Home Noticiário Internacional E os custos continuam subindo…

E os custos continuam subindo…

335
35

cvn-78.jpg

O navio-aeródromo “CVN21”, atualmente em construção, terá um custo total em torno de US$13,7 bilhões (mais que o dobro da classe “Nimitz”), devido ao emprego de muitas tecnologias inovadoras (clicar na imagem). O primeiro navio, USS Gerald R. Ford (CVN78), deve entrar em serviço em 2014, substituindo o primeiro NAe de propulsão nuclear do mundo, o USS Enterprise, que terá mais de 50 anos de idade.

35
Deixe um comentário

avatar
35 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
17 Comment authors
ROBINSON CASALguilhermeNorthrop Grumman prepara a construção do segundo CVN Gerald R. FordComeçam os preparativos para a desativação do USS Enterprise em 2014joao- sao jose sc Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Fábio Max
Visitante

Esse aumento exponencial de custos vai acabar diminuindo o número de CVN(s) no futuro. País nenhum, incluindo os EUA, aguenta tanto investimento militar.

Calculo que os democratas farão cortes grandes nos orçamentos militares dos EUA, para recuperar o déficit zero, que existiu durante os 3 ultimos anos de Bill Clinton.

Marine
Visitante
Marine

Enquanto continuarem as guerras sera sucidio politico cortar o orcamento em valores significativos. O pais esta em guerra e nao se pode vencer uma guerra “on the cheap”…

Eles tbm prometem retirada americana rapida mas sabem que isso nao e realista…apenas um truque pra ganhar votos.

Politicos serao politicos em qualquer lugar do mundo!

Henrique
Visitante
Henrique

Interessante que com crise ou sem crise os EUA mantém sua máquina bélica a todo vapor. Além dos custos de construção vem o custo de manter um navio deste operando a plena capacidade, coisa de alguns milhões de dólares/dia.
Haja emissão de moeda (com ou sem lastro)…

João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

Enquanto houver a Rússia e agora a China chegando, os EUA vão se obrigar a gastar e gastar cada vez mais. Porisso que eles querem Japão, Coréia do Sul, Ìndia, UE, etc… bem armados.

Marine
Visitante
Marine

Uma das coisas que as pessoas esquecem e que uma das maneiras com que o EUA ganhou a guerra fria foi forcando a URSS a falencia tentando competir durante a corrida armamentista…Ela simplismente nao tinha a economia que o EUA possui.

welington
Visitante
welington

Economia que esta indo pro beleleu, aos poucos mas está!

Henrique Sousa
Visitante
Henrique Sousa

A economia norte-americana esta indo para o beleleu, mas este caminho não será só deles, neste processo o “resto do mundo” vai encolher/perder proporcionalmente tanto (ou mais) quanto eles.

Usando um termo em moda hoje em dia, acho que estamos vendo uma bolha na indústria bélica dos caras. Qualquer projeto por mais simples que seja sai por não sei quantos milhões de dólares.

O governo de lá tem uma capacidade de investir ainda muito grande, mas do jeito que estão e capaz de matarem a galinha dos ovos de ouro.

marcelo r
Visitante
marcelo r

Barack Hussein Obama, isto mesmo, é o nome do novo presidente dos EUA, deve ser hoje “confirmado”. Para um presidente com este nome deverão ocorrer muitas mudanças nos EUA.
Eles tiram o Sadam Hussein do Iraque e depois elegem o Husseim Obama nos EUA…
Deverá realmente ocorrer uma substancial redução nos investimntos em armas nos proximos anos nos EUA.

Henrique Sousa
Visitante
Henrique Sousa

Agora algumas mudanças, para mim profundas, chamaram a atenção:

– o tamanho e posição da ilha, bem recuada e muito pequena. Os norte-americanos aparentemente querendo reduzir as estruturas sobre o convés, e o projeto britânico considerando separar os comandos das operações aéreas e marítimas em duas torres.

– a diminuição no número de elevadores. Por qual motivo??? Dariam conta os três em manter a taxa de lançamentos esperada? Redução da assinatura do radar? Mudança no manejo dos aviões no convôo, diminuindo o tempo para preparo do lançamento???

– Catapultas eletro-magnéticas? Onde estão os torpedos fotônicos???????

GustavoB
Visitante
GustavoB

De forma alguma a economia dos EUA ‘vai pro beleléu’. Eles já vivem uma recessão, que talvez nem chegue a depressão econômica, mas os efeitos dessa crise na economia mundial são bem mais significativos, especialmente no que se refere ao mercado de commodities. Então, penso que em poucos anos, enquanto as economias mais fracas e dependentes forem devastadas, os EUA ressurgirão como potência hegemônica.
O bom é que desta vez parece que o Brasil está correndo por fora.

Marko Ramius
Visitante
Marko Ramius

Os EUA vão sair dessa. Como o próprio Carl Marx disse, as crises no Capitalismo são cíclicas. Esse é um momento de baixa, depois virá o de alta e assim sucessivamente.
Pelo menos a crise serviu para mostrar novamente aos Neobobos neoliberais etc o papel vital do ESTADO como indutor e garantidor do sistema econômico/financeiro e que a mão invisível do mercado muitas vezes levanta o dedo médio pra todo mundo.

