Home Noticiário Internacional Índia pode comprar submarinos ‘Scorpene’ adicionais

Índia pode comprar submarinos ‘Scorpene’ adicionais

4351
51
First Indian Scorpene - 1
O primeiro Scorpene indiano no dia do lançamento

NOVA DELHI – A Marinha da Índia está considerando a compra de submarinos classe “Scorpene” adicionais, além dos seis adquiridos anteriormente, disse o Comandante da Marinha Indiana almirante Robin Dhowan, em uma conferência de imprensa anual na semana passada.

Embora ele não tenha dado detalhes sobre o número de submarinos de ataque Scorpene diesel-elétricos de fabricação francesa adicionais que estão sendo considerados, um alto funcionário da Marinha Indiana disse que há um requisito para três Scorpenes adicionais. Uma nota formal de solicitação dos submarinos adicionais ainda não foi apresentada ao Ministério da Defesa.

O Projeto Scorpene da Marinha Indiana está atrasado em mais de quatro anos.

Sob o acordo de 2005, o primeiro submarino deveria ter sido incorporado em 2012, mas agora foi adiado para dezembro de 2016. Anteriormente, o governo indiano havia ameaçado impor sanções se os submarinos não fossem colocados no cronograma, com a primeira unidade a ser introduzida em agosto de 2015 e as restantes cinco unidades a cada seis meses.

First India Scorpene - 1
Scorpene indiano em provas de mar

Em 2011, o então ministro da Defesa A.K. Antony disse ao Parlamento indiano que nos termos do contrato assinado com o estaleiro MDL, o primeiro submarino estava programado para ser entregue em dezembro de 2012, e, posteriormente, um a cada ano até dezembro de 2017.

O primeiro submarino Scorpene francês construído pela Mazagon Docks Ltd. (MDL) baseada em Mumbai, no âmbito da transferência de tecnologia de DCNS, foi lançado em abril de 2015.

Fontes da Marinha indiana dizem agora que o último dos seis Scorpenes será entregue até 2022.

Atrasos na entrega têm aumentado o custo do projeto dos submarinos em mais de US$ 1 bilhão.

A força operacional da frota de submarinos da Marinha conta com submarinos russos da classe Kilo adquiridos entre 1980 e 2000, quatro envelhecidos submarinos da classe IKL209/1500 e um submarino nuclear alugado da Rússia, há dois anos.

Oficiais da Marinha dizem que apenas metade dos submarinos estão funcionais, com o restante permanecendo parados por conta de manutenção e upgrades.

First India Scorpene - 2
Scorpene indiano em testes

FONTE: Defensenews.com

51
Deixe um comentário

avatar
51 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
18 Comment authors
Space JockeydaltonlPanglossJuarezMarcelo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
bjj
Visitante
bjj

Será que ele é tão ruim quanto dizem? Se fosse, por quê a índia, que aparentemente não se preocupa com logística quando escolhe seus fornecedores, não complementa sua frota com subs russos ou alemães?

Prevejo tretas…

Bardini
Visitante

Mais 3 Scorpènes é um numero interessante, talvez estão visando uma força que no futuro tenha 3 SSKs funcionais. O que, dependendo do desenrolar do projeto Indiano pode não dar muito certo se essa for a intenção, devido aos contantes atrasos.

eparro
Visitante
eparro

Pois é!
Com “transferência de technicologia” e tudo.
O que achei mais, digamos, “maluco”, é que o projeto está atrasado, vai ficar mais caro e mesmo assim eles vão querer mais 3 Scorpène.
Meus, parece que não é só aqui não que a banda desafina.

eparro
Visitante
eparro

Iväny Junior 9 de dezembro de 2015 at 23:02

Então Iväny Junior, fiquei bestificado. E o caso é igualzinho.
E sobre a tal da Alstom, meu isto é o negócio público mais secreto e enigmático de que já ouvi falar. Outra loucura.
Saudações.

camargoer
Visitante

Caro Ivany,
Já que você mencionou o caso da Alston, gostaria de lembra-lo que também estão envolvidos os alemães (Siemmens), japoneses (Mitsui), canadenses (Bombardier) e espanhóis e coreanos (Hyundai). A ideia de que apenas as empresas francesas são corruptas não procede. Aliás, empresas não são corruptas. Pessoas cometem crimes, não organizações. Quem vai para a cadeia tem CPF não CNPJ e passaporte não garante caráter.

