1280px-USS_DAVIDSON_(FF-1045)
Fragata USS Davidson (FF1045), que no Brasil foi rebatizada como Contratorpedeiro Paraíba (D28)

Na década de 90 a Marinha do Brasil (MB) viu-se numa encruzilhada: seus contratorpedeiros das classes Fletcher, Allen M. Sumner e Gearing recebidos na década de 70 estavam sendo desativados e a construção das corvetas classe “Inhaúma” que previa 16 navios, ficou somente em 4 unidades.

A solução encontrada pela MB na época foi adquirir 4 fragatas classe “Garcia” desativadas pela U.S. Navy (foto acima).

No século XXI, depois das tentativas de se construir navios de guerra no Brasil, o expediente deve se repetir, com a aquisição de navios usados.

A escolta mais nova da Esquadra brasileira é a corveta Barroso, que demorou 14 anos para ser construída. Em comparação, a China constrói 8 corvetas Type 056 por ano!

A Esquadra brasileira encontra-se atualmente em situação bem mais difícil, seus navios estão mais velhos e no mercado internacional existem poucas opções de usados. Em setembro, a MB deve desativar a fragata Bosísio (F48) e, em 2016, a fragata Niterói (F40).

Como agravante temos uma crise política e econômica no país que tão cedo não será resolvida e os planos de construção de novos navios para a Marinha não têm previsão de serem colocados em prática.

O Comandante da Marinha do Brasil está visitando os EUA e pode voltar com novidades para solucionar o grave problema da Esquadra. Pelo jeito, a história pode se repetir com a compra de 4 fragatas dos EUA, desta vez navios da classe “Oliver Hazard Perry” – OHP.

DN-ST-91-05246
Fragata Oliver Hazard Perry FFG-7

As fragatas OHP não têm mais o lançador de mísseis Mk.13 da proa, mas mesmo assim são navios que podem operar com os novos helicópteros Sikorsky Seahawk SH-16. Além disso, empregam a turbina LM2500 que também é usada nas corvetas classe Inhaúma e Barroso.

A transferência de 4 fragatas OHP à MB permitiria a desativação das três corvetas classe “Inhaúma” que estão paradas há muito tempo e que dificilmente voltarão a operar a contento.

Por outro lado, as OHP poderiam dar à Esquadra mais um fôlego até a chegada das corvetas classe “Tamandaré” e das fragatas do programa Prosuper, se este vier mesmo a se concretizar.

Fragatas OHP atracadas
Fragatas OHP desativadas aguardando compradores

 

Na tabela abaixo pode-se ver o status das fragatas OHP construídas nos EUA, entre as quais algumas estão disponíveis para transferência.

Nome da fragata IndicativoVisual Construtor Comissionamento–Descomissionamento Destino
Oliver Hazard Perry FFG-7 Bath Iron Works 1977–1997 Inutilizada para desmanche, 21 de abril de 2006
McInerney FFG-8 Bath Iron Works 1979–2010 Transferida ao Paquistão como PNS Alamgir (F-260)
Wadsworth FFG-9 Todd Pacific Shipyards (Todd), San Pedro 1978–2002 Transferida à Polônia como ORP Gen. T. Kościuszko (273)
Duncan FFG-10 Todd, Seattle 1980–1994 Transferida à Turquia para sobressalentes
Clark FFG-11 Bath Iron Works 1980–2000 Transferida à Polônia como ORP Gen. K. Pułaski (272)
George Philip FFG-12 Todd, San Pedro 1980–2003 Descomissionada para ser desmanchada, em 24 de maio de 2004
Samuel Eliot Morison FFG-13 Bath Iron Works 1980–2002 Transferida à Turquia como TCG Gokova (F 496)
Sides FFG-14 Todd, San Pedro 1981–2003 Descomissionada para ser desmanchada, em 24 de maio de 2004
Estocin FFG-15 Bath Iron Works 1981–2003 Transferida à Turquia como TCG Goksu (F 497)
Clifton Sprague FFG-16 Bath Iron Works 1981–1995 Transferida à Turquia como TCG Gaziantep (F 490)
construída para a Austrália como HMAS Adelaide FFG-17 Todd, Seattle 1980–2008 Desativada e afundada para servir de recife artificial, 13 de abril de 2011
construída para a Austrália como HMAS Canberra FFG-18 Todd, Seattle 1981–2005 Desativada e afundada para servir de recife artificial, 4 de outubro de 2009
John A. Moore FFG-19 Todd, San Pedro 1981–2000 Transferida à Turquia como TCG Gediz (F 495)
Antrim FFG-20 Todd, Seattle 1981–1996 Transferida à Turquia como TCG Giresun (F 491)
Flatley FFG-21 Bath Iron Works 1981–1996 Transferida à Turquia como TCG Gemlik (F 492))
Fahrion FFG-22 Todd, Seattle 1982–1998 Transferida ao Egito como Sharm El-Sheik (F 901)
Lewis B. Puller FFG-23 Todd, San Pedro 1982–1998 Transferida ao Egito como Toushka (F 906)
Jack Williams FFG-24 Bath Iron Works 1981–1996 Transferida ao Bahrain como RBNS Sabha (FFG-90)
Copeland FFG-25 Todd, San Pedro 1982–1996 Transferida ao Egito como Mubarak (F 911), rebatizada Alexandria em 2011
Gallery FFG-26 Bath Iron Works 1981–1996 Transferida ao Egito como Taba (F 916)
Mahlon S. Tisdale FFG-27 Todd, San Pedro 1982–1996 Transferida à Turquia como TCG Gokceada (F 494)
Boone FFG-28 Todd, Seattle 1982–2012 Descomissionada para ser desmanchada, 23 de fevereiro de 2012
Stephen W. Groves FFG-29 Bath Iron Works 1982–2012 Descomissionada para ser desmanchada, 24 de fevereiro de 2012
Reid FFG-30 Todd, San Pedro 1983–1998 Transferida à Turquia como TCG Gelibolu (F 493)
Stark FFG-31 Todd, Seattle 1982–1999 Descomissionada para ser desmanchada, 21 de junho de 2006
John L. Hall FFG-32 Bath Iron Works 1982–2012 Descomissionada para ser desmanchada, 9 de março de 2012
Jarrett FFG-33 Todd, San Pedro 1983–2011 Descomissionada para ser desmanchada, 26 de maio de 2011
Aubrey Fitch FFG-34 Bath Iron Works 1982–1997 Descomissionada para ser desmanchada, 19 de maio de 2005
construída para a Austrália como HMAS Sydney FFG-35 Todd, Seattle 1983- Em serviço ativo (Royal Australian Navy)
Underwood FFG-36 Bath Iron Works 1983-2013 Descomissionada para ser desmanchada, 8 de março de 2013
Crommelin FFG-37 Todd, Seattle 1983-2012 Descomissionada para ser desmanchada, 26 de outubro de 2012
Curts FFG-38 Todd, San Pedro 1983-2013 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 25 de março de 2013
Doyle FFG-39 Bath Iron Works 1983-2011 Descomissionada para ser desmanchada, 29 de julho de 2011
Halyburton FFG-40 Todd, Seattle 1983-2014 Descomissionada, 6 de stembro de 2014
McClusky FFG-41 Todd, San Pedro 1983-2015 Descomissionada, 9 de janeiro de 2015
Klakring FFG-42 Bath Iron Works 1983–2013 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 22 de março de 2013
Thach FFG-43 Todd, San Pedro 1984-2013 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 1 de novembro de 2013
construída para a Austrália como HMAS Darwin FFG-44 Todd, Seattle 1984- Em serviço ativo (Royal Australian Navy)
De Wert FFG-45 Bath Iron Works 1983-2014 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 4 de abril de 2014
Rentz FFG-46 Todd, San Pedro 1984-2014 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 9 de maio de 2014
Nicholas FFG-47 Bath Iron Works 1984-2014 Descomissionada para ser desmanchada, 17 de março de 2014
Vandegrift FFG-48 Todd, Seattle 1984-2015 Descomissionada, 19 de fevereiro de 2015
Robert G. Bradley FFG-49 Bath Iron Works 1984-2014 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 28 de março de 2014
Taylor FFG-50 Bath Iron Works 1984- Descomissionada em maio de 2015
Gary FFG-51 Todd, San Pedro 1984- Descomissionada em agosto de 2015
Carr FFG-52 Todd, Seattle 1985-2013 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 13 de março de 2013
Hawes FFG-53 Bath Iron Works 1985–2010 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 10 de dezembro de 2010
Ford FFG-54 Todd, San Pedro 1985-2013 Descomissionada para ser desmanchada, 31 de outubro de 2013
Elrod FFG-55 Bath Iron Works 1985-2015 Descomissionada, aguardando venda militar estrangeira, 30 de janeiro de 2015
Simpson FFG-56 Bath Iron Works 1985- Em serviço ativo, para ser descomissionada em agosto de 2015
Reuben James FFG-57 Todd, San Pedro 1986-2013 Descomissionada para ser desmanchada, 30 de agosto de 2013
Samuel B. Roberts FFG-58 Bath Iron Works 1986- Em serviço ativo, para ser descomissionada em maio de 2015
Kauffman FFG-59 Bath Iron Works 1987- Em serviço ativo, para ser descomissionada em setembro de 2015
Rodney M. Davis FFG-60 Todd, San Pedro 1987-2015 Descomissionada em 23 de janeiro de 2015, programada para desmanche
Ingraham FFG-61 Todd, San Pedro 1989-2014 Descomissionada em 12 de novembro de 2014