Corsario-DF
Visitante
Corsario-DF

Estou com medo dos nossos Na Patrulhas custar o olho da cara, igualzinho a esse Nae. rsrsrsrsrsrsrsrsrs. O preço Brasil justifica esse pensamento, pois de suborno em suborno eles alcançarão essa cifra!!! Sds.

Ozawa
Visitante
Ozawa

US$13,7 bilhões, sem contar os custos de operação pelo tempo de vida operativa, são muito dinheiro, mesmo para os EEUU. Nenhuma nação “pode” dispor desses recursos por ação espontânea e voluntária, como se, na falta de outras demandas, opta-se por armar-se… É certo que outros reclames do povo americano não serão ouvidos, ou postergados, como quando vimos tragédias em New Orleans em 2005 e a precariedade estrutural daquela região, inclusive, pelos recursos desviados às armas. Leia-se com a atual crise, com a transferência do controle econômico do setor produtivo, real, para o setor especulativo, virtual, que nenhuma nação tem números… Read more »

André
Visitante
André

Mas o Estado serve pra isso mesmo, Marko Ramius. O mercado pode não ser a solução para tudo em economia, mas certamente não é o Estado também, atuando sempre e diretamente. O Estado tem que regular o mercado e está nada mais nada menos do que fazendo isso nessa crise que nos afeta!

Douglas
Visitante
Douglas

Apenas um comentário, os 13 bi incluem os custos de P & D. A construção do segundo da classe deve ficar por menos de 6 bi.

Iuri Korolev
Visitante

Caro Osawa e colegas do blog 1)O historiador Paul Kennedy autor do clássico “Ascensão e Queda das Grandes Potencias” esteve o mês passado no Brasil. Seu livro demonstra, por exemplos históricos, que todo império hegemônico sucumbe quando não pode mais arcar com os custos militares necessários para manter suas conquistas e influência externa. 2) Tem um artigo aí na Internet mostrando que o os gastos militares (de defesa como um todo pois eles financiam até departamentos de engenharia de universidades) dos EUA já passaram os 40% da arrecadação tributária !! Já estão chegando perto da metade. Isso vai ter que… Read more »

Ozawa
Visitante
Ozawa

Caro Iuri Korolev, obrigado pela lembrança dessa obra. Sempre que entro na Saraiva Mega Store, além de me perder, e ao meu bolso, com tantos livros que quero ler, este que você mencionou sempre está numa prateleira de destaque. E quando o vejo, já a minha “bolha” estorou…, mas mês que vem, antes que ela estoure de novo vou levá-lo… É leitura obrigatória.

Iuri Korolev
Visitante

Caro Mauro
De pleno acordo.O resquício viralatista ainda nos atrapalha demais.

O brasileiro(leio até aqui no blog) acha que não tem capacidade de fazer coisas como um SUBNuc. Pois tem e até para mais, pois conheço a capacidade do brasileiro.

O que nos falta são lideranças (em sentido lato: gestores públicos, gerentes, empresários, etc) pois quando precisa o brasileiro faz.

Sds
Iuri

GustavoB
Visitante
GustavoB

Já que estamos falando em méritos, vejamos um pouco do outro lado: “A educação norte-americana, assim como seu sistema de saúde, é notória por seus fracassos. Na nação mais poderosa do planeta, um em cada cinco adultos acredita que o sol gira em torno da terra; só 26% aceitam que a evolução ocorre por seleção natural; dois terços dos jovens adultos são incapazes de encontrar o Iraque num mapa, dois terços dos votantes norte-americanos não são capazes de nomear três organizações governamentais; a competência matemática dos adolescentes de 15 anos nos Estados Unidos está em vigésimo quarto dos vinte e… Read more »

Iuri Korolev
Visitante

Caro GustavoB

É o Bible Belt, o cinturão da Bíblia na parte sul do EUA, famoso pela ignorância oceânica de seu povo.
Sds
Iuri

GustavoB
Visitante
GustavoB

Acho importante dizer que todos países têm suas peculiaridades e um bom exemplo citamos aí em cima. A tendência é sempre ver as coisas de maneira mais simples, comparando nosso querido Brasil com outras nações – o que nem sempre tem valor, já que o que é bom aqui pode não sê-lo na China, por exemplo. Também sou um crente de que não há limites quando existe vontade e trabalho. Até bem pouco éramos quase um país das bananas, penso que hoje estamos no caminho certo, com acertos e erros, uma nação em evidência e constante formação. E, com o… Read more »

Marine
Visitante
Marine

Nossa fico impressionado com as ideias pre-concebidas que alguns tem daqui! Mas ja que o cidadao estrangeiro praticamente formula suas opinioes no que ouve dizer ou no que ve na midia realmente nao se pode ter uma nocao correta de como sao as coisas…

Sds!

Douglas
Visitante
Douglas

Marine,

Não se impressione, por aqui, há a uníssono da vilanização dos EUA, por outro lado figuras como Fidel, Chavez, Morales, Correa se entronizam facilmente por essas bandas.

