Home História Os últimos Guppy

Os últimos Guppy

937
13

ex-uss-_cutlass.jpg

GUPPY é um acrônimo criado pela USN para designar uma série de submarinos que foram modernizados após a II Guerra Mundial. GUPPY significa “Greater Underwater Propulsion Power Program”, mas também é nome de peixe (lebiste no Brasil – Poecilia reticulata), como eram batizados os submarinos norte-americanos naquela época. Não é oficialmente uma classe, mas acabou tendo um “status” de classe. Dentre os navios designados para a modernização padrão GUPPY estavam submarinos das classes Gato, Balao e Tench.

Dentre os dois primeiros submarinos escolhidos para conversão estava o USS Odax (classe Tench), que depois veio para o Brasil como S 13 Rio de Janeiro. Sucessivos programas foram criados (GUPPY I, GUPPYIA, GUPPYII, GUPPY IIA, GUPPY III), originando diferenças entre eles, tanto externas como internas.

Diversos GUPPY foram exportados e para a América Latina, sua transferência foi liberada no início da década de 1970. Sendo assim o continente foi “inundado” por GUPPY. A Argentina recebeu dois (sendo que um deles foi afundado nas Malvinas), o Peru três, Venezuela dois e Brasil sete unidades. Mas de longe o maior usuário fora dos EUA foi a Marinha da Turquia com 12 exemplares.

Turquia e Taiwan foram os últimos países que operaram submarinos GUPPY. A Turquia deu baixa do seu último GUPPY em 2002 e o mesmo voltou para os EUA, onde virou museu. Já Taiwan insiste em manter seus dois GUUPY. Adquiridos em 1973, os mesmos foram fornecidos somente como navios para treinamento ASW e, por este motivo, com os tubos lança-torpedos soldados. Porém, sabe-se que os mesmos foram novamente ativados em 1976. Em 1999 Taiwan solicitou novos eixos para eles e até o ano passado os dois estavam em atividade na Base Naval de Kaohsiung. O excelente estado de preservação pode ser comprovado pelas fotos existentes no Navsource. Uma delas aparece no início deste texto.

Enquanto Taiwan não sabe que destino dará aos seus submarinos, existem diversos GUPPY preservados nos EUA. Abaixo segue uma lista dos mesmos:

USS Marlin – Omaha, NE
USS Cavalla – Galveston, TX
USS Croaker – Buffalo, NY
USS Becuna – Philadelphia, PA
USS Clamagore – Charleston, SC
USS Razor Back – North Little Rock, AR
USS Torsk – Baltimore, MD
USS Requin – Pittsburg, PA

Aqui no brasil existiu um esforço para preservar um dos sete GUPPY utilizados pela MB (alguns dizem até que um GUPPY deveria ser escolhido no lugar do submarino museu Riachuelo). Mas infelizmente esta é mais uma história com um final triste.

O submarino Bahia foi adquirido pela Fundação Museu da Tecnologia de São Paulo e rebocado para o porto de Santos. Os entendimentos com a prefeitura do Guarujá estavam adiantados e um local para a sua exposição havia sido proposto. No entanto, faltaram recursos para que o projeto fosse efetivado e o submarino acabou virando sucata em 1978. Maiores detalhes sobre o projeto Parque Naval do Guarujá podem ser vistos no site da Fundação Museu da Tecnologia de São Paulo.


Maquete do Parque Naval do Guarujá com o submarino Bahia

13
Deixe um comentário

avatar
13 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
GUPPYUSS ‘Nautilus’, o primeiro submarino nuclear - parte 2100 anos de submarinos alemãesSub-Harpoon para TaiwanViniciusModolo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luciano Baqueiro
Visitante
Luciano Baqueiro

Salvo engano o USS Cavalla teve papel importante no Pacífico, tendo inclusive afundado o porta-aviões Shokaku.

Luis Augusto
Visitante
Luis Augusto

realmente é uma pena não terem recusos para colocarem um desses guppy como museu aqui no Brasil.

Baschera
Visitante
Baschera

Poggio,
Este “Guppy afundado nas Malvinas” não teria sido nas ilhas Geógia do Sul ou talvez nas Sandwich do Sul , não ??
Sds.

Guilherme Poggio
Visitante

Realmente Baschera. Quando escrevi Malvinas, significou “Guerra das Malvinas”.

Galante
Visitante

Impressionante o número de subs preservados nos EUA…

Nunão
Visitante
Nunão

Pois é, Galante, e essa lista é só de Guppy.
Até submarino soviético dá pra visitar por lá.

http://www.russiansublongbeach.com/
http://www.russiancobra.com/

O de Long Beach eu visitei. Muito bom.

Mais pé no chao, por favor!!!!!
Visitante
Mais pé no chao, por favor!!!!!

Os Estados Unidos são um país superior, e seu povo possui uma atitude superior, pois sempre levam em conta o bem da nação como um todo e por isso, sempre consideram uma atitude correta. Só de escutar os sonhadores desse fórum projetarem o Brasil como adversário, no sentido de se contrapor ao poder americano; dá pena e vontade de rir. NENHUM país JAMAIS irá superar a grande nação americana. Falam sobre a China? Têm idéia de como a China é um desafio aos seus próprios líderes? O medo de movimentos contrários ao governo central, a úlcera que o Tibet se… Read more »

Coralsea
Visitante
Coralsea

Existem mais submarinos preservados como museu nos EUA….seguem mais alguns de variadas classes:

USS Batfish – Oklahoma City/OK
USS Blueback – Portland/OR
USS Bowfin – Honolulu/HI
USS Cobia – Manitowoc/WI
USS Cod – Cleveland/OH
USS Drum – Mobile/AL
USS Growler – New York/NY
USS Ling – Hackensack/NJ
USS Lionfish – Fall River/MA
USS Nautilus – Groton/CT
USS Salmon – Quincy/MA
USS Silversides – Muskegon/MI

ViniciusModolo
Visitante
ViniciusModolo

Por onde anda o nosso Tonelero???

trackback

[…] dos GUPPY de treimanento, Taiwan possui dois submarinos de ataque classe Zwaardvis modificada. Ambos foram […]

trackback

[…] “Zulu” e “Whiskey”, a classe francesa “Narval” e as conversões americanas “Guppy” e o primeiro submarino nuclear do mundo, o USS Nautilus. Nas fotos abaixo, feitas pelo Poder […]

trackback

[…] NOTA DO BLOG: A semelhança do casco do USS Nautilus com o U-boot Type XXI, na  segunda foto, não é mera coincidência. Com a derrota da Alemanha, as inovações tecnológicas alemãs foram absorvidas pelos americanos e incorporadas aos seus submarinos, inclusive no Programa “Guppy”. […]

GUPPY
Visitante
GUPPY

Não posso olhar esta foto da matéria. Me vejo à bordo. Velhos tempos no S11-Rio Grande do Sul.