Iväny Junior
Visitante

camargoer

As outras empresas que voce citou souberam do esquema e não quiseram participar, cooperaram com as investigações e estão com a reputação limpa no mercado. Já a alstom teve suas atividades impedidas na frança e foi vendida pra GE que livrou a humilhação de ultima hora (a Siemens tinha baixado o valor de compra 4 vezes e se preparava pra baixar a 5ª em cima da hora).

Leia a consequencia desse caso na própria frança. Aqui não deu e não vai dar em nada “escória rules”.

Saudações

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Ivany, outras empresas não quiseram participar?????

A Siemens participou do esquema até alguns funcionários resolverem denunciar o caso e, depois a empresa fez um acordo de delação com o CADE.

Exemplo de empresas alemãs corruptas e desonestas é o que não faltam. A Volkswagen foi a última a ser descoberta fraudando as emissões de gases de seus veículos.

A ThyssenKrupp tem o histórico grande de malfeitos em seu currículo também, inclusive no Brasil,com a CSA.

Enfim, o mundo corporativo não é formado por santos. Temos que ficar espertos com todos, independentemente do país de origem.

Bardini
Visitante

É fácil falar que a Índia será o único país a comprar novamente a classe Scorpène… A índia é o único operador que tem condições financeiras para tal até a proxima década, e após este período uma classe ou proposta mais interessante pode surgir, para os outros operadores. Embora eu acredite que, apezar dos pesares, ao menos mais duas unidades do Scorpène seram fabricadas para o Brasil, e não é nenhuma maluquice de se pensar em tal proposta, haja visto que compramos a “tecnologia” e vamos necessitar de mais destes meios, e se chegariá ao número “ideal” de 6 para… Read more »

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Parei de ler os comentários na parte em que as outras empresas não quiseram participar… Kkkkk

Isso é capitalismo amigo… Se o ESTADO não regula e mantem as empresas com rédeas curtas, elas fazem o que puderem para obter o seu tão precioso LUCRO.

Pq essas empresas não fazem o mesmo na Europa e nos EUA ? Pq elas possuem coração e se preocupam com o consumidor ?
NÃO !! Pq o Estado, através de leis e agências reguladoras, é forte !! E mesmo assim, elas ainda arrumam formas de desrespeitar a lei atrás de lucros maiores… Vide “dieselgate” da VW…

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

“…….. haja visto que compramos a “tecnologia” …..”
Nem as baterias está dando certo, imagino outros componentes sensíveis !

john Paul jones
Visitante
john Paul jones

Só tenho uma palavra de consolo para os meus campanhas submarinistas Indus que tem de operar em Lixopenes e Kilobombas:

Que pena amigos …..

A compensação orgânica lá deve ser 200 % do soldo !!! ha ha ha ha

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Os Alemães da Siemens participaram das denuncias e pagaram o $$$$$ mico!
Já os France$e$ preferem o famoso; “estamos colaborando” ! Vlw

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

john Paul jones 10 de dezembro de 2015 at 11:36
É i$$o ai !

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

A Hyundai não está nessa, Siemens é com um “m” só, os Españois são da CAF, começaram a colaborar e já estão pagando $$$$$ mico.
Os France$e$ (Alston) e Japoneses (Mitsui) continuam no velho: “Estamos colaborando”.
Importante: As culpabilidades no campo Criminal dos CPF’s continuam, portanto todos serão responsabilizados na forma da Lei !
A contribuição dos CNPJ’s e os pagamentos “do$ mico$” são acordos no campo Judicial para a possível reabilitação das Empresas, isto ocorre na maioria dos países, na maioria não os “livra” da punibilidade criminal !

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Voltando ao assunto, boa sorte aos Hindus, vão preci$ar muito mai$ que i$$o !

Vader
Membro

Alfredo Araujo 10 de dezembro de 2015 at 10:35

Alfredo, não é porque o Estado é forte e “controla” as empresas que nos EUA e Europa a coisa funciona.

É porque lá tem CADEIA. Simples assim. Sem direito a fiança, a julgamento em liberdade, a cumprir um terço da pena, etc.

Augusto
Visitante

Os atrasos do programa de submarinos indianos estão ligados à falta de preparo dos próprios indianos.

Caso venham a adquirir mais Scorpenes, certamente passarão a ter uma força de submarinos de respeito, com o que existe de melhor no mundo em termos de tecnologia bélica.

