Home Política Criada a COGESN – Coordenadoria-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com...

Criada a COGESN – Coordenadoria-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear

2845
36

Fonte: Agência Estado

O Comando da Marinha criou, por meio de portaria publicada hoje no
Diário Oficial da União, a coordenadoria-geral do Programa de
Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (Cogesn). O
objetivo da coordenadoria é gerenciar o projeto e a construção do
estaleiro e do submarino. O Almirante-de-Esquadra José Alberto Accioly
Fragelli foi designado coordenador-geral.

36
Deixe um comentário

avatar
36 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
17 Comment authors
Comandante da MB visita Portugal em busca de cooperaçãoBaía de Sepetiba receberá nova base de submarinosNelson LimaWTFIuri Korolev Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
LeoPaiva
Visitante
LeoPaiva

Tudo bem, boa iniciativa. Mas a pergunta que não quer calar é a seguinte, quer dizer que até agora não tinha ninguém coordenando nada?

Sds

Leo
Visitante
Leo

Salve Poggio,

O mais interessante nesta história toda é a construção do estaleiro. Lembra-se que há alguns anos discutimos este assunto? Onde seria o local ideal para instalar um estaleiro e uma base para subs nucleares?
Eu ainda acho que Angra seria uma excelente opção. Primeiro pela proximidade da Nuclep, segundo porque a população já está acostumada a lidar com assuntos nucleares.

CorsarioDF
Visitante
CorsarioDF

É pelo menos um começo!!! Mas eu pensava que tinha pessoas tratando do assunto na marinha! Agora sobre o estaleiro, acharia mais interessante a instalação em Itaguaí ou Marambaia (perto do Rio e de Angra) mas diversifica os alvos em um ataque pelo mar, pois se for em Angra, as Usinas Nucleares e o Estaleiro vão estar lado a lado, no Rio é a mesma coisa, pois a Esquadra toda está lá. Sds.

cesar
Visitante
cesar

bom dia leo,
li em um site (ñ lembro qual)da existência de um estudo de base p/ sub’s entre litoral sul do RJ e lit norte de SP, provavelmente próximo de UBATUBA/SP. alguém saberia dizer se há fundamento nisso, ou é só mais um plano oficial mirabolante ou “viagem” do site?

Guilherme Poggio
Visitante

Leo

Lembre-se também que se o Ministro da Marinha não fosse o Alexandrino, nossa base naval na Ilha Grande (bem em frente a Angra) estaria completando mais de 80 anos.

Nunão
Visitante
Nunão

Pois é, Poggio, bem lembrada essa questão da base naval da Ilha Grande. Essa história das várias gestões de Alexandrino no Ministério da Marinha, seus desafetos, o vai-vem do porto militar e tudo o mais que envolve a política brasileira dos anos 10 e 20 do século 20, industrialização, siderurgia, marinha e uma cacetada de interesses interligados ainda vai ser objeto de posts aqui… Ou quem sabe uma série no PN.

Nunão
Visitante
Nunão

Claro que tinha alguém cuidando… É só dar uma pesquisada básica no próprio site da MB que tem um link sobre o programa nuclear. A diferença é que agora o programa do submarino nuclear tem uma coordenaria-geral própria, não é só parte de outras. Ou seja, ganhou status mais importante.

molleri
Visitante

Lembro que o AE Fragelli é da reserva.

Leo
Visitante
Leo

Salve Cesar, Eu me lembro destes planos. Foram divulganos há alguns anos. Mas creio que o pessoal deve repensar todo o processo. Especialmente porque acredito que terão que fazer um estaleiro definitivo para submarinos convencionais e nucleares. A sugestão de Ubatuba é interessante. Mas minha dúvida é em relação ao processo político da instalação de um estaleiro/base para submarinos nucleares. É possível que novas instalações nucleares não tenham um impacto grande na sociedade como foi a construção de Aramar. Mas se houver um impacto sério, a lógica seria fazer em Angra. Imagine a complexidade de realizar todos os estudos de… Read more »

cesar
Visitante
cesar

caro leo,
na minha opinião, fique claro sou apenas um entusiasta,esta faixa litorânea sul RJ/norte SP parece ser a ideal. litoral recortado, gde nºde ilhas, proximidade aos gdes centros (logística)etc. faltariam sistemas de defesa e vigilância condizentes ñ só à base mas tb à importância estratégica da região. corrija-me se estiver errado.
em relação ao RIMA p/instalação em uma nova área, realmente seria complicado.
é evidente q qualquer tipo de construção, militar ou ñ, acabe impactando o meio ambiente. porém em uma área de segurança cuidada por nossas FA’S,acredito q os benefícios relativos à preservação ambiental são maiores apesar do impacto inicial.
saudações.