Iuri Korolev
Visitante

Caro Douglas
Juro que de minha parte não há nenhum antiamericanismo.
Pelo contrário, admiro muitas coisas deles, principalmente de seu início como nação.

Agora é impressionante como (já estive lá) eles são

a)egocêntricos. na TV eles dizem : previsão do tempo no Mundo.E colocam o mapa dos EUA. Só.
b) egoistas. Preferem gastar trilhões de dólares com uma guerra do que ajudar os países.
c) racistas : em pesquisas de opinião nos jornais (todos os grandes) eles separam as opiniões pelas cores das pessoas.

Sds
Iuri

GustavoB
Visitante
GustavoB

Não há preconceito nem anti-americanismo, pelo contrário. Apenas quis dizer que países diferentes têm necessidades diferentes, além de passar uma mensagem positiva.

Não admira que alguns não gostem: talvez esses sejam adeptos do intelecto raso que o link que sugeri cita.

Marine
Visitante
Marine

Iuri, Concordo que sejam egoistas e existem tbm os racistas como tbm ha no Brasil. O que nao concordo e que se vc nao da dinheiro aos outros isso lhe faz de egoista. Ora se a pessoa trabalha duro e ganha seu dinheiro, ela faz o que quiser com ele…essa ideia de que todos tem que dividir e ajudar os outros me parece meio socialismo nao? Afinal, vc deixa de comprar roupa pros seus filhos, oleo para o carro pra poder dar esmola na rua? O que quero dizer e desde quando vc que trabalha duro TEM que dividir o… Read more »

joao- sao jose sc
Visitante
joao- sao jose sc

Acho que o Brasil esta no caminho certo, fazendo parcerias com Israel,Africa do sul,Russia e a França para que possamos adquirir tecnologia de ponta.Olha o exemplo do automóvel,hoje podemos fabricar totalmento em nosso território.Aqui em SC FIESC contruiu um caminhão militar e uma caminhonete pela indústria metal-mecânica de Joinville.UM ABRAÇO.

João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

Caro Marine Só lembrando que todos nós contribuimos para com os mais necessitados via impostos. A diferença é que nós brasileiros somos muito, mas muito mesmo, mais “generosos” que vocês aí nos EUA. Porque além dos IR, que vocês têm de volta, caso recolhido à mais em até 15 dias após a declaração (ou seriam 30?) [Aqui leva de 6 meses até o infinito], ainda temos os impostos indiretos, mais de 50, sendo que o principal para nós consumidores, o ICMS, anda por volta de 17% sobre o valor da mercadoria, quando aí gira em torno de 5%, fora IPI,… Read more »

Marine
Visitante
Marine

Joao-Curitiba,

Concordo que a carga tributaria brasileira e muito maior mais dai a dizer que o brasileiro da mais dinheiro…

O povo americano e o que mais da dinheiro a caridade no mundo, a agencia americana para a ajuda externa USAID e a que mais da dinheiro no mundo e o EUA e o que mais contribui com a ONU…

Mais uma vez, essa e uma ideia pre-concebida que ja acabou virando verdade na cabeca das pessoas porque todo mundo repete a mesma coisa sem realmente saber ou pesquisar.

Sds.

João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

Caro Marine Você não entendeu. Eu disse mais “generosos” entre aspas. Que nós pagamos mais impostos, isso sim. Depois que eu enviei o comentário, lembrei de um primo que mora em Porto Alegre e cada vez que acontecia lá o Forum Social Mundial (hoje o evento muda de país a cada ano), ele era tradutor voluntário. Ele conta que realizavam aqueles seminários cheios de esquerdistas, onde discutiam, votavam e aprovavam como os EUA e demais países ricos deveriam aplicar seu dinheiro em benefício dos povos mais pobres. Vem bem ao encontro do que você comentou acima. Se o dinheiro é… Read more »

Marine
Visitante
Marine

Joao,

Mil perdoes entao se nao compreendi seu post…E isso mesmo, e a hipocrisia do socialismo e esquerdistas.

trackback

[…] dos oito reatores nucleares do navio em 2014. O USS Enterprise será substituído pelo USS Gerald R. Ford. A foto acima mostra a Task Force One, a primeira força-tarefa formada somente por […]

trackback

[…] nuclear CVN79. O porta-aviões, que ainda não tem nome, será o segundo da classe “Gerald R. Ford” […]

guilherme
Visitante
guilherme

Vi na net q a russia esta 10 anos a frete dos eua.
O novo míssil supersônico russo SS-N-22 (codinome “Sunburn”) é o mais veloz do mundo, pode transportar ogivas nucleares e é capaz de penetrar nas defesas antimíssil de uma esquadra. A China já adquiriu um lote desses mísseis para equipar seus novos destróieres, também de fabricação russa. Seria por isso que os comandantes militares chineses advertiram que se os EUA tentarem ajudar Taiwan, quando ocorrer a invasão, a Marinha norte-americana “morre”?

vi isso na net ^^

ROBINSON CASAL
Visitante

Fia um trabalho com uma abordagem bastante realista sobre custos da US Navy: