Home Marinha do Brasil Sputnik: Força de Submarinos brasileira continua liderando na região apesar da crise

Sputnik: Força de Submarinos brasileira continua liderando na região apesar da crise

7314
67
O submarino da Marinha do Brasil, Tikuna (S34), fotografado em em Mayport nos EUA durante sua primeira visita a uma base da US Navy, patrocinada pelo Comando do Sul das Forças Navais dos Estados Unidos

O Brasil é o único país da América Latina com quatro submarinos de seu próprio desenvolvimento e determinado a construir outros quatro convencionais e um quinto nuclear apesar das restrições orçamentárias, segundo comentou a Marinha brasileira à Sputnik

No momento, o país dispõe de cinco submarinos: quatro de ataque convencional da classe Tupi, entre os quais o Tupi, único fabricado na Alemanha e adquirido em 1989, o Tamoio (1994), o Timbira (1996), o Tapajó (1999) e o maior e mais moderno Tikuna (2005), segundo os dados fornecidos à agência.
Os últimos quatro foram construídos no Arsenal de Marinha no Rio de Janeiro.

Na fase da construção se encontram outros quatro submarinos convencionais, baseados na classe francesa Scorpène como parte do acordo de cooperação militar que foi firmado em 2009 pelo então presidente do país Luiz Inácio Lula da Silva com seu homólogo francês Nicolas Sarkozy.

O primeiro, batizado de Riachuelo, poderá estar pronto até o fim de 2018 e os outros três devem ser entregues antes de 2022, segundo informou a Marinha do Brasil.

Até o fim da década de 2020 poderá estar pronto a ser lançado o primeiro submarino nuclear do Brasil, Álvaro Alberto, denominado em homenagem ao almirante pioneiro da criação do programa nuclear brasileiro e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

O governo de Lula (2003-2011) argumentou a necessidade de reforçar o equipamento militar naval após a descoberta de hidrocarbonetos pré-sal, enormes depósitos de petróleo em águas ultraprofundas, debaixo de uma camada de sal na plataforma continental do sul do país.

Função específica

O Brasil, ao contrário do México, que não possui frota submarina, considera que este navio é “por excelência, o meio naval de melhor eficácia na negação do uso do mar ao inimigo, bem como um importante meio naval de dissuasão”, diz o texto da Marinha entregue à Sputnik.

Este tipo de navios é empregue também em “operações secundárias” que exigem um sigilo que outros navios não têm.

“Por exemplo, o submarino pode minar a entrada de um porto sem que o inimigo note sua presença” ou prestar apoio “em operações especiais quando penetra no território marítimo inimigo de forma oculta, transportando agentes de forças especiais até perto do alvo, lançando-os para que realizem uma missão determinada”, explica a Marinha.

O uso de submarinos é regulado por um período de seis anos de operações no mar e de rotinas de manutenção.

Com o fim deste prazo, o submarino passa por trabalhos de manutenção geral, ou seja, revisão e modernização, entre outros.

O Tupi, por exemplo, concluiu sua operação de manutenção geral em 2016. Atualmente, por esta renovação passam os submarinos Tamoio e Tikuna. Os próximos serão o Timbira e o Tapajó.

O mínimo necessário

Todos os submarinos que estão prontos para operar já cumpriram o índice de disponibilidade anual previsto.

Em novembro, o porta-voz da Força de Submarinos, comandante Vladimir Lourenço, afirmou ao Folha de São Paulo que a Marinha do Brasil opera “dentro do mínimo necessário” e que “houve redução significativa” de dias no mar para diminuir os custos.

A intenção é poupar na estrutura da embarcação, cujas baterias se desgastam com a utilização, assim como em combustível e em todo o aparato de apoio de que precisa cada submarino quando sai para navegar.

Treinamento

Para que um militar se torne submarinista é necessário um extenso período de adaptação.
A bordo dos submarinos se realizam diariamente treinamentos de combate a avarias, tanto no mar como em porto. No período operativo do submarino, a tripulação passa por várias etapas de treinamento que permitem avaliar sua prontidão para combater avarias, incêndios, inundações e gases tóxicos, entre outros.

O submarino apenas estará pronto para navegar se a comissão avaliadora considerar que a tripulação pode superar os vários tipos de avarias.

