quarta-feira, dezembro 1, 2021

Saab Naval

Royal Navy pode ter que desativar navios anfíbios e helicópteros Wildcat

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

HMS Albion e HMS Bulwark

Os Royal Marines podem perder a capacidade de desembarcar em praias a partir do mar, enquanto a Royal Navy pode ter que desativar uma frota de helicópteros sob propostas de economia de custos.

Os chefes da Royal Navy apresentaram dois navios de assalto anfíbio, HMS Albion e HMS Bulwark, como opções para serem cortados em uma mini revisão de defesa que está buscando capacidades de segurança, mas também deve reduzir um buraco de £ 20 bilhões a £ 30 bilhões no orçamento ao longo da próxima década.

O The Times soube que outra opção é desativar 28 helicópteros Wildcat HMA2. Isso deixaria o Fleet Air Arm com apenas seus helicópteros Merlin, reduzindo os custos de suporte, mas fontes disseram que isso vai prejudicar sua capacidade de apoiar a frota.

“Nós precisamos de mais dinheiro ou então temos que cortar capacidade”, disse uma fonte. Seus comentários contrastaram com o Chefe das Forças Armadas, Sir Stuart Peach, Air Chief Marshal, que disse na semana passada que a revisão, liderada pelo Cabinet Office, resultaria em “ajustes em vez de cortes”.

Abandonar a habilidade dos Royal Marines de conduzir assaltos à terra a partir do mar, um dos seus propósitos centrais, economizaria centenas de milhões de libras e liberaria marinheiros para o resto da frota.

A RN pode ter que desativar sua frota Wildcats

No entanto, seria devastador para a corporação, disse James Glancy, um ex-oficial de Marinha, que ganhou a Conspicuous Gallantry Cross no Afeganistão. “Cerca de 72% da população mundial é acessível através do mar, por isso é absolutamente essencial. Se você quiser afetar um resultado, se você quiser auxiliar em caso de desastres naturais, você precisa de capacidade anfíbia”, disse ele. “Não há nenhum sentido em ter porta-aviões preparados para o combate armados com jatos F-35, se você não conseguir colocar alguém em terra”.

A proposta de cortar dois navios, relatada pela BBC na noite passada, acompanha uma opção para diminuir em 1.000 o tamanho dos fuzileiros navais de mais de 6.640 pessoas, retirar dois navios caça-minas mais cedo do serviço e vender um navio de pesquisa oceânica. Os fuzileiros navais já sacrificaram o treinamento na Noruega e nos Estados Unidos este ano. Além disso, o outro navio anfíbio principal da Marinha, o HMS Ocean, o porta-helicópteros que lidera os esforços de alívio de furacões da Grã-Bretanha no Caribe, está sendo aposentado no próximo ano.

O HMS Ocean será desativado em 2018

Um oficial sênior de Royal Marines culpou a introdução do HMS Queen Elizabeth e do HMS Prince of Wales, os novos porta-aviões de £ 6,2 bilhões, pelo agravamento do financiamento e pelos problemas de pessoal. “Esta é a pior decisão de aquisição do último meio século, é por isso que os Royal Marines estão sendo sacrificados”, disse o oficial ao Newsnight da BBC.

Os porta-aviões, que podem levar helicópteros Chinook, podem realizar “operações litorâneas” com fuzileiros navais, mas não conseguem lançar embarcações de desembarque, uma característica do Bulwark e Albion.

Perguntado sobre os navios de assalto, um porta-voz do Ministério da Defesa disse: “Nenhuma decisão ainda foi tomada e qualquer discussão sobre as opções é pura especulação”. Perguntado sobre os helicópteros Wildcat, um porta-voz disse: “Estamos contribuindo para a revisão do governo e olhando sobre a melhor forma de gastar o nosso crescente orçamento de defesa para suportar isso”.

