Home Navios de Guerra Vídeo: ataque naval russo contra alvos na Síria

Vídeo: ataque naval russo contra alvos na Síria

10403
31

frota russa disparando contra o EI

O Ministério da Defesa russo divulgou vídeo mostrando o lançamento de mísseis de cruzeiro (3M-54 Kalibr ou SS-N-27A” Sizzler pela nomenclatura da OTAN) a partir de suas unidades navais navegando no Mar Cáspio.

O míssil 3M-54 Kalibr possui variantes para emprego a partir de submarinos (convencional ou nuclear) e unidades de superfície. Dentre estas últimas o míssil é empregado pelas corvetas da classe Gremyashchy, o segundo lote das corvetas classe Buyan, as fragatas classe Admiral Gorshkov e classe Admiral Grigorovich.

Mais de 600 mortos

“No dia 20 de novembro a frota do Mar Cáspio lançou 18 mísseis de cruzeiro contra sete alvos localizados nas províncias de Raqqa, Idlib e Aleppo. Todos os alvos foram atingidos com sucesso”, informou o ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu.

Ainda segundo Shoigu, o Estado Islâmico sofreu perdas consideráveis em função da ofensiva russa, acrescentando que o fluxo de terroristas para a Síria foi reduzido e muitos deles estão abandonando o campo de batalha.

Nos últimos quatro dias a Força Aérea Russa executou 522 missõe de combate, lançando mais de 100 mísseis de cruzeiro e 1.400 toneladas de bombas de tipos diversos.

O ministro também acrescentou que os ataques múltiplos com mísseis de cruzeiro na província de Deir ez-Zor matou mais de 600 militantes.

COLABOROU: leo

Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alex
Alex
4 anos atrás

Estou enganado ou esses disparos navais são menos precisos que os aéreos, causando assim mais baixas civis não desejadas?

Gustavo Borges
4 anos atrás

Bonito de se ver. Mais belo deve ser quando esses mísseis caem nas cabeças dos terroristas.

donitz123
4 anos atrás

Só falta agora os russos lançarem alguns a partir de seus submarinos.

Delmo Almeida
Delmo Almeida
4 anos atrás

Alex, não existe relação direta, depende da precisão do equipamento e das informações. O navio não consegue “ver” o alvo, alguém precisa fazer isso e “dizer” pra ele onde está. Em um míssil de cruzeiro lançado por avião o sistema é normalmente o mesmo. Bombas e mísseis inteligentes (muitas vezes com alcance próximo ao de mísseis de cruzeiro de gerações mais antigas), podem ser orientados por um Pod designador de alvos, mas isso não torna o ataque necessariamente mais preciso. Também devemos lembrar que a comparação deveria ser entre sistemas equivalentes, o que não é o caso nesse último exemplo.

soldat
4 anos atrás

Fantástico…….Graças aos deuses existem os Russos…..pra cima deles Urso……..

Iväny Junior
4 anos atrás

Qual foi o vetor lançador? Impressionante.

lacerdinha
4 anos atrás
lacerdinha
4 anos atrás

Su-30SM fighters met and escorted Tu-160s,
https://youtu.be/Ja_kvsngEFI

Eduardo Primo de Souza
4 anos atrás

A frequência dos disparos parece maior que a dos Tomahawks. Curioso o numero de mortos citado sem menção a civis ou colaterais. Eles usaram DM-30 na cidade de Jobar e ficou por isso mesmo, e olha que parecem ter sido SDBs => https://www.youtube.com/watch?v=IXg3joI0n8c

Dalton
4 anos atrás

Ivany…

o navio mais próximo é a corveta Dagestan classe Gepard e os mais afastados são corvetas classe Buyan M, no total foram 4 navios, 3 sendo Buyan M.

abraços

kfir
kfir
4 anos atrás

http://thediplomat.com/2015/11/china-is-on-high-alert-for-japans-intervention-in-south-china-sea/

China is on ‘High Alert’ for Japan’s ‘Intervention’ in South China Sea
Abe says Japan would consider patrols in the South China Sea, China isn’t too happy about the suggestion.

Kolchak
Kolchak
4 anos atrás

o ano novo começou mais cedo para o ISIS.

BrancoF-16
4 anos atrás

É uma demonstração de força que poucos países no mundo podem fazer. Nessa hora fica claro os que podem e tem peso para discutir em uma mesa, o resto como nós só observa.
Espero que em algum momento do futuro o Brasil posa ter para sua defesa, porem sem ter a necessidade de utilizar estes meios.

Carlos Crispim
Carlos Crispim
4 anos atrás

BrancoF-16, bota momento futuro nisso!! O Brasil ainda está lutando contra a praga da corrupção, ainda nem estamos no nível de apoiar a onda contra o terrorismo, pois os maiores terroristas estão no governo, retrocedemos décadas, voltamos a ser um país agrícola, dívidas bilionárias estão sendo roladas pra frente, essa turma aí conseguiu acabar com o futuro dos nossos filhos e netos, a defesa do Brasil vai ser sempre isso que temos hoje, equipamentos velhos ou recauchutados, não acredito que nos próximos 50 anos vai melhorar, nem com o Gripen, pois já acho ultrapassado, nasceu com design obsoleto, o futuro… Read more »

Nonato
Nonato
4 anos atrás

Alguém falou em precisão. Não acredito que esses mísseis sejam guiados a laser (fase final, claro pois não voariam 2.000 km montado num feixe de laser).
Deve ser tudo por satélite.
E a precisão acredito que dependa da qualidade do sistema de satélite (glonass?) E da manobrabilidade do míssil. Viajar 2 mil km a 800 km/h é conseguir “aterrissar” sem nenhum erro ou com erro de 5, 10 m ja é uma façanha.
Como eles fazem isso? Há asas que orientam o míssil a baixar? O motor para de funcionar repentinamente?

