quinta-feira, maio 26, 2022

Saab Naval

US Navy quer economizar construindo dois porta-aviões ao mesmo tempo

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br
USS Gerald R. Ford em construção

WASHINGTON D.C. – A Marinha dos EUA lançou dois RFP (Request for Proposal) para os porta-aviões CVN 80/81 para o Huntington Ingalls Industries – Newport News Shipbuilding (HII-NNS) em 19 de Março para definir melhor as economias de custo alcançáveis ​​com a compra de dois navios de uma só vez.

Com letalidade e acessibilidade como prioridade, a Marinha vem trabalhando com o HII-NNS ao longo dos últimos meses para estimar as economias associadas com a compra simultânea dos navios CVN 80 e CVN 81.

“De acordo com a Estratégia Nacional de Defesa, a Marinha desenvolveu uma estratégia de aquisição de combinar as aquisições dos CVN 80 e CVN 81 para melhor atingir os objetivos de construção de uma força mais letal com maior desempenho e acessibilidade do Departamento”, disse James F. Geurts, secretário assistente de Desenvolvimento de Pesquisas e Aquisição da Marinha. “Esta oportunidade para um contrato de dois navios é dependente de uma economia significativa que a indústria de construção naval e de governo devem demonstrar. A Marinha está solicitando uma proposta da HII-NNS, a fim de avaliar se podemos alcançar economias significativas.”

A compra de dois navios é uma estratégia de contratação que a Marinha tem usado eficazmente na década de 1980 para adquirir porta-aviões classe Nimitz e economias de custos significativas realizadas na aquisição, em comparação com a contratação de navios individualmente. Enquanto as negociações dos dois navios CVN 80/81 são feitas, a Marinha está buscando continuar ações necessárias de fabricação do CVN 80 no ano fiscal (FY) de 2018 e preservar o cronograma atual. A Marinha planeja adjudicar o contrato de construção do CVN 80 no início de 2019 como uma compra de dois navios, aguardando aprovação do Congresso e conseguindo economias significativas.

O Enterprise (CVN 80) é o terceiro navio da classe Gerald R. Ford e o substituto numérico do USS Eisenhower (CVN 69). O CVN 81, ainda sem nome, será o quarto navio da classe e será o substituto numérico do USS Carl Vinson (CVN 70). O CVN 80 iniciou o planejamento avançado e a aquisição inicial de materiais de longo prazo em maio de 2016.

FONTE: Naval Sea Systems Command

- Advertisement -

46 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
John Galt

Pô, faz logo três…

Bryan

Construímos 2 porta-aviões a cada 200 anos.

Top Gun Sea

Nunca construirmos porta aviões!

Bryan

Exatamente. Construímos dois, mas apenas mentalmente. kkk

Agnelo

Peeeega! Lavrado!!

Agnelo

Pior… me lembro de quando eu estava no 2o grau lendo sobre a Super e moderna Classe Nimitz…. já tão pondo pra reseva…
E nossas Niterói highlander!!!

Augusto L

Ambicioso! Ate pra eles.
Agora 2 perguntas que ficam:
1-sera que construir 2 a o mesmo tempo tem redução de custos ou os Almirantes estam mentindo para ter novos PAs em menor tempo.
2-Essa nova classe vai substituir os Nimitz, com a Usnavy continuando com 10 PAs, ou vão operar juntos aumentando o numero de porta avioes para 13 ?

Top Gun Sea

A Us Navy estava analisando a possibilidade de ativar o porta aviões Kitty Hawk de 1956 mas, parece que não vingou. Acho difícil desativar algum classe Nimitz dos anos 80 e 90 agora. Devem passar por PMG em seus reatores em um futuro e somar à nova classe Ford.

Julio

Cara o cvn 69 foi lançado em 65. Essa nova classe vem para substituir os Nimitz .