118
Deixe um comentário

avatar
114 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
45 Comment authors
Ricardo De RoterdammarujoLuiz MonteiroAiracobraAêdo Rocha Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Douglas
Visitante
Douglas

Sou Radicalmente contra.

O custo de operação e manutenção; e logo vão aparecer os defensores da modernização; vai sugar mais recursos das Tamandaré.

Prefiro aguentar a secura e ter um projeto de corvetas pesadas bem robusto, ainda que a flotilha, i.e., esquadra fique prejudicada por uns 6 anos. alias, só temos esquadra, i.e., flotilha, no papel, não é verdade?

Como tenho dito aqui, as Tamandaré são a esperança do renascimento da MB.

Em paralelo deveríamos manter e acelerar o programa de navios patrulhas costeiros e oceânicos.

Sobre os subs,,, bem,,,,,, não sei…. há uma enorme nuvem negra no ar.

Douglas Schuindt
Visitante
Douglas Schuindt

Meu Deus. Essas devem estar só na capa! E sem parte do armamento ainda. Pouco a pouco a MB vai se tornando uma força formadora de doutrina em todos os níveis imagináveis.

Gabriel
Visitante
Gabriel

Esse negócio de nacionalizar tudo sempre deu errado e sempre dará errado ….a história é testemunha de que nossas empresas não tem competência para tocar esse tipo de projeto ,nosso orçamento não permite a criação de uma indústria bélica naval e as condições de produção são extremamente desfavoráveis e caras.

Danilo José
Visitante
Danilo José

Seria possível recolocar os lançadores de volta, ou lançadores novos ou essa opção não existe, os navios virão no estado que se encontram ?

Juarez
Visitante
Juarez

Agora eu fiquei “boiando”, a MB não está fazendo um PMG na Julio de Noronha?
Presumo que continuaria por mais algum tempo na ativa, já a Inhauma e a Jaceguay não sei.
Sempre acreditei que na vinda de escoltas de segunda mão, estes substituíriam as T 22 ainda na ativa e que devem estar com problemas de reposição de peças em função do desmantelamentos das batch III Inglesas.

Se os editores estiverem corretos na informação ficariam então cinco Niteroi, a Julio de Noronha,a Barroso, as duas T 22 restantes e as quatro OHPs, dando um total de 13 escoltas

Grande abraço

Juarez
Visitante
Juarez

Douglas,as Tamandarés nem no papel prontas estão, a tal VARD está na lista da Lava jato, junto com o prefeito de Niteroi-RJ, e ainda, quanto vai custar cada Tamandaré com sistemas de combate embarcados?