Os cortes propostos

FONTE: The Times

- Advertisement -

96 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
96 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
AL

Pois é, percebe-se a MB tomou a decisão correta de aposentar o São Paulo. Para quem tá com a grana curta, tem de fazer uma escolha: ou se tem NAe ou se tem Marinha, as duas coisas não dá…

Por outro lado, esses Super Linx seriam uma boa aquisição, se aposentados mesmo?

tomcat3.7

A MB tem a adquirir alguns desses wildcats, coloca num pct junto com o Ocean e Ta bom demais.

João bosco

Uma dúzia desses Linx Wildcat, junto com uns 10 Merlins, os dois caça-minas e o porta-helicópteros Ocean não seria uma má ideia para a MB propor aos ingleses.

TEREU

seria interessante para MB…além do ocean, poderia adqurir HMS Albion e HMS Bulwark mais uns wildcat…e mais OHP da australia…

muitos vão falar que a MB só compra sucata…mas pelo menos da um fôlego aos navios que estão na sua final vida útil…

Jr

Esses dois porta aviões classe queen Elizabeth são verdadeiros cavalos de tróia dentro da royal navy.

Se for verdade sobre a aposentadoria do HMS Albion e do HMS Bulwark, creio que um desses seriam muito mais interessante para a MB do que o Ocean, esses podem levar os clanf(s) dos fuzileiros o Ocean não

Walfrido Strobel

Estes dois porta aviões ingleses estão como os F-35 na USAF, atropelando todos os outros projetos que no futuro podem fazer falta.

Roberto Bozzo

Tanto os LPD quanto os Wildcat seriam interessantes ao Brasil? Agregariam capacidade real a MB a um custo razoável?

Juntando com as possíveis aquisições do Ocean e das OHP australianas, mais o Bahia e uma revisão nas Niterói, daria à MB fôlego para aguentar até a década de 30 onde, esperemos, a economia melhoraria e seria possível iniciar aquisições de meios novos ?

Jr

Strobel esses dois porta aviões são o prosub Britâncio, estão estrangulando a marinha deles da mesma maneira que o prosub esta estrangulando a nossa

igortepe

Acho que os Wildcats não serão postos à venda,serão estocados,podendo ser colocados em disponibilidade caso haja necessidade.Já os HMS Albion e HMS Bulwark grande chance de venda.

Fabio Souto.

Bom seria se les disponibilizassem 4 fragatas tipo-23 para MB.

Bavaria Lion

Vão usar os QE como anfíbios, reduzindo a caça ao máximo para caber a força anfíbia. É simples, porém, os LPD oferecem mais suporte as operações.

John Paul Jones

Caraca quando eu vejo comentários acima para comprar esta velharia exposta no artigo eu vejo que nós brasileiros somos muito mais involuídos do que o primeiro mundo …. O que a UK Navy está fazendo é exatamente o que a MB tinha que estar planejando para os próximos 10 anos: compatibilizar Orçamento x Despesas / Investimentos. A MB tinha que cortar na carne o que tem ou os seus ativos para tornar compativel os seus gastos com os orçamentos previstos da União, pensar igual a uma empresa. A MB não irá quebrar como uma empresa mas não passaria o vexame… Read more »

Alfredo Araujo

(Ficou faltando uma parte do comentário)… favor apagar o anterior…
.
“A MB está tendo que chorar de joelhos p conseguir algum fundo junto ao MD para tentar adquirir o HMS Oceam…. e “nego” sonhando com frota de Wildcats e fragatas Tipo-23…. rsrs”

zorannGCC

Tem de ver até que ponto que isto é verdade, e se de fato vão mesmo retirar os navios e helicopteros.
.
De qualquer forma, não deixa de ser interessante ver como lá os gastos são discutidos, e buscam o equilíbrio orçamentário. Tem de cortar X de verba, então vamos discutir oque iremos cortar…

Hélio

Rapaz, mas que oportunidade hein?

Dalton

Não de deve contar com os ovos antes da galinha bota-los…trata-se apenas de especulação,
nada foi confirmado e também não adianta achar que mesmo que o “Albion” e o “Bulwark” que
são relativamente novos e acabou de se gastar muito com a reativação do primeiro mesmo que
prematuramente retirados de serviço caberiam no bolso da marinha brasileira ainda mais com
tantos outros supostos candidatos como o “Ocean” e as fragatas australianas.