Operação de busca

As fontes da Marinha brasileira se recusaram a comentar o incidente com o submarino argentino ARA San Juan, desaparecido em 15 de novembro no sul do Atlântico.

“Podemos mencionar que há recursos de salvamento existentes no interior dos submarinos, além da Marinha do Brasil possuir o navio de socorro submarino Felinto Perry, que tem capacidade para resgatar tripulações de submarinos sinistrados até 300 metros de profundidade”, conforme a informação entregue pela Marinha.
Especialistas de resgate de submarinos se encontram anualmente para discutir o tema e desenvolver novas técnicas sob direção da agência especial da OTAN para operações de evacuação e resgate submarino (ISMERLO, na sigla em inglês), segundo informa a Marinha brasileira.

FONTE: Sputnik News

newest oldest most voted
Notify of
Sandro
Visitante
Sandro

Quanto ao nuclear so acredito no dia que ver ele sair do estaleiro. Espero que isso aconteça nos prox 40 anos.

Sandro
Visitante
Sandro

Detale a materia fala em 4 subs, na verdade são 5. Desconheço a informação de que algum tenha sido dado baixa. Tupi, Timbira, Tapajó, Tamoio e Tikuna.

Nunão
Visitante
Nunão

Sandro, melhor ler de novo: “No momento, o país dispõe de cinco submarinos: quatro de ataque convencional da classe Tupi, entre os quais o Tupi, único fabricado na Alemanha e adquirido em 1989, o Tamoio (1994), o Timbira (1996), o Tapajó (1999) e o maior e mais moderno Tikuna (2005), segundo os dados fornecidos à agência. Os últimos quatro foram construídos no Arsenal de Marinha no Rio de Janeiro.” Apesar da fonte ser Sputnik News, a quantidade está certa. Quatro foram os construídos no Brasil, um foi na Alemanha. Onde a Sputnik escorrega feio é no subtítulo, onde ao invés… Read more »

Glasquis7
Visitante

“Força de Submarinos brasileira continua liderando na região apesar da crise”

Qual região?
Qual submarino da MB é Líder na região?
O que o Poder Naval entende por Liderar a Região?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Glasquis7, a matéria foi posta aqui pelo editor do site para ser discutida, não é matéria original do Poder Naval, então não cabe a sua última pergunta.

Glasquis7
Visitante

“não cabe a sua última pergunta.”

Verdade, a minha compreensão de leitura hoje está um pouco lenta.

Glasquis7
Visitante

Nunão
“Onde a Sputnik escorrega feio é no subtítulo, onde ao invés de dizer “de seu próprio desenvolvimento” deveria estar “de sua própria construção”:
“O Brasil é o único país da América Latina com quatro submarinos de seu próprio desenvolvimento””

Concordo. O Tikuna não pode ser considerado um sub desenvolvido pelo Brasil, no máximo é uma “evolução do Tupi.

Rodrigo Silveira
Visitante
Rodrigo Silveira

Quando os Scorpenes entrarem em serviço ativo, os Tupis vão dar baixa? Vamos ter sempre cinco em operação?

Rafael M. F
Visitante
Rafael M. F

Bom, com o Tupi sendo provavelmente o primeiro a dar baixa, podia rolar um museusinho aí né?

Só que dessa vez fora da água, sobre apoios de concreto. Tem algum guindaste capaz de fazer isso?

TukhAV
Visitante
TukhAV

Marinha Bananense “lidera”, está no topo, à frente de… um punhado de países que mal “cabem” na cidade de SP, quando muito no Estado homônimo. Detalhe: a distância em meios para a tripinha do pacífico é de meio palmo, mas o orçamento… ah o orçamento, é METADE DO DA REGIÃO INTEIRA.
BANÂNIA PUTHÊNPHIA!!

cwb
Visitante
cwb

Eu li não me lembro onde,que para neutralizar um submarino são necessários 20 navios.Se temos 5,e supondo 2 em manutenção,a marinha do Brasil tem um bom poder em suas mãos.
Não tem país na América do sul com capacidade de neutralizar todos esses submarinos.
Se estiver errado,por favor nossos especialistas podem me corrigir e me ensinar mais um pouco.
Não entrou aviação de patrulha no comentário.

Mk48
Visitante
Mk48

Tenho muito orgulho da MB, por fazer e manter competências duramente conquistadas , tomando em conta o orçamento disponível. Na América do Sul, que é o nosso teatro de operações, somos líderes sim.