Falta ao Brasil acelerar o PROSUB e mostrar os seus Scorpenes.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Vader…
Leia novamente o meu comentário, e veja que escrevi REGULA umas três vezes…. em nenhum momento falei em controle. Na minha humilde ignorância, capitalismo e “controle” na mesma frase não fazem sentido. Quando falo em “rédeas curtas”, quero me referir a fiscalização…

Na minha opiniçao, um dos principais pilares de uma economia moderna e progressista são agências governamentais eficientes, para REGULAR os mais diversos setores… além do que vc citou, uma justiça atuante e uma legislação condizente…

Iväny Junior
Visitante

Bem

A suprema corte alemã não teve que imputar uma humilhação internacional pra Siemens forçando a venda e uma faxina em toda a diretoria. A frança perdeu uma empresa forte do ramo de tecnologia que foi obrigada a vender para a GE (que deu um troco a mais que a própria Siemens). Corrupção não é tratada com condescendência pelo Japão e Alemanha, e, a suposta participação nesse “esquema” foi, até agora, calúnia dos condenados (e punidos) desesperados.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Ivany, a Siemens foi multada pesadamente, tanto nos EUA, quanto na Alemanha. Se não ocorreram punições mais duras, talvez as leis, principalmente alemãs, sejam muito menos duras do que você imagina.

Essa reportagem trata de algumas questões que, aparentemente, você desconhece, como a possibilidade legal de empresas alemãs poderem pagar propina em outros países e a continuidade da prática ilegal de pagar propinas, que perdurou nos anos 2000.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2013/08/130812_siemens_escandalo_dg

Iväny Junior
Visitante

Saca aqui

“O obstáculo final foi o acordo fechado ontem pela Bouygues SA, acionista da Alstom, para vender uma participação de 20% ao estado francês. Preocupado com que as vendas da Alstom pudessem pôr em perigo a independência energética, o ministro da Economia Arnaud Montebourg colocou a oferta com ações como exigência não negociável em 20 de junho.”

http://brasileconomico.ig.com.br/negocios/2014-06-23/ge-fecha-compra-de-ativos-da-alstom-por-us-17-bilhoes.html

A “compra” foi pelo valor que a Alstom apura em um ano mais ou menos.

Sobre os submarinos, o caso malaio onde passaram mais de 4 anos sem puder mergulhar nem operar minimamente já diz a qualidade do projeto.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Não estou discutindo a venda de parte da Alstom (empresa notoriamente corrupta) para a GE. Ela ocorreu e ponto final Apenas estou dizendo que a Siemens também praticou vários atos de corrupção mundo a fora, ao longo da história. Não é a santa que você deu a entender que seja. O fato dela não ter sido obrigada a se desfazer de parte de seus ativos, só demonstra que está/estava sadia financeiramente. Não é atestado de probidade. Sobre os Scorpenes malaios o problema pode ter sido de projeto ou de execução, provavelmente o segundo, dado que os chilenos não tiveram os… Read more »

camargoer
Visitante

Olá a todos. Há uma grande confusão quando se tenta comparar os Scorpenes com os IKL. Como são poucas unidades (uma ou não mais do que duas dezenas), a variação estatística inerente a cada conjunto é muito grande, principalmente se for considerado a complexidade de cada unidade, que são equipamentos feitos quase que artesanalmente e ainda com grande variação entre os operadores e mesmo entre as unidades de cada operador. Qualquer comparação não apresenta nenhuma significância estatística. São inúmeras influências sobre cada variável que qualquer comparação, mesmo entre dois Scorpenes ou entre dois IKL´s, não tem qualquer significado. Para que… Read more »

Bardini
Visitante

Na época que o Carrera voltou do DESI, em 2011, só circularam elogios na mídia, ressaltando a qualidade do submarino, seus baixos níveis de ruídos e discrição bem como sua disponibilidade durante os mais de três meses de exercícios constantes. Aliás, UNITAS não conta na ficha de exercícios do Scorpène? – Se a MB conseguir dar a devida manutenção a estes meios, não duvido que o pessoal da Força vá fazer o melhor uso possível do material. Já fazem o que podem com os U-209 do jeito que estão… – Quanto aos Malaios, como já disse antes, se for feita… Read more »

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Rsrsrsrs
Desculpem, mas não dá pra levar a sério estas argumentações na base do “povo bonzinho versus povo mauzinho”, acaba-se resumido a torcida pessoal. Rsrsrs

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

camargoer 10 de dezembro de 2015 at 17:43
Estatística ??
Iväny Junior 10 de dezembro de 2015 at 19:43
Nada como o tempo, uma noite entre dois dias ……
JM
“O tempo é o senhor ……. ”
Espero estar vivo para …… deixa pra lá.
A tchurma do indefensável vai sumir mesmo a hora que ……………… boiar !

