domingo, setembro 19, 2021

Saab Naval

Submarinos japoneses cogitados pela Austrália

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Após o fim do embargo de exportação de armamentos pelo Japão, abriu-se a possibilidade de exportação também de submarinos – para jornal australiano, essa opção para renovação da frota da Marinha da Austrália precisaria considerar a construção local, em Adelaide

Segundo o jornal australiano Adelaide Now, houve comentários por parte do chefe-executivo do “Defence Teaming Centre” da Austrália, Chris Burns, de que a cúpula do programa do futuro submarino australiano está indo ao Japão neste mês para analisar a classe Soryu de submarinos. O jornal defende que, caso esse projeto seja escolhido, é fundamental que as embarcações sejam construídas na Austrália, para manter o dinheiro do contribuinte e os empregos no próprio país.

Segundo Burns, “se pudermos receber o projeto japonês, adaptá-lo às necessidades da Austrália, e então fabricá-lo aqui, isso é um investimento em empregos, inovação e na defesa australiana, visando o futuro. Mas essa é uma opção a se pensar, porque a compra de um submarino japonês ‘de prateleira’ seria mandar dinheiro do contribuinte  e empregos australianos para fora do país”.

A visita ao Japão, para conhecer a classe Soryu em serviço na Marinha Japonesa, deverá contar com o almirante Rowan Moffit e o cientista da área de defesa Dr Alexander Zelinsky. A classe Soryu entrou em serviço no Japão há três anos, e o acesso à sua tecnologia foi discutido em visita do chefe da Marinha Japonesa à Austrália no mês passado. Foi apenas em dezembro do ano passado que o Japão levantou um embargo pós-Segunda Guerra Mundial em exportações de defesa (nota do editor: essa iniciativa coincide com a escolha do caça F-35, na medida em que o fim do embargo permite ao Japão fabricar partes do caça e enviá-las para montagem fora do país – veja mais no último link da lista abaixo)

A classe Soryu, com 4.200 toneladas de deslocamento, é a única de novos submarinos convencionais que atende às características de tamanho e capacidades delineadas no livro branco de defesa do Governo Australiano em 2009, que planeja a aquisição de 12 novos submarinos para subistituir a atual classe Collins. Uma decisão final sobre o projeto está marcada para 2017, para que a construção possa ser então iniciada. Se essa decisão for atrasada, poderá haver uma lacuna crítica para o emprego da mão-de-obra e engenheiros entre esse projeto e o que atualmente está em andamento, relacionado ao destróier de defesa aérea (construção que deverá ser finalizada em 2017). São mais de 1.000 empregos diretos envolvidos.

A tecnologia do Soryu só ficou disponível para análise recentemente, então ainda é vista como um enigma. Porém, há fundos de 214 milhões de dólares para estudos detalhados e análises (conforme anúncio de maio deste ano) do projeto de novos submarinos, e a opção japonesa deverá ser analisada nesse contexto. Qualquer que seja a opção escolhida pelo Governo, foi confirmado pelo Primeiro Ministro que seria construída em Adelaide, na Austrália.

Sobre a classe Soryu:

Trata-se de uma versão melhorada da classe Oyashio de submarinos diesel-elétricos. A quilha do primeiro da classe, o Soryu (SS-501), foi batida em março de 2005, com lançamento em dezembro de 2007 e comissionamento em março de 2009. Seguiram-se as construções do Unryu e do Hakuryu, iniciadas em 2006 e 2007 e com comissionamentos em 2010 e 2011. O planejamento inclui a entrada em operação de mais dois submarinos em 2012 e 2013, num total de cinco unidades previstas da classe.

Também referida como  SS 2.900t ou projeto 16SS, a classe vem recebendo nomes de porta-aviões japoneses da Segunda Guerra Mundial. Trata-se da classe com maior deslocamento entre os submarinos japoneses, deslocando 2.950 toneladas na superfície e 4.200 submerso. O comprimento é de 84 metros e a boca de 9,1 metros. A tripulação é de 65 pessoas (9 oficiais) e a a classe também conta com superfícies de controle em X, comandadas por computador, e vários dos sistemas do projeto são automatizados.