Paulo Nunes
Visitante
Alex II
Visitante
Alex II

“O governo de Lula (2003-2011) argumentou a necessidade de reforçar o equipamento militar naval após a descoberta de hidrocarbonetos pré-sal, enormes depósitos de petróleo em águas ultraprofundas, debaixo de uma camada de sal na plataforma continental do sul do país.”

Pergunta estratégica: se esta foi a justificativa do Lula para o Prosub, com a entrega do pré-sal às empresas estrangeiras pelo Temer ainda é necessário (por causa do grande investimento financeiro) termos esses novos submarinos?

Agnelo
Visitante
Agnelo

Cwb, boa noite
O q soube é q todo esforço de guerra AS britânica foi utilizado na Guerra das Malvinas.
É um inimigo perigoso.
Sds

Glasquis7
Visitante

MK 48
“Na América do Sul, que é o nosso teatro de operações, somos líderes sim.”

Lider em que, em modernidade, capacidade de meios, capacidade operativa de meios, armamentos…???

TukhAV
“…Detalhe: a distância em meios para a tripinha do pacífico é de meio palmo…”

A “tripinha do pacífico”, está bem à frente em se tratando de capacidade de combatentes, tanto de superfície quanto a sua frota silenciosa.

Martins_PA_18
Visitante
Martins_PA_18

Por evidente que o Brasil tem mais poderio econômico que o Chile para se preparar mais rapidamente em caso de conflito, bem como maior quantidade de belonaves, mas achei bastante respeitáveis os meios navais deles, que possuem 04 subs, sendo dois da classe Scorpéni: https://www.armada.cl/armada/nuestras-fuerzas/2014-05-05/102102.html

Será que os russos levaram a Armada Chilena em conta ou foi mais um artigo equivocado?

Glasquis7
Visitante

Martins_PA_18 “Por evidente que o Brasil tem mais poderio econômico que o Chile para se preparar mais rapidamente em caso de conflito” Discordo. Hoje a preparação é um fator permanente. Embora o poder econômico seja, realmente importante, não se pode comprar preparação imediata. O se está preparado ou não e pra isso você precisa ter os meios disponíveis. Por exemplo, a MB está preparada pra operar e manter um Scorpene neste momento? Tal vez sim, tal vez não. Isso faz uma diferença enorme. A ARCh está? Sim, tanto é que os opera há mais de uma década e isso dá… Read more »

Jodreski
Visitante
Jodreski

Sabem pq estamos discutindo se a MB e sua força de submarinos é ou não é lider da região? Pq assim como o Exército e Força Aérea, a MB prefere gastar o que recebe da União com folha de pagamento já que tocar no assunto de aposentaria especial é tabu nesse país, pensão então nem vamos comentar pq da vergonha! Enquanto ficarmos pagando as relagias de poucos, pouco sobrará para investirmos no q realmente interessa: armamento e treinamento.

Flávio Cardia
Visitante
Flávio Cardia

A matéria levou em conta q a MB tem 5 e esta construindo (pelo menos) mais 4, e no próprio país, sem falar no estaleiro q poderá fazer a manutenção dos mesmos e construir outros mais, enquanto os outros países da AL só tem modelos inferiores e/ou em menor número……
Mesmo o Chile, que mesmo tendo 2 Scorpene, não tem nada em vista de ter mais a curto e médio prazo….

Nonato
Visitante
Nonato

Gostei da fala do rapaz da Marinha. Usamos pouco os submarinos para poupa-los. Concordo plenamente. Você paga uma nota por um equipamento militar de ponta. Aí fica todos os dias rodando para lá e para cá. Passar-se seis anos: Almirante, o submarino não funciona mais. Precisa gastar 100 milhões de dólares… Fale com o presidente… Sei que não podem ficar parados e que o pessoal precisa treinar, estar preparado. Mas daí acabar com o meio (submarino, caça, navio, etc) e na hora da necessidade não ter porque passaram dez, vinte anos acabando com um bem tão valioso. Igual a caças.… Read more »

jORGE KNOLL
Visitante

Posso até estar enganado, mas dos 5 submarinos, não sei se algum ou apenas um está em condições de submergir e operar em alo mar.
Temos sim que fazer a manutenção e/ou upadte deles, para alongar a vida dos mesmos e torná-los operacionais, o que não ocorre hoje, infelizmente, por falta de verbas.