Ronaldo de souza gonçalves

Essas comprar de ocasião seria bem vinda.Pensando no futuro é claro que o Brasil vai sair desta crise.è quando sair não haverá essas oportunidades.Penso que outros países como o chile por exemplo deve está de olho.Espero que o Brasil consiga o Porta Helicptero e alguns helicópteros.quanto de assalto anfíbio Brasil já tem.

Bardini

Lá os gastos são tão bem discutidos que apareceu um rombo bilionário no orçamento deles, rsrrsrsr… Agora estão tendo que se desfazer de equipamentos de suas FFAA. No “ano da Royal Navy”, vão passar o facão em navio em bom estado. . “… mas também deve reduzir um buraco de £ 20 bilhões a £ 30 bilhões no orçamento ao longo da próxima década”. . A parte engraçada, pra quem lê Blogs UK de defesa, é que surgem comentários semelhantes aos daqui, rsrsrsrs… Os Porta Aviões acabaram com a Royal Navy! Os F-35 são o problema. O Brexit é o… Read more »

HMS TIRELESS

Está mais para sensacionalismo do que para medidas concretas a serem tomadas. Nenhuma marinha de juízo abdica de suas capacidades anfíbias, ainda mais quando se tem a terceira maior força de fuzileiros navais ( Os Royal Marines em tamanho perdem para o USMC e os Fuzileiros da Marinha do Exército de Libertação Popular Chinês) e muito menos desativa helicópteros recentemente adquridos como é o caso do Wildcats, fundamentais para o componente aéreo das escoltas da RN.

HMS TIRELESS

Em tempo: no UK Defense Journal, a meu ver o mais equilibrado dos sites/blogs de defesa da terra da Rainha, não há menção alguma a essa noticia.

Top Gun Sea

Eu acho que se proceder, além do Ocean pelo menos os dois caça minas é de fundamental importância para a MB.

Top Gun Sea

O relato do Chefe das Forças Armadas, Sir Stuart Peach, Air Chief Marshal deixou uma dúvida que abriu precedentes – Com essa contenção dos gastos operacionais da RN é provável que o Ocean pode ser ofertado com toda ou boa parte de sua ala aérea.

Augusto

O wildcat em tese não faria falta para proteção das escoltas já que a RN tem 55 ah101 e esperar chegar a 77 mas como a RN tá sem aviso ASW dedicado os ah101 Merlin estão sendo usados em terra para suplantar essa falta, outra coisa importante do wildcat é que ele lança mísseis e o Merlin não, isso aí eu já não sei como a RN vai resolver porque pra modificar os Marlin deve custar uma $$$ boa. Quanto aos Los da classe Albion, eles não são importantes para assaltos anfíbios que podem ser é seriam realizados pelos Queen… Read more »

Dalton

Os 2 “LPDs”, “Albion” e”Bulwark” já estão operando sob uma espécie de rodízio…enquanto
um permanece operacional…passando por manutenções de rotina o outro permanece “hibernando” com uma pequena tripulação durante alguns anos…até ser gradualmente reativado algo que dura alguns anos também e então o outro passa a “hibernar”.
.
O “Albion” foi finalmente trazido à vida recentemente, incorporando algumas melhorias para
ficar no lugar do “Bulwark”…é estranho que estejam especulando retirar ambos agora…tudo
pode acontecer…inclusive…nada.

Marcelo Andrade

Opa, vamos às compras, não tem tu, vai tu mesmo!!!

Dalton

Os 2 novos NAes tem servido de bode expiatório…mas…eventualmente eles serão úteis…o
problema maior são os 4 grandes submarinos da classe “Dreadnought” que estão e estarão
consumindo muitos recursos na próxima década…só que ao contrário dos NAes…a única
função deles será de dissuasão nuclear já que não servirão para mais nada.
.
Em breve os franceses terão que encarar a substituição dos seus 4 grandes submarinos estratégicos também e não deverá ser nada fácil.