Rogério Rufini

USS Eisenhower que será substituído pelo CVN 80, já possui 43 anos de idade, e terá 50 anos ou pouco mais, quando for substituído, ele já passou pelo programa de meia vida, no Início dos ano 2000, o navio esta dentro do programa de Substituição estabelecido pela US Navy, de 50 anos, os EUA tiveram sempre 12 grupos de porta aviões, e um sempre de reserva, porém nos anos 90 pra 2000, esse grupo passou a ser 11, por encomenda, eles querem voltar a ter 12 grupos de Porta aviões, mantendo sempre em torno de 6 a 8 em operação,… Read more »

Dalton

Rogerio… . O USS “Eisenhower” foi comissionado em 1977 portanto irá completar 41 anos em outubro próximo. . Até pouco depois de 1990 a US Navy contava com 15 NAes que foi reduzido para 12 até 2007 quando o então USS J.F. Kennedy foi retirado de serviço e em 2012 caiu para 10 com a baixa do “Enterprise”, subindo novamente para 11 ano passado com o comissionamento do USS G.Ford que necessitará ao menos outros 2 anos antes de estar certificado para missão. . Voltar a ter 12 NAes por enquanto é pura especulação e não se sabe de onde… Read more »

Ivan BC

Muito bom, Dalton!

Willhorv

Resumindo…
4 em operação/prontidão.
4 em manutenção/docado
3 em treinamento/certificação
Diria que é uma boa média. Acho que com as modernidade, chegarão a um índice de 75% de disponibilidade (9 em 12) com tempos menores de modernizações em docas.

Karl Bonfim

Isso é mesmo por economia, ou um efeito da expansão naval chinesa?

Delfim

Pensei a mesma coisa.

Rogério Rufini

Economia, a China ainda não consegue se opor aos EUA ainda, porém seu crescimento sim incomoda, os EUA possuiam 12 grupos de porta aviões, hoje tem 11, e quer voltar a ter 12, uma hora ou outra precisaria colocar dois ao mesmo tempo

Top Gun Sea

Os chineses podia comprar o A12 SP e dar uma sobrevida de 20 anos em troca de algumas fragatas type 054. Mas os EUA não deixaria a França concordar com a Venda.

Rogério Rufini

Nunca, pelo fato dele não ter valor militar a eles, pois os caças deles não operam no São paulo, e modernizar ele, sairia mais caro que iniciar um novo, não é viável,

Ozawa

“(…) A compra de dois navios é uma estratégia de contratação que a Marinha tem usado eficazmente na década de 1980 para adquirir porta-aviões classe Nimitz e economias de custos significativas realizadas na aquisição, em comparação com a contratação de navios individualmente (…)”

O título da matéria induz a um ineditismo, mas o próprio texto destaca o usualismo dessa conduta da USN. É “mais do mesmo” e nada de “grande outra vez” mas desde sempre.

E a MB que nem se atreva a desenhar sequer 1 NAe no próximo PAEMB porque já estará gastando cartucho da impressora …

Celso

Caro Ozawa, ja passei dos 6…, nao acredito em papai noel e nem em coelhinho da pascoa rsrsrr, enfim, esse tao esperado PA na MB nao importando o tanto de papel que produzem esses planos mirabolantes (PAEMB), nao vai sair aqui no Brasil nem daqui a 50 anos. Nem mesmo por uma impressora 3D daquelas que ja existem. Nao se trata de mais ou menos tecnologia, trata-se de gerenciamento, de vontade e principalmente de cuidado com a coisa publica e PATRIOTISMO, coisa muito em falta a muitos anos. Enfim, pelo menos nao preciso incutir em meus netos tais sonhos ou… Read more »

Dalton

Augusto ou a quem mais interessar… . a última vez que isso foi feito, encomenda de 2 NAes, ocorreu com os USS John Stennis comissionado em dezembro de 1995 e o USS Harry Truman, comissionado em julho de 1998…uma diferença de apenas 2,5 anos entre os comissionamentos e há sim uma grande economia encomendando-se antecipadamente equipamentos e serviços…o problema é ter o aporte inicial para a encomenda. . O USS Gerald Ford comissionado ano passado substituiu o “Enterprise” que foi retirado de serviço em 2012. O segundo da classe o futuro USS John Kennedy substituirá o USS Nimitz por volta… Read more »

Tallguiese

Um vai se chamar Enterprise e o outro podia se chamar Excelcior e depois vem a Voyager… Bora entrar na onda gente, só pra descontrair?

Ronaldo de souza gonçalves

Top gum porque a china compraria o opalão,só se for para derreter o aço,pois o aço dele é muito bom.A Argentina poderia comprar para deixar ele estacionado perto da costa ,em um lugar razo,só para descer uns helicópteros neles para treinamento.O Brasil na desativação do Minas gerais tentou vender-lo baratinho coisa de Hermano,mas eles nem responderam.O futuro do são Paulo e infelizmente é sucatea-lo.ou teste de misseis e torpedos.

Rogério Rufini

Responderam, os Ingleses barraram

Top Gun Sea

A questão de custo, matéria prima, mão de obra não é nenhum problema para os chineses. O problema está na aprovação de sua venda. Para a China remover toda a chaparia externa e colocar uma nova. ressoldar todo o casco e estruturas e colocar uma quilha nova, modernizar a propulsão e restaurar as catapultas e colocar uma ilha moderna num espaço de tempo de 2 anos, dando uma sobrevida de uns 25 anos ao NAE não é nenhum problema. Eles banco isso sem pestanejar. Isso não é nada para o gigante asiático. O mais importante para eles é um conceito… Read more »

Dalton

Top Gun… . os chineses não tem o menor interesse no “São Paulo”…eles estão construindo algo maior e melhor que ele no momento e tem intenções de construir NAes semelhantes aos da US Navy. . Quanto ao “Kitty Hawk” comissionado em 1961 ele será desmantelado, aliás essa decisão já havia sido tomada antes desse absurdo de uma US Navy de 355 unidades…então algumas pessoas começaram a especular de reativar navios que estavam na reserva, entre eles o vetusto “Kitty Hawk” descomissionado em 2009 na tentativa de se chegar a esse número fantasioso mais depressa. . O interessante é que um… Read more »

Top Gun Sea

Sim! Os Chineses, como a Índia, Rússia, EUA tambem tem interesse em aumentar sua frota de porta aviões e rápido. Seria um grande e oportuno achado para somar à frota da China. Como disse acima o A12 é conceito definido e pronto que pode ser modernizado e sobretudo melhorado, com um prolongamento de sua vida util e no que tange matéria prima como aço e mão de obra volumosa e barata, rapidez, capacidade e dinheiro para o fazer a China tem e é inerente a custos.

Leandro Costa

O Kitty Hawk estava em péssimo estado de conservação quando ele deu baixa. Não que a manutenção não era feita, mas ele estava realmente muito desgastado. Lembro-me que ainda durante o FX2 correu um boato de que o Kitty Hawk entraria na negociação caso os Super Hornets fossem escolhidos, o que não apenas não foi confirmado, mas conversando com pessoal da USN, eles se mostraram espantados, tanto pelo fato de que a USN não costuma compartilhar tecnologia de CV’s mesmo antigos convencionais, quanto pelo fato de que algum país, qualquer que fosse, se interessasse pelo Kitty Hawk da forma como… Read more »

Dalton

Outro boato que surgiu Leandro é que a marinha indiana teria mostrado interesse no “Kitty Hawk” para ter maior poder de barganha nas negociações sobre o NAe que estava sendo reconstruído pela Rússia para a marinha indiana. . Quanto ao real estado do “Kitty hawk” se ele estivesse em tão más condições ele nem mesmo teria sido colocado na reserva para um eventual uso futuro…ele poderia não estar em tão boas condições…mas…ainda era uma unidade válida para ser conservada por mais alguns poucos anos. . No fim das contas até hoje a única marinha que operou com o chamado “Super… Read more »

Andrew Martins

Faz o seguinte constrói 3 logo e não dá baixa no USS Eisenhower (CVN 69) ainda. Estaciona ele com umas escoltas na mar do sul da China só pra atazana a vida dos chineses rs

Dalton

Andrew… . já existe um NAe para “atazanar” os chineses que é o USS Ronald Reagan baseado no Japão e quando ele encontra-se em um curto período de manutenção, como agora, os EUA enviam um de seus NAes baseados na costa oeste para substituí-lo, no caso hoje o USS Carl Vinson que recentemente visitou o Vietnã. . O USS D.Eisenhower é um NAe da frota do Atlântico que completará 50 anos em 2027 e seu combustível nuclear estará no fim não valendo a pena um novo reabastecimento e revitalização, assim ele terá que ser inativado e antes dele será inativado… Read more »

Andrew Martins

Dalton valeu!! Agora você sabe se nesse período de reivindicação chinesa sobre aquela aérea do mar, teve algum porta-aviões americano trafegando ali. Eu só li notícias de Destroyer. E sobre o CVN 69 e o Nimitz, em caso de conflito eles poderiam permanecer na ativa?
Desde já grato pela atenção!

