Home Noticiário Internacional França dispara primeiro na batalha pelos submarinos australianos

França dispara primeiro na batalha pelos submarinos australianos

7120
46
Shortfin Barracuda

França ampliou a batalha pelo contrato de submarinos de US$ 20 bilhões reivindicando que seu submarino é mais mortal do que o do Japão.

Os submarinos certamente serão discutidos quando Malcolm Turnbull atender seu homólogo japonês, Shinzo Abe, em Tóquio, com o Japão fazendo de tudo para ser escolhido à frente da França e da Alemanha para construir os novos submarinos na Austrália.

Mas a fabricante francesa de submarinos DCNS disparou um raro torpedo público na proposta japonesa, argumentando que o submarino francês proposto para a Austrália, o Shortfin Barracuda, seria mais letal do que qualquer coisa na região, o que inclui os submarinos da classe Soryu do Japão.

O  presidente-executivo da DCNS Austrália Sean Costello disse que a propulsão “pump jet” do Barracuda, em vez de hélices, lhe proporciona uma grande vantagem tática sobre outros submarinos na região.

Shortfin-Barracuda

“Em um confronto entre dois submarinos idênticos, o dotado de “pump jet” tem sempre a vantagem tática, ” disse o Sr. Costello. “Os australianos não devem assumir que todos os submarinos são praticamente os mesmos -. Há diferenças críticas e o processo competitivo de avaliação do governo australiano irá determiná-los”.

A propulsão “pump jet”, que visa reduzir o ruído e tornar o submarino mais difícil de detectar, é usada pelos submarinos nucleares americanos da classe Virginia. A DCNS afirma que irá fornecer o Shortfin Barracuda com uma “velocidade tática silenciosa” mais elevada e maior capacidade de manobra, em comparação com os submarinos japoneses e alemães propostos que têm hélices.

O Shortfin Barracuda, que ainda não foi construído, é essencialmente uma versão convencional de 4.000 toneladas dos novos submarinos de propulsão nuclear classe Barracuda que estão sendo construídos no estaleiro da DCNS em Cherbourg.

A visita do primeiro-ministro ao Japão segue-se às visitas à França e à Alemanha depois de de receber pessoalmente representantes dos três países que procuram ganhar a licitação para construir pelo menos oito novos submarinos para substituir a envelhecida frota da classe Collins da Marinha.

classe Soryu - foto JMSDF - Marinha do Japão
Submarino classe Soryu – foto JMSDF – Marinha do Japão

O Japão diz que quer que a Austrália escolha o seu próprio submarino – uma versão de longo alcance do seu Soryu – para fortalecer a três vias da parceria estratégica no oeste do Pacífico entre o Japão, a Austrália e os EUA em um momento de uma China em ascensão.

Os três candidatos para o projeto do submarino vão continuar a pressionar o governo australiano, apesar do fato de que cada um já apresentou a sua proposta final à Defesa e devem agora esperar o processo de avaliação, o que pode levar até seis meses.Espera-se que o governo use seu livro branco de defesa devido no ano novo para revelar o número de submarinos requeridosr e os planos para escolher o vencedor da concorrência, antes da próxima eleição federal.

Temendo uma reação do eleitor, o governo provavelmente exigirá que a maioria, se não todos, dos novos submarinos seja construída na Austrália, uma posição que o Partido Trabalhista apoia.

Um painel de peritos independentes, incluindo Don Winter, um ex-secretário da Marinha dos EUA, irá supervisionar o processo de avaliação para garantir que cada um dos três licitantes seja tratado de forma justa.

FONTE: The Australian / Tradução e adaptação do Poder Naval

Subscribe
Notify of
guest
46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ze Abelardo
4 anos atrás

A proposta parece boa, contudo nao consigo me livrar da impressao que a Australia esta se metendo em uma furada. A classe Collins sofreu toda sorte de problemas justamente por ser um projeto nao testado.

Carlos Campos
Carlos Campos
4 anos atrás

alguém me explica o que é essa tecnologia Pump Jet? eu Ficaria com o Dragão se a escolha estivesse nas minhas mãos, a França não é confiável

Bosco
4 anos atrás

Carlos,
Em linhas gerais o pump jet é um sistema de hélices montado dentro de um ducto. A diferença é que as hélices são mais curtas e giram mais rápido e possuem em geral mais de uma hélice alinhadas. Essas hélices forçam a água sob pressão contra o bocal do ducto.
Ou seja, é como se fosse um motor a jato, de água.