BrancoF-16
4 anos atrás

Carlos Crispim
BrancoF-16, bota momento futuro nisso!! risos kkkkkk
infelizmente é verdade, eu apenas espero que sim, mais de fato é difícil crer que mudara a tal ponto.

Bosco
4 anos atrás

Nonato, Alex e Delmo, Mísseis de cruzeiro “navegam” até o alvo utilizando o sistema inercial, com apoio de satélite (GPS, Glonass, Galileo) e eventualmente por um sistema de referência terrestre (TERCOM ou TERPRON), hoje em desuso frente à navegação por satélite. Pode ser que só esses sistemas de “navegação” de médio curso sejam suficientes para determinados tipos de alvos, não precisando de refinamento na fase terminal. Havendo necessidade de refinamento da “mira” aí é que entra os sistemas de orientação terminal autônomos, como por exemplo o DSMAC ou o IIR. Também se faz necessário um sistema de orientação terminal quando… Read more »

Bosco
4 anos atrás

Se nós, simples mortais, temos acesso ao Google Maps, podendo determinar as coordenadas geográficas e obtendo a imagem dos mais diversos sítios da Terra, imaginem o que as forças militares da OTAN, da Rússia, etc. não dispõem. Por exemplo, se um míssil cruise lançado do meio do Atlântico “quiser” atingir o Congresso Nacional é fácil inserir as coordenadas geográficas do dito cujo e ainda carregar a memória do míssil com a imagem da edificação. Seria até possível escolher em que ponto específico do Congresso o míssil deverá atingir. Teoricamente até em que janela ele deve impactar. Hoje, a programação de… Read more »

leo
leo
4 anos atrás

Bosco
Uma dúvida, vi em um vídeo onde mostra um míssil nas baías internas de um tu-95, parecia ser um kh-55 e nele tinha um sensor abaixo do míssil. Parecia um sensor infravermelho. Deixarei o vídeo no próximo comentário.

leo
leo
4 anos atrás
Clemente Teixeira Higino
Clemente Teixeira Higino
4 anos atrás

Higino 21 de Novembro de 2015 Meus amigos, aqui fala um DT. A diferença entre um missil e um fogute, é que o foguete é puramente balistico e sem controle após o lançamento. O missil auto guiado possue um A.D.A.C, três giroscópio e um sistema de visão eletrônic. Inicialmente o missil é lancado, baseado em posições de Latitude e Longitude fornecida por satélite quando ainda está no lançador, após vencer a distância inicial, e estando o alvo no visual, ele o missil compara a visada com uma imagem satélite previamente gravada no A.D.A.C e logo se dirige para o centro… Read more »

Bosco
4 anos atrás

Leo,
Provavelmente é uma câmera ou de TV ou IIR. Isso demostra que o míssil possui um sistema de orientação terminal.

leo
leo
4 anos atrás

Obrigado bosco. Bosco o senhor já viu os documentários sobre o novo tanque russo armata? Documentários mostrando imagens inéditas do novo veículo e mostrando disparos e novos sistemas como um de seguimento automático de alvos sem intervenção humana? O senhor que eu sempre acompanho seus comentários e respeito muito por ser um dos poucos que não usa base ideológica e sim de informações e ficha técnica dos meios para avaliar. Gostaria que assistisse esse programa sobre o jogo veículo russo que ao meu ver incorpora diversos meios como cameras que cobrem 360° graus do veículo e outras novidades fazendo dele… Read more »

Bosco
4 anos atrás

Leo,
Caiu em vários vídeos sobre o Armata. Qual deles?

Poggio,
Eu citei o Glonass lá em cima.

CVN76
4 anos atrás

Leo

No “Forças Terrestrs” também tem varias boas reportagens como essa:

http://www.forte.jor.br/2015/05/05/novo-tanque-russo-armata-deixara-seus-analogos-ocidentais-para-tras/

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Bosco, caro Colega
depois de lançados, por favor qual(is) meio(s) existem para intercepta-los e neutraliza-los ?

Bosco
4 anos atrás

Carlos, Mísseis cruise são até mais difíceis de interceptar que os mísseis balísticos (veículos de reentrada), por uma série de motivos. Além de voarem muito baixo, terem RCS minúsculo (mesmo não sendo stealths) e poderem vir de qualquer direção,são relativamente baratos e podem ser lançados em grande quantidade, saturando as defesas. A “fragilidade” do conceito diz respeito que um ataque de mísseis cruise converge sua trajetória a um determinado alvo e pode ser interceptado por uma consistente defesa de ponto (mísseis e canhões) caso não seja saturada pela quantidade de misseis, que em regra é mais de um por alvo.… Read more »

leo
leo
4 anos atrás

Desculpe meu erro bosco.
Ai está o link correto.
https://youtu.be/TCGdvMkDlVc

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Caro Bosco, valeu.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Caro JM, amplie e veja as engrenagens, gostei ! A Usinagem é muito boa, os caras são bons em ligas também !