Dalton

Andrew…
.
só há um NAe para executar a patrulha e a área a ser patrulahada vai a grosso modo do Japão até à Austrália então o NAe não limita-se à área reivindicada, mas, passa por ela também para descontentamento chinês.
.
Quanto aos CVNs 68 e 69 eles são movidos à energia nuclear e o combustível está se esgotando e não valerá a pena um novo reabastecimento, então, eles serão inativados em 2025 e 2027.
.
abraços

Chico Novato

Esse é o tipo de notícia que por mais que os chineses estejam avançando eles ainda estão uns 40 anos atrás dos EUA.

Sim, eles já tem e já constroem porta aviões, o que lhes falta são décadas de experiência operacional. Esse conhecimento só existe um jeito de ser adquirido.

Chico Novato

… notícias que mostram que…

Charlie

Em 1989 a Revolução Francesa fez 200 anos. Perguntaram a Deng Xiaoping o que ele achava a respeito. Consta que teria respondido “Não sei, ainda é cedo para dizer”…
A China é uma civilização multi-milenar, tempo é tudo o que eles mais tem…

TeoB

Quem pode, pode!
um dia quem sabe agente chega lá também…

Mattos

Para eles, é num cuspe e para nós, um parto atravessado a cada hora que queremos alguma coisa. Eles com este porta aviões gigantes e nós com esse bote. Brincadeira como nós somos.

Mattos

è só se livrarem deste monstro que habita a política brasileira. E para de jogar dinheiro fora no congresso, nas ONg’s e outro buracos nebulosos.

pgusmao

É triste, mas o melhor caminho para quem sonha em um grande país é procurar outro lugar para viver, nunca seremos muito mais do que somos, aqui reina a desorganização completa e a falta de qualquer planejamento, as Forças Armadas ainda são um dos últimos bastião de referência de nosso povo, estamos entregues à corrupção generalizada.

Jeff

Pra quem construiu milhares de veículos, blindados, navios e aeronaves na WWII, tudo ao mesmo tempo, isso ali é fichinha. Também fica óbvio que há redução de custos ao se construir 02 unidades ao invés de uma única, eles querem é um cálculo mais aproximado do total economizado nessa brincadeira dupla.

Cássio

Orra! Eu também gostaria de poder fazer esse tipo de economia. Construir somente 2 casas, comprar somente 2 carros, contratar somente 2 garotas de programa, comer somente 2 pizzas e tomar somente 2 caixas inteiras de cerveja.

Isso é que eu chamo de economia.

Já a Marinha do Brasil, tem que deixar de almoçar pra poder jantar. E jantar pouco ainda…

Willhorv

Mesmo com recursos….planejamento é tudo não! Estão comprando materiais desde 2016…
Imaginaram como seria isso por aqui? Melhor nem pensar.
Em fim…
Serão 12 porta aviões operando ao custo de 10 bi de verdinhas cada. Que coisa hein….fora o resto.
Agora…e as escoltas?
Sei que estão fazendo os Arligh Burke flight 3.
Os Zumwalt parece que vão ficar nos 3…
E os CZ Ticonderoga? Terá substituto?

Dalton

Por enquanto não há um plano exequível de se chegar a 12 NAes…apenas especulação e encomendar 2 ao mesmo tempo não significa que se terá um a mais e sim que 2 serão comissionados em um espaço mais curto de tempo…um intervalo de “apenas” uns 4 anos entre um e outro. . Quanto ao “Arleigh Burke III” ainda não há nenhum em construção, mas, já foi encomendado, o que está em construção são mais 8 Arleigh Burkes IIA e mais 1 “Zumwalt” de uma classe que ficará em apenas 3 unidades, um já comissionado, e outro que deverá ser entregue… Read more »

Jhonny

Boa tarde! Bem que a marinha USA poderia vender a CVN 69 para a MB . Que já nuclear .

Dalton

O “CVN 69” será retirado de serviço por volta de 2027 quando seu combustível nuclear estará próximo do fim…ou seja…ele não poderá voltar a navegar depois e embora teoricamente um novo reabastecimento seja possível não valeria a pena pois o navio não suportaria mais outros 20 anos de uso.
.
A marinha brasileira não teria a menor condição de operar um NAe de propulsão nuclear
de cerca de 100.000 toneladas, muito menos prove-lo de uma ala aérea adequada mesmo que os EUA disponibilizassem um NAe para venda.

- Publicidade -
Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Navios de guerra britânicos podem ser enviados para quebrar o bloqueio de Putin aos portos do Mar Negro

A Grã-Bretanha está coordenando com seus aliados um plano potencial para enviar navios de guerra ao porto de Odessa,...
- Advertisement -