Jr
Jr
4 anos atrás

“Temendo uma reação do eleitor, o governo provavelmente exigirá que a maioria, se não todos, dos novos submarinos seja construída na Austrália” Isso NÃO vai dar certo. Olha o que esta acontecendo com o programa das fragatas class Hobart deles, esta atrasado e com custos muito acima do previsto, eles tiveram que pedir socorro para a Navantia para colocar o projeto nos trilhos de novo. Não adianta, países onde a mão de obra é cara não serve para ter uma indústria naval. O Canadá é outro que vai acabar indo pelo mesmo caminho se continuar querendo construir todas as fragatas… Read more »

Rafael
Rafael
4 anos atrás

Bosco essa solução pump jet torna o sub mais silencioso?

Jodreski
Jodreski
4 anos atrás

Esses Barracudas com pump jet seriam mais silenciosos que os Borey e os Yasen?
Mais silenciosos que os da Classe Virginia não serão obviamente, mas essa comparação com os Sub Nucleares Russos eu já não sei fazer.
Alguém me dá uma ajuda?

Iväny Junior
4 anos atrás

Piada pronta. Provavelmente o barraCuDá é o projeto mais letal para a própria tripulação. O pump-jet não se sustenta ou justifica como sendo mais silencioso (basta ver os exercícios mais recentes com submarinos de verdade).
Os aussies não vão repetir o erro da classe Collins (propulsão Jeumont-Schneider).
Esse processo ainda vai render muito chororô “deselegante”, tal qual a dassault ao perder o fx-2.

Preparar o gogó de risada e saudações a todos.

Oganza
Oganza
4 anos atrás

Tô com o Iväny nessa… sem falar que SE tiver AIP, o do Soryu é baseado no Stirling da Kokoomus sueca (o melhor custo benefício em AIP hj do mercado). Já a França não tem um AIP confiável e até pouco tempo atrás ela estava oferecendo como opção de AIP o PEM alemão para seus Scorpenes. – Ps.: Os problemas da classe Collins foi intimamente ligado a pessoal qualificado, ou a falta dele, tanto para executar o programa quanto para operar o sistema depois de pronto, demandando o constantemente o 0800 dos contratantes estrangeiros. – Pps.: só completando o que… Read more »

Aurélio
Aurélio
4 anos atrás

Caro Iväny Junior , poderia nos informar quais os acidentes que houveram com os submarinos nucleares franceses e quantas vítimas pereceram nos mesmos ? A minha pergunta é para melhor nossas informações e também para não falarmos bobagens.

juarezmartinez
juarezmartinez
4 anos atrás

Bem, os Aussies já aprenderam a lição que a medida que deixam seus políticos ecobambis negociarem equipamentos militares fazendo de conta que constroem só deu merd….e ainda escolhas que são o lixo do lixo como o caso dos NH 90 que até hoje tá dando preju. A Marinha Aussie correu na frente antes que a caca fosse a maior e bateu pé no SH 60, e log após chancelaram o C 27 no lugar dobambi 295, acho que eles não vão servir de boi e piranha para os piratas da DCNS, a tendência é os Japas levarem com o Soryu.… Read more »

zeabelardo
zeabelardo
4 anos atrás

Oganza,
No relatório investigativo dos problemas da classe, sobrou pra todo mundo.

Se vc não tem demanda interna suficiente ou intenção de exportar o produto, esse negócio de produção nacional é a maior furada. Depois de produzidas a meia dúzia de unidades, todo o conhecimento é perdido.

Cavitação é causada pela queda brusca de pressão em fluidos escoando. Menor pressão, menor temperatura de evaporação. A temperatura pode ser constante.

Um abraço,

Oganza
Oganza
4 anos atrás

zeabelardo,
exatamente… 🙂

zeabelardo
zeabelardo
4 anos atrás

Ivany,

Se projeto de submarino estivesse na internet, o Lulinha já tinha pego essa consultoria.

Aurélio
Aurélio
4 anos atrás

Iväny , grato pelas informações. Espero que os nossos engenheiros navais, coloquem o giroscópio nos nossos Scorpène S-Br , assim não teremos o problema que os chilenos têm.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

O sistema da DCNS é por turbilhonamento ?

juarezmartinez
juarezmartinez
4 anos atrás

Não, é por enrolation, embromation e faz de contacion…….

