‘Viraat’ e ‘Charles de Gaulle’ na 14ª edição do exercício indo-francês Varuna

‘Viraat’ e ‘Charles de Gaulle’ na 14ª edição do exercício indo-francês Varuna

556
4

Exercicio indo-frances Varuna - foto 4 Marinha Francesa

Participação francesa no exercício é uma das etapas da Missão Arromanches da Força Tarefa 473, com quatro meses de duração, e que já passou pelo Golfo Pérsico em combates contra o Estado Islâmico

Entre 28 de abril e 2 de maio, foi realizado o 14º exercício indo-francês Varuna, na Costa Oeste da Índia, sendo a quinta vez em que a parte francesa compreendeu a Força Tarefa 473, composta pelo navio-aeródromo Charles de Gaulle, a fragata de defesa aérea Chevalier Paul, a fragata antissubmarino Jean de Viennne e o navio-tanque Meuse.

Foi a quinta vez desde 2001 em que a Força Tarefa 473, que realiza atualmente a missão Arromanches, participou do Varuna. A força deixou Toulon, na França, para uma comissão de quatro meses. Já foram completadas oito semanas de operações na Arromanches, que incluíram missões no Golfo Pérsico junto à coalizão internacional que combate o Estado Islâmico (EI, também denominado Daech). Agora a força segue para o Golfo de Aden.

Exercicio indo-frances Varuna - foto Marinha Francesa

Rafale, Super Etendard e Sea Harrier – Voltando ao Exercício Varuna, foram realizadas missões em conjunto com o grupo de batalha formado pelo navio-aeródromo Viraat, da Marinha Indiana. Segundo nota divulgada pela Marinha Francesa, foi necessário um ano de preparação e os grupos dos dois porta-aviões somaram dez navios de guerra, que realizaram treinamentos de diversas áreas do combate aeronaval. O objetivo do Varuna é melhorar a interoperabilidade.

Exercicio indo-frances Varuna - foto 2 Marinha FrancesaJatos de combate franceses Super Etendard Modernisé (SEM) e Rafale operaram em missões aéreas junto a aeronaves Sea Harrier da Índia, às vezes do mesmo lado, às vezes como “inimigos”. Foram treinadas missões de combate aéreo e de ataque a alvos marítimos, enquanto os navios de escolta das duas marinhas realizaram reabastecimento no mar e praticaram tiro.

P-8I Poseidon – Também se exercitou a guerra antissubmarino, o que vem se tornando uma prioridade no Oceano Índico, conforme a nota divulgada pela Marinha Francesa. Para tanto, participaram outros meios indianos como os aviões de patrulha P-8I Poseidon e um submarino classe “Shishumar”.

No total, 17 exercícios navais e 120 surtidas aéreas foram realizadas entre os dias 28 de abril e 2 de maio. Esses encontros fazem parte de uma parceria estratégica firmada entre os dois países em 1998.

Exercicio indo-frances Varuna - foto 3 Marinha Francesa

FOTOS: Marinha Francesa

VEJA TAMBÉM:

4 COMMENTS

  1. E não estranhem as dimensões do Viraat com relação ao Charles de Gaulle, pois o Viraat não era um PA originalmente.

    Saudações

  2. Edcarlos…

    você está enganado…o ex-HMS Hermes foi um NAe da
    classe Centaur equipado com catapultas e aparelho de frenagem sendo maior e muito mais eficiente que os anteriores Colossus e majestics, como o Minas Gerais
    (A 11).

    Só mais tarde ele foi convertido em um “Command Carrier” transportando tropas desembarcadas via helicópteros, quando então as catapultas e aparelho de frenagem foram retirados.

    Uma nova modificação aconteceu antes das Falklands
    quando então recebeu uma “rampa” e capacitado a
    operar com o Sea Harrier trazendo novamente algum componente de asa fixa que parecia definitivamente extinto com a baixa do HMS Ark Royal em 1978.

LEAVE A REPLY