quarta-feira, fevereiro 24, 2021

Saab Naval

Mísseis Hellfire que vão equipar os Littoral Combat Ship são aprovados em teste

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

ORD_Hellfire_Longbow_from_LCS-1_Concept_LMCO_lg

A Marinha dos EUA realizou em junho um teste de tiro real com os mísseis Hellfire que vão equipar os LCS – Littoral Combat Ship. O teste foi feito ao largo da Virginia, com mísseis Longbow Hellfire modificados que destruíram uma série de pequenos barcos simulando ameaça assimétrica.

Os mísseis destruíram 7 dos 8 alvos e foram disparados  do navio de pesquisas Relentless.

Os cenários do teste incluíram acertar os alvos nas distâncias máxima e mínima. Depois do acerto de um alvo estacionário, os alvos subsequentes, realizando manobras sinuosas, foram engajados. O teste terminou com o cenário de ataque surpresa de três alvos simultâneos, no qual o disparo em sequência dos mísseis acertou os três alvos.

A integração do sistema Longbow Hellfire, designado Surface-to-Surface Missile Module (SSMM), vai aumentar a letalidade dos LCS e deverá estar totalmente integrado aos navios no final de 2017.

150617-N-EW716-001
Três dos barcos queimam após serem engajados pelos Hellfire no teste

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JagderVband#44

Este sim é um patrulheiro de respeito.

Claudio Moreno

Senhores!

Pois bem, quem sabe com a reaproximação do Brasil com os Estados Unidos, possamos vislumbrar um acordo de compra e integração destes em nossos três Amazonas.
CM

Celso

A era dos gdes canhoes navais acabou de vez…..e nao demora muito ate mesmo os medios a partir de 76 mm…. ……..eh so engajar pelo monitor infra ou radar , apertar um botao e ja era. Sds

joseboscojr

Esse tipo de arma foi desenvolvido para se contrapor à tática de “enxames” empregada por alguns países para enfrentar um força tecnologicamente superior. O míssil Longbow tem o alcance certo (até 12 km) e é autoguiado por um radar de onda milimétrica que consegue “ver” o alvo em qualquer condição atmosférica, não sendo preciso nenhum tipo de “designação externa”, sendo do tipo “atire e esqueça”. O fato dele ser atire e esqueça é fundamental para se contrapor a tática de “enxame”, que usa dezenas de pequenas embarcações velozes, armadas com foguetes não guiados, RPGs, metralhadoras, canhões de pequeno calibre ou… Read more »

Lucio Satiro

E os canhões mais modernos ou futuristas, com munição guiada e alcance de dezenas de km ? A munição não seria mais barato que os hell fire ? E quanto às de lançamento eletromagnético ?

Lucio Satiro

Cito como exemplo ( mas em outro contexto) os canhões dos Zumwalt ( canhões de 155 mm/62)

Bosco

Lucio, Sem dúvida seria interessante se houvesse um projétil de canhão que fosse autônomo e com um seeker capaz de travar nesse tipo de alvo. Por exemplo, um projétil guiado por radar milimétrico ou por imagem térmica para canhões de 76 e 127 mm, e por que não, de 57 mm. Tudo bem que o canhão teria que conteirar e mudar a elevação para os diversos alvos, mas seria uma opção, só que esses projéteis não existem. Quem sabe no futuro?!! Há projéteis guiados disparados por canhões navais, de 76 mm e 127 mm (Dart, Vulcano, Excalibur N5), mas que… Read more »

Thauno

Preciso como sempre o mestre Bosco!

- Advertisement -

Posts mais comentados

EXCLUSIVO: Marinha estuda compra de caças F/A-18 Hornet ‘por oportunidade’

Por Roberto Lopes* O assunto emergiu na manhã da sexta-feira, 10, durante a cerimônia de troca de comando na Diretoria...
- Advertisement -
- Advertisement -