G abraço

Iväny Junior
4 anos atrás

Meu comentário anterior sumiu? Porque moderadores?

Carlos Campos
Carlos Campos
4 anos atrás

Mestre Bosco obg pela resposta, muito legal essa tecnologia de impulsionamento. Mas confio mesmo é no Dragão feitos pelos Japas

Marcelo
4 anos atrás

Zeabelardo, ia corrigir os especialistas de plantão sobre a cavitação, mas você foi mais rápido. Valeu.

zeabelardo
zeabelardo
4 anos atrás

Juarez,
Essas três tecnologias fazem parte do pacote de transferência de tecnologia da França para o Brasil. A MB tem aplicado o conhecimento na esquadra e hoje já temos uma esquadra Stealth como nunca antes na história deste país. Para vc ter noção da evolução, nenhum radar atual é capaz de detectar uma escolta brasileira dentro de nosso mar territorial. Brevemente, esse conhecimento será disseminado para a FAB e as aeronaves tb serão completamente invisíveis. Graças ao nosso amado Líder.

Juarez
Juarez
4 anos atrás

Zé, o tempo continua sendo senhor de todas as verdades, e a Lava Jato vem vindo, no tempo certo os corsarios serão pegos e talvez possamos voltar a ter uma marinha, a verdadeira, a de Tamandaré.

G abraço

Iväny Junior
4 anos atrás

Meus comentarios não estão aparecendo aqui.

Iväny Junior
4 anos atrás

O comentário que eu respondi ao Aurélio foi o primeiro que sumiu.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Caro Amigo juarezmartinez 22 de dezembro de 2015 at 19:43
Kkkk rsrsrsrs ……
zeabelardo 23 de dezembro de 2015 at 7:53
Rsrsrsrs Kkkkk …..
Juarez 23 de dezembro de 2015 at 8:00
D’S está vendo, nada como um dia após o outro e uma noite entre dois dias.
Aliás, a tecnologia que a DCNS está oferecendo é sucesso em que MG ?

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

“França ampliou a batalha pelo contrato de submarinos de US$ 20 bilhões reivindicando que seu submarino é mais mortal do que o do Japão.”
Esse texto é emblemático.

Iväny Junior
4 anos atrás

Escrever esse nome tira toda a graça do comentário.

Iväny Junior
4 anos atrás

Todos os produtos que tem detratores ganham apelidos cômicos ou tragicômicos: rafale é “le jaque” ou “a jaca” mesmo, o Gripen NG é “o avião de papel”, o famas é “espingarda de chumbinho”, o a-12 é o “opalão”, a Barroso é “barrosa”, o projeto Tamandaré é “tamanduá”… isso só pra listar os “apelidos” que eu já vi em toda a trilogia (e não foi eu que coloquei). Eu não posso deixar de criticar a mais desastrosa compra que a marinha já fez, e farei isso aqui ou em outros espaços, até porque já tinha perguntado se vocês acharam ofensivo o… Read more »

Dalton
4 anos atrás

Partindo do princípio que o “pump jet” é mais adequado em submarinos grandes de cerca de 5000 toneladas de deslocamento submerso o projeto francês é pouca coisa menor que os SSNs britânicos classe Trafalgar e os já retirados classe Swiftsure todos com propulsão “pump jet” portanto é plenamente compatível. x Franceses já utilizam “pump jet” em seus SSBNs e estão construindo uma nova classe de SSNs que irá incorpora-los também. x Talvez não seja tão simples construir uma versão convencional e menor dos SSNs em construção na França como citam os críticos, mas, alemães nunca construíram submarinos de grande porte… Read more »

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Eu sabia, algo me ………. “Sea-Doo Jet Pump”, essa expressão “Jet Pump” eu já havia experimentado em algo que tive a muitos anos. Agora é achar as fotos.
Mas tirando a DCNS qual Marinha de Guerra utiliza o “Jet Pump” ou “Pump Jet” em Sub?
Em tradução livre é “Bomba”, mas confesso que meu Inglês é sofrível,
Oganza Amigo, ajuda ai !