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Aliás como foi resolvida a questão das baterias do Scorpênis “BR” ??

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Isto foi publicado a exatos 7 sete anos e como continua atual !
http://www.ecsbdefesa.com.br/defesa/fts/SMB.pdf

Iväny Junior
Visitante

Carlos

Artigo muito bem escrito.

camargoer
Visitante

Olá Carlos.
Sim senhor, estatística. Por anos tenho lido nesse blog muitas discussões interessantes e sabia que o dia que eu mencionasse estatística eu correria o risco de ser banido…. mas o fato é que não se pode comparar dados não comparáveis com o risco de chegar a conclusões equivocadas.

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Senhores, estou acompanhando a “lida”com o assunto Scorpene Indiano, tenho sobre isto a dizer o seguinte:

Quantos Submarinos os Franceses construíram até hoje?

Quantos Submarinos os Alemães construíram até hoje?

O Admiral Dalton está com a palavra agora, depois da resposta eu sigo.

G abraço

Bardini
Visitante

Iväny Junior,

Estes seus “recortes” maldosos são referentes a operação CHILEMAR, que ocorreu na DESI 2011. Não foi só isto que se treinou. Houveram operações de simulação de combate em parceria com a US Navy e seus meios.
E nem é tão difícil encontrar informações a respeito do DESI de 2011 no google:
http://www.elmostrador.cl/noticias/pais/2011/12/16/submarino-scorpene-de-la-armada-de-chile-participa-en-ejercicio-conjunto-con-la-marina-de-eeuu/

Dalton
Visitante

Juarez…

devolvo à pergunta…quantos SSNs , SSBNs e SLBMs os alemães construíram até hoje ?

O fato dos alemães terem construído maior número de SSKs não significa que os SSKs franceses
sejam ruins…tenho revistas e livros antigos com elogios aos Daphnes e Agostas, será que
o passado mudou depois que a marinha brasileira selecionou o “Scorpene” ?

abraços

Dalton
Visitante

Bardini…

já havia mencionado o “DESI” em outro post, inclusive há fotos do “Carrera” em Norfolk lá para as bandas do pier 5 e também que certas coisas foram plantadas na internet por peruanos mal intencionados. No fim das contas tanto “Scorpenes” como “214s” acabarão fazendo a mesma coisa e se o “Scorpene” revelar-se uma grande falha e ninguém mais compra-lo, nada impede
que no futuro a marinha brasileira selecione uma outra classe de submarinos.

abraços

Dalton
Visitante

Ivany… os 6 indianos que podem vir a ser 9 e os 4 brasileiros ainda não entraram em serviço…que links vc quer ??? Os 2 malaios que são relativamente novos depois de uma jornada de quase 2 meses já que eles não foram a bordo de um navio fretado como o submarino sueco emprestado para à US Navy, apresentaram sim uma série de problemas que foram consertados. O HMS Astute apresentou uma série de problemas também um dos quais a incapacidade de alcançar a velocidade máxima prevista, já solucionado, podemos classifica-lo como “lixo” ? Os submarinos malaios irão treinar com… Read more »

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Certos argumentos feitos para desclassificar um equipamento X de uma nação Y, me recordam comentários de um flamenguista falando do Vasco, ou de um corintiano falando do Palmeiras…

camargoer
Visitante

Olá Alfredo. E eu já fui chamado de agente infiltrado da DNCS. Concordo com você sobre a inconsistência de defender isso ou aquilo apenas em termos de nacionalidade. Aliás, o uso de apelidos depreciativos para desqualificar equipamentos ou pessoas também é desnecessário. Pelo que me lembro, apenas o Roberto Campos sabia fazer isso com inteligência. Enfim, para não sair do tema, é muito razoável que os indianos sigam com os Scorpenes depois de todo o investimento em infraestrutura e pessoal, além disso há sempre a curva de aprendizado que se for bem administrada, leva a melhorias seguidas. É razoável imaginar… Read more »

CVN76
Membro

Sem querer defender ou atacar o Scorpene; creio que um dos problemas enfretados pelos malaios, seja o fato deles pela primeira vêz operarem um submarine……posso estar errado, mas acho que eles tem zero experiência nessa area….

Dalton
Visitante

Teste !

Dalton
Visitante

Não sei porque meu comentário não apareceu…mas…aqui vai novamente !!