Zé
Visitante

Que nomes de batismo desgraçados! Que índio tem a com o mar ou a Marinha do Brasil? Só tipos fazendo média com o PC.

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Zé,

A marinha já tinha cruzadores com esse nome no final do séc. XIX.

http://www.naval.com.br/ngb/T/T068/T068.htm

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.
Nunão
Visitante
Nunão

Agora a moda é reclamar de tudo, até de nomes, como se fossem coisas decididas no governo hoje, de ontem ou de anteontem, só pra “causar”.

Tem gente que reclama do uso centenário de nomes de tribos indígenas pra equipamentos militares brasileiros, mas deve vibrar quando assiste um vídeo de helicóptero Apache ou Chinook. Vai entender esse povo.

Zé
Visitante

Já pensou o USS nagô, HMS gê e o ARA cabinda??

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Já pensou o USS nagô, HMS gê e o ARA cabinda??”

E você, Zé, já ouviu falar do USS Chickasaw, USNS Sacagawea e outros?

Roberto Dias
Visitante
Roberto Dias

Gostaria de saber se existem planos para a Classe “alemã” após a chegada dos Scorpéne. Sei que mesmo após a chegado dos “franceses” os 209 ainda serão excelentes diante da realidade da região, mas por outro lado, a realidade das marinhas hoje em dia, é se livrar dos navios mais antigos para manter os mais novos.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Roberto Dias, a intenção da Marinha é manter o máximo possível de submarinos atuais operando até a conclusão da fase atual do Prosub, mas é preciso levar em conta os custos operacionais da frota como um todo e a aproximação do final da vida útil projetada de alguns. Os mais velhos (o Tupi, por exemplo, entrou em serviço em 1989 e saiu há pouco tempo de um Periodo de Manutenção Geral-PMG que provavelmente será o seu último, para mais uns sete anos de operação) ou os que, mesmo ainda com vida útil se aproximem de um último PMG mais extenso… Read more »

Glasquis7
Visitante

Flavio Cardia “Mesmo o Chile, que mesmo tendo 2 Scorpene, não tem nada em vista de ter mais a curto e médio prazo….” Tem gente que comenta apenas, por que tem um teclado à mão. O Chile tem na atualidade, a frota silenciosa mais nova, moderna e capaz de toda América Latina. Opera os mais modernos e pesados torpedos, com os sistemas e sub sistemas mais modernos. Neste momento, três dos quatro submarinos da ARCh estão navegando. Os U 209 passaram pela sua última Modernização de grande porte em 2012 e fizeram o seu último refit no fim do ano… Read more »

Guizmo
Visitante
Guizmo

Kkkk boa Nunão

Carlos A Soares
Visitante
Carlos A Soares

Fernando “Nunão” De Martini 22 de dezembro de 2017 at 8:25

A grana do Ocean poderia ter sido contida para esses Sub’s.

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Zé 22 de dezembro de 2017 at 6:50 , Santa Maria……..

Johan
Visitante
Johan

Putz é muito comentário de gente com conhecimento de frequentador do UOL. Nem quando o Brasil adquire submarinos modernos adianta, pois a grama do vizinho é sempre mais verde.

Glasquis7
Visitante

Johan “…Nem quando o Brasil adquire submarinos modernos adianta, pois a grama do vizinho é sempre mais verde.” Não se trata disso, se trata de ver quais as reais capacidades das diferentes forças de submarinos na região. A maior, em quantidade era a Colômbia com 6 unidades mas nem sei se ainda estão todas operativas. O plano colombiano é a construção de sete unidades pra nova frota silenciosa da Colômbia. Assim como o Brasil, o Perú tem 5unidades sendo elas U 209 1200 que estão entrando em modernização em 2018. O Chile tem 4 unidades sendo 2 U 209 1400L… Read more »

Johan
Visitante
Johan

E porque então não se comenta que os nossos estão recebendo, entre outras melhorias, o mk48 e que os que estão sendo fabricados serão maiores e com capacidades melhoradas em relação aos outros Scorpenes? Continuo afirmando…a grama do vizinho é sempre mais Verde.

Glasquis7
Visitante

Johan

Cara, tu leu o Titulo da matéria?

