Home Sistemas de Armas A3SM – Defesa aérea para submarinos da MBDA/DCNS

A3SM – Defesa aérea para submarinos da MBDA/DCNS

241
8

A MBDA e a DCNS produziram o vídeo acima mostrando o sistema de defesa aérea para submarinos chamado A3SM Submarine Self Defence. O vídeo mostra dois sistemas. Um é baseado no míssil Mistral lançado de um container em um mastro. O container parece ter três mísseis. O outro é baseado no MICA lançado de um torpedo similar ao lançador do SM-39 Exocet. A versão superfície-ar tem alcance de 20 km.

O A3SM é considerado ideal para operações próximas ao litoral onde as possibilidades de escapar de helicópteros e aeronaves anti-submarinas é considerado mais difícil após o submarino ter sido detectado.

VEJA TAMBÉM:

8
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
joseboscojrCorsario137Marcelo Andradedaltonljcsleao Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Me corrijam os que entendem mais do assunto, submarinistas e oporadores de sonares de plantão, mas, o tempo de exposição dos mastros do sub e do próprio, tão perto da superficie, não é um pouco perigoso, pois, o navio tb deve ter detectado a sua presença, o que demandaria o lançamento de torpedos e cargas de profundidade?

jcsleao
Visitante
jcsleao

OFF TOPIC Publicado no jornal e no site O Globo hoje, 27/06/2013: “Coppe e Marinha juntas para equipar o primeiro submarino nuclear brasileiro LabSonar, no Fundão, ajudará a desenvolver tecnologias de defesa Cesar Baima Publicado: 27/06/13 – 6h00 Atualizado: 27/06/13 – 6h00 RIO – O fundo do mar é escuro, mas é muito barulhento. Chuvas, raios, peixes, baleias e navios, entre outros, enchem os oceanos de ruídos que podem se propagar por centenas de quilômetros. Assim, detectar, localizar, identificar e acompanhar os sons produzidos por embarcações inimigas e diferenciá-los dos barulhos naturais sem revelar a própria posição são capacidades fundamentais… Read more »

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Marcelo…

é difícil detectar submarinos mas não impossível principalmente em ocasiões quando o submarino por algum motivo tenha que operar próximo a superfície, seja coletando informações, envio de forças especiais à terra ,pouca profundidade para manobrar, etc.

Há mesmo investimento sendo feito em veículos não tripulados que irão dificultar ainda mais a vida dos submarinistas, então a proposta acima é oferecer ao submarino uma maior capacidade de sobreviver depois de ser detectado.

abs

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

ok Daltonl e obrigado! Realmente é uma briga de gato e rato.

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Apenas no caso do Mistral é que o sub tem que estar em cota periscópica onde se torna vulnerável a vários sensores, como por exemplo o radar (se estiver com algo acima do nível do mar) e o FLIR (principalmente no caso do snorkel). Nesse caso a aparição e o uso do Mistral tem que ser rápida, o que facilita devido ao fato do submarino já ter uma ideia da posição geral do helicóptero devido à detecção do barulho que o mesmo produz. Acima da camada termal um submarino ainda não é de todo vulnerável e pode se manter furtivo… Read more »

Corsario137
Visitante
Member
Corsario137

Bosco e daltonl,

Pelo que entendi ao ver o vídeo o submarino não dispõe de um radar para detectar a ameaça aérea. É no visual que eles fazem o lançamento? Daí o guiamento fica por conta da capacidade do míssil?

É um manpad naval?

Obrigado.

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Corsário, No caso do Mica (lançado pelo tubo de torpedo) o míssil não usa sequer o visual. O míssil é lançado na direção geral do alvo (no caso, o helicóptero) determinado pelos hidrofones do submarino (que escuta o barulho da aeronave e determina sua direção) e adquire o alvo no modo LOAL (trancamento após o lançamento), de forma autônoma, sendo guiado pela imagem térmica do alvo. Já no caso do Mistral o míssil só funciona no modo LOBL (trancamento antes do lançamento) e por isso deve ser lançado por um lançador que emerge e é apontado ao alvo. O Mistral… Read more »

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

O Mica lançado por submarino é completamente autônomo (fire and forget), diferente do IDAS (alemão), que embora seja baseado também num míssil ar-ar de 5ªG é dotado de um link por fibra ótica que permite ao operador dentro do submarino controlar o míssil e travar no alvo usando o modo “man-in-the-loop” (interferência humana). Por um lado o Mica é mais sofisticado já que opera no modo LOAL de forma autônoma, escolhendo sozinho seu alvo, o que sugere um maior nível de IA, por outro o IDAS parece ser mais flexível por manter um homem no “circuito” podendo intervir em qualquer… Read more »