Chuto por baixo, 350 a 400 milhões de dólares vezes quatro, são mais 1,6 bilhões de dólares, nos próximos cinco anos pode esquecer.

Até talvez sobrem seis escoltas e olhe lá, então, não tem saída, são as OHP “de grátis” ou nada.

Grande abraço

Roberto_A
Visitante
Roberto_A

Tenho quase certeza que nunca verei uma Type 23 Duke Class na MB, como são lindas essas tipo 23 da Royal Navy. Quanto a classe Inhaúma, tudo que podia dar errado…. deu! chegaaaa! NAe SP para a Índia já… chega de lata velha… OHP? desdentadas! mero patrulha oceânico. Já nem sei qual rumo o almirantado toma…

Juarez
Visitante
Juarez

Eu, mesmo sendo um ignorante naval confesso, discordo do amigo. O simples fato de das OHPs propiciarema utilização do SH 60 na sua plenitude operacional fará a diferença, pois hoje temos seis células SH no HS 1 e nenhuma escolta capaz de abriga-los. Sem contar que teríamos um sonar excelente, um radar 3 D e um canhão que consegue dar 20 tiros sem emperrar o mecanismo, om bom despistador de torpedos, coisa que nenhum escolta da MB tem hoje. Bom, a ausência do Mk 13 poderia ser suprida com a instalação de lançadores de MM 40 a serem retirados das… Read more »

john paul jones
Visitante
john paul jones

Eu cantei essa pedra e noticia aqui ontem no Dia das Operações …. Esse Galante lê os meus pensamentos rs rs rs Ainda estou apostando nas Arleigh Burke porque a MB é inflacionada …. ha ha ha Concordo com tudo que foi dito acima e de ambos os lados …. Varder é Ficantieri e tb tá enrolado até o pescoço com a Lava Jato e o Mantega …. Mas a minha opinião final é de um “Pensador Naval: “mais vale mais um peitinho na mão que dois no sutiã”, assim que venham as OHP ou as AB para alegrar esta… Read more »

Narciso
Visitante
Narciso

Esse almirantes megalomaníacos e suas atrapalhadas! Destruíram a esquadra do presente para que ”talvez”, ”talvez” tivéssemos uma esquadra decente no futuro. No Brasil do PT não existe futuro, esses ”sábios” almirantes não enxergaram essa obviedade, acreditaram em Lula e Dilma, se deram muito mal.

john paul jones
Visitante
john paul jones

Em tempo, será uma honra a DDG 53 John Paul Jones operando na MB !!! ha ha ha ha

Luciano Meron
Visitante
Luciano Meron

Elas viriam com o Phalanx?

Juarez
Visitante
Juarez

Sim, ele não foi retirado.

Grande abraço

Delfim
Visitante
Delfim

Off Topic – Dilma assinou com Merkel acordo de manutenção dos subs classe Tupi, a vingança da Alemanha.

ww.defesanet.com.br/br%20de/noticia/20117/BR-DE—Na-Agenda-Missoes-de-Paz–VANTs–Submarinos-e-Carros-de-Combate/

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

A menos que as Inhaúmas sejam uma grande porcaria, deveriam passar por um PMG decente e voltar a navegar, dado que são navios “novos” para os padrões da MB.

E nem me venham com essa de que não tem dinheiro, pois isso é trocado perto do que a MB gasta com coisas bem mais inúteis, como o NAe SP, os “aviãozinhus do deserto” e etc.

Agora se elas realmente não prestam, melhor transformá-las em pontos turísticos para mergulhadores.

GUSTAVO (@MILHOLI)
Visitante
GUSTAVO (@MILHOLI)

O Brasil deveria procurar a Coréia e outros países asiáticos para comprar 5 corvetas e 5 fragatas novas e produzidas no exterior. Assim além de entregar mais rápido e ficar mais barato, o país poderia fazer um financiamento externo com o governo do país que fornecer os navios, como fez com os caças suecos.

O ideal seria fechar com a Coréia e tentar compra ainda 2 Makassar.