” Força de Submarinos brasileira continua liderando na região apesar da crise”

Na atualidade é o Líder da região? Não. Vai ser, quando entrem em operação os novos submarinos mas até lá, tem pelo menos uma força com condições acima das da MB.

então não é líder.

Johan
Visitante
Johan

Mecionei justamente a questão futura dos Scorpenes BR da mesma forma que você mencionou a compra de novas unidades pelo Chile que deverão realizar na próxima década. Como você pode alegar que eles estão/estarão 100% operacionais se você mesmo informou que tem um em modernização na qual termina em Março/18 e a modernização dos IKL começa em Janeiro/2018? No máximo, nesse período, eles terão 75%. Admiro a forma que as forças armadas são conduzidas de forma pragmática, mas eles também tem os problemas deles. Lembro que nos anos 2000 tivemos um PMG de um de nossos IKL estagnado durante anos… Read more »

Glasquis7
Visitante

Johan “Como você pode alegar que eles estão/estarão 100% operacionais se você mesmo informou que tem um em modernização na qual termina em Março/18 e a modernização dos IKL começa em Janeiro/2018? No máximo, nesse período, eles terão 75%. ” Neste momento dos 4 Submarinos da ARCh 4 estão 100% operacionais apenas esperando pra entrar em dique pra suas modernizações sendo que uma está programada pra ser muito rápida (a do SS Carrera) e deverá ser concluída em Março. Em Janeiro se iniciam as modernizações dos U 209 ou seja, NESTE MOMENTO, 23 DE DEZEMBRO DE 2017 , OS QUATRO… Read more »

Conde
Visitante

Sem tubos de lançamento de mísseis, sem submarinos…
O que impediu o Brasil de introduzí-los?
Permissão diferenciada Americana?
Burrice?
No mais, não adianta sabermos fabricar se esse contingenciamento imbecíl de uso nos impediría de utilizá-los eficazmente num futuro próximo ou médio.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Senhores
Resultados

Duas vezes nossos submarinos “afundaram” Porta-Avioes da OTAN em exercícios e evadiram-se.
Ainda participamos de exercícios e sempre vejo um Sub saindo da Baía de Guanabara.

Se operamos bem os alemães, por que não os franceses?

Sds

Nunão
Visitante
Nunão

“Conde em 23 de dezembro de 2017 at 10:19
Sem tubos de lançamento de mísseis, sem submarinos…
O que impediu o Brasil de introduzí-los?
Permissão diferenciada Americana?
Burrice?”

Conde, boa noite. De que “tubos de mísseis” você está falando?
Não entendi patavinas, mas fiquei curioso.

Dalton
Visitante
Dalton

Provavelmente ele estava referindo-se aos tubos verticais de mísseis…”VLS”…mas…”VLS” não é uma unanimidade…os novos submarinos em construção para a marinha francesa, classe Suffren, lançarão seus mísseis através de tubos de torpedos e os novos submarinos da classe “Astute” da Royal Navy também não possuem “VLS”. . O “VLS” aparentemente é mais útil para submarinos que operam mais constantemente em áreas litorâneas de prováveis inimigos, não deverá ser o caso dos futuros submarinos brasileiros e mesmo os mais novos submarinos da classe “Virgínia” ao invés de 12 “tubos” verticais para mísseis, estão sendo construídos com 2 “tubos”bem maiores capazes de acomodar… Read more »

CLAUDIO LUIZ
Visitante
CLAUDIO LUIZ

Alex II 21 de dezembro de 2017 at 20:27,
Este seu questionamento quanto a construção ou não dos 4 classe Scorpenes convencionais deveria ter sido feito anteriormente a assinatura do contrato em 2009.
Todos os 4 já se encontram em diferentes estágios de construção e este projeto já passou há muito tempo do ponto econômico/financeiro que viabilizasse o seu cancelamento.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Quem tem boca fala o que quer, fato, mas a sputnik alega que foi o Comando da Marinha Brasileira que falou que temos a melhor força de submarinos da região, entenda-se por região a América Latina. Então deveríamos falar com propriedade, e tentar fazer uma comparação, no caso farei entre as três melhores da região, pontuarei com pesos de 3,2 e 1 para primeiro, segundo e terceiro colocados em cada quesito analisado: 1)Quantidade de submarinos: Nesse quesito ganha o Perú, com 6 submarinos , em segundo fica o Brasil com 5 submarinos e em terceiro o chile com 4, alguém… Read more »

Alexandre
Visitante
Alexandre

Gostaria de fazer uma correção no quesito toneladas de deslocamento, no caso, errei ao dizer que o Brasil tem 5 submarinos com 1400t, na verdade são 4, com isso o valor total para o Brasil é de 7100 toneladas, ficando em segundo lugar nesse quesito, atrás do Perú que ganha a primeira posição com 7200t. Com isso o resultado geral daria :
1)BRASIL com 12 pontos
2)Perú e Chile com 09 pontos.