O Soryu é armado com seis tubos de torpedo HU-606 de 533mm, capazes de disparar torpedos Tipo 89 e mísseis antinavio UGM-84 Harpoon. A suíte de sonares inclui o de proa, quatro de baixa frequência nos bordos e um rebocado.

Quanto à propulsão, o sistema diesel-elétrico engloba dois motores diesel Kawasaki 12V 25/25 SB-type diesel e quatro motores Stirling Kawasaki Kockums V4-275R, numa potência total de 2.900kW na superfície (para uma velocidade máxima de 13 nós) e 6.000kW em imersão (20 nós submerso), com o motor elétrico ligado a um único eixo e hélice. O alcance a 6,5 nós é de 6.100 milhas náuticas, sendo que os motores tipo Stirling conferem melhor desempenho submerso e maior alcance. Trata-se da primeira classe japonesa equipada com motores Stirling fabricados pela sueca Kockums. É um motor silencioso e sem vibrações, de combustão externa e independente do ar (AIP), que reduz a necessidade de carregar as baterias na superfície, ampliando a autonomia submersa do submarino.

FONTES: Adelaide Now e Naval Technology

FOTOS: Marinha do Japão (JMSDF)

VEJA TAMBÉM:

 

- Advertisement -

12 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

Espero melhor sorte aos futuros submarinos australianos, que os da atual classe “Collins”.
A idéia até que foi boa, afinal o original sueco deu umas canseiras na US Navy, o que validou o design, mas a execução foi digamos assim; quase que brasileira.
Pelo menos eles não sofrerão c/ “parcerias estratégicas” e nem serão mobiliados c/ “Scórpenes”…

Marcos

Em relação ao sub brasileiro, é bom lembrar que a “transferência de tecnologia” que “justificou” a aquisição não foi aprovada pelo TCU.

Outra coisa que manda para bem longe nossa independência foi a “exigência” francesa de que o parceiro ideal teria de ser a Odebrecht.

GUPPY

“Submarinos japoneses cogitados pela Austrália”, diz o título da Matéria.

Esta pedra foi cantada pelo Dalton,ou melhor, o 1º e o 2º comentários dele na matéria do 1º link do “VEJA TAMBÉM” mostram a conveniência da Austrália optar por submarinos japoneses.

Augusto

Mauricio R. e Marcos,

o Brasil acertou em cheio com os Scorpene. Quem diz isso é o Comandante da Marinha, que inclusive agradeceu a Odebrecht:

https://www.videoportal.mar.mil.br/vportal/VideoPlayer.jsp?ccsid=C-5bee2452-7172-4ddd-9593-0ed673838495:6#

MO

risos .. imagino porque, quero ver depois que chegar ……. bom ai ja foi neh …

Fabio ASC

Em 10 anos o Mundo estará cheio de armas Japonesas de excelente qualidade.

Augusto

MO,

não captei o que quer dizer. Será que você nos expõe o que “imagina”?

MO

Não acredito melhor dizendo não gostaria de ver perdendo este tempo, por mim mandava isto tudo e mais meia duzia pro saco de uma vez, ao menos não gastariamos com bibelot de cais

Lyw

Boas Vindas aos japoneses e suas armas! Depois de mais de meio século ilhadas, ganharão um mundo… o mercado ta meio saturado mas, quando se fala de defesa sempre cabe mais um!

Mauricio R.

Augusto,

Acredite se quiser, cada um de nós, tem direito a sua própria opinião.

Augusto

Mauricio R.,

Quem sou eu para dizer o contrário! Concordo com você.

MO

ah me corrigindo, respondi uma coisa pensando em outra, agora sim a resposta correta, ah ele ta feliz pq possivelmente ta incluindo na lista de brinde da odebretch no final do ano e depois pq scorpene eh uma bomba

- Publicidade -

Últimas Notícias

Como foi feito o acordo entre a Austrália, Reino Unido e EUA para o compartilhamento da tecnologia de submarinos nucleares

The Times: ‘Como uma cena de Le Carré’: como o pacto do submarino nuclear foi o maior segredo do...
- Advertisement -