Home Marinha do Brasil NDD Ceará iniciou a fase final de seu Período de Manutenção

NDD Ceará iniciou a fase final de seu Período de Manutenção

445
36

NDD Ceará fase final PMG - foto MB

No período de 11 a 14 de março, o Navio de Desembarque-Doca Ceará entrou na fase final de seu Período de Manutenção Geral (PMG), iniciado em outubro de 2007, quando fundeou nas proximidades da Escola Naval para a realização de verificações de seus sistemas e adestramentos para o pessoal das estações de manobra, convés, praças de máquinas e controle de avarias.

Em um primeiro momento, de modo a atingir a qualificação necessária para o guarnecimento dos seus postos nas estações, foi dada ênfase aos sistemas de vapor, de geração de energia, propulsão e cumprimento de procedimentos de emergência.

Durante o regresso, para atracação no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, o NDD Ceará deslocou-se sob máquinas, atingindo 7,5 nós. As próximas etapas serão as Provas de Cais, Inspeção de Segurança e Provas de Mar.

NDD Ceará fase final PMG - foto dia MB

FONTE: Marinha do Brasil

COLABOROU: Luiz Monteiro

VEJA TAMBÉM:

36
Deixe um comentário

avatar
32 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
JokerMOjuarezmartinezaericzzGUPPY Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Obrigado, Nunao!

Caso haja disponibilidade orçamentária, poderá ser anunciado em breve a aquisição de um NDD.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Dalton,

Você escreveu um excelente comentário no outro post sobre o NDD Ceará. Se puder, poderia reproduzi-lo aqui?

Concordo com tudo o que escreveste.

Abraços

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Dalton escreveu:

“Um verdadeiro clássico, o NDD Ceará é um navio extremamente útil…já navegou no Amazonas, reabastece navios em alto-mar complementando um navio-tanque, opera com helicopteros pesados ,funciona como um navio-oficina executando pequenos consertos além de sua função principal que é transportar fuzileiros e seu equipamento.Comissionado na US Navy em 1956 chegou ao Brasil em1989, sob leasing, mesmo ano que foi descomissionado, situação ideal no que é conhecido como “hot transfer”, quando o navio não fica anos esperando um destino efoi definitivamente adquirido em 2001Ruim com ele…muito pior sem ele !”

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Obrigado LM…sua opinião é muito importante para esse
“Armchair Admiral” e ASPONE da US Navy 🙂

abraços

Baschera
Visitante
Member
Baschera

E temos que soltar foguete… para uma embarcação, ainda útil, mas que está para fazer 60 anos !!

Sinceramente pensei que iria ter o mesmo fim do Rio de Janeiro… mas depois de 7 anos em PMG… saiu da UTI.

Me desculpem , mas é isto que a MB tem… um bando de mortos-vivos !

Sds.

Baschera
Visitante
Member
Baschera

Luiz Monteiro
22 de março de 2014 at 12:53

Comandante,

Um “Albion Class” serviria ??

Sds.

vjbreternitz
Visitante
vjbreternitz

Será que eu entendi??? 7 anos?????

ernaniborges
Visitante
Member
ernaniborges

Se levamos 7 anos para uma reforma, quanto tempo levaremos para construirmos as escoltas aqui ?

E imaginem para construir um NAe !

Baschera
Visitante
Member
Baschera

Belo comentário Nunão. Parabéns pela clareza da tua opinião.

Mas…. vou já pedindo desculpas pelo meu, embora breve, comentário, abaixo:, pois realmente tem um que de politico.

Não era justamente a toada anti americana destes últimos governos de que bastava de abaixar as calças ante negócios do tipo “pacote completo” que envolviam aquisições militares com financiamento incluso ??

Então…. nada mudou… somente as moscas.

Saí as moscas americanas e entram as moscas francesas…. o resto, bom… o resto até piorou !

Pelo menos os americanos nos permitiam usar o cartão de crédito subsidiado (FMS).

Sds.

Baschera
Visitante
Member
Baschera

Mais uma vez, ótimo comentário Nunão. Mas meu foco é outro. Me refiro aos enormes valores agora dispendidos… para depois, por falta de verbas de custeio adequadas e mormente mal distribuídas ao longo do tempo… tudo acaba por se perder ou ter um uso adequado. Não culpo francese e americanos, que estão vendendo seu peixe, mas sim a nossa incapacidade de bem gerir os meios e as verbas, ambos itens escassos ao longo do tempo. Não adianta vc ter o carro do ano e depois só fazer a revisão daqui a vinte e cinco anos e levar outros sete na… Read more »

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Baschera e Nunao,

Parabéns pelo debate em alto nível. Na minha opinião, ambos estão certos.

Baschera,

Serve como uma luva.

Abraços

GUPPY
Membro
Member
GUPPY

Eu não sabia que que o NDD Ceará foi comissionado na US Navy em 1956, conforme o excelente comentário do Admiral Dalton reproduzido pelo Comandante Luiz Monteiro.

Excelentes comentários também do Nunão com retrospectivas históricas de aquisições e/ou construções navais brasileiras.