TukhAV
Visitante
TukhAV

Gostei da sua comparação, Alexrandre. Bem melhor do que os relatos apaixonados do chileno acima. Contudo, devo dizer que a comparação das reais capacidades das forças submarinas desses países é algo além do que meros leigos (ou até do baixo oficialato) podemos mensurar. Isto pois envolveria segredos industriais das fabricantes, quanto ao perfil hidroacústico e capacidade dos sensores e armamentos. Ademais, a disponibilidade dos meios ou o estado de conservação dos mesmos são alvos constantes de contra-propaganda ou até de ocultação das reais capacidades. Como num jogo de pôquer, no meio militar nunca convém mostrar todas as suas cartas .

Alexandre
Visitante
Alexandre

Com certeza Tukrav, tem pessoas que vivem no mundo da Disney, e dizem, a marinha de meu país tem 100 por cento de disponibilidade, quando nem a marinha americana consegue mais que 75 por cento de disponibilidade. Na verdade, concordo com o que vc diz, cada força sabe de suas reais capacidades e não existe super trunfo, ganha quem tem a maior e mais equipada esquadra, isso em todos os aspectos, que vai desde um navio patrulha até a capacidade industrial militar de um País.

Glasquis7
Visitante

Oficialmente, a ARch operou os seus 4 submarinos na maior parte deste ano tendo 2 em patrulha, um no cais em stand by e um em exercício. Tendo os 4 operativos e, embora alguns achem que 4 de 4 não é 100%, significa que a ARCh está com a sua totalidades de médios silenciosos em operação ou seja 100%. Tem gente que por conveniência a seus argumentos e até por ufanismos, coloque como exemplo a marinhas que não precisam da totalidade dos seus médios mas no caso da ARCh isto é uma realidade. Aliás, as FFAA do Chile tem tal… Read more »

Alexandre
Visitante
Alexandre

É realmente difícil debater com quem quer fazer sua própria verdade. “Oficialmente, a ARch operou os seus 4 submarinos na maior parte deste ano tendo 2 em patrulha, um no cais em stand by e um em exercício. Tendo os 4 operativos e, embora alguns achem que 4 de 4 não é 100%, significa que a ARCh está com a sua totalidades de médios silenciosos em operação ou seja 100%. Tem gente que por conveniência a seus argumentos e até por ufanismos, coloque como exemplo a marinhas que não precisam da totalidade dos seus médios mas no caso da ARCh… Read more »

Alexandre
Visitante
Alexandre

“O Fato de ter mais tonelagem não dá a um submarino vantagem alguma e evidencia o pouco conhecimento sobre o assunto. Ter que apelar pro tamanho pra validar um argumento é algo desprovido de razão. Depois de tudo, estamos comparando submarinos e não cargueiros. Os Submarinos da ARCh, embora sejam apenas 4, são os mais modernos e avançados da região e isso é indiscutível.” Como assim chileno??? É evidente que quanto maior a tonelagem, maior a capacidade de levar víveres, de levar diesel para seus motores, levar mais baterias para um maior tempo submerso(é por isso que a marinha do… Read more »

Alexandre
Visitante
Alexandre

“Juntar quantidade e fazer somas pra tirar media de idade pra tentar sustentar o argumento de tempo é, sem dúvidas, outro grande apelo pra tentar ganhar com argumentos vazios. Todos aqui sabemos que os submarinos mais modernos, novos e capazes de toda América Latina são os dois Scorpene da ARCh. e isso é de domínio de todos.” E como se faz para calcular a vida média de uma frota de submarinos????? mostre ai a sua fórmula… O tikuna do Brasil foi lançado em 2016, mesmo ano do segundo scorpene chileno, então ele não tem a mesma idade???? ele não é… Read more »