Home Clipping ThyssenKrupp no Brasil centraliza divisão de equipamentos

ThyssenKrupp no Brasil centraliza divisão de equipamentos

2424
16

Estande da ThyssenKrupp

Com um portfólio de negócios no Brasil que vai da produção de aço à fabricação de componentes automotivos, passando por escadas rolantes e elevadores, o conglomerado alemão ThyssenKrupp está colocando a área de equipamentos e tecnologia industriais debaixo de um mesmo guarda-chuva. As atividades passam a ser comandadas pela ThyssenKrupp Industrial Solutions.

A empresa vai abrigar os negócios que estavam espalhados em quatro áreas industriais – cimento, mineração, linhas de montagem automotiva e processos/química. O objetivo é que, consolidada, essa divisão ganhe mais dinamismo e tenha no país a mesma participação dentro do grupo – 13% do volume total de vendas – que tem globalmente.

No Brasil, no ano fiscal encerrado em 30 de setembro de 2015, a ThyssenKrupp teve receita líquida de R$ 9,9 bilhões. Foi puxada, em grande parte – cerca de 60% -, pela divisão siderúrgica.

A Industrial Solutions foi entregue ao comando do engenheiro elétrico Paulo Alvarenga, que está no grupo há quatro anos. Oriundo da também alemã Siemens, Alvarenga ocupava o cargo de vice-presidente de desenvolvimento de negócios da ThyssenKrupp na América do Sul.

“Nossa meta é fortalecer a atuação em setores nos quais estamos presentes há mais de 40 anos no país, como mineração e cimento, e ganhar maior participação em novos mercados, disse o executivo em entrevista ao Valor. O plano é se posicionar como um dos maiores fornecedores de engenharia e projetos industriais.

A Industrial Solutions, que herda operações e pessoal de negócios tradicionais, nasce com 400 funcionários. “Temos uma meta de dobrar o faturamento em quatro anos”, disse Alvarenga, sem abrir a receita obtida no país. Segundo o grupo, na América do Sul essa divisão atingiu mais de € 500 milhões (mais de R$ 1,7 bilhão) no ano fiscal 2014/2015. O montante equivale a 8% das vendas globais do conglomerado nessa área de negócios, que foram de € 6 bilhões.

Segundo o executivo, há mais de quatro décadas a ThyssenKrupp constrói unidades de fabricação de cimento no país, bem como realiza projetos de engenharia, fabrica e monta equipamentos e instalações para mineradoras brasileiras. A carteira de projetos inclui unidades de fertilizantes, químicas, biotecnológicas e coquerias siderúrgicas.

São áreas, algumas delas, como a automotiva, sofreram baque na encomenda de novos projetos devido à retração da economia brasileira. Todavia, ressalva Alvarenga, é nesses momentos que há busca de ganhos de melhorias e competitividade por parte de muitas empresas, o que pode gerar demanda por projetos.

Um novo alvo da Industrial Solutions, informa, é o segmento de geração de energia e produção de biocombustíveis, em especial a partir da biomassa da madeira e bagaço da cana e de nova “solução tecnológica” para aproveitamento do carvão mineral. O Brasil dispõe de ricas jazidas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, mas do minério com alto teor de cinzas, próprio para energia.

O executivo garante que a tecnologia permite recuperar esse carvão. “Não pela queima, que gera gás carbono (CO2), mas pela quebra das moléculas, que gera um resíduo sólido inerte”, diz.

Para essa área, a empresa está trazendo know-how que considera inovador, como torrefação de biomassa e gaseificação. Esses processo, informa, já estão em projetos do grupo em outros países, como Estados Unidos, França – uma unidade de bioquerosene para aviação a partir de resíduos da madeira para a Total – e Índia.

“Vemos um enorme potencial de empreendimentos no país e já temos entendimentos com alguns grupos já bem adiantados”, disse o CEO, evitando fornecer informações dos potenciais clientes. Ele diz que o Brasil tem uma base florestal enorme, é grande produtor de cana-de-açúcar, ao mesmo tempo que tem déficit em gás natural.

