeiros. Cassino.

Camargoer.

Pois é… è um modelo econômico que levá a uma enorme concentração de renda e elevada desigualdade social. O estrangulamento das contas públicas é decorrente da elevada taxa de juros mantida há décadas. A primeira grande crise do capitalismo industrial levou ao socialismo. A resposta capitalista para o socialismo foi o fascismo. Após o desastre que foi a II Guerra, o capitalismo adotou a social-democracia e o Estado de bem-estar como alternativa. Depois do colapso da ex-URSS e a hegemonia dos EUA, o capitalismo financeiro se tornou mais agressivo. A atual ascensão da extrema-direita no mundo está relacionada com a… Read more »

Alex Barreto Cypriano

Precisamente explicado, mestre Camargoer. Se tudo der certo estamos ferrados.

Camargoer.

Pois é. Ainda que eu torço para que não aconteça, temo que teremos uma grande crise que colocará as coisas nos eixos por mais um século. Desta vez, além do crise capitalista que levará a um beco sem saída, o que talvez recoloque a discussão da opção socialista na pauta, haverá o agravante ambiental.

vida que segue.

Souto

Boa noite amigo Camargo vc tem ideia de quanto custa um navio caça minas?

Camargoer.

Ola Souto. Depende das características do navio. Pode varias de US$ 100~400 milhões, dependendo do tamanho e do tipo de equipamento. A maioria dos caça-minas da marinha japonesa desloca 500 ton, mas eles também têm dois navios de 5 mil ton.

O NaPa500 está estimado em US$ 35~40 milhões. Provavelmente, um navio de contramedidas baseado neste navios deve custar entre US$ 60~80 milhões cada, dependendo do que for especificado como sensores e outros sistemas, já que o casco e sistema propulsor serão os mesmos.

Souto

Obrigado amigo Camargo. O plano plurianual será aprovado destinado 5.26bi de reais para a construção de navios patrulha 500 ton.?

Camargoer.

Não. O valor do programa das NaPa500 é de R$ 5,2 bilhões até 2035. O PPA é sobre o período de 2024~2027, cobrindo apenas uma parte do programa no valor de R$ 1,7 bilhão.

O PPA é sempre de 4 anos que coincide com o três anos finais de cada mandato presidencial e com o primeiro ano do próximo presidente. O programa das NaPa500 passará por 3 PPA, incluindo o que se inicia em 2024.

Last edited 7 meses atrás by Camargoer.
Alex Barreto Cypriano

Será que cola?: FLUXO SIMULADO DE PAGAMENTOS E REINVESTIMENTOS DO PFCT (valores em milhões de Reais) Ano n Cn Pn Cn+Rn-1 Rn S (Rn-1+Rn) 2020 10.500 -1.312,5 10.500 708,8 708,8 2021 9.187,5 -1.312,5 9.896,3 668,0 1.376,8 2022 7.875 -1.312,5 8.543 576,7 1.953,5 2023 6.562,5 -1.312,5 7.139,2 481,9 2.435,4 2024 5.250 -1.312,5 5.731,9 386,9 2.822,3 2025 3.937,5 -1.312,5 4.324,4 291,9 3.114,2 2026 2.625 -1.312,5 2.916,9 196,9 3.311,1 2027 1.312,5 -1.312,5 1.509,4 101,9 3.413 2028 0 0 101,9 6,9 3.419,9 Onde: Cn (capital no ano n), Pn (pagamento no ano n), Rn (rendimento no ano n), Rn-1 (rendimento no ano n-1), S (somatório… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Camargoer.

Que legal. Parabéns.

O curioso é que a sua conta mais elaborada chegou na mesma estimativa que eu tinha feito de modo simplificado. Isso mostra que os valores convergem para alto em torno de R$ 3,5 bilhões.

Muito legal.

Alex Barreto Cypriano

É só uma simulação despretensiosa minha, mestre Camargoer. Como se vê, tudo ali é aprioristico: o valor dos pagamentos anuais e das rentabilidades são constantes, o que não condiz com o real. A mera alteração da Selic imporia diferentes rendimentos ano a ano, supondo que se investiu em Tesouro direto Selic. De outra parte, levei em conta impostos, contribuições e distribuições de dividendos, o que minora bastante o montante ganho. Mas, como disse, é apenas uma simulação despretensiosa.