BJJ
Visitante
BJJ

Em relação as OHP:

– poderíamos mudar o canhão de 76 mm para a proa, onde ficava o MK-13.

– instalar um lançador MK-29/Albatros para os Aspide-2000 acima do hangar.

Dependendo dos custos, como solução tampão até que serviria…

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Se for este o caminho que será adotado pela MB, então compra as 9 que estão disponíveis na tabela apresentada, complementa com umas 3 AB e aposenta tudo (Niterois, Inhaúmas e T22s) padronizando a MB.

Depois se pensa nas Tamandarés, ProSuper, etc…. primeiro operacionalidade de meios, depois renovação.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Uma pergunta, as unidades finais (da 56 a 61) também serão colocadas a venda ? Elas são bem mais novas e devem ter uma maior vida útil.

Jr
Visitante
Jr

Bozzo não da para comprar as nove, a Curts FFG-38 foi prometida para a marinha mexicana, já a Carr FFG-52 e a Elrod FFG-55 foram prometidas para a marinha de Taiwan

Jr
Visitante
Jr

Bozzo a Taylor (FFG-50) e Gary (FFG-51) também já foram prometidas para a marinha Taiwanesa assim como a McClusky (FFG-41) foi prometida para a marinha méxicana, resumindo o congresso americano aprovou: duas OHP para a marinha mexicana Curts FFG-38 e McClusky FFG-41 e quatro OHP para Taiwan Taylor FFG-50, Gary FFG-51, Carr FFG-52 e Elrod FFG-55.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Jr, então sobram 3 das marcadas na tabela e as FFG-56 até 61 ?
Pois sem estas últimas não dá pra comprar nem as 4 comentadas…

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Refazendo, ainda sobram 12 unidades descomissionadas ou a serem….

Mauricio R.
Visitante

E a MB fez por merecer, parabéns e bem feito!!!!
Bravo deu Zebra!!!
A Wikipédia diz que são 2 p/ o México, 2 p/ a Tailândia e 4 p/ Taiwan.

Mauricio R.
Visitante

“Sem contar que teríamos um sonar excelente, um radar 3 D e…”

Juarez,

Se o radar for o AN/SPS-49, então é um radar 2D em banda L.

Mauricio R.
Visitante

No VLS Mk-41 é possível acomodar o míssil Sea Sparrow,
se bem que qnto menos mexer, melhor.
Não temos a engenharia necessária e nem o dinheiro p/ isso.
Isso pq algum tempo atrás escrevi que deveríamos canibalizar as FCN e instalarmos o que fosse possível em eventuais cascos FFG-7.

Jr
Visitante
Jr

Mauricio R. as duas OHP que foram oferecidas para a Tailândia a Rentz FFG-46 e a Vandegrift FFG-48 não foram aprovadas pelo congresso americano por causa o golpe de estado que ocorreu naquele país, portanto ambas ainda devem estar disponíveis se ainda não foram para algum ferro velho para ser desmanchadas.

Bozzo não tem como sabermos se todas essas que ainda vão ser descomissionadas vão ser postas para alienação.

Bardini
Visitante
Bardini

Se vier, vai ser tudo por conta da MB. Mas acho difícil. Não sou totalmente a favor, mas na atual situação é melhor do que nada. Agora, pro elefante branco das profundezas, nas palavras de um professor envolvido com o projeto e que tive o prazer ser aluno: “os caras tem carta branca”. Se vier qualquer coisa para tapar buraco (e sempre vem), deveriam aproveitar este folego a mais e o bom momento com os alemães e fazer uma consultoria a respeito das Tamandarés (ou com qualquer outra nação que entende realmente do riscado), não com o intuito de criar… Read more »

marujo
Visitante
marujo

A impresão que tenho é q

marujo
Visitante
marujo

A impressão que tenho é que as OHP estão sendo negociadas há mais tempo e que a visita do CM aos EUA é só para chancelar o negócio. Com tantas desincorporações de escoltas previstas, a vinda das americanas é a solução natural para a manutenção da esquadras.

