quinta-feira, março 4, 2021

Saab Naval

Navantia e Lockheed Martin apresentam proposta para o Prosuper

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

As empresas Navantia (da Espanha) e a Lockheed Martin (dos EUA) fizeram no dia 8 de novembro uma apresentação da sua proposta ao Programa Prosuper da Marinha do Brasil, no Rio de Janeiro-RJ.

O Prosuper (Programa de Obtenção de Meios de Superfície) engloba os seguintes itens:

  • 5 Navios Escolta
  • 5 Navios de Patrulha Oceânica
  • 1 Navio de Apoio Logístico
  • Desenvolver no país plena capacidade industrial em tecnologia naval

A Navantia oferece à Marinha do Brasil a fragata Aegis F-100, baseada nos navios da Armada Espanhola, com modficações que atendam às especificações brasileiras. A Navantia também construiu 5 navios baseados nesta classe para a Noruega e está desenvolvendo três para a Austrália.

Estão sendo oferecidos também os navios-patrulha oceânicos com base no Avante 1400 – BVL, construído para a Marinha da Venezuela (4 unidades).

Ainda dentro do pacote os espanhóis ofertaram o Navio de Apoio Logístico, baseado no BAC Cantabria, construído para a Armada Espanhola.
Na proposta espanhola, 10 navios serão construídos no Brasil, por estaleiros locais, ainda a serem definidos. A primeira fragata seria construída na Espanha, para fins de transferência de tecnologia inicial, com uma importante participação de estaleiros brasileiros (Grupo Residente) desde o início.

A transferência de tecnologia proposta consistirá no fornecimento de documentos pertinentes, know-how e suporte, assistência técnica aos estaleiros para realizar com sucesso a construção, testes e ensaios dos navios.

Segundo a Navantia, em poucos anos os Estaleiros locais terão adquirido tecnologia de ponta na construção naval militar, proporcionando novas oportunidades de mercado doméstico e internacional.

Com a transferência de tecnologia, a Navantia diz que a Marinha do Brasil será capaz de manter os navios, fazer modificações e implementar upgrades, que exigirão a plena participação da indústria local.

No parte dos sistemas dos navios, destacou sua experiência no desenvolvimento de “expertise in-house” com a colaboração da Lockheed Martin americana. A LM em conjunto com a Navantia está conduzindo um processo para adequar e melhorar a capacidade existente da indústria brasileira para o PROSUPER.

A Navantia o desenvolvimento do Evolved SICONTA para integrar os novos armamentos, sensores, navegação e comunicações.

Foi dado destaque ao máximo abastecimento local, que visa a aquisição de materiais no Brasil, equipamentos e serviços para o Programa.

As tarefas, equipamentos e serviços a serem fornecidos pela indústria brasileira devem ser competitivos tanto em preço e qualidade, bem como deverão cumprir as especificações de projeto.

Dentro de cada área de comprar, a Navantia está criando um banco de dados de empresas brasileiras para o Prosuper,  realizando uma pesquisa para identificar quais empresas estão adequadas para participar do Programa.

É intenção da Navantia colocar a indústria local numa posição privilegiada frente aos concorrentes internacionais e promover uma relação de longo prazo, que irá além do Prosuper e abrirá uma ampla gama de oportunidades para fornecimento de equipamentos e materiais para negócios futuros com a Armada Espanhola e outras Marinhas.

Uma das metas a serem alcançadas com a incorporação de equipamentos brasileiros tanto quanto possível é a de garantir o máximo apoio para a manutenção dos navios para a MB durante seu ciclo de vida de 30 anos.

A Navantia espera assim que Brasil alcance a auto-suficiência e a capacidade de desenvolver seus próprios programas.

Foi apresentada uma lista gigantesca de itens que podem ser produzidos pela indústria local, para os três tipos de navios do Prosuper.

A estimativa aproximada de materiais nacionais para o Programa Prosuper (11 navios) é a seguinte:

  • Aço: 12.500 toneladas
  • Tubulação: 60.200 unidades
  • Isolamento: 56.000 m quadrados
  • Cabos elétricos: 1.238.000 m
  • Equipamentos: 1.850 unidades

A Lockheed Martin, por sua vez, destacou o gigantismo da companhia e do sistema Aegis, empregado em mais de 100 navios de guerra de 6 países. Foi destacada a capacidade de detecção e de engajamento do Aegis, que cobre desde a defesa contra mísseis balísticos, defesa de área até a defesa de ponto.

Foi salientada a maturidade do sistema, que vem sendo aperfeiçoado constantemente há 40 anos e que pode empregar mísseis Standard SM-2, SM-3, SM-6, ESSM, TLAM e VLA.

A LM apresentou as oportunidades de produção local de componentes do Aegis, que poderão incluir os consoles do Aegis, componentes da antena e do sistema VLS Mk41. A LM também disse que pode licenciar o projeto do console Next Generation Workstation para o Brasil.

A Lockheed Martin destacou o sucesso do trabalho efetuado na modernização dos submarinos classe “Tupi”, que estão recebendo um novo sistema de combate produzido pela companhia.

Durante a apresentação, a LM reproduziu num slide o post do site Poder Naval que noticiou o lançamento bem sucedido de torpedo Mk48 empregando seu sistema de combate AN/BYG 501 MOD 1D.

- Advertisement -

4 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
FCGV

Ou seja, os radares nao estao incluso no pacote de transferenciade tecnologia?

masadi45

No que se refere ao sistema AEGIS , ele estaria compatível em interegação à qualquer outro MAA? Acho que isso é o que mais pesa na proposta , é um sistema extremamente complexo e, caro. Li em umapublicação , que este sistema estaria paresentando problema de aquecimento na parte das antenas. Não sei se condiz com a realidade.
Mas seria ótimo tê-los e, absorver alguma tecnologia deste sistema.

Luiz Padilha

Será que a Navantia e a LM perderiam seu tempo, vindo ao Brasil para isso se não tivessem o que oferecer à MB no quesito em questão?
Pelo que conversei com eles, sim, teremos o que quisermos.
Apesar de alguns duvidarem. Alias, a MB parece que não se preocupou com a idoneidade deles, caso contrário, os sistemas novos da classe Tupi/Tikuna não seriam da Raytheon/LM.
É para pensar, nâo?

Mauricio R.

OFF TOPIC…

…mas nem tanto!!!

Parabéns pelos 50 anos, do comissionamento do USS “Big E”!!!

(http://defensetech.org/2011/11/09/dt-photo-tribute-50-years-of-the-uss-enterprise/)

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Quando o P-3AM Orion da FAB enfrentou um submarino nuclear

Imagine buscar um inimigo invisível em uma área de 2 mil quilômetros quadrados, equivalente a mais de 242 mil...
- Advertisement -
- Advertisement -