Esteves

Alex, Tu pode comparar por histórico. Nesse caso não existe. Comparar pelo preço de estaleiro na Europa mostra pouco. A carga fiscal, custos com materiais, fornecedores, custo do capital…? A Ford foi embora. Deixando as trapalhadas que costumeiramente faziam aqui, porque para uns da certo e para outros não? O preço do aço é muito volátil. Vão debater esses custos? Em uma licitação como das Tamandares quem garante que a shortlist mostrou preço competitivo ou ajuste entre os estaleiros? A empresa que venceu já recebe com aumento…e 2 bilhões são um bom aumento. Se os 2 bilhões Estivessem na proposta… Read more »

Alex Barreto Cypriano

O trabalhador assalariado no primeiro mundo e nos mais destacados subdesenvolvidos vai acabar (ou ser precarizado e excluído como antes o foram o escravo e o indígena, o artesão e o camponês) porque todo mundo com montante vai preferir investir no mercado de capitais (investir no capitalismo industrial subdesenvolvido em desenvolvimento nas periferias ainda mais periféricas): em vez de explorar diretamente o trabalho humano próximo, o que já é barbárico, vão explorar o fetichismo das relações abstratas de valorização à distância. Quem trabalha, hoje, não é o homem, mas o dinheiro. E por isso mesmo o ‘homem’ está se tornando… Read more »

Esteves

Isso não é Shakespeare.

Alex Barreto Cypriano

kkkk

fernando nascimento

250 por unidade?,…. quanto está indo para o caixinha?,…. não precisa ser conhecedor para ver que está caro,…..

Camargoer.

Não sei. Se ocorrerem desvios de dinheiro, ninguém vai divulgar, a não ser que se faça uma denuncia para a imprensa ou para o MPF.

Last edited 7 meses atrás by Camargoer.
bitten

Na entre a época em q me tornei oficial RN, e os anos q lecionei na EN (entre 1976 e 1989) se dizia q “a verdadeira Marinha estava nos CTs” (ainda havia um monte deles na ativa, acho q seis). Era para onde ia o “meio da turma” – formavam-se pouco mais de 80 GMs. A cabeça da turma, os oficiais-alunos, pedia pra embarcar nas “Niterói”, mas o q ia pro mar, mesmo, com alguma constância, eram os CTs. As fragatas eram navios caros e pouco levantavam. Os CTs saiam em pares para exercícios numa zona entre o ES e… Read more »

Esteves

Penso que isso passa pelo que chamam de doutrina. Os Almirantes ainda debatem sobre a a projeção de poder industrial de Mahan e a pequena escola francesa. Mais navios para ocupar o mar ou menor número de navios para mostrar capacidade de oferecer danos (combater) ao inimigo?

Rinaldo Nery

Servi na 2a ELO de 1988 a 1990. Voei muitas missões em proveito da ForCT e da ForFrag. “Duelo, pia papagaio.” Lembro da chegada dos CT da classe Pará. Visitei um na Base Naval.

Roniewerton Fernandes

Pergunta de leigo, por que o Brasil não investe na construção de um porta aviões?

Esteves

Porque não existe projeto nacional. E porque construir somente o navio, olhando os preços internacionais, seria uma tarefa de bilhões de dólares. Somando-se a ala aérea (aviões de ataque e reconhecimento) e a necessidade do porta aviões navegar protegido por um grupo de navios escolta como fragatas, apoio logístico e submarino…sem esquecer que nossos estaleiros nunca fizeram um navio assim apesar de várias adaptações surgirem em tempos de guerra em outros países…é caríssimo.

Falta, faz.

carvalho2008

Porque não tem orçamento….

Esteves

Não ter a grana é parte do problema.

Fabio

Boa pergunta; Considere o esforço hercúleo e o tempo para conceber um projeto de um napinha de 500 ton desses, desde sair do papel até estar comissionado no mar, quem dirá de uma embarcação de 50.000 ton. Mas pra completar melhor a resposta, vou tentar dimensionar um projeto para um strike group tupiniquim (Um porta aviões e mais tudo de que ele precisaria para sobreviver e operar) – Um porta aviões de 50.000 ton; – Uma frota de aviões (Considere que a FAB levou 20 anos para aprovar 36 jatos gripens) – Uma frota de navios de escolta, 4 a 6… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Fabio
MAURICIO

EDITADO:
4 – Não escreva em maiúsculas, o que equivale a gritar com os demais.

Leia as regras para comentários.
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

André

Vale ressaltar que a missão desses navios é realizar patrulha naval, operações SAR e fiscalizar o cumprimento das leis em águas jurisdicionais. Por isso deverão ser meios bem simples que os da esquadra, com operação e manutenção barata, já que farão muito mais dias de mar do que uma Fragata classe Tamandaré, por exemplo. Deverão abordar, geralmente, navios mercantes, veleiros e navios de pesca. Logo o armamento deverá ser condizente com esse emprego.

Mattos

A verba para um certo tribunal dá para mais quantas tamandarés????

Camargoer.

Não sei. Qual tribunal? Qual valor? Você pode fazer a conta. Uma FCT está orçada em torno de US$ 450 milhões, ou cerca de R$ 2,5 bilhões.

Last edited 7 meses atrás by Camargoer.
Souto

Bom dia amigo Camargo vc tem ideia de quantos navios de contramedidas de minas serão construídos?

Souto

Va MB vai construir 11 navios incluindo o magaratiba 4 até 2030 e sete até 2036 Camargo ou Ninao essas datas são corretas?

Souto

Boa tarde amigos Nunao ou Camargo os navios classe Grajau que atuam como navios patrulha fluvial nos rios corre o risco de serem danificados por algum tronco ou barranco?

Fabio

Difícil dizer, vc pode ir preso por ataque a democracia, preventivamente

Souto

Bom dia amigos Nunao e Camargo vocês sabem por quanto fragata Tamandaré custar em dólares?

Souto

Bom dia Nunao a emgepron ja tem 13 bi de reais ? O que dstia para construir a quinta Tamandaré?

Camargoer.

Vocẽ só vai preso se tentar invadir um tribunal e fazer um quebra-quebra. Aliás, se tentar invadir um quartel provavelmente vai tomar um tiro de fuzil ao invés de ser preso. Agora, você pode pegar o valor do que foi gasto para construir um determinado tribunal e dividir pelo preço de uma FCT. Se for um tribunal pequeno, tipo o Forum de uma cidadezinha de 50 mil habitantes, acho que só daria para construir um NaPa500. Se for um tribunal regional, tipo TRF de SP ou de Brasília, talvez já seja suficiente para construir FCT. Mas tem que decidir qual… Read more »

Souto

Boa tarde amigo Camargo o plano plurianual de 2024 a 2027 foi aprovado vc sabe quanto de verba teremos pro Pronapa?

Camargoer.

Olá Souto. O PPA 24/25 prevê cerca de R$ 1,7 bilhão para o período. O PPA é apenas um planejamento. O valor anual tem que ser aprovado a cada lei orçamentária.

Souto

Boa tarde amigo Camargo te perguntoos navios patrulha BR 500 serão construidos no Rio de Janeiro e se é possível construir um navio em 2024 e outro em 2025?

Camargoer.

A MB ainda não publicou o Edital de contratação. Então não sabemos nem o cronograma nem onde será feito a construção. Tem que esperar;

Souto

Obrigado Camargo.

Camargoer.

#tamojunto

Fabio

1600 pessoas foram presas, não haviam nem 100 na tal invasão, prisões sem fragrante e julgamento, masss, no mundo de hj se vê o que convém, para alguns parece ditadura, pra vc é democracia plena em ação.

Camargoer.

Caro Fábio. O que a “tal invasão” tem a ver com o valor das FCT? Sobre os ataques de 08/jan, havia muito mais de uma centena de pessoas invadindo o TSE, o Congresso e o Palácio do Planalto. No sistema jurídico brasileiro, cabe ao Estado provar a culpa. Para isso, é preciso abrir um processo. O sistema jurídico brasileito também prevê a prisão em flagrante. Uma vez determinada a prisão em flagrante, a pessoa deverá comparecer perante um juiz de custódia, que decidira pela liberação do suspeito ou converter a prisão em flagrante em prisão preventiva. Não há julgamento para… Read more »

BRUNO BOTELHO

70 milhões de dolares cada unidade??? Dá pra comprar projetos prontos e muito melhores!!! É muuuuuuuito roubo!!!

Last edited 7 meses atrás by BRUNO BOTELHO
Camargoer.

Não. Cada Napa500 está estimado em US$ 35 milhões (no máximo US$ 40 milhões). Uma NaPaOc de 1200~1800 ton custaria algo entre US$ 80~110 milhões.

Os navios de contramedidas demandam uma grande quantidade de equipamentos e sensores, por isso são mais caros que navios de patrulha.

Souto

Boa tarde amigo Camargo vc sabe quando o Npa Mangaratiba será lançado ao mar e se existe possibilidade da MB construir mais fragatas tenfo em vista que apenas quatro é muito pouco?

Camargoer.

Não sei sobre o Mangaratiba. Temos que esperar.
Sim, é muito provável que construam mais FCT, mas ainda não há uma decisão da MB nesta direção
Sim. Quatro FCT são insuficientes para recompor a frota de combate da MB.