Kleber
Visitante
Kleber

O importante agora seria comprar todos os navios dessa classe que estejam disponíveis, principalmente os descomissionados neste ano para patronizar o rejuvenescer a frota.

JagderVband#44
Visitante
JagderVband#44

Sucata por sucata, viva a USN!
Americanus malditus, sempre nos dando um pratinho de sopa!

Sds.

Juarez
Visitante
Juarez

Bardini, tudo que tu escreveu faz sentido, mas o starter para começar depende de reformas estruturais:

Tributária
Trabalhista
Logística

Caso contrário, a Tamandaré vai custar mais caro que uma Ticonderoga.

Grande abraço

PS Desulpe os erros de escrita porque o smart não para brucutus digitais como eu

Dalton
Visitante
Dalton

“Bozzo não tem como sabermos se todas essas que ainda vão ser descomissionadas vão ser postas para alienação.” JR… Restam apenas 2 OHPs comissionadas na US Navy que serão descomissionadas em setembro, as USSs Kauffman e Simpson esta última originalmente seria descomissionada em agosto, o quadro não está atualizado, e ambas serão colocadas à venda. Além destas duas um total de 8 OHPs foram descomissionadas somente de janeiro para cá e com exceção de duas que serão desmanteladas, “Ingrahan” e “Samuel B.Roberts” as restantes também foram postas à venda. Em suma, da lista de OHPs descomissionadas e a serem descomissionadas… Read more »

claudio quadros
Visitante
claudio quadros

Como ta caro navio novo vamos seme novo estes navios melhora nossa marinha sera eles tem porta avioes para vende tb podemos troca sao paulo troca . Vejo muita gnt criticando USA mas eles segunda guerra nos ajudou renovando nossa frota estava toda fundo do mar que venha mais navios americanos se fo de graca melhor ainda que sab eles nos doar estes navios

JP
Visitante
JP

Creio que MB não seja muito fã das OHP pelo fato de serem COGAG, se as OHP’s vierem serão mais navios parados no AMRJ. Do ponto de vista operacional, acho que não irá mudar muita coisa com elas vindo pra cá, pois o alto custo de operação/manutenção vai fazer elas ficarem paradas e as niteróis continuarão segurando o piano nas comissões.

Emidio Mattos
Visitante
Emidio Mattos

Que me perdoem alguns amigos. Mas o problema não é a falta de dinheiro e sem falta de vergonha na cara de todos nós. Como temos visto, milhões e milhões de reais estão indo pro ralo, via corrupção, ganância, falta de patriotismo, etc e nós que sustentamos esta terra de meu Deus, somos os culpados por isto. Dinheiro aqui não falta, mas esta indo tudo pro lugar errado. Temos dinheiro para todos os projetos. Concordam???

HMS_TIRELESS
Visitante
HMS_TIRELESS

Se existe um culpado pela atual situação de penúria da MB, é a própria MB na figura de seu almirantado megalomaníaco. Apostaram todas as fichas, inclusive aqueles que não tinham, no PROSUB iludidos com as promessas do Lulopetismo de que não faltaria dinheiro quando na verdade, e tendo em vista os desdobramentos da operação lavajato, o PROSUB foi mais uma forma de o Lulopetismo e seus asseclas empreiteiros se locupletarem às custas do erário. Ou seja, a MB teria sido usada. E se deixou usar.

Jorge Tadeu
Visitante
Jorge Tadeu

Infelizmente, perdemos o rumo outra vez… Graças ao almirantado que adora rapapés e acepipes, regados a whisky 12 anos e, outras coisinhas mais, vamos ver a “mais antiga”, se tornar apenas e tão somente uma “guarda costeira”, isto é, se houver dinheiro para tanto… Sem uma reforma administrativa, que reduza o número de oficiais superiores inúteis e, cargos dispendiosos e inúteis em empresas que pouco ou nada produzem como a “Emgeprom e Amazul”, por exemplo, veremos a defesa do país nesse estado lastimável. Falta recurso, sim falta! Mas, o que temos é mal administrado e acaba desperdiçado com a manutenção… Read more »

Ferreras
Visitante
Ferreras

Caso as mesmas sejam adquiras, em quanto tempo elas estariam operando na MB? E qual vida útil estimada delas?