Fabio

Diferença de um pais que levar a serio as suas finanças, que diferença do Brasil…O povo tem que parar de acha que o Estado produz dinheiro, o dinheiro do Estado e o dinheiro que a sua nação produz…e cada comentário que vejo, que Marinha deveria adquirir, aproveita a chance…compra e fácil, difícil e manter…So de exemplo, se vc compra um navio por 10 milhões vc vai gastar no mínimo 30 milhões para mante-lo ativo durante sua vida útil…

Thom

Eita!
Que “pacotão” viu.
Se não fosse a frouxidão do ministro da defesa.
Poderíamos virar de década com uma armada interessante.

Thom

Marcelo

Para todos que estão preocupados com a Royal Navy…….Lembrem-se que a nossa MARINHA, JA ACABOU……..

Thom

Se o HMS Albion e HMS Bulwark tivessem em situações boa, poderia ser melhor comprar os dois que o Ocean?
Como galante citou acima, poderá haver mais cortes. Eita!
Será que a Type 23, poderia também entrar nesses cortes?!
Ocean, 5 wildCats, Albion e 2 type 23. Custada nada sonhar. hahahahahahaha
Galante, será que você poderia fazer um texto sobre os possíveis equipamentos que poderá e estão disponíveis atualmente?
Agradeço desde já.

Burgos

Simples !!!
Pacotão da Rainha Elisabeth para o Brasil !!!
Antecipa a desativação no Ocean, pegamos mais um navio anfíbio desses aí, em anexo mais uns 6 Wildcats .
Eles tiram o pé da lama e nós ganhamos fôlego na Esquadra
Detalhe: nada de OHP tem coisa melhor no mercado pra aquisição tampão que é o que nós precisamos.

Burgos

Isso !!! Isso !!!
Esqueci
4 tipo 23 ia bem também !!!
Bom navio
2 eixos e de propulsão econômica
CODLAG se não me falha a memória
Ai Galante !!!
Corrige a sigla se tiver errada

GeneralSofá

RN está tentando adaptar ao orçamento enquanto as forças armadas brasileiras querem que o orçamento se adapte a elas, deu no que deu …

AL

Pessoal, para quem diz que a MB está de novo comprando “sucata”… Como alguém já disse, não sei se nessa postagem ou na das OHP australianas, quando a nossa economia melhorar, essas “ofertas” não estarão mais aí. Já disse em outra ocasião que o mercado de usados está acabando, então pega agora ou depois senta e chora, simples assim… De quando o Brasil começou com a moeda Real, que me lembre, a MB nunca pagou mais do que 500 milhões de dólares em um navio novo, é uma barreira psicológica jamais rompida, então meus caros, vamos cair na real, não… Read more »

PauloR

Não é a primeira vez que os britânicos aposentam material novos para cortar custo. Em 2010 eles aposentaram os Nimrod MRA4, então não vejo como absurdo aposentar os Wildcats

ADRIANO M.

“Caraca quando eu vejo comentários acima para comprar esta velharia exposta no artigo eu vejo que nós brasileiros somos muito mais involuídos do que o primeiro mundo” ….

Se estiver falando dos helicópteros,tudo bem,mas se for do HMS Bulwark amigo,ele é relativamente novo,é de 2001.

https://en.wikipedia.org/wiki/Albion-class_landing_platform_dock

ADRIANO M.

mas como acabei de ver,os Wildcat HMA2 são novos…

Danilo

O problema em cortar meios em estado operacional relativamente novos, só é um problema quando sua marinha não tem muitos meios, vide marinha do brasil (tendo que cortar sucata pra outras sucatas poderem continuar operando) na royal navy é justamente o contrario, eles possuem meios capazes de suprir as necessidades de sua maquina de guerra, vide seus programas de obtencão por exemplo as type 26, type 45 já operacionais, Queen elizabeth entrando em fase final de aceite, os subs da classe astute, F-35 então dizer que a marinha real está louca é quase um sarcasmo.

