terça-feira, agosto 9, 2022

Saab Naval

‘Vikramaditya’ – novo porta-aviões da Marinha Indiana passa por testes no Mar Branco

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Até o fim do ano, o navio deve partir para a Índia

 

 

O cruzador porta-aviões pesado Admiral Gorshkov foi construído na cidade de Nikolaev no quadro do projeto 1143, iniciado em julho de 1970. A construção do quarto navio, da série “Baku”, futuro Admiral Gorshkov, começou oito anos depois.

A desintegração da URSS impediu os planos da modernização do porta-aviões, segundo os quais o navio deveria receber aviões sofisticados Yak-41. Em 1992, o Admiral Gorshkov passou por reparos. Em fevereiro de 1994, sofreu duas grandes avarias: um incêndio e uma explosão da tubulação de vapor. Já não se falava da possibilidade de colocar o navio em atividade novamente.

A possível venda do navio à Índia começou a ser discutida no fim dos anos 1990. Na mesma época, surgiram os planos de reformá-lo num porta-aviões clássico capaz de alojar de 20 a 25 aviões MiG-29. O contrato de venda do porta-aviões foi assinado em 2004. Segundo o documento, a Rússia comprometia-se por 1,5 bilhões de dólares a entregar à Índia o navio com os caças, além de preparar a tripulação. A Marinha indiana rebatizou o porta-aviões como Vikramaditya, um dos heróis históricos do país.

Na composição da Força Naval da Índia, o navio russo deve substituir o porta-aviões Viraat, antigo HMS Hermes britânico, construído em 1959, e comprado pela Índia em 1985. O Viraat, se for substituído pelo Admiral Gorshkov, terá cpmpletado 51 anos de serviço. O Admiral Gorshkov foi construído em 1987. Qual será o seu destino em 2038?

Ainda não há resposta para essa pergunta, mas já é evidente que hoje o navio seria um “coringa” de valor para a Marinha Indiana. O Admiral Gorshkov equipado com os MiG-29 garantiria supremacia à Força Naval da Índia em relação aos seus vizinhos, em primeiro lugar ao Paquistão, seu eterno oponente. Prém, não está claro o potencial frente aos navios chineses, que, além de um porta-aviões, atualmente desenvolvem um avião de caça próprio, nos moldes dos Su-33 adquiridos da Ucrânia.

Diante desse quadro, a única força naval que supera consideravelmente a Marinha Indiana na região seria a Marinha dos Estados Unidos. Mas ao mesmo tempo, os EUA precisam muito de apoio da India no caso da possível confrontação com a China.

Resta adivinhar de que lado estará o “coringa” indiano, e em que carta ele se transformará no final.

FONTE: Rádio Voz da Rússia

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
juarezth

Pessoal , qual a função da torre menor no convés ? Completamente fora do padrão que normalmente é visto em porta-aviões. Eu acredito as as operações de voô sejam muito mais arriscadas, principalmente durante o pouso. []s

Fernando "Nunão" De Martini

Torre menor no convés? No convés de voo? O que eu vejo na foto é um mastro atrás da ilha, ainda mais deslocado para boreste do que a própria ilha, a meio caminho entre esta e a popa. Não sei se é disso que você está falando, mas se for, ele é razoavelmente distante do eixo da pista em ângulo – para algum choque com o mesmo, a aeronave já iria bater na própria ilha, talvez. Fora isso, o que vejo de estranho é uma estrutura treliçada visível bem ali na área da rampa – mas esta é uma instalação… Read more »

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

USS Vella Gulf se torna o primeiro de cinco cruzadores da classe Ticonderoga a serem desativados este ano

Quase 29 anos atrás, o USS Vella Gulf (CG-72) estava nas águas ao redor de Norfolk, Virgínia, esperando para...
Parceiro

- Advertisement -