Franz !

os malaios treinaram durante 4 anos em um submarino “Agosta” descomissionado em 2001 que
após um refit de 14 meses mais vários meses de planejamento foi recomissionado em 2005 ou
seja houve uma experiência prévia e com os dois simuladores em terra hoje em dia os malaios
são uma referência em treinamento de submarinos.

abs

Iväny Junior
Visitante

Dalton

Tem 2 em operação no Chile e 2 em suposta operação na Malasia. Ambos entregues recentemente. Eu só gostaria de saber se eles já operaram alguma vez como SSK em algum exercício.

Juarez
Visitante
Juarez

Dalton, dado o meu respeito pela tua pessoa:

Quantos Subs Franceses e Alemães construiram?

G abraço

Dalton
Visitante

Juarez… o respeito é reciproco. Quanto à sua pergunta : até o advento do tipo “209” no início dos anos 70 os alemães só construíram pequenos submarinos costeiros, a partir do início dos anos 60. Os franceses no fim dos anos 40 produziram submarinos maiores a partir da classe “La Creole” seguido pelas classes Narval, Arethuse, Daphné dos quais 25 foram construídos e classe Agosta que serviu de base para os SSNs atuais da marinha francesa. Essas informações são facilmente encontráveis e provavelmente você deve ter uma ideia das quantidades envolvidas, os alemães construíram mais que o dobro, mas, acho… Read more »

Marcelo
Visitante
Marcelo

Como é bom ler a opinião de alguém tão embasado e educado como o Dalton. Usar adjetivos infantis só contribuem para eu não dar valor ao comentário de quem os usa.

Juarez
Visitante
Juarez

Dalton, ou eu não expressei corretamente, ou tu não entendeu a minha pergunta:

Desde a concepcao do Sub como arma de guerra, quantos cada um constriu?

G abraço

Pangloss
Visitante
Pangloss

Ivany, eu gosto bastante de seus comentários. Demonstram seu bom conhecimento sobre os temas, são bem escritos, claros e bem humorados.
Mas ressalvo seu excesso de entusiasmo por tudo o que vem da Alemanha, na mesma medida em que repudia qualquer coisa de origem francesa.
Então, prefiro imaginar que você pertence a uma família de origem germânica, e que perdeu alguma namorada para um francês.
Nesse caso, está perdoado.
Continue a escrever como sempre o fez, é um prazer lê-lo.

Iväny Junior
Visitante

Pangloss Já fui “acusado” da mesma coisa pelo Dalton em outro tópico aqui do naval. Mas você veja que eu não deixo de reconhecer o valor das FREMM e do Mistral, do Rafale M que seria o escolhido para os americanos não fosse a manobra “super lobby”, do Mirage 3, 5, F1 e 2000 que foram benchmarks de performance em seus tempos (o 2000 ainda o é hoje, pena ter sido descontinuado), das capacidades do CVN CDG e sua versatilidade, bem como, fiquei absolutamente admirado quando do lançamento do MICA, suas capacidades e versatilidade inéditas, bem como o Exocet que… Read more »

daltonl
Visitante

Juarez… as fontes são um pouco conflitantes, mas, de maneira geral é reconhecido que mais de 1100 submarinos foram comissionados pela Alemanha nazista entre 1933 e 1945 e mais de 350 comissionados pela marinha do Kaiser, até 1918, que somados às dezenas construídos no pós guerra até hoje dos quais os vários modelos do tipo “209” foram os mais prolíficos, facilmente chega-se à mais de 1500 unidades. x Os franceses comissionaram menos de 300 unidades em um período de tempo semelhante, incluindo os nucleares, embora o precoce armistício em 1940 tenha interrompido a entrega de dezenas de cascos. x Os… Read more »

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Dalton, ler teus comentários é sempre um privilégio e é aprendizado puro, uma coisa muito gratificante para mim dado o teu conhecimento e o teu cavalheirismo, mas sem querer ser “mitido a inspecialista” e com tua licença, tu já respondeu a pergunta e respondeu para todos aqui, pelo menos aqueles que são livres da ranço ideológico e da cegueira irracional do mundo maravilha. 1500 contra 300 não se discute, ahhh mas a França desenvolveu seus próprios SSNs e SSBNs, bem como seu próprio ICBM, é verdade, não nego, mas tem dois “se” aí: 1 O assunto aqui, agora é Submarino… Read more »

Space Jockey
Visitante

Que tal discutir o que esses subs poderiam fazer em novo conflito com o Pakistão ou China ??