LEANDRO FURLAN
Visitante
LEANDRO FURLAN

Esse submarino não sai antes de 2020… Foram 10 anos pra aperfeiçoar uma (1 = uma) unidade da Barroso, imaginem construir os 4 convencionais e o nuclear.. Até lá, o Brasil aposenta os 5 IKL e ficaremos com os 4 novos convencionais, uma frota extremamente imponente. Acham que um submarino nuclear dá conta em caso de guerra?! No mínimo teríamos que ter dois ou três. Por que já não começam a construir 2 cascos em vez de um só?! Depois, se algo de errado der com o projeto do primeiro, podemos modificá-lo no segundo, e pelo menos, metade do projeto… Read more »

Leo
Visitante
Leo

Cesar,

O problema não é o impacto ambiental “per se”. É o Ministério do Meio Ambiente e Ibama. A palavra “Nuclear” é um palavrão para este pessoal.

Acho que seria complicadíssima a aprovação de uma base nuclear. Não se pode perder muito tempo neste processo. Especialmente se a MB pretende construir os Scorpenes/Marlin neste novo estaleiro. Sendo em Angra dos Reis, o MA ficaria sem muitas justificativas para se opor ao projeto.

Diego
Visitante
Diego

A Avibras tem um missil tático Lançado de plataforma ASTROS II do tipo fire-and-target, com capacidade de alcance até 300km.Ele ñ poderia ter uma versão naval?Desculpem sei q essa pergunta ñ tem nada a ver com o assunto,mas estava vendo o site a Avibras e achei muito interesante!
Sé alguem pode tirar minha duvida ficarei agradecido!

GustavoB
Visitante
GustavoB

Olha, bom mesmo nesse meio tempo seria alugar duas unidades classe Rubis, que serão desativadas pela França, substituídas pelo Barracuda, ou dois classe Akula (pavor, pavor nos americanófilos), encostados pela marinha Russa. Só para desenvolver doutrina.. Quem sabe um leasing, como fez a Índia?

Comentários?

Hornet
Visitante
Hornet

Creio que a velocidade com que um projeto possa ser concretizado depende das necessidades e do interesse em realizá-lo. A Barroso, sempre aqui citada, demorou 14 anos pra ser concluída porque o assunto “Defesa” não fazia parte (nem minimamente) das nossas preocupações (me refiro aqui ao Brasil como um todo, tínhamos outras preocupações: combate a inflação, estabilização da economia, redemocratização do país etc.) Então, a coisa foi sendo levada em “banho maria”. O mesmo podemos dizer do projeto do Sub Nuclear, que desde a implantação do projeto Aramar, em Iperó, no final da década de 1970, que também teve seus… Read more »

Patriota
Visitante
Patriota

Sr. Hornet! BRAVO!

LeoPaiva
Visitante
LeoPaiva

Senhores, apenas exercitei meu lado irônico na primeira pergunta, é claro que um projeto para chegar até o ponto onde se encontra teve comando e diretrizes. Só complementando um pouco o colega Mauro, o ministro da Defesa e da Marinha afirmaram recentemente que o sub nuclear é uma opção estratégica muito antiga, e a criação do COGESN vem demonstrar categoricamente o interesse do governo em levar a termo o projeto.Inclusive com a destinação de R$ 130 milhões anuais para o sub. O interessante foi a afirmação do Almirante Bento de que o projeto não conseguiria andar mais rápido mesmo com… Read more »

João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

A construção de um novo estaleiro (principalmente se for para submarinos) vai deflagar uma guerra surda de bastidores entre os políticos de todos os estados costeiros do País. Cada um já pensa em poder dizer, na próxima eleição: “Fui eu quem trouxe este estaleiro para cá”. Se o MD já tem o local preferido, precisa combinar com o Ibama para que ele vete publicamente todos os outros loclais que não interessam.

carlosargus
Visitante

O negocio e contruir uma frotilha de 10 dez subs convencionais e os cascos de( até cinco ) subs nuclear , é uma das melhores armas furtiva e de dicícil localização. E ,o Vls e o satélite Geoestacionário..p/ ajuar a controlar a amazônia legal e amzônia azul, + td isso p/ ontem..

Iuri Korolev
Visitante

Hornet 1) Realmente, como já comentamos em matérias anteriores, não temos estes artefatos (ou desenvolvido certas tecnologias) por não termos precisado, sempre fomos um país pacífico. Entre outras causas, é claro, não só por isso. Minha avó dizia que “a necessidade é que faz o sapo pular”. Um aporte de dinheiro dessa magnitude, tem que ter um motivo forte. Por exemplo, na Guerra Fria, a Rússia desenvolveu-se muito na área de foguetes porque estava cercada por várias bases aéreas americanas, coisa que ela não tinha. Mas também penso que está melhorando, e por incrível que pareça, o Lula dá mais… Read more »

WTF
Visitante
WTF

Concordo com seu comentário, e esses “analfabetos funcionais” não tem serventia nenhuma para o desenvolvimento do país, apenas nas forças armadas, como arma humana, o Brasil deveria IMPORTAR do oriente médio a tecnologia “Kamikaze” entre suas várias opções, carros-bombas, vans-bomba, paraquista-bomba, uma gama de possibilidades para nossa forças armadas.
A pergunta é: O Que eles ganhariam com Isso?
Resposta: Um objetivo na vida, um propósito alcançado em alguns segundos, e alguns salários mínimos de indenização para suas famílias.