Mazzeo

Legal essa divagação sobre a compra desses meios, alguns bem interessantes pra MB, maaaaaaaas, NÃO HÁ GRANA ! Eu sei, se não houvessem roubado … a petrobras … os políticos … tudo isso são coisas que não temos como mudar. Só podemos pensar no futuro com o que temos agora, sairemos da crise, não esquecendo os erros do passado, votando melhor e por aí vai. Mas a realidade atual e conseguirmos grana pra pagar o custeio, salários, combustível e por aí vai ! Adoraria ver o Ocean, alguns wildcat e os caça minas, porém temos que ter o pé no… Read more »

Jr

Caramba, estive lendo os principais sites de notícias Britânicos ainda pouco e essa notícia caiu como uma bomba lá, pessoal da Royal Navy chiando barbaridade

http://www.dailymail.co.uk/news/article-4957294/Senior-Royal-Navy-officer-criticises-war-ship-cuts.html

Zeabelardo

Bardini 6 de outubro de 2017 at 15:47
“Lá os gastos são tão bem discutidos que apareceu um rombo bilionário no orçamento deles, rsrrsrsr…”

De rombo, nós entendemos. 30 bilhões por aqui é fichinha.

“A parte engraçada, pra quem lê Blogs UK de defesa, é que surgem comentários semelhantes aos daqui, rsrsrsrs…”

Sempre achei que o objetivo de blogs e afins era esse. Pra puxar o saco do comando ou do dono do blog, melhor fazer outra coisa.

Zeabelardo

Pessoal, quem morre de véspera é peru de natal.

De nada adianta ter meios, sem treinamento, manutenção e armas. Um orçamento saudável garante isso.

Quanto a cortes, sagrados só os subs balísticos. O resto depende do planejamento e financiamento.

Gabriel Oliveira

Vendo isso me pergunto será se sai o segundo porta aviões?
Outra coisa osenão dois LPDs não seriam interessantes para a MB?

Rprosa

HMS TIRELESS, você esta redondamente enganado, atualmente os Royal Marines possuem um efetivo que varia entre 6500/7200 homens incluindo oficias e o corpo feminino, desta forma os Royal Marines em número são menores que os Corpo de Fuzileiros Navais da MB que hoje possui cerca de 18.000 homens nos seus efetivos, que infantaria de marinha russa que ostenta em números ditados por Moscou um efetivo de 12.000 enquanto alguns órgãos estrangeiros estimam em 35.000 homens, e muito menores que os marines chineses que envergam efetivos de mais de 100.000 homens, se efetuarmos um pesquisa mais aprofundada veremos que os Royal… Read more »

Bavaria Lion

Anfíbios que não são bem armados organicamente necessitam de escoltas ou de meios aéreos capazes de prover capacidade de defesa e ataque tridimensional (ar-ar, ar-mar e ar-solo).

Eu acho interessante o pessoal querer o Ocean, os dois anfíbios da matéria, os Wildcats e se esquecer que sem escolta pra isso, eles são apenas alvos em caso de conflito.

HMS TIRELESS

Meu caro Rprosa eu lamentavelmente me enganei mas ou contrário de você, que escreve looongos e prolixos textos no intuito de querer negar o óbvio quando erra, eu admito os meus equívocos. Ah! Quanto aos números dos fuzileiros da Marinha do Exército Popular Chinês, você está redondamente enganado…😉

helio

Não sei porque tanta discussão. Não há *nenhuma* hipótese de dinheiro para compra de meios novos nos próximos dez anos. Logo, para não parar d vez, a MB tem se virar com o que há no mercado. Entre não comprar nada, comprar “velharia” ou esperar década ou década e meia para ver se dá para ter um navio novo, fico com OHP, Ocean e LPD….. Type 23 já seria luxo…..

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

Reator nuclear pode tornar Brasil autossuficiente em radiofármacos

Empreendimento reduzirá riscos de desabastecimento e custos dos medicamentos, além de ampliar o acesso dos brasileiros à medicina nuclear São...
- Advertisement -