Sebastião Martim
Visitante
Sebastião Martim

Concordo com o amigo Gabriel Esse negócio de nacionalizar tudo sempre deu errado e sempre dará errado ….a história é testemunha de que nossas empresas não tem competência para tocar esse tipo de projeto ,nosso orçamento não permite a criação de uma indústria bélica naval e as condições de produção são extremamente desfavoráveis e caras. Ja participei de incorporação de navio no Estados Unidos, fui fzer curso de Caldeira super carregada, Automação e turbinas em Craft Life USA, os navios ficam encostado e bem coservados fui pegar 1 navio fragatas classe “Garcia” USS SAMPLE FF-1048 chegamos ao Brasil o nosso… Read more »

claudio quadros
Visitante
claudio quadros

Se vim deve entra operacao inicio do ano que vem ficaram 18 anos operacao

jurandir
Visitante
jurandir

Alguem saberia dizer se existe bonus para comandar navios?
Isso explicaria algumas coisas.

XO
Visitante
XO

Jurandir, quem está no cargo de Comandante ou Diretor recebe uma parcela a mais, no valor de 10% do soldo… somente durante o exercício do cargo…
Acho que só isso não explicada nada, seja o que você pensou, meu caro…

Carlos Crispim
Visitante
Carlos Crispim

Elas virão sem o lançador de mísseis???? Então continuaremos sem defesa AAe de área? Meus Deus, a defesa AAe será feita spenas pelo Phalanx???? Eu sou a favor da OHP, sempre fui, mas com lançador de mísseis, sem ele a fragata é desdentada, esses caras fumam muito bagulho, ou, como disse o colega acima, é muito camarão e whisky na barriga desses almirantes.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

E as Maestrales italianas?

jurandir
Visitante
jurandir

Muito obrigado XO. Aonde eu trabalho o comando recebe a mais no posto. quando mais postos mais dimdim. independente das condiçoes das mesmas.Eu tenho certeza que em relaçao a MB a coisa e diferente.

Ferreras
Visitante
Ferreras

Prezado claudio quadros.

Muito obrigado!

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Numa hipotética aquisição de fragatas OHP (a qual não acho a melhor opção, mas também não é tão ruim), há que se pesar a necessidade de ter um sistema de defesa aérea com mísseis pois, mesmo sendo um eventual tapa-buraco, é inaceitável em plena segunda década do século XXI ter um navio de escolta que não possa escoltar seus escoltados contra ataques vindo do ar. Já que tiveram seus lançadores Mk13 retirados do convés de proa, e não há lógica em recolocar algo que foi descontinuado, o caminho que considero mais interessante para instalação de um sistema de mísseis antiaéreos… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Já uma eventual instalação de lançadores de MM40 Exocet, a posição ideal seria a adotada por Taiwan, a meu ver, entre os dois mastros treliçados:

http://2.bp.blogspot.com/-e-Hnk6vzHfk/UkmiJCQGPNI/AAAAAAAABHk/q6nJ2TaNgao/s1600/1106(1).jpg

Bosco
Visitante
Bosco

O que a MB poderia fazer no caso de adquirir algumas Perrys seria remover o Phalanx e colocar no lugar um SeaRAM e pronto. O armamento ficaria: 1 Compact de 76 mm (salvo engano a MB já adota a munição no Parnaíba (resta saber se é compatível); 2 lançadores triplos de torpedos leves Mk-46; 1 Mk-38 Mod 2 (já adotamos o calibre nas Amazonas; 1 Sea Hawk armado com Penguin (já temos). 1 SeaRAM (seria a novidade, mas talvez pode-se aproveitar até a plataforma do Phalanx, o que reduziria os custos de integração). Teríamos um navio com uma “pegada” antinavio… Read more »

JapaMan
Visitante

Boa tarde Senhores!

Alguém saberia dizer qual o valor unitário das Perry e das Burke?

E quantas Burke estariam dispoíveis.

Sds,