Agora, quando eu vejo o nome “Ceará”, ligado a Marinha Brasileira, me vem a mente S14, um GUPPY II que estava sempre atracado no cais da BACS quando eu estava no S11. Aliás, o Ceará-S14 era o único que possuía um leme vertical, na popa, acima da linha d’água.

Desculpem o meu comentário sair do tópico.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Nunao, O submarino de propulsão nuclear é um objetivo da MB desde o final da década de 1970. Quando o Governo Federal abraçou o Programa, a MB viu a oportunidade de finalmente alcançar esse objetivo. Sabia-se que isso poderia levar a obsolescência dos meios de superfície. Por isso muitos dentro da própria MB eram (são) contrários ao PROSUB. Se engana quem pensa que se o PROSUB não fosse aprovado estaríamos desenvolvendo o PROSUPER. A “questão política” por trás do PROSUB é que fez com que o mesmo fosse aprovado. Para que tivéssemos o PROSUPER aprovado precisaria de um “pacotao” formado… Read more »

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Dalton,

Acompanho todos os seus comentários. Sempre lúcidos e muito bem embasados.

Abraços

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Nunao, A substituição dos 14 atuais navios de escolta foi planejado da seguinte forma: 1- os 5 primeiros escoltas de 6.000 toneladas substituirão as 3 fragatas da classe “Greenhalgh” e as 2 fragatas mais cansadas da classe “Niteroi”. 2- as 4 corvetas de 3.000 toneladas substituirão as 4 fragatas remanescentes da classe “Niteroi”. 3- outros 5 escoltas de 6.000 toneladas, sendo 4 deles dedicados para defesa aérea de área, substituirão as 4 corvetas da classe “Inhauma” e a corveta “Barroso”. Todo esse planejamento tem de ser posto em prática e concluído até 2032, sob pena de enfraquecimento ainda maior do… Read more »

GUPPY
Membro
Member
GUPPY

Obrigado, Nunão. Linda foto. Eu já conhecia o destino da vela do Ceará-S14, até já tinha visto fotos, mas esta está muito show. Thanks mesmo.

Ontem fiquei triste aqui no PN quando tentei péla n-ésima vez assistir ao vídeo de um navio da marinha da Rússia enfrentando mar grosso e obtive a informação de que o vídeo foi retirado devido a reclamações de autoria. Tive que assistir o vídeo de uma Fragata francesa em mar grosso também. Claro que o PN não tem nada a ver com isso, né?

Abraços

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Nunao,

Tenho a certeza de que você sabe disso. Apenas escrevi para aqueles que desconhecem e acham que se os recursos não estivessem no PROSUB, estariam no PROSUPER.

Não é possível para a MB concluir o PROSUPER com recursos de seu orçamento. Faz-se necessário financiamento interno ou externo.

Abraços e desculpe o mal entendido.

Baschera
Visitante
Member
Baschera

Luiz Monteiro
22 de março de 2014 at 23:11 #

Muito grato Comandante.

Sds.

aericzz
Visitante
aericzz

Vou s dar o milagre mas não o nome do santo….kkkkk, são reparos de 40mm sim, mas o da proa é diferente dos de ré… Inclusive quanto à origem deles! Abcs do Erich Wolff.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Luiz Monteiro 22 de março de 2014 at 23:11 #

Baschera e Nunao,

Parabéns pelo debate em alto nível. Na minha opinião, ambos estão certos.

Baschera,

Serve como uma luva.

Abraços

Serve e se tivermos grana será. junto com mais dois Amazonas, mas o $$$ está curtissímo.

Grande abraçpo

aericzz
Visitante
aericzz

Ah, quando eu disse sobre a origem, me refiro ao último usuário, e não ao fabricante, ok?

aericzz
Visitante
aericzz

E ninguém falou nada ainda sobre um Navio patrulha que está usando um canhão zero bala de um fabricante europeu!!!!!
xing-ling… Adeus!!!!!!

MO
Membro

Erik fiquei curioso e como peguei o bonde andando qual NPa eh este e por favor poderia falar mais sobre . por favor

MO
Membro
Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado MO,

Os canhões L70 de 40 mm fabricados pela divisão Singapore Technologies Engineering, da empresa Singapore Technologies Kinetics, de Singapura, para os NaPa Classe “Macaé” apresentaram diversos defeitos. No momento a empresa está tentando sanar os problemas.

Por razões operacionais, a MB decidiu que para os novos Napa desta classe serão usados canhões da BAE.

Abraços.

MO
Membro

Tks Chefe, realmente me pegou de surpresa a noticia, nem tanto pelo fato (até pq realmente não sabia do que se tratava e de quem, estou perigosamente desinteressado demais pelo tema), agradeço as infos !

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Muito bem! Agora, caro Comandante Lm, o senhor poderia nos ajudar sobre o mistério dos 40mm do Ceará?

Grande abraço

Joker
Membro
Member

LM,

Esses reparos da BAe serao automatizados ou semiautomatizados? Serao MK3 ou MK4?