Home Navios de Guerra Como conquistar a audiência para conhecer um navio-aeródromo? Pelo estômago!

Como conquistar a audiência para conhecer um navio-aeródromo? Pelo estômago!

940
14

Juan Carlos I - foto Armada Espanhola

Cozinha do navio-aeródromo ‘Juan Carlos I’ da Armada Espanhola serviu de cenário para programa de culinária

Em abril, o navio-aeródromo Juan Carlos I da Armada Espanhola recebeu uma visita inusitada: 15 participantes do programa “Masterchef” da TVE1, que enfrentaram o desafio televisivo de preparar a refeição de 200 membros da dotação do navio.

Obviamente, a oportunidade foi aproveitada pela Armada Espanhola para divulgar diversas características do navio, a começar da cozinha, onde normalmente trabalham 18 pessoas, fornecendo mais de 1.400 refeições diárias para atender aos diversos turnos de trabalho do pessoal embarcado, que normalmente é de 295 tripulantes mas que pode chegar a 1.435 pessoas, conforme o tipo de operação. O Juan Carlos I também dispõe de uma padaria que produz até 600 pães diariamente.

O uso do navio para projeção de força foi mostrado já na chegada dos participantes a bordo, em lanchas de desembarque anfíbio (LCM) que adentraram a doca da popa, mas também aproveitou-se para falar de sua capacidade de emprego em missões de ajuda humanitária, evacuação em zonas de crise e como hospital em zonas afetadas por catástrofes.

programa Masterchef a bordo do Juan Carlos I - foto Armada Espanhola

O Juan Carlos I tem 231 metros de comprimento e 58 de boca, com 5.445 metros quadrados de superfície dedicada a carga em três conveses: garagem de carga pesada para até 29 carros de combate e veículos diversos, além de contêineres de até 16 toneladas, que se conecta à doca para 4 embarcações LCM; garagem de carga ligeira para veículos como Hummer, Piranha, convés que também tem o hangar para até 9 jatos Harrier ou 8 helicópteros pesados; e, finalmente, o convés de voo, que dia e noite pode operar os helicópteros AB-212 da terceira esquadrilha, SH-3D da quinta esquadrilha, e jatos AV-8B Harrier II Plus da nona esquadrilha, podendo receber helicópteros de outras forças aliadas. O convoo possui no seu extremo de proa uma rampa com inclinação de 12 graus do tipo “Ski-Jump”.

Para acessar o vídeo do programa no site da TVE1 (no qual se pode ver várias partes do navio por dentro, com destaque evidentemente para a cozinha e o rancho), clique na imagem abaixo:

cena programa Masterchef a bordo do Juan Carlos I - TVE1

FONTE / FOTOS: Armada Espanhola (tradução e edição do Poder Naval a partir de original em espanhol)

VEJA TAMBÉM:

 

14
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
OBISMOMarcosdaltonlFernando "Nunão" De Martini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Magnífico o programa.
Parabéns para o programa e para a Armada Espanhola.

daltonl
Membro
Member
daltonl

Lá na US Navy fazem coisas parecidas também, como apresentação de cantore(a)s e mesmo jogos de basquetebol no convoo.

O que não gosto e terei que conviver com isso 🙂 é a vulgarização do termo Navio Aerodromo ou portaaeronaves como no texto original.

O Juan Carlos I é um LHD na terminologia da US Navy
ou Navio de Projeção Estratégica, BPE, como os próprios espanhois o denominam e para tanto utiliza a letra “L”
como indicativo de casco e não o “R” reservado a NAes.

daltonl
Membro
Member
daltonl

Concordo Nunão…por isso mesmo terei que “conviver” com
isso já que ao mesmo tempo que facilita a comunicação
desinforma, pois não basta um navio ter um convoo continuo para ser colocado na mesma liga de um NAe ou
NAeL.

É mais ou menos como os NAes de escolta da US Navy durante a II Guerra Mundial que tiveram desde o inicio uma
numeração própria, não seguindo a numeração dos NAes
de frota ou leves.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

O Brasil ficaria bem operando três LHD embarcados com F-35B. No todo ficaria muito mais barato adquiri-los e operá-los do que se meter a construir e manter um NAe com propulsão nuclear.

daltonl
Membro
Member
daltonl

O NAe substituto do NAeSP se de fato vier a ser adquirido
será convencional não nuclear.

MO
Membro

o Dalto tem razão agora qqr jaca eh Nae ….

daltonl
Membro
Member
daltonl

Nunão… mas todas as modificações e ou evoluções tinham como objetivo melhorar a capacidade de transportar, armar, abastecer, reparar, lançar e recuperar aeronaves e os navios anfibios são limitadissimos nesses quesitos. O conceito de navio anfibio operar com “aviaozinhum” não é novo, já no inicio dos anos 70 o USS Guam, um LPH, operou com harriers a bordo por exemplo. Os navios anfibios sempre serão anfibios em primeiro lugar e NAes limitadissimos em segundo lugar. Também para se pensar é sobre o F-35B…de fato deverá haver uma grande quantidade dele, mas a maior parte irá operar a partir de bases… Read more »

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Dalton,
Sem querer aproveitar da sapiência do amigo, mas já aproveitando rsrsrs, mas quantas toneladas de armamentos leva um Nimitz?
E quantos lançamentos de F-18 podem ser feitos por dia?
Obrigado!

daltonl
Membro
Member
daltonl

Bosco…

Até umas 3000 toneladas de armamento e 120 sortidas
diárias de combate, não no caso do Afeganistão hoje em dia claro,…mas…já foi comprovado que até o dobro pode ser conseguido em caso de necessidade, depletando mais rapidamente combustivel e armas a bordo.

abraços

OBIS
Visitante
OBIS

…. Fernando “Nunão” De Martini ….
-. Nome espanhol : BPE( Buque de Proyección Estratégica )
-. Nome Inglês : LHD( Landing Helicopter Dock )