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Muito interessante essa matéria, nos leva a uma reflexão, acho que vai dar Sushi:
http://thediplomat.com/2015/11/how-will-australia-choose-its-next-submarine-builder/

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás
Juarez
Juarez
4 anos atrás

carlos alberto soares 23 de dezembro de 2015 at 16:18
“França ampliou a batalha pelo contrato de submarinos de US$ 20 bilhões reivindicando que seu submarino é mais mortal do que o do Japão.”
Esse texto é emblemático.

Com certeza Carlos, pensemos:
Se o Scorpene liquidou com a MB , imagina o que este aí vai fazer com a marinha Aussie, realmente a frase tem tudo a ver com o produto…l

G abraço

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Caro Amigo Juarez 24 de dezembro de 2015 at 12:50
Leia os dois link’s que postei acima, vais gostar.
G abraço

Juarez
Juarez
4 anos atrás

Huhh, mais um seguidor da seita dos político ecologicogênero corretos.

G abraço

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Reitero, qual MG adota esse sistema em seus Sub’s ? “Jet Pump” ou “Pump Jet”

Bosco
4 anos atrás

Carlos,
O pump jet é de uso comum em submarinos nucleares. Americanos, russos, britânicos e franceses o utiliza há décadas.
E só de curiosidade é usado em alguns navios de guerra como os LCS e em torpedos como o Mk-48.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Obrigado Bosco.
Esse sistema é utilizado em algum SSK com sistema AIP ?
Pesquisei, mas não obtive sucesso.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Caro Iväny Junior 23 de dezembro de 2015 at 16:33
Link interessante, em todo artigo não se cogita nada Made in DCNS !
E os caras estão querendo 12 Sub’s …… se é exequível é outro tema.

Bosco
4 anos atrás

Carlos, Creio que até agora só submarinos nucleares sejam dotados de pump-jet. O sistema permite que o submarino implemente uma maior velocidade e ainda assim permaneça com nível de ruído aceitável. Em baixa velocidade não faz diferença se é hélice ou pump-jet. A rigor o que se ganha com o pump-jet são alguns nós a mais, o que talvez seja mais interessante para submarinos de ataque que para os SSBN. Vale salientar que em baixa velocidade um submarino nuclear tem seu reator refrigerado por convecção e não precisa utilizar as bombas, que são fonte de ruído. Aí a maior fonte… Read more »

Dalton
4 anos atrás

Bosco…

só como curiosidade os russos possuem um submarino convencional equipado com o pump jet
que é um “Kilo” modificado chamado “Alrosa” que no momento encontra-se em reparos mas em breve retornará à frota do mar negro.
Com quase 4000 toneladas de deslocamento submerso, pode até ser considerado
“pequeno” para portar um pump jet, mas, o que comenta-se é que submarinos convencionais
maiores acima de 4500 toneladas submerso seriam mais adequados para tal tecnologia.
abs

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Obrigado Bosco e Obrigado Dalton.

Juarez
Juarez
4 anos atrás

Senhores, com a licença dos moderadores segue uma noticia não tão off topic, mas de extrema importância:

http://www.oantagonista.com/posts/exclusivo-bumlai-fez-repasse-a-militar-do-programa-nuclear-da-marinha

Caros Oganza, Carlos e Ze Abelardo, o tempo contínua sendo senhor de todas as verdades e a Lava Jato vai pegar a turma “radioativa”

G abraço

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Caro Juarez 28 de dezembro de 2015 at 19:01
Dominó, cai uma peça ……. as demais …… prrrrrrr …….

Juarez
Juarez
4 anos atrás

Carlos, cada vez fica mais claro que os Ptralhas, junto alguns ‘elementos que vestiam branco e hoje vestem pijamas de seda’ transformaram Marinha do Brasil em uma imensa lavanderia…….
Agora os ratos comecam abandonar o navio, o Mars…… ja pediu para sair e vai tomar doriu na Europa, mas no momento certo a Interpol vai atras de todos, de todos….

G abraco

Iväny Junior
4 anos atrás

Caros

Vamos ver como a coisa vai se desenrolar. De repente eles podem até fazer um submarino bom (diferente daquele que não se pode falar o nome adequado). Os australianos têm mostrado muita sobriedade nas decisões de defesa, e costurar uma aliança com o Japão é um ótimo movimento geopolítico.
A índia que ficou fora dessa. Já escolheu o inominável, inoperável e abominável, e só resta a eles ficarem na torcida para que a aliança sino-paquistanesa não comece com hostilidades. Porque o inominável também é ultra-super naufragável, ultrapassável e “atrasável”.

😉