Hornet
Visitante
Hornet

Amigo Iuri, concordo e assino em baixo no item 1. No item 2, acho que é um problema histórico. Não é o brasileiro que é pior que os cidadãos do chamado primeiro mundo, mas é o Brasil que não é um país de primeiro mundo. O Brasil é um país desigual, em tudo. Entramos na modernidade meio capengas, e ainda por cima pelas portas do fundo, elevador de empregada mesmo…Enquanto a Inglaterra e a França, por exemplo, já estavam na segunda revolução industrial (baseada na energia elétrica) nós ainda tínhamos escravos plantando cana e café por aqui…Acho que isso já… Read more »

Hornet
Visitante
Hornet

Iuri,

espero que, mesmo sem concordar comigo, vc também entenda meu ponto de vista sobre a questão. Sempre prefiro fazer amigos que criar inimizades (ou algo semelhante a isso) ao defender meus pontos de vista. (Afinal, o blog é para isso mesmo, para debatermos pontos de vistas, não é?). E eu o considero um dos amigos que criei aqui no Blog e uma pessoa com a qual compartilho muitos pontos de vista e muitas das preocupações.

um forte abraço novamente

WTF
Visitante
WTF

a mão de obra escrava deveria ser reavaliada

Iuri Korolev
Visitante

Hornet Em primeiro lugar agradeço pelo brilhante texto. Embora não possa parecer, penso da mesma forma que você quanto às qualidades do brasileiro : bons sentimentos, criatividade, não segregacionismo, etc, essa cultura fantástica que temos. Não quis mencionar que a verdadeira raiz de nosso subdesenvolvimento é a escravidão, porque poderia levar a interpretações dúbias de alguém que lesse esse texto, pensando que seria racismo de minha parte, o que não sou. Pelo contrário, nós é que temos uma dívida com eles, não o inverso. Mas realmente é ela a raiz.Ela aliada à Monarquia, embora como você disse com propriedade,esta última… Read more »

Hornet
Visitante
Hornet

Iuri,

é isso mesmo. Não te falei que compartilhamos de muitas idéias e preocupações! É exatamente isso que vc falou, incluindo a questão da Monarquia: manteve o país unido, mas manteve a escravidão também.

também não invejo os americanos, não. Foi só uma maneira de dizer que hoje eles têm uma tecnologia que nós gostaríamos de ter…mas quem disse que não podemos ter essa tenologia em breve?!!! Construir um F-22 é fácil. Quero ver mudar uma mentalidade segregacionista como a que eles tem…isso vai demorar bem mais que a construção da nossa Barroso…rs.rs.rs.

um forte abraço
Hornet

Hornet
Visitante
Hornet

Ah! e só pra não dar margem a “mal-entendidos” aqui no Blog…estamos falando (eu e o Iuri) que a Escravidão foi e é um problema para o Brasil, e não que o escravizado tenha sido o culpado pelas nossas mazelas. Uma mudança de enfoque ou um mal entendimento aqui muda tudo.

Nelson Lima
Visitante
Nelson Lima

Vejamos qual a relação entre escravidão e submarino nuclear? O pessoal viaja muito na maionese.

Iuri Korolev
Visitante

Caro Nelson Lima

Se você ler os textos acima verá que estamos perquirindo qual é a origem do subdesenvolvimento tecnológico brasileiro, razão direta de não sabermos fazer um sub nuclear.
Para solucionar um problema temos que ir em suas causas, não no problema em si.

Como você vê, não é tão viagem não…

Abs
Iuri
iuri

Hornet
Visitante
Hornet

Apoiado Iuri!

Hornet
Visitante
Hornet

Tecnnologia pra construir Subs Nuclaeres não dá em árvores. Se não entendermos os “porques” de ainda não termos feito isso antes…e os “porques” de estarmos tentado fazer agora, podemos simplificar demais as coisas e ficar só no “muro das lamentações”…ou então, achando que deveríamos construir 300 Subs Nucleares de uma vez sem ter feito o primeiro ainda. Enfim, vamos viajando….viajar nunca é ruim…conhece-se coisas no caminho e aprecia-se a paisagem.

abraços a todos

GustavoB
Visitante
GustavoB

Bota viajar nisso…

O problema é que sempre tem alguém para levar a culpa, nunca conseguimos criticar nós mesmos.

GustavoB
Visitante
GustavoB

A culpa é sempre dos outros, melhor ainda se eles não estão vivos pra se queixar.

Iuri Korolev
Visitante

De acordo GustavoB

trackback

[…] da Marinha, almirante-de-esquadra Júlio Soares de Moura Neto, durante a cerimônia de criação da Coordenadoria-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (Cogesn), que ficará sob responsabilidade do almirante reformado José Alberto Accioly […]

trackback

[…] viagem de Moura Neto ocorre dias após a Marinha do Brasil ter criado uma equipe coordenadora para acelerar a construção do submarino de propulsão nuclear brasileiro, que será desenvolvida em conjunto com a […]