O grupo quer ainda oferecer tecnologias de alta pressão para área alimentícia e novos processos para produção industrial de bioquímicos a partir de açúcares.

Fonte: Valor Econômico

16
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
RommelqeEParroRafael OliveiraerichwolffOganza Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
shambr
Visitante
shambr

naum fazem mais do que o dever deles ja que a comunidade teuto brasileira e a maior fora da alemanha a technologia alema e de otima qualidade kk

MO
Membro

Bom, lembrando que Thyssen no brasil não é apenas “submarinos”, alias evntualmente submarinos é uma parcela relativa de interesses da Tyssen no Brasil …

Em tempo:

M/S Jumbo Vision / PBBG

Entrega do 2o Shiploader ao Terminal Tiplam (Shiploader nr. 1)

12 photos

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2016/05/ms-jumbo-vision-pbbg-maiden-call-santos.html

MO
Membro

Eu “si” me respondendo

A Thyssen tem muitos negocios em diferentes áreas no Brasil, desde quando subimos em predio alto (o “elevator” kkkkk, como diria o mané … kkkk :-P) até … uia, foi construido pela Thyssen …. (e é brasileiro …)

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2016/05/nm-rr-europa-pq7875-navios-mercantes.html

Oganza
Visitante
Member
Oganza

O interesse é simples e atende pelo nome de LPEM… quem acertar o financiamento primeiro com o Gamarra (ele é brasileiro) para o protótipo vai estar a um passo de uma possível revolução. – Gamarra nunca encontrou apoio na academia Brasileira e pasme, encontrou no Paraguai e foi lá que ele conseguiu o apoio para a Patente de propriedade Intelectual… – a Thyssen é uma das que estão nessa corrida… a LPEM é revolucionaria do ponto de vista da abordagem do problema, mas parece que mais uma vez atesta a atual incapacidade humana de gerar energia em larga escala que… Read more »

erichwolff
Visitante
erichwolff

O galante, não trabalha mais por aqui???

MO
Membro

O Bozoh “Trabalha” (kkkkk) aqui. Nao mais fisicamente aqui, mas sim ali agora … kkkkk, mas Eric ta na area, so que via DDI agora 😊

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira
EParro
Visitante
EParro

Oganza 12 de maio de 2016 at 16:52

Pô Oganza, teu comentário pareceu-me um tanto quanto “hermético”!
Será que você poderia esmiuçar um pouco, pois este assunto é interessante e, sinceramente, não acompanhei o raciocínio.
Saudações

erichwolff
Visitante
erichwolff

Imaginei q fosse isso… os posts rarearam…e sei q ele tem um irmão q mora lá em nóis! a revista pelo jeito tb parou… , ou não???

MO
Membro

Eric … prefiro não comentar sobre este segundo item, diria sim e não …

erichwolff
Visitante
erichwolff

kkkk, vlw então, vamos falar de outras coisas… que papo é esse italianecos ships pra nossa briosa? tá sabendo?

erichwolff
Visitante
erichwolff

… teve gente passeando por lá mês passado…ops!

MO
Membro

sim, mas ouvi duas versão sobre os “achamentos” dos cara … como nada mais acurado, estou quietinho …

erichwolff
Visitante
erichwolff

obviamente, uma cigana era má! e a outra era boa!

erichwolff
Visitante
erichwolff

Mas me mata a curiosidade… é acima de 6000 tons, ou abaixo? ou beeeem mais baixo??? kkkkkkkkkkk

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Para quem tiver curiosidade: a tecnica denominada por Microextração em fase líquida (” Liquid-Phase Microextration -LPME”) tem sido muito utilizada na industria farmacêutica, em particular para obtenção de produtis homeopáticos. O Centro Tecnologico Positivo Javier Salvador Gamarra possui esse nome em homenagem ao Sr. Gamarra, paraguaio de nascimento mas que estudou no Brasil.
A LPME pode ser utilizada na obtenção de querosene de aviação a partir do carvão mineral, entre outras aplicações.
Abs